Você está na página 1de 5

ª VARA DE

FAMÍLIA, DA CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DO NUCLEO BANDEIRANTE -

DF.

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA

JOÃO HERMETO DE OLIVEIRA NETO, brasileiro, casado, militar, filho

de Francisco Hermeto de Oliveira e Julieta Alves de Oliveira, portador da Carteira de

Identidade n°. 721610 SSP/DF, inscrito no CPF sob o n°. 359.247.801-04, residente e

domiciliado na QR 1A Conjunto Z, Lote 05 Casa 01 Candangolandia/DF, Telefone:

(61) 3348-8112, e-mail: jhermetoadm@gmail.com, por intermédio de seus advogados

constituídos, com escritório profissional no Sig Sul, Quadra 03, Lote E, Telefone: 3344-

0746, consubstanciados no § 6º do artigo 226 da CF/88, vem à presença de Vossa

Excelência propor a presente ação de

DIVÓRCIO LITIGIOSO

em desfavor de VANUSA LOPES FERREIRA HERMETO, brasileira, casada, Advogada

e Servidora Pública filha de Salomão Alves Ferreira e Maria Gisleide Lopes Ferreira,

portadora da Carteira de Identidade: desconhecido e inscrito no CPF sob o nº. 524.446.511-

20, residente e domiciliada na QR 1A Conjunto Z, Lote 05 Casa 01

Candangolândia/DF, pelas razões de fato e de direito a seguir aduzidas:

I - DOS FATOS E DO MATRIMÔNIO

Os cônjuges casaram-se em 17 de março de 2000, sob o regime de comunhão parcial de bens, conforme Certidão de Casamento, anexa.

Diante do descumprimento da parte ré dos seus deveres matrimoniais, das incessantes ameaças de denegrir a honra do autor, bem como, no fim dos vínculos afetivos,

o autor busca a extinção do vinculo jurídico.

Nesta conjuntura, autor buscando evitar embates e litígios desnecessários derivado da insatisfação da ré gerada pelo fim da relação, saiu do domicílio do casal na data de 22/09/2019, encerrando a coabitação e a vivencia.

Apesar de não ter havido qualquer embate durante a saída e inexistir espírito litigante por parte do autor, a ré, ao constatar a decisão definitiva do autor em por fim a relação, passou a vociferar ameaças exigindo o retorno da vida comum, fato corporificado por mensagens e ligações telefônicas dirigidas ao autor, a funcionários do gabinete do autor (Deputado Distrital) e de terceiros.

Contudo,

o

retorno

da

relação

é

impossível

almejando

o

autor

o

encerramento dos vínculos matrimoniais com a partilha equânime de todos os bens.

Assim, diante da impossibilidade da manutenção da sociedade conjugal busca

o autor o rompimento da sociedade conjugal, pois não mais suporta a convivência, não residindo affectio societatis entre o casal.

A requerida mesmo ciente da intenção do autor não aceita a separação chegando a ameaçar de promover campanha injuriosa na internet e nos meios sociais de convívio do autor, fato que apenas consolida a necessidade da separação e justificou a saída do lar conjugal, justamente para evitar embates e situações desnecessárias que poderiam impedir uma futura e almejada convivência madura, harmoniosa e respeitosa.

Desta forma, o requerente diante do inequívoco interesse em por efetivo

termo a sociedade conjugal, requer a decretação do divórcio, oficializando o rompimento desta.

II - DO FILHO

Os consortes na constância do casamento tiveram um filho:

- JOÃO LUCAS LOPES HERMETO, nascido em 22/03/1998 (conforme certidão de nascimento anexa).

Por ser maior e capaz não haverá nesses autos oferta de alimentos.

III - DOS ALIMENTOS

No que tange aos alimentos o requerente entende que ambos possuem condições financeiras de arcarem com suas próprias subsistências, sendo a ré funcionária pública efetiva, advogada e atualmente exerce o cargo de Conselheira Tutelar do Distrito Federal.

IV - DOS BENS E DAS DÍVIDAS

Os consortes adquiriram na constância do casamento:

1) IMÓVEL localizado na QR 1A Conjunto Z, Lote 05 Casa 01 e sala Candangolandia/DF.

Cabe esclarecimento que o lote, apesar de ser registrado em escritura pública em nome do autor, trata-se de edifício composto por condomínio cuja edificação é subdividida em 4 (quatro) pavimentos, com propriedades distintas, a dizer:

a) térreo: composta de garagem de uso comum (área comum - não deve ser

partilhado) e uma sala comercial (de propriedade dos consortes deve ser partilhada);

b) 1º pavimento (casa 01) de propriedade dos consortes deve ser partilhada;

c) 2º pavimento (casa 02) de propriedade de Faustino Gomes da Anunciação

Neto (NÃO DEVE SER PARTILHADA);

d) 3º Pavimento trata-se de uma área de lazer comum (não deve ser

partilhado).

Ou seja, a propriedade exclusiva do casal que deve ser partilhada é a Sala comercial térrea avaliada em R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) e a casa 01 (1º pavimento da edificação) avaliada em R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). Administrativamente deverá ser realizado o desmembramento da escritura ou o registro do condomínio.

IMÓVEL apartamento localizado na Rua 01, Lote 09, apartamento 301 Polo de Modas Guara II/DF, avaliado em R$ 100.000,00 (cem mil reais);

3) VEICULO motocicleta XRE 2011, avaliado em R$ 10.000,00 (dez mil

reais); 4) Automóvel UP - Placa PAJ-2896, avaliado em R$ 35.000,00 (trinta e cinco mil reais);

Automóvel Palio - Placa JGU-8625, avaliado em R$ 10.000,00 (dez mil

reais); 6) Automóvel Renault Fluence - Placa ATJ 7081, avaliado em R$ 40.000,00 (quarenta mil reais). 7) Ativos financeiros e saldo em contas correntes de ambos, que deve ser apurado com a juntada de ambos dos extratos bancários atuais;

5)

2)

Devendo os bens incontroversos ser partilhados na proporção de 50% para cada um dos cônjuges. Não há dívida conhecida dos cônjuges.

V- DO PATRONÍMICO

O cônjuge virago, após sentença que decretar o divórcio do casal, deverá voltar a usar o nome de solteira, qual seja: VANUSA LOPES FERREIRA, nos termos de parágrafo 2°, do artigo 1.578, do Código Civil, caso queira, uma vez que o requerente não se opõe a permanência do uso do seu patronímico.

VI - DOS PEDIDOS

Isto posto, requer:

a) a CITAÇÃO da requerida, para que, ofereça contestação no prazo legal, caso queira, sob pena de confissão e revelia quanto a matéria de fato;

b) que sejam partilhados os bens descritos no item IV na proporção de 50% para cada cônjuge.

c)

seja decretado, por sentença, o DIVÓRCIO do casal, a fim de que surta os

efeitos legais jurídicos, expedindo-se o competente mandado ao 1º Ofício de

Registro Civil e Casamentos, Títulos e Documentos e Pessoas Jurídicas de

Brasília, Telefone: 3552-0005, sendo este localizado na 3º Avenida 1010-A-

Nucleo Bandeirante, para fins de averbação do Divórcio, que seja alterado o

nome da cônjuge virago passando a ser: VANUSA LOPES FERREIRA;

d) A PROCEDÊNCIA da seguinte ação, com a condenação da requerida ao

pagamento das custas e honorários advocatícios;

Dá-se á presente causa o valor de R$ 745.000,00 (setecentos e quarenta e

cinco mil reais).

Termos em que pede deferimento.

Brasília, 23 de setembro de 2019.

Mário de Almeida Costa Neto OAB/DF 13.154

Leidilane Silva Siqueira OAB/DF 41.256