Você está na página 1de 17

Analisadores e Simuladores de

Equipamentos Médicos
Aprenda sobre o funcionamento desses equipamentos, a
importância de utilizá-los, os principais tipos e muito mais!
SUMÁRIO

Introdução .03
Analisadores e Simuladores .04
4 motivos para realizar a calibração de .08
equipamentos médicos
Principais analisadores e simuladores .10
Principais Fabricantes .16
INTRODUÇÃO

Equipamentos médicos possibilitam que os


profissionais da saúde salvem vidas todos os dias.
Garantir o correto funcionamento dos mesmos é
imprescindível para minimizar qualquer tipo de
dano, tanto aos pacientes como aos operadores.
Para que essas falhas sejam minimizadas, os
equipamentos devem ser testados nas mais
diversas condições. 
Porém, realizar tais testes diretamente com as
pessoas seria perigoso e por esse motivo surgiram
os analisadores e simuladores.
Vamos falar agora um pouco mais sobre os tipos
existentes, sua importância e muito mais!
1. ANALISADORES E SIMULADORES

Quais as diferenças?
Analisadores são definidos como
dispositivos de análise de equipamentos
médicos que medem grandezas padronizadas.
Por exemplo: 
Analisador de bisturi eletrônico
Tensão, corrente, forma de onda
Analisador de cardioversor
Tensão, forma de onda, energia liberada,
tempo de sincronização
Analisador de pressão não invasiva
Pressão
Simuladores são definidos como dispositivos
para análise de equipamentos médicos que
simulam um paciente ou suas variáveis
fisiológicas.
Por exemplo:

Simulador de ECG
Principais arritmias cardíacas
Simulador de pressão diastólica e sistólica
Pressão arterial
Simulador de oximetria de pulso
Saturação de oxigênio no sangue
Características em comum
Tanto analisadores como simuladores são
utilizados por diversos setores dentro dos
Estabelecimento Assistencial de Saúde (EAS),
como enfermagem Eengenharia Clínica e têm
como principais objetivos:
Treinamento da equipe
Controle de qualidade
Garantia de performance
Manutenções corretivas/preventivas
Calibrações
Mas vale lembrar que apenas proporcionar
medidas precisas não é o suficiente.
Os mais modernos equipamentos produzidos
hoje tem uma característica em comum:
Permitir um fluxo que garanta eficiência
operacional e rastreabilidade em prol de
uma melhor segurança, qualidade e
identificação de gargalos nos processos,
gerando economia de tempo e dinheiro.
E é exatamente disso que falaremos a seguir!
Fluxo de trabalho com um
analisador/simulador eficiente
Analisadores e simuladores devem trabalhar
como um assistente para quem o utiliza
garantindo: facilidade, agilidade e precisão.
 Sendo assim, um bom analisador/simulador
deve permitir:
Coleta automática dos dados da
calibração/manutenção.
Comunicação com software especializado,
sem interferência do técnico, reduzindo
falhas operacionais.
Sem perda de tempo para formatar
documentos.
Funcionamento mesmo em ambientes sem
internet, possibilitando um serviço sem
papel.
Dados enviados ao se conectar a rede.
Laudo gerado automaticamente na hora,
seguindo os padrões.
Indicação de aprovação ou reprovação dos
equipamentos no ato da execução.
Documentos arquivados em segurança,
acessados quando quiser de onde quiser.
O cliente recebe e assina os laudos
eletronicamente.
2.
4 MOTIVOS PARA REALIZAR A
CALIBRAÇÃO DE
EQUIPAMENTOS MÉDICOS

Garantia de confiabilidade  e otimização da


utilização dos equipamentos
A calibração garante que o funcionamento dos
equipamentos atenderá às especificações do
fabricante.
Tanto para os equipamentos críticos, que
podem causar danos ao paciente, quanto os
menos críticos, todos devem ser calibrados
frequentemente.

Maior segurança para o paciente


Um equipamento calibrado garante que os
resultados obtidos sejam muito mais
próximos às alterações reais nas condições
do paciente.
Redução dos custos com manutenção
corretiva
O mais recomendável é que a calibração dos
equipamentos seja feita após a manutenção
preventiva.
Assim será mais efetivo calibrar os
equipamentos que estejam funcionando
adequadamente.

