Você está na página 1de 112

Lição da Escola Sabatina

Publicação trimestral – nº 101 – ISSN: 1414-3623

Jan | Fev | Mar 2018


Mordomia cristã:
motivos do coração
Editor: Márcio Nastrini Diretor Geral: José Carlos de Lima
Editor-associado: André Oliveira Santos Diretor Financeiro: Uilson Leandro Garcia
Revisora: Josiéli Nóbrega Redator-Chefe: Marcos De Benedicto
Tradutora: Rosangela Lira Gerente de Produção: Reisner Martins
Autores: O
 s nomes dos autores constam nas respectivas Chefe de Arte: Marcelo de Souza
mensagens diárias. Gerente de Vendas: João Vicente Pereyra

Projeto Gráfico e Capa: André Rodrigues

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Serviço de Atendimento ao Cliente:
Programação Visual: André Rodrigues LIGUE GRÁTIS: 0800 9790606
Ilustrações Internas: Vandir Dorta Jr. Segunda a quinta, das 8h às 20h
Ilustração de Capa: Rogério Chimello Sexta, das 7h30 às 15h45 / Domingo, das 8h30 às 14h
E-mail: sac@cpb.com.br
Exemplar avulso: R$ 8,70
Assinatura anual: R$ 27,20 A Lição da Escola Sabatina dos Jovens é preparada pelo
A Lição da Escola Sabatina constitui marca registrada departamento da Escola Sabatina e Ministério Pessoal
perante o Instituto Nacional da Propriedade Industrial. da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia.
20% das ofertas de cada sábado são dedicados aos
Copyright © da edição internacional: projetos missionários ao redor do mundo, incluindo
General Conference of Seventh-day Adventists, os projetos especiais da Escola Sabatina.
Silver Spring, EUA. Direitos internacionais reservados.
A Casa Publicadora Brasileira é a editora oficialmente
Direitos de tradução e publicação autorizada a traduzir, publicar e distribuir, com
em língua portuguesa reservados à exclusividade, em língua portuguesa, a Lição da Escola Designer

Sabatina, para todas as faixas etárias, sendo proibida a


Casa Publicadora Brasileira sua edição, alteração, modificação, adaptação, tradução,
Rodovia SP 127 – km 106 reprodução ou publicação, de forma total ou parcial, por Editor
Caixa Postal 34 qualquer pessoa ou entidade, sem a prévia e expressa
18270-970 – Tatuí, SP autorização por escrito de seus legítimos proprietários
Tel.: (15) 3205-8800 – Fax: (15) 3205-8900 e titulares. C.Q.
www.cpb.com.br
5485/36684
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução, total
ou parcial, por qualquer meio, sem prévia autorização escrita Custo
da editora.

Depto. Arte
Índice
1. A influência do materialismo ............................................................................. 6
2. Vejo, desejo e adquiro ..................................................................................... 14
3. Deus ou as riquezas? ....................................................................................... 22
4. Deixando os caminhos do mundo ................................................................... 30 cim
5. Mordomos após o Éden ................................................................................... 38 mun
6. As marcas de um mordomo ............................................................................. 46 con
7. Honestidade para com Deus ........................................................................... 54
inst
8. O impacto da fidelidade nos dízimos ............................................................... 62 ser s
9. Ofertas de gratidão .......................................................................................... 70 a Je
10. A função da mordomia cristã .......................................................................... 78 resu
11. Dívidas ............................................................................................................ 86 M
12. Os hábitos de um mordomo ............................................................................ 94 adm
13. Os resultados da mordomia cristã ................................................................. 102 liçõ
pod
Por dentro da lição mei
mos
ouv
A Lição dos Jovens baseia-se na convicção de que a Palavra de Deus tem poder para (Mt
transformar o caráter e de que o estudo em grupo é uma maneira importante para receber te c
tal poder. O objetivo é proporcionar aos jovens uma fonte de estudos devocionais que
sirva para discussão nas unidades da Escola Sabatina. Ela pode ser estudada também dese
pelos que usam a Lição dos Adultos, pois ambas tratam do mesmo assunto. man
Um grupo de estudantes e profissionais adventistas produz em conjunto a Lição dos no c
Jovens. Mais de 200 pessoas contribuem cada ano com ideias e textos. A variedade – e
eventual repetição – do conteúdo reflete a diversidade dos colaboradores ao redor do mundo.
A Lição dos Jovens começou a ser editada no Brasil em 1993. Tem uma tiragem
de mais de 70 mil exemplares e faz cada vez mais sucesso.
Os textos bíblicos utilizados em cada lição alternam entre a Nova Versão Interna-

William de Moraes
cional e a Almeida Revista e Atualizada, 2ª edição.

Subdivisões tem
trab
A Lição dos Jovens está estruturada de modo que você tire bom proveito do estudo. em
Tenha em mente o objetivo de cada seção: Trab
Introdução – Estimula o interesse e focaliza o pensamento no tema da semana.
Exposição – É um estudo direto da passagem bíblica da semana.
Testemunho – Reúne comentários de Ellen White e do autor sobre o tema da lição.
Evidência – Aborda os assuntos sob outros pontos de vista (histórico, científico,
filosófico ou teológico).
Aplicação – Mostra como aplicar a lição ao dia a dia.
Opinião – Apresenta um ponto de vista pessoal sobre a lição, na intenção de esti-
mular o pensamento e a discussão.

4
Vista geral
... 6
. 14
. 22
A transformação espiritual planejada por Deus é produzida por
meio do nosso pensamento e dos nossos processos mentais.
Essa reorientação permite concentrar nossa atenção nas coisas de
. 30 cima, não nas coisas da Terra. Assim, embora apreciemos as realidades materiais do
. 38 mundo, somos livres para adorar a realidade espiritual – o Deus do Céu – que nos
. 46 concedeu todas essas coisas.
De acordo com o ensino bíblico, a mordomia cristã se torna, entre outras coisas, um
. 54
instrumento poderoso contra os perigos do materialismo ou do mundanismo. Devemos
. 62 ser servos fiéis e dignos da confiança divina, vivendo de maneira altruísta, ligando-nos
. 70 a Jesus em tudo o que fizermos e dissermos. Na escola de Cristo, descobrimos que o
. 78 resultado da fidelidade cristã é o contentamento com a vida justa.
. 86 Mesmo através da névoa de sedução do mundo, ainda somos responsáveis pela
. 94 administração apropriada de nossos talentos, finanças, saúde e meio ambiente. Essas
102 lições visam nos ensinar quais são nossas responsabilidades como mordomos e como
podemos, mediante a graça divina, cumprir essas responsabilidades, não como um
meio de tentar obter a salvação, mas como o resultado de tê-la recebido. Como mordo-
mos cristãos, nossa vida deve refletir o caráter de Deus para o mundo. Porque, no fim,
ouviremos: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de Mim, os que praticais a iniquidade”
para (Mt 7:23, ARA), ou “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito
eber te colocarei; entra no gozo do Teu Senhor” (Mt 25:23, ARA).
que Neste trimestre, estudaremos sobre a mordomia cristã e a maneira pela qual Deus
bém deseja que vivamos. Isso inclui a libertação das coisas do mundo em todas as suas
manifestações. Que os ensinamentos das lições deste trimestre o ajudem a se manter
dos no caminho do servo bom e fiel.
e–e
ndo.
gem Artista do trimestre

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


rna-
William de Moraes

V andir de Oliveira Dorta Júnior é natural da cidade de Socorro,


SP. Com quatro anos, já rabiscava seus primeiros desenhos e,
a partir de então, lápis e papel não faltaram mais em seus passa-
tempos. Cresceu no Unasp, campus Engenheiro Coelho, onde desenvolveu inúmeros
trabalhos artísticos. Nessa mesma instituição se formou em Publicidade e Propaganda
udo. em 2003, ano em que começou a trabalhar no departamento de marketing da mesma.
Trabalhou como designer gráfico e ilustrador na Casa Publicadora Brasileira.
na.

ção.
fico, Designer

Editor

esti-
ljovens@cpb.com.br #LESjovens licaojovenscpb C.Q.

5
Depto. Arte
Lição 1 30 de dezembro a 5 de janeiro

INTRODUÇÃO
G
de a
e de
de m

mat
prin

M
ter
sof
rár
de
val
val

1. .

A influência 2.

do materialismo
“Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente,
para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de ep
Deus” (Rm 12:2).
est
Os
Prévia da semana: Deus concedeu bênçãos materiais para nossa alegria e também do
para o desenvolvimento do nosso caráter. Quando as usamos para honrá-Lo e ajudar tod
aqueles que Ele criou, somos abençoados. Quando nos tornamos materialistas, per- seu
demos essa bênção. e fa
Leitura adicional: Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordomia, capítulo 43, “Procurando me
do
Servir a Deus e a Mamom”
(Ell

6
neiro INTRODUÇÃO Domingo, 31 de dezembro

Administradores do Senhor
G ênesis 3:3 mostra que desde o princípio Deus deixou claro que Ele é o legítimo
Proprietário de tudo o que há no mundo. No entanto, Ele nos concede o privilégio
de administrar o que Lhe pertence. Embora Deus graciosamente nos permita utilizar
e desfrutar tudo o que Ele possui, somos responsáveis por administrar Seu patrimônio
de maneira apropriada e de acordo com Seu desejo e propósito.
“A preocupação primária das pessoas para quem [Cristo] falou era com as coisas
materiais desta vida. Sua escala de valores era distorcida. Elas não conheciam o
princípio de que todo mordomo (administrador) tem direito ao cuidado de seu pa-
trão. Se reconhecessem que eram
Mãos à Bíblia mordomos de Deus teriam, então,
direito ao cuidado divino quanto
O dinheiro se tornou o deus deste mundo, e o ma-
terialismo é sua religião. O materialismo é um sistema às suas necessidades diárias. Jesus
sofisticado e insidioso que oferece estabilidade tempo- lhes ensinou que deviam buscar
rária, mas não segurança suprema. Ele ocorre quando o primeiro o reino dos Céus, e suas
desejo por riquezas e posses se torna mais importante e necessidades seriam supridas.”
*

valioso do que as realidades espirituais. Bens podem ser Salmo 24:1 diz: “Do Senhor é
valiosos, mas seu valor não deve nos possuir. a Terra e tudo o que nela existe, o
mundo e os que nele vivem.”
1. .De acordo com 1 João 2:16, 17, o que realmente A mordomia cristã expressa
importa? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para nossa obediência em relação à
falso:
administração de tudo que Deus
A. ( ) Lutar para viver da maneira mais confortável
que pudermos. colocou sob nossos cuidados. Isso
B. ( ) Fazer a vontade de Deus. envolve todas as áreas da vida. É
a dedicação de nós mesmos e de
2. Leia Lucas 14:26-33. De acordo com Jesus, o que é tudo o que possuímos para o ser-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


de suprema importância para o cristão? viço de Deus.
“Lembrem do Senhor, nosso
Deus, pois é Ele quem lhes dá for-
ça para poder conseguir riquezas”
(Dt 8:18, NTLH).
Este mundo e as coisas que
e, “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro
e e perder a sua alma?” (Mc 8:36). nele existem não nos pertencem.
“Quando Cristo veio à Terra, a humanidade parecia Qual será nossa resposta no dia em
estar rapidamente atingindo seu ponto mais degradante. que formos chamados para prestar
Os próprios fundamentos da sociedade estavam mina- contas ao Senhor da nossa manei-
bém dos. A vida havia se tornado falsa e artificial. Pelo mundo ra de administrar o que Ele nos
udar todo, todos os sistemas de religião estavam perdendo confiou?
Designer
per- seu poder sobre a mente. Desgostosos com as fábulas
e falsidades, e procurando abafar o pensamento, os ho- *M
 elvin E. Rees, God’s Plan for Social Security
ndo mens volviam à incredulidade e ao materialismo. Deixan- (Mountain View, Calif: Pacific Press, 1970), p. 21. Editor
do de contar com a eternidade, viviam para o presente”
(Ellen G. White, Educação, p. 74, 75).
Brenda Hiser Wilson | Jefferson, Texas, EUA
C.Q.

7
Depto. Arte
Segunda, 1o de janeiro de m
sacr

Mordomia cristã e salvação


EXPOSIÇÃO

cam
Deu

O primeiro exemplo de mordomia cristã (Rm 3:23; 5:12). Provavelmente, a


mais famosa história de mordomia cristã não seja reconhecida dessa forma pela
maioria das pessoas. Em Gênesis 2, lemos que Adão e Eva foram colocados no Jardim
(2Pe
a no
mov
do Éden para cuidar dele. Porém, no capítulo seguinte nos deparamos com a triste o re
narrativa de sua desobediência à ordem divina, quando eles se renderam ao engano
de Satanás. Entretanto, Deus deseja que Seus filhos compreendam que Ele nos ama (Lc
e quer que cuidemos de tudo que Lhe pertence. mai
Desde o pecado dos nossos primeiros pais temos experimentado dor e sofrimen- nos
to resultantes da sua desobediência à Palavra de Deus. Ficamos sujeitos à morte e bido
destituídos da glória divina (Rm 3:23; 5:12). Além disso, nossa natureza também se são
tornou corrupta (Ef 2:3). Queremos fazer o bem, mas não conseguimos (Rm 3:12). F
No entanto, nem todas as esperanças estão perdidas! de J
Jesu
O supremo sacrifício (Rm 8:32). O sacrifício de animais significava muito sas
mais do que simplesmente uma oferta. Era uma expressão de obediência, louvor e que
ações de graças ao Senhor (Gn 4:3-5; 2Cr 29:31). Se o adorador tinha que renunciar com
ao melhor do seu rebanho, certamente tratava-se de um sacrifício.
O sacrifício ou oferta incluía o sangue derramado. O animal era então colocado sobre
o altar e queimado representando a expressão de louvor, gratidão e devoção a Deus do
adorador. Contudo, o maior e mais perfeito sacrifício foi oferecido quando Deus entregou
Seu próprio Filho para ser sacrificado em nosso favor (Rm 8:32). M
Por meio do sacrifício de Cristo temos redenção. Quando ouve a expressão “mor- 3.
domia cristã”, a maioria das pessoas pensa instintivamente em dinheiro, mas a palavra
“mordomia” também está ligada a “redimir”, que significa “comprar de volta”, “resgatar”.
Quando Adão e Eva pecaram e romperam seu relacionamento com o Criador, Deus
prometeu, por meio de uma aliança, que os redimiria. Quando Jesus morreu na cruz
como nosso supremo sacrifício e expiação, Ele “redimiu” toda a humanidade pecadora.
exc
Seu precioso sangue derramado foi o alto preço pago para nos libertar da escravidão co
e nos tornar novamente filhos de Deus. em
vav
Chamados ao sacrifício (Mt 16:24). Cristo veio para nos salvar da penalidade do No
pecado e para servir como exemplo de uma vida totalmente altruísta. Seu exemplo de­ve
ser manifestado na vida dos Seus seguidores. O sacrifício de Cristo na cruz foi perfeito. 4.
A transformação que Ele deseja realizar em nós também é uma obra completa. Cristo
não Se deu pela metade quando morreu para nos salvar, portanto, Ele nos chama para
ser cristãos totalmente dedicados em servi-Lo e glorificá-Lo.
A mordomia cristã é uma de-
monstração da experiência de con- Pense nisto
versão e transformação realizada pelo
Espírito Santo, que nos leva a uma ●●Em quais áreas tenho dedicado minha vida a Jesus?
●●

O que estou disposto a dar em retribuição ao que


vida altruísta, de acordo com o desejo Cristo fez por mim?
de Deus. Cristo nos chama para viver

8
eiro de maneira abnegada, de serviço em favor do próximo, seguindo o Seu exemplo de
sacrifício na cruz.

Do egoísmo para o altruísmo (Lc 12:15; Gl 2:20). Apesar de nossa pe-


caminosidade e inclinação para o egoísmo, por meio das promessas da Palavra de
Deus e dos méritos de Cristo, podemos nos tornar participantes da natureza divina
e, a (2Pe 1:4). Devemos ser “crucificado[s] com Cristo” (Gl 2:20) não para viver segundo
pela a nossa velha natureza, mas para deixar que Cristo viva em nós. “Nele vivemos, nos
dim movemos e existimos” (At 17:28). Se somos cristãos dedicados, a mordomia cristã será
iste o reconhecimento de que Cristo nos possui inteiramente.
ano Deus deseja que reconheçamos que somos mais do que aquilo que possuímos
ama (Lc 12:15). Não somos salvos pelo que damos. Não podemos nos salvar pelo fato de darmos
mais. No entanto, podemos nos perder por não dar o que deveríamos (Lc 12:15-21). Deus
men- nos chama para ser pessoas especiais, que administrem bem Sua graça e privilégios rece-
te e bidos (1Pe 2:9, 10). Ele espera que sejamos fiéis na missão de mostrar quem Ele é, quais
m se são Seus propósitos e o que Ele pode fazer pelos que aceitam a salvação.
12). Finalmente, a mordomia cristã não somente restaura em nós o caráter altruísta
de Jesus, mas também nos ajuda na preparação para o Céu. Pelo menos duas vezes
Jesus expressou claramente que nossa fidelidade ou infidelidade nas pequenas coi-
uito sas determinará se nos serão confiadas coisas maiores (Lc 16:10; 19:17). Essa é uma
or e questão lógica, se não merecemos confiança nas pequenas responsabilidades aqui,
ciar como Deus irá nos confiar as coisas do Reino?

obre Malcolm S. Douglas | Tucson, Arizona, EUA


s do
gou
Mãos à Bíblia
mor- 3. Leia Lucas 12:15-21. Qual é a mensagem desse texto? Como esse princípio se aplica a alguém
avra que não seja necessariamente rico?
tar”.
eus

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


cruz
Essa parábola é aplicável em muitas partes do mundo, onde a vida é dedicada quase que
ora.
exclusivamente à aquisição de bens. Quer sejamos ricos quer pobres, nosso desejo de possuir as
dão coisas pode desviar nossa mente do que realmente importa e fazer com que nos concentremos,
em vez disso, no que é apenas temporal, fugaz e que não compensa a perda da vida eterna. Pro-
vavelmente jamais nos curvaremos diante de uma estátua de ouro ou prata nem a adoraremos.
e do No entanto, ainda podemos estar em perigo de adorar o ouro e a prata em outras formas.
de­ve
eito. 4. Leia Deuteronômio 8:10-14. De que maneira os membros da igreja estão em perigo de cair
isto no pecado descrito nessa passagem?
para

Designer

us?
ue Visite o Feliz7Play.com. A primeira plataforma Editor

de vídeos colaborativos da igreja adventista.


C.Q.

9
Depto. Arte
Terça, 2 de janeiro
TESTEMUNHO

Altruísmo

EVIDÊNCIA
N a cultura moderna uma selfie tem o objetivo de mostrar a pessoa ali retratada. Essas
fotos egocêntricas, na maioria das vezes, são uma forma de ostentação. Pessoas se exal-
tam com frequência e obsessivamente através do Twitter, Instagram ou Facebook. Jesus
R nov
o
d

defendeu posição contrária a essa cultura: uma vida de abnegação e serviço ao próximo. agra
“A obra de beneficência é duas vezes bendita. Enquanto aquele que doa ao ne- nos
cessitado beneficia outros, ele mesmo é beneficiado em medida ainda maior. A graça imp
de Cristo no coração desenvolve traços de caráter opostos ao egoísmo –traços que
refinarão, enobrecerão e enriquecerão a vida. Atos de bondade praticados em segredo, pass
ligarão corações entre si, unindo-os mais estreitamente ao coração Daquele de quem Leia
provém todo generoso impulso. As pequeninas atenções, os pequenos atos de amor
e sacrifício, os quais exalam da vida tão suavemente como o aroma se desprende da girin
flor – constituem parte importante das bênçãos e felicidade da vida. E se verificará por dire
fim que a negação do próprio eu para o bem e a felicidade dos outros, embora humilde
e não louvada aqui, é reconhecida no Céu como sinal de nossa união com Ele, o Rei M
da glória, que era rico, e contudo Se tornou pobre por amor de nós.”1
A vida de Cristo “foi uma perfeita ilustração da verdadeira cortesia. Bondade e
gentileza davam-Lhe fragrância ao caráter. Tinha sempre um olhar de compaixão e um
alé
uma palavra de conforto e consolação para o necessitado e oprimido.
de
“Quando vocês encontrarem os que estão oprimidos e sobrecarregados de cui- rep
dados, os que não sabem que caminho
seguir para se libertarem, ponham no
coração o empenho de ajudá-los. Não
Mãos à Bíblia 7. L
o
é propósito de Deus que Seus filhos 5. Leia Mateus 6:22-24. O que os olhos repre- t
sejam reservados, não manifestando sentam, de acordo com o pensamento e A
nenhum interesse pelo bem-estar dos ação cristãos? Assinale a alternativa correta. B
menos afortunados. Lembrem-se de que
A . ( ) A lâmpada do corpo.
B. ( ) O poder de decisão.
Cristo morreu por eles, tanto quanto por
mu
vocês. Consideração e bondade abrirão O mundo publicitário é poderoso. As em- inc
o caminho para que possam ajudá-los, presas gastam bilhões para expor imagens de ro
ganhando sua confiança e transmitindo seus produtos diante de nós. O materialismo po
esperança e coragem.”2 não seria tão eficaz se não fosse pela sensuali- sun
dade sutil (e às vezes não tão sutil) embutida na inc
1. Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, p. 82, 83. propaganda. A sensualidade é a técnica publici- um
2. ___________ , Minha Consagração Hoje, p. 242.
tária mais poderosa, mas ela age como veneno se
Althea Collins | Calhoun, Geórgia, EUA para a maioria dos cristãos que estão lutando me
contra os perigos do materialismo. co
na
Pense nisto 6. Leia Gálatas 5:16. Embora tendamos a pen- co
●●  ocê realizou alguma ação altruísta ultima-
V sar na “concupiscência da carne” apenas me
mente? Qual foi a motivação? em termos sexuais, em que outros aspec- ej
●●Você já recebeu um ato de bondade por par-
tos estamos em perigo de satisfazer essa
te de alguém? Que impacto isso lhe causou? concupiscência?

10
eiro Quarta, 3 de janeiro

Salvos para servir


EVIDÊNCIA

ssas
xal-
esus
R omanos 12:2 é um dos versículos bíblicos que apela diretamente a uma mudança
de vida: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela re-
novação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa,
mo. agradável e perfeita vontade de Deus.” Após tratar de alguns assuntos mais teológicos
ne- nos primeiros onze capítulos do livro, no capítulo 12 o apóstolo Paulo abordou aspectos
aça importantes da vida cristã – conduta, comportamento e comprometimento.
que Em um jogo, no último intervalo antes do apito final, o treinador reúne sua equipe e
edo, passa algumas diretrizes fundamentais que, se obedecidas, poderão resultar em vitória.
uem Leia Romanos 12:2 com o coração aberto. Esse chamado divino pode transformar você!
mor “Metamorfose”, do grego metamorphoo, é o processo pelo qual, por exemplo, um
e da girino se transforma num sapo e uma lagarta, numa borboleta. Se nos submetermos à
por direção do Espírito Santo seremos transformados e nos entregaremos completamente
ilde ao serviço do Senhor. Isso é o que Ele de-
Rei Mãos à Bíblia seja para Seus filhos.
Durante experimentos feitos a bordo do
de e “Pela graça que me foi dada, digo a cada ônibus espacial Colúmbia, os cientistas des-
ão e um dentre vós que não pense de si mesmo cobriram que existem 26 lagos embaixo do
além do que convém; antes, pense com mo-
deserto do Saara. É triste pensar nas pes-
deração, segundo a medida da fé que Deus
cui- repartiu a cada um” (Rm 12:3). soas que estão morrendo de fome e de sede
porque esses reservatórios ocultos ainda não
7. Leia 1 Timóteo 6:10. Qual é o perigo sobre foram perfurados. Como mordomos de
o qual Paulo advertiu? Assinale a alterna- Deus precisamos guiar as pessoas à fonte
re- tiva correta: da água viva, Jesus Cristo. Quando partici-
oe A. ( ) O amor ao dinheiro. pei do Clube dos Desbravadores tínhamos
ta. B. ( ) O adultério. por costume recitar “o voto” em nossas reu-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


niões e programações: “Pela graça de Deus
Paulo instruiu Timóteo a se acautelar de serei puro, bondoso e leal. […] Serei um
muitos tipos de pessoas ruins (2Tm 3:1-5),
m- servo de Deus e um amigo de todos.” Por-
incluindo “os avarentos”. O amor ao dinhei-
de ro promove o excesso de confiança e uma tanto, passemos da doutrina para o dever,
mo postura imponente de egocentrismo e pre- para a conduta exemplar e para o compor-
ali- sunção. Isso ocorre porque o materialismo tamento digno de um verdadeiro mordomo
na incute nas pessoas que têm grandes posses do Senhor.
ci- um elevado senso de importância. Quando
no se tem muito dinheiro, é fácil estimar a si Anbudurai Albert Zachariah | Karnataka, Índia
do mesmo mais do que se deveria. Afinal de
contas, todo mundo quer ser rico, mas ape-
nas um número muito pequeno de pessoas
en- consegue. Por isso, os ricos podem facil-
Pense nisto Designer
nas mente se tornar egocêntricos, orgulhosos E m que estágio você está em sua jornada
●●

ec- e jactanciosos. cristã?


ssa Editor

C.Q.

11
Depto. Arte
Quinta, 4 de janeiro

Motivos do coração
APLICAÇÃO

OPINIÃO
É possível que as palavras “eu” e “meu” tenham se tornado a tendência desta época.
A sociedade, em geral, promove a boa vida, rica e próspera. Ensina-se que dinhei-
ro, poder e prosperidade são os principais desejos que movem a sociedade. Eles são
Q
a fac
glorificados em nosso mundo. Para
Romanos 12:2 diz: “Não se amoldem ao padrão deste mundo […].” Nos Esta- C
dos Unidos, fala-se muito sobre “o sonho americano”. É a ideia segundo a qual, e se
com trabalho árduo pode-se alcançar um nível elevado de vida. Isso gera ganância,
sede de poder e injustiça. Jesus disse: “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo Voc
tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” Esse
(Lc 12:15). Os efeitos produzidos pela tentativa de alcançar esse “sonho” fazem com nos
que as pessoas percam de vista a razão de sua existência nesta Terra. deve
Nossa vida, nosso tempo, nossos bens são dons de Deus. No entanto, Ele permite noss
que desfrutemos os benefícios e as bênçãos resultantes do serviço que Lhe oferecemos
e da obediência à Sua vontade. te e
Devemos ser semelhantes a Cristo e refletir Seu caráter amoroso. A humildade, mei
a compaixão e o serviço em favor dos necessitados foram as principais marcas do e se
Seu ministério neste mundo. Ele deseja que sigamos Seu exemplo. “Seja a atitude de que
vocês a mesma de Cristo Jesus” (Fp 2:5). Essa atitude está em nítido contraste com dívi
a de Satanás: “Subirei aos céus;
erguerei o meu trono acima das com
estrelas de Deus” (Is 14:13, 14). Mãos à Bíblia “par
Em cada decisão que tomamos O materialismo é uma forma de desordem de identida- Deu
escolhemos quem fica no trono de. Ele nos oferece uma identidade semelhante às nossas mim
do nosso coração. Iremos optar posses. Nós nos definimos com base no que possuímos e outr
pelo caminho de Cristo ou pelo nos bens deste mundo que podemos comprar. Tiago nos real
caminho de Satanás, que é lar- advertiu contra isso (Tg 5:3). Nossas posses se tornam nosso
go, fútil e enganoso? Escolha deus. Como é triste que possamos encontrar nossa iden-
tidade apenas por meio de bens terrestres! Que maneira
hoje a quem você vai servir.
superficial, efêmera e, finalmente, fútil de viver, especial- M
mente para alguém que afirma ser cristão! Identificamo-­ ●● 
C
Philip Shaw | Orlando, Flórida, EUA nos com Deus ou com nossas posses? e
m
Pense nisto 8. De acordo com Deuteronômio 7:6, 1 Pedro 2:9, João d
●●  or que a Palavra de Deus nos
P 15:5 e Gálatas 2:20, o que significa ser propriedade ●●M

adverte contra o materialismo? exclusiva de Deus? Onde encontramos nossa verda- a


●●De que maneira nossa fidelida-
deira identidade? ●●C

de em relação aos nossos bens, o


●●T
dons e talentos pode demons-
trar obediência a Deus? li
●●Na prática, como podemos evi- a
tar que sejamos contaminados
pelo materialismo imposto pela Jesus disse: “Eu Sou a videira, vós, os ramos […]; sem
sociedade? Mim nada podeis fazer” (Jo 15:5). A ligação é direta e firme.

12
eiro Sexta, 5 de janeiro

Tempo e prioridades
OPINIÃO

oca.
hei-
são
Q uem não tem ou nunca teve sonhos e aspirações na vida? Quando éramos crianças
sonhávamos com o que queríamos ser. Ao concluir o ensino médio sonhamos com
a faculdade. Depois, com a carreira ideal. E então, com um futuro brilhante e seguro.
Para completar, constituir uma família e ser feliz!
sta- Contudo, em meio a esse planejamento é possível ficar tão envolvido com os alvos
ual, e se esquecer de encontrar o real significado e felicidade para a jornada nesta Terra.
cia, Tiago 4:14 diz: “Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida?
odo Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa.”
ens” Esse texto nos faz refletir sobre nossos sonhos e questionar nossas prioridades. Ele
com nos mostra que a nossa vida neste mundo é muito breve. Por isso nossos planos não
devem priorizar as coisas desta vida, mas a boa administração do nosso tempo e dos
mite nossos recursos tendo em vista a vida eterna.
mos Durante os anos na faculdade fiquei tão preocupado em me manter financeiramen-
te e me graduar que, no último ano, não sabia mais como conciliar os três empregos de
ade, meio-período com a carga horária das disciplinas. Embora estivesse cursando teologia
s do e sendo preparado para um ministério em favor de outros, não sobrava tempo para o
e de que era prioritário. Eu precisava trabalhar para pagar a faculdade e não me envolver em
com dívidas. Precisava manter uma boa média nas matérias para manter a bolsa de estudos.
Porém, eu sentia que estava faltando algo. No último semestre Deus mostrou
como minhas prioridades estavam erradas. O que eu estava fazendo era importante
“para mim”, mas havia alunos e amigos que precisavam de atenção, apoio e orientação.
da- Deus tinha me chamado para ser um ministro não para que eu investisse tempo em
sas mim mesmo, mas para que fosse um administrador dos Seus recursos para abençoar
se outros. Aquela mudança de prioridades foi a decisão que mais contribuiu para minha
os realização pessoal.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


sso
en- Eric Louw | Dallas, Texas, EUA
ira
al- Mãos à obra
mo-­ ●●  onverse com um amigo sobre uma área de sua vida
C
Pense nisto
em que você está sendo influenciado pelas coisas do ●●  ue repreensão encontramos na
Q
mundo. Peça-lhe que o ajude a encontrar maneiras carta de Tiago àqueles que fazem
ão de ajustar suas prioridades. planos sem submetê-los à vontade
de ●●Medite na exortação de Jesus em Mateus 6:19-21 sobre de Deus (Tg 4:13-15)?
da- ajuntar tesouros no Céu em vez de riquezas terrenas. ●●O reconhecimento da vontade divi-

●●Como você pode melhorar sua maneira de empregar na para nossa vida exige que admi-
o dinheiro? nistremos sabiamente nosso tempo?
●●T ire tempo para refletir e orar sobre seu modo de uti- ●●De que maneira você pode ajustar
lizar o tempo, dons e talentos. Peça que Deus o ajude suas prioridades e se tornar uma Designer

a mudar seu foco. bênção aos outros?


Editor
em
me.
C.Q.

13
Depto. Arte
Lição 2 6 a 12 de janeiro

INTRODUÇÃO
O
que

de f
prec
que
tinh
O
mui
e pe
ante

dóla

O
jove
E
cem
de o
E
para
O

Vejo, desejo e adquiro “Qu





“O que foi semeado entre os espinhos é o que ouve a Palavra, porém os cuidados do mundo e a D
fascinação das riquezas sufocam a Palavra, e fica infrutífera” (Mt 13:22). diss
Voc

Prévia da semana: A fim de substituir a ganância pelo contentamento, devemos fazer mar
escolhas que permitam que Deus controle totalmente nossa vida. E
Leitura adicional: 1 Timóteo 6:7-10; Lucas 12:13-21. Ellen G. White, Parábolas de Jesus, rapa
capítulo 2, “Entre os Espinhos”; Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 172 lheu
dinh
na e
que
o foc

14
neiro INTRODUÇÃO Domingo, 7 de janeiro

Ganância
O sermão era sobre ganância e o pastor quis ilustrar “ao vivo” durante sua exposição.
Ele não tinha certeza de que iria funcionar, mas valia a pena tentar. Ele solicitou
que viessem à frente três voluntários que não tivessem nenhum dinheiro com eles.
O primeiro a se apresentar foi um aluno do ensino fundamental que dizia ser
de família muito pobre. O segundo, um aluno do ensino médio que mencionou que
precisava de dinheiro para comprar livros escolares. O último foi uma universitária
que necessitava de recursos para fazer uma viagem missionária à África. Todos eles
tinham vindo à igreja para reivindicar uma bênção de Deus.
O pastor se dirigiu ao aluno do ensino fundamental e perguntou se ele era mesmo
muito pobre. “Sou sim”, ele respondeu. O pastor então mostrou dez notas de um dólar
e perguntou: “Você estaria disposto a colocar uma dessas notas na salva de ofertas
antes de ir embora para casa?”
“Sim!”, respondeu o aluno. E o pastor lhe deu os 10 dólares.
Depois se dirigiu ao aluno do ensino médio e perguntou: “Eu tenho aqui 10 notas de dez
dólares. Você estaria disposto a colocar uma delas na salva de ofertas antes de ir embora?”
“Claro”, o aluno respondeu.
O pastor deu o dinheiro a ele e depois perguntou à igreja: “Eu fui justo com esses
jovens? Dei a eles o que disse que daria?”
E por último, ele se dirigiu à jovem que fazia faculdade. “Tenho aqui 10 notas de
cem dólares”, disse-lhe o pastor, “você estaria disposta a colocar uma delas na salva
de ofertas antes de ir embora?”
Ela balançou a cabeça e respondeu: “Sim. E eu vou usar o restante desse dinheiro
para custear parte da minha viagem missionária ao Quênia.”
O pastor ficou surpreso. Ela não queria o dinheiro para gastar consigo mesma!
“Quanto vai custar a viagem missionária?”, perguntou o pastor.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


“São 3.500 dólares”, ela respondeu.
“E quanto você tem?” Mãos à Bíblia
“Apenas 150 dólares”.
Se você for fiel, Deus o tornará
ea Depois de pensar por um momento, o pastor
rico! Esse pensamento tem sido cha-
disse: “A igreja vai pagar o restante da viagem. mado de “evangelho da prosperida-
Você vai fazer essa viagem missionária!” de”. Sua mensagem é: “Siga a Deus,
A jovem começou a chorar! Que resposta e Ele o enriquecerá com bens mate-
azer maravilhosa e inesperada a uma oração sincera! riais. No entanto, relacionar o evan-
Embora não saibamos no que realmente os dois gelho à riqueza garantida é uma
esus, rapazes gastaram seu dinheiro, aquela jovem esco- ênfase equivocada.
lheu o caminho oposto ao da ganância. Ela usou o
dinheiro para beneficiar outros. Na lição desta sema- 1. Leia 2 Coríntios 8:1-7. Nesse texto,
na examinaremos o que a Palavra de Deus diz sobre o quais princípios vão contra a ideia Designer

do evangelho da prosperidade?
que devemos fazer para evitar a armadilha de colocar
o foco naquilo que “vemos, desejamos e adquirimos”. Editor

Hannah Eckright | Pendleton, Carolina do Sul, EUA


C.Q.

15
Depto. Arte
Segunda, 8 de janeiro
Cestos de ouro

EXPOSIÇÃO
com frutas envenenadas
EVIDÊNCIA

E m 1 Reis 21, encontramos o episódio em que o rei Acabe ficou aborrecido por não
ter conseguido comprar a vinha de Nabote. Como uma criança que não consegue
o brinquedo que quer, seu orgulho ferido o levou, juntamente com a esposa, Jezabel,
U
de I
a executar um plano maligno. já p
Acabe ficou conhecido como o rei mais corrupto de Israel (1Rs 16:30). Ele se casou tam
com a filha de um rei fenício e introduziu em seu reino o culto a Baal e a bruxaria. toda
Sob a ira de Jezabel e a impiedade de Acabe os profetas de Deus foram vorazmente
perseguidos.
A raiz de todo mal é a cobiça e o Mãos à Bíblia satâ
amor ao dinheiro (1Tm 6:10). A história hoje
A Bíblia ensina uma verdade óbvia: os cuida-
da vinha de Nabote é um claro exemplo dos e as riquezas deste mundo são temporários. riam
disso. Não é comum ouvirmos de assas- Nada permanece nem dura muito tempo. A visão imu
sinatos por causa da importância dada a dos cristãos se torna míope quando seu foco está
uma plantação. nos cuidados deste mundo, não no caminho para
Jezabel adorava ídolos visíveis, mas o Céu. Poucas coisas podem cegar seus olhos forc
Acabe tinha alguns ídolos também. mais do que o engano das riquezas. Helen Keller, mel
O que estamos deixando de entregar que era cega, disse: “A pessoa mais patética do aqu
a Deus? Qual é o seu ídolo? A moda, mundo é aquela que enxerga, mas não vê”. A Eng
a internet, as coisas materiais, os relacio- visão espiritual obscurecida coloca a salvação pers
namentos, o desperdício de tempo? Deus eterna em risco. Não basta manter Jesus à vista; com
devemos mantê-Lo em foco.
tudo vê e conhece, mas assim mesmo qua
nos ama. Em resposta à Sua graça salva- 2. Leia Mateus 13:3-7 e 22. Sobre qual perigo O in
dora Ele nos pede que moldemos nosso Jesus nos advertiu? Assinale a alternativa tage
caráter à Sua semelhança. correta e reflita sobre a razão pela qual é as t
Paulo declarou: “Que todos nos con- tão fácil cair nessa armadilha, sendo nós oraç
siderem como servos de Cristo e encar- ricos ou pobres: estu
regados dos mistérios de Deus” (1Co 4:1). A. ( ) Das preocupações desta vida e do en- do i
Não percamos de vista essa mensagem gano das riquezas.
simples, mas profunda. Já temos acesso B. ( ) Dos falsos mestres e profetas.
ao tesouro de Deus. Temos em nossas mos
Primeiramente, Jesus nos advertiu quanto
mãos os mistérios do Criador. Que jamais às “preocupações desta vida” (Mt 13:22). Ele sabe entr
digam a nosso respeito: “Eles deixaram de que temos inquietações, inclusive financeiras. Os Os
ver a árvore da vida enquanto colhiam os pobres se preocupam se terão o suficiente; os ri- nos
frutos das vinhas terrestres.” cos se preocupam com seus desejos. Precisamos ram
apenas ter a certeza de que não deixaremos essas pes
Bethany Sheridan | Clyde, Carolina do Norte, EUA preocupações sufocarem a Palavra em nossa vida des
(Mt 13:22). (Mt
Em segundo lugar, Jesus nos advertiu sobre
Pense nisto o “engano das riquezas” (Mt 13:22). Embora as
as c
é te
●●  ual seria a melhor forma de ajudar alguém
Q riquezas em si não sejam más, elas ainda têm o
que caiu na armadilha do apego aos tesou- poder de nos enganar de tal maneira que pode
ros e prazeres deste mundo? levar à destruição final.
felic
te q

16
eiro Terça, 9 de janeiro

Desejo de ter sempre mais


EXPOSIÇÃO

não
gue
bel,
U m legado de ganância (1Rs 21). Acabe, um rei ímpio, viu a vinha de Nabote e
desejou comprá-la, mas ele não a quis vender. Como uma criança mimada o rei
de Israel ficou emburrado e se trancou no quarto. Imagine as riquezas que Acabe
já possuía! Entretanto, ele queria mais! Lúcifer, Eva, Acã, Judas, Ananias e Safira
sou também queriam “mais”. Todas essas histórias têm algo em comum, a ganância; e
aria. todas elas tiveram o mesmo fim, a morte.
ente
A História se repete (1Co 10:13). Infelizmente, o drama de cair na armadilha
satânica da “ganância” não é encontrado somente nos relatos bíblicos, mas continua
hoje. A Palavra de Deus diz que nos últimos dias da história terrestre as pessoas se-
da-
os.
riam amantes de si mesmas e do dinheiro (2Tm 3:2, 3, A Bíblia Viva). Não estamos
ão imunes a essa tentação. A cultura reinante nos torna ainda mais suscetíveis a ela.
stá
ara O melhor caminho (2Co 8:9). O apóstolo Paulo fez um apelo: “Por isso se es-
os forcem para ter os melhores dons. Porém eu vou mostrar a vocês o caminho que é o
er, melhor de todos” (1Co 12:31, NTLH). Foi exatamente isso que Jesus fez quando viveu
do aqui. Ele Se dispôs a “renunciar a todas as Suas riquezas” (2Co 8:9, Contemporary
.A English Version, tradução livre). Que contraste, em comparação com a vida de outros
ão personagens da Bíblia! Jesus não só Se dispôs a viver na pobreza, mas demonstrou
ta; como resistir à tentação. Encontrava-Se no deserto, literalmente morrendo de fome,
quando o diabo veio para tentá-Lo (Mt 4:1-11). As tentações de hoje não são diferentes.
go O inimigo sabe quando estamos nos momentos de maior fraqueza e tenta tirar van-
va tagem disso. Entretanto, Deus é mais poderoso. Cristo nos mostrou como enfrentar
lé as tentações: “Está escrito.” Jesus conhecia as Escrituras. Passava muito tempo em
ós oração e comunhão com o Pai. Somente quando estamos ligados a Deus, por meio do

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


estudo da Bíblia e da oração, podemos encontrar o “escape” e vencer as artimanhas
en- do inimigo (1Co 10:13).

