Você está na página 1de 32
Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

1 / 32

Vigas ensaiadas por Fritz Leonhardt e René Walther – Stuttgart [ 26]

Fazemos aqui a comparação entre as aberturas de fissura medidas nos ensaios de [26] e as calculadas pelo CEB 78 e por G. Rehm assim como as calculadas pela NBR6118 -2002

Vigas T1 e T2 Seção transversal

Vigas T1 e T2

Vigas T1 e T2 Seção transversal

Seção transversal

Figura 32 - Forma das vigas T1 e T2

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

2 / 32

A armadura das vigas era composta de 16 barras de 26mm na armadura de flexão e de estribos com

12mm de diâmetro e espaçamento de 8cm.

Em uma metade da viga os estribos tinham nervura. Na outra metade, os estribos não tinham nervura.

A fissuração inclinada não foi diferente entre as duas metades da viga.

importante nos estribos é a ancoragem nas suas extremidades, nos ganhos e dobras.

Isso faz supor que o

16 ferros 26mm
16 ferros 26mm
Estribos 12mm cada 8cm
Estribos 12mm
cada 8cm

Viga T1

16 ferros 26mm Estribos 12mm cada 8cm Viga T1 Viga T2 Armadura – seção transversal

Viga T2

16 ferros 26mm Estribos 12mm cada 8cm Viga T1 Viga T2 Armadura – seção transversal

Armadura – seção transversal

Figura 33 - Armadura da vigas T1 e T2

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

3 / 32

Segundo o relatório dos ensaios, [26], o aço usado nos ensaios apresenta as seguintes características:

Armadura de estribos:

Barras =12mm ; Espaçamento = 8cm Metade da viga com estribos nervurados, metade com estribos lisos.

σ ruptura

5470

kgf/cm

2

σ

escoamento

0,2%

4350

Armadura de flexão :

56,0 ( kN/cm

2

)

kgf/cm

2

47,40 ( kN/cm

2

)

16 barras =26 mm nervuradas

Área da barra = 5,29 cm 2

σ

ruptura

5600

kgf/cm

2

σ escoamento 0,2%

4740

56,0 ( kN/cm

2

)

kgf/cm

2

47,40 ( kN/cm

σ limite.linear

3700

kgf/cm

2

37 ( kN/cm

2

)

2

)

Módulo de Elasticidade E=2,08 X 10 6 kgf/cm 2 .

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

4 / 32

Dedterminação da linha neutra no estádio 2

b =150cm 15cm h laje = x L N d = 82,5cm bo = 10cm
b =150cm
15cm
h laje =
x
L N
d = 82,5cm
bo = 10cm
d - X
2
A aço = 85cm

Figura 34 - Posição da linha neutra

Cálculo da posição da linha neutra no estádio II.

Momento estático nulo em relação à linha neutra :

Concreto fc. prismático =24,2 MPa

: Concreto fc. p r i s m á t i c o =24,2 MPa Ec(MPa)

Ec(MPa) 5600 fck(MPa) 5600

i c o =24,2 MPa Ec(MPa)  5600 fck(MPa)  5600 24,2  27548MPa  27,5GPa
i c o =24,2 MPa Ec(MPa)  5600 fck(MPa)  5600 24,2  27548MPa  27,5GPa

24,2 27548MPa 27,5GPa , segundo a norma

brasileira NBR 6118.

n

E

aço

E concreto

210 GPa

27,5 GPa

b

h

laje

h

  

laje

X

2

b

o

7,6

8

X

h

laje

 

X

h

laje

2

n

A

aço

d X

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

5 / 32

X

15

X = 24,7cm

150

15

2

10

X

15

X

15

2

8

 

85,0

82,5

X

Linha neutra X em função de n = E aço / E concreto

34.1cm 35 33 31 27.8cm 29 26.3cm 27 24.7cm 25 23 23.1 21 19 17
34.1cm
35
33
31
27.8cm
29
26.3cm
27
24.7cm
25
23
23.1
21
19
17
15
7
8
9
10
11
12
13
14
15
x (cm)

n = E aço / E concreto

Figura 35 – Posição da linha neutra .

A posição da linha neutra X varia com a relação n= E aço / E concreto .

A norma alemã DIN 1045 , por exemplo, recomenda n=15 para o cálculo da linha neutra. Nesse caso X=34,1 cm.

