Você está na página 1de 3

APOSTILA CCBII E LOCOTROL

APOSTILA
CCBII LOCOTROL
Equipamentos de bordo
Sistemas de potência
distribuída
1
Locotrol e Freio eletrônico
Luciano Lopes Vidigal Guimarães
VALER / GADFT – CELF
1
Luciano Lopes Vidigal Guimarães
Sistemas de potência distribuída
1.1
INTRODUÇÃO
O sistema de tração distribuída tem como objetivo otimizar a eficiência energética e a
frenagem
dos trens.
Distribuindo-se as locomotivas aolongo do trem consegue-se minimizar os choques entre
vagões
(bumps), manter os trens esticados evitando o efeito sanfona (slacks), economizar
combustível,
aumentar o tempo de vida das sapatas de freio dos vagões, minimizar as quebras de trens,
diminuir o desgaste roda /trilho, aumentar a velocidade média dos trens, formar trens longos,
diminuir o tempo e a distância de frenagens.
O controle éfeito através de comandos de rádio, por um sistema de comunicação bilateral.
A
Locomotiva Líder transmite um comando, que é executado pela Locomotiva Remota que
confirma
para a Líder a realização do comando proposto.
2
Sistemas de potência distribuída
1.2
1.2.1
VISÃO GERAL DO SISTEMA
APLICAÇÃO DE FREIO
Quando o maquinista aciona o freio da locomotiva (Freio Independente), ou o
freioautomático, o
dado contendo o valor da aplicação é enviado pelo EBV através da rede de comunicação “LON”
ao EPCU e também ao IPM. Após validar o dado o EPCU, imediatamente, faz a aplicação
devida,
ao mesmo tempo o IPM transforma esse sinal em protocolo de “Modem” e envia a mensagem
para o Rádio, que coloca o devido sinal em sua antena de transmissão.
Enquanto isso o EPCU lê o sinal aplicado no Cilindro deFreio , no Reservatório Principal e no
Encanamento Geral e envia esses valores para o IPM, através da rede “LON”. O IPM recebe
esses dados, transformando-os em protocolo HLDC e através da porta RS422 envia os dados
para o Display (OIM).
1.2.2
CONTROLE DA LOCOMOTIVA
Quando o maquinista acelera a locomotiva, o módulo TIM lê os valores presentes nos pinos da
tomada jumper
correspondentes àsválvulas de aceleração, trata o dado , colocando-o no
barramento de dados de 5V, através do IPM Buffer Card. O IPM processa esse sinal, enviando-
o
para o Display , onde será exibido e para o módulo de rádio, onde será transmitido através da
antena.
Observe que o TIM para a locomotiva Líder é apenas um módulo de leitura.
O comando a ser executado no modo síncrono é lido pelo TIM da Líder no pino datomada
Jumper
correspondente é processado pelo IPM e enviado através do Rádio até a Remota.
Observe, também, que os comandos da Líder, são obtidos diretamente dos pinos da tomada
de
controle (cabo jumper), não sendo portanto processados pelo Sistema LEB.
O sinal captado pela antena é levado, através do “Modem” ao IPM, que faz o devido
tratamento e
envia esse sinal, se for de freio, pela rede LON parao EPCU, e se for de controle, através do TIM
para os pinos correspondentes da tomada jumper, o resultado é exibido no display. O sinal
aplicado é lido e enviado de volta para o IPM que faz a validação e envia a confirmação do
dado
para a locomotiva Líder.
3
Sistemas de potência distribuída
1.2.3
O QUE SIGNIFICA LINK?
Na linguagem de comunicação, significa estabelecer a comunicação (ligação)entre 2 ou mais
Rádios.
Na linguagem de Potência Distribuída significa estabelecer uma ligação de Rádio entre as
Locomotivas pertencentes a um determinado trem.
Todas as locomotivas de Locotrol utilizam a mesma freqüência de rádio para transmissão /
recepção (464.025 MHz). Assim o que evita a interferência de um trem de Locotrol no outro é
a
identificação das locomotivas, no mesmo trem, denominada“LINK”.
4
Sistemas de potência distribuída
1.3
1.3.1
FREIO ELETRÔNICO
COMO LIGAR FREIO ELETRÔNICO
Ligar o disjuntor LEB no painel;
Aguardar 1,5 min e aparecerá a mensagem no display: “Freio Automático está sendo
energizado”, então ligue o disjuntor ECB no painel;
Retirar penalidade (procedimento normal).
Figura 1
Tela 1
5
Sistemas de potência distribuída
Atenção: Sempre que…