Concentrados na eternidade (2Co 4:18). Às vezes as tentações que enfrenta-


mos são camufladas. Na parábola do semeador (Mt 13:3-7) as sementes que caíram
nto
be
entre os espinhos pareciam estar em local seguro. Não foram comidas pelos pássaros.
Os O solo em que caíram era bom, sem pedras. Porém, os espinheiros, a princípio peque-
ri- nos e inofensivos, cresceram e sufocaram as plantas. Quando os discípulos pergunta-
mos ram o que a história significava, Jesus explicou que o solo com espinhos representa as
sas pessoas que ouvem a mensagem, “mas começam a se preocupar com as necessidades
da desta vida e são enganadas pelo desejo de ficar ricas. Assim a mensagem é sufocada”
(Mt 13:22, Contemporary English Version, tradução livre). É muito fácil deixar que
Designer
bre as coisas materiais dominem nossa vida! Perdemos de vista o fato de que tudo aqui
as é temporário.
mo Somos diariamente bombardeados pela mídia, pelas propagandas que prometem Editor
de
felicidade em produtos que podemos comprar, ou por alguma experiência estimulan-
te que trará realização. C. S. Lewis escreveu: “Toda a educação atual tende a fixar
C.Q.

17
Depto. Arte
nossa atenção neste mundo.”1 No entanto, não fomos feitos para encontrar satisfação
nas coisas desta Terra. “Se descubro em mim um desejo que nenhuma experiência

TESTEMUNHO
deste mundo pode satisfazer, a explicação mais provável é que fui criado para um
outro mundo.”2

Doar ou entesourar? (2Co 8:1-7). Deus deseja mais de Seus filhos do que
simplesmente escapar da tentação do materialismo. Ele deseja que experimentemos
a verdadeira alegria. “Lembrem das palavras do Senhor Jesus: ‘É mais feliz quem dá
do que quem recebe’” (At 20:35, NTLH). A ganância e a verdadeira generosidade
“É
para
não podem coexistir. Seu
Na Macedônia as igrejas estavam passando necessidade. À primeira vista, poderia roub
parecer que os membros não estivessem dispostos a doar. Porém, pela graça de Deus, Voc
eles não apenas doaram, mas contribuíram além do que podiam. Ficaram felizes em está
poder ajudar os irmãos de Corinto, embora estivessem vivendo em extrema pobreza.
Que exemplo de corações transformados! Essa atitude dos cristãos da Macedônia pun
está em total contraste com as histórias de ganância relatadas na Bíblia, e que nos é co
servem de advertência. Somente cristãos cheios do acom
Pense nisto amor de Cristo poderiam ter feito o que fizeram. à Su
E unicamente o amor altruísta em nosso coração clar
●●O que prevalece mais hoje em dia,
pode expulsar a ganância e substituí-la pela ver- à hi
o amor ao dinheiro ou às posses?
dadeira generosidade.
●● ganância e o egoísmo podem ser
A
encontrados em outras formas?
cren
1. C. S. Lewis, Cristianismo Puro e Simples (São Paulo, SP: Martins Fontes,
●●Você já agiu de maneira semelhan-
o co
2005), p. 48.
te à atitude do rei Acabe? Costuma 2. Ibid., p. 49. êxit
agir como as igrejas da Macedônia? irmã
Amanda Ernst | Hickory, Carolina do Norte, EUA Sua
que
Mãos à Bíblia
Como todos os pecados, a cobiça começa no coração. Ela tem início dentro de nós e, em
M
seguida, desenvolve-se em nosso exterior. Foi o que aconteceu no Éden. 4.

3. Leia Gênesis 3:1-6. O que Satanás fez para atrair Eva ao pecado? Através dos séculos, como
ele tem usado os mesmos princípios para nos enganar também?
5.

“Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para
dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu” (Gn 3:6).
Se não soubéssemos, poderíamos pensar que a indústria publicitária obteve seu exemplo
paradigmático de como vender seus produtos a partir da história do Éden. O diabo apresentou o
fruto da árvore proibida de maneira a criar em Eva o desejo de querer mais do que ela já possuía, se
e fazê-la pensar que precisava de algo de que realmente não necessitava. Genial! A queda de Eva nâ
é uma demonstração dos três passos que damos quando caímos na cobiça: Ver, querer e pegar. po
A cobiça pode ser um pecado silencioso. Assim como a luxúria, ela se esconde por trás do Jes
véu do nosso corpo. Mas quando finalmente produz frutos, é devastadora! Ela pode prejudicar pre
relacionamentos, deixar cicatrizes em nossos queridos e nos esmagar com a culpa depois. ga

18
ção Quarta, 10 de janeiro
ncia
TESTEMUNHO
um
O pecado da fraude
que
mos
m dá
ade
“É o espírito de cobiça que leva os seres humanos a guardar para a satisfação de
si mesmo o que por justiça pertence a Deus; e esse espírito é tão repugnante
para Ele agora como quando severamente repreendeu Seu povo por intermédio do
Seu profeta, dizendo: ‘Pode um homem roubar de Deus? Contudo vocês estão Me
eria roubando. E ainda perguntam: Como é que Te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.
eus, Vocês estão debaixo de grande maldição porque estão Me roubando; a nação toda
em está Me roubando’ (Ml 3:8, 9).”1
eza. “No caso de Ananias e Safira, o pecado da fraude contra Deus foi rapidamente
ônia punido. O mesmo pecado foi muitas vezes repetido na história posterior da igreja, e
nos é cometido por muitos em nossos dias. No entanto, ainda que esse pecado não seja
s do acompanhado da manifestação visível e imediata de Deus, ele não é menos desprezível
am. à Sua vista agora do que foi no tempo dos apóstolos. A advertência foi dada. Deus tem
ção claramente mostrado Sua desaprovação a esse pecado, e todos os que se entregam
ver- à hipocrisia e à cobiça podem estar certos de que estão destruindo a própria vida.”2
Em contraste com a história de Ananias e Safira, a “liberalidade da parte dos
crentes foi o resultado do derramamento do Espírito Santo. ‘Uma era a mente e um
ntes,
o coração’ dos conversos ao evangelho (At 4:32). Um interesse comum os guiava: o
êxito da missão a eles confiada. A avareza não tinha lugar em sua vida. Seu amor aos
irmãos e à causa que haviam abraçado era maior do que o amor ao dinheiro e às posses.
EUA Suas obras testificavam que eles tinham a salvação das pessoas em maior apreço do
que as riquezas terrestres.”3
“O espírito de liberalidade é
Mãos à Bíblia o espírito do Céu. Esse espírito
em encontra sua mais alta manifesta-
4. Leia Isaías 56:11. Sobre qual pecado esse texto nos ção no sacrifício de Cristo sobre

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


adverte? a cruz. Em nosso benefício o Pai
mo
nos deu Seu Filho unigênito; e
5. Leia Mateus 26:14-16. O que aprendemos sobre o Cristo, tendo renunciado a tudo o
poder da ganância nessa triste história? Assinale que possuía, entregou-Se para sal-
“V” para verdadeiro ou “F” para falso: var a homens e mulheres. A cruz
A. ( ) A ganância domina o coração, tirando todos do Calvário deve ser um apelo à
os escrúpulos. beneficência de cada seguidor de
ara B. ( ) É necessário ter ganância. Ela nos motiva a pro- Cristo. O princípio aí ilustrado é
:6). gredir na vida. dar, dar. ‘Aquele que diz que está
plo Nele, também deve andar como
uo Observe as palavras de Judas: “O que me darão Ele andou’ (1Jo 2:6, ARC).”4
uía, se eu O entregar a vocês?” (Mt 26:15). Ele deixou a ga-
Eva nância dominá-lo! Judas tinha sido privilegiado como Designer
ar. pouquíssimas pessoas em toda a História: viveu com o 1. Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 339.
2. Ibid., p. 76.
do Jesus encarnado, testemunhou Seus milagres e O ouviu
3. Ibid., p. 70, 71.
car pregar as palavras da vida. Não obstante, veja o que a 4. Ibid., p. 339.
Editor

ganância e a cobiça o levaram a fazer!


Hadassah Eckright | Caldwell, Idaho, EUA
C.Q.

19
Depto. Arte
Quinta, 11 de janeiro

O que Jesus faria?


APLICAÇÃO

OPINIÃO
S egundo John Whitmore “você pode viver numa condição de necessidade, de ga-
nância ou de liberdade. Esses três níveis também são chamados de dependência,
independência e interdependência.”1
A
essa
E
Necessidade (dependência). Uma criança é um exemplo de necessidade. Ela cris
precisa de alimento e cuidado e é dependente dos pais quanto a essas necessidades. Ao i
Nos adultos essa necessidade pode ser evidenciada quando uma pessoa não faz um mas
orçamento e acaba gastando demais. E
Exis
Ganância (independência). É procurar o próprio interesse ou considerar que test
seu único dever é se preocupar com você mesmo. Ganância é querer sempre as roupas Não
da moda, os aparelhos eletrônicos mais recentes ou a maior quantidade de artigos em A
liquidação. É comprar coisas para impressionar os outros. É sempre tentar lucrar ou dese
obter vantagem passando por cima de alguém (Is 56:11). Esp
H
Liberdade (interdependência). É procurar não somente os interesses pessoais, qua
mas se preocupar com as necessidades dos outros. É viver como mordomo fiel que in-n
prioriza servir a Deus. Esse foi o exemplo de Jesus que, embora fosse o Dono de tudo, pou
“Se fez pobre por amor de [nós], para que por meio de Sua pobreza [nos tornássemos] para
ricos” (2Co 8:9).
Liberdade é tomar decisões com base na pergunta: “O que Jesus faria?” “Jesus luga
deseja que O tornemos Senhor de nossa vida porque essa é a única maneira de ser
resgatado do permanente pesadelo da nossa ganância. […] Cristo era tão contrário à M
ganância que Se deixou crucificar para que pudéssemos formar um corpo de pessoas ●● L
que, pela confiança Nele, seja salvo da desesperada avidez da ganância.”2 e
o
1. David Ducheyne, “Greedom or Freed Mãos à Bíblia ●●V
(about Greed and Freedom)”, http:// ●●F
www.hrchitects.net/freedom-greed/, 6. Leia os textos a seguir. Como as pessoas, ricas ou po- te
acessado em 17 de outubro de 2016. bres, podem se proteger dos perigos envolvidos na ●● C
2. Morgan Guyton, “Greed: Where do you ganância, cobiça, amor ao dinheiro e coisas materiais?
draw the line?” http://www.patheos.com/
c
Atos 24:24
_______________________________________________________________________________________________________________________________________
●● O
blogs/mercynotsacrifice/2011/05/16/
Gálatas 5:22-25 ______________________________________________________________________________________________________________________
s
greed-where-do-you-draw-the-line/,
acessado em 17 de outubro de 2016.
2 Pedro 1:5-9 ___________________________________________________________________________________________________________________________
●● P
a
Esses textos são muito ricos e estão repletos de ordens
Karen Pires | Pendleton, divinas sobre como devemos viver. Mas observe algo em
Carolina do Sul, EUA comum em todos eles: o domínio próprio.

7. Leia novamente 2 Pedro 1:5-9. Para qual caminho Pedro


Pense nisto apontou? Quais são os seus passos, e como podemos
●●  omo devemos reagir diante de
C segui-los, especialmente em nossa luta contra a ga-
uma pessoa gananciosa? nância e a cobiça?

20
eiro Sexta, 12 de janeiro

Virtudes cristãs
OPINIÃO

ga-
cia, A prendemos que o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, paciência, amabilidade,
bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl 5:22, 23). Mas o que são
essas virtudes? Como podemos desenvolvê-las? Para que devemos usá-las?
Elas são o resultado (fruto) da presença e da direção do Espírito Santo na vida do
Ela cristão. Cada dia precisamos suplicar que Deus nos conceda o poder do Seu Espírito.
des. Ao iniciar a caminhada cristã, algumas dessas virtudes podem não estar desenvolvidas,
um mas devemos perseverar em oração e consagração a fim de que elas amadureçam.
Essas virtudes fazem parte da vontade de Deus e são usados por Ele em Sua obra.
Existem cristãos cheios de “doçura” – a maneira de usar as palavras, seus atos, seu
que testemunho. Você já comparou suas virtudes com as dos outros e ficou desanimado?
upas Não fique triste. Todos somos como um pomar que está se desenvolvendo.
em Ame, seja alegre, bondoso e paciente para com as pessoas. Assim você estará se
r ou desenvolvendo como bom administrador do Senhor. Seja fiel a Deus e deixe que o
Espírito Santo o ajude a ter domínio próprio.
Há mais de 7.500 variedades de maçãs conhecidas hoje. Cada uma delas tem sua
ais, qualidade peculiar. Por exemplo, maçãs vermelhas são ótimas para ser consumidas
que in-natura, mas não são boas para se fazer torta. Por outro lado, a maçã verde é um
udo, pouco azeda, mas dá uma ótima torta. Para se fazer purê de maçã, a Fuji, que é ótima
mos] para se comer crua, não é a melhor escolha; a maçã gala é muito melhor.
Talvez não estejamos perfeitamente adaptados para todas as situações, funções ou
esus lugares. No entanto, os dons e virtudes que Deus nos concede pelo Espírito Santo se
ser desenvolverão à medida que cum-
io à Mãos à obra prirmos Sua missão, e nos ajudarão
soas ●●Leia o artigo de Joe Crews, “The surrender of self” (A
a ser mordomos e discípulos fiéis
entrega de si mesmo) em http://www.amazingfacts. onde quer que Ele necessite de nós.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


org/media-library/book/e/76/t/the-surrender-of-self.
●● Visite um orfanato e ajude as crianças que vivem ali. Ron Reese | Clyde, Carolina do Norte, EUA
●●Faça uma lista de desejos e examine quais deles são
o- temporais e quais são permanentes.
na ●● Converse com um morador de rua para entender
Pense nisto
is? como ele sobrevive nessa situação. ●●  ual são as semelhanças entre as
Q
_______
●● Ouça o hino “Tudo Entregarei” (HASD, 295) e reflita virtudes e os dons do Espírito? Qual
_______
sobre a mordomia cristã. são as diferenças?
_______
●● Peça que Deus o ajude a ser um instrumento para ●●Quais virtudes do Espírito você mais

alcançar pessoas para Seu reino. tem necessidade de desenvolver?


ns
em
Designer

ro
os
ga-
CURTA A LIÇÃO DOS JOVENS NO FACEBOOK Editor

www.facebook.com/licaojovenscpb
C.Q.

21
Depto. Arte
Lição 3 13 a 19 de janeiro

INTRODUÇÃO
A
dese
que



Pess
nest
góci
T
veze
de p
bem
auto
que
von
P
tade
com
enq
tare

Deus ou as riquezas? M
1. Q
9
“Por isso Deus O exaltou à mais alta posição e Lhe deu o nome que está acima de todo nome, c
para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, no Céu, na Terra e debaixo da Terra, e toda
língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Fp 2:9-11).

Prévia da semana: A humanidade foi criada para adorar. Essa adoração pode ser dire-
cionada ao eu, às coisas criadas ou ao Criador. Somente a última opção traz satisfação
duradoura, um verdadeiro sentimento de pertencimento no Universo e um profundo da
senso de propósito. mu
Leitura adicional: Zacarias 4:10; Lucas 16:10-12. Ellen G. White, Parábolas de Jesus, […
tico
p. 229, 230; Max Lucado, Cure for the Common Life: Living in your Sweet Spot, firm
capítulo 13: “Trust Little Deeds” (Nashville, TN: W. Publ. Group, Thomas Nelson (Ell
Publishers, 2005)

22
neiro INTRODUÇÃO Domingo, 14 de janeiro

Quem é seu pai?


A cabo de ler um livro em que o autor menciona que durante um de seus seminários
escreveu na lousa: “Não faço nada por conta própria. Somente faço o que Meu Pai
deseja.”* Depois, pediu aos participantes que adivinhassem qual era o perfil da pessoa
que havia feito tal declaração. Veja algumas respostas que ele recebeu:
“Parece uma pessoa fraca. Quase impotente.”
“Essa pessoa já fez terapia?”
“Não é uma pessoa saudável.”
“É um codependente.”
Talvez muitos de nós responderíamos de forma semelhante, você não acha? A
Pessoa que fez tal declaração foi o próprio Jesus (Jo 5:19, 30). Enquanto Ele esteve
nesta Terra, agiu como um fiel mordomo de Seu Pai. Veio aqui para cuidar dos ne-
gócios de Deus.
Terminamos nossos estudos e já queremos entrar no mercado de trabalho, muitas
vezes predeterminados a alcançar nossos sonhos. Porém, a grande maioria se esquece
de procurar saber primeiramente qual é o plano de Deus para sua vida. Se as coisas vão
bem, se temos boa colocação, bom salário, pensamos que temos tudo sob controle. A
autossuficiência não faz parte do plano divino. Jesus reconheceu a grande necessidade
que tinha de Seu Pai, e não Se envergonhou de dizer: “Não procuro a Minha própria
vontade, e sim a Daquele que Me enviou” (Jo 5:30).
Portanto, a pergunta é: “Quem é seu pai?” Você está disposto a submeter sua von-
tade e planos à direção de seu Pai celestial? Não pertencemos a nós mesmos. Fomos
comprados por alto preço, o precioso sangue de Jesus, para cumprir o propósito divino
enquanto estivermos neste mundo. Nos estudos ou no trabalho, jamais iniciamos a
tarefa que precisa ser executada sem primeiramente saber o que está sendo pedido.
Então por que insistimos em fazer

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Mãos à Bíblia as coisas em nossa vida sem antes
procurar entender qual é a vontade
1. Qual é o valor do mundo material? Gn 1:1; Sl 33:6- do Senhor?
9; Is 45:11, 12; Jr 51:15; Jo 1:3. Assinale a alternativa
e, correta:
Você não gostaria de pedir que
a A. ( ) Tudo o que há no mundo material é obra Deus hoje lhe mostrasse o que Ele
de Satanás. quer que você faça? A resposta Dele
B. ( ) Jesus criou o mundo perfeito e excelente. pode surpreender você, mas a única
O pecado corrompeu tudo. maneira de ser um bom mordomo do
dire- Senhor é reconhecer que Ele é nosso
ação “Foi Cristo que estendeu os céus, e lançou os fun- verdadeiro Pai.
ndo damentos da Terra. Foi Sua mão que suspendeu os
mundos no espaço e deu forma às flores do campo. *P
 aul E. Miller, Love Walked Among Us: Learning to
[…] Foi Ele quem encheu a Terra de beleza, e de cân- Love Like Jesus (Carol Stream, Illinois: Tyndale House Designer
sus, Publishers, 2014), capítulo 11.
ticos o ar. E sobre todas as coisas na terra, no ar e no
pot, firmamento, escreveu a mensagem do amor do Pai”
lson (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 20). Editor

Patrice Yorke | Edmonton, Alberta, Canadá

C.Q.

23
Depto. Arte
Segunda, 15 de janeiro San
don
Cris
Apaixonados por Deus
EXPOSIÇÃO

B
cris

M ordomia (Êx 34:6, 7; Jo 3:16). Mordomia é a administração dos recursos


que Deus nos confia. É assumir a responsabilidade pela aplicação e utilidade
desses recursos para que seja realizado um bom trabalho. Na vida cotidiana tentamos
cora
Sua
que
ser bons administradores nas várias áreas e em relação ao nosso relacionamento com com
as pessoas próximas de nós. Na verdade, ao longo de nossa “breve” existência gas- com
tamos bastante tempo aperfeiçoando nossos talentos acadêmicos, vocacionais ou Dev
profissionais a fim de ser realmente bons naquilo que gostamos de fazer. Por quê?
Porque amamos o que escolhemos. O amor é o padrão de medida para nossos atos A
e o fundamento da mordomia cristã. Hb
resp
O padrão de medida da mordomia cristã (Lc 16:13; Jo 5:19, 30). O com- que
prometimento com a prática da mordomia cristã advém de um coração agradecido a
Deus por tudo o que Ele fez e faz por Seus filhos. Quando estamos apaixonados por Pe
alguém queremos estar sempre envolvidos com essa pessoa. Apreciamos as alegrias
que resultam dessa interação. Passamos tempo juntos procurando entender um ao ●●
V
outro. Nós nos doamos. “Deus tanto amou o mundo que deu Seu Filho unigênito […]” D
(Jo 3:16) para nos mostrar o verdadeiro sentido da mordomia cristã. Somos chamados s
●●
E
a dar tudo de nós em retribuição ao amor divino.
e
Cada manhã Cristo mantinha comunhão com Seu Pai e recebia orientação
Dele. Seu relacionamento com o Pai foi fundamental para o exercício de Sua
mordomia em favor dos necessitados. Da mesma forma, devemos passar tempo
com Deus para entender Sua vontade a fim de praticar a verdadeira mordomia M
em sua mais elevada forma de serviço.

Amor supremo (Jó 38; Sl 50:10; Jo 10:10; 1Jo 2:15). Deus demonstrou Seu son
amor pela humanidade caída ao oferecer Seu Filho para que pudéssemos ter vida, e me
vida em abundância. Ele criou o mundo e as coisas que há nele para que pudéssemos da
de
desfrutá-las, não para que as adorássemos. “Não amem o mundo nem o que nele há.
Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele” (1Jo 2:15). As coisas criadas 2.
em sua perfeição e beleza devem nos dirigir ao Criador. Ao crescer na compreensão do
supremo amor divino a experiência da mordomia cristã se tornará um regozijo para nós.

Talentos em ação (Mt 25:24-28). Na parábola dos talentos, o servo que es- alg
condeu seu único talento rotulou seu senhor como “um homem severo, que colhe pe
onde não plantou e junta onde não semeou” (v. 24). O Senhor ali retratado é Deus. ma
Poderia nosso Pai amoroso ser retratado como um “homem severo”? Muitas pesso- lo
as ainda têm esse conceito sobre Deus. De que maneira podemos usar nossos ta- est
lentos para mostrar à sociedade como Ele realmente é? Você tem procurado conhe-
cê-Lo mais a cada dia a fim de falar aos outros sobre Seu amor?
No livro do Apocalipse encontramos a promessa de que os santos vencerão “pelo
sangue do Cordeiro e pela Palavra do testemunho” (Ap 12:11). Fortaleça seu testemu-
nho meditando cada dia nas promessas do Senhor e suplicando o poder do Espírito

24
neiro Santo. A mordomia cristã tem a ver com todo o nosso ser e tudo que temos: tempo,
dons, posses e bens. Tudo deve ser usado para socorrer o próximo e testemunhar de
Cristo ao mundo. Coloque seus talentos em ação!

Brilhar por Cristo (Dt 10:14; 1Co 6:19, 20). É fácil falar sobre mordomia
cristã, mas não é tão fácil ser um bom mordomo de Deus. Tudo deve começar no
rsos coração ao desenvolver um relacionamento com o Criador. Assim podemos conhecer
ade Sua vontade e seguir Suas instruções, e então, entrar em ação. Brilhe por meio daquilo
mos que Deus lhe concedeu. A sua contribuição é importante neste mundo. Se você não
com compartilhar muitos não verão sua luz. Faça o que puder, onde puder, como puder e
gas- com o que tiver. Tire tempo para desenvolver suas habilidades. Ajude com seus bens.
s ou Devolva o dízimo de coração agradecido ao Senhor. Seja uma bênção.
quê?
atos Apaixonados por Deus (Sl 33:6-9; Gl 3:13; Cl 1:13; 1Ts 1:10; 1Pe 1:18;
Hb 2:14, 15; Ap 1:5). A mordomia cristã é o transbordamento do coração em
resposta ao amor de um Deus que Se importa conosco e ao relacionamento pessoal
om- que mantemos com Ele. Aprendemos a conhecer Deus de maneira íntima e pesso-
do a al, ouvir Sua voz e compreender Seus caminhos.
por Pense nisto Então nos apaixonamos por Ele. Esse amor nos
rias motiva a cumprir a grande tarefa que o Salvador
●●
Você tem desfrutado o amor de nos deixou em Mateus 28:19, 20. Usaremos nossos
m ao
…]” Deus e se regozijado com ele em dons, recursos e tempo para verdadeiramente fazer
ados sua vida devocional? “discípulos de todas as nações”?
E m que você pode melhorar sua
●●

experiência de mordomia cristã?


ção Elaine Thompson | Edmonton, Alberta, Canadá
Sua
mpo
mia Mãos à Bíblia
Cremos que Jesus era plenamente Deus e plenamente humano.
Entretanto, Satanás tem tentado separar de Deus os seres humanos. Ele tem tentado desper-
Seu sonalizá-Lo, caracterizando-O como alguém que não se importa conosco. Ele faz tudo o que pode,

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


a, e mediante todos os meios possíveis, para que não conheçamos nem experimentemos a realidade
mos da bondade e da graça de Deus. O amor excessivo pelas coisas materiais é uma das artimanhas
de Satanás para alcançar esse objetivo, e ela tem dado certo!
há.
adas 2. Leia Mateus 19:16-22. Como Satanás pode usar nosso amor pelas coisas materiais para nos
o do manter distantes do Senhor?
nós.
Imagine Jesus, o Deus encarnado, falando a esse jovem que obviamente sabia que Ele era
es- alguém especial. Porém, o que aconteceu? O jovem permitiu que sua grande riqueza e seu amor
olhe pelas coisas materiais o separasse do próprio Deus em pessoa! O amor pelo mundo e pelas coisas
eus. materiais o cegou tanto que, embora ele estivesse triste, sua tristeza não foi suficiente para fazê-­
sso- lo tomar a decisão certa. Ele não estava triste porque estava perdendo suas posses, pois ele não
ta- estava. Na verdade, ele estava triste porque estava perdendo a vida eterna por causa dessas coisas.
Designer
nhe-

pelo CONFIRA OS COMENTÁRIOS DA LIÇÃO DOS JOVENS: Editor

mu- www.escolanoar.org.br
írito
C.Q.

25
Depto. Arte
TESTEMUNHO Terça, 16 de janeiro

“Muito bem, servo bom e fiel!”

EVIDÊNCIA
D eus requer que todos nós sejamos mordomos fiéis. Ele espera que administremos
fielmente o que nos confiou e que dediquemos a Ele cada aspecto de nossa vida.
“‘Quanto deves ao meu Senhor?’ (Lc 16:5). É impossível calcular. Tudo o que
N em
temos vem de Deus. Ele coloca Suas mãos sobre nossas posses, dizendo: ‘Sou o ge- os n
nuíno Proprietário de todo o Universo; estes bens são Meus. Consagrem para Mim acu
os dízimos e as ofertas. Quando vocês trouxerem esses bens específicos como um E
sinal de lealdade e submissão à Minha soberania, a Minha bênção aumentará as porq
posses de vocês, e assim terão em abundância.’ que
“Deus está provando cada pessoa que afirma crer Nele. Todos recebemos talentos. ém
O Senhor deu aos homens os Seus bens, com os quais devem negociar. Tornou-os
Seus mordomos, colocando em suas mãos dinheiro, casas e terras. Todos esses bens (Lc
devem ser considerados como pertencendo ao Senhor e destinados ao avanço de Sua
causa, para a construção de Seu reino aqui no mundo. Ao negociarmos com os bens do
Senhor, devemos buscar Dele a sabedoria, a fim de não utilizarmos Seu sagrado encar- M
go para a glorificação de nós mesmos e a 4.
condescendência com impulsos egoístas. Mãos à Bíblia
O montante recebido varia, mas aqueles
que menos receberam não devem sentir O amor de Deus por nós colocou em ação o
que, em virtude de terem poucos talentos, plano da redenção. Jesus tornou-Se nosso “fiador”
(Hb 7:22). A identidade de Cristo como Redentor
nada serão capazes de fazer com eles.
revela a transação mais importante já feita. So-
“Cada cristão é um mordomo de mente o sacrifício de Sua vida poderia realizar o
Deus a quem foram confiados Seus bens. pagamento exigido pela justiça divina. Jesus pa- co
Lembrem-se das palavras: ‘Requer-se nos gou a dívida do nosso pecado quando a justiça do
despenseiros que cada um se ache fiel’ e a misericórdia se beijaram na cruz. O Universo Igr
(1Co 4:2, ARC). Asseguremo-nos de que nunca tinha visto nem testemunhado tamanha
não estamos roubando a Deus em um jota riqueza como no pagamento pela redenção da pe
ou um til sequer, pois muito se encontra humanidade (Ef 5:2). pre
envolvido nessa questão.”* tra
Mateus 25:20-23 registra o testemu- 3. Do que Cristo nos salvou? Leia cada um dos co
textos e assinale “V” para verdadeiro ou “F” tam
nho de dois mordomos fiéis que foram
para falso: Cl 1:13; 1Ts 1:10; 1Pe 1:18; Hb 2:14, 15;
elogiados por seu senhor pelo serviço bem Gl 3:13; Ap 1:5 5.
feito. Esse relato bíblico é um exemplo A . ( ) Do dinheiro e de todas as coisas mate-
para que imitemos e tornemos a mordo- riais.
mia cristã uma parte de nossa vida. B. ( ) Da morte, da maldição da lei e dos
nossos pecados.
* Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 245, 246.

James Garang | Edmonton, Alberta, Canadá A palavra grega tetelestai, em João 19:30, tud
tem sido considerada a palavra mais importante pre
já proferida. Ela significa “está consumado”, e foi Ele
Pense nisto a última declaração de Jesus na cruz. Essa decla- am
●●  ual é a melhor maneira de vencer o egoís-
Q ração final significa que Sua missão foi cumprida Ele
mo e ser um mordomo fiel? e nossa dívida foi “paga integralmente”. bé

26
eiro Quarta, 17 de janeiro

O Deus provedor
EVIDÊNCIA

mos
ida.
que
N o antigo mundo mediterrâneo um importante componente cultural era a crença de
que os recursos físicos são limitados e não podem aumentar.* Esse conceito resultou
em duas atitudes em relação às posses materiais: (1) o desejo de compartilhá-las com
ge- os necessitados, especialmente os pobres e vulneráveis (Dt 15:7-9), e (2) o desejo de
Mim acumular e amontoar riquezas a qualquer custo (Lc 12:13-21).
um Em Lucas 12:13-21, Jesus contou a parábola de um fazendeiro rico, porém tolo,
á as porque acumulou sua riqueza em vez de reparti-la. O apelo de Jesus para repartir não
quer dizer que a riqueza seja má. O propósito é testar se o apego aos bens materiais
tos. é mais forte do que a dedicação a Deus.
u-os Deus é o supremo provedor. Os cânticos de Maria (Lc 1:46-56) e de Zacarias
ens (Lc 1:67-79) enfatizam que o Senhor é quem provê a salvação e o sustento a Seus
Sua filhos. A essência da mordomia cristã é a
s do consciência de que tudo pertence a Ele.
car- Mãos à Bíblia Repartir nossos recursos é, portanto,
4. Leia Êxodo 9:14. O que o Senhor quis dizer uma indicação de que cremos que Deus
quando afirmou: “Não há quem Me seja se- é o provedor de tudo. A tendência de
melhante em toda a Terra”? acumular indica falta de fé nesse Deus
oo e demonstra apego doentio a posses ma-
or” teriais que não durarão para sempre.
tor
Em Deuteronômio 8:18, Deus pediu
So-
ro “Para a finita mente humana, é impossível aos israelitas que não se esquecessem
pa- compreender plenamente o caráter ou as obras de que é Ele quem concede forças para
iça do Infinito.” (Ellen G. White, Testemunhos Para a trabalhar e adquirir bens. Lembrar que
rso Igreja, v. 5, p. 698, 699). o Senhor é o Criador, Proprietário e
ha Não há ninguém igual a Deus (1Rs 8:60). Ele Provedor nos ajuda em relação à nossa

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


da pensa, lembra e age de maneiras que não com- atitude para com as posses terrestres.
preendemos. Não importam nossas tentativas de O serviço que prestamos aos outros
transformá-Lo em nossa própria imagem, Deus através da mordomia cristã vem do re-
os continua sendo Deus. Afinal, Ele é o Criador e, cer- conhecimento de que é Deus quem nos
“F” tamente, é distinto de Sua criação.
dá tudo, e que tudo o que possuímos,
15;
5. O que esses textos revelam sobre como Deus embora valioso, é transitório.
te- é diferente de Sua criação? 1Sm 2:2; Sl 86:8; *B
 ruce J. Malina, The New Testament World: Insights from
Is 55:8, 9; Jr 10:10; Tt 1:2 Cultural Anthropology (Louisville, Ky.: Westminster John
os Knox Press, 2001), p. 108-118.

Quando consideramos tudo o que Deus é, Randy Goldson | Elkins Park, Pennsylvania, EUA
30, tudo o que Ele possui, e tudo o que Ele faz, é sur-
nte preendente que Ele possa ter competidores! Mas Designer

foi Ele tem, no sentido de que precisa “competir” pelo


la- amor e afeição humanos. Talvez seja por isso que
Pense nisto
Editor
da Ele afirma ser um Deus “zeloso” (Êx 34:14, que tam- ●● omo você avalia sua atitude em relação
C
bém pode ser traduzido como “ciumento”). ao dinheiro e às posses materiais?
C.Q.

27
Depto. Arte
Quinta, 18 de janeiro

Administrando as finanças
APLICAÇÃO

OPINIÃO
C reio que a prosperidade financeira seja uma grande bênção quando é usada para a
glória de Deus. O que podemos fazer para ter uma boa administração financeira? M
incl
Orar. Uma das primeiras coisas que precisamos fazer é suplicar a Deus que nos foi c
dê coração reto e atitude honesta em relação à administração dos nossos recursos.
O dinheiro é um instrumento que podemos usar para promover o reino de Deus e hum
abençoar outros. igre
suas
Ter um orçamento equilibrado e viver dentro dele. Viver livre das dívidas dem
é um dos principais objetivos. É importante equilibrar os gastos de tal maneira que S
consigamos viver com menos do que ganhamos. Assim podemos poupar uma parte igrej
e também ajudar alguém. ilust
do a
Ter um pacto de ofertas. Além do dízimo, separe uma quantia para projetos, om
missões e pessoas necessitadas. Temos o privilégio de ser sócios de Deus para terminar com
Sua obra e de repartir o que Ele nos concede. noss
A
Lembrar-nos de que nada nos per- Mãos à Bíblia con
tence. Um dos momentos mais felizes que Qua
Pertencemos a Deus, tanto pela criação
já experimentei, no que diz respeito ao di- como pela redenção. E não apenas perten-
mos
nheiro, foi quando compreendi que nada cemos ao Senhor, mas todas as nossas posses sobr
do que tenho é realmente meu, mas tudo também pertencem a Ele.
pertence a Deus. Tudo neste Universo é Em contraste com isso, um princípio cen- M
Dele e Ele decide o que faz com cada coisa. tral do mundanismo é a ideia de que somos ●● 
P
Se Deus me confiou algo, isso é muito bom! donos de nossas posses. g
Ao mesmo tempo, se Ele escolher tirar algo É Deus quem possui todas as coisas 2
de mim, é bom também. Somos adminis- (Jó 38:4-11). Somos apenas estrangeiros e in- v
tradores do que é Dele e, por causa disso, quilinos (Lv 25:23), assim como os israelitas na s
podemos perceber que tudo o que temos é terra prometida. Dependemos de Deus até ●●L
mesmo para respirar (At 17:25). Somos apenas
devido à Sua bondade e Seu amor. Seus mordomos.
S
ra
Refletir. Tire tempo para considerar as b
6. Quais coisas Deus possui? Dt 10:14; ●●O
coisas às quais você está apegado: dinhei- Sl 50:10; 104:16; Ez 18:4; Ag 2:8 e 1 Co 6:19, 20. ro
ro, coisas materiais, atividades ou pesso- Como devemos ver as coisas materiais a
as. Qualquer coisa que tenha prioridade que estão em nossa posse? Assinale a fa
e tome o lugar de Cristo em seu coração alternativa correta: ●●R
torna-se um ídolo. Peça o auxílio do Espí- A . ( ) Somente as coisas espirituais são pro- p
rito Santo para se desapegar daquilo que priedade divina. As coisas materiais o
contamina seu coração e tira Deus do trono pertencem aos seres humanos.
B. ( ) O céu, a Terra e tudo o que neles
de sua vida. há; animais, árvores, seres humanos,
prata, ouro e o nosso corpo.
Michelle Solheiro | Edmonton, Alberta, Canadá

28
eiro Sexta, 19 de janeiro

Mordomos em crescimento
OPINIÃO

ra a
ira? M uitos pensam que mordomia cristã consiste simplesmente em devolver o dízimo.
No entanto, Deus requer que sejamos mordomos fiéis em todas as áreas da vida,
inclusive em nosso desenvolvimento espiritual. Apesar de conhecer a tarefa que nos
nos foi confiada, muitas vezes a negligenciamos.
sos. Alguns criam barreiras invisíveis para seu crescimento espiritual. Confundem
us e humildade com inferioridade, modéstia com medo e indecisão com preguiça. Algumas
igrejas também falham propiciando um ambiente que valoriza os membros segundo
suas habilidades e capacidades. Quando isso ocorre, as aptidões e o potencial das
das demais pessoas podem passar despercebidos e não ser corretamente desenvolvidos.
que Seja como for, Cristo deseja que usemos nossos dons para o aperfeiçoamento da Sua
arte igreja. Não devemos negligenciar nossa tarefa. A parábola dos talentos em Mateus 25:14-30
ilustra isso muito bem. Na história, o senhor confiou recursos a três de seus servos. Usan-
do a criatividade e movidos pela fé, dois servos empregaram seus recursos a fim de obter
tos, o melhor retorno para seu senhor. Porém, o terceiro, talvez com medo e provavelmente
inar com preguiça, enterrou seu recurso e nada fez. A parábola mostra que, quando cultivamos
nossos talentos, Deus nos abençoa com mais talentos.
A história também adverte contra a perda de oportunidades. Quando o senhor
confrontou o servo negligente reprovou veementemente a atitude dele e o condenou.
Quando não aproveitamos as oportunidades que Deus coloca diante de nós, falha-
ão
en-
mos em cumprir Seus propósitos e nos tornamos medíocres. Portanto, ao pensar
ses sobre mordomia cristã considere sua capacidade, suas habilidades, seus dons e tudo
o mais que Deus lhe dá, e como você
en- Mãos à obra pode utilizá-los para honrar e glorificar
mos ●●Planeje com o diretor J.A. de sua igreja um pro-
o nome do Senhor. Siga o plano que
grama sobre dons. Vocês podem usar Mateus Deus traçou para você.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


sas 25:24-28 como base bíblica. Desafiem alguns jo-
in- vens para participar dentro do que acham que Shauna Spence | Edmonton, Alberta, Canadá
na seja seu dom.
até ●●Leia 1 Coríntios 6:19, 20. Organize um “Dia de Vida
nas Saudável” com exercícios físicos, jogos, brincadei-
ras e outras atividades. Prepare uma palestra so-
Pense nisto
bre nosso corpo como templo do Espírito Santo. ●● a parábola dos talentos, que adver-
N
14; ●●Organize uma campanha de arrecadação de tência Jesus deixou de como devemos
20. roupas e artigos de higiene para serem doados empregar os nossos recursos no serviço
ais a uma entidade de combate ao câncer, asilo, or- do Senhor?
ea fanato ou outra instituição. ●●
Alguns personagens bíblicos tinham
●●Reúna um grupo de jovens voluntários para lim- mais de um dom (por exemplo, Davi foi
ro- par uma praça, um parque, uma praia, ou para um grande líder, músico e poeta). O que
ais outra atividade visando à preservação ambiental. isso nos diz sobre os dons?
Designer

les
Editor
os,

C.Q.

29
Depto. Arte
Lição 4 20 a 26 de janeiro

INTRODUÇÃO
Q
mui
éa

pess
de n
são
tudo
con
Seu
Q
dei
fielm
que

M
não
liga

1. L
E
d

Deixando os caminhos

do mundo 2.

“De nada vale a riqueza no dia da ira divina, mas a retidão livra da morte. […]
Quem confia em suas riquezas certamente cairá, mas os justos florescerão como a folhagem
sua
verdejante” (Pv 11:4, 28).
alto
de
Prévia da semana: Cultivar a vida espiritual é o único meio seguro de escapar do mun- do
danismo. Estudo da Bíblia, oração, serviço cristão, comunhão cristã e contemplação na
um
das maravilhas da natureza podem contribuir para remodelar nossa visão de mundo
em
e nos chamar à plenitude espiritual. po
Leitura adicional: Salmos 34:1; 50:10; 119:11. Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordo- po
mia, capítulo 45, “O Apego às Riquezas”, e capítulo 48, “Vivendo Dentro das Receitas” no

30
neiro INTRODUÇÃO Domingo, 21 de janeiro

Mordomia cristã e dinheiro


Q uando você pensa em “mordomia cristã”, o que lhe vem à mente? Dinheiro? Ouvi-
mos muito sobre ser mordomos de nossas finanças, mas a mordomia cristã envolve
muito mais do que isso. Segundo o dicionário Merriam-Webster (on-line) mordomia
é a “atividade ou emprego relacionado a proteger algo e ser responsável por isso.”*
Dedicar muito tempo ao cuidado de algo considerado valioso é um sinal de que a
pessoa se importa com isso. Por exemplo, vamos analisar a mordomia cristã no contexto
de nosso relacionamento com Deus. Salmos 50:10 diz: “Todos os animais da floresta
são Meus, como são as cabeças de gado aos milhares nas colinas.” Deus é o Dono de
tudo que existe, pois foi Ele quem criou tudo. Nossa tarefa é cuidar do que Ele nos
confia. Fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Por isso, devemos revelar
Seu caráter em tudo o que fazemos. Para o fiel mordomo isso é o mais importante.
Quando penso nesse importante conceito, eu me lembro do Salmo 119:11: “Guar-
dei no coração a Tua palavra para não pecar contra Ti.” Para que eu possa refletir
fielmente o caráter de Deus em minha vida preciso primeiramente compreender o
que Seu caráter envolve. Para tanto, é necessário passar tempo estudando a Palavra
de Deus porque ali o caráter divino
Mãos à Bíblia é revelado. Fomos chamados para
refletir o caráter de Deus em con-
O amor aos bens materiais, mesmo para aqueles que
não têm muito dinheiro, é uma poderosa corrente que nos
traste com as artimanhas do inimigo
liga ao mundo, em vez de nos unir a Cristo. para lançar descrédito sobre ele. Se
fomos feitos à imagem de Deus, Seu
1. Leia Colossenses 3:2 (Veja também Sl 119:11; caráter deve ser revelado por meio
Ef 6:18). Como podemos cumprir essa ordem dos nossos atos para que todos O
divina? Assinale a alternativa correta: conheçam. Portanto, a pergunta é:
A. ( ) Guardando a lei em nosso coração e orando De que forma podemos ser bons

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


sempre. mordomos e refletir corretamente o
B. ( ) Pensando no ouro e nas riquezas que tere- caráter divino?
mos na Nova Terra.
Precisamos ser fiéis mordomos
2. De acordo com Filipenses 4:8, no que devemos
do nosso tempo e do nosso dinheiro,
pensar? mas Deus deseja que sejamos mais
do que simplesmente mordomos
A única cura para o mundanismo, seja qual for a das coisas materiais. Nesta semana
m
sua forma, é a contínua devoção a Cristo (Sl 34:1) nos vamos examinar como podemos ser
altos e baixos da vida. Moisés “considerou o opróbrio bons mordomos e refletir plenamen-
de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros te o caráter de Deus em todos os
mun- do Egito” (Hb 11:26). Antes de qualquer outro relacio- aspectos da vida.
ação namento, Cristo deve ser nossa prioridade. Ele busca
um compromisso fundamentado na convicção, não Designer
ndo *M
 erriam-Webster, “stewardship”, http://www.
em preferência; isto é, devemos nos devotar a Jesus
merriam-webster.com/dictionary/stewardship,
porque sabemos quem Ele é e o que Ele tem feito acessado em 17 de outubro de 2016.
rdo- por nós, não por causa de vantagens imediatas que Editor

itas” nossa fé e compromisso com Ele possam nos oferecer. Brittani James | Meridian, Mississippi, EUA

C.Q.