Para avaliar a posição da linha neutra usamos os alongamentos medidos na

armadura de flexão (

ε aço

) com extensometros elétricos e o encurtamento medido

no concreto (

ε

c

x

d

x

d

ε

c

ε

aço

 

ε

c

ε

aço

) no bordo comprimido da viga.

;

x

ε

c

ε

c

ε

aço

d

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

6 / 32

Viga T1 com estribos a 90 graus.

Linha neutra calculada com os alongamentos da armadura e com os

encurtamentos do concreto comprimido

Ver Leonhardt [26].

40 VIGA T1 2 Strain Gauges externos 35 n=15 n=15 30 n=10 n=10 n=8 25
40
VIGA T1
2 Strain Gauges
externos
35
n=15
n=15
30
n=10
n=10
n=8
25
n=8
n = 7
n=7
20
15
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
linha neutra X (cm)

Carga Atuante 2P (ton)

Figura 36 – Viga T1 - Posição da linha neutra

Na viga T1, como se pode observar da figura 36, a linha neutra variou de 25cm a 32cm, a medida que a carga atuante aumentava.

Uma possível explicação seria:

A medida que a carga atuante aumenta, a tensão de compressão no concreto aumenta e o módulo de secante de deformação do concreto ( Ec ) diminui.

Com a diminuição do módulo secante de deformação do concreto ( Ec ), o valor de n = Ea/Ec aumenta, X aumenta , e a linha neutra desce na viga.

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

7 / 32

Viga T2 com estribos a 45 graus.

Linha neutra calculada com os alongamentos da armadura e com os encurtamentos do concreto comprimido. Ver Leonhardt [26].

40 2 Strain gauges externos 35 n=15 4 Strain gauges 30 n=10 n=8 25 2
40
2 Strain gauges externos
35
n=15
4 Strain gauges
30
n=10
n=8
25
2 strain gauges centrais
20
15
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
linha neutra X (cm)

carga 2P (ton)

n=15

n=10

n= 8

A linha neutra foi calculada com base nos alongamentos das barras de aço tracionadas e nos encurtamentos da mesa de concreto comprimido.

x

ε

c

ε

c

ε

aço

d

Como os extensometros

elétricos ( strain gauges) foram colocados nas barras inferiores d = 85,5 cm

Foram considerados os alongamentos dos

extensometros externos LL e RR

extensometros internos L e R

4 extensometros LL, L, R e RR

d=85,5cm 4,5 LL L R RR
d=85,5cm
4,5
LL
L
R
RR
Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

8 / 32

Posição da resultantes de compressão.

b =150cm σ c h laje = 15cm X=24,7cm 0,393 x σ c 9,7cm L
b =150cm
σ
c
h laje = 15cm
X=24,7cm
0,393
x
σ c
9,7cm
L N
d = 82,5cm
bo = 10cm
2
A aço = 85cm

Figura 37 - Ponto de aplicação da resultante a contar da linha neutra :

Item

Resultante força

Força

Momento

 

R1=

[(1-0,393)

σ

150cm15cm]/2=

682,875

σ

 

(24,7-5,0) cm=

 

c

c

=13452,63

σ

c

R2=

0,393

σ

150cm15cm =

884,250

σ

(24,7-7,5) cm=

 

c

c

 

=15209,10

σ

c

R3=

[0,393

σ

9,7cm10cm] / 2 =

19,060

σ

(2/3)9,7cm=

c

c

=123,25

σ

c

   

Somatórios

=1586,185

σ

c

=28784,98

σ

c

X

28784,98 cm

3

σ

c

1586,185 cm

2

σ

c

18,15cm

O braço de alavanca é : Z d X 82,5cm 24,7cm 18,15cm75,9cm

Considerando a resultante de compressão no centro da mesa comprimida teríamos:

Z d

h

laje

2

82,5cm

15cm

2

75cm

75,9cm

Essa simplificação é usual em vigas T,

tanto no estado limite de utilização (serviço) como no estado limite último ( ruptura ).

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

9 / 32

Resistência à tração do concreto :

Para o concreto fc. prismático =24,2 MPa estima-se a resistência:

fct 95% =3,3 MPa fctm = 2,5 MPa

Momento fletor de fissuração:

Momento de Inérciada seção homogeneizada no estádioI 5 038794 cm

W sup.

136 315 cm

3

4

3

inf.

W inf

M

.

