Você está na página 1de 5

O CRISTÃO E A RENÚNCIA

O que significa Renunciar?

1. Não querer; rejeitar, recusar;


2. Deixar voluntariamente a posse de: desistir de; abdicar;
3. Descrer de; abjurar, renegar;
4. Recusar, rejeitar;
5. Não fazer caso de; desprezar, desdenhar;
6. Desistir de; abdicar;
7. Abjurar, renegar.

Como vimos logo acima, a renuncia é abrir mão de algo ou de alguma coisa,
rejeitar ou deixar voluntariamente, quando falamos de renuncia na vida cristã, não
podemos deixar de destacar que esta foi um requisito dado por Jesus para aqueles
que querem seguí-lo (Mc 8.34, Lucas 9.23), e ninguém melhor do que o próprio
Jesus para dar-nos o maior exemplo de renúncia para aqueles que desejam segui-lo,
vejamos pelo menos três coisas que Ele renunciou:

Em primeiro lugar, ele renunciou sua relação favorável à lei divina. Enquanto
permanecia no céu nenhuma carga de culpa pesava sobre ele. Entretanto, ao
encarnar-se, ele que não conheceu pecado, se fez pecado por nós (Jo 1.29; 2Co
5.1); ele que era bendito eternamente se fez maldição por nós (Gl 3.13) e levou
sobre seu corpo, no madeiro, todos os nossos pecados (1Pe 2.24).
Em segundo lugar, ele renunciou suas riquezas. O apóstolo Paulo diz: “Pois
conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que sendo rico, se fez pobre por
amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos” (2Co 8.9). Jesus
renunciou tudo, até mesmo sua própria vida (Jo 10.11). Tão pobre ele era que
tomou emprestado um lugar para nascer, uma casa para pernoitar, um barco para
pregar, um animal para cavalgar, uma sala para reunir e um túmulo para ser
sepultado.
Em terceiro lugar, ele renunciou sua glória celestial. Ele tinha glória com o Pai
antes que houvesse mundo (Jo 17.5). Mas, voluntariamente deixou a companhia dos
anjos e veio para ser perseguido e cuspido pelos homens. Do deleite celestial, na
própria presença do Pai, para viver entre os homens sentindo fome, sede, ficando
cansado a ponto de dormir na proa de um barco em meio a uma tempestade,
angustiar-se a ponte de suar sangue, se entristecer quando lamentou sobre
Jerusalém, desprezado e desacreditado pelos seus irmãos, injustiçado e tido entre
os piores criminosos quando pregado na cruz. Ele, em cuja presença os serafins
cobriam o rosto, o objeto da mais solene adoração, voluntariamente desceu a este
mundo, onde foi “desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores
e que sabe o que é padecer” (Is 3.3).

A Renúncia é negar-se a si mesmo.]

Mas o que é negar-se a si mesmo?

Na Bíblia encontramos alguns textos que exemplificam muito bem o que é negar-
se a si mesmo vejamos:

1) É ser desprovido de todo sentimento faccioso como a inveja, vaidade,


ciúmes, avareza, soberba, concupiscência da carne, lascívia, ira, desejo de
vingança, vícios e outros sentimentos (que são os frutos da carne: Gl 5.19-21)
abomináveis ao Senhor.

2) É oferecer o outro lado da face, é perdoar e amar os vossos inimigos,


bendizer os que vos maldizem, fazer bem aos que vos odeiam e orar pelos que vos
maltratam e vos perseguem (Mt 5.39-44). Ter a mesma humildade de Cristo, andar
em santidade como “Ele” andou, guardando os seus mandamentos fazendo a
vontade do Pai.

3) É a completa repudiação de sua própria bondade. Significa cessar de


descansar sobre quaisquer obras nossas, para nos recomendar a Deus. Significa
uma aceitação sem reservas do veredicto de Deus que “todas as nossas justiças
[nossas melhores performances], são como trapo da imundícia” (Isaías 64:6). Foi
neste ponto que Israel falhou: “Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus e
procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de Deus”
(Romanos 10:3). Agora, contraste com a declaração de Paulo: “E seja achado nEle,
não tendo justiça própria” (Filipenses 3:9).

4) É renunciar completamente sua própria sabedoria. Ninguém pode entrar no


reino dos céus, a menos que tenha se tornado “como criança” (Mateus 18:3). “Ai
dos que são sábios a seus próprios olhos e prudentes em seu próprio conceito!”
(Isaías 5:21). “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos” (Romanos 1:22). Quando o
Espírito Santo aplica o Evangelho em poder numa alma, é para “destruir os
conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando
cativo todo entendimento à obediência de Cristo” (2 Coríntios 10:5). Uma palavra
sábia para o todo cristão adotar é “não te estribes no teu próprio entendimento”
(Provérbios 3:5).