31
Depto. Arte
Segunda, 22 de janeiro

Simplificar

EXPOSIÇÃO
EVIDÊNCIA

O Movimento das Casas Pequenas é um projeto que está ganhando popularidade


nos Estados Unidos. As pessoas que aderem a ele vendem sua casa e constroem
ou compram uma casa nova, menor que a anterior. São casas de até 70 m2 para uma
C
mat
r
m

família de quatro pessoas. Para se adequar à nova realidade a família precisa vender, infin
doar ou descartar grande parte de seus pertences. as c
Essa mudança de vida tem contribuído para uma maior aproximação entre os
membros da família, que têm desfrutado mais tempo juntos. Além disso, diminui o O
desejo de adquirir coisas novas, tais como os con
últimos lançamentos de produtos. As famí- Pense nisto opo
lias que persistem nessa mudança descobrem dese
●●O que tem tomado seu tempo e consumi-
que estão mais felizes do que quando mora- dos
do sua energia?
vam numa casa grande. ●●Você gostaria de se desapegar de algumas
pec
Pense como seria passar o aspirador coisas que estão prejudicando seu relacio- Eva
numa casa de 200 m2 em comparação com namento com Cristo? qua
uma de 70 m2! Certamente você concluirá C
que economizaria tempo e dinheiro vado
em vários aspectos da vida diária. Mãos à Bíblia sem
Tempo para fazer o que realmente não
Mais de seis bilhões de Bíblias já foram distribuídas
é importante e economia por não
no mundo, mas quantas delas são vistas como a Palavra
precisar mais se manter em dia do Deus vivo? Quantas são lidas com um coração since- M
com as últimas tendências. ro, aberto ao conhecimento da verdade? enga
Como administradores do Se- A Bíblia é o roteiro para a vida diária. Ela nos educa com
nhor precisamos seguir esse mo- ao expandir nosso intelecto e refinar nosso caráter. nar
delo. Ao colocar de lado a ambi- O in
ção e o apego às coisas materiais 3. Leia João 5:39; 14:6 e 20:31. O que esses textos de pess
daremos prioridade às coisas de João revelam sobre Cristo? Por que Ele é tão impor- E
Deus. Dedicaremos mais tempo tante para nós e para tudo o que cremos? e út
ao Senhor e à missão que Ele nos para
confiou. Tiago 1:21 diz: “Portanto, AP
No Antigo e no Novo Testamentos, aprendemos
livrem-se de toda impureza moral quem é Jesus e o que Ele realizou por nós; então nos o Fi
e da maldade que prevalece, e apaixonamos por Ele e entregamos nossa vida ao Seu
aceitem humildemente a palavra eterno cuidado. A
implantada em vocês, a qual é po- para
derosa para salvá-los.” Quando nos 4. Leia Romanos 8:5, 6. Sobre o que o apóstolo nos Se i
preocupamos somente com as con- advertiu? Como o estudo da Palavra de Deus dec
quistas desta vida e o bem-estar nos ajuda nessa luta pela nossa mente? mai
material perdemos de vista o Céu.
Seguir o plano de Deus e servi-Lo cam
Se não tivermos cuidado, o amor ao mundo e aos
é mais importante do que se iludir sere
bens mundanos pode nos afastar de Deus. Por isso, de-
com as coisas deste mundo. vemos nos manter na Palavra, que nos mostra as realida-
está
des espirituais e eternas, tão essenciais para a vida cristã. Q
Shawn Hanson | Meridian, Mississippi, EUA traz

32
eiro Terça, 23 de janeiro

Escape
EXPOSIÇÃO

ade
oem
uma
C ristãos precisam ser pessoas diferentes. Enquanto os outros procuram servir a si
mesmos, devemos nos sacrificar por Cristo. Se o mundo se preocupa com as coisas
materiais, devemos nos concentrar nos aspectos espirituais e na vida futura. Em Sua
der, infinita graça e misericórdia Deus nos concede forças para escapar e deixar para trás
as coisas que nos aprisionam a este mundo.
e os
ui o Olhar para cima (Gl 3:28; Cl 3:2). Ao longo da história da humanidade en-
contramos inúmeros casos de divisão. Grupos que tomaram posição em campos
opostos sempre lutaram e brigaram por superioridade. Essa mentalidade é fruto do
desejo egoísta de ser melhor do que os outros e de lançar sobre outras pessoas a culpa
mi-
dos problemas. Essa tendência é consequência da queda de Lúcifer e da entrada do
mas
pecado no Éden. Lúcifer desejou ser superior a Deus e O acusou de ser um tirano.
io- Eva foi tentada pela ideia de que se tornaria como Deus ao comer do fruto. Tanto ela
quanto Adão tentaram transferir a culpa do seu pecado.
Como discípulos de Cristo devemos ser como Ele. Ao passar tempo com o Sal-
vador e manter relacionamento duradouro com Ele seremos transformados à Sua
semelhança. Ao meditar em Seus ensinos estaremos pensando “nas coisas do alto, e
não nas coisas terrenas” (Cl 3:2).
das
vra
ce-
Manual do aluno (Jo 20:31; 2Tm 3:16). Sob a influência do pecado o ato de
enganar se tornou algo. Satanás enganou um terço dos anjos, e a Adão e Eva fazendo-­os
uca comer do fruto proibido. Governantes enganam seus eleitores. A propaganda sublimi-
nar dissemina a mentira e encobre a verdade com o objetivo de manipular as massas.
O inimigo usa isso para desacreditar a Deus, enfraquecer a fé e tirar a esperança das
de pessoas.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


or- Em 2 Timóteo 3:16, 17, Paulo declarou que “toda a Escritura é inspirada por Deus
e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça,
para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra”.
A Palavra de Deus neutraliza os enganos de Satanás. Ela nos diz que Jesus é o Cristo,
mos
nos
o Filho de Deus, e se crermos Nele teremos a vida eterna (Jo 20:31).
eu
Alívio da tensão (Mt 7:7-11; Mc 11:24). O inimigo tem feito todos os esforços
para destruir a fé em Deus. O ponto central que ele busca provar é que Deus não
os Se importa com os seres humanos e abusa da autoridade que possui. Porém, Jesus
us declarou que Deus é amor e quer o nosso melhor. Seu desejo pelo nosso bem-estar é
maior do que tudo o que possamos imaginar.
Jesus mostrou aos seres humanos que Satanás estava errado, que o amor é o melhor
Designer
caminho e que Deus estende a todos Seu convite de salvação. “Se vocês, apesar de
aos
serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que
de-
da-
está nos Céus, dará coisas boas aos que Lhe pedirem!” (Mt 7:11). Editor

tã. Quando surge a tentação ou o perigo, a mais poderosa defesa é a oração. A oração
traz paz mental e afasta a ansiedade e o temor. Ela liga o cristão à divindade restaurando
C.Q.

33
Depto. Arte
a confiança e a fé. Líderes e governantes em todo o mundo gastam tempo e energia
estudando estratégias para proteger seus habitantes de crimes, atentados terroristas,

TESTEMUNHO
fenômenos da natureza, etc. No entanto, o cristão que mantém uma vida de oração
não teme o que possa lhe sobrevir nem se afasta do caminho de Cristo.

Liberdade de escolha (Pv 24:13, 14; 1Co 3:18-20). Com certeza você já viu
muitos comerciais ou propagandas apelativas que têm como objetivo atrair o consumi-
dor e levá-lo a adquirir o que está sendo promovido. Mas esses comerciais raramente
apresentam todos os detalhes. São destacados os melhores aspectos do produto,
C
qua
o
c

enquanto as desvantagens são minimizadas. O mesmo ocorre em nossa sociedade. É a po


comum o “uso de máscaras” para que os outros vejam somente o que é desejável. As
pessoas que fazem esse jogo são consideradas sábias. está
Não é dessa forma que Deus age. A suposta “sabedoria” dos seres humanos não é tran
a verdadeira sabedoria que tem como princípio o temor ao Senhor. “A sabedoria deste aos
mundo é loucura aos olhos de Deus” (1Co 3:19). Quando confiamos em Deus e nos escr
enchemos da sabedoria que vem do Alto, todas as máscaras e ilusões do pecado caem “
por terra. Em vez de ser apanhados no turbilhão de astúcias do inimigo, refutamos part
todas essas coisas como sendo sem valor, porque temos liberdade para escolher o que prin
realmente é importante para Deus. ser t
e vo
Pela Sua força (Ez 36:26, 27). Não importa quanto você tente, seguir a Deus pelas Qua
próprias forças é impossível. Somente por meio da atuação do Espírito Santo recebemos
força para ser semelhantes a Jesus. M
Estar com Jesus diariamente, estudar
Sua Palavra, orar com fé e pedir sabe-
Mãos à Bíblia
do
doria divina são coisas que somente 5.Leia Hebreus 11:1-6. Qual elemento fundamental
deve estar associado às nossas orações? O que sig- (1R
acontecem pela ação do Espírito.
Só podemos escapar das coisas nifica ir a Deus em fé e orar com fé? Assinale “V”
para verdadeiro ou “F” para falso: 6.
que nos aprisionam a este mundo por
A. ( ) Fé. Significa confiar em Deus em qualquer
meio do Espírito Santo. “Darei a vo-
circunstância.
cês um coração novo e porei um es- B. ( ) Milagres. Significa exigir que Deus faça tudo
pírito novo em vocês; tirarei de vocês que queremos.
o coração de pedra e lhes darei um da
coração de carne. Porei o Meu Espí- Se não houver fé em nossas orações, haverá pre- fat
rito em vocês e os levarei a agirem sunção, a contrafação satânica da fé. “A oração e a fé ea
co
segundo os Meus decretos e a obe- são aliadas íntimas, e necessitam ser estudadas juntas.
do
decerem fielmente às Minhas leis” Na oração da fé há uma ciência divina; é uma ciência ec
(Ez 36:26, 27). que deve ser compreendida por todo aquele que de-
seja fazer do trabalho de sua vida um êxito. Cristo dis- prá
se: ‘Por isso, vos digo que tudo quanto em oração
Michael Leukert | Meridian, Mississippi, EUA pe
pedirdes, crede que recebestes, e será assim convosco’
(Mc 11:24). Ele deixa bem claro que o nosso pedido deve ém
Pense nisto estar de acordo com a vontade de Deus; devemos pe- lig
dir as coisas que Ele prometeu, e o que quer que rece- ma
●●E xiste algo em sua vida de que você
precisa se libertar? bamos deve ser empregado em fazer Sua vontade.
Satisfeitas as condições, a promessa é certa” (Ellen G. 7. C
●●Você confia em Deus e crê que Ele
White, Educação p. 257, 258). Q
pode nos libertar verdadeiramente? m

34
rgia Quarta, 24 de janeiro
tas,
TESTEMUNHO
ção
Verdadeiramente livre!
viu
mi-
ente
uto,
C ompramos nosso primeiro carro durante o período da faculdade. Ele veio com ar
condicionado “natural” (janela quebrada) e um alarme sonoro “automático” (motor
quase fundindo!). Sendo dois universitários pobres e recém-casados nos aventuramos
e. É a possuir um carro velho, cuidar dele e fazer sua manutenção.
. As Sabíamos que aquele carro duraria somente algum tempo, mas, de alguma forma,
estávamos felizes porque Deus nos tinha dado condições de usá-lo como meio de
ão é transporte. Verdadeiramente Deus é o Dono de tudo. Somos apenas Seus mordomos
este aos quais Ele confiou Seus recursos. Quando nos esquecemos dessa verdade ficamos
nos escravos do materialismo e perdemos nossa liberdade.
aem “A benevolência [termo antigo para se referir ao sistema de dízimos e ofertas] faz
mos parte da obediência a Deus. Como está sua situação em relação a isso? Você está cum-
que prindo fielmente tudo o que o Senhor lhe pede? Sob o governo de Deus você não pode
ser tanto proprietário quanto mordomo de seus bens temporais. Deus é o Proprietário,
e você, o mordomo. A graça que converte uma pessoa converte seu bolso também.
elas Quando o pecador é salvo, é salvo do amor ao mundo. Portanto, todos os bens tempo-
mos rais devem ser consagrados ao uso
Mãos à Bíblia que Deus quer que façamos deles.
‘Se alguém tiver recursos materiais
Uma dos relatos mais belos da Bíblia trata do pedi- e, vendo seu irmão em necessida-
do feito por Salomão de que Deus lhe desse sabedoria
tal de, não se compadecer dele, como
ig- (1Rs 3:9).
pode permanecer nele o amor de
V”
6. Leia 1 Reis 3:14; 1 João 5:3 e 1 Pedro 4:17. Por que Deus?’ (1Jo 3:17). Infelizmente não é
uer essa orientação divina é tão importante para nós? de admirar que muitos se queixem:
‘Não sou livre’. Em vez de ter em
do
si ‘uma fonte de água a jorrar para

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Sabedoria é a aplicação do conhecimento e a vida eterna’ (Jo 4:14), ‘cavaram
da compreensão. O conhecimento representa os as suas próprias cisternas, cister-
re- fatos; a compreensão representa o discernimento; nas rachadas que não retêm água’
fé e a sabedoria surge no processo de aplicar essa (Jr 2:13). Irmãos, se vocês não são
compreensão e conhecimento na vida. Um mor-
as. livres, tampem os vazamentos que
cia domo sábio não precisa apenas de conhecimento
de- e compreensão, mas da experiência resultante da há em sua vida e verificarão que me-
prática desses dois. diante a fé serão “protegidos pelo po-
dis-
ão O exemplo de Salomão mostra que, quando as der de Deus até chegar a salvação”
co’ pessoas não vivem o conhecimento que receberam, (1Pe 1:5). Sigam a Cristo e vocês
eve é muito fácil, até mesmo para as mais sábias e inte- não andarão em trevas, mas terão a
pe- ligentes, envolver-se no vazio de um estilo de vida luz da vida. Honrem a Deus e Ele
ce- materialista. honrará vocês com paz, alegria, luz,
Designer
de. vida e liberdade.”*
G. 7. Compare 1 Coríntios 3:19 e Provérbios 24:13, 14.
Qual é a diferença entre os dois tipos de sabedoria * E llen G. White, Adventist Review and Sabbath
Editor
mencionados nesses textos? Herald, 26 de setembro de 1865, p. 134.

Sharon Leukert | Meridian, Mississippi, EUA


C.Q.

35
Depto. Arte
Quinta, 25 de janeiro

Posso ajudar?
APLICAÇÃO

OPINIÃO
P oucos dias atrás, precisei descartar uma camiseta azul. Ela não estava rasgada
nem manchada. Não estava grande nem pequena demais. O problema era que
seu tom de azul era igual ao azul dos uniformes da rede Walmart. Quase toda vez
P (Mt
r
t

que eu estava fazendo compras lá, alguém começava a me fazer perguntas, como se prin
as palavras “Posso ajudar?” estivessem escritas atrás da camisa. “Você pode me dizer nos
onde encontro tal produto?” “Você sabe onde fica tal produto?” tive
Porém, fiquei pensando: “Mordomia não tem a ver exatamente com isso? O al- con
truísmo?” O “mundo” quer que digamos: “Posso ajudar você a conhecer meu Jesus?” A
“Como posso ajudar você?” O que você deve fazer para dar a melhor resposta? não
braç
Desenvolva relacionamentos saudáveis. O tempo é um dos recursos mais F
valiosos que Deus nos concede, mas ele é finito. É bem mais fácil passar toda a exis- qua
tência cuidando somente dos próprios interesses. Todavia, precisamos dedicar tempo ver
para influenciar as pessoas que precisam da salvação. Éc
tive
Cuide da saúde. Quando não estamos bem – física, mental ou emocionalmente – mon
o Espírito Santo não pode nos usar de maneira plena para abençoar os que nos cercam. F
Cuide bem da sua saúde, pois nosso corpo é crer
“o templo do Espírito Santo” (1Co 6:19, 20). Mãos à Bíblia tun
vida
8. O sucesso na batalha contra o mundo e
Administre bem as finanças. Nossos suas seduções será conquistado apenas a
exer
pioneiros viviam em condições extremas. partir de um poder externo. Leia Ezequiel e qu
Juntavam suas economias para contribuir 36:26, 27; João 14:26; e Efésios 3:16, 17. P
com a pregação do evangelho e apressar Quando deixamos o Espírito Santo nos Pela
a volta de Jesus. Temos a mesma paixão possuir, quais coisas Deus faz para asse-
que eles tiveram? Nossa maneira de gastar gurar que tenhamos a vitória espiritual? M
nosso dinheiro tem agradado a Deus? Assinale a alternativa correta:
A . ( ) Ele nos dá um novo coração e coloca ●● F
Lembre-se de que o Deus a quem ser-
dentro de nós Seu Espírito. o
vimos é onipotente. Às vezes não estamos le
B. ( ) Ele apenas nos converte, pois, uma
dispostos a deixar que Ele administre nos- a
vez salvos, salvos para sempre.
sos recursos. No entanto, precisamos ver d
que para Ele “tudo é possível” (Mt 19:26). “É por meio de falsas teorias e tradições ●●P

que Satanás adquire seu domínio sobre a s


Karl Leukert | Meridian, Mississippi, EUA mente. Encaminhando os homens para fal- li
●●C
sas normas, deforma-lhes o caráter. Por in-
termédio das Escrituras o Espírito Santo fala á
Pense nisto à mente e grava a verdade no coração. Assim ●●A

●● ocê tem se sentido limitado no que poderia


V expõe o erro, expelindo-o da pessoa. É pelo e
fazer para Deus devido à falta de uma mordo- Espírito da verdade, operando pela Palavra re
●●L
mia cristã mais eficiente? de Deus, que Cristo submete a Si Seu povo
●●
Em quais áreas da mordomia cristã (tempo, escolhido” (Ellen G. White, O Desejado de Todas
saúde, dons, bens) você precisa melhorar? as Nações, p. 671).

36
eiro Sexta, 26 de janeiro

Mordomia cristã requer fé!


OPINIÃO

ada
que
vez
P recisamos não somente ter fé, mas praticá-la. A Palavra de Deus nos diz que se
tivermos fé do tamanho de um grão de mostarda, ela poderá mover montanhas
(Mt 17:20). Contudo, raramente consideramos que temos algo a ver com a cena
o se principal. Vivemos dia a dia nos preocupando com coisas, pequenas ou grandes, e
izer nos esquecemos do que realmente significa ter fé. Homens e mulheres do passado
tiveram fé, como Abraão, Moisés, Daniel, Paulo e muitos outros. É possível ter fé e
al- confiança no poder divino à semelhança desses heróis da Bíblia?
us?” Aprendemos o que é fé e como precisamos dela em nossa caminhada cristã, mas
não nos entregamos totalmente ao Senhor como uma criança quando se joga nos
braços de seu pai crendo que ele a segurará.
mais Fé é definida como algo de que precisamos, mas, às vezes, não temos a certeza de
xis- quando necessitamos usá-la. Fé, segundo a Bíblia, é crer em algo que não podemos
mpo ver e ter certeza daquilo que esperamos (Hb 11:1). Contudo, acho que vai além disso.
É crer que, embora não possamos ver Jesus nem o futuro que nos é prometido, se
tivermos fé poderemos mover montanhas enquanto estivermos neste mundo. Seja uma
te – montanha literal ou metafórica, dependendo da perspectiva, a solução é a mesma: fé.
am. Fé é o que nos leva a crer na cruz, na salvação e em Jesus Cristo. A fé nos leva a
crer que, embora não possamos ver o invisível, podemos ter esperança, ver as opor-
tunidades surgirem e nossas orações serem atendidas, perceber a transformação na
vida de familiares e amigos, e notar o florescimento da nossa igreja. Quando a fé é
oe
sa
exercitada, as coisas melhoram. Fé é o que nos faz crer que somos de fato redimidos
uiel e que para Deus nada é impossível.
17. Pela fé entendemos que o Universo foi criado por Deus e que tudo pertence a Ele.
nos Pela fé nos conscientizamos de que devemos cuidar da Terra e das criaturas que há
se- nela. A mordomia cristã requer fé.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


al? Mãos à obra Pela fé somos aprovados por Deus.
O invisível e o desconhecido é acei-
●●Faça um levantamento das coisas que mais têm
oca to pela fé, e ela torna real nossa
ocupado seu tempo. Depois de analisá-las, estabe-
ma leça uma ordem de importância dando prioridade confiança no poder divino. Fé é
ao que é necessário para seu crescimento na fideli- o que nos leva para mais perto de
dade a Deus. Deus. A fé é a ponte que nos liga
ões ●●Planeje visitar alguém em seu bairro ou na região de ao Céu.
ea sua igreja para estreitar a amizade e oferecer nossas
al- literaturas. Convide essa pessoa para visitar sua igreja. Cherokee Norvell | Jefferson, Texas, EUA
●●Calcule quanto tempo você está gastando nas várias
in-
ala áreas de sua vida. Depois transfira para um gráfico.
im ●●Analise em que você tem gastado mais seu dinheiro
Pense nisto
elo e refaça seu planejamento financeiro segundo as di- Designer

vra retrizes da mordomia cristã. ●●Como sua fé pode ser aumentada?


●●Leia um livro sobre a administração do tempo. ●●Por que a fé é tão importante?
vo Editor
das

C.Q.

37
Depto. Arte
Lição 5 27 de janeiro a 2 de fevereiro

INTRODUÇÃO
O
econ
“Ma
de s
mos

tent
Q
igre
qua
cris
adm
ceir

M
ma
cas
“ad
na
(Gn

Mordomos após o Éden


1.

“Como homens aprovados por Deus, a ponto de nos ter sido confiado por ele o evangelho, não
falamos para agradar a pessoas, mas a Deus, que prova os nossos corações” (1Ts 2:4).

Prévia da semana: Cristãos fiéis cujas histórias estão registradas nas Escrituras incor-
poraram em sua vida elementos básicos da mordomia bíblica. A tocha da mordomia ta
foi passada de geração em geração. Agora é nossa vez de viver como mordomos fiéis, lug
carregando essa tocha em nossa geração na expectativa de ver Jesus voltar em nossos est
dias. na
Leitura adicional: 1 Coríntios 4:1, 2; 1 Timóteo 3:9, 16; 1 Pedro 4:10. Ellen G. White, po
Conselhos Sobre Saúde, capítulo 9, “O Conhecimento dos Princípios de Saúde; O Lar atu
van
Adventista, capítulo 72, “Hospitalidade”
seu
Wh

38
reiro INTRODUÇÃO Domingo, 28 de janeiro

O dinheiro ou a vida!
O que lhe traria maior felicidade: mais dinheiro ou mais tempo? Uma pesquisa
recente fez essa pergunta a cerca de 4.400 pessoas de diferentes idades, níveis
econômicos e ocupações. Aproximadamente 65% dos entrevistados responderam:
“Mais dinheiro.” Os dois professores autores da pesquisa analisaram então os níveis
de satisfação na vida dos entrevistados. As pessoas que escolheram mais tempo se
mostraram mais felizes do que as que escolheram mais dinheiro.*
Sem dúvida, preferir mais dinheiro é uma escolha errada. Todavia, é a opção mais
tentadora para a maioria das pessoas.
Quando ouvimos alguém falar sobre mordomia, o pensamento que vem é que “a
igreja está pedindo dinheiro”. E se somos apegados ao dinheiro, não ficamos felizes
quando aparecem pessoas dizendo que devemos dar mais. No entanto, mordomia
cristã tem um conceito muito mais amplo. Como filhos de Deus somos mordomos ou
administradores de tudo o que Ele nos concede: tempo, capacidade, recursos finan-
ceiros, oportunidades, posses, dons, etc.
Nesta semana estudaremos quais
Mãos à Bíblia são nossas responsabilidades em rela-
ção a essas dádivas divinas.
A palavra “mordomo” é traduzida apenas algu- O que você possui? O que deseja?
mas vezes no Antigo Testamento. Na maioria dos Você não devia estar cuidando melhor
casos, ela vem da expressão referente àquele que
do que o Senhor lhe dá? Não deveria
“administra a casa”, que é o responsável pelo funcio-
namento de uma residência; isto é, um “mordomo” estar administrando as oportunida-
(Gn 43:19; 44:1, 4; 1Rs 16:9). des? O que guia você em suas deci-
sões e atitudes?
Uma das consequências do pe-

n
1. Isaías 22:14-18. Durante o reinado de Ezequias,
Sebna foi nomeado mordomo e tesoureiro, cado é que Satanás convence as

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


posições importantes de autoridade. O que pessoas de que elas são “donas das
aconteceu com ele como resultado do abuso coisas” e de que podem e devem ob-
de sua posição? Assinale “V” para verdadeiro ter cada vez mais, às custas das ou-
ão ou “F” para falso: tras pessoas. Porém, algo que não
A. ( ) Foi condecorado pela sua vontade de cres-
mudou após o pecado é que Deus
cer na vida.
B. ( ) Foi expulso e morreu vergonhosamente. ainda é o Dono de tudo. Nós somos
Seus administradores.
cor- “O mordomo se identifica com o patrão. Acei-
mia ta as responsabilidades de um mordomo e age em *H
 al E. Hershfield and Cassie Mogilner Holmes,
fiéis, lugar do dono da casa, fazendo o que ele faria se “What Should You Choose: Time or Money?” New
ssos estivesse presidindo. Os interesses do senhor se tor- York Times, http://www.nytimes.com/2016/09/11/
nam seus. A posição do mordomo é de dignidade, opinion/sunday/what-should-you-choose-time-
or-money.html?utm_source=pocket&utm_
hite, porque o patrão confia nele. Se, de algum modo, ele Designer
medium=email&utm_campaign=pockethits&_r=0,
Lar atua egoisticamente, e reverte em proveito próprio as acessado em 17 de outubro de 2016.
vantagens obtidas pela negociação com os bens de
Editor
seu senhor, trai a confiança nele depositada” (Ellen G.
Tim Lale | Silver Spring, Maryland, EUA
White, Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 246).
C.Q.

39
Depto. Arte
Segunda, 29 de janeiro
escr
têm
Mordomos de J
EXPOSIÇÃO

Q
se c

E mbora a maioria pense nos mordomos somente como servidores que administram
uma casa, o termo tem um sentido mais amplo na Bíblia. Mordomos podem ser
líderes, servos ou supervisores. Eles supervisionam pessoas, coisas, propriedades ou
prof
de D
sant
informações. Iremos examinar os diferentes aspectos da mordomia mencionados na fica
Bíblia. am
corr
Mordomos no Antigo Testamento (Gn 43:19; Ne 5; 1Rs 16:9; Is 22:14-18).
No Antigo Testamento a maioria dos mordomos é simplesmente mencionada, sem N
muitas informações adicionais. Contudo, a Bíblia também apresenta alguns relatos de Pau
líderes que foram “mordomos de pessoas”, por exemplo, José, Davi, Neemias e outros. exer
Neemias foi mordomo do rei Artaxerxes, da Media-Pérsia, que o designou para das
ser governador na terra de Israel. Neemias levou a sério seu papel como mordomo com
(governante). Teve sob sua responsabilidade o povo daquela terra. Quando clamaram T
contra a opressão que estavam sofrendo, Neemias não teve medo de discutir a situa- dad
ção com os líderes e os mais ricos de Israel. Mostrou-lhes que eles estavam em falta do S
com os menos afortunados por não repartir seus recursos com eles.
Neemias enfatizou a fraternidade (Ne 5:8) e, como mordomo responsável pelo Pe
povo, ele também doou dos seus recursos, em vez de receber pelo seu trabalho o que
era legítimo (Ne 5:14-18). Neemias se importava mais com o bem-estar das pessoas
●●
Q
v
do que com sua posição. ●●
H
d
Mordomos no Novo Testamento (Lc 12:35-48; 16:1-15; 1Co 4:2; Tt 1:7). m
Essas passagens do Novo Testamento enfatizam a fidelidade a Deus. Como mordo- m
mos do tempo e dos recursos que recebemos temos uma grande responsabilidade.
O Senhor confia muitas coisas aos seres humanos, embora a maioria use mal o que
Ele coloca sob seu cuidado. M
Essas passagens também nos lembram de que, no fim, seremos considerados res-
ponsáveis pela boa ou má administração do que o Senhor nos confiou. “A quem muito
vez
foi dado, muito será exigido; e a quem muito foi confiado, muito mais será pedido”
bil
(Lc 12:48). É uma solene verdade o fato de que “quem é fiel no pouco, também é fiel
no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito” (Lc 16:10). 2.
Alguns estão esperando que Deus lhes dê uma grande tarefa e, enquanto isso, tornam-­
se relapsos nos deveres diários. Entretanto, não percebem que essas “pequenas tarefas”
revelam se Deus pode ou não confiar outras maiores a eles.

Mordomos dos mistérios de Deus (Dt 29:29; 1Co 4:1, 2; Cl 2:2, 3;


1Tm 3:9, 16). Embora sejamos chamados a ser mordomos das pessoas e das “coisas”, ee
o Senhor também especificou claramente que precisamos ser responsáveis em relação de
48
aos “mistérios de Deus”. Em outras palavras, somos responsáveis pelo que ensinamos.
Os versos acima definem o mistério de Deus como a mensagem sobre Jesus Cristo. rec
Assim, devemos proclamar essa preciosa mensagem e, ao mesmo tempo, cuidar da cris
nossa maneira de testemunhar dela.

40
neiro Mordomos da verdade espiritual (1Tm 4:6-11, 13-16; 1Pe 4:10). Paulo
escreveu a Timóteo apelando para que ele seguisse a “doutrina” (1Tm 4:6, 13). Alguns
têm medo da palavra “doutrina” porque acreditam que ela contradiga a mensagem
de Jesus. Contudo, “doutrina” significa simplesmente “ensino sistemático da Bíblia”.
Quando Paulo exortou Timóteo a dar atenção à doutrina, estava pedindo que ele
se certificasse de que estava ensinando às pessoas o que a Bíblia diz, e não “fábulas
ram profanas” (1Tm 4:7). A compreensão das doutrinas bíblicas acrescenta beleza ao caráter
ser de Deus, presente em cada parte das Escrituras. Por exemplo, estudar a doutrina do
s ou santuário revela o amor divino em nos oferecer Jesus como o Cordeiro de Deus sacri-
s na ficado pelos nossos pecados. A verdade espiritual e a verdade doutrinária são uma e
a mesma coisa, pois nossa espiritualidade deve estar fundamentada na compreensão
correta de Deus, e não em ideias abstratas.
18).
sem Nossa responsabilidade como mordomos do Senhor (Mq 6:8; 1Tm 5:21).
s de Paulo exortou Timóteo a não fazer “nada por favoritismo”. Ele não queria que Timóteo
ros. exercesse seu ministério de maneira medíocre. Timóteo era um mordomo espiritual
para das pessoas de sua congregação. Portanto, Paulo o encorajou a fazer seu trabalho
omo com excelência.
ram Temos a mesma responsabilidade. Deus colocou pessoas e coisas sob nossos cui-
tua- dados para o exercício da mordomia cristã. Nossa responsabilidade como mordomos
alta do Senhor é cuidar dessas pessoas das quais estamos encarregados, ser fiéis nas pe-
quenas coisas e ter a certeza de que, quando ensi-
pelo Pense nisto namos ou proclamamos a verdade da salvação,
que estamos entrelaçando o mistério de Deus (a men-
●●Quais são as doutrinas que mais re-
soas sagem sobre Jesus) com a verdade doutrinária.
velam a beleza do caráter de Deus?
●●Há alguma tarefa ou responsabili-
Fomos chamados a ensinar a verdade, agir de ma-
dade que você julga desprezível, neira justa e amorosa em relação aos outros e bus-
1:7). mas que deve ser cumprida da car excelência em tudo o que fazemos.
rdo- melhor maneira possível?
ade. Andrea Jakobsons | Spencerville, Maryland, EUA
que

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Mãos à Bíblia
res-
uito As duas palavras básicas para “mordomo” no Novo Testamento são epitropos, que ocorre três
vezes, e oikonomos, que ocorre dez vezes. Ambas descrevem funções que incorporam responsa-
ido”
bilidades administrativas, confiadas ao mordomo pelo proprietário.
fiel
10). 2. Leia 1 Coríntios 4:1, 2; Tito 1:7 e 1 Pedro 4:10. O que esses textos revelam sobre o mordomo
am-­ e a mordomia?
fas”

, 3; “Abrirei meu coração ao Espírito Santo a fim de que sejam despertadas todas as faculdades
sas”, e energias que Deus me confiou? Pertenço a Cristo e estou empenhado em Seu serviço. Sou um
ação despenseiro de Sua graça” (Ellen G. White, Fundamentos da Educação Cristã, p. 301). Em Lucas 12:35- Designer

48, Jesus também usou o termo “mordomo” metaforicamente.


mos.
Quando aceitamos a Cristo, passamos a ser Seus mordomos, chamados a administrar os
sto. recursos de Deus. E ainda mais importante, devemos administrar as realidades espirituais da vida
Editor

r da cristã em preparação para o Céu.


C.Q.

41
Depto. Arte
Terça, 30 de janeiro
TESTEMUNHO

Motivos puros, propósitos nobres

EVIDÊNCIA
“Q uando se assentar o tribunal e se abrirem os livros, haverá muitas revelações
surpreendentes. Naquela ocasião as pessoas não irão parecer o que hoje pare-
cem ser perante os olhos humanos e as opiniões finitas. […] Motivos que têm estado
O
ato
escondidos nas câmaras escuras do coração serão revelados. Astutas ambições e prát
propósitos egoístas serão vistos onde a aparência exterior revelava apenas o desejo de D
honrar a Deus e beneficiar os seres humanos. […] Pessoas de motivos puros e propó- pelo
sitos verdadeiros e nobres podem ser negligenciadas, difamadas e desprezadas hoje. Sen
Mas naquela ocasião aparecerão em seu verdadeiro caráter, e serão honradas com o os is
elogio de Deus. Mestres hipócritas e ambiciosos podem ser admirados e exaltados A
hoje; mas Deus, que conhece os segredos do coração, removerá a cobertura falsa e os tudo
mostrará como eles são. Todo hipócrita será desmascarado, todo crente difamado será
justificado, e todo mordomo fiel de Deus será aprovado e recompensado.”1 M
“Muitos que professam ser seguidores de Cristo amam tanto o mundo e as coisas
que há no mundo que aquilo que é divino desaparece de seu caráter e eles se tornam em
instrumentos de injustiça. Em contraste com eles, estão os pobres que são hones- am
tos, trabalhadores, que estão prontos a ajudar os que precisam, que preferem sofrer gív
prejuízo da parte de seus irmãos ricos do que manifestar um espírito tão mesquinho Ele
e ganancioso como o que aqueles manifestam. Essas pessoas consideram que uma (1P
consciência limpa e a correção, até nas pequenas coisas, são de maior valor do que as vo
riquezas. Se há um objetivo benevolente que requer recursos financeiros ou trabalho, po
eles são os primeiros a se interessarem
por esse projeto. Estão tão prontos a aju- Mãos à Bíblia 5.
dar os outros, tão dispostos a fazer todo
3. Leia Colossenses 2:2, 3 e 1 Timóteo 3:16. O
o bem ao seu alcance, que não amonto- que esses textos identificam como “mistério”?
am riquezas. Suas posses terrestres não
aumentam.” 2
4. Em Deuteronômio 29:29, o que Moisés decla-
rou sobre o que nos foi revelado? Assinale a
1. Ellen G. White, “The Divine Estimate of Worldly
Wisdom”, Signs of the Times, 26 de maio de 1887.
alternativa correta:
2. Ellen G. White, “Our Lord’s Estimate of Riches”, Signs of A. ( ) As coisas reveladas não são úteis. Cri
the Times, 30 de junho de 1887. B. ( ) As coisas reveladas pertencem a nós. co
de
Inda Prescott | Silver Spring, Maryland, EUA Somos mordomos de coisas que não enten- do
demos completamente. Conhecemos apenas o Ter
que a revelação e as Escrituras nos mostram. Nossa aju
principal mordomia é viver “como servos de Cristo ou
Pense nisto e encarregados dos mistérios de Deus” (1Co 4:1). O
●●  o analisar sua fidelidade, você pode afir-
A maior de todos os mistérios é que todos podemos
mar que seus motivos são verdadeiros? experimentar a Cristo, a “esperança da glória”. Pe
●● 
C
ig
SIGA A LIÇÃO DOS JOVENS NO TWITTER ●●A

#LESjovens a

42
eiro Quarta, 31 de janeiro

es A infidelidade de Israel
EVIDÊNCIA

ções
are-
ado
O s israelitas foram escolhidos por Deus para ser Seu povo especial. Sua responsa-
bilidade era testemunhar da graça divina para os povos e países vizinhos – um
ato de fidelidade cristã. Infelizmente, os israelitas falharam em sua missão. Adotaram
es e práticas e costumes dos seus vizinhos pagãos.
o de Deus enviou o profeta Isaías para advertir a nação de que não haveria propiciação
opó- pelos pecados do povo (Is 22:14-18). O pecado de Israel era tão repugnante que o
oje. Senhor os entregaria como escravos para outra nação e dispersaria completamente
mo os israelitas.
dos Após a criação do mundo, Adão e Eva receberam a responsabilidade de cuidar de
e os tudo o que Deus havia criado. Sendo filhos do Rei do Universo temos a responsabi-
será lidade de representá-Lo perante o
Mãos à Bíblia mundo hoje. Como mordomos do Se-
isas nhor somos responsáveis não apenas
Quando pensamos em mordomia, pensamos
nam em coisas tangíveis, e com razão. Mas, como vimos, por preservar as belas coisas que Deus
nes- a mordomia vai além disso. Assim como bens tan- criou, mas também por compartilhar
frer gíveis, os dons intangíveis também vêm de Deus. as verdades espirituais. A Bíblia decla-
nho Eles são bens espirituais que Deus nos concede ra que devemos usar os recursos que o
uma (1Pe 4:10) para que possamos, em Cristo, desen- Senhor nos concede para ajudar as
e as volver um caráter cristão e nos tornar o povo que pessoas que nos cercam, não somente
lho, podemos ser Nele. nas coisas materiais, mas também nas
questões espirituais.
5. Leia Efésios 6:13-17. Devemos ser mordomos Os agnósticos e ateus comumente
das coisas que Deus nos concedeu. Quais são
argumentam que as histórias do Anti-
O essas coisas? Por que a administração apropria-
o”? da dessas dádivas é tão fundamental para nós? go Testamento são mitos. No entanto,
mesmo que pareça que a mensagem

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


la- dada aos israelitas esteja fora de moda,
ea pois foi dada há mais de dois mil anos,
“O dom gratuito de Deus é a vida eterna em Deus espera que obedeçamos aos Seus
Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 6:23). O mundo, princípios e sejamos Suas testemunhas
com tudo o que ele oferece, não pode nos conce- para o mundo.
der a redenção que temos em Cristo. A salvação, um À medida que nosso mundo se tor-
en- dom que Deus nos dá, é o nosso bem mais valioso. na cada vez mais secularizado e mate-
so Ter sempre em mente a realidade da redenção nos
rialista, a familiaridade com os princí-
ssa ajuda a manter a perspectiva na administração dos
sto outros bens que também recebemos de Deus. pios de Deus, contidos em toda a
.O Bíblia, podem nos ajudar a responder
mos a essas questões e, ao mesmo tempo,
Pense nisto ajudar as pessoas a experimentar a es-
Designer
piritualidade divina, cumprindo assim
●●Como você reagiria se um profeta advertisse sua
nossa obrigação como mordomos de
igreja hoje?
●●A advertência dele levaria você a se arrepender e
Cristo. Editor

a reorganizar suas prioridades?


Seán K. Robinson | Silver Spring, Maryland, EUA
C.Q.

