Você está na página 1de 14

1/14

ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E


CORTE

1. OBJETIVO

1.1. Estabelecer os critérios de medição para os serviços de Pintura Industrial, Soldagem


e Corte, deste Contrato.

2. PINTURA INDUSTRIAL

2.1. Válvulas e Flanges Instalados / Não Instalados nas Tubulações

2.1.1. A área a ser calculada deverá obedecer à tabela do item 2.11 deste Anexo nos
demais diversos diâmetros.

2.2. Tubulação

2.2.1. A área pintada será medida pela multiplicação do perímetro da tubulação pelo seu
comprimento. No caso de curvas, o comprimento da mesma será medido pela sua linha
de centro.

2.2.2. Na pintura de acessórios que interliguem tubulações de diâmetros diferentes, será


considerado, para efeito de medição, o de maior diâmetro.

2.3. Equipamentos

2.3.1. Para medição da área pintada de equipamentos como bombas, motores,


compressores e turbinas será considerada a área obtida do somatório das áreas de topo
e lateral de um prisma reto, que tem como aresta as maiores dimensões do conjunto
segundo 03 (três) eixos ortogonais. Já estarão incluídos todos os acessórios e saliências
existentes.

2.4. Estruturas Metálicas

2.4.1. Piso de Grelha: Será considerada a área do vão cheio.

2.4.2. Guarda Corpo, Corrimão e Perfis: Será considerada a área obtida pelo somatório
das áreas dos perfis das estruturas.

2.4.3. Piso Antiderrapante e Chapas: Será considerada a área real medida.

2.4.4. Parafusos e Chapas de Atracação: Serão consideradas como partes integrantes do


conjunto, não merecendo medição em separado.

2.5. Escada de Marinheiro


2/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

2.5.1. Será considerada a área de projeção frontal, considerando-se vão fechado. Já


estará incluído o guardo corpo.

2.5.2. Para outros tipos de escada, a área a ser considerada será o resultado da
multiplicação da sua projeção em um plano paralelo por 1,5 (um e meio). Já estarão
incluídos o corrimão e o rodapé.

2.5.3. Para pintura de degraus em separado, o procedimento para o cálculo da área a ser
considerada para, efeito de medição, será o mesmo utilizado para grelha e o restante da
escada será utilizado o procedimento de perfis.

2.6. Vasos, Tanques, Torres, Tratadores e Fornalhas

2.6.1. A área a ser considerada será a área real, desconsiderando-se saliências,


aberturas e conexões (ver tabela do item 5.1 deste Anexo).

2.7. Plataforma e Escada

2.7.1. A área a ser considerada para efeito de medição será o resultado da multiplicação
da sua projeção em um plano paralelo por 2,5 (duas vezes e meia). Já estarão incluídos o
corrimão e o rodapé. A estrutura e suporte da mesma serão conforme o critério para
perfis.

2.8. Janelas, Portas e Venezianas

2.8.1. Para efeito de medição a área a ser considerada será o produto do vão cheio por
1,5 (um e meio). Já estará incluída qualquer saliência existente.

2.9. Geral

2.9.1. Quando da impossibilidade de obter-se a área real do equipamento, a área


considerada será o sólido envolvendo todo o equipamento.

2.9.2. Quando se tratar de retoques em alguns destes casos citados anteriormente, será
feito no local a avaliação da metragem dos retoques e pago de acordo com o percentual
do procedimento.

2.10. Estruturas de Haste de Bombeio

2.10.1. Será a área real.


3/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

2.11. As medições devem obedecer às seguintes tabelas:

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (m2)

1/2” 0,01

3/4” 0,01

1” 0,01

1 1/2” 0,02

2” 0,03

2 1/2” 0,04

3” 0,06

4” 0,10

CURVA DE 90º 6” 0,21

8” 0,36

10” 0,52

12” 0,74

14” 0,94

16” 1,23

18” 1,55

20” 1,92

24” 2,75

26” 3,23

30” 4,30

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (m2)