95 007 cm

W

fissuração

fct95%

95007

10

6

m

3

3300(kN/m2)

313,5 kN.m

M fissuração = 31, 3 tm = 313 kN.m

A tensão no aço logo após a fissuração inicial seria:

σ

M fissuração

z A

aço

M peso próprio =

31,3tm

0,759m

85 cm

2

0,49 t / cm

2

490 kgf cm

/

g

2

L

8

10,5(kN/m)

6,00m

2

8

47,3 kN.m

M

carga 2P

313,5 - 47,3

266,2 kN.m

2

Carga 2P quando ocorre a fissuração da viga :

2P 2

  266,2(kN/m)

  2,5m

213kN

= 21, 3t

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

10 / 32

Fissura quando atua a carga externa:

2 P 2 10 . 65 ton 21 . 3 ton

10 t

10t

2 P  2  10 . 65 ton  21 . 3 ton 10 t

Estribos nervurados

Estribos lisos

Figura 38 - Viga T1 com as fissuras para a carga total de 20t = 200 kN

O

M

O

M

O

momento fletor, no meio do vão, devido às 2 cargas concentradas é:

= 106.5 kN X 2,5m = 266,2 kN.m

momento fletor do peso próprio da viga é :

10.5

kN/m



6.0m

2

8

47,3 kN.m

momento fletor total é :

M= 266,2(kN.m) + 47,3 (kN.m) = 313,5 kN.m

A força de tração na armadura é :

R

t

M 313,5kN.m

z 0,759m

413

kN

A tensão do aço no estádio II seria :

σ aço

R

t

97.4kN

A

aço

85cm

2

4,9

kN

2

cm

Com essa tensão o aço está dentro do comportamento elástico.

O alongamento do aço no estádio II seria :

ε aço.estadio.II.puro

σ

E

490(kgf/cm2)

2,08

10

6

kgf/cm2

0,235 %o

0,235 mm/m

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

11 / 32

Segundo o CEB 78 , o alongamento médio do aço no centro do vão é :

ε.

ε.

ε.

aço.médio.estádio.II

aço.médio.estádio.II

σ

E

1

0,5

σ

aço.1

a

.fissura

σ

aço.estádio.II

490(kgf/cm2)

2,08 10

6

kgf/cm2

1

0,5

2

aço.médio.estádio.II

0,2355%

o

0,50

0,118 mm/m

kgf/cm

2

    

490

490

kgf/cm

2

2

 

O espaçamento médio entre fissuras vale :

S

ρ

rm

r

2

 

c

0,10 S

0,05

ρ

r

A

aço

85cm

2

A

concreto

15cm

50cm

0,1133

C

= cobrimento da barra = 3,2 cm ( face a face)

S

= espaçamento entre as barras ( eixo a eixo)

= 26mm

S

rm

2

 

3,2cm

0,10

5,8cm

0,05

2,6cm

0,1133

7,6

1,1

8,7cm

O espaçamento médio medido, no trecho central de 1.0m, foi de 9cm .

ω

95%

1,7

ε

sm

S

rm

1,7

0,118mm m

0,087m

0,017mm

Segundo a norma brasileira NBR6118 / 2002

ω

ω

σ

aço

12,5

η

E

aço

3

σ

aço

fctm

concreto

26 mm

12,5

2,25

490

kgf/cm

2

2100000 kgf/cm

2

3

490

kgf/cm

2

25 kgf/cm

2

0,013mm

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

12 / 32

ω

ω

σ

aço

12,5 η

E aço

 

4

ρ

r

45

26

mm

12,5

2,25

490 kgf/cm

2

2100000 kgf/cm

2

4

45

0,1133

0,017mm

Fissura quando atua a carga externa:

2 P 2 15 ton 30 ton

O

momento fletor, no meio do vão, devido às 2 cargas concentradas é:

M

= 150 kN X 2,5m = 375 kN.m

O

M

momento fletor do peso próprio da viga é :

10.5

kN/m



6.0m

2

8

47,3 kN.m

O

M= 375 (kN.m) + 47,3 (kN.m) = 422,3 kN.m

momento fletor total é :

A força de tração na armadura é :

R

t

M 422,3kN.m

z 0,759 m

556 kN

R

t

6,54

556 kN

kN

2

A tensão do aço no estádio II seria :

cm

Com essa tensão o aço ainda está dentro do comportamento elástico.

σ aço

A

aço

85cm

2

A tensão no aço, calculada através da medição de extensometro elétrico colados na

armadura de tração, foi de 7,0 ( kN/cm 2 )

O alongamento do aço no estádio II seria :

ε aço.estadio.II.puro

σ

E

654(kgf/cm2)

2,08

10

6

kgf/cm2

0,314 %o

0,314 mm/m

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

13 / 32

Segundo o CEB 78 , o alongamento médio do aço no centro do vão é :

ε.

ε.

ε.

aço.médio.estádio.II

aço.médio.estádio.II

aço.médio.estádio.II

σ

E

1

0,5

 


σ

aço.1

a .fissura

σ

aço.estádio.II

  

654(kgf/cm2)

2,08 10

6

kgf/cm2

1

0,5

2

 


       

  

2

490

kgf/cm

2

654

kgf/cm

0,5314 %o

0,72

0,226 mm/m

2

 

O espaçamento médio entre fissuras vale :

S

S

rm

rm

2

 

2

 

c

0,10 S

3,2cm

0,10

0,05

ρ

r

5,8cm

0,05

2,6cm

0,1133

7,6

1,1

8,7cm

O espaçamento médio medido, no trecho central de 1.0m, foi de 9cm .

ω

95%

1,7

ε

sm

S

rm

1,7

0,226mm m

0,087m

0,033mm

Segundo a norma brasileira NBR6118 / 2002

ω

σ

aço

3

σ

aço

 

12,5

η

E

aço

fctm

concreto

 

ω

26

mm

654 kgf/cm

2

12,5

2,25

σ

2100000

aço

4

kgf/cm

45

2

ω 12,5 η

26

mm

E

aço

ρ

r

  

654 kgf/cm

2

ω 12,5

2,25

 

2100000 kgf/cm

2

3

654 kgf/cm

2

25 kgf/cm

2

0,023mm

4

45

0,1133

0,023mm

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

14 / 32

Fissura quando atua a carga externa:

2 P 2 20 ton 40 ton

O

momento fletor, no meio do vão, devido às 2 cargas concentradas é:

M

= 200 kN X 2,5m = 500 kN.m

O

M

O

momento fletor do peso próprio da viga é :

10.5

kN/m



6.0m

2

8

47,3 kN.m

momento fletor total é :

M= 500 (kN.m) + 47,3 (kN.m) = 547,3 kN.m

A força de tração na armadura é :

R

t

M 547,3kN.m

z 0,759 m

721kN

A tensão do aço no estádio II seria :

σ aço

R

t

721kN

A

aço

85cm

2

8,48

kN

2

cm

Com essa tensão o aço ainda está dentro do comportamento elástico .

A tensão no aço, calculada através da medição de extensometro elétrico colados na

armadura de tração, foi de 8,60( kN/cm 2 )

O alongamento do aço no estádio II seria :

ε aço.estadio.II.puro

σ

E

860(kgf/cm2)

2,08

10

6

kgf/cm2

0,413 %o

0,413 mm/m

Segundo o CEB 78 , o alongamento médio do aço no centro do vão é :

ε.

ε.

aço.médio.estádio.II

aço.médio.estádio.II

σ

E

1

0,5

σ

aço.1

a

.fissura

σ

aço.estádio.II

860(kgf/cm2)

2,08 10

6

kgf/cm2

1

0,5

2

kgf/cm

2

  

490

860

kgf/cm

2

2

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

15 / 32

ε.

aço.médio.estádio.II

0,594 %o

0,84

0,347 mm/m

O espaçamento médio entre fissuras vale :

S

S

rm

rm

2

 

2

 

c

3,

2

0,10 S

cm

0,10

0,05

ρ

r

5,8cm

0,05

2,6cm

0,1133

6

7,

1,1

8, cm

7

O espaçamento médio medido, no trecho central de 1.0m, foi de 9cm .

ω

95%

1,7

ε

sm

S

rm

1,7

0,347mm m

0,087m

0,051mm

Segundo a norma brasileira NBR6118 / 2002

ω

σ

aço

3

σ

aço

 

12,5

η

ω

26

mm

E

aço

fctm

concreto

860 kgf/cm

2

860 kgf/cm

3

2

12,5

2,25

σ

2100000

  kgf/cm

aço

  4

45

2

  25 kgf/cm

 

2

  

ω 12,5 η

 

E

aço

 

ρ

r

0,039mm

ω

26

mm

12,5

2,25

  

860 kgf/cm

2

2100000

kgf/cm

2

4

45

0,1133

0,030mm

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

16 / 32

Fissura quando atua a carga externa

2 P 2 30 ton 60 ton

30t

30t

2 P  2  30 ton  60 ton  30t  30t Estribos nervurados

Estribos nervurados

Estribos lisos

Figura 39 - Fissuração para a carga total de 60t = 600kN

O

momento fletor, no meio do vão, devido às 2 cargas concentradas é:

M

= 300 kN X 2,5m = 750 kN.m

 

O

momento fletor do peso próprio da viga é :

M

10.5

kN/m

6.0m

2

47,3 kN.m

 

8

O momento fletor total é :

M= 750 (kN.m) + 47,3 (kN.m) = 797,3 kN.m

A força de tração na armadura é :

R

t

A tensão do aço no estádio II seria :

M 797,3kN.m

z 0,759m

R

1050kN

σ

aço

t

1050kN

12,35

A

aço

85cm

2

  

kN

cm

2

Com essa tensão o aço ainda está dentro do comportamento elástico .

A tensão no aço, calculada através da medição de extensometro elétrico colados na

armadura de tração, foi de 13,2( kN/cm 2 )

O alongamento do aço no estádio II seria :

ε

 

σ

aço.estadio.II.puro

E

1235(kgf/cm2)

2,08 10

6

kgf/cm2

0,594 %o

0,594 mm/m

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

17 / 32

Segundo o CEB 78 , o alongamento médio do aço no centro do vão é :

ε.

ε.

ε.

aço.médio.estádio.II

aço.médio.estádio.II

aço.médio.estádio.II

σ

E

1

0,5

 

 

σ

aço.1

a

.fissura

σ

aço.estádio.II
aço.estádio.II

aço.estádio.II

2  

1235(kgf/cm2)

2,08 10

6

kgf/cm2

 

1

0,5


 

2


490 kgf/cm

2

1235 kgf/cm

2

0,594 %

o

0,92

0,547 mm/m

O espaçamento médio entre fissuras vale :

S

S

rm

rm

2

 

2

 

c

3,

2

ρ

0,10 S

cm

0,05

r

5,8cm

0,10

0,05

2,6cm

0,1133

6

7,

1,1

7

8, cm

 

O espaçamento médio medido, no trecho central de 1.0m, foi de 9cm .

ω

95%

1,7

ε

sm

S rm

1,7

0,

547

mm m0,087m0,081mm

 1,7 0,  547  mm m  0,087  m  0,081mm  

Segundo a norma brasileira NBR6118 / 2002

ω

 

σ

 

3

σ

aço

 

aço

 

ω

12,5

26

η

mm

E

aço

1

fctm

concreto

235

  kgf/cm

2

  3

1

235


kgf/cm

2

0,081mm

12,5

2,25

σ

2100000

aço

4

kgf/cm

45

2

  

25 kgf/cm

2   

ω 12,5 η

26

mm

E

aço

ρ

r

1235 kgf/cm

2

4

45

0,043mm

ω 12,5

2,25

 

 

2100000 kgf/cm

2   

0,1133

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

Fissuração Flexão Parte 4 - Vigas T

Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula

18 / 32

Fissura quando atua a carga externa:

2 P 2 50 ton 100 ton

50t

50t

Estribos lisos
Estribos lisos

Estribos nervurados

Figura 40 : Fissuração para a carga total de 100t = 1000kN

O momento fletor, no meio do vão, devido às 2 cargas concentradas é:

M = 500 kN X 2,5m = 1250 kN.m

O

M

O

momento fletor do peso próprio da viga é :

10.5

kN/m



6.0m

2

8

47,3 kN.m

momento fletor total é :

M= 1250 (kN.m) + 47,3 (kN.m) = 1297,3 kN.m

M 1297,3kN.m

z 0,759 m

R

A força de tração na armadura é :

R

t

1709 kN

20,1

σ aço

t

1709 kN

A tensão do aço no estádio II seria :

A

aço

85cm

2

kN

2

cm

Com essa tensão o aço ainda está dentro do comportamento elástico .

A tensão no aço, calculada através da medição de extensometro elétrico colados na

armadura de tração, foi de 22,4( kN/cm 2 )

O alongamento do aço no estádio II seria :

ε aço.estadio.II.puro

σ