43
Depto. Arte
Quinta, 1o de fevereiro

Mordomos de Deus hoje


APLICAÇÃO

OPINIÃO
A Bíblia apresenta relatos de mordomos bons (Gn 39:9) e maus (1Rs 16:9). Deus nos
confiou o cuidado das coisas materiais e das verdades espirituais. Devemos cumprir
fielmente essas responsabilidades (Lc 16:10, 13). O apóstolo Paulo, escrevendo a Tito, de-
E m
m
extr
clarou que o mordomo do Senhor deve ser hospitaleiro, amigo do bem, sensato, justo, pers
consa­grado, ter domínio próprio e ser firmemente comprometido com a mensagem divina mui
(Tt 1:8, 9). No entanto, como podemos ser bons mordomos no século 21? Embora a res- Q
posta possa ter certa variação, eu diria que todo bom mordomo deve: eu n
no m
1. Guardar seu coração (Pv 4:23). É preciso analisar tudo e reter somente o sobr
que é bom e agradável aos olhos de Deus. “Finalmente, irmãos, tudo o que for verda- algo
deiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for lado
amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, A
pensem nessas coisas” (Fp 4:8). dian
doa
2. Estar sempre preparado (Ef 6:11-17). A comunicação e o relacionamento imp
com Cristo por meio do estudo da Bíblia, da oração e da frequência regular à igreja M
nos fortalecem espiritualmente para enfrentar AB
as lutas e provações em todas as áreas da mor- Pense nisto pret
domia cristã. obti
●●  e que maneira 2 Coríntios 5:9-11 se
D
relaciona com o conceito de mor-
3. Ser disciplinado (1Co 9:24-27).
Nosso corpo é o templo do Espírito Santo
domia cristã em todas as suas áreas? M
(ver também Efésios 1:7).
(1Co 3:16). Por isso precisamos nos disciplinar ●●
Os bons mordomos devem esperar ●● F
para escolher sempre o que é melhor para a recompensas ou agradecimentos? a
saúde. Por exemplo, comer alimentos saudáveis, Justifique sua resposta. q
abster-nos das bebidas prejudiciais e
●● L
(álcool, refrigerantes, etc.) e praticar
d
atividades físicas. Cuidar também da Mãos à Bíblia a
saúde mental. 6. Leia 2 Coríntios 5:10. O que significa ser um mor- to
domo sábio? Qual será a base do julgamento ●● P
4. Tratar bem as outras pes- da nossa mordomia? q
soas (1Pe 4:10). Não devemos me- ●●P

nosprezar a ninguém, mesmo quando v


discordamos, pois todos somos filhos Teólogos e filósofos têm discutido durante sé- o
do mesmo Deus. Precisamos também culos a difícil questão do livre-arbítrio. Mas a Bíblia G
ter consciência de que não somos in- é clara: nós, como seres humanos, temos livre-arbí- ●●C

feriores a ninguém. Devemos manter trio e liberdade de escolha. A ideia de que seremos le
julgados pelas nossas ações não teria sentido de d
um relacionamento saudável com to- outra maneira. Portanto, pela graça de Deus temos p
dos. Devemos nos esforçar para amar a responsabilidade pessoal de tomar as decisões
uns aos outros como Cristo nos ama. corretas em tudo o que fazemos, inclusive sendo
fiéis mordomos de todos os bens do nosso Senhor.
Ashlee Chism | Silver Spring, Maryland, EUA

44
reiro Sexta, 2 de fevereiro

Beba do seu próprio poço


OPINIÃO

nos
mprir
de-
E m um colégio dos Estados Unidos (Union College) é ministrada uma disciplina
muito interessante chamada “Riqueza e Pobreza”. Essa matéria examina os dois
extremos e as possíveis soluções para reduzir o abismo entre eles. A matéria examina a
usto, perspectiva cristã e a secular, mas os dois lados chegam a uma conclusão semelhante:
vina muitas pessoas têm boas intenções, mas frequentemente pioram as coisas sem saber.
res- Quando terminei o estudo dessa disciplina, eu me senti confusa e culpada. Se
eu não havia adquirido conhecimento suficiente para ajudar a minorar a pobreza
no mundo, como poderia ser fiel em relação à mordomia cristã? Depois de refletir
te o sobre o assunto durante algum tempo, cogitando se devia mudar meu curso para
rda- algo que envolvesse justiça social e trabalho voluntário, acabei deixando isso de
e for lado e esquecendo o assunto.
vor, Acho que a reação que eu tive a essa matéria reflete a reação de muitas pessoas
diante do chamado de Deus para a mordomia cristã. Ou ignoram os problemas ou
doam seu dinheiro e esforço para qualquer coisa que pareça ser uma boa causa, não
ento importando quais sejam os resultados.
reja Muitas vezes temos a ideia de que os alvos da mordomia cristã são inatingíveis.
A Bíblia nos exorta a ajudar as viúvas, os órfãos e a cuidar da Terra. Às vezes inter-
pretamos isso como se tivéssemos que solucionar todos os problemas. Não sei onde
obtivemos esse conceito de mordomia cristã, mas não foi de Deus.
se
or-
O Senhor não nos pede que assuma-
mos a responsabilidade pelos problemas
as? Mãos à obra do mundo todo. Jesus já fez isso. Ele
rar ●●Faça uma avaliação de seus dons. Pergunte deixou uma tarefa específica para cada
os? aos amigos, parentes e colegas da classe em um, e o Espírito Santo nos concede dons
quais áreas eles observam seus pontos fortes especiais para realizar essa obra. A tarefa

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


e habilidades. de uma pessoa pode ser muito diferente
●●Leia ou assista documentários de biografias da obra de outra. A chave é não nos dis-
de cristãos famosos que usaram seus dons e
ajudaram a transformar vidas: David Livings-
trairmos com responsabilidades e tarefas
or- tone, D. L. Moody, etc. que Deus não nos deu.
to ●●Pesquise sobre projetos em seu bairro nos “Há diferentes tipos de dons, mas o
quais você possa contribuir com seus talentos. Espírito é o mesmo. Há diferentes tipos
●●Procure algumas citações a respeito dos de- de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.
veres de um bom mordomo do Senhor (veja Há diferentes formas de atuação, mas é o
sé- o livro Conselhos Sobre Mordomia, de Ellen mesmo Deus quem efetua tudo em todos.
lia G. White). A cada um, porém, é dada a manifesta-
bí- ●●Convide seus amigos para uma “noite dos ta-
ção do Espírito, visando ao bem comum”
os lentos”. Tentem descobrir os vários tipos de (1Co 12:4-7).
de dons e talentos dos participantes. Por exem- Designer

os plo: cantar, cozinhar, fazer poesia, arte, etc.


es Brianna Lale | Annecy, France
Editor
do
or.
C.Q.

45
Depto. Arte
Lição 6 3 a 9 de fevereiro

INTRODUÇÃO
P che
a
t

Adm
prov

resp

paz
João
do t
eM
para

Ela

que
prec
deu
sua
P
cion
pess

As marcas de um M
1. L

mordomo 1
s

“Que os homens nos considerem servos de Cristo e mordomos dos mistérios de Deus. Além fica
disso, o que se requer dos mordomos é que sejam achados fiéis” (1Co 4:1, 2, NKJV, tradução livre). pa
“fir
co
Prévia da semana: Assim como um alvo oferece metas para o arqueiro, nossa lição ser
apresenta objetivos a todos os que buscam o caminho da mordomia comprometida.
Essas marcas da verdadeira mordomia, quando integradas na vida, constituem o fun- en
damento do sucesso, propósito, significado e senso de pertencimento. zem
Leitura adicional: Mateus 25:14-30; Gênesis 39. Robert J Morgan, The Red Sea Rules mo
(Thomas Nelson, 2001), regra número 2 ser

46
reiro INTRODUÇÃO Domingo, 4 de fevereiro

Ajuda de uma fonte inesperada


P atrícia era fiel em sua mordomia cristã quanto ao tempo, saúde, dons e bens. Ela
também tinha feito um pacto de doações além do dízimo e das ofertas. Havia
chegado o tempo de voltar para a Universidade Andrews e continuar o mestrado em
Administração, porém ela não tinha dinheiro suficiente. Patrícia acreditava que Deus
providenciaria os meios necessários.
Sua mãe perguntou: “Como você vai voltar para a escola sem dinheiro?” Ela
respondeu confiantemente: “Deus providenciará.”
Patrícia continuou orando para que o Senhor providenciasse os recursos. Sentia
paz e confiança. Ela se lembrou de que, certa vez, o Dr. Rogers havia pregado sobre
João 15:7 para os alunos na Universidade Oakwood. Ele destacou que o sentido
do texto na língua original é como se Cristo dissesse: “Se permanecerem em Mim
e Minhas palavras permanecerem em vocês, Eu os desafio a pedir qualquer coisa
para Mim, e ver se Eu não a farei!”
Alguns dias depois, ela recebeu o telefonema da irmã Boyd, membro de sua igreja.
Ela era muito reservada e estava sempre séria, mas era uma cristã fiel e temente a Deus.
“Alô, aqui é a irmã Boyd. Fui impressionada pelo Espírito do Senhor. Ele me disse
que você está precisando de dinheiro para continuar seus estudos. De quanto você
precisa?” Patrícia, sem poder acreditar e temendo que fosse pedir dinheiro demais,
deu um valor menor do que precisava. A irmã Boyd respondeu: “Amanhã estará em
sua conta. Até logo!”
Para sua surpresa a irmã Boyd depositou bem mais do que Patrícia havia men-
cionado. Deus a abençoou por confiar em Suas promessas. A irmã Boyd era a última
pessoa que ela imaginaria que pudesse ajudá-la.
As bênçãos celestiais, muitas vezes,
vêm de fontes inesperadas e por meio
Mãos à Bíblia

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


daqueles que você jamais imaginaria que
1. Leia Hebreus 11:8-12, 17-19 e Romanos 4:13, tivessem o dom ou os recursos para aju-
18-21. O que esses versículos nos ensinam dá-lo. Obviamente, a irmã Boyd era fiel
sobre a fidelidade? na administração daquilo que pertence
ao Senhor, e as bênçãos de sua fidelidade
Em hebraico, “fiel” vem da palavra que signi-
puderam ajudar e abençoar outra pessoa.
m fica confiar. Dessa mesma raiz hebraica procede a
re). palavra “amém”, cujo significado é ser “sólido” ou
Nunca subestime as promessas divi-
“firme”. Ser fiel significa permanecer firmemente nas! Quando mantemos um relaciona-
comprometido com o plano de Deus, depois de mento de fidelidade e obediência, e nos
ição ser testado e provado. tornamos bons mordomos de Cristo no
ida. Certamente ocorrerão conflitos espirituais sábio uso de tudo o que Ele nos concede,
un- entre o certo e o errado, o bem e o mal. Eles fa- podemos confiar Nele e crer que Suas
Designer
zem parte da luta da fé. O que caracteriza os promessas se cumprirão em nossa vida.
ules mordomos em toda situação é sua decisão de
ser fiel. Patience Barnes | Mt. Pleasant, Pennsylvania, EUA Editor

C.Q.

47
Depto. Arte
Segunda, 5 de fevereiro

Você é mordomo de quem?

EXPOSIÇÃO
EVIDÊNCIA

M ordomo é “uma pessoa que administra a propriedade de outra.”* Mas o que dizer
da mordomia espiritual? “Que os homens nos considerem servos de Cristo e
mordomos dos mistérios de Deus. Além disso, o que se requer dos mordomos é que
G
No
sejam achados fiéis” (1Co 4:1, 2, NKJV, tradução livre). Isso significa que devemos (2C
administrar todos as áreas de nossa vida de maneira equilibrada, com integridade, N
obediência aos princípios divinos (1Jo 5:2, 3) e de modo confiável (Lc 16:10-12). nós.
Será que estamos administrando fielmente nosso tempo, saúde e recursos? Te- com
mos praticado os princípios de saúde, com uma dieta equilibrada, exercícios físicos, gua
repouso, etc.? Será que não estamos comendo exageradamente, sendo sedentários e Don
dormindo menos do que deveríamos?
Ao passar horas acessando equipamentos mobiles (smartphones, tablets, notebooks M
e afins) ou trabalhando longas horas para acumular mais coisas, estamos sendo mor- ou c
domos de Satanás, não de Deus. Até nas menores questões, como mordomos do Rei Deu
do Universo, precisamos estar vigilantes contra as ciladas do inimigo. dom
Pensemos em nossos relacionamentos pessoais. Eles devem ser um instrumento noss
para levar pessoas a Cristo, e não para alcançar propósitos egoístas. San
Satanás usa todas as suas sutilezas para mos
nos convencer de que somos mordomos in- Pense nisto para
dignos de Deus (Ap 12:10). No entanto, o Tem
Senhor nos lembra de que somos preciosos ●●A compreensão de que somos preciosos alim
à Sua vista e Ele nos ama (Is 43:4). aos olhos de Deus nos torna melhores
mordomos?
* Dictionary.com, http://www.dictionary.com/browse/steward, Durante esta semana, ao realizar suas ativi-
●●

dades, pense de quem você é mordomo:


don
acessado em 17 de outubro de 2016.
de Deus ou de Satanás? e us
Sheryl Brown-Norman | Rockville, Maryland, EUA cos,
pod
Mãos à Bíblia o de
que
2. Leia Mateus 6:24. O que esse texto ensina sobre a suprema importância da lealdade a Deus?

adm
Saber que o nome de Deus significa “zeloso” (Êx 34:14) deve representar para nós um forte Adã
chamado à lealdade ao nosso Deus. Nossa lealdade é a expressão visível de nossas crenças pes- Enc
soais, fé e compromisso. céu
cap
3. L eia 1 Crônicas 28:9. Qual é a importância da lealdade? Man
vêm
N
A lealdade, assim como o amor, deve ser livremente oferecida. Na guerra, as tropas da linha de
em
frente às vezes são forçadas a permanecer e lutar; caso contrário, seus oficiais mandariam matá-las.
Esses homens podem cumprir seu dever, mas não necessariamente por lealdade. Esse não é o tipo
anim
de lealdade que Deus nos pede. desc
veíc

48
eiro Terça, 6 de fevereiro

Participação ativa
EXPOSIÇÃO

izer
to e
que
G eralmente, quando ouvimos a expressão “mordomia cristã” pensamos primeiro em
“dinheiro”. Pensamos em quanto temos que devolver e no “sacrifício” de fazer isso.
No entanto, esse deve ser um ato de alegria, porque “Deus ama quem dá com alegria”
mos (2Co 9:7). Afinal, tudo o que temos e o que somos foi Deus quem nos concedeu.
ade, Na verdade, isso não é nada em comparação com o que Deus tem reservado para
nós. “‘Ponham-Me à prova’, diz o Senhor dos Exércitos, ‘e vejam se não vou abrir as
Te- comportas dos Céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde
cos, guardá-las’” (Ml 3:10). A Bíblia diz que o dízimo é santo ao Senhor porque Ele é o
os e Dono de tudo (Lv 27:30, 32).

ooks Mordomo e mordomia (1Co 6:19, 20). Mordomo é uma pessoa que administra
mor- ou cuida da propriedade de alguém. Mordomia é a supervisão ou administração de algo.
Rei Deus, o Criador de todas as coisas, concede a Seus filhos o privilégio de ser Seus mor-
domos neste mundo. Ele nos confiou a administração de todas as coisas. Por exemplo,
ento nosso corpo. “Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo do Espírito
Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mes-
mos, mas a Deus, pois Ele os comprou e pagou o preço. Portanto, usem o seu corpo
para a glória Dele” (1Co 6:19, 20, NTLH). Estamos administrando bem nossa saúde?
Temos colocado em prática as orientações bíblicas sobre o equilíbrio em nosso regime
sos alimentar, permitindo que honremos ao Senhor por meio do nosso corpo?
res
Dar com alegria (2Co 9:7). Por meio do Espírito Santo, Deus nos concede
vi-
mo:
dons e talentos dos quais somos administradores. Somos responsáveis por cultivá-los
e usá-los liberalmente segundo a vontade do Senhor. Pregadores, professores, médi-
cos, músicos e até os que têm o dom de dar um sorriso para alegrar o dia de alguém

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


podem usar seu dom para fazer avançar o reino de Deus. Não permita que a ganância,
o descontentamento e o egoísmo estraguem os planos de Deus para você e para os
que serão beneficiados por seu trabalho em favor deles.
us?
Boa dádiva e dom perfeito (Tg 1:17). Deus nos abençoa para que sejamos bons
administradores do que Ele nos concede. Após a criação do mundo, Ele ordenou que
rte Adão e Eva cuidassem de tudo no jardim do Éden. “Sejam férteis e multipliquem-se!
es- Encham e subjuguem a Terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do
céu e sobre todos os animais que se movem pela terra” (Gn 1:28). O Senhor nos dá
capacidade para realizar isso, mas deseja que nos lembremos de que Ele é o Criador e
Mantenedor de tudo o que existe no Universo. “Toda boa dádiva e todo dom perfeito
vêm do alto, descendo do Pai das luzes” (Tg 1:17).
Designer
Nossa função é fazer o melhor que pudermos para ajudar a preservar o planeta
de
em que vivemos. Você não precisa ser um amante de animais para cuidar de um
as.
po
animal necessitado. Podemos cuidar de nossa casa, dos seus arredores e do lixo que Editor

descartamos. Podemos compartilhar com as pessoas que necessitam nosso serviço,


veículo, dinheiro, alimentos, roupas, etc.
C.Q.

49
Depto. Arte
Faça isso! Ajude o necessitado. Use os recursos que Deus lhe dá para ajudar al-
guém. Você certamente descobrirá que Deus lhe dá mais do que você dá aos outros.

TESTEMUNHO
Mexa-se! “Deem, e lhes será dado: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante
será dada a vocês” (Lc 6:38).

O tempo (Mc 13:33). Quanto tempo perdemos, muitas vezes, jogando video-
games, assistindo TV, examinando e respondendo e-mails, no Facebook, Twitter,
concentrando-nos em coisas que não têm nenhuma importância? Você sabia que terá
que dar conta do tempo que desperdiçou? Satanás nos tenta com todas as distrações
“O
ser c
para nos apanhar em suas armadilhas. O que ele quer é atrapalhar nosso crescimento a co
na fé, nossa santificação. Vista diariamente toda a armadura do Senhor (Ef 6:13-17). busc
Lembre-se de buscar “em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas nós
essas coisas lhes serão acrescentadas” (Mt 6:33). “Tudo o que for verdadeiro, tudo
o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, ser
tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem cad
nessas coisas” (Fp 4:8). recl
Deus nos dá o privilégio de administrar Seus negócios (Lc 2:49, ARC). Porém, tale
há maneiras adequadas de glorificar o Pai celestial. Seja qual for a tarefa, se a reali- aum
zarmos segundo Sua vontade, com espírito humilde, disposição e alegria, Deus nos nad
capacitará para ela.
Quando confiamos no Senhor e a Ele obedecemos, podemos ter a certeza de que faze
“Aquele que começou boa obra […], vai completá-la até o dia de Cristo Jesus” (Fp 1:6). tale
Nossas ações serão vistas como uma forma ativa de louvar o Criador. Assim como o
bater das asas dos anjos, a beleza das flores, o cântico dos pássaros, o esplendor de M
uma catarata, e tudo o mais declaram seu louvor ao Rei do Universo!
6.
T. Michelle Beard | Hazel Green, Alabama, EUA

Mãos à Bíblia

4. Leia Hebreus 10:19-22 e 1 Timóteo 4:1, 2. O que significa ter uma “má consciência” e uma
“consciência cauterizada”?

ob
qu
ob
tão
Nossa consciência funciona como um monitor interno de nossa vida exterior. Ela deve estar co
ligada a um alto e perfeito padrão: a lei de Deus. cas
faz
5. Leia Hebreus 9:14. De acordo com Paulo, qual é a única solução para a má consciência? qu
Assinale a alternativa correta:
A. ( ) O sangue de Jesus derramado por nós. fom
B. ( ) Fazer penitências a fim de receber o perdão. ca
po
“A câmara da consciência, coberta de teia de aranha, deve ser adentrada. As janelas do ser tos
devem ser fechadas em direção da Terra e escancaradas para o Céu, a fim de que os brilhantes pa
raios do Sol da justiça tenham livre acesso […]. A mente deve ser mantida clara e pura para que sac
possa distinguir entre o bem e o mal” (Ellen G. White, Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 327, 328). de

50
r al- Quarta, 7 de fevereiro
ros.
Investimento com
TESTEMUNHO
ante

deo-
a moeda do Céu
ter,
terá
ções
“O Senhor deu aos homens Seus bens, com os quais devem negociar. Tornou-os Seus
mordomos, colocando em suas mãos dinheiro, casas e terras. Todos esses bens devem
ser considerados como pertencendo ao Senhor e destinados ao avanço de Sua causa, para
ento a construção de Seu reino aqui no mundo. Ao negociar com os bens do Senhor devemos
17). buscar Dele sabedoria, a fim de não utilizar Seu sagrado depósito para a glorificação de
das nós mesmos e a condescendência com impulsos egoístas.”1
udo “Reconhecem todos os membros da igreja que tudo o que têm lhes é dado para
vel, ser usado e aperfeiçoado para a glória do Senhor? Deus tem uma conta exata com
sem cada ser humano em nosso mundo. E, quando chegar o dia do ajuste de contas, não
reclamará o mordomo fiel crédito algum para si. Não dirá: ‘Meu talento’, mas ‘Teu
ém, talento ganhou’ outros talentos. Sabe que sem o dom que lhe foi confiado, nenhum
eali- aumento poderia ter havido. Pensa que no desempenho fiel de sua mordomia não fez
nos nada mais que seu dever. O capital era do Senhor.”2
“Creio que, em cada igreja, serão feitos esforços para despertar os que não estão
que fazendo nada. Que Deus faça essas pessoas reconhecerem que exigirá delas o único
1:6). talento com juros; e que, se negligenciarem granjear outros talentos além daquele,
mo o sofrerão a perda desse talento e de sua
r de Mãos à Bíblia própria alma também. Esperamos ver
uma transformação em nossas igrejas.
6. Leia 1 João 5:2, 3; Romanos 1:5; 10:16, 17. O que
a obediência significa para os cristãos salvos
O Senhor da vinha está Se preparando
EUA pela fé, independentemente das obras da lei? para voltar e pedir contas a Seus ser-
Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso: vos dos talentos que lhes confiou. Deus
A. ( ) Significa que amamos ao Senhor. tenha misericórdia dos que não fazem
B. ( ) Significa que somos forçados a servir ao nada! Os que ouvirem as palavras de
ma Senhor. aprovação: ‘Bem está, servo bom e fiel’

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


(Mt 25:21, ARC), terão feito bem no
No caso do relacionamento com Deus, a aperfeiçoamento de suas capacidades
obediência é uma ação voluntária e de amor, e meios para a glória de Deus.”3
que molda nosso comportamento para com as
obrigações morais. A obediência a Deus deve ser 1. Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 9. p. 245.
tão específica quanto Ele ordena, e não somente 2. ___________ , Conselhos Sobre Mordomia, p. 111.
tar como pensamos ou desejamos que ela seja. O 3. Ibid., p. 120.
caso de Caim é um exemplo perfeito de alguém
fazendo sua própria vontade em vez de fazer o Kaneil Williams | Takoma Park, Maryland, EUA
ia? que Deus pede.
Não obedecemos para ser salvos, mas porque Pense nisto
fomos salvos. A obediência é a declaração práti-
ca de uma fé virtuosa. Samuel disse a Saul: “Tem, ●●  onsiderando as circunstâncias e dificul-
C
porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaus- dades do tempo em que vivemos, de que Designer

ser tos e sacrifícios quanto em que se obedeça à Sua maneira pastores e líderes podem “des-
tes palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o pertar os que não estão fazendo nada”?
Editor
ue sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura ●●Como Deus considera aqueles que usam

28). de carneiros” (1Sm 15:22). fielmente e multiplicam seus talentos?


C.Q.

51
Depto. Arte
Quinta, 8 de fevereiro

Aprendiz de Deus
APLICAÇÃO

OPINIÃO
O Aprendiz é um reality show em que um grupo de participantes é analisado e julgado
quanto à sua habilidade na área de administração e negócios. Os participantes têm
a oportunidade de provar que têm os requisitos exigidos a fim de serem contratados
A
prie
por um poderoso empresário. Cada semana, cada uma das equipes escolhe um líder Com
para coordenar seus integrantes na realização da tarefa relacionada a gerenciamento cris
de negócios, vendas ou marketing. Ao terminar a prova, as equipes são avaliadas. o tip
A equipe vencedora da semana recebe uma recompensa. No fim, a equipe que somou
mais pontos leva o grande prêmio. mem
Como um “aprendiz” e mordomo do Senhor deve administrar os recursos que lhe peri
são concedidos por Ele? dire
Algu
Administre seus pensamentos. Diferentemente daqueles que não compreen- ama
dem a importância da tarefa divina, o aprendiz de Deus entende que, para representar pod
o Senhor e os Seus negócios, é necessário ter a mente dirigida pelo Espírito Santo. A
Os mordomos do Senhor não devem se amoldar aos padrões deste mundo, mas ser Elas
transformados pela renovação de sua mente, e ser capazes de testar e aprovar o que part
agrada a Deus (ver Rm 12:2). que
Pense nisto derã
Administre seu tempo. O aprendiz para
de Deus sabe que seu tempo é uma dádiva  ocê está administrando bem seus dons e
V
●●

celestial para ser usada em benefício dos talentos? Deu
outros e para a glória de Deus. Ele faz o mes
melhor uso de seu tempo porque os dias dire
são maus, e ele não deseja perder tempo Mãos à Bíblia
com assuntos triviais (ver Ef 5:15-17). Con- 7. Leia Lucas 16:10-12. O que significa ser dig- as p
sidera como um tempo bem empregado os no de confiança? Por que essa caracterís-
momentos passados em oração, no estudo tica é tão importante para um mordomo? M
da Bíblia, em ações que ajudem as pessoas Assinale a alternativa correta:
A. ( ) Ser confiável em todas as coisas, ●● 
A
e no amor ao próximo.
começando pelas coisas pequenas. o
Assim, Deus nos confiará as coisas ●●P
Administre seus talentos. Os dons e mais importantes. v
talentos que recebemos são capacidades sin- B. ( ) Ser honesto apenas para com as pes- ●●M
gulares de cada pessoa. Seja o dom de pregar, soas da minha igreja. c
ensinar, cantar, escrever, cozinhar, tocar um ●●P

instrumento, desenhar ou fazer qualquer ou- O princípio da confiabilidade é visto na s


tra coisa, Deus espera que Seus mordomos Bíblia. Quatro guardas levitas eram encar- e
regados de proteger o santuário do Antigo ●●C
usem os talentos em benefício de Sua obra e
daqueles que precisam da salvação. O Senhor Testamento à noite. Eles deviam guardar os ç
promete que “a quem tem, mais será dado, aposentos repletos de tesouros, bem como as
chaves para abrir as portas todas as manhãs
e terá em grande quantidade” (Mt 25:29).
(1Cr 9:26, 27). Eles recebiam essa tarefa porque
eram considerados dignos de confiança.
Sabrina Etienne | Takoma Park, Maryland, EUA

52
eiro Sexta, 9 de fevereiro

Administração das atitudes


OPINIÃO

ado
têm
dos
A mordomia cristã está relacionada à administração de tudo o que Deus nos confia,
para a Sua glória, e isso inclui a nós mesmos. Afinal de contas, não somos pro-
priedade de Deus? Como estamos administrando nossas atitudes para com os outros?
íder Como tratamos o próximo? Nossas atitudes revelam se temos a “marca do mordomo
ento cristão”, porque nossa maneira de tratar os outros deve refletir o amor de Cristo e
das. o tipo de relacionamento que temos com Ele.
mou Tenho observado como são tratadas as pessoas que vêm à nossa igreja, tanto
membros como visitantes. Todos os que entram na Casa do Senhor deveriam ex-
lhe perimentar o amor de Cristo, mas, por alguma razão, alguns cristãos se sentem no
direito de apontar as falhas das pessoas, falar mal delas ou se julgar superiores a elas.
Alguns formam “panelinhas”, fazendo com que os outros não se sintam acolhidos e
een- amados e se sintam fora de lugar. Esse tipo de comportamento repele as pessoas que
ntar poderiam aceitar a Cristo.
nto. A igreja é um lugar em que as pessoas precisam se sentir bem-vindas e acolhidas.
ser Elas vêm para deixar seus problemas aos pés de Jesus, e não para ouvir críticas da
que parte dos outros. Se as pessoas não podem se sentir à vontade para ir a um lugar em
que “todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Rm 3:23), onde mais po-
derão ir? Unicamente por meio de Cristo podemos ser salvos. Por isso, não há lugar
para julgamentos na casa de Deus.
se “A mordomia expressa nossa obediência quanto à administração de tudo o que
Deus colocou sob nosso controle, em todas as áreas. A mordomia é a entrega de nós
mesmos e das nossas posses para o serviço de Deus, reconhecendo que não temos o
direito de controlar nossas posses nem a nós mesmos.”*
Se exercêssemos a mordomia cristã em relação à administração de nós mesmos,
ig- as pessoas veriam Cristo vivendo em nós.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


rís-
mo? Mãos à obra *H
 ugh Whelchel, “At Work & Theology 101: Four
Principles of Biblical Stewardship”, https://tifwe.
as, ●●  nalise suas atitudes à luz do que elas revelam aos
A org/four-principles-of-biblical-stewardship/,
as. outros sobre Jesus. acessado em 17 de outubro de 2016.
sas ●●Publique um verso bíblico ou uma ilustração moti-

vadora numa rede social. Larie S. Gray | College Park, Maryland, EUA
es- ●●Marque quantas referências positivas a Deus ou ao

cristianismo você encontrará na próxima semana.


●●Peça a Deus a oportunidade para transmitir a alguém
Pense nisto
na sua esperança em Jesus e para testemunhar de sua ●● P or que é importante mostrar amor e
ar- experiência como mordomo do Senhor. compreensão para com aqueles que
go ●●Convide os jovens da sua igreja para limpar uma pra- vêm à nossa igreja?
ça, um parque ou monumento em seu bairro. ●●Qual é a marca do mordomo cristão?
os Designer

as
hãs
Editor
ue Os filmes e documentários criados pela igreja
estão no Feliz7Play.com
C.Q.

53
Depto. Arte
Lição 7 10 a 16 de fevereiro

INTRODUÇÃO
N
com
o ve
A
ser s
que
tinh
E
resp
entr

“aus
dad
reve
D
timi
Essa
torn

Honestidade 1. L
v

para com Deus 2.


A

“Mas as [sementes] que caíram em boa terra são os que, com coração bom e generoso, ouvem a
Palavra, a retêm e dão fruto, com perseverança” (Lc 8:15).

Prévia da semana: A antiga prática da devolução honesta do dízimo remonta à época


dos patriarcas e foi defendida pelo próprio Jesus Cristo. Ela oferece aos homens e
mulheres de hoje o privilégio de viver em parceria com Deus. qu
Leitura adicional: 1 Reis 17:8-16; Deuteronômio 26. Ronald Alan Knott, Over & Over no
ho
Again! 150 Adventists Share Personal Faith Stories About Stewardship (North American
não
Division of Seventh-day Adventists, 1998) ob
G.

54
reiro INTRODUÇÃO Domingo, 11 de fevereiro

Honestidade radical
N a faculdade, ouvi uma história sobre honestidade contada por um professor que
eu admirava muito.
Logo após se casar, ele e a esposa decidiram que sempre seriam honestos um para
com o outro. Quando ela perguntava: “Fico bem com essa roupa?”, se ele achava que
o vestido da esposa não lhe caía bem, dizia a verdade.
Alguns anos depois, sua esposa enfrentou um grave problema de saúde e precisou
ser submetida a uma cirurgia. Quando ela acordou da anestesia, teve medo dos danos
que a cirurgia pudesse ter lhe causado. Preocupada e querendo saber se a cirurgia
tinha alterado sua aparência física, perguntou ao marido: “Estou muito feia?”
Emocionado, ele nos contou que levou as mãos ao rosto da esposa, acariciou-o, e
respondeu que ela estava mais bonita do que nunca. O amor e a confiança que existia
entre eles permitiu que ele a consolasse de uma forma que ninguém mais podia fazer.
O que é honestidade? Um dicionário poderia defini-la como “veracidade” ou
“ausência de engano”. No entanto, honestidade é algo bem mais profundo. Honesti-
dade é fidelidade. Por meio da honestidade desenvolvemos a confiança mútua. Seu
reverso é a desonestidade, a mentira e o engano, que destroem os relacionamentos.
Deus nos pede honestidade ao administrarmos tudo o que Ele nos confia. A in-
timidade que Ele deseja ter para conosco exige honestidade radical de nossa parte.
Essa honestidade e confiança devem estar presentes em todas as áreas de nossa vida,
tornando nossa fidelidade a Deus algo fundamental em nossa maneira de viver.
Ser honestos para com Deus e o próximo não é algo opcional para o cristão. Não pode-
mos ser honestos em algumas
coisas ou situações e em ou-
Mãos à Bíblia tras não. “Quem é fiel no pou-
1. Leia Lucas 16:10. Qual princípio Jesus expressou nesse co, também é fiel no muito, e

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


verso sobre a importância de ser honesto, mesmo no quem é desonesto no pouco,
“pouco”? Assinale a alternativa correta: também é desonesto no mui-
A. ( ) Quem é fiel no pouco, é fiel no muito. to. E se vocês não forem dig-
B. ( ) A honestidade está condicionada às circunstâncias.
nos de confiança em relação
2. Leia Levítico 27:30 e Malaquias 3:8. O que esses textos ensi- ao que é dos outros, quem
ma nam? Como o dízimo ajuda a manter a nossa honestidade? lhes dará o que é de vocês?”
(Lc 16:10, 12).
Ao estudar a lição desta
semana, reflita sobre as bên-
poca çãos de que você pode usu-
ns e “Não se apela para a gratidão ou generosidade. É uma fruir por meio de um relacio-
questão de simples honestidade. O dízimo é do Senhor; e Ele namento honesto com Cristo.
Over nos ordena que Lhe devolvamos aquilo que é Seu […]. Se a Porém, a desonestidade pode Designer

honestidade é um princípio essencial nos negócios da vida,


ican afetar sua fidelidade a Deus.
não deveríamos reconhecer nossa obrigação para com Deus,
Editor
obrigação esta que se acha na base de todas as outras?” (Ellen
G. White, Educação, p. 138, 139). Jolene Sharp |
Nashville, Tennessee, EUA
C.Q.

55
Depto. Arte
Segunda, 12 de fevereiro dele
eo
volt
Um roubo desenfreado A
EXPOSIÇÃO

teve
seu

A honestidade tem importância eterna. Por outro lado, a desonestidade pode levar
a consequências eternas. Você colhe o que planta. Os esforços que faz para ser
honesto ou desonesto se revelam em sua vida de alguma forma. Seus efeitos são
mui

B
visíveis, principalmente na vida financeira. çoad
fam
Você tem roubado a Deus? (Ml 3:7, 8, 10). Em Malaquias 3:8, lemos: “Pode oD
um homem roubar de Deus? Contudo vocês estão Me roubando. E ainda perguntam: espi
‘Como é que Te roubamos?’ Nos dízimos e nas ofertas.” A palavra “dízimo” significa A
a décima parte dos nossos ganhos. Essa parte pertence a Deus. Ao condenar nossa efei
negligência em Lhe devolver o dízimo, Deus coloca esse ato no mesmo nível da trans- para
gressão de um dos Seus mandamentos: “Não furtarás” (Êx 20:15). Entretanto, Mala-
quias 3:10 introduz a graça e a misericórdia no cenário: “Tragam o dízimo todo ao
depósito do templo, para que haja alimento em Minha casa. Ponham-Me à prova, diz
o Senhor dos Exércitos, e vejam se não vou abrir as comportas dos Céus e derramar
sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las.”
M
3.
A devolução do dízimo é um ato de fé (Gn 22:1-13). Será que a promessa
de bênçãos é semelhante à lei da causa e efeito, como uma fileira de dominós tom-
bando ou um palito de fósforo que entra em atrito com a lixa e acende? A bênção não
ocorre sem uma vida de fé, como vemos em Gênesis 22. Os primeiros 12 versos desse
capítulo contam a fantástica história de fé do patriarca Abraão, quando ele subiu ao
monte para sacrificar Isaque, em obediência à ordem do Senhor. “Deus mesmo há
de prover o cordeiro para o holocausto, meu filho”, disse ele a Isaque. Abraão tinha
muitos rebanhos e poderia ter levado muitos cordeiros para o holocausto. Contudo,
exercendo grande fé, não levou nenhum com ele quando partiu para a “estranha
missão” que Deus lhe dera: oferecer a vida de seu filho Isaque.
Também foi pela fé que Isaque, o sacrifício voluntário, permitiu que o pai o
amarrasse e colocasse sobre o altar. Abraão levantou a faca e, interrompido pela voz
do Senhor, parou! Ali perto, viu um carneiro com os chifres presos num espinheiro. ap
pe
Era o sacrifício provido por Deus! im
A provisão divina não falhou. Abraão teve fé na promessa de Deus e entregou a ma
vida do filho aos cuidados do Senhor. Ele confiou. Talvez não precisemos da fé que
Abraão teve para devolver nosso dízimo ao Senhor, mas devemos continuar crendo 4.
em Suas promessas.

Promessa de fidelidade nos Pense nisto
dízimos (Gn 28:12-22). Jacó, neto
de Abraão, teve um sonho quando fu- ●● ocê já teve o privilégio de receber bênçãos ce-
V
gia de seu irmão Esaú. O lugar ficou lestiais “sem medida”?
●●
Algum familiar, amigo ou colega de trabalho já
conhecido como Betel. O Senhor rei-
lhe questionou a respeito do dízimo? Como você
terou para Jacó a promessa que tinha
explicou?
feito a Abraão, de que a descendência

56
eiro dele seria uma grande nação. Prometeu que estaria com Jacó aonde quer que ele fosse
e o traria de volta à terra do seu pai. Jacó fez o voto de que, se Deus o trouxesse de
volta à terra do seu pai, ele devolveria “o dízimo” de tudo o que tivesse (Gn 28:12-22).
A devolução do dízimo não assegurou prosperidade nem livramento a Jacó. Ele
teve provações, mas foi fiel em seu voto. O Senhor o abençoou grandemente e mudou
seu nome para Israel. Jacó se tornou o pai das 12 tribos de Israel. Seus filhos tiveram
evar muitos filhos, e assim por diante, até se tornar uma grande nação.
ser
são Bênçãos (Ef 1:3). Homens e mulheres da Bíblia, fiéis dizimistas, foram aben-
çoados por Deus não somente em seus bens materiais, mas em sua saúde, em sua
família e, muito mais, em sua vida espiritual. O apóstolo Paulo escreveu: “Bendito seja
ode o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos
am: espirituais nas regiões celestiais em Cristo” (Ef 1:3).
fica As bênçãos espirituais são as mais importantes que podemos receber porque têm
ossa efeitos duradouros. Essas bênçãos desviam nossa atenção das coisas deste mundo
ans- para as coisas que têm valor eterno.
ala-
o ao Jeremy Vetter | Moscow, Idaho, EUA
diz
mar
Mãos à Bíblia
3. Leia Gênesis 22:1-12. O que essa história revela sobre a realidade da fé de Abraão?
essa
om-
não
esse
u ao
o há
nha
udo,
nha

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


ai o
voz Uma vida de fé não é um acontecimento único. Não expressamos fé de maneira poderosa
eiro. apenas uma vez, provando assim que somos cristãos leais e fiéis que vivem pela graça, cobertos
pelo sangue de Cristo. Não é assim que funciona. A questão é que a fé de um mordomo não
implica uma única ação. Com o passar do tempo, ela crescerá e se tornará mais forte, ou ficará
ou a mais fraca e superficial, dependendo de como a fé declarada é exercida.
que
ndo 4. De acordo com Hebreus 12:2, qual é a fonte da nossa fé? Como podemos ter fé? Assinale
“V” para verdadeiro ou “F” para falso:
A. ( ) Nossas obras produzem fé, por meio de uma vida santa.
B. ( ) Jesus é o Autor e Consumador da fé. Precisamos olhar para Ele.

Designer
ce-

já Editor

conexao.cpb.com.br
C.Q.