Adequação às exigências da legislação


É importante manter o certificado de
calibração dos equipamentos hospitalares em
local de fácil acesso para eventual solicitação
dos órgãos fiscalizadores.
Além disso, se o hospital está buscando
alguma acreditação, todos os equipamentos
devem ser calibrados regularmente.
3. PRINCIPAIS ANALISADORES
E SIMULADORES

Aqui vale um lembrete:


cada fabricante de analisadores e
simuladores atende condições de
operação, testes, erro máximo de
medição, resolução, etc. de
determinados fabricantes de
equipamentos médicos. 
De maneira geral, as normas IEC-60601 e
NBR 15943 e a RDC Nº02/2010 da
Anvisa preconizam as diretrizes do
programa de gestão de equipamentos
médico-hospitalares.
Além disso, cada equipamento apresenta
uma norma específica que iremos citar a
seguir.
Por isso, vamos passar uma noção geral
dos principais analisadores e
simuladores utilizados nos
Estabelecimentos Assistenciais de
Saúde do país.
Analisador de Segurança elétrica
Permite realizar diversos testes como de
corrente de fuga, resistência de aterramento,
função de isolamento e condições de falha a
fim de dar suporte às manutenções
preventivas e corretivas.
Principal norma: NBR IEC 60601.

Analisador de Bisturi Eletrônico


Permite analisar, principalmente, a potência
entregue na carga nominal informada pelo
fabricante, minimizando assim os riscos de
queimaduras e choques ao paciente e ao
operador.
Principal norma: NBR IEC 60601-2-2
Analisador de Ventilação Pulmonar/Mecânica
Permite analisar uma grande quantidade de
parâmetros de ventilação mecânica como
volume corrente, pressão máxima e PEEP.
Principal norma: NBR ISO 80601-2-12:2014

Analisador de Incubadora
Analisa parâmetros como temperatura, fluxo
de ar, som e umidade a fim de manter os
recém nascidos em segurança.
Principal norma: NBR IEC 60601-2-19:2014
Analisador de Cardioversor e Desfibrilador
Mede a energia entregue ao paciente em cada
descarga defibrilatória, bem como tempo de
sincronismo e de recarga.
Principal norma: NBR IEC 60601-2-4:2014

Analisador de Marca passo


Permite avaliar as condições do pulso do
marca passo como amplitude, frequência e
energia.
Principal norma: NBR IEC 60601-2-31:2014
Analisador de Bomba de infusão
Possibilita analisar vazão, pressão e volume de
sistemas de entrega de de fluidos de vazão
única ou dupla como bombas peristálticas e de
seringas.
Principal norma: NBR IEC 60601-2-24:2015

Simulador Multiparamétrico
Capaz de simular a maioria dos parâmetros de
um monitor de sinais vitais (ou
multiparamétricos) como ECG, PNI, PI,
temperatura, respiração, oximetria, entre
outros.
Simulador de Oximetria
Capaz de simular diferentes níveis de saturação
de oxigênio no sangue, bem como outras
condições específicas de nível de perfusão e
diferentes frequências cardíacas.
Principal norma: NBR ISO 80601-2-61:2015

Simulador de Pressão não Invasiva


Capaz de realizar teste de medidor de
pressão, teste de vazamento de pressão e
funções de teste de válvula de alívio.
Principal norma: NBR IEC 60601-2-30:1997
4. PRINCIPAIS FABRICANTES

Quando se fala em tecnologia nacional, a


Arkmeds tem se firmado cada vez mais
como referência na área.
Sua linha de analisadores e simuladores
garante eficiência operacional e
rastreabilidade, possibilitando maior
segurança, qualidade e facilidade de uso.
Acesse aqui

Presente em mais de 100 países ao


redor do mundo, a Fluke é uma das líderes
do mercado de equipamentos de testes
e simulação biomédica a mais de 70
anos.
Acesse aqui
Criada em 1970, dentro da “Liverpool
Hospital University”, a Rigel sempre foi
pioneira quando se fala em tecnologia,
sendo a primeira a desenvolver um
analisador de segurança elétrica
baseado na IEC 601.
Acesse aqui

A empresa canadense está no mercado


desde 1991 e também está presente em
diversas partes do mundo, se
destacando pelas inovações que sempre
apresentam.
Acesse aqui

Você também pode gostar