Você está na página 1de 12

Binómio de Newton

Esta página ou secção cita fontes


confiáveis e independentes, mas que
não cobrem todo o conteúdo, o que
compromete a verificabilidade
(desde Abril de 2012). Por favor,
insira mais referências no texto.
Material sem fontes poderá ser
removido.
—Encontre fontes: Google (notícias,
livros e acadêmico)

Em matemática, binómio de Newton


(português europeu) ou binômio de Newton
(português brasileiro) permite escrever na
forma canônica o polinómio
correspondente à potência de um
binómio. O nome é dado em homenagem
ao físico e matemático Isaac Newton.
Entretanto, deve-se salientar que o
Binômio de Newton não foi o objeto de
estudos de Isaac Newton. Na verdade, o
que Newton estudou foram regras que
valem para quando o expoente
n é fracionário ou inteiro negativo, o que
leva ao estudo de séries infinitas.[1]

Casos particulares do Binômio de


Newton são:
Notação e fórmula
O teorema do binômio de Newton se
escreve como segue:

Os coeficientes são chamados

coeficientes binomiais e são definidos


como:

onde e são

inteiros, e
é o fatorial de x.
O coeficiente binomial

corresponde, em análise combinatória,


ao número de combinações de n
elementos agrupados k a k.

O triângulo de Pascal
Um algoritmo simples para calcular os
coeficientes binomiais é o triângulo de
Pascal.

O triângulo de Pascal é um triângulo


numérico infinito formado por
coeficientes binomiais onde
representa o número da linha (posição
vertical) e representa o número da
coluna (posição horizontal).
A construção do triângulo faz-se de
forma que cada elemento do triângulo de
Pascal seja igual à soma dos elementos
imediatamente acima e à direita com o
elemento imediatamente acima e à
esquerda. O elemento da primeira linha e
primeira coluna é 1.

O princípio do triângulo de Pascal é a


relação de Stifel também conhecida
como igualdade do triângulo de Pascal:

O triângulo de Pascal.
Esta fórmula e o triângulo de Pascal são
muitas vezes atribuídos a Blaise Pascal,
que os descreveu no século XVII. Já
eram, no entanto, conhecidos do
matemático Chinês Yang Hui no século
XIII. O matemático persa Omar Khayyám,
pode ter sido o primeiro a descobrir.

Por exemplo, o desenvolvimento de


diversos binômios através dessa técnica:

Demonstração do teorema
do Binômio de Newton
Antes de começar, vale lembrar que:
(1)

Sejam x, y elementos de um anel


comutativo( xy=yx) e n um inteiro não-
negativo.

Demonstraremos por indução


matemática.

Base:
Recorrência:

Seja n um inteiro maior ou igual a 1,


mostraremos que a relação para n
implica a relação para n+1:

Da hipótese de indução:

Por distributividade de produto sob a


soma:

Que pode ser reescrito usando (1):


Usando a formula do triângulo de Pascal:

Reagrupando o somatório:

E segue o resultado.

Aplicações
O binómio de Newton pode ser usado
para derivar diversas expressões
matemáticas, através da escolha
adequada de x e y. Por exemplo:

onde são os polinómios de


Bernstein.
Recomendado:

Referências
1. GARBI, Gilberto G. O Romance das
Equações Algébricas. Editora Livraria da
Física. São Paulo, 2007. ISBN 85-88325-
76-4

Ver também
Triângulo de Pascal
Combinação
Polinômios
Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?
title=Binómio_de_Newton&oldid=53168877"

Última modificação há 29 dias por …

Conteúdo disponibilizado nos termos da CC BY-


SA 3.0 , salvo indicação em contrário.

Você também pode gostar