57
Depto. Arte
Terça, 13 de fevereiro
TESTEMUNHO

Devolver com alegria

EVIDÊNCIA
“O sistema dos dízimos, porém, não se originou com os hebreus. Desde os tempos
primitivos o Senhor reivindicava o dízimo como Seu, e essa reivindicação era
reconhecida e honrada. Abraão entregou dízimos a Melquisedeque, sacerdote do Deus
O
gaçã
altíssimo (Gn 14:20). Jacó, quando esteve em Betel, exilado e errante, prometeu ao
Senhor: ‘De tudo quanto me concederes, certamente eu Te darei o dízimo’ (Gn 28:22). qua
Quando os israelitas estavam prestes a se estabelecer como nação, a lei dos dízimos porq
foi confirmada como um dos estatutos divinamente ordenados, de cuja obediência orça
dependia a prosperidade deles. am
“O sistema de dízimos e ofertas se destinava a impressionar a mente das pessoas adm
com uma grande verdade: Deus é a fonte de todas as bênçãos para Suas criaturas, e cess
Ele tem direito à gratidão do ser humano pelas boas dádivas de Sua providência.[…] R
“‘As dízimas […] são do Senhor’ (Lv 27:30, ARC). A forma de expressão aqui usada e em
é a mesma encontrada na lei do sábado. ‘O sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus’ devo
(Êx 20:10). Deus reservou uma porção especial de nosso tempo e de nossos recursos, Seu
e não podemos, sem culpa, usar tanto um quanto outro para servir aos nossos próprios dess
interesses.”1 O
“Não é o propósito de Deus que os cristãos, cujos privilégios excedem em muito aos da fins
nação judaica, deem menos abundantemente do que eles deram. ‘A quem muito foi dado’,
declarou o Salvador, ‘muito será exigido’ (Lc 12:48). […] M
“Aquele cujo coração se aquece com o amor de Cristo considera não apenas um
7. L
dever, mas um prazer, ajudar no avanço t
da mais elevada e santa obra confiada Mãos à Bíblia
aos seres humanos – a obra de apresen-
tar ao mundo as riquezas da bondade, 5. Leia Lucas 11:42. Jesus disse que o dízimo não
misericórdia e verdade. deve ser deixado de lado. O que isso significa? Ele
“É o espírito de cobiça que leva os Como o dízimo se relaciona com os assuntos de
mais importantes da lei?
seres humanos a guardar para a satisfa- na
ção do ego o que por justiça pertence a tem
Deus; e esse espírito é tão repugnante po
soa
para Ele agora como quando severa- O dízimo é uma declaração de fé e uma ex- da
mente repreendeu Seu povo por inter- pressão de dependência de Deus e de confiança De
médio do Seu profeta […] (Ml 3:8, 9).”2 em Cristo como Redentor. É o reconhecimento de
que fomos abençoados “com toda sorte de bênção 8.L
1. Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 525. espiritual […] em Cristo” (Ef 1:3).
2. ___________ ,Atos dos Apóstolos, p. 337. q
a
Laura Vetter | Moscow, Idaho, EUA 6. Leia Gênesis 28:14-22. O que Jacó fez em res- r
posta à promessa de Deus? Assinale a alter-
nativa correta:
Pense nisto A. ( ) Erigiu uma coluna a Deus e prometeu dar Ap
●●  omo você se sentiria se tivesse que
C o dízimo de tudo quanto o Senhor lhe Os
devolver seu dízimo em troca de pros- concedesse. Sep
peridade material? B. ( ) Rasgou suas roupas em sinal de tristeza. pa

58
reiro Quarta, 14 de fevereiro

Devolver e confiar
EVIDÊNCIA

mpos
era
Deus
O s israelitas deviam dar um décimo de toda a sua produção agrícola e dos animais
para a manutenção do ministério e sacerdócio dos levitas e da tenda da congre-
gação (Nm 18:20, 21, 24).
u ao Pode ser que, ao olhar para nossos recursos nos preocupemos porque estamos
22). quase “no vermelho”, talvez devido a alguma despesa extra ou conta inesperada. Ou,
mos porque vimos alguma coisa e nos sentimos tentados a comprá-la, comprometendo o
ncia orçamento. Por outro lado, o apego excessivo ao dinheiro pode nos levar a “fechar
a mão” em vez de contribuir com alegria e gratidão. Alguns se sentem no direito de
soas administrar pessoalmente seu dízimo, e o doam para algum projeto especial ou ne-
as, e cessidade em sua igreja. Achamos que podemos enganar a Deus.
[…] Recebemos a tarefa de ser mordomos. As orientações divinas quanto à devolução
sada e emprego do dízimo devem ser obedecidas para que recebamos suas bênçãos. Ao
eus’ devolvermos a parte que Deus nos pede estamos demonstrando que confiamos em
sos, Seu cuidado e provisão para nossa vida, e que cremos em Sua direção na aplicação
rios desses recursos.
Os israelitas eram bons mordomos. “As contribuições exigidas dos hebreus para
s da fins religiosos e caritativos representavam uma quarta parte de suas rendas. Era de
ado’, se esperar que uma taxa tão pe-
Mãos à Bíblia sada sobre os recursos do povo o
um reduzisse à pobreza; mas, ao con-
7. Leia Levítico 27:30. Quais são os dois pontos impor-
tantes em relação ao dízimo nesse verso?
trário disso, a fiel observância
desses estatutos era uma das con-
dições de sua prosperidade. […]
ão “O dízimo pertence ao Senhor e, portanto, é santo. ‘Então todas as nações os chama-
ca? Ele não se torna santo por meio de um voto ou um ato rão felizes, porque a terra de vocês

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


tos de consagração. Simplesmente é santo por sua própria será maravilhosa, diz o Senhor
natureza: pertence ao Senhor. Ninguém, a não ser Deus, dos Exércitos’ (Ml 3:12).”*
tem direito a ele. Ninguém pode consagrá-lo ao Senhor, Ao seguirmos as instruções do
pois o dízimo nunca foi parte da propriedade de uma pes- Senhor seremos recompensados
soa” (Ángel Manuel Rodríguez, Stewardship Roots [Origens
ex- pela nossa confiança. O dízimo
da Mordomia]; Silver Spring, MD: Stewardship Ministries
nça Department, 1994, p. 52).
não é uma troca. Deus é quem
de nos dá a maior parte.
ão 8.Leia Hebreus 7:2-10. Abraão deu o dízimo a Mel-
* Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 527.
quisedeque. Qual é o significado mais profundo do
ato de devolver o dízimo? A quem Abraão estava Laura Gang | Nashville, Tennessee, EUA
es- realmente devolvendo o dízimo?
er-
Assim como o sábado é santo, o dízimo é santo. Designer
dar A palavra “santo” significa “separado para uso sagrado”.
Pense nisto
he O sábado e o dízimo estão relacionados dessa maneira. ●● ocê tem se mantido fiel na devo-
V Editor
Separamos o sétimo dia como dia sagrado e santo. Se- lução do dízimo, apesar da tenta-
a. paramos o dízimo como posse sagrada e santa de Deus. ção para não devolvê-lo? ?
C.Q.

59
Depto. Arte
Quinta, 15 de fevereiro

Devolvendo com gratidão


APLICAÇÃO

OPINIÃO
C ertamente, você já ouviu o ditado: “A honestidade é a melhor política”. No entanto,
será que ele também pode ser aplicado ao nosso relacionamento com o Senhor?
Pense nisto: Deus é a fonte de tudo o que somos e temos. Será que Ele não merece
L u
(m
que
nossa honestidade? Ao devolver o dízimo ao Senhor, estamos reconhecendo que Ele deve
nos mantém vivos e dizendo “obrigado!”. Como podemos desenvolver a gratidão e a um
honestidade em nossa mordomia? vem
por
Orando para que Deus nos ajude a ser fiéis. Para alguns, a fidelidade nos emp
dízimos e ofertas pode ser mais difícil do que para outros porque envolve dinheiro.
Visto que trabalhamos tão duramente para ganhá-lo, abrir mão dele, mesmo que seja Com
de uma pequena parte, traz sofrimento. Mas Deus é maior do que nossa insegurança que
e temor. Portanto, peça-Lhe que o ajude a confiar Nele e oferecer as “primícias” de a qu
sua renda. Assim, você verá que todas as outras coisas serão abençoadas (Mt 6:33). faze
nest
Lembrando de Abraão e seu teste de fé. Abraão seguiu as orientações divinas, curs
embora isso significasse a possibilidade de perder Isaque para sempre. Ele confiou que, olha
de alguma forma, Deus solucionaria a questão, e subiu ao monte para sacrificar seu filho. D
Ele disse a Isaque: “Deus […] há de prover” que
(Gn 22:8). Ele falou sobre o cordeiro para o Mãos à Bíblia com
sacrifício, mas sua expressão de confiança perm
O longo reinado de Ezequias é considerado
pode ser aplicada também à devolução do o melhor período para a tribo de Judá. Desde o desa
dízimo. De fato, o Senhor proveu o cor- reinado de Davi e Salomão, Israel não desfrutava
deiro, e Ele certamente nos abençoará se a bênção de Deus de maneira tão abundante. tem
fizermos nossa parte. “Tragam o dízimo Houve um inesperado reavivamento de cora- pon
todo ao depósito do templo, para que haja ção e reforma de práticas, o que resultou na dízi
alimento em Minha casa. Ponham-Me à abundância de dízimos e ofertas (2Cr 31:4, 5, 12).
prova, diz o Senhor dos Exércitos, e vejam
se não vou abrir as comportas dos Céus e 9. Leia Neemias 9:2, 3. O que significou o re-
avivamento do coração? Leia Neemias 13.
derramar sobre vocês tantas bênçãos que
Depois que Neemias reformou a Casa de
M
nem terão onde guardá-las” (Ml 3:10).
Deus (Ne 13:4-11), o que o povo de Judá ●● 
P
levou ao templo (Ne 13:12)? q
Dando um passo de fé. Abraão con- ●●P
fiou em Deus, e você também pode confiar. “Reavivamento e reforma são duas coisas à
Devolva ao Senhor fielmente o dízimo que diferentes. Reavivamento significa renovação da o
Lhe pertence e confie em Suas promessas. vida espiritual, uma vivificação das faculdades ●●C

Honre a Deus com seus dízimos e ofertas e do espírito e do coração, um ressurgimento da p


veja o que acontece. Ele surpreenderá você morte espiritual. Reforma significa reorganiza- s
e abençoará sua vida de tal maneira que ção, mudança de ideias e teorias, hábitos e prá- ●●H

você nunca poderia imaginar. Não tenha ticas” (Ellen G. White, Serviço Cristão, p. 42). u
A relação entre reavivamento, reforma e dízimo q
dúvida disso!
é automática. Sem a devolução do dízimo, o o
reavivamento e a reforma são mornos. g
Mindi Vetter | Newman Lake, Washington, EUA

60
eiro Sexta, 16 de fevereiro

Pensando na eternidade
OPINIÃO

nto,
hor?
ece
L ucas 16:1-15 contém uma parábola aparentemente estranha. Um administrador
(mordomo) estava sendo demitido. Pensando sobre o que seria o seu futuro, percebeu
que precisaria de amigos. Assim, no último dia de trabalho, chamou os que estavam
Ele devendo ao seu patrão e os ajudou a alterar os registros para que a dívida de cada
ea um ficasse menor. Isso lhe assegurou amigos e um futuro melhor. A parte estranha
vem no verso 8, em que Jesus disse que o patrão admirou o administrador desonesto
por ser astuto. Certamente Jesus não estava sugerindo que devemos enganar nossos
nos empregadores para fazer amigos!
eiro. Essa parábola incomum contém lições importantes quanto à mordomia cristã.
seja Como o administrador, todos nós já estivemos numa situação em que percebemos
nça que enfrentaríamos problemas e pensamos no que poderíamos fazer para solucionar
” de a questão. Esse administrador tirou vantagem de sua situação naquele momento para
3). fazer provisão para o futuro. Como mordomos do Senhor, nós também devemos viver
neste mundo tendo a eternidade em nossos pensamentos e ações, usando nossos re-
nas, cursos para levar pessoas à salvação. Jesus suportou a dor deste mundo porque estava
que, olhando para a frente, para a alegria que O aguardava (Hb 12:2)
lho. De acordo com Lucas 16:10, “quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e
quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito”. Os traços de caráter são
como músculos; quanto mais são usados, mais fortes se tornam. Devolver o dízimo
permite que pratiquemos a fidelidade nas pequenas coisas, o que nos preparará para
do
eo
desafios maiores (Lc 16:9).
ava O costume de devolver publicamente os dízimos e as ofertas era comum nos
nte. tempos bíblicos. Hoje a privacidade tem se tornado uma tentação para ignorar a res-
ra- ponsabilidade de dizimar e ofertar, ou para reduzir a quantia que damos. Isso torna o
na dízimo uma forma ainda mais importante de demonstrar honestidade para com Deus.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


12).
Cheryl Gabel | Wenatchee, Washington, EUA
re-
13.
de
Mãos à obra
dá ●●  eça a Deus que lhe mostre áreas de sua vida em
P
Pense nisto
que você precisa ser mais honesto com Ele. ●●  or que Jesus usou a história de
P
●●Pesquise histórias de pessoas que colocaram Deus uma pessoa desonesta para desta-
sas à prova na questão do dízimo e veja quais foram car traços positivos?
da os resultados. ●●Seu padrão atual de devolução do
des ●●Cante a Deus, em particular, um cântico de louvor dízimo mostra que você está vivendo
da por Sua abundância, todas as vezes em que você com a eternidade em mente?
za- separar o dízimo ou as ofertas. ●●Além de devolver o dízimo, quais são
Designer
rá- ●●Há outras áreas da sua vida que se beneficiariam de algumas das maneiras pelas quais po-
42). um dízimo, como, por exemplo, se você permitisse demos praticar a fidelidade nas peque-
mo que sua horta ou jardim descansasse por um ano, nas coisas, de forma que estejamos Editor
,o ou doasse a décima parte das roupas que tem no preparados para ser fiéis em áreas mais
guarda-roupa? importantes?
C.Q.

61
Depto. Arte
Lição 8 17 a 23 de fevereiro

INTRODUÇÃO
J en
tr
EUA
sust
carr
A
pé p
dízi
Sen
N
para
ela
con
meu
paga

man

M
(M
ém
De

O impacto da fidelidade
co
tro
pa
de

nos dízimos 1. Q
p
fi
“Vocês não sabem que aqueles que trabalham no templo alimentam-se das coisas do templo, q
e que os que servem diante do altar participam do que é oferecido no altar? Da mesma forma o
Senhor ordenou àqueles que pregam o evangelho, que vivam do evangelho” (1Co 9:13, 14).
do

Prévia da semana: Compreender o impacto da devolução dos dízimos reforça nossa pri
decisão de ser mordomos fiéis dos recursos que Deus colocou sob nosso controle.
Leitura adicional: Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, capítulo 67, “Ais ne
Sobre os Fariseus”; Atos dos Apóstolos, capítulo 32, “Uma Igreja Liberal” sim
pre
Pas
20

62
reiro INTRODUÇÃO Domingo, 18 de fevereiro

Dando tudo
J ennifer era mãe solteira e tinha uma filhinha de dois anos, chamada Mia. Ela
trabalhava em um supermercado em sua pequena cidade, no estado do Kansas,
EUA. Com o baixo salário que recebia, Jennifer pagava o aluguel do apartamento e
sustentava a casa. No entanto, quase não sobrava dinheiro para abastecer seu velho
carro. O que fazer?
A igreja que frequentava era perto da sua casa. Aos sábados, ela e a filha iam a
pé para economizar. Certo sábado, durante o culto, Jennifer ouviu o apelo para os
dízimos e as ofertas. Ela abriu a Bíblia em Lucas 21:1-4. Depois, orou para que o
Senhor a ajudasse a ser fiel como aquela viúva pobre da história contada por Jesus.
No entanto, ela pensou: “Como posso devolver o dízimo se não ganho o suficiente
para cobrir minhas despesas?” Naquele momento, sentindo o toque do Espírito Santo,
ela orou mais uma vez: “Senhor, humildemente Te peço que aumentes minha fé e
confiança em Ti. Usarei o dinheiro destinado à compra dos alimentos para devolver
meu dízimo. Por favor, me ajude a encontrar um meio de comprar os mantimentos e
pagar a gasolina.”
No sábado seguinte, Jennifer entregou o dízimo na igreja. Havia deixado de comprar
mantimentos para sua casa a fim de ser fiel a Deus. Na segunda-feira, Ela recebeu o
telefonema do seu patrão oferecendo-­
Mãos à Bíblia lhe um cargo de gerência. Seu salário
foi aumentado para mais que o dobro
Jesus ordenou que pregássemos o evangelho
(Mc 16:15). Como mordomos, nossa responsabilidade
do que ela ganhava. Agora Jennifer
é manter essa missão por meio dos recursos que tinha recursos financeiros suficientes
Deus nos confiou. Nossa participação aprofunda o para comprar os alimentos e abaste-
compromisso pessoal de apresentar Cristo aos ou- cer seu carro, e ainda sobrava algum

e tros. Portanto, cada discípulo deve trazer os dízimos dinheiro para outras necessidades.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


para a realização dessa obra sagrada. Nossa fidelida- Você tem enfrentado a mesma
de em manter a missão fortalece nossa unidade de fé. situação de Jennifer? Já deixou de
comprar algo necessário para devol-
1. Qual é o plano financeiro aprovado por Deus ver o dízimo? Está temeroso de que
para o cumprimento da missão? Qual é o signi- suas necessidades não sejam supridas
ficado das expressões “todos os dízimos” e “para
que haja mantimento na Minha casa”? Ml 3:10
se for fiel na devolução dos dízimos
o, e das ofertas ao Senhor? Você sabe
ao
O dízimo é parte de um sistema de manutenção qual é o significado da devolução dos
do ministério. Ele é a maior fonte de sustento e o dízimos e das ofertas, e qual é o seu
método mais equitativo e equilibrado para o cum- propósito? Qual é o papel da fé em
ossa primento da missão. relação a isso?
. Se todos os cristãos devolvessem o dízimo ho- Na lição desta semana vamos es-
Designer
“Ais nestamente, o resultado seria “quase inimaginável, tudar o propósito do dízimo, o que é
simplesmente surpreendente, quase além da com- a Casa do Tesouro e a relação entre
preensão” (Christian Smith e Michael O. Emerson, salvação pela fé e dízimo. Editor
Passing the Plate, Nova Iorque: Oxford University Press,
2008, p. 27).
Ashley M. Wagner | Nova York, Nova York, EUA
C.Q.

63
Depto. Arte
Segunda, 19 de fevereiro

A escolha é sua

EXPOSIÇÃO
EVIDÊNCIA

A pós o ataque terrorista nos Estados Unidos em setembro de 2001, ocorreu uma
acentuada queda na devolução do dízimo entre os cristãos daquele país. O Insti-
tuto de Pesquisas Barna relatou que apenas 3% dos americanos estavam devolvendo
N lha
o dízimo. Antes do ataque, eram 8%. Isso representou um decréscimo de 62% nas Mel
entradas de dízimo das igrejas cristãs americanas. deve
O princípio bíblico para a devolução do dízimo foi estabelecido por Deus. Abraão o dí
entregou a Melquisedeque o dízimo de tudo o que havia ganho. Ele reconheceu a isso
bênção divina e devolveu ao Senhor uma parte do que havia recebido.
Em Números 18, Deus instruiu os israelitas, por meio de Moisés, a contribuir O
com o dízimo para o sustento dos sacerdotes e levitas que eram responsáveis pelos tipo
serviços do santuário. O povo de Israel contribuía com três dízimos: o anual regular Sen
(Nm 18:21, 24), o anual especial (Dt 14:22-27), e outro a cada três anos (Dt 26:12-15).
Há evidências de que, ao longo da história, outras sociedades praticavam um tipo con
de doação semelhante ao dízimo. Nações pagãs, como a Babilônia de Nabucodonosor, inst
e governantes de povos pagãos, como gregos, fenícios, romanos e árabes, exigiam par- A
te da renda dos seus cidadãos obra
para oferecer aos deuses. Mãos à Bíblia o cu
A igreja primitiva cresceu Abr
graças à fidelidade dos cris- 2. Leia 1 Pedro 3:8, 9. Qual é a relação entre ser abençoado e qua
tãos nos dízimos e ofertas. ser uma bênção aos outros? Assinale a alternativa correta: por
A. ( ) Nenhuma, pois Deus abençoa a cada um de modo
Entretanto, séculos depois, o independente.
entr
Concílio de Trento (1545-1563) B. ( ) O objetivo de Deus é que compartilhemos as bên- lhe
restringiu a liberdade de cons- çãos que Ele derramou sobre nós.
ciência a esse respeito. O mem- D
bro católico que não devolvia o O ato de devolver o dízimo resulta em uma bênção dupla. tâne
dízimo era excomungado. Somos abençoados e também abençoamos outros. Podemos de A
Embora a devolução dos dar do que recebemos. As bênçãos de Deus nos alcançam
dízimos e ofertas seja um internamente e aos outros, externamente (Leia Lc 6:38). que
princípio bíblico, Deus nos dá as c
liberdade de escolha. Não so- 3. “Há maior felicidade em dar do que em receber” cha
(At 20:35). Isso se aplica também ao dízimo?
mos “obrigados” a devolver o dí- sobr
zimo. Porém, quando levamos A maior bênção trazida pelo ato de devolver o dízimo é Deu
nosso dízimo à casa do Senhor, que aprendemos a confiar em Deus (Jr 17:7). “O sistema es- con
estamos demonstrando que pecial de dízimos tem por base um princípio tão duradouro O
confiamos em Suas promessas. como a lei de Deus. Esse sistema foi uma bênção para os estã
É a melhor maneira de dizer: judeus, do contrário o Senhor não o teria dado a eles. Assim con
“Ó Deus, confio ao Senhor será igualmente uma bênção aos que o observarem até ao fim se a
minha vida, minhas finanças do tempo. Nosso Pai celestial não instituiu o plano da doação no é
e tudo que sou e tenho.” sistemática com o intuito de enriquecer-Se, mas para que fosse pod
uma grande bênção ao ser humano. Viu que o referido sistema
era exatamente aquilo de que o homem necessitava” (Ellen G.
Deena Bartel-Wagner |
White, Testemunhos Para a Igreja, v. 3, p. 404, 405).
N
Collegedale, Tennessee, EUA ser a

64
eiro Terça, 20 de fevereiro

Portal para a justificação


EXPOSIÇÃO

uma
nsti-
ndo
N ão encontramos nenhuma indicação bíblica de que o sacerdote Melquisedeque
tenha requerido o dízimo de Abraão. Deus havia abençoado Abraão na bata-
lha contra seus inimigos, e o patriarca reconheceu isso. A bênção pronunciada por
nas Melquisedeque demonstrou a relação que existia entre Deus e Abraão (ver Hb 7). Essa
deve ser a ligação entre Aquele que concede toda boa dádiva e a pessoa que devolve
aão o dízimo. Ela se fundamenta nas bênçãos prometidas pelo Senhor. Em alguns casos
eu a isso pode incluir recompensas materiais, mas a maior bênção será a vida eterna.

buir O dízimo não é uma troca que fazemos com Deus. Não é algo meritório, do
elos tipo “dou o dízimo para ganhar o Céu”. Naturalmente, o coração agradecido adora ao
ular Senhor com a devolução do dízimo. É o coração que está pronto para o Céu.
15). Romanos 4:1-5. A segurança financeira prometida pelos bancos pode não ser
tipo confiável. Muitas pessoas já perderam tudo o que possuíam porque confiaram em
sor, instituições humanas. Deus não quer nos conceder apenas dádivas passageiras.
par- A devolução do dízimo por parte de Abraão foi um ato de fé e adoração, não uma
obra que podia garantir salvação. Abraão tinha fé em Deus e estava familiarizado com
o cumprimento de Suas promessas. Esse tipo de crença proativa é fé. Deus concedeu a
Abraão a vitória sobre seus inimigos e abundantes riquezas. Tudo o que Abraão tinha
oe quando retornou da guerra era dádiva do Senhor. Como demonstração de gratidão
ta: por ter sido usado pelo Senhor para livrar o povo de Sodoma de seus inimigos, ele
do
entregou a Deus o dízimo, por meio de Melquisedeque. “Abraão creu em Deus, e isso
ên- lhe foi creditado como justiça” (Rm 4:3).

Deus atribuiu Sua justiça a Abraão. Ele justificou Abraão. A dádiva espon-
pla. tânea do dízimo foi simplesmente um indicativo exterior da fé que estava no coração

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


mos de Abraão.
am Jeremias 17:7, 8. A confiança surge quando temos suficiente evidência para acreditar
que uma pessoa cumprirá suas promessas. Assim, não há razão para supor que no futuro
as coisas serão diferentes. Isso traz esperança. Por isso a segunda vinda de Cristo é
er” chamada de “bendita esperança”. Todas as profecias e promessas do Antigo Testamento
sobre o Messias se cumpriram. Seu sofrimento, morte e ressurreição nos provam que
oé Deus não falhou em tudo que prometeu sobre nossa salvação (ver Gn 3:15). Podemos
es- confiar em Suas promessas. Nada pode nos dar mais esperança do que essa certeza.
uro Os versos 7 e 8: “[…] bendito é o homem cuja confiança está no Senhor […]”,
os estão em oposição aos versos 5 e 6: “Assim diz o Senhor: ‘Maldito é o homem que
im confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração
im se afasta do Senhor […]’” Estes últimos nos advertem de que confiar no ser huma-
Designer
ão no é sofrer a maldição do desapontamento, por deixar de confiar no Único que
sse pode nos dar esperança verdadeira.
ma Editor
G.
Nenhum pecador é “totalmente” digno de confiança. As intenções podem
ser as melhores possíveis, mas aqui está a dificuldade: “O coração é mais enganoso que
C.Q.

65
Depto. Arte
qualquer outra coisa […]” (Jr 17:9). Nossas melhores intenções podem ser traídas pelo
nosso coração enganoso. Por isso temos necessidade de confiar no Senhor, o Único

TESTEMUNHO
que pode nos oferecer esperança verdadeira.
Devolver o dízimo como forma de adoração e gratidão, sem expectativas ou exi-
gências, é a atitude correta para que sejamos justificados, por meio dos méritos de
Cristo, diante de um Deus santo.
Gênesis 28:22. Quando estava fugindo de Esaú, Jacó teve a visão da escada que
chegava até o Céu. Recebeu de Deus a promessa de que a terra sobre a qual havia re-
pousado seria dada a ele e aos seus descendentes.
“O
não
Como lembrança dessa promessa Jacó erigiu Pense nisto ao fi
uma coluna e a chamou de Betel, “a casa de
Deus”. Ela simbolizava algo muito maior e mais ●●Estou devolvendo o dízimo como gra- boa
tidão e adoração a Deus ou como uma
importante: era um símbolo da onipotência do poré
exigência que tenho que cumprir?
Deus de Jacó. Em reconhecimento e gratidão ●●Dou o dízimo para receber bênçãos com
ao Senhor, Jacó prometeu: “De tudo o que me “materiais” ou como expressão de re- Prop
deres certamente te darei o dízimo” (Gn 28:22). conhecimento por tudo o que o Se- sua
Tanto o ato de erigir a coluna quanto a pro- nhor já me concedeu? “
messa de ser fiel na devolução do dízimo foram ●●Se não estou devolvendo fielmente o Seu
atos de adoração. dízimo, Deus vai entender as circuns- a dé
tâncias? Minhas outras “obras” vão teso
Gary R. Wagner | Union Springs, Nova York, EUA compensar essa falta? prop
rese
ser
Mãos à Bíblia essa
4. Leia 1 Coríntios 9:14. Qual é o significado dessas palavras e a sua implicação moral? Leia
2 Coríntios 11:7-10. Quais dificuldades Paulo enfrentou? O que isso ensina sobre a necessidade con
de manter os que pregam o evangelho?
M
5.Q
p
2
d


Quando Paulo disse: “Despojei outras igrejas, recebendo salário, para vos poder servir”
(2Co 11:8), ele estava falando ironicamente sobre o fato de que recebeu salário de uma igreja
macedônica pobre enquanto ministrava a uma rica igreja de Corinto. Seu argumento à igreja de de
Corinto foi que aqueles que pregam o evangelho merecem receber salário. ção
O dízimo deve ser usado para um propósito específico e deve permanecer assim. “O dízimo é tra
separado para um uso especial. Não deve ser considerado fundo para os pobres. Deve ser dedicado um
especialmente ao sustento dos que estão levando a mensagem de Deus ao mundo; e não deve cas
ser desviado desse propósito” (Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordomia, p. 103). são
ção
As
rec
QUEREMOS SUA OPINIÃO. MANDE-NOS UM E-MAIL:
ljovens@cpb.com.br

66
pelo Quarta, 21 de fevereiro
nico
TESTEMUNHO

exi-
s de
Antes de tudo, uma bênção
que
a re- “O sistema especial de dízimos tem por base um princípio tão duradouro como a lei
de Deus. Esse sistema foi uma bênção para o povo judeu, do contrário o Senhor
não o teria dado a eles. Assim será igualmente uma bênção aos que o observarem até
ao fim do tempo.”1
“O Senhor criou cada árvore que havia no jardim do Éden agradável à vista e
ra- boa para comer, e permitiu a Adão e Eva que desfrutassem delas livremente. Fez,
ma
porém, uma exceção. Da árvore do conhecimento do bem e do mal, não lhes permitiu
ãos comer. Essa árvore foi reservada como lembrança constante de que Ele é o legítimo
re- Proprietário de todas as coisas. Desse modo, deu-lhes a oportunidade de manifestar
Se- sua fé e confiança Nele, em obediência perfeita às Suas ordens.
“Assim é também com as reivindicações de Deus a nosso respeito. Ele deposita
eo Seus tesouros nas mãos dos Seus filhos, porém requer deles que separem fielmente
ns- a décima parte para a Sua obra. Ordena que essa porção seja recolhida à casa do Seu
ão tesouro, e a Ele entregue como propriedade Sua. Ela é sagrada e deve ser usada para
propósitos santos, para o sustento dos que levam Sua mensagem ao mundo. Deus
reserva essa parte para que não faltem recursos em Sua casa, e a luz da verdade possa
ser levada a todos os que estão distantes e os que estão perto. Pela obediência fiel a
essa ordem, reconhecemos que todas as coisas pertencem ao Senhor.”2
eia “As reivindicações de Deus têm a primazia. Não fazemos Sua vontade quando Lhe
de consagramos aquilo que resta depois de suprir nossas supostas necessidades. Antes de
gastarmos uma só parcela de nossos
Mãos à Bíblia rendimentos, devemos separar e ofe-
recer a Deus a parte que Ele exige
5.Quais outros nomes são usados nas Escrituras de nós. […] Se somos prósperos em
para identificar a “casa do Tesouro”? (1Cr 26:20;
nossos negócios seculares, é porque

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


2Cr 31:11-13; Ne 10:38). Assinale “V” para verda-
deiro ou “F” para falso:
Deus nos abençoa. […] Se dermos
A . ( ) Tesouros da Casa de Deus; depósitos da Casa a Deus o que Ele pede, o restante
do Senhor; câmaras da Casa do Tesouro. será santificado e abençoado em
B. ( ) Armazém; cofre sagrado; sala das ofertas. proveito nosso. Porém, se alguém
vir” rouba a Deus retendo a parte que
eja Trazer o dízimo à casa do Tesouro é o único mo- Ele requer, a maldição recai sobre
de delo apresentado nas Escrituras. Em cada dispensa- tudo que essa pessoa possui.”3
ção, Deus teve um “depósito central” para adminis-
oé trar o dízimo. Os Adventistas do Sétimo Dia são 1. Ellen G. White, Conselhos Para a Igreja, p. 285.
do uma religião/igreja mundial em que o “princípio da 2. _ __________ , Testemunhos Para a Igreja, v. 6,
ve casa do Tesouro” é aceito e praticado. Os membros p. 386.
3. Ibid., v. 4, p. 477.
são encorajados a devolver seu dízimo à Associa-
ção/Missão por meio da igreja local. A Tesouraria da Designer
Associação/Missão é o local em que os pastores Ashley N. Wagner |
recebem seu salário. Chattanooga, Tennessee, EUA
Editor

C.Q.

67
Depto. Arte
Quinta, 22 de fevereiro

Confie em Deus e seja abençoado


APLICAÇÃO

OPINIÃO
“C onfie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendi-
mento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e Ele endireitará as suas
veredas” (Pv 3:5, 6). A expressão “reconheça o Senhor” também pode ser traduzida
M
tado
como “conheça o Senhor”. Se conhecemos intimamente uma pessoa, a probabilidade qua
de compreendê-la e confiar nela é bem maior. min
Minha esposa constantemente recebe informações da empresa de investimentos À
em que mantém seu fundo de aposentadoria privada. Geralmente é uma apostila Mal
imensa, cheia de jargões legais e difíceis de entender. Para esse tipo de aposentadoria “De
a empresa define uma “custódia”, um tipo de “acordo” que permite ao agente fiduciário O
administrar seus recursos. da m
Ao devolver o dízimo ao Senhor, O tornamos nosso “agente fiduciário” [agente Cris
de confiança], que pode então favorecer os beneficiários, isto é, Seus ministros e os com
membros da igreja, que devem pregar o evangelho ao mundo. Quais passos você deve acon
dar para colocar sua confiança no Senhor?
a dé
Dê na proporção que gostaria de receber. “Deem, e lhes será dado” que
(Lc 6:38). Para fazer isso é necessário ter em mente os sentimentos que experimen- do p
tamos quando, sem esperar, recebemos um presente maravilhoso. Deus já fez isso ao
nos dar a esperança da vida eterna por meio de Seu Filho. Ele nos deu Seu exemplo, M
dando como Ele gostaria que Lhe fosse dado.
●● 
O
z
Dê sem esperar nada em tro-
ca. “Há maior felicidade em dar do Mãos à Bíblia e
e
que em receber” (At 20:35). Isso é 6. Qual verdade essencial à nossa fé é ensinada ●●A
mais ou menos um clichê, mas é um em Romanos 3:19-24? Por que devemos sempre té
princípio que funciona, especialmen- manter esse ensino como fundamento das nos- e
te quando damos ao Senhor. sas crenças? Assinale a alternativa correta: s
A . ( ) Somos salvos pela graça, independentemen- fé
Dê sabendo que Deus prome- te das obras da lei. ●●O
teu abençoá-lo. Muitas vezes de- B. ( ) A devolução do dízimo é um requisito para fo
a salvação. v
volvemos a Deus esperando receber
m
uma bênção material em troca. Deus 7. Leia Romanos 4:1-5. O que esses versículos ensi- a
prometeu nos abençoar, mas talvez nam sobre a graça em contraste com os méritos? ●●Q
não seja da maneira que esperamos. fa
Pode ser com amor, paz, alegria, saú- A salvação é um dom (Ef 2:8, 9) concedido aos d
de, que são coisas mais valiosas do que não merecem. Ela ocorre porque os méritos do p
que o dinheiro. “Vejam se não vou perfeito sacrifício de Cristo são creditados em nossa
abrir as comportas dos Céus e derra- conta. Quanto à questão do dízimo, não recebemos
mar sobre vocês tantas bênçãos que nenhum crédito de Deus por devolvê-lo. Afinal, se
nem terão onde guardá-­las” (Ml 3:10). o dízimo é de Deus, qual mérito poderia haver em
devolvê-lo ao Senhor? As boas obras não nos salvam.
Assim também, a devolução do dízimo não nos salva.
Keith Ingram | Horsham, Pennsylvania, EUA

68
eiro Sexta, 23 de fevereiro

do Investimentos a longo prazo


OPINIÃO

ndi-
uas
zida
M inha aposentadoria ainda está muito longe. As raras ocasiões em que penso nela
são quando preciso pesquisar e decidir onde devo investir meu fundo de aposen-
tadoria privada. O dinheiro que coloco nessa conta cresce quando as companhias nas
ade quais invisto vão bem. Elas me devolvem parte dos seus lucros como depósitos em
minha conta ou aumentam minha quantidade de ações na companhia.
ntos Às vezes, imaginamos que nosso dízimo deve seguir o mesmo padrão. Citamos
stila Malaquias 3:8-12 para motivar sua devolução, como se ele fosse um investimento:
oria “Devolva seu dízimo e veja as bênçãos se multiplicarem ao longo do tempo!”
ário Ouvimos os testemunhos de irmãos que dizem ter recebido “recompensas” acima
da média por devolverem 10% do dízimo e uma porcentagem significativa de oferta.
ente Cristo censurou essa maneira de interpretar. Ele descreveu a oferta da viúva pobre
e os como sendo maior do que a dos ricos, porque ela deu tudo o que tinha. Também
deve aconselhou o jovem rico a vender tudo o que possuía e dar o dinheiro aos pobres.
O dízimo não deve ser oferecido a Deus como obrigação. A Bíblia nos ensina que
a décima parte do que ganhamos pertence ao Senhor. Não é um pagamento por algo
do” que recebemos ou adquirimos. Ser rico neste mundo não garante um lugar no mun-
men- do porvir. Aqueles que desejam o reconhecimento dos Céus devem seguir o exemplo
o ao de Cristo.
plo, Mãos à obra A graça é um dom divino e não
o resultado de obras. Tampouco é obti-
●●Obtenha informações sobre o destino dos dí-
da por meio da devolução dos dízimos e
zimos e das ofertas. Procure se informar como
entrega das ofertas. Não posso comprar
eles beneficiam sua igreja local e a obra de Deus
em geral.
as bênçãos de Deus. Ele simplesmente
da ●●Apoie com seu tempo ou recursos um minis-
me desafia a devolver a parte que Lhe
pre tério em sua igreja que se dedica aos pobres pertence e provar Suas bênçãos em mi-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


os- e necessitados. Isso lhe dará oportunidade de nha vida.
sair da sua zona de conforto e compartilhar sua
en- fé e esperança. Steven J. Dovich | Andover, Massachusetts, EUA
●●Ore para que o Espírito Santo lhe conceda
ara forças e oportunidades para ajudar no desen-
volvimento da obra do Senhor. Peça que Ele
Pense nisto
mude seu coração para que você encontre ●●  omo está sua fidelidade a Deus em rela-
C
nsi- alegria em doar. ção ao dízimo, à administração do tempo
os? ●●Quais atitudes você está tomando (financeiras, e ao uso dos dons?
familiares, espirituais, etc.) para “apressar” a volta ●●Para você, ficou claro que a devolução do
aos de Cristo? Peça-Lhe sugestões sobre o que você dízimo e a promessa das bênçãos divinas
do pode fazer. não devem ser uma permuta?
ssa
Designer
mos
se
em
m. CURTA A LIÇÃO DOS JOVENS NO FACEBOOK Editor

va. www.facebook.com/licaojovenscpb
C.Q.

69
Depto. Arte
Lição 9 24 de fevereiro a 2 de março

INTRODUÇÃO
L o
p
para
inqu
ela
O
noss
algu
fizer
que

côm
do.
sido
tia d
am
porq
A

M
1. L
i
b

Ofertas de gratidão teu


Ap
ap
“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo o que Nele arm
crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3:16). oa
aT
im
Prévia da semana: Deus Se alegra com aquele que dá com alegria. A atitude alegre et
desse doador demonstra que ele continuamente sente gratidão pelas bênçãos abun- tre
dantes com as quais Deus tem abençoado Seus filhos. ins
Leitura adicional: Mateus 25:14-30. Ellen G. White, Jesus Meu Modelo [MD 2009], ter
op
12 de janeiro Nã
He
em
po
201

70
arço INTRODUÇÃO Domingo, 25 de fevereiro

Amarelo mostarda
L ogo que terminei a residência médica fui comtemplada com uma bolsa de estudos
para estagiar em um hospital na cidade de Baltimore. Meu marido alugou nossa casa
para uma estudante estrangeira, e nos mudamos. Porém, poucos dias depois, nossa
inquilina ligou dando a notícia de que seu visto de trabalho estava com problemas e
ela precisava voltar imediatamente para seu país.
O depósito e o primeiro mês de aluguel que ela havia pago adiantado cobriram
nossos gastos durante um mês e meio. No entanto, precisávamos alugar a casa para
alguém que pudesse ficar um ano inteiro. Um casal de meia idade se interessou, mas
fizeram uma lista de exigências. Entre elas, retirar parte da nossa mobília e permitir
que eles pintassem a casa. Concordamos. Eles pintaram a casa de “amarelo mostarda”!
Um ano depois, quando estávamos para voltar, soubemos que nem todos os
cômodos tinham sido pintados da mesma cor, e que o carpete estava comprometi-
do. Entramos em acordo e os inquilinos pintaram novamente o banheiro, que havia
sido pintado de uma cor laranja, horrível. O depósito que haviam feito como garan-
tia deu para pagar a lavagem do carpete. Mas aquele “amarelo mostarda” que cobria
a maior parte das paredes era desagradável! Mesmo assim, agradecemos a Deus
porque a situação havia sido resolvida.
A mordomia cristã tem como princípio básico o fato de que não somos donos de
nada aqui. Tudo nos foi confiado por
Deus. Porém, devemos zelar de tudo o
Mãos à Bíblia que o Senhor coloca sob nossa respon-
1. Leia Mateus 6:19-21. Como ser libertados das sabilidade como se fosse nosso.
influências que os tesouros terrestres têm so- Como Deus Se sente quando
bre o nosso coração? Cl 3:1, 2 abusamos do corpo, poluímos a men-
te, contaminamos o planeta e deixa-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


“Onde está o teu tesouro, aí estará também o mos cicatrizes nos outros? O mordo-
teu coração” (Mt 6:21). Esse é um apelo de Jesus.
A plena magnitude dessa afirmação pode ser vista
mo fiel cuida de tudo para honra e
a partir dos dois versos anteriores, que contrastam o glória do Senhor.
e armazenamento dos nossos tesouros na Terra com Paulo aconselha: “Lembrem-se:
o armazenamento no Céu. Três palavras descrevem aquele que semeia pouco, também co-
a Terra: traça, ferrugem e ladrões (ver Mt 6:19), o que lherá pouco, e aquele que semeia com
implica que o nosso tesouro na Terra é temporal fartura, também colherá fartamente”
egre e transitório. Quem não sabe que as coisas terres- (2Co 9:6). Cada um de nós tem dife-
un- tres desaparecem rapidamente? “Na Terra, tudo é rentes recursos: tempo, saúde, dinhei-
instável, incerto e inseguro; tudo está sujeito à de- ro, bens, relacionamentos, talentos, e
09], terioração, destruição, roubo e perda. No Céu é o outras coisas. Todos esses recursos são
oposto: tudo é eterno, durável, seguro e imperecível.
Não há perda no Céu” (C. Adelina Alexe, Where Your
dons de Deus para nosso bem-estar,
Designer
Heart Belongs [A que lugar pertence seu coração], mas também são coisas que podemos
em Beyond Blessings [Além das bênçãos], editado usar para a glória de Deus. Façamos
por Nikolaus Satelmajer, Nampa, Idaho: Pacific Press, hoje o melhor uso deles. Editor

2013, p. 22).
Lisa Hermann | Nashville, Tennessee, EUA
C.Q.

71
Depto. Arte
Segunda, 26 de fevereiro
tam
dinh
Onde estiver o seu tesouro em
EXPOSIÇÃO

prom
tem

A lgumas pessoas imaginam que tudo o que alguém precisa para alcançar seu
objetivo é uma “fórmula mágica” que garanta o sucesso. Por outro lado, muitos
cristãos receiam perder a salvação por alguma “falha ou erro” que tenham cometido.
tes s
inve
na b
Imaginam Deus verificando uma lista de comportamentos certos e errados, e anotan-
do: “Esqueceu-se de usar gravata na igreja em 16 de dezembro de 2017 – culpado.” A
A salvação está fundamentada no nosso relacionamento com Deus, não ao q
na obediência a regras e normas. Cristo disse: “Nem todo aquele que Me diz: para
‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos Céus” (Mt 7:21). A nossa parte nesse
relacionamento é ter fé no sacrifício de Cristo. Essa atitude contribui para o om
aperfeiçoamento do caráter e nos leva a manter uma ligação mais profunda com você
nosso Pai celestial. Fé é confiar no quadro maior que Deus está pintando, mesmo
quando os detalhes simplesmente não parecem se encaixar. just
O apóstolo Paulo afirmou: “Vivemos por fé, e não pelo que vemos” (2Co 5:7). O terã
mundo não oferece nenhuma garantia. Verdadeira segurança vem somente da con- são
fiança em Deus. Quando entregamos a Deus a obra de nossas mãos, nossos bens, vest
nossa saúde e nossa vida, Ele nos abençoa. bici
Muitos acham que seguir Jesus torna a vida mais complicada, cheia de dificulda- que
des, provações e incertezas. Contudo, sob essas circunstâncias, nossa fé se fortalece S
e Cristo nos sustenta. O dinheiro “se estica”, o Espírito Santo nos revigora e Deus são
cuida de todas as necessidades. dura

A viúva pobre e sua oferta (Lc 21:1-4). É uma história impressionante e


comovente. Jesus estava no templo com Seus discípulos e observava as pessoas da
elite ostentando sua riqueza por meio de grandes donativos. Entretanto, um detalhe M
chamou Sua atenção: uma viúva muito pobre colocou na caixa de ofertas os escassos
recursos que lhe restavam. Os ricos haviam doado para exibir e exaltar seu status, e 2.
ainda lhes sobrava muito. Porém, a viúva deu tudo que possuía – duas pequeninas
moedas, o menor valor monetário. Certamente, se essas pessoas ricas encontrassem
essas duas moedinhas na rua não se dariam ao trabalho de se inclinar para pegá-las.
Todavia, para a viúva, aquilo era tudo que lhe havia restado. pla
Jesus declarou que a viúva “colocou mais do que todos os outros”. Seu comentário Tod
se harmoniza com os seguintes textos da Bí- fica
blia: “Bem-aventurados os pobres em espírito” qu
(Mt 5:3); “Quem trata bem os pobres empresta Pense nisto
ao Senhor” (Pv 19:17); e a parábola do grande ●●Por que Deus pede um décimo de nos- 3.
banquete (Lc 14:12-14). Mas algo se destaca sa renda (dízimo) e um sétimo de nosso
na história da viúva pobre: o toque pessoal de tempo (sábado)?
Jesus elevando a mais humilde das mulheres à ●●Como encontrar o ponto de equilíbrio
maior honra possível, o que nos lembra de que entre o serviço aos outros e o atendi-
“O Senhor não vê como o homem: o homem ●●mento às nossas necessidades?
Qual é a melhor maneira de amar o pró-
vê a aparência, mas o Senhor vê o coração” ximo como a nós mesmos? “de
(1Sm 16:7).

