Você está na página 1de 11

Literatura, Alteridade e Diáspora

Docentes: Prof. Dr. Humberto Fois-Braga / Prof. Dr. Guilherme Malta


Discente: Telma Castro

Fichamento de: BESSE, Jean-Marc. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de


Janeiro: EdUERJ, 2014, p.11-66

As cinco portas da paisagem – ensaio de uma cartografia das problemáticas


paisagísticas contemporâneas

 Introdução:
 Jean-Marc Besse inicia o capítulo com o seguinte questionamento:
- O que é a “paisagem” nas culturas espaciais modernas e contemporâneas? Qual
“realidade” é indicada com esse nome, quais são as práticas e os valores que
correspondam a esse nome e quais são os objetos que resultam dele? (BESSE,
2014, p.11).

 O autor pontua que existem uma polissemia e mobilidade essenciais do conceito


de cultura devido à atomização profissional e acadêmica das diferentes
disciplinas que fazem da paisagem seu campo de estudos e intervenções.

 Besse afirma que hoje é possível perceber cinco problemáticas paisagísticas que
coexistem no pensamento contemporâneo e que podem aparecer articuladas
umas às outras que seriam a paisagem como: representação cultural; território
produzido pelas sociedades na sua história; complexo sistêmico; espaço de
experiências sensíveis; local ou contexto de projeto.

 Primeira porta: A paisagem é uma representação cultural e social

 Em um primeiro momento, a paisagem é definida como uma dimensão da vida


mental do ser humano, ou seja, uma interpretação, uma leitura, ou, ainda, a
expressão de certo tipo de linguagem que só existe na relação com um sujeito
individual ou coletivo que a faz existir como uma dimensão da apropriação
cultural do mundo (p.13).
 O autor pontua que a paisagem fala-nos do mundo interior, mesmo essa
interioridade se traduzindo e inscrevendo no “exterior” do mundo. Ele cita o
filósofo Alain Corbin, quem afirma que é preciso perceber a presença de um ato
de interpretação no cerne da própria percepção de paisagem. Dessa forma, o
estudo da paisagem está relacionado a uma forma de pensamento ou de
percepção “subjetiva”, uma expressão humana informada por meio de códigos
culturais determinados (discursos, valores). Assim, a análise da paisagem
consiste numa análise de categorias, discursos, sistemas filosóficos, estéticos e
morais. (p.14).

 Segundo Besse, não há diferença entre a paisagem real da representada, pois a


sua natureza não muda, uma vez que ela é, por essência, uma expressão humana,
um discurso, uma imagem, seja individual ou coletiva, encarnada numa tela, em
papel ou no solo. No entanto, a noção de representação paisagística leva a
diferentes questionamentos. (p.14-15).

 Outro ponto abordado diz respeito à paisagem e seus modelos pictóricos. É


traçado um panorama da invenção histórica da paisagem que se relaciona com
invenção do quadro em pintura, no Renascimento e também com o termo
“janela”, no qual, a paisagem seria uma vista emoldurada. Para descrever o
papel da janela, o autor cita Vitor Stoichita, quem afirma que a paisagem
desempenha um papel catalisador, na medida em que é o retângulo da janela
“que transforma o lado de fora em paisagem” (STOICHITA apud BESSE, 2014,
p.15). Desse modo, surge a dialética do interior e exterior: a distância.

 Seguindo a trajetória da invenção da paisagem, foi no século XVI, a partir das


considerações de Ernst Gombrich que o humanismo italiano conferiu à paisagem
o estatuto de “divertimento legítimo”. Besse pontua ainda que a paisagem é
pensada, descrita, falada, antes de ser vista e representada. Como exemplo o
autor recorre a um trecho narrado por Gombrich no qual “o pintor reproduz o
que lhe conta o viajante e não o que ele próprio poderia ter visto diretamente,
mas, ao mesmo tempo, o viajante elabora a sua descrição em função do que
julga ser pitoresco” (GOMBRICH apud BESSE, 2014, p.16). Esta reciprocidade
da vista e do código estético é próprio da experiência da paisagem. Assim, a
paisagem pode ser definida como a consequência da extensão e aplicação dos
modelos artísticos do renascimento Italiano associados à percepção do mundo
real.

