Você está na página 1de 31

APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.

SANTOS

2. Os indícios nos permitem apenas inferências


1. COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE de certeza relativa, pois expressam somente
TEXTOS probabilidade ou possibilidade.

3. Inferir é concluir, é deduzir pelo raciocínio


TEXTO I apoiado apenas em indícios.

O CASO DA MÁQUINA REGISTRADORA Dizer, por exemplo, que “Fulano é ladrão, porque, de
repente, começou a ostentar um padrão de vida que
“Um negociante acaba de acender as luzes de uma seu salário ou suas conhecidas fontes de renda não
loja de calçados quando surge um homem pedindo lhe poderiam jamais proporcionar”, é inferir, é
dinheiro. O proprietário abre uma máquina deduzir pelo raciocínio a partir de certos
registradora. O conteúdo da máquina registradora é indícios. O que assim se declara a respeito desse
retirado e o homem corre. Um membro da polícia é fulano é possível, é mesmo provável, mas não é certo
imediatamente avisado.” porque não provado.

Com base no texto acima, assinale cada uma IMPLÍCITO


das seguintes afirmações com: V(verdadeiro), F
(falso) ou D (duvidoso). Que está envolvido, mas não de modo claro; tácito,
subentendido. [ANTÔNIMO: explícito.]
01. ( ) Um homem apareceu assim que o
PRESSUPOSTO
proprietário acendeu as luzes de sua loja.
02. ( ) O ladrão foi um homem. 1. Que se pressupõe; pressuposição;
2. Circunstância ou fato considerado como
03. ( ) O homem não pediu dinheiro. antecedente necessário de outro.
04. ( ) O homem que abriu a caixa registradora era
SUBENTENDIDO
o proprietário.
05. ( ) O proprietário da loja de calçados retirou o 1. Que se subentende ou subentendeu.
2. Aquilo que está na mente, mas não foi expresso
conteúdo da máquina registradora e correu.
06. ( ) Alguém abriu a máquina registradora. INFERIR

07. ( ) Depois que o homem pediu o dinheiro, Tirar por conclusão; deduzir pelo raciocínio
apanhou o conteúdo da máquina registradora e
NEXO
fugiu.
08. ( ) Embora houvesse dinheiro na máquina Ligação, vínculo, união.

registradora, a história não diz a quantia. COERÊNCIA


09. ( ) O ladrão pediu dinheiro ao proprietário.
1. Qualidade, estado ou atitude de coerente.
10. ( ) A história registra uma série de
acontecimentos que envolvem três pessoas: o 2. Ligação ou harmonia entre situações,
acontecimentos ou idéias; relação harmônica;
proprietário, um homem que pediu dinheiro, um
conexão, nexo, lógica.
membro da polícia.
11. ( ) Os seguintes acontecimentos da história são 3. Num discurso oral ou escrito, conjunto de relações
verdadeiros: alguém pediu dinheiro; uma máquina que unem os significados de sentenças.

registradora foi aberta; seu dinheiro foi retirado; um


4. Ausência de contradição, acordo do pensamento
homem fugiu da loja. consigo mesmo (dos princípios com as
conseqüências, dos axiomas com os teoremas, etc.);
FATOS E INDÍCIOS compatibilidade, consistência.

1. Fatos não se discutem; opiniões, sim. Mas que é TEXTO II


fato? É a coisa feita, verificada e observada. Mas
convém não confundir fato com indício. TESTE DE OBSERVAÇÃO
Os fatos, devida e acuradamente observados, levam
ou podem levar à certeza absoluta. 1. Escreva seu nome No quadrado abaixo:

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 1
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

as intenções ou sentido de algo e interpretar é


2. Em Portugal existe 7 de setembro? explanar ou aclarar as intenções ou sentidos de algo.

3. Você está participando de uma corrida e Agora vamos conhecer definições mais diretas:
ultrapassa o segundo colocado. Em que posição você
fica? a) COMPREENSÃO

4. Uns meses têm 31 dias, outros apenas 30. .......................................................................


Quantos meses têm 28 dias? .......................................................................
.......................................................................
5. Você encontrou uma caixa de fósforos com apenas .......................................................................
um palito de fósforo num quarto escuro e frio. No .......................................................................
quarto há uma lamparina, uma vela, há querosene e .......................................................................
lenha seca, o que você acenderia primeiro? ..............................
B) INTERPRETAÇÃO
6. O pai de Maria tem cinco filhas: Lalá, Lelé, Lili, Loló
e: .......................................................................
.......................................................................
7. Quantos animais de cada espécie Moisés colocou .......................................................................
na arca? .......................................................................
.......................................................................
8. Quantas vezes podemos substituir cinco de 25? .......................................................................
...............................
9. Seis homens levam seis dias para cavar seis C) PONTO DE VISTA
buracos. Quanto tempo levará um homem para cavar
meio buraco? .......................................................................
.......................................................................
10. Um fazendeiro possuía 17 vacas; todas, exceto 9 .......................................................................
morreram. Quantas sobreviveram? .......................................................................
.......................................................................
11. Se um médico lhe receitasse agora 3 .......................................................................
comprimidos para serem tomados com água, um a ..............................
cada 30 minutos. Em quantas horas os comprimidos 2. MODALIDADE DA LINGUAGEM:
terminariam se você seguir a receita corretamente?
2.1 Denotativa ou Literal
12. Um caçador perdido no Pólo Sul encontra um .....................................................................................
urso polar, qual a cor do urso? .....................................................................................
.....................................................................................
13. Numa certa região existem três ilhas, com três .....................................................................................
palmeiras cada uma delas. Em cada palmeira tem .................................
um coco, quantos cocos você colheria de cada
palmeira? 2.2 Coloquial
.....................................................................................
14. Se você, dirigindo um ônibus, saísse de São Paulo .....................................................................................
às 17h com 20 passageiros, passasse pelo Rio de .....................................................................................
Janeiro às 22h, para que descessem 18 passageiros e .....................................................................................
subissem 12 e chegasse a Vitoria às 10h do dia ........................................................
seguinte, qual seria o nome do motorista.
2.3 Conotativa
1.1 COMO ESTUDAR UM TEXTO? .....................................................................................
.....................................................................................
Vejamos algumas definições de acordo com o .....................................................................................
Dicionário Aurélio – século XXI .....................................................................................
................................
“COMPREENDER- Alcançar com a inteligência;
perceber, entender: Perceber ou alcançar as 3. MODALIDADE DE TEXTO:
intenções ou o sentido de algo. Entender (alguém),
aceitando como é. Dar-se conta de; perceber, ver.” 3.1 Literário
.....................................................................................
“INTERPRETAR - Ajuizar a intenção, o sentido de. .....................................................................................
Explicar, explanar ou aclarar o sentido de (palavra, .....................................................................................
texto, lei, etc.)” .....................................................................................
.....................................................................................
Em outras palavras, compreender é alcançar .....................................................................................
com a inteligência; é perceber, entender: ou alcançar .................

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 2
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

3.2. Jornalístico Mas será que esta inferência é verdadeira? Será que
..................................................................................... todo comunista Lê Marx? Ou mal sabem o nome, ou
..................................................................................... ainda apenas sabem um resumo de sua doutrina.
.....................................................................................
Mas se de fato o lêem, como prová-lo?
.....................................................................................
..................................................................................... Só pelo exame dos fatos: será necessário consultar,
..................................................................................... então todos os confessadamente comunistas – ou
.................. pelo menos um número suficiente deles- para
sabermos, com segurança e certeza, que todos lêem
4. DICAS DE LEITURA Marx. Será isso possível? Se não é possível, a nossa
generalização – todo comunista lê Marx- talvez não
a) Título – expressão vaga sobre o texto, por isso
seja verdadeiro, pois se baseou em número
deve ser observado e analisado.
insuficiente de fatos.
b) Fonte ( autor e obra) deve ser observada e
analisada para identificar o tipo de texto e o tipo Analise:
de linguagem. 1. Todo mineiro é hábil;
Ora, J. C. é mineiro;
c) Enunciado Logo, J. C. é hábil.
Ler ao menos dois enunciados das questões
sobre o texto. 2. Todo individuo hábil é bom político.
Ora, J. C. é um individuo hábil;
1.2 COMO INTERPRETAR UM TEXTO: Logo, J. C. é um bom político.