72
eiro Isso traz à nossa memória outro verso conhecido: “Onde estiver o seu tesouro, aí
também estará o seu coração” (Mt 6:21). Pesquisas recentes descobriram que gastar
dinheiro em experiências, em vez de posses materiais, proporciona felicidade maior
e mais duradoura. Embora o bom senso possa sugerir que um momento passageiro
promova uma felicidade menos duradoura do que algo que possamos usufruir por mais
tempo, as pesquisas descobriram que os bens materiais, não importa quão deslumbran-
seu tes sejam, tornam-se apenas um “papel de parede” descartável com o tempo. Quando
itos investimos em amizades cristãs sinceras, no relacionamento verdadeiro com Cristo e
ido. na busca do reino de Deus em primeiro lugar, encontramos a verdadeira felicidade.
tan-
o.” A motivação correta para doar (Pv 16:2; Mt 6:1-4; 1Co 4:5). “Deus ama
não ao que dá com alegria” (2Co 9:7). Mas você pode pensar: “A prestação da casa está
diz: para vencer! Devo devolver meu dízimo?” “Posso confiar e crer que o Senhor proverá?”
esse É fácil assumir uma atitude apática ou cínica a respeito da mordomia cristã, mas
a o o mesmo Deus que escolhe realizar Seus objetivos por meio de vasos humanos, como
com você e eu, convida-nos a doar com alegria.
smo Por outro lado, a Bíblia diz: “Tenham o cuidado de não praticar suas ‘obras de
justiça’ diante dos outros para serem vistos por eles. Se fizerem isso, vocês não
). O terão nenhuma recompensa do Pai celestial” (Mt 6:1). Poucas palavras de Jesus
con- são tão diretas e incisivas como essas. Deus vê o que vai além do exterior. Alguém
ens, veste uma roupa sofisticada e diz: “Deus é bom!”. Outro consegue um cargo am-
bicionado na igreja e diz: “Estou feliz por poder servir”. No entanto, Paulo declarou
lda- que o que está oculto será trazido à luz, inclusive os nossos motivos (1Co 4:5).
ece Sirvamos ao Senhor com amor, gratidão e compaixão pelo próximo. Tais atitudes
eus são dignas de um verdadeiro mordomo. Isso nos ajudará a desfrutar da única alegria
duradoura.

te e Tompaul Wheeler | Nashville, Tennessee, EUA


s da
alhe Mãos à Bíblia
ssos

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


s, e 2. De acordo com Efésios 2:8, o que mais recebemos de Deus?
nas A. ( ) Graça.
sem B. ( ) Condenação.
-las. Graça é “favor imerecido”. É um dom que não merecemos. Deus derramou Sua graça neste
planeta e, se não a rejeitarmos, ela alcançará e transformará nossa vida, agora e pela eternidade.
ário Toda a riqueza e o poder do Céu estão contidos no dom da graça (2Co 8:9). Até mesmo os anjos
ficam maravilhados com esse dom supremo (1Pe 1:12). De tudo o que Deus nos concede, a graça
que nos é dada em Jesus Cristo é o dom mais precioso de todos.

os- 3. Leia 1 Pedro 4:10. Qual é a relação entre mordomia e graça? Como o ato de dar a Deus e aos
so outros manifesta Sua graça?

rio Designer

di-
Editor
ró- Pedro disse que, visto que recebemos o dom da graça de Deus, em retribuição, devemos ser
“despenseiros da multiforme graça de Deus” (1Pe 4:10).
C.Q.

73
Depto. Arte
Terça, 27 de fevereiro
TESTEMUNHO

Pagar ou devolver?

EVIDÊNCIA
“D eus tem feito com que a proclamação do evangelho dependa do trabalho e dos
donativos de Seu povo. As ofertas voluntárias e os dízimos constituem o meio
de manutenção da obra do Senhor. Dos bens confiados aos seres humanos, Deus
P o
li
de C
reclama uma porção definida – o dízimo. Ele dá liberdade a todos para decidir se
desejam ou não dar mais do que isso. Mas, quando o coração é tocado pela influência esse
do Espírito Santo e se faz um voto de dar certa quantia, aquele que fez o voto não tem mor
mais direito sobre a porção consagrada.”1 men
Poucas semanas antes de iniciar a pós-graduação, tive a oportunidade de partici- alca
par de uma viagem missionária para o México. Consegui ajuda financeira de alguns S
patrocinadores e viajei. Quando cheguei ao México, fui apresentado ao pastor e aos à Su
anciãos da igreja em que dirigiria a série evangelística. Ao e
Eu estava no carro, com um dos pastores locais e dois alunos, voltando para o J
hotel. A conversa era sobre dízimos, ofertas e a Igreja nos Estados Unidos. Com um sobr
espanhol mediano, tentei explicar o processo e as práticas gerais. Depois, perguntei “Am
sobre a compreensão deles a respeito do dízimo no México. em
Em minha experiência, “pagar o dízimo” e “dar o dízimo” são expressões usadas de últim
maneira equivalente no inglês, tanto pois
na igreja quanto em nossa literatura. Mãos à Bíblia
Assim, enquanto explicava usei au- pec
tomaticamente a expressão “pagar o 4. Leia Lucas 7:37-47. Qual é a motivação adequa- tran
da para dar ofertas a Deus?
dízimo”.
O pastor respondeu: “Bem, para
começar, nenhum de nós ‘paga o dí-
Pe
zimo’. Nós o devolvemos. Ele já é do ●● 
V
Senhor, então como pode pagá-lo?” A história da mulher pecadora que ungiu os q
●●O
Então entendi que meu conceito es- pés de Jesus (ver Lc 7:37-50) expressa qual deve ser
tava equivocado. nossa real motivação ao dar nossas ofertas: gratidão. d
“O Senhor não precisa de nossas Afinal, que outra resposta devemos dar ao inesti-
ofertas. Não O podemos enriquecer mável dom da graça de Deus?
com as nossas dádivas. Diz o salmis- M
5. Leia Êxodo 34:26, Levítico 22:19-24 e Números
ta: ‘Tudo vem de Ti, e da Tua mão To 18:29. Embora o contexto seja diferente da nos- 6.
damos’ (1Cr 29:14, ARC). No entanto, sa realidade, que princípio extraímos desses
Deus nos permite demonstrar nossa textos em relação às nossas ofertas?
apreciação de Suas misericórdias pe-
los esforços abnegados para passá-las a
ea
outros. É essa a única maneira em que
Nossas melhores ofertas podem parecer insufi- al.
nos é possível manifestar gratidão e tim
amor a Deus. E Ele não proveu outra.”2 cientes aos nossos olhos, mas são significativas para fic
Deus. Dar ao Senhor o nosso melhor mostra que
O colocamos em primeiro lugar. Não damos ofertas res
1. Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 74.
2. ___________ , Conselhos sobre Mordomia, p. 18, 19. para receber favores; em vez disso, damos em grati- tod
dão pelo que recebemos em Cristo Jesus. Ess
Yaniz Seeley | Ooltewah, Tennessee, EUA

74
eiro Quarta, 28 de fevereiro

Amor altruísta
EVIDÊNCIA

dos
meio
eus
P odemos falar sobre abnegação. Mas até onde é possível ir na prática? Qual é o
limite para o altruísmo de alguém? O maior exemplo de amor altruísta foi a morte
de Cristo.
r se No entanto, ao refletir sobre Seu sacrifício, corremos o risco de menosprezar
ncia esse ponto principal por causa do efeito oposto que ele pode trazer: Cristo tinha que
tem morrer para salvar a humanidade pecadora. Em outras palavras, o próprio aconteci-
mento que demonstrou o perfeito amor altruísta pode ser visto como um meio para
tici- alcançar nossos objetivos.
uns Somos convidados a “contemplar” Cristo. Ao fazer isso, seremos “transformados”
aos à Sua imagem (2Co 3:18). Contudo, o que é tão importante nesse ato? O que vemos?
Ao examinar a vida do Salvador, encontramos Alguém surpreendentemente singular.
ra o Jesus demonstrou um amor incomparável, algo que nunca se viu antes. Ensinou
um sobre os mais altos ideais do amor: “Ame o seu próximo como a si mesmo” (Mt 22:39).
ntei “Amem os seus inimigos, façam o bem aos que os odeiam” (Lc 6:27). “Cristo morreu
em nosso favor quando ainda éramos pecadores (Rm 5:8). Momentos antes de dar o
s de último suspiro, Ele amou e perdoou àqueles que O crucificaram: “Pai, perdoa-lhes,
pois não sabem o que estão fazendo” (Lc 23:34).
Essa é a essência da verdadeira mordomia cristã. Num mundo infestado pelo
pecado, Jesus Se entregou, em amor, pela humanidade separada de Deus. Se somos
ua-
transformados por essa graça, precisamos amar o próximo. Não importa sua cor,
etnia ou religião. Quando fazemos assim
nos tornamos verdadeiros mordomos de
Pense nisto Cristo”.
●●Você se lembra de algum personagem bíblico Mordomia cristã é graça. Mordomia
os que amou de modo altruísta como Jesus? cristã é amor.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


ser  que pode tornar você um ‘bom mordomo’
O
●●

ão. de Cristo? Werner Carrasco | Roseville, California, EUA


sti-

Mãos à Bíblia
os
os- 6. Leia 2 Coríntios 8:8-15. O que Paulo declarou em relação ao ato de dar e aos motivos para
es fazê-lo? Quais princípios de mordomia podemos extrair desse texto?

Seja qual for seu motivo para doar, ele vai do egoísmo ao altruísmo. A luta entre a avareza
e a disposição para doar ocorre com mais frequência do que qualquer outra batalha espiritu-
ufi- al. O egoísmo arrefece o coração antes inflamado por Deus. O problema surge quando admi-
ara timos o egoísmo em nossa experiência cristã. Ou seja, quando encontramos meios para justi- Designer

ue ficar nosso egoísmo, e fazemos isso em nome de Cristo. A conclusão de toda a questão se
tas resume em uma palavra: amor. Ele é o fundamento de toda verdadeira beneficência e resume
ati- toda benevolência cristã. O amor de Deus por nós inspira-nos a retribuir essa manifestação. Editor

Esse é verdadeiramente o motivo supremo para o ato de doar.


C.Q.

75
Depto. Arte
Quinta, 1o de março

Seja como Arland Williams


APLICAÇÃO

OPINIÃO
E m 13 de janeiro de 1982, o voo 90 da Air Florida mergulhou de bico no Rio Potomac,
que estava coberto de gelo. Um helicóptero da polícia chegou ao local e começou a
baixar uma boia de salvamento para os sobreviventes que estavam congelando.
M
men
Um dos primeiros a receber a boia foi Arland Williams, mas ele a passou para Com
o próximo passageiro. Vez após vez ele permitiu que outros fossem resgatados antes ‘um
dele. Quando todos os sobreviventes estavam salvos a bordo do helicóptero, Williams E
havia morrido congelado nas águas do Potomac. a ele
Quando Jesus veio à Terra, Ele poderia ter agarrado a “boia” e escapado da cruz,
mas permaneceu ao lado dos que estavam afundando no pecado para salvá-los. E qua
então, Ele passou para nós Sua “boia de salvação”. está
No calor ou no frio paralisante da vida, seguir em frente pode parecer assustador. e ap
Muitos podem ficar sem saber que decisão tomar. Como podemos mostrar Jesus a que
alguém vencido pela dor e pelas provações? De que maneira podemos oferecer a “boia A
de salvação” a outros? seja
chu
Seja cuidadoso ao abordar a situação. Às vezes não conseguimos compreender para
a imensa tristeza e escuridão que podem estar envolvendo um amigo, um familiar ou
um estranho. Precisamos pedir sabedoria e orientação a Deus para oferecer ajuda e a be
conselho. mos
dinh
Saiba quando é melhor buscar ajuda externa. Precisamos saber quando sufi
é hora de nos retirar de uma situação e buscar ajuda ou assistência externa. Talvez Qua
encaminhar a pessoa a algum profissional da área (médico, psicólogo, etc.). pres

Ore sempre. Não sabemos quais deve


são os planos de Deus. Muitas vezes o
Mãos à Bíblia
que julgamos ser uma boa escolha ou 7. Leia 2 Coríntios 9:6, 7. Qual deve ser a experiên-
um caminho correto pode não ser. Isso cia de doar? Complete as lacunas: M
se aplica àqueles a quem estamos ten- “Aquele que semeia pouco pouco também ●● 
O
tando ajudar e à nossa própria vida. “Ale- ; e o que semeia com
_________________________________________ _______________________________________
h
com abundância também ceifará. Cada um contri-
grem-se sempre. Orem continuamente. bua segundo tiver proposto no ,
●●F

Deem graças em todas as circunstân- d


________________________________________________

não com tristeza ou por necessidade; porque Deus


cias, pois essa é a vontade de Deus para P
ama a quem dá com .”
v
________________________________________________

vocês em Cristo Jesus (1Ts 5:16-18).


●●O
Dar uma oferta generosa deve ser um ato muito
c
Johanna Bjork | Bismarck, North Dakota, EUA pessoal e espiritual. É um ato de fé, uma expressão s
de gratidão pelo que temos recebido em Cristo. E, ●●F
Pense nisto como com qualquer ato de fé, a ação de doar apenas
lh
faz com que nossa fé aumente, pois, “a fé sem obras
o
●● T emos sido bondosos para com aqueles é inoperante” (Tg 2:20). Não há melhor maneira de S
que nos fazem mal, zombam de nós ou aumentar nossa fé do que vivê-la, o que significa
nos censuram (Lc 23:34)? fazer coisas que nascem e crescem a partir da fé.

76
arço Sexta, 2 de março

Generosidade extrema
OPINIÃO

mac,
ou a M inha mãe tem o costume de enrolar as cédulas de dinheiro até se tornarem
pequenos cilindros. Ela faz isso quando dá o dinheiro a alguém. Certo dia, um
mendigo lhe pediu dinheiro. Ela deu “duas” notas de um dólar que estavam enroladas.
para Com desdém, o homem lhe disse: “Estou aqui o dia todo e tudo que você me dá é
ntes ‘um’ dólar?”
ams Ela deu uma risadinha, olhou na bolsa, tirou mais um dólar que lhe restava, e deu
a ele. “Assim está melhor”, ele disse.
ruz, A ingratidão permeia nossa sociedade. Contagia tanto o mendigo à beira da estrada
s. E quanto o cristão sentado no banco da igreja. A ingratidão diz: “Deus, o que o Senhor
está me oferecendo não é bom o suficiente. Eu mereço mais!” Ela torna difícil receber
dor. e apreciar as bênçãos divinas. Também faz a pessoa “invejar e cobiçar” as bênçãos
us a que outros recebem de Deus.
boia A Bíblia declara que Deus derrama Suas bênçãos sobre todos os seres humanos,
sejam eles justos ou injustos. “Ele faz raiar o Seu sol sobre maus e bons e derrama
chuva sobre justos e injustos” (Mt 5:45). No entanto, quantos usam esses benefícios
nder para se opor a Deus ou para desdenhar de Sua bondade?
r ou E o que dizer a nosso respeito? Somos cristãos, recebemos a graça salvadora de Jesus,
da e a benção do perdão dos pecados e a esperança da vida eterna, mas quantos de nós te-
mos falhado em nosso testemunho? Ou quantos, como o mendigo que pediu e recebeu
dinheiro de minha mãe, declaram que a generosidade de Deus não é uma compensação
ndo suficiente por tudo que eles já fizeram? Deus não é um investidor. Deus é Pai e Salvador.
lvez Quando os pais dão algo a seus filhos, não esperam receber um pagamento ou outro
presente em troca. Dão porque amam incondicionalmente.
Em resposta à imensa generosidade do Senhor, como Seus discípulos e mordomos,
devemos cultivar gratidão e nos tornar canais de bênçãos para outros.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


A generosidade pode não ser um “bom investi-
ên- mento”, nem trazer um “bom rendimento”, aliás,
Mãos à obra algumas vezes, ela pode nos frustrar e decepcio-
ém ●●Ouça a música e medite na letra do nar. Contudo, não é esse o caminho da cruz?
_______
hino “Entrega” (CD Ministério Jovem).
tri- ●● Faça uma lista das atitudes que você Bryant Fernando Rodriguez | Collegedale, Tennessee, EUA
,
deseja mudar. Ore a respeito disso.
______

eus
Peça a ajuda do Espírito Santo para
vencer seus pontos fracos.
Pense nisto
●●O fereça-se para orar por alguém. Pro- ●●  e que maneira a generosidade divina já beneficiou
D
ito
cure ser solidário para com essa pes- sua vida?
ão soa. Mostre atenção. Seja generoso. ●●Você já empregou mal as bênçãos recebidas ou exi-
. E, ●● Faça uma lista das coisas que Deus giu mais benefícios de Deus? Designer
nas
lhe concedeu em resposta às suas ●●Em quais situações você tem mais facilidade de ser
ras
orações. Você as usou para glorificar solidário e generoso? Por quê? Em quais circunstân-
de Seu nome? cias você tem dificuldade para praticar esse princípio? Editor
ica
.
C.Q.

77
Depto. Arte
Lição 10 3 a 10 de março

INTRODUÇÃO
Q
com
sobr
(Gn
usá-

hum
esta
mor
que

peri
tran
que
tem
D
exce
rein
mov
pres

faze
nos

A função noss

da mordomia cristã
* Dav
aces

“Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade” (1Ts 4:7).
M
1. L
Prévia da semana: Muito frequentemente os cristãos são culpados da tendência s
de separar as doutrinas bíblicas do cristianismo prático ou, pelo menos, da tendência de
negligenciar a relação entre eles. A mordomia nos desafia a repensar essa dicotomia à
medida que nos tornamos mordomos ou administradores de todo o conselho de Deus. “be
Leitura adicional: Atos 9:36; Mateus 6:1-4. Nisto Cremos, capítulo 6: “A Criação” co
vid
gir
de
em

78
arço INTRODUÇÃO Domingo, 4 de março

O triângulo da mordomia
Q uando começamos a caminhada com Cristo, tornamo-nos Seus mordomos, pron-
tos para experimentar uma vida transformada. Vamos pensar na mordomia cristã
como um triângulo: Deus, Seus recursos e você. Após a criação, o Senhor colocou
sobre os seres humanos a responsabilidade de administrar tudo o que foi criado
(Gn 1:28). Deus é um provedor fiel. Seu Espírito nos concede dons para que possamos
usá-los para a glória do Senhor.
Contudo, quando o pecado entrou no mundo interrompeu o plano divino e os seres
humanos perderam a noção do que significa ser mordomos do Criador. Mas nem tudo
estava perdido. Deus restaurou Seu plano por meio de Jesus. Nossa compreensão da
mordomia cristã envolve o reconhecimento de que Cristo é o centro de nossa vida e
que Deus provê nossos recursos. Ele deseja que os usemos para o avanço do Seu reino.
Escolhemos seguir a Cristo e obedecer à Palavra de Deus. Como discípulos ex-
perimentamos uma mudança de coração. A mordomia cristã é um modo de vida
transformado no qual reconhecemos Deus como a fonte de nossa vida e de tudo o
que possuímos. Ela vai além do uso responsável dos nossos recursos materiais, dons,
tempo e tesouros.
David Livingstone disse: “Não dou valor a nada que eu tenha ou venha a possuir,
exceto em relação ao reino de Deus. Se alguma coisa irá promover os interesses do
reino, ela deve ser dada ou conservada, somente se, ao dá-la ou conservá-la eu pro-
mover a maior glória Daquele a quem devo todas as minhas esperanças para o tempo
presente e para a eternidade.”*
Nesta semana vamos estudar a função da mordomia em nossa vida. O que podemos
fazer como mordomos de Deus? Como usar sabiamente os recursos e dons que Ele
nos concede? Qual deve ser nossa responsabilidade em compartilhar nosso tempo e
nossos bens para o avanço do Seu reino?

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


* David Livingstone, “Stewardship”, http://www.sermonillustrations.com/a-z/s/stewardship.htm,
acessado em 17 de outubro de 2016.
Mark Gift | Nairóbi, Quênia

Mãos à Bíblia
1. Leia Colossenses 1:16-18, Romanos 8:21 e 2 Coríntios 5:17. O que esses textos nos revelam
ncia sobre Jesus como o centro da nossa vida?
a de
mia à Não existe mordomia genuína se Cristo não for o nosso centro (Gl 2:20). Ele é a essência da
eus. “bendita esperança” (Tt 2:13), e “Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste” (Cl 1:17). Assim
Designer
” como o eixo é o centro da roda e, portanto, carrega o peso de uma carruagem, Cristo é o centro da
vida do mordomo. Assim como um eixo sólido proporciona estabilidade, permitindo que as rodas
girem, Jesus também é o centro fixo e estável da nossa existência cristã (Hb 13:8). Sua influência Editor
deve produzir efeito sobre tudo o que pensamos e fazemos. Todos os aspectos da mordomia giram
em torno de Cristo e encontram seu centro Nele.
C.Q.

79
Depto. Arte
Segunda, 5 de março

Um quadro mais amplo

EXPOSIÇÃO
EVIDÊNCIA

A s pessoas estão preocupadas em saber como podem viver dentro de sua renda,
controlar suas dívidas e verificar em que estão gastando seu dinheiro. No entanto,
é importante saber que a vida vai além disso. O salmista descobriu essa verdade e
C
da m
r
t

escreveu: “Do Senhor é a Terra e tudo o que nela existe, o mundo e os que nele vivem; pess
pois foi Ele quem fundou-a sobre os mares e firmou-a sobre as águas” (Sl 24:1, 2). mui
Quando reconhecemos que Deus é o proprietário de tudo o que temos, inclusive A
da nossa vida, conseguimos administrar tudo o que Ele nos dá de acordo com Sua port
vontade. Somos Seus mordomos e devemos considerar a mordomia cristã a partir a po
dessa perspectiva. noss
Nossas posses e nossos recursos devem ser usados para promover a causa Daquele ajud
que nos concedeu essas dádivas. A base e o critério para os nossos gastos não devem brilh
ser quanto podemos pagar, mas quanta honra as nossas aquisições trarão a Deus.
Cristo é o nosso modelo de fidelidade. Como mordomos do Senhor precisamos Sen
seguir o exemplo do Salvador. Sua vida é uma lição de que a mordomia cristã vai Pod
além de viver dentro do orçamento, de- recu
volver 10% de nossa renda e dar ofertas. Pense nisto serv
Embora tudo isso seja parte do estilo de
vida do cristão, fazer somente isso não ●●Se Deus é o dono de tudo, por que precisamos O
devolver nossos recursos para Ele?
nos torna mordomos fiéis. dom
●●  e que maneira Cristo Se apresentou como
D
um mordomo fiel? Ana
Jayne Oreso | Nairóbi, Quênia Essa
os n
Mãos à Bíblia na m
recu
2. O que os seguintes textos revelam sobre o ministério de Jesus no santuário? 1Jo 2:1; Hb 4:14- P
16; Ap 14:7. Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
dam
A. ( ) Jesus nos acusa dos nossos pecados no santuário celestial.
B. ( ) Cristo é o nosso Sumo Sacerdote, Advogado e Juiz no santuário.
(Jo
João
de a
A doutrina do santuário ajuda a revelar a maravilhosa verdade da salvação e redenção, que está
and
no cerne de toda a teologia cristã. No santuário não vemos apenas a morte de Cristo por nós, mas
também Seu ministério. No lugar santíssimo, podemos ver também a importância da lei de Deus
E
e a realidade do juízo final. A promessa de redenção, disponível a nós pelo sangue derramado por and
Jesus, está no centro de tudo isso. favo
A função da mordomia reflete uma vida ancorada na grande verdade da salvação, conforme tiza
revelada na doutrina do santuário. Quanto mais profundamente entendemos o que Cristo fez por esti
nós e o que Ele está realizando em nós hoje, mais nos aproximamos Dele, de Seu ministério, missão,
ensino e propósito para aqueles que vivem os princípios da mordomia em sua vida. O
Mt
dad
CONFIRA OS COMENTÁRIOS DA LIÇÃO DOS JOVENS: é um
www.escolanoar.org.br des
luga

80
arço Terça, 6 de março

O âmago da mordomia cristã


EXPOSIÇÃO

nda,
nto,
de e
C risto deve ser nosso referencial tanto no falar como no agir. A mordomia cristã
tem a ver com nosso estilo de vida. É possível ganhar almas para Cristo por meio
da mordomia cristã. Isso depende da maneira pela qual nos relacionamos com as
em; pessoas, do que comemos e bebemos, das atividades nas quais nos envolvemos e de
). muitos outros fatores.
sive A carta de Paulo aos Filipenses (Fp 2:5-8) mostra que Cristo Se humilhou, su-
Sua portando a dor, o sofrimento e a morte a fim de nos reconciliar com Deus. Cristo é
artir a ponte que nos leva ao reino dos Céus. Portanto, devemos nos submeter a Ele como
nosso Salvador e Senhor em tudo o que fazemos. O papel da mordomia cristã é nos
uele ajudar a reconhecer Sua obra e usar nossos recursos a fim de exaltá-Lo e fazê-Lo
vem brilhar na vida de outras pessoas.
. O primeiro passo na mordomia cristã é aceitar Cristo como nosso Salvador e
mos Senhor. Isso nos ajuda a ver o mundo e a nós mesmos sob uma perspectiva diferente.
vai Podemos administrar nosso tempo e talentos de uma forma distinta e usar nossos
recursos para promover a causa de Cristo. A mordomia cristã é um reflexo da liderança
servidora de Jesus (ver Mc 10:45).
mos Os mordomos de Cristo andam na verdade (Jo 14:6; 17:17; 3Jo 3). A mor-
domia cristã está relacionada à fidelidade, integridade e veracidade. Em Atos 5:1-11,
mo
Ananias e Safira perderam a vida porque foram desonestos e mentiram para Deus.
Essa deve ser uma lição para todos nós. Deus lê o nosso coração. Ele conhece todos
os nossos pensamentos. Será que não estamos sendo desonestos para com o Senhor
na maneira como gastamos nosso tempo, na forma pela qual administramos nossos
recursos e no uso dos nossos dons?
14- Para ser um mordomo fiel precisamos andar na verdade, e Cristo é o nosso fun-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


damento para a verdade. A Bíblia confirma que Jesus é o caminho, a verdade e a vida
(Jo 14:6). Consequentemente, andar na verdade significa seguir a Cristo. O apóstolo
João enfatizou esse ponto quando escreveu: “Muito me alegrei ao receber a visita
de alguns irmãos que falaram a respeito da sua fidelidade, de como você continua
stá
andando na verdade” (3Jo 3).
mas
eus
Embora João tenha endereçado essa carta a um ancião, a lição que tiramos é que
por andar na verdade é tão importante hoje como era na época do apóstolo. Orando em
favor dos Seus discípulos, Cristo mencionou que, após conhecê-Lo, eles se conscien-
me tizariam de que tudo pertence a Deus (Jo 17:7, 10). Discípulos são mordomos, e seu
por estilo de vida, bem como seus atos, devem levar outros a Cristo.
ão,
Os mordomos de Cristo testemunham do evangelho eterno (Gn 6:13-18;
Designer
Mt 24:37; 2Co 6:1-4; Ap 14:6-12). Em Apocalipse 14:6-12 há uma clara mensagem
dada por três anjos. O primeiro anjo prega o evangelho eterno a todos os povos. Esse
é um dos principais objetivos dos mordomos cristãos. Com conhecimento, habilida- Editor

des e outros recursos, Deus espera que levemos as boas-novas da salvação a todos os
lugares da Terra.
C.Q.

81
Depto. Arte
O segundo anjo adverte sobre a destruição de um reino pecador. A maldade de Babi-
lônia, da qual João falou nessa passagem, reflete a situação de confusão religiosa e falsas

TESTEMUNHO
doutrinas em nosso mundo, contrafações satânicas do verdadeiro evangelho.
O terceiro anjo adverte contra a condescendência com esse falso ensino religioso,
espúrio e maligno. Aqueles que não derem ouvidos à mensagem do primeiro anjo e
persistirem na idolatria da babilônia espiritual enfrentarão o cálice de ira divina.
As mensagens dos três anjos formam a base sobre a qual todos os mordomos
cristãos devem atuar. Se amamos a Deus, guardaremos Seus mandamentos e prega-
remos Seu amor a todo o mundo. É por isso que o terceiro anjo conclui: “Aqui está a
“A
gelh
perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” às r
(Ap 14:12). tério
Deu
Os mordomos de Cristo buscam a santificação (Hb 9:4; 1Pe 1:15, 16). sita
Nosso Pai celestial é santo (Is 5:16). Ele deseja que sejamos santos para que possamos as m
participar do Seu reino. Com nossa natureza pecaminosa não podemos atingir o nível
de santidade que Deus tem. Contudo, por meio dos méritos de Cristo, podemos ser na T
participantes da santidade divina.
Se não permitirmos que Cristo governe nossa vida, não poderemos nos apresen- o em
tar como pessoas santificadas diante de Deus. A nova vida em Cristo nos capacita a é be
brilhar como mordomos do Senhor. O pecado desfigurou nossa imagem, no entanto, mo,
ao aceitar Jesus somos transformados e podemos exig
novamente andar na luz da redenção que a cruz que
Pense nisto de Cristo nos trouxe. O sangue derramado pelo mul
●●Como posso andar na verdade em Salvador pode nos purificar das obras mortas para gênc
relação à mordomia cristã? servir ao Deus vivo (Hb 9:14).
●●De que forma a mensagem dos três
Quando desenvolvemos os princípios da san- do q
anjos ajuda a entender nosso papel tidade em nossa vida, podemos dizer, sem temor, bem
como mordomos de Cristo? que tudo é possível por meio de Cristo (Fp 4:13). deix
●●Podemos ser bons mordomos se
Esse deve ser o alvo de todo mordomo cristão.
Cristo não estiver no centro de tudo
o que fazemos? M
Tony Philip Oreso | Nairóbi, Quênia
4.

Mãos à Bíblia
3. O que Jesus quis dizer ao Se referir a Si mesmo como “a verdade” em João 14:6? Compare
com João 17:17. De acordo com 3 João 3, o que devemos fazer com a verdade?

sen
raç
ser
Nossas crenças fundamentais influenciam a nossa identidade e a direção em que estamos indo. de
Doutrinas não são apenas ideias teológicas abstratas. Toda verdadeira doutrina está ancorada em na
Cristo, e todas devem, de diversas maneiras, impactar nossa maneira de viver. Na verdade, podería-
mos justificadamente dizer que nossa identidade como Adventistas do Sétimo Dia está fundamen- oc
tada em nossos ensinamentos doutrinários mais do que em qualquer outra coisa. Portanto, nossas cas
doutrinas, derivadas da Bíblia, são o que nos torna quem somos como Adventistas do Sétimo Dia. ide
A função da mordomia é nos levar a viver a verdade doutrinária como ela é em Jesus, de últ
maneira que influencie positivamente nossa qualidade de vida. pro

82
abi- Quarta, 7 de março
lsas
TESTEMUNHO

oso,
jo e
Cooperadores do Senhor
mos
ega-
tá a
“A o comissionar os discípulos a ir ‘por todo o mundo’ e pregar ‘o evangelho a toda
a criatura’ (Mc 16:15), Cristo designou aos homens a obra de propagar o evan-
gelho. Porém, enquanto alguns saem para pregar, Ele pede a outros que Lhe atendam
sus” às reivindicações quanto aos dízimos e ofertas com que se possa sustentar o minis-
tério e disseminar a verdade impressa pela Terra inteira. Esse é o meio pelo qual
Deus quer exaltar o ser humano. É justamente a obra de que a humanidade neces-
16). sita, pois moverá as mais profundas compaixões de seu coração, chamando à ação
mos as mais elevadas faculdades mentais.”1
ível “A grande obra que Jesus anunciou que viera fazer foi confiada a Seus seguidores
ser na Terra. […]
“Ele deu a Seu povo um plano para levantamento de recursos suficientes para que
sen- o empreendimento se tornasse autossustentável. O plano divino do sistema do dízimo
ta a é belo em sua simplicidade e igualdade. Todos podem dele lançar mão com fé e âni-
nto, mo, pois é divino em sua origem. Nele se aliam a simplicidade e a utilidade, e não
mos exige profundidade de saber para compreendê-lo e executá-lo. Todos podem sentir
cruz que lhes é possível ter parte em promover a preciosa obra de salvação. Todo homem,
pelo mulher e jovem podem se tornar tesoureiros do Senhor e agentes em atender às exi-
para gências sobre o tesouro (1Co 16:2).”2
“Há nestes últimos dias necessidades ainda mais urgentes sobre o Israel de Deus
san- do que sobre o antigo Israel. Há uma grande e importante obra a ser realizada em
mor, bem pouco tempo. Nunca foi desígnio do Senhor que a lei do sistema de dízimo
13). deixasse de ser considerada entre Seu povo; em vez disso, porém, pretendia que o
o. espírito de sacrifício se ampliasse
Mãos à Bíblia e se tornasse mais profundo para
uênia a finalização da obra.”3

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


4. Leia Apocalipse 14:6-12. Qual é a essência dessas men- “À medida que os obreiros
sagens? O que elas declaram ao mundo? Que respon- perseverantes, sistemáticos, vi-
sabilidade recai sobre nós em relação a elas? De que
rem que a tendência de seus be-
are maneira a mordomia se encaixa nessas mensagens?
neficentes esforços é nutrir o
amor para com Deus e seus se-
Como Adventistas do Sétimo Dia, nossa missão é apre- melhantes, e que seus esforços
sentar a verdade das três mensagens angélicas em prepa- pessoais estão a estender-lhes a
ração para a segunda vinda de Cristo. As pessoas precisam esfera de utilidade, compreende-
ser capazes de tomar uma decisão em relação à eternida- rão que é grande bênção ser co-
do. de. A função da mordomia é atuar em parceria com Deus operadores de Cristo.”4
em na missão (2Co 5:20; 6:1-4).
ía- O aro da roda está próximo do ponto de contato com 1. E llen G. White, Testemunhos Para a Igreja,
en- o chão, e representa a missão das três mensagens angéli- v. 4, p. 472. Designer

cas. A missão delas é nos proteger do “desvio teológico” e 2. Ibid., v. 3, p. 388, 389.
sas 3. Ibid., p. 396.
Dia. identificar nossa responsabilidade nos acontecimentos dos
4. Ibid., p. 389. Editor
de últimos dias. Devemos ser mordomos dessa mensagem,
proclamando-a ao mundo.
Carren Akinyi | Nairóbi, Quênia
C.Q.

83
Depto. Arte
Quinta, 8 de março

Filhos da luz
APLICAÇÃO

OPINIÃO
O chamado para ser um mordomo de Cristo requer completa mudança do estilo
de vida. Paulo apelou aos efésios para que se revestissem de uma nova natureza
(Ef 4:21-24), deixando para trás seu antigo modo de viver. O que aconteceu com os
N (Fp
efésios pode acontecer conosco também. tolo
Antes de aceitar a Cristo, o pecador se coloca no centro de tudo o que faz. Seu
coração nutre desejos egoístas, maus comportamento e rebeldia. O pecado é como poss
um veneno. Basta uma pequena dose para contaminar novamente e destruir o que em
havia sido purificado. Por essa razão, Paulo insistiu com os efésios para que evitassem sup
retornar ao antigo estilo de vida e seguissem a nova vida em Cristo, de bondade e
santidade, importantes requisitos da mordomia cristã. para
Somente nos tornamos verdadeiros mordomos do Senhor depois de aceitar a nova das
vida em Cristo, deixando para trás a natureza pecaminosa e corrupta, abandonando U
o que nos agradava e enchendo o nosso coração daquilo que agrada a Deus. nha
Quais são as características de um mordomo fiel? no m
P
Harmonia com a Palavra de Deus (Jo 17:7). A Palavra de Deus é a verdade. 6:17
Ela é a carta de Deus a Seus filhos que aceitaram a Cristo como seu Salvador. Ao nad
lê-­la, estudá-la e vivê-la, experimentamos seu poder para transformar nossa vida. A
obra
Dependência de Cristo (Jo 14:6). Cristo é nosso exemplo do que é ser um Qua
bom mordomo. Se dependermos Dele, saberemos como administrar sabiamente os espi
recursos de Deus para que Seu reino avance.
M
Busca de paz e a santidade (Hb 12:14). O mundo com suas atrações quer ●● 
C
desviar nosso foco das coisas celestiais. O inimigo nos tenta para que voltemos à velha g
vida de pecado. Porém, por meio da intervenção do Espírito Santo podemos viver em C
santidade para com Deus e em paz com nossos semelhantes. “Portanto, já que vocês re
ressuscitaram com Cristo, procurem as ●●P
coisas que são do alto, onde Cristo está Mãos à Bíblia te
assentado à direita de Deus. Mantenham ●●A
5. Compare 1 Pedro 1:15, 16 com Hebreus 12:14.
o pensamento nas coisas do alto, e não O que significa “ser santo” e “santificação”?
e
nas coisas terrenas” (Cl 3:1, 2). te
Como isso se relaciona com a nossa mordo-
c
mia? Assinale a alternativa correta:
Samson Oguttu | Nairóbi, Quênia
b
A. ( ) É ser separado para fins santos; a santifi- ●●F
cação é um processo diário, que se com-
C
pletará na volta de Jesus, com a extinção
e
do pecado. Desenvolvemos a mordomia
Pense nisto no processo diário da santificação.
●●  omo você apresentaria o assunto da
C B. ( ) Ser santo é não ter nenhum pecado; a santi-
fidelidade e da mordomia para alguém ficação já foi completada. Nossa mordomia
que não é cristão? jamais será um reflexo da nossa santificação.

84
arço Sexta, 9 de março

Ser igual a Cristo


OPINIÃO

stilo
reza
m os
N ossas atitudes como mordomos do Senhor devem chamar a atenção dos outros
para Cristo. Paulo escreveu que para ele a vida era Cristo e a morte era lucro
(Fp 1:21). Para a maioria das pessoas a morte é uma experiência horrível, mas o após-
tolo se colocou numa situação em que ele se beneficiaria da morte.
Seu Nosso foco deve estar em Cristo. Devemos usar o tempo, os talentos e outras
omo posses que Deus nos concede para abençoar outros. Nossa missão é imitar Cristo
que em todos os níveis e torná-Lo nosso modelo. Ao fazer isso, descobrimos que Ele é
sem supremo em nossa vida.
de e Quando se trata de fazer doações, muitas pessoas acham que isso seja algo só
para quem tem muito dinheiro. Contudo, devemos primeiro examinar as bênçãos
nova das quais desfrutamos.
ndo Um relatório publicado no site globalrichlist.com mostrou que as pessoas que ga-
nham uma média de 1.200 dólares por ano estão entre os 52% das que mais ganham
no mundo de acordo com sua renda.
Por mais pobres que sejamos, quase todos temos algo para doar. Em 1 Timóteo
ade. 6:17, Paulo mencionou que nosso Pai celestial é Dono de tudo e, se confiarmos Nele,
Ao nada nos faltará.
. A respeito da missão de abençoar outros com nossos recursos ou fazer avançar a
obra do evangelho, sempre podemos colaborar. Seja com nossos dons, bens ou tempo.
um Quando compartilhamos as bênçãos do Senhor recebemos dividendos em nossa vida
e os espiritual.
Como jovem mordomo do Senhor,
Mãos à obra considero-me rico em muitas coisas.
quer ●●Crie um folder sobre o Salmo 24:1, 2. A mensa-
Posso repartir o conhecimento que te-
elha nho do meu Salvador de muitas formas.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


gem desses versos mostra Deus como nosso
em Criador e Sustentador. Divulgue seu folder nas Nossa igreja é igualmente rica em recur-
ocês redes sociais. sos. E se não podemos ir pessoalmente
●●Planeje um culto jovem que tenha o seguinte a outros lugares, podemos ajudar com
tema: “Cristo, a Fonte de Nossa Vida”. nosso conhecimento e nosso dinheiro.
●●  jude a servir o desjejum ou o lanche da noite
A
14.
em um abrigo para moradores de rua. Medi- Rose Oguttu | Nairóbi, Quênia
o”?
te em Marcos 10:45. Considere essas pessoas
do-
como filhos de Deus. Testemunhe na igreja so-
bre como foi sua experiência.
Pense nisto
ifi- ●●Faça uma lista de atividades para uma semana.  uais recursos Deus lhe concedeu que
Q
●●
m-
Coloque-as em ordem de prioridade levando podem ser usados para fazer avançar Sua
ão
em consideração. obra e abençoar a outros?
mia
Designer

nti-
mia
ão. SIGA A LIÇÃO DOS JOVENS NO TWITTER Editor

#LESjovens
C.Q.