1/2” 0,01

3/4” 0,01

1” 0,01

1 ½” 0,01

2” 0,02

2 ½” 0,02

CURVA DE 45º 3” 0,03

FLANGES 4” 0,05

RETENÇÕES 6” 0,11

E TÊS 8” 0,18
4/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

10” 0,26

12” 0,37

14” 0,47

16” 0,62

18” 0,78

20” 0,96

24” 1,38

26” 1,62

30” 2,15

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (m2)

1/2” 0,06

3/4” 0,10

1” 0,14

1 1/2” 0,22

2” 0,30

2 1/2” 0,38

3” 0,45

VÁLVULAS 4” 0,59

DE 6” 0,88

BLOQUEIO 8” 1,17

10” 1,50

12” 1,94

14” 2,38

16” 2,82

18” 3,25

20” 3,69

24” 4,57

26” 5,00

30” 5,89

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (m2)

1/2” 0,09
5/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

3/4” 0,15

1” 0,21

1 1/2” 0,33

2” 0,45

2 1/2” 0,57

3” 0,68

VÁLVULAS 4” 0,77

DE 6” 1,14

CONTROLE 8” 1,52

10” 1,95

12” 2,33

14” 2,84

16” 3,38

18” 3,90

20” 4,43

24” 5,48

26” 6,01

30” 7,06

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

3” 0,304

4” 0,466

6” 0,52

VIGA “U” 8” 0,65

10” 0,80

12” 0928

15” 1,118

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

3” 0,393

4” 0,478

6” 0,652

VIGA “I” 8” 0,818


6/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

10 0,992

12” 1,152

18” 1,530

20” 1,940

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

4” 0,60

VIGA “H” 6” 0,90

8” 1,20

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

2” 0,102

3” 0,152

4” 0,202

5” 0,254

BARRA CHATA 6” 0,304

7” 0,354

8” 0,406

9” 0,456

10” 0,508

12” 0,608

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

1/2” 0,048

5/8” 0,060

3/4” 0,076

7/8” 0,088

1” 0,101

1 1/8” 0,112

CANTONEIRAS DE ABAS 1 1/4" 0,124

IGUAIS 1 1/2” 0,152

1 3/4” 0,176

2” 0,200
7/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

2 1/4” 0,228

2 1/2” 0,252

2 3/4” 0,276

3” 0,304

3 1/2” 0,352

4” 0,404

4 1/2” 0,456

5” 0,508

6” 0,608

8” 0,812

MATERIAL NOMINAL (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

3.1/2” X 2.1/2” 0,302

4” X 3” 0,354

CANTONEIRAS DE ABAS 4” X 3.1/2” 0,378

DESIGUAIS 5” X 3.1/2” 0,430

6” X 4” 0,506

7” X 4” 0,556

8” X 4” 0,608

TUBOS NOMINAL (POL.) EXTERNO (POL.) ÁREA À PINTAR (1 ML= m2)

1/2” 0,840 0,0669

3/4” 0,050 0,0837

1” 1,315 0,1048

1”1/4” 1,660 0,1323

1.1/2” 1,900 0,1515

2” 2,375 0,1894

2.1/2” 2,875 0,2292

3” 3,500 0,2791

3.1/2” 4,000 0,3190

4” 4,500 0,3589
8/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

5” 5,563 0,4436

6” 6,625 0,5283

8” 8,625 0,6878

10” 10,750 0,8573

12” 12,750 1,0168

14” 14,000 1,1165

16” 16,000 1,2760

18” 18,000 1,4356

20” 20,000 1,5951

24” 24,000 1,9141

26” 26,000 2,0736

30” 30,000 2,3926


9/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

3. SOLDAGEM E CORTE

3.1. Para a medição do volume de solda e da área de corte em tubos, deve ser
considerado o desenho esquemático abaixo:
10/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

3.2. Para a medição do volume de solda e da área de corte em chapas, deve ser
considerado o desenho esquemático abaixo:
11/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

3.3. As medições devem obedecer às seguintes tabelas:

TUBOS VOLUME (cm3) ÁREA (cm2)

3/4” SCH 40 0,55 2,29

3/4” SCH 80 0,97 2,95

1/2” SCH 40 0,31 1,50

1/2” SCH 80 0,57 1,97

1” SCH 40 0,75 3,00

1” SCH 80 1,35 3,92

2” SCH 40 1,91 6,63

2” SCH 80 3,89 9,26

2” SCH 160 9,39 13,81

3” SCH 40 6,22 14,55

3” SCH 80 11,77 19,67

3” SCH 160 23,99 27,25

4” SCH 40 8,92 19,88

4” SCH 80 18,11 27,87

4” SCH 120 33,93 35,45

6” SCH 40 18,95 34,41

6” SCH 80 44,80 53,57

8” SCH 40 35,58 53,99

8” SCH 80 79,77 82,01

10” SCH 40 54,05 76,65

10” SCH 80 141,01 121,96

12” SCH 40 138,51 94,77

20” SCH 40 266,87 232,95

20” SCH 120 896,65 562,16

24” SCH 20 135,75 183,77

24”SCH 40 441,19 328,45

24” SCH 80 1353,53 566,47

30” SCH 10 113,22 188,33

30” SCH 20 287,72 298,96

30” SCH 30 449,71 372,69


12/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

CHAPAS cm3/m cm2/m

1/16” 1,93 16,00

1/8” 7,96 32,50

3/16” 17,07 47,6

1/4” 30,39 65,5

5/16” 47,51 79,40

3/8” 68,44 95,30

1/2” 121,54 127,00

5/8” 190,03 158,80

3/4” 273,47 190,5

7/8” 372,38 222,30

1” 486,16 254,00
13/14
ANEXO 4 - CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E
CORTE

4. MODELO DE CROQUIS

4.1. Abaixo se encontram dois modelos de croquis considerados aceitáveis pela


fiscalização da PETROBRAS.
14/14
ANEXO 4 – CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PINTURA INDUSTRIAL, SOLDAGEM E CORTE

5. DIMENSÕES DE EQUIPAMENTOS E SUAS ÁREAS SUPERFICIAIS

5.1. A tabela abaixo contém as dimensões de equipamentos e suas áreas superficiais.

DIMENSÕES DE EQUIPAMENTOS E SUAS ÁREAS SUPERFICIAIS

TANQUES
RAIO PISO RAIO TETO ALTURA ÁREA DO PISO ÁREA TETO ÁREA PERÍMETRO
EQUIPAMENTO
(m) (m) (m) (m²) (m²) COSTADO (m²) (m)
TQ FIXO 60 bbl 1,15 1,16 4,80 4,15 4,23 34,67 7,22
TQ FIXO 250 bbl 1,56 1,57 6,90 7,64 7,73 68,03 9,80
TQ FIXO 300 bbl 1,78 1,80 4,80 9,95 10,17 53,66 11,18
TQ FIXO 500 bbl 2,20 2,22 4,80 15,20 15,48 66,32 13,82
TQ 2.000 bbl 3,90 3,95 7,20 47,76 48,99 176,34 24,49
TQ 3.000 bbl 5,28 5,30 7,70 87,54 88,20 255,32 33,16
TQ 5.000 bbl 5,30 5,33 9,60 88,20 89,20 319,53 33,28
TQ 10.000 bbl 7,30 7,33 14,40 167,33 168,71 660,15 45,84
TQ 30.000 bbl 11,13 --------- 12,14 388,97 --------- 848,54 69,90
TQ 60.000 bbl 15,37 --------- 14,55 741,78 --------- 1404,42 96,52

TRATADORES DE EMULSÃO - MEDIDAS COMO REFERÊNCIA = TRATADOR NORDON


ÁREA DA CALOTA ÁREA SUPERFÍCIE ÁREA SUPERFÍCIE EXTERNA CHAPA CÂMERA DE GÁS 2 FACES ÁREA DA CALOTA INF.
SUP. (m²) INTERNA (m²) (m²) (m²) (m²)
7,07 89,49 91,28 14,13 7,07

(FIM DO ANEXO 4)