 No que concerne à paisagem como representação cultural, coletiva e/ou


individual, o autor enfatiza a contribuição de antropólogos, historiadores,
geógrafos ou sociólogos ao adotar um procedimento culturalista para recolocar a
paisagem como um questionamento, de forma geral, sobre a sociedade. Foi
mostrado “que as determinações das construções paisagísticas também são
econômicas, religiosas, filosóficas, científicas e técnicas, políticas e até
psicanalíticas”. (BESSE. 2014, p.18). Besse pontua que a própria história da
arte se beneficiou dessa abordagem social e cultural, uma vez que foi possível,
por exemplo, relacionar o desenvolvimento da representação pictural da
paisagem nos Países Baixos dos séculos XVI e XVII com o contexto histórico
da vida científica, religiosa e política naquela parte da Europa.

 Como exemplos de estudos sobre paisagem e sociedade, são citados as relações


entre a experiência estética da natureza e a formação de uma identidade
burguesa metropolitana na França do século XIX ou ainda a relação entre a
pintura de paisagem e o acionamento de uma cultura geológica no romantismo
alemão. (p.19)

 Segundo o autor, muitas obras estabeleceram de que forma a história da


paisagem europeia devia integrar as dimensões ideológicas da sua construção
como referente imaginário da identidade nacional. Besse, citando François
Walter e Benedict Anderson, afirma que a nação existe em grande parte nas
construções que são ao mesmo tempo imaginárias e materiais. Como exemplo
ele cita o fato de algumas paisagens, especificamente alguns sítios escolhidos
pelo valor histórico, memorial e/ou natural, concentrar neles a consciência do
pertencimento nacional. Ele cita a montanha suíça, a floresta alemã, a planície
húngara, a landa escandinava ou o campo romano, seja em forma de
representações picturais ou literários como estereótipos vivos da comunidade
nacional. No texto aparece ainda a noção de “paisagem imperial” que trata das
múltiplas maneiras nas quais as representações paisagísticas foram integradas à
construção dos imaginários coloniais. (p.20-21)

 Besse pontua ainda que a abordagem iconográfica da paisagem vale tanto como
uma concepção estética da representação quanto uma concepção cultural mais
abrangente. Ele compara a paisagem a um texto humano a ser decifrado. Besse
cita David Lowenthal, para quem a paisagem é um lugar presente, mas também
de memórias, o que justificaria como legítima uma abordagem hermenêutica da
paisagem. (p.22)

 Em outro momento o autor abre uma discussão sobre a invenção de novas


paisagens. Ele considera que a pesquisa mais promissora sobre essa abordagem
seria a que questionasse a respeito das relações entre o surgimento de novos
objetos paisagísticos e a definição de novos valores e normas paisagísticas em
diferentes épocas da cultura. Besse cita Alain Roger quem afirma que cada
paisagem tem linguagem própria e, como exemplo, faz uma comparação entre a
linguagem do Idílio e da Arcádia com a pintura de paisagem clássica que, apesar
de dialogarem, acabam fracassando quando se trata de expressar novas
categorias estéticas e incluir outros objetos paisagísticos. Quanto à aparição de
novos objetos paisagísticos são citados o mar e a montanha que perpassaram o
discurso do sublime (p.22)

 Nesse viés, Besse faz outros questionamentos relacionados à abordagem da


paisagem:
- De que forma podemos falar da paisagem das grandes metrópoles industriais e
pós-industriais que se desenvolveram com os séculos XIX e XX?
- Devemos continuar falando em termos de beleza e harmonia?
- A categoria do pitoresco ainda tem um significado? Qual?
- Em que “língua” essas paisagens devem ser faladas, descritas, narradas?
- Como pensar e representar a emergência dos novos objetos paisagísticos que
são hoje os espaços urbanos, os equipamentos industriais, os sistemas de
armazenamento e de distribuição da energia, as autoestradas, os artefatos
diversos ligados à vida contemporânea, que põem em jogo os valores da
funcionalidade, da intensidade, da velocidade, da mobilidade?
- Além disso, como levar em conta a renovação das formas e dos ritmos
plásticos que perpassou a arte desde os primórdios do século XX? Com a ajuda
de que instrumentos formais?
- Que sensibilidades paisagísticas novas vemos aparecer?