85
Depto. Arte
Lição 11 10 a 16 de março

INTRODUÇÃO
A
créd
de e
surp
tard

Cad
ram

uma
ça,
São
dinh
Sata

dess
suas

M
1. O
S
E

Dívidas
D

vam
At
“Deem a cada um o que lhe é devido: Se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; pu
se honra, honra. Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele ep
que ama seu próximo tem cumprido a lei” (Rm 13:7, 8). pro
ser

Prévia da semana: O cristão que vive sem dívidas é financeira e emocionalmente do


ma
livre. A piedade unida ao contentamento é um ganho maravilhoso, e a gestão sábia ser
dos recursos financeiros e materiais inclui investimento e poupança. esc
Leitura adicional: Eclesiastes 5:5; Salmos 37:21; 1 João 2:16; Deuteronômio 8:18;
28:12. Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 7, capítulo 41, “Evitar Dívidas”; tua
Conselhos Sobre Mordomia, capítulo 48, “Vivendo Dentro das Receitas” Ma
pa

86
arço INTRODUÇÃO Domingo, 11 de março

Livre-se das dívidas


A simples menção da palavra “dívida” nos traz desconforto, mas o mundo da propa-
ganda nos estimula a fazer empréstimos. Crediários em lojas, cartões de crédito,
crédito educativo, financiamento de automóveis e imóveis, e muitos outros tipos
de empréstimo nos são “empurrados”. Essas facilidades muitas vezes nos pegam de
surpresa, e acabamos comprando o que está sendo oferecido, só para descobrir, mais
tarde, que poderíamos ter passado sem aquilo.
“A dívida se esconde no canto, atrás de cada porta, e é a sombra que segue você.
Cada gasto produz culpa.”1 Vemos pessoas constrangidas e arrependidas porque fize-
ram um empréstimo e sentem a dolorosa pressão dos exorbitantes termos e condições.
Embora algumas dívidas sejam necessárias, como por exemplo, financiamento de
uma casa ou um carro, ou créditos educativos, outras, que são motivadas pela cobi-
ça, forçam-nos a assinar na linha pontilhada apenas para satisfazer nossos desejos.
São bens materiais desnecessários. O sábio Salomão escreveu que aquele que toma
dinheiro emprestado se torna um escravo (Pv 22:7). A dívida “é uma armadilha de
Satanás. Diminui a autoestima, enfraquece a fé e, numa palavra, é desmoralizante.”2
O ramo da consultoria de dívidas está crescendo cada dia mais. Os profissionais
dessa área apresentam estratégias do tipo “visualize suas dívidas”, “procure renegociar
suas dívidas”, “corte seus gastos”, “elabore e controle seu orçamento”. Contudo, para
que essas estratégias funcionem,
Mãos à Bíblia a pessoa precisa primeiramente
entender a diferença entre dese-
1. O que os seguintes textos têm a dizer sobre dívida? jos e necessidades. Isso exige dis-
Sl 37:21 ciplina, mas pode ser alcançado
____________________________________________________________________________________________________________________________________

Ec 5:5 se pretendemos viver dentro do


___________________________________________________________________________________________________________________________________________

Dt 28:44, 45
que ganhamos.
_________________________________________________________________________________________________________________________

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Desperdiçar dinheiro emprestado permite que vi- O caminho proposto por Deus
vamos um estilo de vida que não conseguimos bancar. nos livra do desconforto da dívida
A tentação de pegar e gastar dinheiro emprestado é a e nos conduz à paz mental.
or; pulsação de uma cultura consumista que influencia ricos Nesta semana examinaremos,
ele e pobres. Quando somos tentados, devemos buscar a à luz da mordomia cristã, como
provisão de Deus (1Co 10:13), pois o empréstimo pode evitar a escravidão da dívida.
ser uma maldição (Dt 28:43-45).
Não inicie o mau hábito de pedir dinheiro empresta- 1. K ate O’Mahoney, “Poem About Debt”,
do. Se você já tomou um empréstimo, pague da maneira http://www.homestartwestminster.org.uk/
ente articles/1647, acessado em 17 de outubro
mais rápida possível. Precisamos gastar com sabedoria e
ábia ser mestres na administração do dinheiro de Deus, e não de 2016.
2. M el Rees, Biblical Principles for Giving and
escravos do dinheiro do mundo. Living (Hagerstown, Md.: Review and Herald,
8:18; No entanto, como já dissemos, existem algumas si- 1995), p. 79. Designer
das”; tuações em que precisamos pedir dinheiro emprestado.
Mas isso deve ser feito com cautela e com a intenção de
pagar tudo do modo mais breve possível. Patrick A. Herbert | Editor

Birmingham, Reino Unido

C.Q.

87
Depto. Arte
Segunda, 12 de março está
sos

Nosso divino Consultor B


EXPOSIÇÃO

nos
em

D ívidas resultam em desastrosas consequências na vida profissional, matrimonial


e patrimonial. A Palavra de Deus contém sábios conselhos sobre como devemos
administrar nossos recursos. O Senhor espera que Seus filhos sejam bons adminis-
se p
por

tradores de seus recursos materiais e sejam livres de dívidas. todo


“Deem a cada um o que lhe é devido: Se imposto, imposto; se tributo, tributo; noss
se temor, temor; se honra, honra. Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de mal
uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a lei” (Rm 13:7, 8). O
(ver
O perigo de desprezar as orientações divinas. Deus deseja nossa felicidade
e prosperidade. Sob a orientação do Espírito Santo podemos ser bons mordomos do
Senhor, administrando zelosa e sabiamente nossos recursos. No antigo Israel, tomar e fo
dinheiro emprestado e gastar além da própria capacidade, deixando de pagar a dívida, cap
eram considerados sinais de que o povo de Deus estava desobedecendo às orientações dos,
divinas e, por isso, deixava de receber as bênçãos celestiais ( Dt 28:43-45; Ec 5:5; 8:7). ea
Deus promete ajudar e abençoar os que confiam Nele e seguem Suas orientações. ajud
Aqueles que desobedecem experimentam infortúnio e vergonha (Pv 13:18).

Bons mordomos não cedem à gratificação instantânea. Muitas vezes cedemos M


aos desejos da carne e perdemos as boas coisas que possuímos. O desejo incontrolável 2.
de Adão e Eva de conquistar um status mais elevado (ser como Deus) fez com que
tomassem o que não lhes pertencia. O resultado foi que eles perderam o domínio
sobre si mesmos e sobre o mundo, além de muitas outras perdas (Gn 3:6, 17-19).
Esaú, incapaz de controlar o apetite, perdeu o direito à primogenitura (Gn 25:34).

A incapacidade de Davi em controlar seus desejos sexuais fez com que perdesse sua
honra e integridade (2Sm 11:2-4). Aqueles que são controlados pela carne não podem
agradar a Deus (Rm 8:8).
Seguir a natureza carnal pode levar à destruição (Fp 3:19). Para ser um mordomo me
fiel é preciso controlar os desejos, e isso exige domínio próprio. Jesus demonstrou em tam
Sua vida e em Seu ministério que é possível, pelo poder da graça divina, manter a lid
mente e os desejos submissos ao controle do Espírito Santo e às instruções da Palavra ap
de Deus (Mt 4:3-10; Tt 3:7). A restauração da capacidade de administrar os recursos ep
do Senhor é uma parte importante das boas-novas do evangelho. pa
me
fun
Bons mordomos vivem dentro do que ganham. A sabedoria divina nos faz esq
pensar no futuro e não somente no presente (Pv 14:15). Os tolos não se preocupam me
com o amanhã (Pv 21:20). Pessoas sábias fazem planos cuidadosos e usam criterio- esc
samente seu dinheiro, investindo nos estudos, profissão, casamento, educação dos vam
filhos e aposentadoria. no
Os conselhos de Cristo em Lucas 14:25-33 realçam o fato de que precisamos ser
bons administradores. Precisamos nos certificar de que recebemos amor suficiente do
Espírito Santo para pagar a Deus a dívida de amor que temos para com Ele. Cristo e
Seu reino precisam ocupar o primeiro lugar em nossa vida (Mt 6:33). Quando Cristo

88
arço está no centro da vida somos capacitados a administrar corretamente os nossos recur-
sos (1Tm 6:6-8), a devolver a Deus o que Lhe pertence e a ofertar com generosidade.

Bons mordomos dizem “não” às dívidas. Pertencemos a Deus. Foi Ele quem
nos criou e nos colocou neste mundo. Foi Seu Filho quem nos redimiu com Seu sangue
e maravilhoso amor. Fez de nós mordomos sobre tudo o que foi criado. Prometeu que,
nial se permitirmos que Ele tome Seu lugar de direito em nossa vida, o Senhor nos guiará
mos por Sua Palavra e pelo Espírito Santo. Ele nos abençoará e fará com que prosperemos.
nis- Embora em algumas ocasiões possamos tomar um empréstimo, precisamos ter
todo o cuidado e estar sempre vigilantes para não acabar endividados por causa da
uto; nossa insensatez. As dívidas imprudentes e a miséria que delas resultam representam
r de mal a Deus, pois Ele é nosso sábio Conselheiro (Dt 28:12-14).
, 8). Os que tomam emprestado se tornam, muitas vezes, escravos dos que emprestam
(ver Pv 22:7).
ade
s do Bons mordomos investem num futuro com Deus. Deus nos dá conhecimento
mar e força para prosperar: “Lembrem-se do Senhor, do seu Deus, pois é Ele que lhes dá a
ida, capacidade de produzir riqueza, confirmando a aliança que jurou aos seus antepassa-
ções dos, conforme hoje se vê (Dt 8:18). Ele nos ensinou a ser diligentes como as formigas
8:7). e a economizar cuidadosamente para o futuro (Pv 6:6-8; 21:5); a ser generosos e a
ões. ajudar os necessitados (Ec 11:1, 2; Lc 12:33). Acima de tudo, Ele nos ensinou a bus-
car em primeiro lugar Seu
reino e Sua justiça, pois
mos Mãos à Bíblia de nada adiantará ganhar
ável 2. Quais são os potenciais perigos da satisfação instantânea, o mundo inteiro e perder
que mesmo para pessoas fiéis? 2Sm 11:2-4; Gn 3:6; Fp 3:19; 1Jo 2:16; a vida eterna.
ínio Rm 8:8. Assinale a alternativa correta: A orientação do nosso
19). A. ( ) Não há perigos. A satisfação instantânea garante alguma divino Conselheiro é que
alegria aqui, pois nada nos espera no além.
34). não fixemos os olhos “na-
B. ( ) A satisfação instantânea nos faz perder de vista os objeti-
sua vos futuros e pode nos levar a uma vida de pecado.
quilo que se vê, mas no
dem que não se vê, pois o que

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


O desejo por satisfação instantânea é característico de uma se vê é transitório, mas o
omo mente descontrolada; é um inimigo da paciência e destrói len- que não se vê é eterno”
em tamente os objetivos a longo prazo, zombando da responsabi- (2Co 4:18).
er a lidade e a prejudicando. Retardar essa satisfação é um princípio Precisamos conservar
avra aprendido; é uma habilidade que nos ajuda a lidar com situações nossa mente nas coisas
rsos e pressões, especialmente com as tentações que o mundo tem de Deus e no Seu reino.
para oferecer, como tomar dinheiro emprestado imprudente- Bons mordomos investem
mente. No entanto, essa ideia não é popular em um mundo
num futuro com Deus
fundamentado em gratificação instantânea, soluções rápidas e
faz esquemas para enriquecer rapidamente. Uma vez que experi-
porque O amam e com-
pam mentamos a satisfação instantânea, ficamos mais propensos a preendem que nada neste
rio- escolher a “recompensa” de curto prazo outra vez, e depois no- mundo dura para sempre.
dos vamente, e novamente […] Como mordomos dos dons que Deus Designer
nos deu, não devemos cair nessa armadilha. Elliott A. Williams | Watford,
ser Hertfordshire, Reino Unido
e do Editor

to e
isto
C.Q.

89
Depto. Arte
Terça, 13 de março
TESTEMUNHO

Mordomia cristã e segurança

EVIDÊNCIA
“O mordomo se identifica com o patrão. Aceita as responsabilidades de um mor-
domo e age em lugar do dono da casa, fazendo o que ele faria se estivesse
administrando. Os interesses do seu senhor tornam-se seus. A posição do mordomo
U no a
é de dignidade, pois o patrão confia nele.”1 C
“Num grau maior ou menor, a todos são confiados os talentos do seu Senhor. na v
A capacidade espiritual, mental e física, a influência, condição social, posses, afetos, assi
simpatia, são todos preciosos talentos que devem ser usados na obra do Mestre para “Co
a salvação das pessoas por quem Cristo morreu.”2 “
Cristo nos designou para “disseminar o conhecimento de Sua graça. Porém, en- “
quanto alguns saem a pregar, Ele pede a outros que contribuam com suas ofertas para com
manter Sua obra na Terra. Ele concede meios para que Seus dons divinos possam “
fluir através de canais humanos, a fim de que
façamos a obra que nos foi designada, de salvar Pense nisto dar
nossos semelhantes.”3 ●●
O que posso fazer para desenvolver
cent
“Deus dá a todos a sua obra e espera retribui- meus dons para a glória de Deus?
ção correspondente segundo seu variado depósi- ●●Que atitude uma pessoa rica deve vou
to. Não exige da pessoa a quem deu apenas um adotar ao fazer doações para a igreja? H
talento juros de dez talentos. Não espera que o
pobre dê esmolas como o rico. Não espera do M
fraco e sofredor a atividade e força que a pessoa Mãos à Bíblia
4.
sadia tem. Um único talento usado da melhor 3. Qual princípio deve ser lembrado antes
maneira será aceito por Deus ‘conforme o que o de qualquer outra coisa? (Veja Mt 6:33).
homem tem, e não segundo o que ele não tem.’”4 Estamos praticando esse princípio? As-
“Deus deseja que escolhamos o celestial em sinale a alternativa correta:
vez do terrestre. Abre-nos as possibilidades de A. ( ) Buscar em primeiro lugar as coisas sen
um investimento no Céu. Deseja prover enco- de Deus. ser
rajamento para nossas mais elevadas aspirações B. ( ) Conquistar nossas aspirações em dív
e segurança para nosso mais estimado tesouro. primeiro lugar. às
Declara: ‘Farei que um homem seja mais pre- da
Devemos pensar em nosso dinheiro dif
cioso do que o ouro puro e mais raro do que
não como renda, mas como recursos que nã
o ouro fino de Ofir’ (Is 13:12, ARC). Quando temos a responsabilidade de administrar.
forem consumidas as riquezas que a traça devo- O orçamento é o método que devemos sen
ra e a ferrugem corrói (Mt 6:19), os seguidores usar para realizar essa tarefa. Planejar um de
de Cristo poderão se rejubilar em seu tesouro orçamento é uma habilidade que precisa ev
celestial, em suas riquezas imperecíveis.”5 ser aprendida e estudada cuidadosamente. Mo
Se você tem problemas com a adminis-
1. Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordomia, p. 113. tração de seu dinheiro, faça um orçamento. tor
2. Ibid., p. 117. Vis
Pode ser simples: totalize seus gastos por
3. Ibid., p. 15.
alguns meses e, em seguida, faça a média do
4. Ibid., p. 119.
5. Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 374. de suas despesas mensais. O segredo é viver Afi
sempre com os próprios recursos e fazer o víd
possível para evitar dívidas. ter
Lily Mclay | Reading, Berkshire, Reino Unido

90
arço Quarta, 14 de março

Confiança e fidelidade
EVIDÊNCIA

mor-
esse
omo
U m conhecido cântico infantil termina da seguinte forma: “Sim, Cristo me ama,
a Bíblia assim me diz”. Na minha opinião, a mordomia cristã está fundamentada
no amor de Cristo, porque a Bíblia diz que Ele me ama.
Certa noite, Mandrake, um garotinho de oito anos, estava sentado ao lado do pai
hor. na varanda de sua casa de campo na Jamaica, e cantava: “Sim, Cristo me ama, a Bíblia
tos, assim me diz”. O pai o interrompeu antes que ele continuasse a cantar, e perguntou:
para “Como você sabe que Jesus o ama?”
“A Bíblia diz”, Mandrake respondeu sem hesitação.
en- “Muito bem! A Bíblia também diz que você deve dar o dízimo. Você gostaria de
para começar a dar o dízimo?”
sam “Mas eu não tenho bastante dinheiro para colocar no envelope”, disse o garoto.
“A Bíblia não diz que é preciso colocar bastante dinheiro no envelope. Diz que devemos
dar 10% do que recebemos. Então, mesmo que você receba só 10 centavos, deve dar um
ver
centavo de dízimo.” Mandrake ouviu atentamente. “Você entende isso?” Perguntou-lhe o pai.
“Sim, papai, e porque eu amo a Jesus, quando ganhar qualquer dinheiro, eu mesmo
ve vou pôr meu dízimo no envelope e colocá-lo na salva de ofertas.”
ja? Hoje, já adulto, o empresário Mandrake continua devolvendo fielmente o dízimo.
Ele conta que nem sempre foi fácil,
Mãos à Bíblia especialmente quando morou fora
do seu país e teve que sustentar seus
4. Leia Deuteronômio 28:12. O que esse texto ensina
tes sobre as muitas dívidas? Qual princípio vemos em
estudos. Mas sempre teve fé. “Eu
3). atuação nesse verso? acredito que Deus sempre cumpre
As- a promessa que fez em Malaquias
Evitar dívidas o máximo possível é um princípio do 3:10. Ele nunca falhou. Nunca me
sas senso comum. A Escritura também nos desencoraja a faltou dinheiro”, explica Mandrake.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


ser fiadores das dívidas dos outros (Pv 17:18; 22:26). A “Os 90% que restam depois que
em dívida manipula o futuro e nos obriga a nos submeter eu devolvo o dízimo rendem mui-
às suas exigências a partir da nossa posição de fragili- to. Deus certamente derrama Suas
dade financeira. É um elixir suave que os cristãos julgam bênçãos, de maneira que posso ser
iro difícil de recusar e de administrar. Contrair dívida pode
generoso para com os outros”, afir-
ue não ser imoral, mas não fortalece nossa vida espiritual.
ar. “Deve-se ter em estrita consideração a economia,
ma. Mandrake tinha somente oito
os senão se incorrerá em pesadas dívidas. Conservem-­se anos quando aprendeu que a relação
um dentro dos limites. Evitem contrair dívidas assim como entre o amor de Deus e a fé na Bíblia
isa evitariam a lepra” (Ellen G. White, Conselhos Sobre teria uma influência positiva sobre
te. Mordomia, p. 272). sua vida.
nis- A dívida pode se tornar uma escravidão financeira, Quantas crianças em nossa igre-
to. tornando-nos um “servo do que empresta” (Pv 22:7). ja sabem que a mordomia ensina a
por Visto que a dívida está tão ligada à estrutura econômica viver em harmonia com o que Deus Designer

dia do nosso mundo, pensamos que ela seja o padrão. deseja para elas?
ver Afinal, nações inteiras se endividam; por que os indi-
Editor
ro víduos não deveriam fazer a mesma coisa? Não é certo
Albert A. C. Waite | Berkshire, Reino Unido
ter essa atitude.
C.Q.

91
Depto. Arte
Quinta, 15 de março

A tentação da satisfação própria


APLICAÇÃO

OPINIÃO
A cultura moderna sugere que a felicidade, o sucesso e a qualidade de vida estão em
possuir muitos bens e desfrutar experiências agradáveis. “O amor ao dinheiro e
às coisas que o dinheiro pode comprar é, de fato, um motivo primário ou secundário
C o
d
odia
por trás da maior parte das coisas que fazemos. […] Queremos achar o caminho da pod
felicidade consumindo, adquirindo e comprando – e queremos isso agora.”* D
A prática da mordomia cristã nos ajuda a lutar contra essas tentações do inimigo. ofer
A seguir, estão três passos para vencer a tentação da autogratificação. “Ho

Analise. Procure identificar e se conscientizar dos “ídolos” que estão consumindo que
sua atenção e seu tempo. Lembre-se de que felicidade e realização verdadeiras somente a re
são encontradas em Cristo. culp
Mãos à Bíblia não
Controle sua vontade. O Espírito Q
Santo pode lhe dar forças para vencer a 5. Como é possível lidar melhor com questões pess
tentação e os desejos. Cristo venceu o financeiras? (Pv 13:11; 21:5; 13:18) Assinale “V” Deu
inimigo pelo poder da Palavra de Deus para verdadeiro ou “F” para falso: aos
A. ( ) Aceitando conselhos, planejando e se
(ver Mt 4:3-10). Se você resistir ao diabo, aD
esforçando.
ele fugirá (Tg 4:7). Procure textos bíbli- B. ( ) Rejeitando a instrução, buscando dinheiro
cos que o ajudem a refletir sobre sua situ- fácil e tendo pressa. dívi
ação e reivindique as promessas divinas.
Os mordomos poupam para as necessidades M
Aja. Deus é suficientemente poderoso familiares e investem no Céu os recursos de Deus. ●● E
para lidar com qualquer situação que você A questão não é quanto possuímos, mas se temos
te
estiver enfrentando. Confie Nele e não em um plano bíblico de administração, seja qual for a
d
seus próprios sentimentos (ver Pv 3:5, 6). nossa situação. Poupar para atender às necessi- ●●D
Seja grato pelo que você já tem e o Senhor dades familiares deve ser algo feito com sabedo-
d
ria. A fim de minimizar as perdas, reparta o risco
lhe dará uma nova perspectiva de vida. p
(Ec 11:1, 2). Trabalhar com essa minimização antes
Ao dar esses três passos, você estará das próprias necessidades (Pv 24:27) e procurar
●● F
colocando Deus e Seu reino em primeiro v
aconselhamento qualificado de outras pessoas ●●
lugar, porque confia e crê que suas outras L
(Pv 15:22) são dois recursos eficazes nesse modelo.
necessidades serão satisfeitas (Mt 6:33). n
À medida que as necessidades forem satisfeitas e
A
nos tornarmos mais prósperos, devemos nos lem-
d
*Adam Hamilton, Enough: Discovering Joy Through brar do “SENHOR” (Dt 8:18).
Simplicity and Generosity (Nashville, Tenn.: Abingdon O modelo de investimento mais seguro para
Press, 2010), p. 74. o mordomo de Deus é investir no “reino dos Céus”
Gina Miller | Nottingham, Reino Unido (Mt 13:44). Não há recessão, riscos, ladrões nem
declínio no mercado. É como ter uma bolsa ou
uma carteira que nunca se desgastam (Lc 12:33).
Pense nisto Aceitar a Cristo é como abrir uma conta. Devolver o
●●  que tem influenciado seu hábito de
O dízimo e dar ofertas são depósitos. Isto é, por mais
gastar dinheiro com o que não é para a que precisemos cuidar das nossas necessidades,
glória de Deus? devemos manter nosso foco nas verdades eternas.

92
arço Sexta, 16 de março

a Reconheça a situação
OPINIÃO

em
ro e
ário
C omo cristãos, precisamos administrar sabiamente nosso dinheiro. Nossa maneira
de gastá-lo reflete a quem servimos. “Ninguém pode servir a dois senhores; pois
odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não
o da podem servir a Deus e ao dinheiro” (Mt 6:24).
Devemos dar prioridade ao que é mais importante. O dinheiro do dízimo e das
igo. ofertas voluntárias deve ser separado antes de comprometê-lo com qualquer despesa.
“Honra ao Senhor com os teus bens e com as primícias de toda a tua renda” (Pv 3:9).
Alguém pode se ver em dívidas por sua própria escolha ou por circunstâncias
ndo que fugiram do seu controle. Seja qual for a situação, é preciso reconhecer, assumir
ente a responsabilidade e pagar a dívida. Não devemos arranjar desculpas nem colocar a
culpa em outras pessoas pelas escolhas que fazemos, e não devemos fingir que a dívida
não existe. O cristão deve ter sua vida financeira em ordem.
Quando não pagamos o que devemos, negamos a fé. Isso pode impedir que outras
ões pessoas aceitem a verdade que professamos. Precisamos dedicar nossas finanças a
V” Deus em oração e não julgar os que estão em dificuldades. “Portanto, aceitem-se uns
aos outros, da mesma forma como Cristo os aceitou, a fim de que vocês glorifiquem
se
a Deus” (Rm 15:7).
iro
Sempre estaremos em débito para com nosso Salvador, que pagou o preço de nossa
dívida, tomou nosso lugar na cruz e morreu pelos nossos pecados. Como retribuição ao
que Ele fez, precisamos viver de maneira
des Mãos à obra a glorificar Seu nome.
us. ●● E stabeleça uma meta para pagar suas dívidas e
mos
tente comprar à vista em vez de utilizar cartão
ra
de crédito.
Pense nisto
ssi- ●●Desenhe um gráfico e marque o total de suas dívi- É mais fácil abrir mão do meu dinheiro

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


●●
do-
das. Toda vez que você pagar uma parte da dívida, para gastá-lo comigo mesmo ou para fazer
co
pinte de verde até aquele ponto. avançar a obra de Deus?
tes ●● Faça um orçamento de despesas e procure ●●V isto que o pagamento de uma dívida pa-
rar
viver com menos do que você ganha. rece ser algo urgente, tem prioridade sobre
oas ●● Leia livros sobre finanças e administração fi- a devolução do dízimo?
elo.
nanceira. Sugestões: Conselhos Sobre Mordomia; ●●Quando não devolvo o dízimo, estou em
se
Administração Eficaz; Administração Financeira débito com Deus. Como devo acertar essa
m-
da Família. situação?
ara
us”
em
ou
33).
ro
conexao.cpb.com.br Designer

ais
es, Editor

as.
C.Q.

93
Depto. Arte
Lição 12 17 a 23 de março

INTRODUÇÃO
M
perc
Dom
eu p
S
Rea
o ol

peq
da m
máx
uma
À
de D
pla
olho

M
1. L
1
D

Os hábitos
de um mordomo ram
ne
Seu
“Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a Tua palavra. Eu Te ceb
busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos Teus mandamentos. Guardei no rus
coração a Tua palavra para não pecar contra Ti” (Sl 119:9-11). era

lhe
Prévia da semana: Os hábitos negativos ou positivos são formados mediante cas
repetição. Os atletas desenvolvem suas habilidades executando repetidamente certos
exercícios. Por essa razão, quase todos os esportes chamam os períodos de preparação mu
para as competições futuras de treinos. Muitos já ouviram o ditado: “Pratique o que ha
ple
você prega”. No contexto da vida cristã, está na hora de levar a sério esse conselho.

Leitura adicional: Jeremias 29:13; Salmos 90:10, 12; Filipenses 4:8; 1 Coríntios 9:24- de
27. Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordomia, capítulo 23, “Os Princípios da Mordomia”

94
arço INTRODUÇÃO Domingo, 18 de março

A vista da janela do avião


M eu voo estava para aterrissar em Londres. Do meu assento junto à janela do avião
eu apreciava a vista lá embaixo. O rio Tâmisa, como uma serpente prateada,
percorria a metrópole. Pude ver o teto branco da Cúpula do Milênio (Millennium
Dome) e contar as pontes sobre o rio. O Palácio de Buckingham era tão pequeno que
eu podia colocá-lo em minha bolsa.
Seguimos rumo ao aeroporto Heathrow, passando pelo colorido Jardim Botânico
Real (Kew Gardens) e pelos belos ângulos do Palácio da Corte de Hampton. Levantei
o olhar e pude ver nuvens brancas cortadas por raios solares. Então o avião aterrissou.
Ao desfrutar aquela vista panorâmica, sentada na poltrona 27A do avião, tive um
pequeno vislumbre da visão que Deus tem de mim. Aqui, em terra, sinto-me prisioneira
da minha própria rotina. Posso ver somente o que está dentro da minha casa ou, no
máximo, ao redor dela. Lá em cima, tudo o que eu possuo parece tão pequeno como
uma conchinha numa praia banhada pelas ondas.
Às vezes, gosto de me sentar numa poltrona diferente, a poltrona que fica do lado
de Deus. Procuro olhar para o mundo com a perspectiva Dele, que é bem mais am-
pla do que a vista que tive da janela do avião. Quando olho para as coisas através dos
olhos de Deus, e encontro meu lugar no Universo, tudo o que possuo se torna insig-
nificante. Vejo as necessidades dos
Mãos à Bíblia outros, e não apenas meus desejos. Vejo
Deus olhando para a frente, ansioso de
1. Leia Mateus 22:37, 38, Atos 17:28, Efésios 5:15-
17 e Colossenses 3:23. Como podemos colocar
pôr fim ao sofrimento que Ele contem-
Deus em primeiro lugar em nossa vida? pla em toda parte.
Imagino que haja lágrimas em Seus
olhos quando contempla o caos reinan-
te em nosso mundo. Em Sua onisci-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


ência, Ele conhece o drama que cada
pessoa vive: lutas, falta de esperança,
De todos os exemplos de pessoas que busca- solidão, temor e lágrimas.
ram o Senhor em primeiro lugar, é evidente que “Karen”, diz Ele, “Eu posso vê-los,
nenhum é melhor do que Jesus. Cristo colocava
mas eles não podem Me ver. É sua res-
Seu Pai em primeiro lugar em todas as coisas. Per-
cebemos essa prioridade durante Sua visita a Je-
ponsabilidade usar tudo o que Eu lhe
Te
o rusalém, por ocasião da Páscoa, quando Ele ainda dei – dons, tempo, recursos, energia,
era uma criança. Quando foi confrontado por Sua amor, tudo, para compartilhar com
mãe, que O havia encontrado “no templo”, Jesus todos os que você encontrar. Essa é a
lhe disse: “Não sabíeis que Me cumpria estar na melhor maneira pela qual eles podem
ante casa de Meu Pai?” (Lc 2:46, 49). ver quanto os amo. Não se preocupe
rtos Ao longo de Sua vida, Jesus almejava co- com nada. Quanto mais você compar-
ação munhão com Seu Pai, como vemos em Sua vida tilhar as boas-novas do evangelho, mais Designer

que habitual de oração. Os discípulos não entendiam bênçãos receberá. Juntos podemos fazer
plenamente esse hábito. Nenhum poder das trevas
ho. a diferença. Confie em Mim.” Editor
pôde separar Jesus do Pai, pois Ele tinha o hábito
:24- de Se manter totalmente conectado com Deus.
mia” Karen Holford | Hemel Hempstead, Reino Unido
C.Q.

95
Depto. Arte
Segunda, 19 de março

O propósito de servir

EXPOSIÇÃO
EVIDÊNCIA

O bserve seu currículo mais recente. O que você já fez? Tudo o que está nele foi
realizado e conquistado para satisfazer seus desejos e ambições ou foi a trajetória
de um mordomo que deseja servir a Deus e ao próximo?
B u
le
cris
Peter Block oferece uma trilogia sucinta: “Mordomia é honrar aquilo que lhe é tegr
dado, usar o poder com bondade e servir a propósitos maiores do que a si mesmo.”1
Tudo neste mundo nos foi dado de presente no dia em que nascemos. É nosso privilégio man
honrar esse legado como retribuição ao Doador. A economia celestial reconhece que Pai
somos apenas arrendatários das coisas que pertencem a Deus. Sua
Os mordomos do Senhor têm consciência da sua responsabilidade pelo meio a Bí
ambiente. Devem ser pacificadores em meio aos conflitos e tensões que afetam a e pe
humanidade. Nosso papel é administrar com sabedoria todas as coisas que nos foram
confiadas. O que Jesus faria? Nosso desafio é desenvolver habilidades e consciência
espiritual de tal maneira que possamos glorificar o nome de Deus. de “
Uma pressuposição comum na economia popular é que trabalhamos melhor bíbl
quando buscamos nossos próprios interesses. Uma teoria diz que somos motivados reve
pela ganância e pela avareza, e que diss
o crescimento econômico produzido Mãos à Bíblia tem
pela competição de mercado diminui
a pobreza. 2. Leia Lucas 12:35-48. Como devemos nos relacio- tom
Embora seja verdade que as pes- nar com a questão da segunda vinda de Jesus? com
Assinale a alternativa correta:
soas são receptivas a recompensas, o A. ( ) Devemos fazer o que bem entendemos,
to, d
cristão se identifica com propósitos pois Ele demorará para voltar. enc
maiores do que o interesse próprio. B. ( ) Devemos buscá-Lo e aguardá-Lo com vigi-
John F. Kennedy, um dos mais famo- lância e oração. U
sos presidentes dos Estados Unidos, enc
disse: “Não pergunte o que seu país A mordomia deve ser praticada habitualmente o te
pode fazer por você; pergunte o que à luz do retorno de Jesus. O caráter dos mordomos adm
você pode fazer por seu país.”2 Em infiéis que agem como fiéis será finalmente revelado E
outras palavras, não devemos esperar por suas ações, pois mordomos verdadeiros e fiéis “deu
somente pelo que Deus pode fazer por desempenham suas responsabilidades, vigiando e graç
trabalhando como se o mestre estivesse presente.
nós, mas buscar a direção do Seu Es- Eles vivem para o futuro e trabalham fielmente dia Jó o
pírito para fazer o que Ele espera que a dia. “Pois a nossa pátria está nos Céus, de onde “um
façamos por este mundo. também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus “
Cristo” (Fp 3:20). do s
1. Peter Block, Stewardship: Choosing Service Over
Abraão aguardava uma cidade eterna (Hb 11:10), crem
Self-interest (Portland, Ore.: ReadHowYouWant
Publishers, 2014), p. 22. e Paulo, o retorno de Cristo (Hb 10:25). Eles pensavam revi
2. Http://voicesofdemocracy.umd.edu/kennedy- no futuro; esperavam, planejavam e estavam prontos
inaugural-address-speech-text/. para encontrar Jesus. Devemos também desenvolver M
esse hábito de contemplar fixamente o futuro, aguar- prom
Victor Pilmoor | Watford, Reino Unido
dando o ponto culminante do evangelho (Tt 2:13). men
gera

96
arço Terça, 20 de março
Desenvolvendo
EXPOSIÇÃO

hábitos e mantendo a fé
e foi
ória B uscar a Deus em primeiro lugar (Jr 29:13). Pesquisas recentes revelam que
leva cerca de 66 dias para que um novo hábito se torne automático. A mordomia
cristã tem a ver com o desenvolvimento de hábitos que finalmente se tornam parte in-
he é tegrante do estilo de vida. Buscar a Deus em primeiro lugar deve ser um desses hábitos.
mo.”1 John Wesley disse: “Temos necessidade de nos afastar do mundo, pelo menos de
égio manhã e à noite, para conversar com Deus, para comungar mais livremente com nosso
que Pai que está em secreto.”1 Deus deve ocupar o centro da nossa vida e a submissão à
Sua vontade deve ser nossa principal preocupação. Não é suficiente simplesmente ler
meio a Bíblia. É preciso estudar a Palavra de Deus com oração para enxergar nossos erros
ma e pecados. Somente assim seremos transformados.
ram
ncia Aguardar a volta de Jesus (Hb 11:10). O texto de Hebreus 11 tem sido chamado
de “a galeria dos heróis da fé”. Nesse capítulo encontramos uma lista de personagens
hor bíblicos que acreditaram que o impossível era possível por meio do poder divino. A fé
dos revelada por Abraão o capacitou a crer que teria um filho em idade avançada. Além
disso, ele também “esperava a cidade que Deus planejou e construiu, a cidade que
tem alicerces que não podem ser destruídos” (Hb 11:10, NTLH).
O inimigo usa todas as suas artimanhas para nos convencer de que não precisamos
io- tomar decisões nem mudar nossos hábitos para melhor servir a Deus. No entanto,
us? como mordomos do Senhor, sabemos que um dia prestaremos contas a Ele. Portan-
os,
to, diariamente necessitamos tomar decisões ao lado da verdade para que sejamos
encontrados como mordomos fiéis quando o Salvador regressar.
gi-
Usar o tempo sabiamente (Ef 5:16). Em Efésios 5:16, o apóstolo Paulo nos
encoraja a aproveitar “ao máximo cada oportunidade”. O mordomo diligente sabe que

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


nte o tempo é um dos mais preciosos presentes divinos dados aos seres humanos. Ele
mos administra seu tempo aproveitando cada minuto.
do Em nossos dias, há muito desperdício de tempo. Muitas horas são gastas com os
éis “deuses da tecnologia”. Precisamos administrar esse valioso presente, um dom da
oe graça divina. O salmista Davi comparou o tempo a um “sopro” (Sl 39:5), o patriarca
nte.
dia
Jó o descreveu como “uma sombra” (Jó 8:9), e o apóstolo Tiago disse que o tempo é
de “uma neblina” (Tg 4:14).
sus “E digo isto a vós outros que conheceis o tempo: já é hora de vos despertardes
do sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio
10), cremos. Vai alta a noite, e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas e
am revistamo-nos das armas da luz” (Rm 13:11, 12).
tos
Designer
ver Manter a mente e o corpo saudáveis (1Ts 5:23). O fiel mordomo mantém e
ar- promove hábitos saudáveis. Eles incluem não somente a saúde física, mas também a
3). mental e a espiritual. Manter boa forma física, o bem-estar emocional e a vitalidade, Editor

gera atitudes positivas e resiliência diante dos desafios da vida cotidiana.


Porém, é preciso também manter ligação ininterrupta com nosso Pai celestial,
C.Q.

97
Depto. Arte
porque “alguns dias, embora não consigamos orar, a oração sairá espontaneamente
[…] e embora estejamos sem fé, a verdade entrará em nosso coração.”2

TESTEMUNHO
Para manter corpo e mente saudáveis o mordomo do Senhor precisa controlar sua
alimentação, fazer exercícios físicos (caminhar, nadar, correr, frequentar academia,
etc.), e se beneficiar da luz solar nos horários permitidos. Quando você se hidrata com
água, não somente beneficia o corpo, mas também revigora a mente. É indispensável
dormir em horários regulares, tendo um sono tranquilo e reparador. Mas, acima de
tudo, manter a confiança em Deus é o mais importante. Portanto, que espírito, alma
e corpo sejam conservados saudáveis e sem mancha na vinda de nosso Senhor Jesus
O
Cristo (1Ts 5:23)! dev
vem
Autodisciplina (1Tm 4:8). “O exercício corporal é bom, porém o exercício espi- mos
ritual é muito mais importante, e é um revigorante para tudo o que você faz. Portanto,
exercite-se espiritualmente e empenhe-se em ser um cristão cada vez melhor, porque men
isso o ajudará, não só agora, nesta vida, mas também na vida futura” (1Tm 4:8, Bíblia ou c
Viva). O rei Salomão foi o homem mais sábio que já viveu. Quando era jovem, levou mom
uma vida ordenada e moderada, mas com o tempo perdeu o domínio próprio e “seu mat
coração já não era totalmente dedicado ao Senhor, o seu Deus” (1Rs 11:4). ou t
Um bom mordomo do Senhor entende o valor do domínio próprio, escolhendo a pelo
integridade em lugar da autossatisfação, e não foss
permite que seus anseios e desejos terrestres Pense nisto Op
atrapalhem sua meta de alcançar o Céu. os h
●● á algum hábito que você deve ad-
H qua
quirir para ser um bom mordomo do “
1. John Wesley, The Works of the Reverend John Wesley, v. 1 (New York,
Senhor?
NY: The Methodist Book Concern, 1831), p. 212.
●●
cida
2. Carol Ann Duffy, Selected Poems (New York, NY: Penguin Global, Examine seu estilo de vida. Você
tem se esforçado para colocar Deus
dad
2009), p. 91.
em primeiro lugar?
Catherine Anthony Boldeau | Hertfordshire, Reino Unido
M
Mãos à Bíblia 4.

3. O que os seguintes textos ensinam sobre o nosso tempo na Terra? Tg 4:14; Sl 39:4, 5; 90:10, 12;
Ec 3:6-8. Qual é o valor do nosso tempo? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
A. ( ) Temos pouco tempo; devemos desfrutar os prazeres terrestres.
B. ( ) Somos como a neblina passageira; nossos dias na Terra são muito curtos. Precisamos usar
com sabedoria o tempo que temos aqui.

Visto que o tempo é tão limitado e não volta atrás, é importante que os cristãos o administrem
bem.
Portanto, devemos desenvolver o hábito de usar o tempo com sabedoria, concentrando-nos
naquilo que é importante nesta vida e na vida futura. Devemos administrar o tempo com base no can
que a Palavra de Deus revela como sendo importante, pois uma vez que o tempo acaba, ele não me
pode ser renovado. Se perdemos dinheiro, podemos recuperá-lo, e talvez obter até mais do que pre
o montante perdido. Não é assim com o tempo. Um minuto perdido está perdido para sempre. É no
mais fácil colocar um ovo quebrado de volta em sua casca do que voltar um momento no passado. pro
O tempo é um dos bens mais preciosos que Deus nos deu. Então, é importante desenvolver o de
hábito de aproveitar ao máximo cada momento. os
pro
me

98
ente TESTEMUNHO Quarta, 21 de março
sua
mia,
com
O sábio uso do tempo
ável
a de
lma
esus
O tempo é precioso. Não devemos desperdiçá-lo, pois prestaremos contas dele a
Deus. Ele deve ser usado em tudo para a glorificar o Criador.
“Jesus Cristo é nossa pedra de toque espiritual. Ele revela o Pai. Coisa alguma
deve ser dada como alimento ao cérebro que traga à mente alguma névoa ou nu-
vem em relação à Palavra de Deus. Nenhuma desatenção negligente deve ser
spi- mostrada em relação ao cultivo do solo do coração.”1
nto, “Do justo emprego do tempo depende nosso êxito no conhecimento e cultura
que mental. A cultura do intelecto não precisa ser tolhida por pobreza, origem humilde
blia ou circunstâncias desfavoráveis, contanto que se aproveitem os momentos. Alguns
vou momentos aqui e outros ali, que poderiam ser dissipados em conversas inúteis; as horas
“seu matutinas tantas vezes desperdiçadas no leito; o tempo gasto em viagens de bonde
ou trem; ou em espera na estação; os minutos de espera pelas refeições, de espera
do a pelos que são impontuais – caso houvesse um livro à mão, e esses retalhos de tempo
fossem empregados estudando, lendo ou meditando, o que não poderia ser conseguido!
O propósito resoluto, a aplicação persistente e cautelosa economia de tempo habilitarão
os homens para adquirirem conhecimento e disciplina mental que os qualificarão para
ad- quase qualquer posição de influência e utilidade.
do “É o dever de todo cristão adotar hábitos de ordem, perfeição e presteza. […] De-
cidam quanto tempo requer certo trabalho, e então se esforcem para executá-lo no
ocê
eus
dado tempo. O exercício da força de vontade tornará as mãos mais ágeis.”2
“Se cada momento fosse devidamen-
te avaliado e empregado do modo ade-
Mãos à Bíblia quado, teríamos tempo para tudo que
4. Leia Atos 3:21 e Apocalipse 21:1-5. Que es- necessitamos fazer para nós mesmos ou
perança encontramos nessas passagens? para o mundo. No emprego do dinhei-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


12; Como devemos viver enquanto esperamos ro, no uso do tempo, das energias e das
essa restauração final? oportunidades devemos nos voltar para
sar Deus em busca de direção.”3
1. E llen G. White, Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 92.
2. _ __________ , Parábolas de Jesus, p. 343, 344.
em 3. ___________ , A Ciência do Bom Viver, p. 208.

nos Quando esteve na Terra, Cristo trabalhou in- Bernie Holford | Hemel Hempstead, Reino Unido
no cansavelmente em favor da elevação espiritual,
ão mental e física da humanidade. Tudo isso foi um
ue precursor da restauração final que Ele realizará Pense nisto
e. É no fim dos tempos. O ministério de cura de Jesus ●●  uais são os maiores desafios que você
Q
do. prova que Deus deseja que tenhamos tanta saú- Designer
enfrenta no uso do tempo?
ro de quanto possível até que venha o fim. Portanto, ●●Se você administrasse melhor seu tempo,
os mordomos devem desenvolver hábitos que o que mais conseguiria fazer para Deus? Editor
promovam um estilo de vida saudável para a ●●Você tem dedicado algum tempo para
mente e o corpo. ajudar outras pessoas a conhecer Jesus?
C.Q.