5) É renunciar completamente sua própria força. É “não confiar na carne”


(Filipenses 3:3). É o coração se curvando à declaração positiva de Cristo: “Sem
mim, nada podeis fazer” (João 15:5). Este é o ponto no qual Pedro falhou: (Mateus
26:33). “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda”
(Provérbios 16:18). Quão necessário é, então, que prestemos atenção à 1 Coríntios
10:12: “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia”! O segredo da força
espiritual reside em reconhecer nossa fraqueza pessoal: (veja Isaías 40:29; 2
Crônicas 12:9). Então, “fortifiquemo-nos na graça que há em Cristo Jesus” (2
Timóteo 2:1).

6) É renunciar completamente sua própria vontade. A linguagem do não-salvo


é, “Não queremos que este Homem reine sobre nós” (Lucas 19:14). A atitude do
cristão é, “Para mim, o viver é Cristo” (Filipenses 1:21) — honrá-Lo, agradá-Lo,
servi-Lo. Renunciar sua própria vontade significa atender à exortação de Filipenses
2:5, “Que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus”, o
qual é definido nos versos que imediatamente seguem como de abnegação. É o
reconhecimento prático de que “não sois de vós mesmos, porque fostes comprados
por bom preço” (1 Coríntios 6:19,20). É dizer com Cristo, “Não seja, porém, o que
eu quero, mas o que tu queres” (Marcos 14:36).

7) É renunciar completamente suas luxúrias ou desejos carnais. “O ego do


homem é um feixe de ídolos” (Thomas Manton, Puritano), e estes ídolos devem ser
repudiados. Os não-cristãos são “amantes de si mesmos” (2 Timóteo 3:1); mas
aquele que foi regenerado pelo Espírito diz com Jó, “Eis que sou vil” (40:4), “Eu me
abomino” (42:6). Dos não-cristãos está escrito, “todos buscam o que é seu e não o
que é de Cristo Jesus” (Filipenses 2:21); mas dos santos de Deus está
registrado,“eles não amaram a sua vida até à morte” (Apocalipse 12:11). A graça
de Deus está “ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências
mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa e piamente” (Tito 2:12).

Três razões para para a Renúncia

1- Senhorio de Cristo – Fil.02:09-11 Confessar e adorar, rendição total em amor.


Não reservar o direito de conservar ou não o que Cristo nos pede, mas mostrar
que aceitamos o seu senhorio. Não reivindicar nada. Rendição total é estar
pronto a ouvir, obedecer, está é a condição para termos deveres. Em muitas
culturas, inclusive na dos hebreus, um escravo tinha a opção de rejeitar a
liberdade, permanecendo escravo de seu senhor para o resto de sua vida. É o
que lemos em Êx 21.5,6: [...] se o escravo expressamente disser: Eu amo meu
senhor, minha mulher e meus filhos, não quero a alforria, então, [...] o seu
senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre. Assim
deve ser o cristão no seu relacionamento com Deus, escravo por amor,
colocando não uma sovela na orelha, mas no coração.
Rendição total em amor
a) Este amor é maior que afeição familiar. Mt.10:37
b) Este amor é maior do que desejos de seguir nossos próprios caminhos, porque
sempre eles estão em contradição com os de Deus, pois eles tendem para a
carne. Lc.14:27.
c) Este amor é maior que possessões ou bens Lc.14:33, eu sou de Deus, o que eu
tenho é também de Deus. Somos mordomos das coisas que temos, por isso não
podemos ter possessividade.

2- Beneficio Pessoal – Como Senhor, Deus tem prazer de cuidar bem dos seus
servos e para que isto aconteça, temos que confiar totalmente nEle. O primeiro
é que sejamos totalmente livres. Temos que ver as prioridades de Deus: Amar
as pessoas e usar as coisas, e não vice-versa. Com isto não vamos sofrer de ira,
ansiedade, inquietação (Mt.6:21). Sempre vai sair de dentro de nós, o que está
dentro, quando somos chutados, aborrecidos. O que é Meu não é mais
importante do que o do outro.

3- Evangelismo do Mundo – Neste século muitas pessoas morrem por amar a


Cristo. Não teremos condição de envolver na obra se não houve renúncia total,
livres para Deus. Movimentar-se para algum lugar ou qualquer sentido. Não
estando pronto para perder a sua própria vida, não podemos servir a Cristo,
porque está é a maior coisa que temos, e as todas outras coisas já ficaram para
trás.
Em momentos de consagração não devemos enganar a Deus, se não
renunciarmos a própria vida. Idolatria da nossa vida deve ser jogada fora.

O QUE DEVEMOS RENÚNCIAR

a) Terras – propriedades, terrenos ou pátria, nação ou cidade, se vai constituir


um problema, é idolatria.
b) Casas - muitos estão dispostos a deixar a casa para uns dias, meses ou
anos mas nem todos estão a deixar a vida toda.
c) Família - pais e irmãos. Não significa que não os amamos, mas que Deus
está acima deles. Livre-se dos laços familiares para envolvermos com o
reino.
d) Bens materiais - roupas, livros, móveis, etc... Não quer dizer que podemos
pegar as coisas dos outros que não nos pertencem. Mas é importante não se
irar quando outros tocam nas suas coisas, não vamos perder a nossa paz e
domínio próprio, para não Ter renunciado coisas.
e) Comida - esta relacionado ao amor próprio, cuidado, prazer, exagerado,
com a saúde, (pedir para Deus curar). Não murmurar quanto a alimentação.
Se você já agradeceu. Muitas vezes eles estão fazendo o melhor. Não deixe
que esta constitua um problema para tirar do centro da vontade de Deus.
Contudo, não escolher, não ficar sem comer o que tiver, para Ter saúde.
f) Sono - direito de dormir. O sono é importante para nossa vida, quando o
trabalho exige, para orar, para batalhar, ou por uma pessoa necessitada,
devemos renunciar. Por amor a alguém. Não amar a nós mesmos.
g) Direito a Liberdade - liberdade é concedida e não exigida. Dentro dos
limites que Deus nos colocar.
h) Reputação - Amor próprio. Quando sua personalidade é ferida, e fica irado.
Ou quando outros são reconhecidos que você. Sua reputação está se, você é
bom servo ou mau servo, do que fez ou não do que é.
i) Dinheiro - Ter o necessário para a sobrevivência. Quando Deus te dá ele é
importante para você, não é seu, e por ser usado da maneira que Deus
dirigir, até para dar a uma pessoa que está necessitando ser alcançada por
amor de Deus, através de você.
j) Vida - Fp.03:08; Gl.02:19; Fp.01:21

A renúncia é algo fundamental na vida do cristão, renunciar implica em


perder a vida para este mundo e ganhá-la para a eternidade, é ser odiado
pelo mundo, mas amado pelo Pai, é ser pequeno para os homens e grande
para Deus, é fugir dos desejos da carne e encher-se do Espírito de Deus, é
deixar de fazer o mal e não se cansar de fazer o bem, é a cada dia estar
mais longe das trevas e mais perto da luz, enfim, renunciar é sermos como
Jesus e termos a certeza que um dia estaremos para sempre com Ele por
toda a eternidade.

Para refletir
Acima de tudo ser cristão implica em renunciar!

Estou renunciando a satisfazer a mim mesmo quando deixo de falar mal


de alguém (mesmo que eu não goste desse alguém).

Estou renunciando a mim mesmo, quando deixo de manipular opiniões das


pessoas sobre outras pessoas com as quais eu não simpatizo.

Estou renunciando a mim mesmo, quando confesso a Deus que estou


sentindo inveja de alguém ou ciúme por esse alguém ter mais do que eu,
ou simplesmente ter algo diferente do que eu tenho.

Estou renunciando a mim mesmo, quando confesso a Deus que traí a


confiança que alguém depositou em mim e depois o confesso também
para a pessoa a quem eu traí!

Estou renunciando a mim mesmo quando deixo de fingir que sou muito
bonzinho e assumo que na verdade estou querendo parecer algo que sei
que não sou!

Estou renunciando a mim mesmo, quando alguém a quem eu sempre disse


querer bem, precisa de um ombro amigo e eu me prontifico a abrir mão de
meu conforto e passo algumas horas em sua casa (mesmo que tudo la
esteja triste) ou alguns minutos por semana ao telefone para dizer
simplesmente que estou ao seu lado!

Estou renunciando a mim mesmo quando deixo de mentir, fingir, enganar


e mostro quem eu realmente sou.

Finalmente estou renunciando a mim mesmo, quando me coloco em lugar


da outra pessoa antes de julgar seus atos, antes de atirar pedras, antes
de achar que sou melhor do que ela!

Ser cristão, não significa simplesmente ir a igreja. Sem renuncia de si


mesmo, não existe cristianismo verdadeiro, porque para ser cristão faz-se
necessário arrependimento e confissão primeiro a Deus e depois ao que
foi por mim ofendido, traído, magoado, invejado etc. Sem arrependimento
não existe remissão de pecados e sem isso não posso ser salvo!

Ninguém consegue arrepender-se de seus pecados e confessá-lo se não


estiver disposto a renunciar a si mesmo!
E quem não renuncia a si mesmo (com seu orgulho, sua soberba, sua
inveja e suas traições) não é cristão ( ou seja não aceitou Cristo como
Senhor de sua vida) portanto encontra-se irremediavelmente perdido!

Quem quiser vir comigo renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e...Siga-
me -- disse Jesus!

Interesses relacionados