 Segundo Besse, muitos artistas como Michael Heizer, Robert Smithson, Richard
Long, Christo e Jeanne-Claude, Andy Goldsworthy têm procurado ultrapassar o
tradicional do campo artístico para interrogar, de forma ampla, as relações que a
obra mantém com o real, o espaço, o tempo, a matéria e ainda os quadros
perceptivos e simbólicos da experiência do mundo. Assim, muitos deixam o
universo restrito da galeria para instalar suas obras nos territórios abertos da
cidade e da natureza. Dessa forma, a arte ganhou uma dimensão paisagística
transformando o próprio espaço num campo de experimentação artística que
além de integrar as formas, passou a agregar atitudes, situações e dados usuais
da experiência do mundo o que levou à necessidade de se repensar a noção de
uma artialização paisagística (p.23-24)

 Considerando os fatores abordados anteriormente, afirma-se a necessidade de


uma ampliação dos horizontes da sensibilidade paisagística, que além de incluir
valores e normas estéticos, apresentam ainda uma dimensão material e técnica.
Assim, alerta-se para a importância de levar em conta o papel desempenhado por
dispositivos como a fotografia, o cinema, vídeos, trem, automóvel avião, que
deslocaram o problema da representação da paisagem, visto que levam ao
questionamento sobre o modo no qual a herança da linguagem pictural ainda é
pensada hoje. Desse modo pontua-se a dificuldade em identificar as paisagens
que estão surgindo hoje, contudo, é possível afirmar que uma nova linguagem se
faz necessária. (p.25)
 Essa primeira porta é finalizada com uma citação de Proust, no qual o artista será
o instaurador de novos mundos que durarão até “a próxima catástrofe geológica
desencadeada por novo pintor ou novo escrito original”. (PROUST apud
BESSE, 2014, p.26)

 Segunda porta: A paisagem é um território fabricado e habitado

Besse abre esse tópico com mais questionamentos:


- Até onde podemos sustentar uma posição teórica que reduzisse a paisagem a
ser apenas um discurso, uma imagem, um olhar, ou uma representação? Como
dar conta, por exemplo, nessa perspectiva, dos objetos, das atividades, ou das
realizações artísticas, como as que acabam de ser evocadas, que se desenvolvem
em escala territorial?
O autor afirma que é possível introduzir algumas nuances a uma abordagem
puramente “representacional” da paisagem, mostrando que uma interrogação
sobre sua construção cultural deve considerar sua dimensão material e espacial.
Como exemplo, é citado o jardim, que embora possa ser considerado um veículo
do imaginário ou a expressão de um conjunto de afetos que traduz um sistema
de ideias ou desejos, é também um espaço desenhado, produzido e cuidado.
(p.26-27)

 De acordo com essa nova abordagem, a paisagem pode ser definida como um
território produzido e praticado pelas sociedades humanas, por motivos
econômicos, políticos e culturais, ao mesmo tempo. Assim atenua-se a distinção
entre país e paisagem, já que o valor paisagístico de um lugar é considerado em
relação com a soma das experimentações, dos costumes e das práticas
desenvolvidas pelo homem nesse lugar.

 Para explorar tal perspectiva, é citado o historiador e teórico John Brinckerhoff,


fundador da revista Landscape. De acordo com a teoria jacksoniana a paisagem
seria um espaço ‘organizado’ pelos homens na superfície da Terra, uma obra
coletiva que transforma o substrato natural. Nesse viés, a paisagem não é vista
dissociada do cotidiano e que fazer parte de uma paisagem é uma condição
determinante do nosso estar no mundo. Assim, aponta-se para o fato de que é
preciso considerar as paisagens pelo fato de satisfazer necessidades essenciais,
afetivas e sociais do ser humano. (p.29)

 No que concerne à concepção de paisagem como um espaço organizado,


ressalta-se que a paisagem não é simplesmente uma representação mental, mas
um espaço com certo grau de permanência e especificidades, comum a um grupo
humano. Nesse sentido, toda paisagem é cultural, na medida em que é produzida
dentro de um conjunto de práticas e valores que ela simboliza. Besse cita Eric
Dardel, no qual “a paisagem não é, na sua essência, feita para ser olhada, mas
sim inserção do homem no mundo, lugar de luta pela vida, manifestação do seu
ser com os outros, base do seu ser social”. (DARDEL apud BESSE, 2014, p.30)

 Considerando as afirmativas anteriores, pontua-se que a organização espacial da


paisagem traduz uma forma de organização da sociedade assim como suas
representações e valores culturais. Sendo assim, toda paisagem é relativa a um
projeto social, mesmo que de forma inconsciente o que exige dos estudiosos
saberem ler e interpretar as formas e dinâmicas paisagísticas a fim de captar
nelas algo do projeto da sociedade que as produziu. Besse retoma Jackson para
destacar a dimensão projetual da paisagem. De acordo com Jackson “a paisagem
pode ser vista como um mapa vivo, uma composição de linhas e de espaços não
mito diferente daquela que produzem o arquiteto ou o planificador, embora em
maior escala” (JACKSON apud BESSE, 2014, p32-33). Dessa forma, as
distinções entre as paisagens comuns (inconscientes) e as intencionais
(profissionais) já não são tão rígidas por compartilharem do mesmo objetivo:
responder a necessidades humanas.

 Ao enfatizar a paisagem como obra coletiva das sociedades, Besse analisa a


relação entre o homem e a superfície da Terra, na qual o homem transforma o
seu meio natural. Nesse sentido, a paisagem é também uma sucessão de rastros e
pegadas que se superpõe no solo constituindo sua espessura simbólica e
material. Para reforçar tal posicionamento, Besse cita Maurice Halbwachs que
afirma que “o local ocupado por um grupo não é um quadro negro sobre o qual
se podem escrever e apagar números e figuras. [...] [Ele] recebeu a marca do
grupo, e reciprocamente”. (HALBWACHS apud BESSE, 2014, p.33). Assim, a
paisagem é como uma obra, e a terra, o solo, e os elementos naturais são
materiais nos quais os homens dão forma segundo valores culturais que também
evoluem no tempo e no espaço. (p.34)

 Nesse viés, é lícito afirmar que a paisagem não é a natureza, mas o mundo
humano, após se inscrever na natureza e transformá-lo. Seria um mundo híbrido,
composto por uma natureza humanizada e pela humanidade naturalizada.
Entretanto, é necessário ressaltar as diferenças de potências e orientações que
intervêm na relação entre os homens e o “material” terrestre, pois a aparência da
paisagem traduz a atitude variável da humanidade em relação aos meios
naturais, que pode oscilar do toque a uma transformação radical. Besse aponta
ainda outra consequência relativa ao sentido da paisagem que expressa uma
indagação a respeito da “boa convivência” das comunidades bem como dos
valores e quadro espacial e material real relativos a esse convívio. Tal premissa
corrobora a afirmativa na qual as paisagens foram formadas a partir da
organização das pessoas no local e pelo desenvolvimento de espaços a serviço
da comunidade (p.35).
 Besse finaliza essa segunda porta reafirmando a necessidade de se achar novos
critérios para avaliar as paisagens existentes ou futuras, ressaltando a
importância de se questionar sobre o interesse que o ser humano teria de viver
nessas paisagens. Pontua-se ainda que se o projeto de paisagem tem um sentido,
é porque o desafio é tornar o mundo habitável para o homem. Assim elabora a
seguinte definição: a paisagem é a expressão de um esforço humano, sempre
frágil e a ser recomeçado para habitar o mundo. (p.37).

 Terceira porta: A paisagem é o meio ambiente material e vivo das


sociedades humanas

 Essa porta é iniciada com a afirmativa na qual a paisagem se identifica com o


ecúmeno humano. A noção de ecúmeno pressupõe o encontro entre um território
humanizado e um meio ambiente ou base não humanos, o planeta. A partir da
distância metafísica entre terra humana e natural é que uma terceira abordagem
teórica irá considerar que a realidade da paisagem excede significações subjetivas
ou sociais. Trata-se de um conjunto complexo e articulado de objetos mais amplo e
profundo que as representações que o acompanham. A paisagem é todo um meio
ambiente cujas evoluções são afetadas mais ou menos diretamente pela ação,
emoção e pensamento humano, mas que se desenvolve e sobreviverá sem o ser
humano. Essa concepção realista da paisagem atravessa todo o espectro das
ciências naturais e humanas. (p.39).

 Entretanto, deve-se atentar para o fato de que uma concepção naturalista de


paisagem que é criticada e considerada artificial pelos estudiosos que desenvolvem
as perspectivas de uma geografia híbrida por apresentar uma perspectiva unilateral.
A paisagem deve ser entendida como uma entidade relacional, que é ao mesmo
tempo natural e cultural. É preciso tomar cuidado para não confundir paisagem
naturalista e realista, pois na concepção realista é possível compreender a paisagem
como uma realidade natural por constituir uma ordem de realidade específica,
independente de qualquer valência ontológica em particular. (p.42).

 Outro ponto relevante abordado no texto concerne aos diversos elementos em


constante interação que compõem a realidade paisagística (topografia, geologia,
formações vegetais, prédios, vias de comunicação, indústrias etc.). Seguindo tal
premissa, a paisagem é uma totalidade dinâmica, evolutiva, atravessada por fluxos
de natureza, intensidade e direção variáveis com uma temporalidade própria. Para o
autor é essa dialética entre a estabilidade das formas e a substituição das matérias
que constituem a história da paisagem. (p.44).

 Segundo Besse, de acordo com as considerações anteriores, a paisagem deve ser


entendida como ponto de encontro entre as decisões humanas e o conjunto das
condições materiais nas quais surge e tenta reformular-se. Enfim, na perspectiva
dessa porta, a paisagem pode ser definida como uma realidade material,
espaçotemporal, organizada em certo sentido, com a qual os humanos terão de se
explicar. (p.45).

 Quarta porta: A paisagem é uma experiência fenomenológica

 Nessa porta, o conceito de paisagem relaciona-se ao atestado da existência de


um “fora”, de um “outro”. Besse aponta duas vias possíveis para se referir a essa
exterioridade que são a ciência e a experiência. A experiência está associada aos
elementos sensíveis do mundo terrestre. Desse modo, a água, o ar, a luz, a terra e
demais aspectos estariam abertos aos cinco sentidos, um tipo de geografia afetiva.
Besse cita Barbara Bender, quem afirma que “[...] as paisagens não são apenas
‘vistas’, mas sim encontros pessoais. Não são apenas enxergadas, mas sim
experimentadas com todos os sentidos”. (BENDER apud BESSE, 2014, p.46).

 Segunda essa quarta perspectiva, a paisagem pode ser compreendida como o


encontro concreto entre o homem e o mundo que o cerca. Aqui a noção de
experiência é reavaliada e deve ser entendida como uma saída no real no real, ou
seja, uma exposição ao real. O autor ressalta que a paisagem é primeiramente
vivenciada e depois, talvez, falada, a palavra buscando prolongar a vida, o vivo que
faz da paisagem uma experiência. Para Besse dizer “a paisagem” é dizer demais,
pois significa perder o próprio momento do “há paisagem” que nos arrebata e
transporta. Como exemplo da experiência da paisagem é citado o cansaço da
caminhada, que restitui a capacidade de ser afetado pelos dados sensíveis do
mundo. (p.48).

 O autor aponta ainda que na paisagem, a vida subjetiva se desenrola à beira das
coisas, pois à desobjetivação responde uma dessubjetivação, uma vez que se há
experiência, há exposição da subjetividade a algo como um “fora” que a conduz
para fora de seus limites. Assim, a experiência da paisagem é um sujeito fora e um
fora sem objeto, uma derrota comum a ambos. Assim, o estranhamento é a
condição da paisagem, o que impede de classificá-la como um lugar, já que é no
escape que se encontra sua razão de ser. (p.49).

 Em outro momento, Besse aborda o conceito de “horizonte”. Para ele o termo


tem alcance ontológico e epistemológico e remete à parte invisível do visível, que
faz do real um espaço inacabável. Assim, o horizonte seria a potência de
transbordamento do ser que se apresenta na paisagem. Nesse sentido, questiona-se
como se dá a experiência da paisagem, visto que ela se situa além do dispositivo
moderno do sujeito e do objeto. A resposta para tal questionamento relaciona-se aos
conceitos de imanência, imersão e participação para nomear este encontro do pré-
reflexivo com o inobjetável. A partir desse ponto, o autor cita, a título de
exemplificação, um comentário de Maldiney sobre a obra de Tal Coat:

Tal Coat percebe-se em troca permanente com o mundo. O mundo não é uma
simples moldura. Não está apenas em torno dele como Umwelt, está nele
como tensão polar. O homem no mundo não é um império dentro de um
império. É um reino, se tanto. E em que sentido? _Quando estou na presença
de uma paisagem, não estou, na realidade, diante dela. Há atrás de mim, em
volta de mim, a presença de todos os horizontes. Todos os distantes estão
integrados no meu próximo. Tudo que percebemos, percebo sobre fundo de
mundo. E em vez de fundo, deveria falar de meio. Mesmo dando as costas à
montanha da Sainte-Victoire, seu signo está presente na minha visão. Sou a
cabeça dessa recapitulação. Nesse sentido, sou um centro de universo. Mas,
por um movimento totalmente contrário, à medida que o universo em volta
de mim realiza sua presença, sinto necessidade de habitar meus distantes,
arrancar-me à minha inércia de placa de sinalização. Ser coextensivo ao
próprio mundo, entrar na sua ressonância universal, assumir o seu ritmo
(MALDINEY apud BESSE, 2014, p.51-52).

 Besse apresenta algumas questões relacionadas à representação da paisagem


como algo que nos transpassa, nos desloca e nos transborda. Ele conclui que
somente a arte, como poema, e talvez a mística possam dar a ver e ouvir a paisagem
como experiência fundamental, fruto da convivência como o mundo. Cita Lyotard
que concebe a poesia como “escritura da impossível descrição, a descritura.
(LYOTARD apud BESSE, 2014, p.53).

 Quinta porta: A paisagem como projeto

 A última porta inicia-se com um retorno à reflexão sobre a caminhada, porém


sob um ponto de vista diferente. Dessa vez, a caminhada está relacionada ao estar
no mundo, de forma interrogativa, uma experimentação do mundo e seus valores,
dando ao espaço novas qualidades e intensidades. Ele cita artistas como Richard
Long e Hamish Fulton que concentram no exercício concertado e prolongado da
caminhada por um território o essencial da sua ação de artistas. (p54-55)

 Besse pontua que o valor experimental e questionador da caminhada remonta ao


flanar baudelairiano, a deambulação surrealista, a deriva situacionista, o ir a Zonzo
do grupo Stalker que tornaram as grandes metrópoles modernas campos de
explorações que eram, ao mesmo tempo, lúdicas e metódicas. Contudo, o autor
pontua que se trata de apreender, revelar ou construir idealmente o espaço, outras
representações e outras experiências possíveis, no próprio espaço urbano ou a partir
dele, tal como é dado, atribuído, recortado e organizado. (p.55)

 Considerando o que foi dito anteriormente, afirma-se que a noção de projeto,


talvez fosse a retomada acordada e deliberada da abordagem experimental
paisagística. Nesse viés, o autor discorre sobre as implicações contemporâneas da
ação do paisagista cuja ocupação inclui o prédio e suas estruturas e internas, mas
também as relações que a obra mantém com seus contextos. Assim as intervenções
do paisagista devem seguir como direções não excludentes o solo, território e o
meio ambiente natural (meio vivo). (p.57)

 O solo, nessa perspectiva, é o efeito de uma construção histórica, mas que traz
uma superposição de passados, o que leva à constatação de que o espaço não é uma
tela em branco, mas sim um palimpsesto. Assim, o solo representa um conjunto
mais ou menos denso de marcas, pegadas, dobras e resistências que a ação humana
deve levar em conta, pois, os locais têm memória. (p.58).

 No que diz respeito ao território, Besse afirma que considerá-lo equivale a


considerar o espaço urbano na complexidade de suas relações com a organização do
espaço rural que o cerca, com a malha das estradas e dos caminhos e também com
as circunscrições administrativas. (p.58)

 Em se tratando do encontro entre a cidade e a natureza, surgem as preocupações


ecológicas e ambientais. A natureza está presente na cidade, seja nas questões
relacionadas à qualidade das águas e do solo ou ainda na forma de projetos de
parques, jardins públicos e também nas reflexões sobre diversidade e
sustentabilidade. Assim pode-se afirmar que a cidade, hoje, é um meio natural
híbrido. (p.59)

 Besse pontua que cada uma das direções apresentadas suscita interrogações,
polêmicas e esclarecimentos, contudo, é importante considerar que a problemática
paisagística contribui para mudar os questionamentos sobre a identidade dos
territórios e seu porvir. Sendo assim, cabe ao paisagista intervir em espaços que
estão em jogo questões de limites, bordas, limiares, passagens, intervalos, o
encontro entre urbano e não urbano, fechado e aberto, mundo humano e natural e,
de forma mais radical, a oposição entre o “dentro” e o “fora”. (p.59)

 O autor cita como exemplo Jean-Luc Godard em seu filme Lettre à Freddy
Buache, cujo movimento de câmera faz o olho deslizar entre o verde do campo, o
cinza da cidade e o azul da água, permitindo que esses elementos se juntem em um
mesmo pensamento. Nesse viés, a problemática paisagística permite recosturar
ligações entre a cidade e sua localização, a cidade e seu território e entre a cidade e
seu meio natural. Assim, o pensamento da paisagem para o paisagista é um
pensamento do possível, ou seja, a busca dos possíveis contidos no real. (p.60)

 Em outro momento Besse apresenta algumas questões em relação ao que seria


um pensamento do projeto. Ele cita a fórmula: projetar é imaginar o real, no
entanto, essa afirmativa é ambígua, pois projetar a paisagem seria, ao mesmo
tempo, representá-la através de imagens (projeção) e imaginar o que poderia ser ou
vir a ser (projetação). Essa ambiguidade permeia as dimensões testemunhar e
justificar assim como descrever e inventar. (p.60-61).

 O projeto de paisagem seria criar algo que já estava aí, o que coloca o paisagista
em uma situação paradoxal: fabricar, elaborar o que já está presente e que não se
vê. Em outras palavras, o projeto inventa um território ao representá-lo e ao
descrevê-lo, contudo, o que é inventado já está, ao mesmo tempo, presente no
território, mas como não visto e não sabido até então. Besse chama a atenção para o
fato de que o conceito de “projeto de paisagem” possa estar contido na noção de
“pensamento latente”, algo que ficaria atrás das formas visíveis, como uma espécie
de onda que se desenvolve ao longo de toda a extensão, conferindo-lhe um sentido.
Assim, o projeto seria a cartografia de uma onda invisível, desse “centro virtual”
dos movimentos do espaço. (p.63).

 Conclusão
 Na primeira porta de entrada para a paisagem encontram-se como guardiões os
historiadores e teóricos da arte e da literatura, enquanto os ecólogos tendem a
adotar a terceira, já os paisagistas e arquitetos têm como direção a última. No
entanto, é preciso enfatizar que essas diferentes abordagens podem se encontrar e
até se sobrepor, num mesmo autor ou paisagista. A questão da paisagem envolve a
problemática da coexistência de racionalidades paisagísticas diferentes e ainda a
rearticulação de suas funções frente aos desafios impostos pela modernidade. Dessa
forma, o autor propõe que aceitemos o deslocamento entre os vários discursos e
pontos de vista e nos convida a passar por todas as portas da paisagem. (p.64-65).