99
Depto. Arte
Quinta, 22 de março

Hábitos que facilitam a mordomia


APLICAÇÃO

OPINIÃO
T ornar-se um mordomo de Deus não é algo que ocorre por acidente. A mordomia
cristã é um estilo de vida que precisa ser desenvolvido, não acontece do dia para a
noite. Peça a Deus que o conduza na formação dos cinco hábitos abaixo:
M
de c
usar
Hábito 1: Colocar Deus em primeiro lugar. Comece e termine seu dia com já n
Deus. Coloque Deus antes do Facebook, dos estudos, do trabalho, do esporte, do
celular e de qualquer outra coisa que atrapalhe Sua prioridade. Cristo disse: “Ame “E e
o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu con
entendimento. Este é o primeiro e maior mandamento” (Mt 22:37, 38). Ordenar as apre
prioridades é algo fundamental para a santificação. Mas você ficará surpreso com amo
as bênçãos que receberá. defi

Hábito 2: Desenvolver a autodisciplina. Ninguém pode fazer isso por você. do M


O Senhor usou Paulo e Pedro para mudar o mundo depois que eles aprenderam a se nico
disciplinar sob o poder do Espírito Santo. tem

Hábito 3: Manter-se saudável. Não podemos servir inteiramente a Deus se para


não estamos bem. Nossa mensagem de saúde contém conselhos e orientações claras trás
a respeito do estilo de vida saudável. Até mesmo pessoas não adventistas têm sido os p
beneficiadas com sua prática. ceir
no c
Hábito 4: Administrar o tempo. No mundo agitado em que vivemos, a admi-
nistração do tempo é de vital importância. Elaborar um bom planejamento do tempo é Deu
a melhor maneira de ter tempo para Deus, conseguir fazer as coisas, reduzir o estresse o sig
e ser bem-sucedido na vida.

Hábito 5: Imitar o exemplo de Cristo. M


“A infância de Jesus, passada na pobreza, não Mãos à Bíblia ●● P
foi contaminada pelos hábitos artificiais de uma c
era corrupta. […] As horas de maior felicidade 5. Leia 1 Coríntios 9:24-27. Qual é a men- A
sagem do texto? O que está em jogo p
para Ele eram aquelas em que podia Se afastar
quando a questão é a moderação? ●●In
do cenário de Seus labores e ir para o campo a
s
meditar nos quietos vales, a entreter comunhão “Multiplicam-se os ardis de Satanás d
com Deus […]. O amanhecer O encontrava para a destruição. Todos quantos querem ●● V
muitas vezes em algum lugar retirado, medi- aperfeiçoar a santidade no temor de Deus a
tando, examinando as Escrituras, ou em oração. têm que aprender as lições da temperança s
Com cânticos saudava a luz matinal. Com hinos e do domínio próprio. Essa autodisciplina li
de gratidão alegrava Suas horas de labor, e le- é essencial àquela resistência mental e ●●E

vava a alegria celestial ao cansado e ao abatido” visão espiritual que nos habilitarão para s
(Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 52). compreender e praticar as sagradas ver-
dades da Palavra de Deus” (Ellen G. White,
O Desejado de Todas as Nações, p. 101).
Mike Lewis | Crieff, Escócia

100
arço Sexta, 23 de março

ia Sob nova direção


OPINIÃO

mia
ra a M inha passagem preferida da Bíblia é Gálatas 2:20: “Já não sou eu quem vive, mas
Cristo vive em mim”. Não é uma promessa de esperança, nem uma passagem
de conforto, mas uma declaração de fé do seguidor de Cristo. A metáfora que gosto de
usar é a ideia de que Cristo está gerenciando minha vida. E se Ele está no comando,
com já não sou eu quem a dirige, mas o Espírito Santo que habita em mim.
, do Tudo seria perfeito se não fossem as palavras da segunda parte da passagem:
Ame “E esse viver que, agora, tenho na carne…” (Gl 2:20). Isso revela uma luta constante
seu contra a inclinação para o pecado. Embora Paulo tenha levantado o problema, ele
r as apresentou também a solução. E a solução é viver “pela fé no Filho de Deus, que me
com amou e a Si mesmo Se entregou por mim” (Gl 2:20). O teólogo anglicano John Stott
definiu graça como “o amor que se importa e desce de sua posição para poder salvar.”1
No futebol, o papel do técnico é fundamental. Houve uma época em que o time
ocê. do Manchester United fez muito sucesso. Foi a capacidade de liderança do seu téc-
a se nico, Alex Ferguson, que fez com que a equipe ganhasse taças e troféus em todas as
temporadas!
Você consegue imaginar o que aconteceria à igreja se convidássemos o Senhor
s se para ser nosso gerente e aceitássemos Sua liderança em tudo? Se deixássemos para
aras trás slogans, clichês religiosos e estratégias humanas? Imagine uma igreja em que
sido os problemas de liderança, apostasia, falta de comprometimento, dificuldades finan-
ceiras e divisão fossem lembranças do passado, pelo fato de Deus estar inteiramente
no controle!
mi- O hino de Frances R. Havergal resume a essência da mordomia cristã: “Toma, ó
po é Deus, em Tua mão, como está, meu coração.”2 Espero que não apenas entendamos
esse o significado dessas palavras, mas também as vivamos.

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


1. J ohn Stott, “What Is Grace?” http://www.christianity.com/
Mãos à obra theology/what-is-grace.html, acessado em 17 de outubro
de 2016.
●● P rocure conhecer algo novo sobre um amigo, 2. F rances R. Havergal, “Toma, ó Deus, Meu Coração”, (Hinário
colega de trabalho ou membro da sua igreja. Adventista, 298).
en- Analise como você pode usar seus talentos Dave Neal | St. Albans, Reino Unido
go para ser uma bênção na vida dessa pessoa.
●●Inicie uma rotina de exercícios, mesmo que

seja durante meia hora por dia. O corpo sau-


Pense nisto
nás dável mantém a mente saudável. ●● S e Deus Se tornasse o Dirigente da sua vida
em ●● Visite um hospital, orfanato, asilo, etc., com hoje, que mudanças você gostaria que Ele
eus alguns jovens da sua igreja. Compartilhem fizesse?
nça seu tempo com as pessoas. Levem alguma ●●Numa escala de 0 a 10, quanto você tem se
na literatura para entregar. empenhado para consagrar a Deus todas as
Designer
l e ●●Envolva-se em um projeto para evangelizar áreas da mordomia cristã (tempo, templo,
ara sua comunidade. dons e bens)?
er- Editor
te,

C.Q.

101
Depto. Arte
Lição 13 24 a 30 de março

INTRODUÇÃO
V o
P
des?

das
esti
reto
tính
D
que
pelo
N
aqu
pres
para
insi
pagá
chor
o di
dela
Q
suar

Os resultados M
1. L
d

da mordomia cristã 2.
d

“Vivam entre os pagãos de maneira exemplar para que, naquilo em que eles os acusam de
praticarem o mal, observem as boas obras que vocês praticam e glorifiquem a Deus no dia da
Sua intervenção” (1Pe 2:12).

Prévia da semana: O resultado da mordomia depende de Deus, que sempre faz Sua
parte, e também depende de mordomos imperfeitos, que às vezes seguem Suas instru- um
ções completamente, algumas vezes de maneira imperfeita, outras parcialmente, e às ap
vezes não as seguem. O elemento humano é a variável. Para melhorar os resultados, do
devemos aperfeiçoar o mordomo. ra d
lhe
Leitura adicional: Gênesis 39:4-6; 1 Pedro 4:10, 11; 1 Timóteo 4:14-16; Provérbios 16:3.
no

102
arço INTRODUÇÃO Domingo, 25 de março

Nosso Provedor celestial


V ocê já questionou o cuidado de Deus? Duvidou que Ele realmente Se importasse?
Pensou que Ele não via suas lágrimas nem Se preocupava em suprir suas necessida-
des? Pois foi exatamente em uma dessas ocasiões que Deus mostrou ser meu Provedor.
Lembro-me desse dia como se fosse ontem. Mesmo sem poder, prometi a uma
das minhas melhores amigas que tomaria conta de sua cachorrinha enquanto ela
estivesse ausente, viajando. Minha amiga me disse que faria questão de pagar quando
retornasse. No entanto, não foi por dinheiro que concordei. Ela era minha amiga e
tínhamos passado muita coisa juntas. Eu seria capaz de fazer qualquer coisa por ela.
Dois dias depois, quando ela retornou de viagem, fiquei feliz pela oportunidade
que havia tido de cuidar de Lucy e por devolver à minha amiga aquela “bolinha de
pelo”, viva e saudável!
Naquele dia, eu ainda tinha muitas coisas para fazer. Uma delas era inadiável, pois
aquela era a data final para a renovação da minha carteira de motorista, e eu estava com
pressa. Entreguei Lucy para minha amiga e já ia me despedindo quando ela insistiu
para que eu aceitasse algum dinheiro. Eu disse: “Não, não precisa”, mas ela continuou
insistindo. Lembrei da renovação da carteira e de que eu precisava arranjar um jeito de
pagá-la. Então, pensei: “Ela não vai me dar muito dinheiro, já que eu fiquei com a ca-
chorrinha somente dois dias. Mas qualquer quantia será bem-vinda e ajudará.” Ela pegou
o dinheiro que estava enrolado em sua mão e me entregou. Rapidamente me despedi
dela e segui para o departamento de trânsito. Não quis olhar a quantia na frente dela.
Quando cheguei ao local da renovação da carteira, olhei as taxas e comecei a
suar. Provavelmente eu não tinha dinheiro suficiente em minha conta corrente para
pagá-las. Havia uma taxa de renovação
de 79 dólares, outra taxa de 2 dólares
Mãos à Bíblia para a emissão do documento, mais 9

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


1. Leia 2 Timóteo 3:1-9. Qual é a advertência dólares para a inspeção veicular, totali-
de Paulo nessa passagem bíblica, relaciona- zando 90 dólares. Onde eu arranjaria
da diretamente à vida de um mordomo fiel? esse dinheiro? Decidi conferir o que ha-
via recebido de minha amiga para ver se,
2. Leia Ezequiel 14:14. Como era o caráter des- juntando com o que eu tinha de saldo no
ses homens? O que eles tinham em comum
que deve ser visto em todos nós? Assinale
banco, daria para pagar as taxas. Para
a “V” para verdadeiro ou “F” para falso: minha surpresa, a quantia que eu havia
A. ( ) Eles eram ricos e poderosos. recebido por ter cuidado de Lucy eram
B. ( ) Eles eram justos. exatamente 90 dólares!
Louvado seja Deus pelas Suas inesgotá-
Sua A mordomia é, realmente, a expressão de veis misericórdias e pela maneira como Ele
tru- uma vida piedosa. Os mordomos fiéis não têm age e cuida dos Seus fillhos! Não deixemos
Designer
e às apenas uma aparência de piedade. Eles são pie- de confiar em nosso Pai celestial, pois Ele
dos, dosos, e essa piedade é revelada em sua manei- sempre supre todas as nossas necessidades!
ra de viver e de lidar com os recursos que Deus Editor
lhes confiou. Sua fé é expressada não apenas
16:3. no que fazem, mas também no que não fazem.
Heather Maria Jamieson |
Nashville, Tennessee, EUA
C.Q.

103
Depto. Arte
Segunda, 26 de março
do m
Os resultados tive
to, c
EXPOSIÇÃO

da mordomia cristã luz


refle

M ordomia e Piedade (Jó 1:1; 2:3; Sl 4:3; Ez 14:14; 2Tm 3:1-9). A piedade
e a sua prática começam com Deus. Amamos porque Deus nos amou primeiro.
Confiamos Nele porque primeiramente Ele Se mostrou digno de confiança. Assim
lum
líde
como o refletor de uma lanterna é inútil sem a lâmpada, nossos esforços para moldar a in
o caráter à semelhante de Cristo são inúteis sem a ação primária de Deus. Ele nos
convida a retribuir Suas iniciativas. Àqueles que aceitam esse convite, Deus oferece tial.
oportunidades e confia responsabilidades. E tudo isso resulta em um relacionamento noss
cada vez mais íntimo com nosso Pai celestial.
Davi tinha segurança em seu relacionamento com Deus. Ele sabia que havia sido P
escolhido pelo Senhor e confiou em Sua direção. Embora refugiado, Ezequiel também pred
confiou na providência divina. Jó, inicialmente, não entendeu sua provação, porém se todo
recusou a rejeitar o Senhor e foi recompensado. Paulo foi fiel até a morte. Ezequiel, outr
Todos eles foram mordomos fiéis ao Senhor. pres
sacr
Contentamento (Rm 8:28; 1Tm 6:5-8; Hb 13:5). O apóstolo Paulo escreveu as p
que a “piedade com contentamento” (1Tm 6:6) é grande fonte de lucro. Por que essa
ênfase no contentamento? com
O contentamento demonstra confiança em Deus. Mostra nossa fé no cuidado Da-
quele que vestiu a terra com relva, e que alimenta os pardais e os animais do campo. Pe
Quem melhor do que Paulo pode nos ensinar essa lição? O livro de Atos e muitas de ●● 
C
suas cartas relatam suas provações: açoites, naufrágios, prisões, fome, ridicularização, fi
etc. No entanto, ele declarou que tinha contentamento mesmo nessas circunstâncias: ●●O
“Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação” (Fl 4:11). Como isso foi possível? p
Ele acreditava que Deus supriria suas necessidades. lu
Muitas vezes queremos determinar as nossas necessidades. Geralmente a lista
inclui mais desejos do que necessidades. Quando rejeitamos a influência dos pro-
gramas de televisão, comerciais e propagandas, e permitimos que Deus determine M
quais necessidades devem ser supridas, é certo que Ele as suprirá de acordo com Sua
3.
vontade, e não teremos falta de nada.

Confiança (Is 55:9; Mt 22:37; 1Co 4:5; 13:12). A confiança é não somente a
base do contentamento mas também um pré-requisito para a piedade. É o mais claro
indicativo do genuíno amor. Se uma criança aceita alegremente que seu pai a jogue
de brincadeira para o ar e a pegue de volta em segurança, é porque confia naquele de
que a ama e quer o seu melhor. Ela sabe que seus pais a alimentam, colocam para cio
dormir, abraçam, e nunca fariam nada com o propósito de feri-la. de
De maneira idêntica, embora sejamos lançados nos altos e baixos da vida, ao
confiamos em Deus e sabemos que Ele prova Seu amor para conosco de muitas Ch
formas. Como escreveu o apóstolo Paulo: “Todas as coisas cooperam para o bem 4. L
daqueles que amam a Deus” (Rm 8:28). Se nosso Pai celestial esteve disposto a dar
Seu Filho, e o Filho esteve disposto a dar a vida, como podemos duvidar e deixar
de confiar Nele?

104
arço Nossa influência (Lc 11:33; Jo 8:12; 1Pe 2:11, 12; 1Jo 1:7). Jesus é a luz
do mundo e Seus seguidores devem refletir Sua luz. Não somos fontes de luz. Se não
tivermos Cristo como farol em nossa vida, não podemos refleti-Lo a outros. Portan-
to, como cristãos, precisamos estar sempre numa atitude em que possamos captar a
luz celestial, e estar constantemente numa posição em que a luz de Cristo possa ser
refletida em nossa vizinhança, local de trabalho, círculo familiar e social.
ade Embora os refletores não possam originar a luz, há coisas que podem ofuscar sua
eiro. luminosidade. Espelhos embaçados, neblina, panos que a encobrem. Quantas vezes
sim líderes religiosos de destaque são apanhados em algum pecado público e “ofuscam”
ldar a influência positiva do cristianismo?
nos Não devemos jamais abrigar o pensamento de que somos originadores da luz celes-
rece tial. Porém, é nosso dever crescer na capacidade de refletir o amor divino, submetendo
ento nossas faltas ao poder purificador do Espírito Santo.

sido Palavras finais (Mt 12:30; 25:21; Rm 3:21; 4:6; Hb 11:13, 14). Cristo
bém predisse que no tempo do fim haveria um julgamento no qual o destino eterno de
m se todos seria decidido. Alguns ouvirão as palavras: “Muito bem, servo bom e fiel”;
uiel, outros ouvirão: “Afastem-se de Mim”. Infelizmente, muitos ficarão totalmente sur-
presos ao ouvirem as palavras de reprovação. Apresentarão suas obras e seus atos de
sacrifício como razão para reivindicar entrada no reino de Deus. Serão muito tristes
eveu as palavras de Cristo a eles: “Nunca os conheci”.
essa Deus não levará em conta apenas o comportamento exterior. Somente aqueles que,
com o coração transformado, verdadeiramente refletirem Cristo em sua vida serão
Da- achados dignos do Céu. A genuína confiança na
mpo. Pense nisto misericórdia divina e a fé no amorável sacrifício
s de ●●Como posso aumentar minha con- de Jesus é o único meio pelo qual podemos ser
ção, fiança em Deus? salvos. E a verdadeira salvação se revela na vida
cias: ●●O que devo fazer para “polir meu es- de obediência por amor.
vel? pelho” e refletir mais intensamente a
luz de Cristo? Dan Solís | College Place, Washington, EUA
ista

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


pro-
mine Mãos à Bíblia
Sua
3. Leia Filipenses 4:11. Se devemos estar contentes em toda e qualquer situação, qual deve ser
a origem principal desse contentamento? Assinale a alternativa correta:
A. ( ) O relacionamento com Deus.
te a B. ( ) As coisas que já conquistamos na Terra.
laro
gue “O contentamento em todas as situações é uma grande arte, um mistério espiritual. Deve ser
uele descoberto como um mistério […]. O contentamento cristão é aquela doce, interior, calma e gra-
para ciosa disposição de espírito, que se submete livremente e se deleita na sábia e paternal vontade
de Deus em todas as situações […]. É um frasco de unguento precioso, muito reconfortante e útil
ida, ao coração perturbado, em tempos e situações difíceis” (Jeremiah Burroughs, The Rare Jewel of
itas Christian Contentment [A joia rara do contentamento cristão], p. 1, 3). Designer

bem 4. Leia Romanos 8:28, Hebreus 13:5 e Filipenses 4:4-13. O que pode nos ajudar a viver contentes?
dar Editor

ixar
C.Q.

105
Depto. Arte
Terça, 27 de março
TESTEMUNHO

As bênçãos da benevolência

EVIDÊNCIA
“A doação que é fruto da abnegação, é admirável auxílio ao doador. Transmite uma
educação que nos habilita mais plenamente a compreender a obra Daquele que
andava fazendo o bem, aliviando o sofredor e suprindo as necessidades dos desampa-
O
mem
rados. O Salvador não vivia para agradar a Si mesmo. Em Sua vida não havia nenhum T
traço de egoísmo.”1 cris
“Somente quando o egoísmo estiver morto, a contenda pela supremacia banida, S
o coração repleto de gratidão e o amor houver tornado fragrante a vida, Cristo pode vive
habitar na alma, e somos reconhecidos como coobreiros de Deus.”2 Meu
“As ofertas do pobre, doadas com abnegação para ajudar a difundir a preciosa O
luz da verdade salvadora, não somente serão para Deus um cheiro suave e Lhe serão que
completamente aceitáveis como uma dádiva consagrada, mas o próprio ato de doar Se o
expande o coração do doador e o une cada vez mais ao Redentor do mundo.”3 todo
“Bom seria para os pais aprender do homem de Uz uma lição de firmeza e devoção. aqu
Jó não negligenciou seu dever para com os de fora da família; foi beneficente, bondoso, ‘Sen
atencioso quanto aos interesses do próximo; e, ao mesmo tempo, trabalhava fervorosa- dem
mente pela salvação da própria família.”4 os c
“Entretanto, o caráter não é transferível. Mãos à Bíblia
Ninguém pode crer por outro. Ninguém pode
receber por outro o Espírito. Ninguém pode 5. Leia Provérbios 3:5. Qual é a mensagem
dar a outrem o caráter que é o fruto da ope- fundamental para nós nesse texto? M
ração do Espírito. ‘Mesmo que Noé, Daniel (Veja também Is 55:9; 1Co 4:5; 13:12). 6.
e Jó estivessem [na terra], eles não poderiam
O lema e objetivo do mordomo de
livrar seus filhos e suas filhas. Por sua justiça Deus é confiar no Senhor de todo o seu
só poderiam livrar a si mesmos’ (Ez 14:20).”5 coração e não se apoiar no seu próprio en-
tendimento (Pv 3:5). “Confia no Senhor de
1. Ellen G. White, Mensagens aos Jovens, p. 300.
2. ___________ , Parábolas de Jesus, p. 402. todo o teu coração”. A expressão “teu cora- De
3. ___________ , Conselhos Sobre Mordomia, p. 347. ção” é sempre usada simbolicamente nas ém
4. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 3, p. 1291. Escrituras. Ela significa que nossas decisões Un
5. Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 412. procedem de um “eu” moral interior que bé
forma quem somos (Mt 22:37). Isso inclui sa
Erika Robinson | Santa Barbara, Califórnia, EUA nosso caráter, motivações e intenções: a Cri
essência do nosso ser. ap
Como, então, aprender a confiar em
Pense nisto Deus? Avançando em fé e obedecendo ao co
●●  ocê já experimentou bênçãos ao doar? Essa
V Senhor em tudo o que fizermos. A confiança qu
experiência influenciou seu conceito e sua com- é uma ação mental que não se esgota pelo sob
preensão da mordomia cristã? uso. Ao contrário, quanto mais confiamos ao
●●O que pode ser extraído da vida de Noé, Daniel no Senhor, mais nossa confiança aumenta. tra
e Jó em termos de mordomia cristã? O que po- Viver como mordomos fiéis é uma forma de
demos fazer hoje para viver de acordo com o de expressar nossa confiança em Deus. Essa ed
exemplo deles? confiança é o fundamento e a força moti- me
●●A prosperidade é necessariamente uma evidên- vadora do mordomo, e ela se torna visível am
cia das bênçãos de Deus sobre o mordomo? pelo que fazemos.

106
arço Quarta, 28 de março

Nunca os conheci
EVIDÊNCIA

uma
que
mpa-
O que significa ser cristão? Significa ler a Bíblia todos os dias? Frequentar a igreja?
Ser fiel nos dízimos e ofertas? Defender as crenças fundamentais da igreja? Ser
membro batizado?
hum Todas essas coisas fazem parte da prática do cristianismo. Mas o que nos torna
cristãos? Qual é a essência do cristianismo?
ida, Ser cristão significa ser discípulo de Jesus, seguir Suas pegadas e viver como Ele
ode viveu. Jesus expressou isso da seguinte forma: “Com isso todos saberão que vocês são
Meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” (Jo 13:35).
iosa O cristianismo autêntico é provado pela qualidade do nosso amor. O mundo não
erão quer saber se vamos à igreja, o que ele deseja ver é se nos importamos com as pessoas.
doar Se o amor não for autêntico o mundo não acreditará em nosso cristianismo. “Nem
todo aquele que Me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos Céus, mas apenas
ção. aquele que faz a vontade de Meu Pai que está nos Céus. Muitos Me dirão naquele dia:
oso, ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em Teu nome? Em Teu nome não expulsamos
osa- demônios e não realizamos muitos milagres?’ Então Eu lhes direi claramente: ‘Nunca
os conheci. Afastem-se de Mim vocês, que praticam o mal!’” (Mt 7:21-23).
Lamentavelmente, pessoas que se dizem cristãs serão identificadas por Cristo como
praticantes do mal! Ir à igreja
em e dizer “Senhor, Senhor” nas
o? Mãos à Bíblia orações não é o que Deus es-
6. Nossa mordomia tem glorificado a Deus? Como nossas pera. Não é isso que nos torna
ações influenciam os outros? Mt 5:16; Tt 2:7; 1Pe 2:11, 12 cristãos. O que o Senhor dese-
de
eu
ja ver é uma vida dedicada a
en- Ele. Quando colocarmos Deus
de em primeiro lugar, frequenta-

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Mordomia tem a ver com a administração dos bens de
ra- remos a igreja, devolveremos o
Deus, mas vai além dessa responsabilidade. Nossa mordomia
nas é manifestada diante da nossa família, comunidade, mundo e dízimo, estudaremos a Bíblia;
ões Universo (1Co 4:9). A mordomia vivida em nosso trabalho tam- mas faremos tudo motivados
ue bém demonstra a influência dos princípios do reino em nos- por um coração cheio de
lui sa vida. E, assim, podemos influenciar os outros. Revelamos amor. O mundo notará. Não
:a Cristo mediante a bondade e a integridade, que recebem precisaremos dizer que somos
aprovação do Criador. cristãos.
em Nossa ética de trabalho também deve estar de acordo
ao com nossos valores de mordomia. O trabalho é um palco no
nça Kevin Murray McGill |
qual é vista a mordomia de uma pessoa justa. O Senhor “fará College Place, Washington, EUA
elo sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito, como o sol
os ao meio-dia” (Sl 37:6). A influência de um mordomo em seu
ta. trabalho ou vocação não é posta “em lugar escondido, nem Designer
ma debaixo do alqueire” (Lc 11:33), mas é vista como uma cidade Pense nisto
ssa edificada sobre um monte (Mt 5:14). Ao vivermos intencional-
oti-  que você responderia se um
O
●●
mente dessa maneira em casa e no trabalho, influenciaremos Editor
vel amigo lhe perguntasse qual é
a mente e o coração das pessoas ao nosso redor.
a essência do cristianismo?
C.Q.

107
Depto. Arte
Quinta, 29 de março

Talentos
APLICAÇÃO

OPINIÃO
A parábola dos talentos (Mt 25:14-30) mostra como podemos ser melhores mordomos
do Senhor. O Espírito Santo concede dons àqueles que aceitam Cristo como seu
Salvador e os capacita a desempenhar a sua parte na obra de Deus. Para que isso
A
noss
ocorra segundo a vontade divina, precisamos fazer três coisas: con
A
Conhecer a vontade do Senhor. O apóstolo Paulo enfatizou a importância uma
de orar “continuamente” (1Ts 5:17) a fim de saber a vontade de Deus. Na oração, San
perguntamos quais são Seus desejos para nós como mordomos naquele dia. Pe-
dimos que o Espírito Santo fale ao nosso coração. Depois, saímos para cumprir a den
missão que nos é confiada. de i
tênc
Agir como mordomos. Na parábola dos talentos, dois servos (mordomos) mul- dem
tiplicaram o que foi confiado a eles pelo senhor. Agiram diligentemente segundo a
capacidade de cada um. Não ficaram sentados pensando nos talentos que lhes haviam divi
sido confiados. tem
Após orar e estar convicto da vontade divina, comece a agir. Creia que o Espírito que
Santo o dirigirá. Multiplique o que lhe foi confiado para honra e glória do Senhor. prec

Demonstrar o que fazemos com nossos talentos e dons. Tenho o privilégio tend
de trabalhar como professor na obra do Senhor. Sei que Ele deseja que eu prepare eles
meus alunos para ser fortes em seu os o
testemunho por Ele. Corações jovens Mãos à Bíblia “tem
não devem ficar em segundo plano. 7. Em algum momento após a volta de Cristo, os que
Precisamos descobrir o que Deus re- declararam segui-Lo ouvirão uma das duas frases
quer deles hoje. Não podemos adiar expressas nos versos abaixo. Quais são essas fra- M
sua preparação, caso contrário, o ses e o que cada uma delas significa?
●● 
P
inimigo ocupará esse lugar. Mt 25:21 ______________________________________________________________________________________________________________________

q
Mt 7:23 _________________________________________________________________________________________________________________________

p
David Solis | Moscow, Idaho, EUA tr
“Muito bem” são as palavras de Cristo mais agra-
●●F
dáveis e gratificantes aos ouvidos de um mordomo.
a
Pense nisto Ter a aprovação irrestrita de Deus expressada em rela-
ção às nossas tentativas de administrar Seus bens trará
v
s
●●  que Paulo quis dizer quando es-
O ao nosso coração alegria indescritível, por fazermos
a
creveu: “O que se requer dos mordo- o nosso melhor de acordo com nossas habilidades e
●●P
mos é que sejam encontrados fiéis” por sabermos desde o início que nossa salvação não
e
(1Co 4:2, NKJV, tradução livre)? está fundamentada em nossas obras por Cristo, mas
●●In
●●Tente imaginar como você se sentirá em Suas obras por nós. (Veja Rm 3:21; 4:6).
s
ao ouvir as palavras de Jesus: “Muito “Quando os seguidores de Cristo Lhe devolvem o
bem, servo bom e fiel! Você foi fiel que Lhe é devido, estão acumulando tesouro que lhes
no pouco; eu o porei sobre o muito. será entregue quando ouvirem as palavras: ‘Bem está,
Venha e participe da alegria do seu bom e fiel servo […] entra no gozo do teu Senhor’”
Senhor!” (Mt 25:23). (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 523).

108
arço Sexta, 30 de março

Mordomia para a comunidade


OPINIÃO

mos
seu
isso
A mordomia cristã envolve responsabilidade. O mordomo do Senhor tem a res-
ponsabilidade de refletir Cristo para o mundo. As pessoas precisam ver e sentir
nossa alegria, amor, humildade e respeito demonstrados, do contrário, não desejarão
conhecer Jesus, a Fonte sublime de tudo isso!
Analisar e se inteirar do ambiente em que vivemos é fundamental para planejar
ncia uma ação missionária de sucesso. Também devemos pedir a orientação do Espírito
ção, Santo para desenvolver o evangelismo de forma apropriada.
Pe- Em vez de procurar passar rapidamente por uma comunidade e transformá-la
ir a dentro de um curto período, é preferível ter em vista um período mais longo. Centros
de influência permanentes, feiras de saúde, classes bíblicas, pequenos grupos, assis-
tência aos interessados da TV e Rádio Novo Tempo e plantio de novas igrejas têm se
mul- demonstrado métodos eficazes.
do a Um mordomo consagrado e dedicado em servir sua vizinhança pode ser o rretrato
iam divino que muitos incrédulos estão procurando. A realidade é que, muitas vezes, o
tema da mordomia cristã por meio da pregação do evangelho é um longo processo em
rito que as comunidades exigem, antes de tudo, relacionamentos. Os mordomos de Cristo
or. precisam provar que vale a pena procurar saber mais sobre a Pessoa que eles refletem.
Os missionários dedicados e que alcançaram sucesso em todos os tempos en-
égio tenderam isso, e nós nos beneficiaríamos em aprender com o exemplo deixado por
pare eles. Afinal de contas, os mordomos do Senhor precisam ser diligentes, sabendo que
os olhos do mundo estão sobre eles e que o mundo está inserido num contexto de
“tempo e lugar”.
ue “Até a cegonha no céu conhece as estações que lhe estão determinadas, e a pomba,
ses a andorinha e o tordo observam a época
ra- Mãos à obra de sua migração. Mas o Meu povo não

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


conhece as exigências do Senhor” (Jr 8:7).
●●  ense em alguém do seu círculo de amizade
P
_______

que ainda não aceitou Jesus e ore por essa


_______ Jonathan Marcos Solís | Lodi, Califórnia, EUA
pessoa. Dê mais atenção a essa pessoa e mos-
tre que ela é valiosa aos olhos de Deus.
ra-
●●Filme sua classe da Escola Sabatina e outras
mo.
atividades dos jovens e faça um pequeno
Pense nisto
la-
vídeo promocional para publicar numa rede ●● Identifique um grupo em sua comunidade
ará
social e compartilhar com seus amigos não que tem sido difícil de alcançar com o evan-
mos
adventistas. gelho. Quais novas estratégias você poderia
se
●●Pesquise sobre os fundamentos da mordomia usar num planejamento de longo alcance?
ão
e fidelidade cristã. ●●Avalie as estratégias que sua igreja tem usa-
mas
●●Inclua o plano Reavivados Por Sua Palavra em do para o evangelismo. Elas estão funcio-
seus momentos devocionais diários. nando? Que métodos poderiam ser usados? Designer
mo
hes
stá, Editor
or’” Baixe o aplicativo para smartphones do Feliz7Play.com
23).
C.Q.

109
Depto. Arte
Ano Bíblico Ta
Janeiro Fevereiro Março
❍❍Seg. 1 – Gênesis 1-3
o ❍❍Qui. 1o – Levítico 1-4 ❍❍ Qui. 1o – Deuteronômio 14-16
❍❍Sex. 2 – Levítico 5-7 ❍❍Sex. 2 – D  euteronômio 17-19 5
❍❍Ter. 2 – Gênesis 4-7
❍❍Qua. 3 – Gênesis 8-11 ❍❍Sáb. 3 – Levítico 8-10 ❍❍Sáb. 3 – D  euteronômio 20-22 1
❍❍Qui. 4 – Gênesis 12-15 ❍❍Dom. 4 – Levítico 11 e 12 ❍❍ Dom. 4 – D  euteronômio 23-25 1
❍❍Seg. 5 – Levítico 13 e 14 ❍❍Seg. 5 – D  euteronômio 36-28
❍❍Sex. 5 – Gênesis 16-19 2
❍❍Sáb. 6 – Gênesis 20-22 ❍❍Ter. 6 – Levítico 15 e 16 ❍❍Ter. 6 – D euteronômio 39-31
2
❍❍Dom. 7 – Gênesis 23 e 25 ❍❍Qua. 7 – Levítico 17-19 ❍❍Qua. 7 – Deuteronômio 32-34
❍❍Qui. 8 – Levítico 20-22 ❍❍Qui. 8 – Josué 1-4 9
❍❍Seg. 8 – Gênesis 26 e 27
❍❍Ter. 9 – Gênesis 28-30 ❍❍Sex. 9 – Levítico 23-25 ❍❍Sex. 9 – Josué 5-8 1
❍❍Qua. 10 – Gênesis 31-33 ❍❍Sáb. 10 – Levítico 26 e 27 ❍❍Sáb. 10 – Josué 9-13 2
❍❍Qui. 11 – Gênesis 34-36 ❍❍Dom. 11 – Números 1-3 ❍❍Dom. 11 – Josué 14-17 2
❍❍Sex. 12 – Gênesis 37-39 ❍❍Seg. 12 – Números 4-6 ❍❍Seg. 12 – Josué 18-21
9
❍❍Sáb. 13 – Gênesis 40-42 ❍❍Ter. 13 – Números 7 e 8 ❍❍Ter. 13 – Josué 22-24
❍❍Qua. 14 – Números 9-11 ❍❍Qua. 14 – Juízes 1-3
16
❍❍Dom. 14 – Gênesis 43-45
❍❍Qui. 15 – Números 12-14 ❍❍ Qui. 15 – Juízes 4 e 5 2
❍❍Seg. 15 – Gênesis 46 e 47
❍❍Ter. 16 – Gênesis 48-50 ❍❍Sex. 16 – Números 15 e 16 ❍❍ Sex. 16 – Juízes 6-8 3
❍❍Qua. 17 – Êxodo 1-4 ❍❍Sáb. 17 – Números 17-19 ❍❍ Sáb. 17 – Juízes 9 e 10
❍❍Qui. 18 – Êxodo 5-8 ❍❍Dom. 18 – Números 20 e 21 ❍❍ Dom. 18 – Juízes 11 e 12
❍❍Sex. 19 – Êxodo 9-11 ❍❍Seg. 19 – Números 22-24 ❍❍ Seg. 19 – Juízes 13-16
❍❍Sáb. 20 – Êxodo 12 e 13 ❍❍Ter. 20 – Números 25-27 ❍❍ Ter. 20 – Juízes 17-19
❍❍Qua. 21 – Números 28-30 ❍❍ Qua. 21 – Juízes 20-21 5
❍❍Dom. 21 – Êxodo 14 e 15
❍❍Seg. 22 – Êxodo 16 e 17 ❍❍Qui. 22 – Números 31 e 32 ❍❍ Qui. 22 – Rute 1
❍❍Ter. 23 – Êxodo 18-20 ❍❍Sex. 23 – Números 33 e 34 ❍❍ Sex. 23 – 1 Samuel 1-3 1
❍❍Qua. 24 – Êxodo 21-23 ❍❍Sáb. 24 – Números 35 e 36 ❍❍ Sáb. 24 – 1 Samuel 4-6 2
❍❍Qui. 25 – Êxodo 24-27 ❍❍Dom. 25 – Deuteronômio 1-3 ❍❍ Dom. 25 – 1 Samuel 7-10
2
❍❍Sex. 26 – Êxodo 28 e 29 ❍❍Seg. 26 – Deuteronômio 4-7 ❍❍ Seg. 26 – 1 Samuel 11-13
❍❍Ter. 27 – Deuteronômio 8-11 ❍❍ Ter. 27 – 1 Samuel 14-16 9
❍❍Sáb. 27 – Êxodo 30 e 31
❍❍ Qua. 28 – Deuteronômio 12-13 ❍❍ Qua. 28 – 1 Samuel 17-19 1
❍❍Dom. 28 – Êxodo 32 e 33
❍❍Seg. 29 – Êxodo 34-36 ❍❍ Qui. 29 – 1 Samuel 20-23 2
❍❍Ter. 30 – Êxodo 37 e 38 ❍❍ Sex. 30 – 1 Samuel 24-27 2
❍❍Qua. 31 – Êxodo 39 e 40 ❍❍ Sáb. 31 – 1 Samuel 28-31
9
1
2
3

sun;
de su
loca

110
Tabela do pôr do Sol
Porto
Manaus Belém Santarém Fortaleza Recife Salvador Vitória
4-16 Velho
7-19 5 jan 18h14 18h34 18h22 17h48 17h46 17h38 18h01 18h24
0-22 12 jan 18h16 18h37 18h25 17h50 17h48 17h40 18h03 18h25
23-25 19 jan 18h19 18h38 18h28 17h53 17h50 17h42 18h04 18h26
6-28 26 jan 18h20 18h39 18h29 17h55 17h52 17h43 18h05 18h25
9-31
2 fev 18h21 18h39 18h30 17h56 17h53 17h43 18h04 18h23
2-34
9 fev 18h21 18h38 18h31 17h56 17h53 17h43 18h03 18h20
16 fev 18h20 18h37 18h31 17h56 17h52 17h41 18h01 18h17
23 fev 18h19 18h35 18h30 17h55 17h52 17h39 17h58 18h13
2 mar 18h17 18h32 18h28 17h53 17h49 17h36 17h54 18h07
9 mar 18h15 18h29 18h26 17h51 17h47 17h33 17h50 18h01
16 mar 18h13 18h25 18h25 17h49 17h44 17h29 17h46 17h55
23 mar 18h10 18h22 18h22 17h46 17h42 17h26 17h41 17h49
30 mar 18h07 18h18 18h20 17h44 17h40 17h22 17h37 17h43

2
Campo Belo Rio de Porto
Cuiabá Brasília São Paulo Curitiba
Grande Horizonte Janeiro Alegre
5 jan 18h22 18h43 18h20 18h34 18h40  18h56 19h10 19h29
12 jan 18h24 18h44 18h21 18h35 18h41  18h57 19h11 19h29
19 jan 18h25 18h45 18h22 18h36 18h41  18h57 19h11 19h29
26 jan 18h24 18h45 18h21 18h35 18h40  18h55 19h09 19h26

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


10
2 fev 18h23 18h44 18h19 18h34 18h38  18h53 19h07 19h23
13
6 9 fev 18h21 18h43 18h17 18h31 18h35  18h49 19h03 19h19
19 16 fev 18h18 18h40 18h13 18h28 18h31  18h45 18h59 19h13
3 23 fev 18h14 18h37 18h09 18h24 18h26  18h40 18h53 19h06
7 2 mar 18h09 18h32 18h02 18h18 18h20  18h33 18h46 18h57
1
9 mar 18h04 18h27 17h57 18h13 18h14  18h27 18h39 18h49
16 mar 17h59 18h22 17h51 18h07 18h08  18h20 18h32 18h41
23 mar 17h53 18h17 17h45 18h01 18h01  18h13 18h25 18h32
30 mar 17h48 18h12 17h39 17h55 17h55  18h06 18h17 18h24
Designer

Você pode obter o horário do pôr do sol específico de sua cidade no site www.adventist.org/
sun; ou www.accuweather.com/default.aspx (sites em inglês); você vai precisar das coordenadas Editor

de sua cidade. Para uma data específica, encontre o horário do pôr do sol em www.iasd.org/cgi-­
local/sunset.php; ou infotempo.uol.com.br/zml/static?xsl=sun_moon.xsl (sites em português)
C.Q.

111
Depto. Arte
Faça Planos

MKT CPB | Fotolia


Deus
mas deixe

escrever
sua historia
Livro dos universitários – 2018

Livro dos jovens – 2018

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


RESERVE UM
MOMENTO
[MEDITAÇÕES 2018]

Um Dia Inesquecível Amor Eterno Pensando Bem...


Meditações Diárias Meditação da Mulher Inspiração Juvenil
Alberto R. Timm Autores Diversos Felippe Amorim

36684 Lição de Jovens 1º Trim 2018


Começe cada dia experimentando
o carinho e a graça de Deus.
MKT CPB | Fotolia

ADQUIRA JÁ!
Designer

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Editor

C.Q.

Depto. Arte
PROVA PDF
356684/5485 - Lição Jovens - 1 Tri 2018
MKT CPB | Freepik

Redação

Designer

CQ

Mari

Marketing

FAÇA SEU DOWNLOAD: