Você está na página 1de 55

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 1

Estaleiros

O que é um Estaleiro?

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 2

1
Estaleiros

Estaleiro é a área onde são implantadas as


instalações de apoio à execução de obras, guardados
os equipamentos de apoio e executadas as infra-
estruturas provisórias (por exemplo, água, esgotos,
electricidade).

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 3

Estaleiros

Estaleiros Navais

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 4

2
Estaleiros

Estaleiros Navais

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 5

Estaleiros

Estaleiros Navais

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 6

3
Estaleiros

Distinguem-se dois tipos de estaleiros: central e local.

O estaleiro central é implantado normalmente em


terreno da empresa de construção onde se encontram as
instalações e equipamentos de utilização geral como
sejam oficinas especializadas (carpintaria, serralharia),
podendo aí instalar-se centrais de fabrico de betão, de
corte, de dobragem de armaduras, entre outras.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 7

Estaleiros

O estaleiro local ou estaleiro da obra é aquele que serve


de apoio à execução de uma determinada obra, nele se
instalando todos os elementos que as características da
obra a executar exigem.

O estaleiro local ocupa em geral terrenos pertencentes ao


dono da obra ou outros na proximidade da obra, seja
privado ou via pública.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 8

4
7 – Estaleiros

Legislação:

Regulamento das instalações provisórias destinadas ao pessoal empregado


nas obras Decreto-lei 46427 de 10/7/1965;

Decreto Regulamentar n.º 33/88 de 12-09-1988 que estabelece normas de


sinalização de obras e obstáculos ocasionais na via pública;

Decreto-lei 273/03 de 29 de Setembro que procede à revisão dos


regulamentos das condições de Higiene e Saúde no Trabalho em estaleiros
temporários ou móveis;

Regulamentos camarários específicos sobre os estaleiros e ocupação da via


pública.

Decreto-lei nº 178/2006 de 5 de Setembro (RCD).

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 9

Estaleiros

Legislação:

Algumas autarquias dispõem de um Manual de Estaleiro (ME).


(exemplo de Odivelas no Moodle.)

O Decreto-Lei n.º 441/91, de 14 de Novembro, acolhe no ordenamento jurídico


nacional as obrigações decorrentes da ratificação da Convenção n.º 155 da
Organização Internacional do Trabalho (OIT), relativa à segurança, à saúde dos
trabalhadores e ao ambiente de trabalho, e transpõe para o direito interno a
Directiva n.º 89/391/CEE, respeitante à aplicação de medidas destinadas a
promover a melhoria da segurança e saúde no trabalho.

O projecto do estaleiro é parte integrante do Plano de Segurança e Saúde (DL


273/03 de 29OUT), conforme art.º 6º (PSS em projecto) e Art.º 11 (PSS em obra).

A abertura do estaleiro só pode ter lugar desde que o DO disponha de um PSS e


informe a ACT da sua abertura (comunicação prévia).
OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 10

5
Estaleiros
Elementos do estaleiro:
Vedações
Portaria
Escritório incluindo o da fiscalização
Dormitório
Instalações sanitárias
Refeitório
Armazéns de materiais
Ferramentaria
Estaleiro de preparação de armaduras
Estaleiro de preparação de cofragens
Estaleiro de fabrico de betões e argamassas
Instalação de equipamentos de apoio fixo (grua)
Parques de equipamentos móveis (dumper, retroescavadora, …)
Parques de materiais
Redes provisórias de água, esgotos e electricidade
Recolha de lixos
Circulações internas
Reservar espaço para subempreiteiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 11

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 12

6
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 13

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 14

7
Estaleiros

Instalações sanitárias:

Devem ser contíguas aos dormitórios


Pé-direito mínimo: 2,60 m
Lavatórios: 1 / 5 trabalhadores
Chuveiros: 1 / 20
Urinóis: 1 /25
Retretes: 1 /15
Altura mínima das divisórias entre chuveiros e retretes: 1,70 m
Cacifos para funcionários que não pernoitam na obra
Área destinada a vestiários: De 1m2 a 2m2 por trabalhador

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 15

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 16

8
7 – Estaleiros
Contentores p/
instalações sanitárias

www.algeco.pt

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 17

Estaleiros
Contentores p/
instalações sanitárias Exemplo de plano do piso:

http://www.containex.pt/

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 18

9
Estaleiros

Decreto-Lei
n.º 46/2008
de 12 de
Decreto-Lei nº 178/2006 de 5 de Setembro Março

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 19

Estaleiros

Recolha de lixos e seu


destino

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 20

10
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 21

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 22

11
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 23

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 24

12
7 – Estaleiros

Em resumo para Dormitórios:

Volume mínimo: 5,5 m3 por ocupante


Pé-direito mínimo: 3 m
Área mínima das janelas: 1/10 da área do pavimento
Afastamento mínimo entre camas: 1 m para camas
simples e 1.5 m para beliches de 2 camas

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 25

7 – Estaleiros
Volume mínimo de 2,5 m3 por ocupante +/-1 m2/área

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 26

13
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 27

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 28

14
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 29

Estaleiros

Alojamento do
pessoal

-Podem ser constituídas


por carros adequados
(caravanas), barracões
ou edifícios
-O guarda e o
encarregado geral são
os responsáveis pela
vigilância dos
alojamentos, posto de
socorros, extintores,
instalações sociais e
limpeza.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 30

15
7 – Estaleiros

Armazéns de materiais

Destina-se aos materiais que não podem ficar ao ar livre (ex: cimento, loiças).
O responsável designa-se por Fiel de Armazém
Deve ter materiais para abastecer a obra durante 2 ou 3 dias

Ferramentaria

Quando o armazém de materiais se destina apenas a ferramentas e equipamentos.


O responsável é designado por Ferramenteiro.

Área armazém+ferramentaria: de 0,20 a 0,60 por trabalhador

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 31

Estaleiros

Movimentação de equipamentos

De manhã o ferramenteiro distribui a ferramenta, que recolhe ao


fim do dia, considerando-se, no período de trabalho, responsável
o operário que as recebeu.

Deve ser feito registo diário de ferramenta (quem levou, hora de


entrega e devolução).

No caso de ferramentas mecânicas de custo elevado, convém


haver um responsável directo (arvorado ou encarregado).

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 32

16
7 – Estaleiros

Requisição de equipamento
Guia de remessa
Guia de entrega

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 33

7 – Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 34

17
Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 35

7 – Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 36

18
7 – Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 37

Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 38

19
Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

Máquina de corte

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 39

Estaleiros

Estaleiro de preparação de armaduras:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 40

20
Estaleiros

Estaleiro de preparação de cofragens:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 41

Estaleiros

Estaleiro de preparação de cofragens:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 42

21
Estaleiros

Estaleiro de preparação de cofragens:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 43

7 – Estaleiros

Estaleiro de preparação de cofragens:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 44

22
Estaleiros

Estaleiro de preparação de cofragens:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 45

Estaleiros

Parques de equipamentos móveis:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 46

23
Estaleiros

Parques de materiais diversos:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 47

Estaleiros

Portaria:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 48

24
Estaleiros

Portaria:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 49

7 – Estaleiros

Escritórios de obra:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 50

25
7 – Estaleiros

Escritórios de obra:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 51

Estaleiros

Escritórios de obra:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 52

26
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 53

7 – Estaleiros

Outras instalações:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 54

27
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 55

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 56

28
Estaleiros

Matriz de correlação

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 57

Estaleiros

Matriz de correlação

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 58

29
Estaleiros

Matriz de correlação

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 59

Estaleiros

Matriz de correlação

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 60

30
Estaleiros

Outras instalações:

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 61

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 62

31
Estaleiros

Implantação do estaleiro

Definido o estaleiro duma forma global, isto é, em termos das


necessidades de infraestrutura e organização impostas pelo tipo
de obra, prazo de execução e processos de construção, há então
que estudar a sua implantação no terreno, ou seja, estabelecer as
condições que assegurem o seu funcionamento normal.

Temos de enumerar os diversos sectores operacionais de que o


estaleiro se compõe, esquematizando em seguida a sua
articulação mais conveniente, para, em consequência, se proceder
à sua correcta arrumação no terreno.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 63

Estaleiros

Implantação do estaleiro

Na fase de estudo de implantação do estaleiro já se deve dispor


de praticamente toda a dimensão do principal equipamento e
instalações, pois que, não só por exigência do caderno de
encargos da obra houve que integrar na proposta a definição dos
meios a utilizar para a sua execução, como, em qualquer
circunstância, esta definição teria que ser feita com vista à
orçamentação da obra, atendendo inclusivamente às
disponibilidades da empresa no que se refere a equipamento.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 64

32
Estaleiros
Plano de Estaleiro
Contempla dois elementos:
Memória Descritiva e Justificativa
Peças Desenhadas

Memória Descritiva e Justificativa


Refere-se a presente memória ao plano de estaleiro de uma obra que uma
cooperativa pretende mandar executar numa parcela (EXPO 98).
A implantação dos edifícios ocupa a totalidade da parcela pelo que se implantou o
estaleiro na zona que pareceu mais indicada: ocupação de parte da parcela 3.06.04,
totalizando 860m2, de forma a englobar todos os elementos essenciais para o bom
funcionamento do estaleiro. A passagem de máquinas faz-se fora do terreno de
construção, visto ser a única entrada possível para o estaleiro em questão.
A vedação do estaleiro vai ser feita por chapas de alumínio com altura de
2,000mts, de cor branca.
Existirá um portão de acesso para entrada e saída de materiais e viaturas, e outra
para acesso de pessoal.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 65

7 – Estaleiros
Memória Descritiva e Justificativa (cont…)
Na entrada do portão onde será instalada uma caldeira com ligação a uma fossa de
recolha de lavagem de rodados, cuja limpeza será feita semanalmente com a
deslocação de uma viatura para efectuar a aspiração da mesma.
O armazenamento de materiais será sempre feito no estaleiro da obra.
Foram considerados 5 contentores para escritório (três deles com sanitários
incluídos), um para vestiário, dois para instalações sanitárias e um para refeitório,
em que todos têm ligação à rede de esgoto.
As duas gruas torre que foram consideradas ficaram posicionadas na periferia dos
lotes por forma a garantir a distribuição dos materiais a qualquer ponto da obra, as
gruas ficaram sobre caixas com brita e carris.
Será colocada em obra uma sinalização referente à identificação da empreitada e
seus agentes através do painel obrigatório de acordo com modelo exigido por V.
Exas., bem como toda a sinalização necessária no capítulo de segurança de acordo
com planta de estaleiro sinalização.
A obra terá vigilância permanente, ou seja, 24 horas por dia.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 66

33
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 67

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 68

34
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 69

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 70

35
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 71

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 72

36
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 73

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 74

37
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 75

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 76

38
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 77

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 78

39
Estaleiros
Resíduos na Construção e Demolição

Separar resíduos desde o


momento da sua
Produção

Encaminhar resíduos
separadamente para
locais apropriados

“Os produtores de resíduos devem proceder à


separação de resíduos na origem de forma a
proceder à sua valorização”
DL 178/2006, 5 de Setembro

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 79

7 – Estaleiros
Resíduos na Construção e Demolição

Criação de Parque de
Resíduos em obra

Separação e valorização
de resíduos
aproveitamento como
matéria prima (ex
madeiras, ferro/aço, vidro)

“Os produtores de resíduos devem proceder à


separação de resíduos na origem de forma a
proceder à sua valorização”
DL 178/2006, 5 de Setembro

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 80

40
Estaleiros
Resíduos na Construção e Demolição
Encaminhar resíduos para entidades licenciadas

Preenchimento e
arquivo das Guias de
Acompanhamento de
Resíduos

Preencher pela obra

Preencher pelo
transportador

Preencher pelo
destinatário
OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 81

Estaleiros

Reutilização de Resíduos na Construção e Demolição

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 82

41
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 83

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 84

42
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 85

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 86

43
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 87

Estaleiros
Equipamento portátil para obras

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 88

44
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 89

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 90

45
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 91

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 92

46
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 93

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 94

47
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 95

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 96

48
Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 97

7 – Estaleiros

Equipamento para placas

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 98

49
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 99

Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 100

50
7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 101

7 – Estaleiros

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 102

51
Estaleiros
Máquinas para trabalhos de alvenaria, reboco e madeira

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 103

Estaleiros

CLASSIFICAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE CUSTOS


INDIRECTOS

OS CUSTOS- CONSUMO DE FACTORES PARA


ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO DE QUALQUER
ACTIVIDADE- PODEM SER CLASSIFICADOS POR
DIVERSOS ANGULOS DE OBSERVAÇÃO.

ATENDENDO AO GRAU DE CONEXÃO COM O NÍVEL


DE ACTIVIDADE, OS
CUSTOS PODEM DIVIDIR-SE EM DIRECTOS E
INDIRECTOS

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 104

52
Estaleiros

Custos directos
Os que se podem afectar imediatamente, sem cálculos
intermédios, a um determinado segmento de actividade
(destino funcional) ou aos produtos ou serviços que os
geraram ou consumiram (destino final).

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 105

Estaleiros

Custos indirectos
Os que são comuns à globalidade da produção ou da empresa
e logo, são difíceis de imputar a um produto ou segmento de
actividade. Necessitam de tratamento intermédio para
poderem ser imputados aos segmentos de actividade ou aos
produtos ou serviços produzidos ou prestados. (Ex. gastos
gerais de fabrico, despesas comerciais, despesas gerais de
carácter administrativo e financeiro).

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 106

53
Estaleiros

A repartição ou imputação destes custos indirectos aos


segmentos e aos produtos e dos segmentos aos produtos é
efectuada por meios mais ou menos rigorosos (ou arbitrários)
com a ajuda de “chaves de repartição” (coeficientes) ou
condutores de custos.

Cada empresa em função da sua realidade, terá de adoptar os


seus critérios de repartição ou condutores de custos, definindo
os métodos e sistemas de custeio mais adequados.

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 107

Estaleiros

APLICAÇÃO
Sejam os seguintes encargos por natureza, suportados pela empresa Y no mês de Março:

Rubricas Montante
Seguros 6.000,00 €
Manutenção 13.000,00 €
Iluminação 8.000,00 €
Aquecimento 9.000,00 €

Estes custos indirectos deverão ser repartidos pelas Obras A, B, C e D.

Rubricas Chaves de repartição Obra A Obra B Obra C Obra D


Seguro Valor de Aquisição 140.000,00 € 160.000,00 € 80.000,00 € 70.000,00 €
Manutenção Superfície 7.500 m2 9.600 m2 700 m2 600 m2
Iluminação Numero de Lâmpadas 160 200 25 15
Aquecimento Superfície dos edifícios 7.500 m2 9.600 m2 700 m2 600 m2

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 108

54
Estaleiros

APLICAÇÃO
RESOLUÇÃO
Uma vez que são dadas as chaves de repartição dos custos pelos diferentes centros
destinatários dos mesmos, não temos mais do que calcular os coeficientes para cada
segmento de custo e proceder à imputação aos diferentes destinatários..

RUBRICAS CHAVES DE REPART. COEFIC. OBRA A OBRA B OBRA C OBRA D TOTAL

Seguro Valor de aquisição 6.000/450.000 1.866,70 2.133,30 1.066,70 933,3 6.000,00

Manutenção Superficie 13.000/18.400 5.298,90 6.782,60 494,6 423,9 13.000,00

Iluminação Numero de lampadas 8.000/400 3.200,00 4.000,00 500 300 8.000,00

Aquecimento Superficie dos edifícios 9.000/18.400 3.668,50 4.695,60 342,4 293,5 9.000,00

OGEOB 2015/16 Jorge Magalhães Mendes 109

55