Para se entender melhor a interpretação de um 3. Todo bom político é bom administrador.


texto, eis algumas definições do Dicionário Eletrônico Ora, J. C. é bom político;
Aurélio – século XXI: Logo, J. C. é (será) bom administrador.

Inferências 4. Todo bom administrador merece ser eleito.


Ato ou efeito de inferir; indução, conclusão, Ora, J. C. é bom administrador;
ilação. Passagem da premissa à conclusão; ilação. Logo, J. C. merece ser eleito.

Ilação Temos aí uma serie de enunciados em que a


Aquilo que se conclui de certos fatos; dedução, conclusão do primeiro serve de base ao enunciado do
conclusão, Inferência. segundo e assim sucessivamente. Que pode ser falsa
ou não. No caso aqui é falso, pois o fato de ser
Pressuposto individuo hábil não implica necessariamente a
1. Que se pressupõe; pressuposição; qualidade de bom político, da mesma forma como o
2. Circunstância ou fato considerado como
ser bom político não significa ser um bom
antecedente necessário de outro.
administrador.
Subentendido
1. Que se subentende ou subentendeu. TEXTO III
2. Aquilo que está na mente, mas não foi expresso FACULTATIVO
Inferir
Tirar por conclusão; deduzir pelo raciocínio
Estatuto dos funcionários, artigo 240: “o dia 28
Silogismo de outubro será consagrado ao Servidor Público”
Dedução formal tal que, postas duas proposições, (com maiúsculas).
chamadas premissas, delas, por inferência, se tira Então é feriado, raciocina o escriturário que,
uma terceira, chamada conclusão. justamente, tem um “programa” na pauta para essas
emergências. Não, responde-lhe o governo, que tem
Premissa o programa de trabalhar; é consagrado, mas não é
Cada uma das proposições de um silogismo que
feriado.
serve de base à conclusão. Ou seja, fato ou princípio
que serve de base à conclusão de um raciocínio. É, não é, e o dia se passou na dureza, sem ponto
Exemplo de Silogismo facultativo. Saberão os groenlandeses o que são
pontos facultativos? (os brasileiros sabem) é
Todo comunista lê Marx. Premissa descanso obrigatório no duro. João Brandão, o de
alma virginal, não entendia assim, e lá um dia em
Ora, Joaquim Carapuça lê Marx. Premissa que o departamento meteorológico anunciava: “céu
azul, praia, ponto facultativo”, não lhe apetecendo a
Logo, Joaquim Carapuça é Comunista. Conclusão,
ou seja, inferência casa nem as atividades lúdicas, deliberou usar de sua

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 3
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

“faculdade” de assinar o ponto no Instituto Nacional (E) II, somente.


da Goiaba, que, como é do domínio público, estuda
as causas da inexistência dessa matéria prima na 3. No último parágrafo do texto, o autor parte do
caso ocorrido com João Brandão para formular a idéia
composição das goiabadas.
de que:
Encontrou cerradas as grandes portas de bronze,
ouro e pórfiro, e nenhum sinal de vida nos arredores. (A) as palavras, quando têm vários sentidos
(...) Tentou forçar as portas, mas as portas possíveis no dicionário quase sempre produzem
mantiveram-se surdas e nada facultativas. (...) João ambigüidades.
decidiu-se a penetrar no edifício, galgando-lhe a (B) as palavras cruzadas favorecem a
fachada e utilizando a vidraça que os serventes compreensão do preciso sentido que as palavras
sempre deixam abertas. E começava a fazê-lo com a ganham com o uso prático.
teimosia calma dos Brandões quando vigia brotou da (C) pode haver falta de correspondência entre o
grama e puxou-o pela perna. sentido próprio das palavras e o que ganham nas
___ Desce daí, moço. Então não está vendo que situações em que são empregadas.
é dia de descansar (...) então não sabe o que quer (D) as imprecisões da linguagem verbal têm
dizer facultativo? como conseqüência a inaplicabilidade das leis.
João pensava saber, mas nesse momento teve a (E) a diferença entre o que deve ser facultativo e
intuição de que o verdadeiro sentido das palavras o que deve ser obrigatório é uma questão menor,
não está no dicionário; está na vida, no uso que delas que não deve provocar discussão.
fazemos. Pensou na constituição e nas milhares de
leis que declaram obrigatórias milhares de coisas e 4. A crônica favorece a compreensão de que há
essas coisas na prática, são facultativas ou diferentes tipos de texto, como há diferentes usos da
inexistentes. Retirou-se, digno e foi decifrar palavras linguagem. Isso se verifica, por exemplo, quando se
cruzadas. comparam
(Carlos Drummond de Andrade, Obra completa. Rio (A) A linguagem típica de um estatuto e a linguagem
de Janeiro: Aguiar, 1967, PP. 758-759) empregada em situação de conversa.
(B) A linguagem literária e o emprego de uma
1. Sabendo-se que a palavra facultativo tem como palavra como “pórfiro”.
sinônimo optativo (Dicionário Houaiss), é correto (C) O rigor da redação técnica e a informalidade da
afirmar que: construção “encontrou cerradas as grandes
portas”.
A. João Brandão ignorava inteiramente o (D) O formalismo de uma expressão como “e lá um
sentido que ela tem no dicionário. dia” e a informalidade de uma construção como
B. o vigia mostrou compreendê-la conforme o “galgando-lhe a fachada”.
sentido que tem no dicionário. (E) A linguagem jurídica, obediente á norma culta, e
C. o autor mostrou desconhecer o sentido que ela a linguagem da crônica, que desconsidera
tem no dicionário. quaisquer cuidados gramaticais.
D. o vigia só considerou o sentido que ela ganhou
com o uso. 5. Considerando-se o contexto, traduz-se
E. João Brandão desde logo a tomou em seu corretamente o sentido de uma expressão do texto
sentido corrente. em:
(A) O dia (...) será consagrado = a data será
2. Considere as seguintes afirmações: festejada com pompa religiosa.
(B) Não lhe apetecendo (...) as atividades lúdicas =
I. Nas duas vezes em que é empregada, a palavra não tendo vontade de recreação.
programa (2º. Parágrafo) tem a mesma (C) Mantiveram-se (...) nada facultativas = a custo
significação: planejamento de metas franquearam a passagem.
governamentais. (D) A teimosia calma dos Brandões =
intempestividade típica de sua família.
II. A expressão então é feriado (2º. Parágrafo) (E) Teve a intuição de que = deixou-se levar pela
indica a conclusão a que chegou o escriturário, dúvida de que.
em seu raciocínio.
III. Na citação do anúncio do “Departamento
Meteorológico”, a expressão ponto facultativo
5. SEGMENTAÇÃO DE TEXTO: segmentar um
surge deslocada, por não se tratar de uma
texto é mesmo que dividir um conjunto nas
informação meteorológica.
suas partes constitutivas.
Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
1. Critério baseado na oposição
temporal: (antes x durante x depois,
(A) I, II e III.
ou seja, futuro, presente e pretérito)
(B) I e II, somente.
(C) II e III, somente.
(D) I e III, somente. 2. Critério baseado em oposição
espacial: (aqui x aí x lá)

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 4
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

Rosa, João Guimarães. Grande sertão:


3. Critério baseado em oposição veredas.
temática: (principalmente nos textos 7. ed. Rio de Janeiro. J. Olimpio, 1970. p. 36-7
dissertativos: identificar os argumentos)
O TEXTO DIVIDE-SE EM TRÊS PARTES:
4. Critério baseado em oposição entre
1) De “Medeiro Vaz era carrancista” até “então
vários personagens: aspectos e
Medeiro Vaz não estava lá”;
características que as diferenciam.
2) De “O que tinha sido antanha a história mesma
dele” até “mandando por lei e sobregoverno”;
3) De “Fato que Joca Ramiro também igualmente saía
por justiça” até o fim.
TEXTO COMENTADO I Para segmentar esse texto utilizamos o
critério de oposições temporais. O texto começa
Medeiro Vaz era carrancista. Somente de
com verbos no pretérito imperfeito, indicativos
mais sisudez, a praxe, homem baseado. Às vezes
de que o que está sendo relatado ocorreu no
vinha falando surdo, de resmão. Com ele, ninguém
momento em que aconteciam os outros fatos
vereava. De estado calado, ele sempre aceitava todo
narrados.
bom e justo conselho. Mas não louvava cantoria.
Estavam falando todos juntos? Então Medeiro Vaz O pretérito mais-que-perfeito “tinha
não estava lá. O que tinha sido antanha a história sido” introduz a história anterior de Medeiro Vaz e
mesma dele, o senhor sabe? Quando moço, de marca o início da segunda parte, cujos verbos
antepassados e posse, ele recebera grande fazenda. fundamentais da progressão narrativa estão no
Pode gerir e ficar estadonho. Mas vieram as guerras pretérito mais-que-perfeito ou no pretérito
e os desmandos de jagunços - tudo era morte e perfeito.
roubo, e desrespeito carnal das mulheres casadas e
donzelas, foi impossível qualquer sossego, desde em O terceiro segmento marca a volta da
quando aquele imundo de loucura subiu as serras e narrativa ao presente dos atos narrados. Essa
se espraiou nos gerais. Então Medeiro Vaz, ao fim de volta é indicada pelo pretérito imperfeito.
forte pensar, reconheceu o dever dele: largou tudo, O primeiro segmento mostra que
se desfez do que abarcava, em terras e gados, se Medeiro Vaz era um homem diferente dos outros dos
livrou leve como se quisesse voltar a seu só outros: era mais grave, impunha respeito, ouvia as
nascimento. Não tinha bocas de pessoa, não sustinha ponderações dos outros.
herdeiros forçados. No derradeiro, fez o fez -por suas
mãos pôs fogo na distinta casa-de-fazenda, fazendão O segundo segmento mostra a história
sido de seu pai, avô, bisavô - espiou até o voejo das de Medeiro Vaz e os motivos que o levaram a se
cinzas: lá hoje é arvoredos. Ao que aí foi aonde a tornar um “cavaleiro andante”: o dever, que sentia
mãe estava enterrada - um cemiteriozinho em beira seu, de impor a justiça. O segmento pode ser dividido
do cerrado – então desmanchou cerca, espalnou as em subsegmentos, marcados por indicadores
pedras: pronto, de alívios agora se testava, ninguém temporais:
podia descobrir, para remexer com desonra, o lugar 1º.) “Quando moço... recebera” (pretérito mais-
onde se conseguiam os ossos dos parentes. Daí, que-perfeito);
relimpo de tudo, escorrido dono de si, ele montou em
ginete, com cachos d’armas, reuniu chusma de gente 2º.) “Mas vieram (pretérito perfeito) as guerras”;
corajada, rapaziagem dos campos, e saiu por esse
3º.) “Então Medeiro Vaz”;
rumo em roda, para impor a justiça. De anos,
andava. Dizem que foi ficando cada vez mais 4º.) “Daí, relimpo de tudo”
esquisito. Quando conheceu Joca Ramiro, então
achou outra esperança maior: para ele, Joca Ramiro Esses subsegmentos mostram que Medeiro
era o único homem, par-de-frança, capaz de tomar Vaz era um homem de posses e que, horrorizado
conta deste sertão nosso, mandando por lei, de ante a crueldade praticada nas lutas entre
sobregoverno. Fato que Joca Ramiro também fazendeiros, sente que é seu dever impor a justiça.
igualmente saía por justiça e alta política, mas só em Desfaz-se dos bens, põe fogo na casa e destrói o
favor de amigos perseguidos; e sempre conservava cemitério. Isso indica que ele se aparta do mundo da
com seus bons haveres. Mas Medeiro Vaz era duma realidade e atinge a esfera dos ideais mais elevados
raça de homem que o senhor mais não vê: eu ainda e mais nobres. Ele sai da realidade histórica ao
vi. Ele tinha conspeito tão forte, que perto dele até o queimar a casa e destruir o cemitério, pois esses
doutor, o padre e o rico, se compunham. Podia lugares simbolizam sua ligação com a família e,
abençoar ou amaldiçoar, e homem mais moço, por portanto, com a história. Afasta-se dos interesses
valente que fosse, de beijar a mão dele não se mesquinhos dos negócios, ao desfazer-se de seus
vexava. Por isso, nós todos obedecíamos. bens. O quarto sub-seguimento corrobora a idéia de
Cumpríamos choro e riso, doideira em juízo. Tenente que ele era despido de motivações subalternas
nos gerais – ele era. A gente era os medeiro-vazes. (“relimpo de tudo”). Liga-se a Joca Ramiro porque vê
nele seus ideais de justiça. Denomina-o par-de-

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 5
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

frança, expressão que remete ao mundo idealizado 2ª.) de “A influência africana fervendo” até
da cavalaria, ao tempo mítico de Carlos Magno e os “ainda hoje de gente escura”;
doze pares de França, em que imperariam a
3ª.) de “o ar da áfrica” até “governando
lealdade, a justiça, a honra e outros sentimentos
antes a África”;
nobres.
4ª.) de “Corrigindo até certo ponto” até “a
Na terceira parte, o narrador fala de Joca
semi-escravidão dos vencidos”.
Ramiro, de Medeiro Vaz e dos que estavam
subordinados a este. Na primeira parte, o produtor do texto trata
da duplicidade da cultura portuguesa, ao
O narrador nota que Joca Ramiro se
mesmo tempo européia e africana, pois forjada
preocupava com a justiça, mas sempre preso a
a partir de influências provindas dos dois
motivações menores: a política de alianças e os
continentes. O português, segundo o autor, não é
negócios. Medeiro Vaz, ao contrário, era um homem
somente europeu, nem apenas africano, mas
que só vivia em função dos ideais, era membro de
europeu e africano. É isso que permite a ele colonizar
uma espécie que já não mais existia e, por isso,
os trópicos (no caso, o Brasil) da maneira como o faz.
impunha respeito. Depois, mostra a atitude de
irrestrita obediência dos que viviam sob suas ordens. Na segunda parte, o tema é a influência
Ele era tenente, e os outros, os que a ele estavam cultural (por exemplo, nos padrões sexuais, na
subordinados. No sertão chamavam-se os chefiados culinária e na religião) e racial (sangue mouro ou
pelo nome do chefe. Daí o nome “Medeiro-vazes”. negro) africana nos padrões culturais e raciais
(branco) europeus.
Na terceira parte, o autor discorre sobre o
TEXTO COMENTADO II
abrandamento da rigidez européia por
A singular predisposição do português para a influencia africana. Três expressões remetem ao
colonização híbrida e escravocrata dos trópicos, tema do abrandamento: “amolecendo”,
explica-a em grande parte o seu passado étnico, ou “corrompendo a rigidez”, “tirando os ossos”.
antes, cultural, de povo indefinido entre a Europa e a Esse abrandamento abrange todos os setores da
África. Nem intransigentemente de uma nem de vida: as instituições, a cultura, o dogma e a moral
outra, mas das duas. A influência africana fervendo católica; o sistema econômico e político; a
sob a européia e dando um acre requeima à vida arquitetura; o direito; a língua e o próprio caráter do
sexual, á alimentação, à religião: o sangue mouro ou povo. Em Portugal, a cultura européia reina, isto é,
negro correndo por uma grande população tem precedência, possui o poder simbólico, mas a
brancarana, quando não predominado em regiões africana governa, ou seja, detém o poder de fato.
ainda hoje de gente escura; o ar da África, um ar
Na quarta parte, o tema é o enrijecimento
quente, oleoso, amolecendo nas instituições e nas
do caráter português. Para contrabalançar a
formas de cultura as durezas germânicas:
influência amolecedora da África, o constante estado
corrompendo a rigidez moral e doutrinária da Igreja
de guerra entre Europa e África contribui para
medieval; tirando os ossos ao cristianismo, ao
endurecer (“entesando-o”) o caráter português . No
feudalismo, à arquitetura gótica, à disciplina
entanto, essa atividade guerreira não impede a
canônica, ao direito visigótico, ao latim, ao próprio
miscigenação entre portugueses e africanos nem as
caráter do povo. A Europa reinando, mas sem
relações culturais entre os dois povos.
governar: governando antes a África.
Nesse texto, o autor define, então, a
Corrigindo até certo ponto tão grande
cultura portuguesa como uma mescla de
influência do clima amolecedor, atuaram sobre o
influências européias e africanas. Por isso é que
caráter português, entesando-o, as condições sempre
a colonização portuguesa permitiu que no Brasil se
tensas e vibráteis do contato humano entre a Europa
amalgamasse brancos, índios e negros para a
e a África; o constante estado de guerra (que,
formação da cultura brasileira.
entretanto não excluiu nunca a miscigenação nem a
atração sexual entre as duas raças, muito menos o
intercurso entre as duas culturas); a atividade
guerreira, que se compensava do intenso esforço
militar relaxando-se, após a vitória, sobre o trabalho TEXTO III - EXERCÍCIOS
agrícola e industrial dos cativos de guerra, sobre a
escravidão ou a semi-escravidão dos vencidos. O Santa Fé ficava encravado no engenho de
meu avô. As terras do Santa Rosa andavam léguas e
Freire, Gilberto. Casa-Grande e Senzala. São léguas de norte a sul. O velho Paulino tinha este
Paulo, Círculo do Livro, s.d.p.43-4. gosto: o de perder de vista nos seus domínios.
Levando em conta o critério das oposições Gostava de descansar os olhos em horizontes que
temáticas, pode-se dividir o texto em quatro partes: fossem seus. Tudo o que tinha era para comprar
terras e mais terras. Herdara o Santa Rosa pequeno,
1ª.) de “A singular predisposição” até “mas e fizera dele um reino, rompendo os seus limites pela
das duas”; compra de propriedades anexas. Acompanhava o
Paraíba com as várzeas extensas e entrava de
caatinga a dentro. Ia encontrar as divisas de
PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA
PORTUGUESA 6
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

Pernambuco nos tabuleiros de Pedra de Fogo. Tinha Questão 5


mais de três léguas, de estrema a estrema. E não
O Santa Fé e o Santa Rosa são espaços que
contente se seu engenho possuía mais oito,
têm as mesmas características de seus proprietários,
comprados com os lucros da cana e do algodão. Os
respectivamente, Lula de Holanda e José Paulino.
grandes dias de sua vida lhe davam as escrituras de
Mostre com elementos do texto que Lula de Holanda
compra, os bilhetes de sisa que pagava, os bens de
é um homem mergulhado em si mesmo, não-
raiz, que lhe caíam nas mãos. Tinha para mais de
empreenderdor e decadente (o Santa fé é um espaço
quatro mil almas debaixo de sua proteção. Senhor
englobado, estático e decadente), enquanto José
feudal ele foi, mas os seus párias não traziam a
Paulino é um homem expansivo, empreendedor e
servidão como um ultraje. O Santa Fé, porém,
próspero (o Santa Rosa é um espaço englobante,
resistira a essa sua fome de latifúndio. Sempre que
dinâmico e próspero).
via aqueles condados na geografia, espremidos entre
grandes países me lembrava do Santa Fé. O Santa Questão 6
Rosa crescera a seu lado, fora ganhar outras posses
contornando as suas encostas. Ele não aumentara Releia o terceiro segmento. Dele se pode deduzir
um palmo e nem um palmo diminuíra. Os seus que:
marcos de pedra estavam ali nos mesmos lugares A) Numa economia, todos os empreendimentos ou
de que falavam os papéis. Não se sentiam, porém, progridem ou ficam estagnados.
rivais o Santa Fé e o Santa Rosa. Era como se fossem
dois irmãos muito amigos, que tivessem recebido de B) Numa economia produtiva, não há
Deus uma proteção de mais ou uma proteção de empreendimentos improdutivos.
menos. Coitado do Santa Fé! Já o conheci de fogo C) Numa economia, cada setor tem uma dinâmica
morto. E nada é mais triste de que um engenho de própria, mas todos progridem.
fogo morto. Uma desolação de fim de vida, de ruína,
que dá à paisagem rural uma melancolia de D) Numa economia, coexistem setores prósperos e
cemitério abandonado. Na bagaceira, crescendo, o setores improdutivos.
mato-pasto de cobrir gente, o melão entrando pelas
fornalhas, os moradores fugindo para outros
engenhos, tudo deixado para um canto, e até os bois 6.TIPOLOGIA TEXTUAL
de carro vendidos para dar de comer aos seus donos.
Ao lado da prosperidade e da riqueza do meu avô,
eu vira ruir, até no prestígio de sua autoridade, 1. NARRAÇÃO - O texto narrativo é aquele que
aquele simpático velinho que era o Coronel Lula de conta uma história.
Holanda, com o seu santa Fé caindo aos pedaços.
Todo barbado, como aqueles velhos dos álbuns de A narração é um relato de fatos vividos por
retratos antigos, sempre que saía de casa era de
cabriolé e de casimira preta. A sua vida parecia um personagens e ordenados numa seqüência lógica e
mistério. Não plantava um pé de cana e não pedia temporal, por isso ela se caracteriza pelo emprego de
um tostão emprestado a ninguém.
verbos de ação que indicam a movimentação das
Rego, José Lins do. Menino de engenho. 17.
ed.Rio de janeiro,J.Olympio, 1972. p. 75-7. personagens no tempo e no espaço.

Questão 1 A estrutura da narrativa compõe-se das


O texto constrói-se a partir de uma oposição seguintes seqüências:
entre dois espaços. Quais são eles?
Questão 2 1. apresentação; 2. complicação;

Uma vez que o texto se constrói a partir de 3. clímax; 4. desfecho.


oposições espaciais, sua segmentação pode basear-
se nessas oposições. Levando em conta que o texto Neste pequeno texto podemos identificá-las:
fala ora do Santa Fé, ora do Santa Rosa, ora de
ambos conjuntamente, divida o texto em sete partes. Conto Cruel

Questão 3 A uremia não o deixava dormir.


A filha deu uma injeção de sedol.
Justifique com palavras do texto a afirmação
de que o Santa Rosa é um espaço dinâmico, que
cresce, enquanto o Santa Fé é um espaço estático,
___Papai verá que vai dormir.
que não aumenta nem diminui.
O pai aquietou-se e esperou. Dez minutos... Quinze
Questão 4
minutos... Vinte minutos... Quem disse que o sono
Pode-se inferir do texto que o Santa Fé é um
espaço englobado pelo espaço do Santa Rosa? chegava.? Então, ele implorou chorando
Justifique sua resposta.

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 7
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

___Meu Jesus-Cristinho! Narração é a modalidade de redação na qual


contamos um ou mais fatos que ocorreram em
Mas Jesus – Cristinho nem se incomodou. determinado tempo e lugar, envolvendo certas
Manuel Bandeira personagens.

ELEMENTOS DA NARRATIVA TIPOS DE DISCURSO:


a) Direto – Aparece a fala das personagens.
a) Personagens – entidades que vivem as ações –
podem ser animadas ( gente, animais) ou O rapaz, depois de estacionar seu automóvel em um
inanimadas (objetos) e sua apresentação ou é
pequeno posto de gasolina daquela rodovia,
direta (através de descrição) ou indireta ( através
de suas falas e do seu comportamento). perguntou:
Elas podem ser classificadas em principais
___ Onde fica a cidade mais próxima?
(protagonista – herói, o bem – e antagonista –
o vilão, o mal) e personagem secundárias ___ Há um Vilarejo a dez quilômetros daqui –
respondeu o funcionarão.
b) Ação – centra-se no enredo: o quê e como
aconteceu algo. O enredo pode ser linear, isto é, “Achamos o nome engraçado e perguntamos:
seqüências lógicas e cronológicas de começo –
___ Qual o padrinho que pôs o nome de Milagre
meio – fim e passado – presente – futuro. Ou
pode ser alienar ou não- linear: não segue uma naquele afilhado?
seqüência lógica e cronológica.
Indireto – Não aparecem as falas das personagens.
c) Tempo – pode ser cronológico (marcado pelo O narrador é que conta os acontecimentos.
relógio, pelo calendário, pelas estações do ano) O rapaz, depois de estacionar seu automóvel em um
ou psicológico (duração interior dos
acontecimentos, narrativas introspectiva, pequeno posto de gasolina daquela rodovia,
inimista – marca a duração – vivência) perguntou a um funcionário onde ficava a cidade

d) Espaço – pode ser físico (o lugar onde mais próxima. Ele respondeu que havia um vilarejo a
transcorre a história) ou psicológico (lugares da dez quilômetros dali.
vivência interior, o espaço de nosso universo
subjetivo que também contém uma duração “Achamos o nome engraçado e perguntamos que
interior específica. padrinho pusera o nome de Milagre naquele

e) Narrador - pode ser narrador – personagem afilhado.


(é personagem e contar a história em primeira
pessoa), narrador – observador (conta a
história em terceira pessoa e só observa os b) Indireto livre- é um tipo de discurso misto, em
acontecimentos) e narrador – onisciente tem que se associam as características do discurso
uma visão total da história, tanto que revela até
o pensamento das personagens. direto e do discurso indireto, ou seja, fusão da
fala do autor e da personagem)
Vamos identificar os elementos da narrativa no
texto abaixo: “Achamos o nome engraçado. Qual o padrinho
que pusera o nome de Milagre naquele afilhado?
Em uma noite chuvosa do mês de agosto, E o português explicou que não, que o nome do
Paulo e o irmão caminhavam pela rua mal iluminada pertinho era Sebastião. Milagre era apelido.”
que conduzia a sua residência. Subitamente foram
abordados por um homem estranho. Pararam, 2. DESCRIÇÃO é o tipo de redação na qual se
atemorizados, e tentaram saber o que o homem apontam as características que compõem um
queria, receosos de que se tratasse de um assalto. determinado abjeto, pessoa, ambiente ou
Era, entretanto, somente um bêbado que tentava paisagem de forma objetiva (externa, física) ou
encontrar, com dificuldade, o caminho de sua casa. subjetiva (interna, psicológica)

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 8
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

Texto TEMA - Ultimamente temos notado um enorme


Sua estatura era alta e seu corpo, esbelto. A pele interesse dos jovens em participar da vida política
morena refletia o sol dos trópicos. Os olhos negros e desta nação.
amendoados espalhavam a luz interior de sua alegria
de viver e jovialidade. Os traços bem desenhados TÍTULO: Terra: uma preocupação constante
compunham uma fisionomia calma, que mais parecia
uma pintura. TEMA: Chegando ao terceiro milênio, o homem
ainda não conseguiu resolver graves problemas
que preocupam a todos.
2. DISSERTAÇÃO - consiste em defender uma
POR QUÊ?
idéia. Ou seja, é um tipo de texto que analisa e
RESPOSTA = ARGUMENTO:
interpreta dados da realidade por meio de
1. Porque existem populações imersas em completa
conceitos abstratos.
miséria;
No discurso dissertativo, as referências ao
2. a paz é interrompida freqüentemente por conflitos
mundo concreto só ocorrem como recursos de
internacionais;
argumentação, para ilustrar leis ou teorias
3. o meio ambiente encontra-se ameaçado por sério
gerais
desequilíbrio ecológico;
2.1 DIFERENÇA ENTRE TÍTULO E TEMA
Assim teríamos:
Título – representa uma vaga referência sobre o
Chegando ao terceiro milênio, o homem
assunto abordado no texto;
ainda não conseguiu resolver graves problemas
Tema – é o assunto sobre o qual você irá escrever,
que preocupam a todos, pois existem populações
ou seja, a idéia que será defendida ao longo do texto;
imersas em completa miséria, a paz é interrompida
Exemplo:
freqüentemente por conflitos internacionais e, além
TÍTULO – O jovem e a política
do mais, o meio ambiente encontra-se ameaçado por
sério desequilíbrio ecológico.
1.2. Oração é o enunciado que organiza ao redor
de um verbo e apresenta sujeito e predicado, ou
ao menos predicado, pois pode haver orações sem
sujeitos. Uma oração pode ou não ter sentido
completo.
II – SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO
Choveu muito em Santa Catarina.
SIMPLES As enchentes destruíram a plantação.

1.3. Período é a frase organizada em uma ou mais


1. FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO orações.

1.1. Frase é todo enunciado lingüístico que possui 1.3.1 CLASSIFICAÇÃO DO PERÍODO:
sentido completo, terminado com pausa bem
definida (ponto, ponto de interrogação, ponto de Dependendo do número de orações que o
exclamação). constituem, o período pode ser:
Silêncio.
Fogo! 1.3.1.1 Simples: formado por uma única oração,
Choveu muito em Salvador? que recebe o nome de oração absoluta: no período
A comitiva desembarcou no aeroporto. simples teremos apenas um verbo ( ou de
Espero que o time conquiste o campeonato. locução verbal)
Observe que, para que haja frase, a presença de um A inflação continua alta.
verbo não é obrigatória; desde que o enunciado A praia foi invadida pelos meninos.
possua sentido completo, ele constituirá uma frase. (foi invadida = locução verbal)

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 9
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

2.2.1 - Verbo transitivo direto


1.3.1.2 Composto: formado por mais de uma
oração; teremos tantas orações em um período Exige complemento sem a ajuda da preposição
quanto for o número de verbos ( ou das (objeto direto).
locuções verbais ).
1. A casa de Ana sofreu reforma geral.
A inflação continua alta, e os salários continuam Suj. + VTD + Objeto direto
baixos. (duas orações)
2. Derrubaram a árvore e o poste.
Tudo nos une, nada nos separa VTD + Objeto direto
Espero que ela me telefone ainda hoje.
(duas orações)
2.2.2 - Verbo transitivo indireto
É necessário que ela volte e assuma o cargo que
abandonou. (quatro orações)
Exige complemento com preposição obrigatória
(Objeto indireto).
2. PREDICAÇÃO VERBAL OU TIPOS DE VERBOS
Concordei com tudo.
VTI + Objeto indireto

A predicação verbal trata do modo pelo qual os Acredito em Deus.


verbos formam o predicado, isto é, se exigem ou não VTI + Objeto indireto
complementos.

Quanto à predicação, os verbos podem ser 2.2.3 - VERBO TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO
intransitivos, transitivos e de ligação.
Exige dois complementos: um sem e outro com
2.1- VERBOS INTRANSITIVOS preposição obrigatória (objeto direto e objeto
indireto)
São verbos de conteúdo significativo que,
por terem sentido completo, não necessitam de um 1. Escrevi uma carta ao presidente.
complemento, podendo, portanto, constituir o VTDI + objeto direto e objeto indireto
predicado sozinhos.
2. Paguei a conta ao funcionário.
VTDI + objeto direto e objeto indireto
1. As crianças riram.
Suj. + VI
2.3 - VERBO DE LIGAÇÃO
2. Todos choraram.
Suj. + VI
São verbos que exprimem estado ou
3. As crianças chegaram cansadas. mudança de estado, (não indicam, portanto,
Suj. + VI + Predicativo do sujeito ações). Nas orações com verbos de ligação, o sujeito
não pratica nem sofre a ação (não há ação); o sujeito
4. O rapaz nasceu rico. é apenas o ser a quem se atribui alguma
Suj. + VI + Predicativo do sujeito característica. Por essa razão, o verbo serve como
elemento de ligação entre um sujeito e seu
5. As crianças riram muito no quarto.
Suj. + VI + Adjunto Adverbial atributo, o predicativo do sujeito.

6. Todos choraram pouco. Ex.:


Suj. + VI + Adjunto Adverbial
1. Nós // somos // lindos.

2.2 – VERBOS TRANSITIVOS Suj. + VL = Predicativo do sujeito

São verbos de conteúdo significativo que, não 2. As pessoas // continuam // sem fala.
tendo sentido complemento, e por isso não são
capazes de, sozinhos, constituir o predicado. Suj. + VL = Predicativo do sujeito
Subdividem-se em: transitivos diretos;
3. Nós// estamos // com sono.
transitivos indiretos; transitivos diretos e
indiretos. Suj. + VL = Predicativo do sujeito

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 10
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

EIS ALGUNS ASPECTOS: B1) A festa será naquele clube.


.....................................................................................
1) estado permanente – ser, viver ...........

Ana é bonita, ela vive alegre. B2) Estaremos em casa à noite.


.....................................................................................
2. estado transitório – estar andar, achar-se, ...........
encontrar-se
B3) Chegaremos cedo da rua.
.....................................................................................
Ana está bonita, ela anda alegre.
............
3. estado continuativo – continuar, permanecer. B4) O quero-quero voa sossegadamente.
.....................................................................................
Ana continua bonita. Ela permanece alegre. ...........

4. estado mutatório – ficar, virar, tornar – se, fazer- B5) Sandra nada como um peixe.
se, meter-se a. .....................................................................................
..........
Ana ficou bonita, ela se tornou alegre.
B6) O árbitro fugiu do campo.
5. estado aparente – parecer .....................................................................................
..........
Ana parece bonita.
B7) “Os guerreiros tabajaras dormem.”
.....................................................................................
1.1 - TEORIA NA PRÁTICA
........

B8) Passeamos pela cidade. .


.....................................................................................
1. Classifique os verbos quanto à predicação verbal
.......
(tipos de verbos)
B9) Fernando renasceu feliz.
A1) A festa será belíssima. .....................................................................................
..................................................................................... .......
...........
B10) Bartolomeu morreu pobre.
A2) O trabalho então se tornou um vício. .....................................................................................
..................................................................................... ..........
..........
B11) Cheguei atrasado.
A3) O tempo continua chuvoso. .....................................................................................
..................................................................................... .........
............
B) TODOS ESSES VERBOS
A4) Os atletas pareciam cansados. SÃO .................................
.....................................................................................
............
C1) Resolvemos todas as questões.
A5) Minha mãe ficou feliz. .....................................................................................
..................................................................................... ...........
............
C2) Ontem nós devolvemos o livro
A6) A água está fria. .....................................................................................
..................................................................................... ............
............
C3) Os alunos estudam Português.
A7) Mário encontra-se triste. .....................................................................................
..................................................................................... ...........
............
C4) Solange digitou o relatório.
A) TODOS ESSES VERBOS .....................................................................................
SÃO ................................ .........

C5) O religioso ama seus semelhantes.

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 11
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

..................................................................................... .....................................................................................
......... ............

C6) Lampião comprou balas. E) TODOS ESSES VERBOS


..................................................................................... SÃO .................................
...........

C7) Não condenamos o talvez.


..................................................................................... 2. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO: SUJEITO
............ E PREDICADO:

C) TODOS ESSES VERBOS


SÃO ................................. a) Camões escreveu Os Lusíadas.
Sujeito predicado
b) Chove em São Paulo
D1) Os alunos gostam de Português. Predicado
.....................................................................................
........... Sujeito é ser de quem se informa ALGO.

D2) A criança obedece ao pai. Predicado é a informação propriamente dita.


.....................................................................................
............ Pois, num enunciado completo, sempre nos é dado
uma informação a respeito de alguém ou de
D3)A secretária concordou com o diretor. alguma coisa.
.....................................................................................
............ 2.1 TIPOS DE SUJEITO

D4) As coisas obedecem ao seu tempo regular. Dependendo do núcleo o sujeito pode ser:
.....................................................................................
............ SUJEITO DETERMINADO: é possível reconhecer
gramaticalmente o sujeito da oração; é o que ocorre
D5) O luxo contribuiu para a sua ruína. com o sujeito simples e o composto e mesmo o
..................................................................................... sujeito implícito na desinência verbal ( oculto):
............
A) SIMPLES: possui um único núcleo.
D6) Não dependemos do empréstimo.
..................................................................................... Um touro vivia pastando à vista de todos.
............ Um touro (sujeito)
Touro (núcleo)
D) TODOS ESSES VERBOS Vivia pastando á vista de todos (predicado)
SÃO .................................
B) COMPOSTO: possui mais de um núcleo.

E1) Hoje ela devolverá o livro a você Bois, vacas, bezerros andavam misturados.
..................................................................................... Bois (núcleo) Vacas (núcleo) Bezerros (núcleo)
............ Bois, vacas, bezerros (Sujeito)
Andavam misturados (predicado)
E2) O contador passou a duplicata ao fornecedor.
..................................................................................... Em alguns casos, o sujeito simples não aparece
............ expresso na oração, mas é facilmente identificado
por estar implícito na desinência verbal ou no próprio
E3) Ana Clara prefere samba à música sertaneja. contexto.
.....................................................................................
........... Esse tipo de sujeito é chamado de oculto,
desinencial ou implícito na desinência verbal.
E4) No inverno, Dona Célia dava roupa aos pobres.
..................................................................................... C) SUJEITO OCULTO, DESINENCIAL OU IMPLÍCITO
............ NA DESINÊNCIA VERBAL.

E5) Ofereceram flores à noiva. a) Falei com ele ontem á tarde


..................................................................................... Eu (sujeito oculto)
........... Falei com ele ontem á tarde (predicado)

E6) Ensinamos técnicas agrícolas aos camponeses. b) Viajamos para a Itália


Nós (sujeito oculto)

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 12
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

Viajamos para a Itália (predicado)


E) ORAÇÃO SEM SUJEITO
Quanto á possibilidade de se identificar ou não o
sujeito, podemos ter: Temos oração sem sujeito quando a informação
vinculada pelo predicado não se refere a sujeito
D) SUJEITO INDETERMINADO: algum.

A informação contida no predicado refere-se a um Ocorre com os verbos impessoais, que são os
elemento que não se pode ( ou que não se quer) seguintes:
identificar.
1. Verbos que exprimem fenômenos naturais
a) Falaram muito mal de você na reunião. (chover, ventar, anoitecer, amanhecer,
(Sujeito indeterminado) relampejar, trovejar, nevar, etc.)
Falaram muito mal de você na reunião Choveu muito no último verão. (predicado)
(predicado)
Nevou muito na Europa no ano passado. (predicado)
b) Acredita-se na existência de discos voadores. Anoiteceu rapidamente. (predicado)
Venta muito forte naquela região. (predicado)
(sujeito indeterminado)
Se o verbo que exprime fenômeno natural for
Acredita-se na existência de discos voadores empregado em sentido figurado, então haverá
(predicado) sujeito.

O sujeito será indeterminado se ocorrerem os casos a) Chovem bênçãos sobre a multidão.


abaixo:
Chovem (predicado)
1. O verbo está na terceira pessoa do plural e não Bênçãos sobre a multidão (sujeito)
há sujeito na oração, nem é possível reconhecê-lo
pelo contexto. b) O orador trovejava ameaças.
Telefonaram para você. (predicado)
O orador (sujeito)
(sujeito indeterminado) Trovejava ameaças (predicado)

2. Com os verbos intransitivos e transitivos 2. Os verbos ( fazer, ser, estar e passar)


indireto e de ligação na 3ª. do singular + se indicando tempo cronológico ou clima.
(índice de indeterminação do sujeito)
a) Faz dois anos que ele saiu. (predicado)
Come-se bem naquele restaurante. (predicado)
b) É uma hora. (predicado)
Vive-se bem em campinas. (predicado)
c) Está frio. (predicado)
Precisa-se de datilógrafas. (predicado)
(sujeito indeterminado) d) Eram trinta de maio de 2010.

e) Estava calor ontem.


Acredita-se em marcianos. (predicado)
(sujeito indeterminado)
f) Olhei o relógio: passava das cinco horas da tarde.
Era-se feliz naquela época. (predicado) g) “ Fazia dias que o Balão não aparecia na porteira
do curral.”
Quando o sujeito é representado por um pronome
substantivo indefinido, não devemos considerá- 3. O verbo haver nos sentidos de existir,
lo indeterminado, e sim sujeito simples.
acontecer, realizar-se, decorrer ou quando
Alguém roubou minha caneta. indica tempo transcorrido.

Alguém (sujeito simples) a) Havia cinco alunos na biblioteca. (predicado)


Roubou minha caneta (predicado)
b) Há dois meses que não vejo Reinaldo. (predicado)
Algo preocupa os candidatos.
c) Havia três noites que não dormia.
Algo (sujeito simples)
Preocupa os candidatos (predicado) d) Houve algo de anormal?

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 13
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

.....................................................................................
e) Onde houvesse festas e danças, ali estava ele. ............

O verbo existir não é impessoal. Sendo assim, ele D1) Falaram muito mal de você na reunião.
possuirá o sujeito expresso na oração, concordando .....................................................................................
normalmente com ele. ............

a) Havia quatro pessoas interessadas na vaga. D2) Telefonaram para você.


(predicado) .....................................................................................
A oração é sem sujeito. ............

b) Existiam quatro pessoas interessadas na vaga. D3) Nessas ocasiões, festejam até raiar o dia.
Existiam (predicado) .....................................................................................
Quatro pessoas interessadas na vaga. ............
(sujeito)
D4) Acredita-se na existência de discos voadores.
4. Os verbos impessoais (exceção feita ao verbo .....................................................................................
ser) devem ficar sempre na 3º pessoa do ............
singular. Assim, o correto é dizer:
D5) Precisa-se de digitadores.
a) Havia muitas leis. .....................................................................................
b) Faz dois meses. ............

D6) Vivia-se feliz naquela época.


• Observe que quando um verbo auxiliar se junta a
.....................................................................................
um impessoal, ele também fica no singular. ............

a) Pode haver muitas leis. D7) Era-se feliz naquela época.


b) Vai fazer dois meses. .....................................................................................
............

2.2 TEORIA NA PRÁTICA D8) Hoje, fica-se indiferente a tudo.


.....................................................................................
1. Classifique os tipos de sujeito ............

A1) Todos os ligeiros rumores da mata tinham uma E1) Choveu muito no último verão.
voz para a selvagem filha do sertão. ( José de .....................................................................................
Alencar) ............
.....................................................................................
............ E2) Nevou muito na Europa no ano passado.
.....................................................................................
A2) Um bando de galinhas –d’angola atravessa a rua ............
em fila indiana.
E3) É uma hora. Está frio. Hoje fez muito calor.
A3) Alguém roubou minha caneta. .....................................................................................
..................................................................................... ............
............
E4) Havia cinco alunos na biblioteca.
B1) Chegaram o aluno e o professor .....................................................................................
..................................................................................... ............
............
E5) Há dois meses que não vejo Reinaldo.
B2) Ela e eu gostamos de cinema. .....................................................................................
..................................................................................... ............
............
E6) Faz dois anos que ele saiu.
C1) Falei com você ontem à tarde .....................................................................................
..................................................................................... ............
............
E7) Pode haver muitas leis.
C2) gostamos de cinema. .....................................................................................
..................................................................................... ............
............
E7) Vai fazer dois meses.
C3) Saíste com os amigos ontem?

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 14
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

..................................................................................... O objeto será sempre aquele que relembrar o outro.


........... Isso quando concorrem dois pronomes; no caso de
concorrer um pronome apenas, será sempre ele o
3. TERMOS LIGADOS AO VERBO objeto pleonástico.

3.4 ADJUNTO ADVERBIAL


Complementos verbais
É o termo da oração que se liga a um verbo que tem
São elementos substantivos que completam o sentido completo, com ou sem preposição, a fim de
sentido do verbo. Existem dois tipos: indicar uma circunstancia qualquer ou intensificar o
sentido do verbo. O adjunto adverbial pode também
3.1. O OBJETO DIRETO estar ligado a adjetivos ou advérbios, intensificando o
sentido destes.
É o complemento que se liga diretamente ao verbo,
ou seja, sem o auxílio de preposição. a) Os viajantes chegarão a São Paulo.
Ex: .......................................................................
Os velhos usam bengala. ...............................

Luisinho quebrou dois pratos. b) Os alunos estudam muito.


.......................................................................
Comprei todos os melões do supermercado. ..............................

O objeto direto é, enfim, o complemento do c) Humberto fala muito bem.


verbo transitivo direto. .......................................................................
.............................
3.2 O OBJETO INDIRETO
3.5 AGENTE DA PASSIVA
É o complemento que se liga indiretamente ao
verbo, isto é, por meio de preposição. É o complemento de um verbo na voz passiva.
Ex.:
Ex: O edifício foi destruído pelo fogo.
Edite desconfia de tudo. Pelo fogo completa o sentido de foi destruído, voz
passiva, por isso, agente da passiva.
Acredito em Deus.
O agente da passiva vem precedido geralmente da
O inimigo resistiu ao ataque. preposição por, mas também pode aparecer
antecedido da preposição de.
O objeto indireto é, enfim, o complemento do
verbo transitivo indireto. Ex.:
O cantor ficou rodeado de fãs.
3.3 OBJETO DIRETO E INDIERTO
O agente da passiva sempre corresponde ao sujeito
É o complemento do verbo transitivo direto e do verbo na voz ativa.
indireto.
Ex.:
Ofereceram flores às alunas. O fogo destruiu o edifício.

Deram uma medalha ao primeiro colocado. Fãs rodearam o cantor.

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO Ás vezes o agente da passiva é indeterminado.


PLEONÁSTICOS Ex.:
Todos os ratos da casa foram mortos.
São os objetos repetidos no meio da frase, usados (Por quem, não se sabe.)
por motivo de ênfase.
Ex.: “quem não quer ser aconselhado, não pode ser
ajudado.”
“A vida leva-a o vento.” ( ODP ) (dois agentes da passiva indeterminados.)

“De que lhe vale ao homem conquistar o mundo, se As passivas sintéticas também não trazem
perde a alma?” (OIP) determinado o agente.

A mim não me agrada esse cantor. (OIP) Ex.:


Vendem-se casas.
Dívidas convêm saudá-las. (ODP) Dão-se terras.

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 15
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

3. 6 TEORIA NA PRÁTICA D6) Ele canta muito mal.


A1) Os passageiros esperavam o trem. .....................................................................................
..................................................................................... ...........
............
E1) A carta será escrita pelo aluno.
A2) não condenamos o não que ela disse. .....................................................................................
..................................................................................... ............
..........
E2) O macaco foi ferido pelo menino.
A3) Equacionaremos todos os problemas. .....................................................................................
..................................................................................... ........
............
E3) As terras foram desapropriadas pelo governo.
A4) O menino feriu o macaco. .....................................................................................
..................................................................................... ..........
...........
E4) A cidade estava cercada de inimigos.
B1) Carlos gosta de música. .....................................................................................
..................................................................................... ...........
...........
E5) A empresa é representada por mim.
B2) O professor confia em seus alunos. .....................................................................................
..................................................................................... ............
...........
E6) Ele era conhecido dos três.
B3) Não dependemos do empréstimo. .....................................................................................
..................................................................................... ............
...........
E7) Fomos atropelados por um talvez.
C1) Ofereceram uma medalha a Carlos. .....................................................................................
..................................................................................... ............
..........
E8) A praça foi cercada por populares.
C2) Nunca deu atenção aos ricos. .....................................................................................
..................................................................................... ............
.........
4. TERMOS LIGADOS AO NOME
C3) O funcionário devolveu a carteira ao aluno.
.....................................................................................
........ 4. 1 - ADJUNTO ADNOMINAL

D1) Talvez jamais a veremos. É o termo da oração que se refere a um substantivo,


..................................................................................... com a função de determiná-lo ou caracterizá-lo
....... (função típica do adjetivo ou de palavras com valor
de adjetivo).
D2) Chegaram rapidamente à sede do partido.
..................................................................................... Aqueles dois meninos estudiosos saíram.
........
É representado na oração por adjetivos, locuções
D3) O inverno chegou cedo. adjetivas, pronomes adjetivos, numerais e artigos.
.....................................................................................
......... No período, a oração adjetiva também exerce essa
função. Exemplos de adjuntos adnominais:
D4) Os estudantes leram o livro na biblioteca.
..................................................................................... É muito antigo a casa onde mora. ( Oração
........... adjetiva)

D6) Os estudantes leram o livro muito bem. “O mundo é filho da desobediência. Se Adão
..................................................................................... tivesse cumprido as ordens do Senhor, a
........ humanidade ficaria limitada a personagens do
paraíso.”
D5) Ela nunca se revelou muito responsável.
..................................................................................... Observe:
............

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 16
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

O (artigo); da desobediência (locução adjetiva); É o termo do predicado que se relaciona ao objeto


do Senhor ( locução adjetiva); a (artigo); atribuindo-lhe uma característica.
as (artigo); do Paraíso (locução adjetiva);
As informações deixaram os trabalhadores
O adjetivo predicativo (limitada) é o termo perplexos.
essencial, assim como o sujeito, e não pode ser
considerado adjunto. (predicativo do objeto = perplexos)

“Saúda aquela criança que passa, será talvez um Julgar, nomear, eleger, proclamar, considerar,
homem; saúda-a duas vezes, será, talvez, um declarar etc.
grande homem.”
5.4 APOSTO
Observe:
É o termo da oração que se liga a um nome
Aquela (pronome adjetivo); Que passa (oração (substantivo ou palavra com valor de substantivo)
adjetiva); um (artigo); duas (numeral); Um com a função de esclarecê-lo, explicá-lo, discriminá-
(artigo); grande (adjetivo); lo ou resumi-lo.
4.2- Complemento nominal Ex.:
É o complemento de um nome (substantivo, adjetivo Lúcia, aluna do terceiro colegial, foi bem na
ou advérbio).
prova.
Ex: Desejo-lhe uma coisa: felicidade.
Jussara tem certeza da vitória.
Roubaram tudo: discos, jóias, dinheiro,
Da vitória completa o sentido da certeza, um documentos.
substantivo ( portanto, um nome), pois quem tem
certeza, tem certeza de alguma coisa. Homem sagaz, o vigário contornou a situação.
Diz-se, então, que certeza é um nome de valor
relativo. A mata Atlântica, a segunda floresta mais
devastada do mundo, revela novidades que
Outros exemplos: surpreendem até os cientistas.

a) A sala está cheia de gente. “Vênus, uma bela mulher de bom gênio, era a
(Cheia= adjetivo de valor relativo) deusa do amor; Juno, uma víbora, a deusa do
casamento. E sempre foram inimigas mortais...”
b) Tenho saudades de Teresa.
(Saudades =subst. de valor relativo)
Ninguém é capaz de supor que um animalzinho tão
c) Sua casa é longe da escola. (longe=advérbio de belo e colorido como uma borboleta possa ameaçar
valor relativo) o ser humano.

d) A lembrança da namorada fê-lo chorar.


“O amor é na mocidade o que a mocidade é na vida,
(Lembrança= subst. de valor relativo)
o que a vida é na eternidade, isto é, um
e) Anteriormente ao presidente, falou o ministro. relâmpago.”
(Anteriormente= advérbio de valor relativo) O terremoto causou muitas mortes, coisa já
esperada.
f) Independentemente do seu consentimento, irei
a Bajé. Juçara abraçou forte seu namorado, sinal de que
(Independentemente= advérbio de valor relativo)
gosta muito dele;
4.3 PREDICATIVO Foi desencadeada a conspiração, fato que não teve
apoio popular.
5.3.1 Predicativo do Sujeito
O presidente não usava colete de segurança, o que
É o elemento do predicado que se refere ao sujeito, preocupava a primeira dama.
mediante um verbo (de ligação), com a função de
informar algo a respeito do sujeito. “O ouro, os diamantes e as pérolas, tudo é terra e
da terra.”
5.3.2 Predicativo do objeto
“A noz, o burro, o sino e o preguiçoso, sem pancadas
nenhum faz seu ofício.”

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 17
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

“Ó minha amada, que olhos os teus” (Vinícius de


O APOSTO PODE APARECER ANTES DO TERMO Morais)
FUNDAMENTAL.
Ex.: 5.6 - TEORIA NA PRÁTICA
Único metal líquido, o mercúrio possui inúmeras
utilidades. (sujeito e predicado)
A1) Aqueles dois meninos estudiosos saíram.
.....................................................................................
O TIPO DE APOSTO QUE SE ESPECIFICA OU
............
INDIVIDUALIZA UM TERMO GENÉRICO DENOMINA-SE
APOSTO DE ESPECIFICAÇÃO. A2) Meninos do interior chegaram.
.....................................................................................
Ex.: ............
A cidade de São Paulo
A3) Eram dois homens sem caráter
O rio Amazonas
.....................................................................................
A cidade de Salvador ............
O rio Tietê
O mês de dezembro A4) “Saúda aquela criança que passa, será talvez
O planeta Vênus um homem; saúda-a duas vezes, será, talvez, um
grande homem.”
O tipo de aposto que se refere individualmente a .....................................................................................
.....................................................................................
cada um dos elementos citados chama-se aposto
.....................................................................................
distributivo. .........

Ex.: B1) Agiremos fielmente aos nossos princípios.


“Há duas tragédias na vida: uma é não consegui o .....................................................................................
que o nosso coração deseja; a outra é consegui-lo.” ...........

B2) Falou favoravelmente ao réu.


O APOSTO PODE APARECER DEPOIS DE VÍRGULA,
.....................................................................................
DOIS PONTOS OU TRAVESSÃO. ............

Ex.: B3) “ Pois bem, nada me abala relativamente ao


“O sono é a infância da morte: um repouso Rubião” (Machado de Assis)
transitório. Tem um túmulo, o leito, tem um .....................................................................................
verme, o pesadelo. Em compensação, como a ............
morte, propicia um bálsamo __ o esquecimento.”
B4) Era favorável ao divórcio.
.....................................................................................
5.5 Vocativo ............

É o termo que na oração serve para pôr em B5) Este remédio é prejudicial ao organismo.
evidência o ser a quem nos dirigimos, sem manter .....................................................................................
relação sintática com outro. Serve para invocar, ............
chamar, interpelar um ouvinte real ou não.
B6) Seu discurso é cheio de poréns.
Ele pode vir no começo, no meio ou no fim da frase. .....................................................................................
.............
Ex.:
Amigos, peçam alegria a Deus. B7) Seremos sempre fieis aos nossos princípios
“Colombo, fecha a posta de teus mares!” (Castro
Alves)
“Se orienta, rapaz, pela constelação do Cruzeiro do B8) O povo tinha necessidade de alimentos.
.....................................................................................
Sul.” (Gilberto Gil)
............
“Quando você me deixou, meu bem, me disse pra
ser feliz e passar bem.” (Chico Buarque) B9) Temos amor à liberdade.
Amai, rapazes! .....................................................................................
............
O VOCATIVO VEM, NORMALMENTE, ISOLADO POR
B10) O professor procedeu à resolução das
PONTUAÇÃO E ADMITE A ANTEPOSIÇÃO DA
questões.
INTERJEIÇÃO Ó.

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 18
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

..................................................................................... Julgar, nomear, eleger, proclamar, considerar,


............ declarar etc.

B11) Ela tem medo de tudo e de todos. D1) As informações deixaram os trabalhadores
..................................................................................... perplexos.
............ .....................................................................................
............
O Adjunto adnominal se assemelha ao
complemento nominal, uma vez que também pode D2) A preguiça faz o homem detestável.
ser preposicionado, além de se associar a nome .....................................................................................
substantivo; contudo , o adjunto adnominal nunca ............
apresenta aspecto passivo:
D3) O juiz julgou o réu culpado.
Ex.: .....................................................................................
..........
Era irrisório o subsídio do banco aos agricultores.
..................................................................................... D4) O ingrato deixou Márcia pobre.
............ .....................................................................................
............
A resposta ao aluno foi satisfatória. (sentido
passivo) D5) Os adultos consideram as crianças sapecas.
..................................................................................... .....................................................................................
............ ...........

A resposta do aluno foi satisfatória. (sentido ativo) O predicativo do objeto está sempre se referindo ao
..................................................................................... objeto direto. Há apenas um caso de predicativo do
............ objeto indireto: com o verbo chamar no sentido de
cognominar, atribuir um nome a algo ou alguém.
C1) O professor percebeu preocupado a reação dos
alunos.
Chamei-lhe de covarde.
.....................................................................................
.....................................................................................
...........
............
C2) O trem chegou atrasado.
E1) Marechal Deodoro, o primeiro presidente,
.....................................................................................
tinha um passado monarquista.
............
.....................................................................................
............
C3) Adolfo dirige feliz
.....................................................................................
E2) Lúcia, aluna do terceiro colégio, foi bem na
............
prova
.....................................................................................
C4) O menino foi chamado ventania pelo pai.
............
.....................................................................................
............
E3) Sairemos os três: você, ela e eu
.....................................................................................
O predicativo pode vir precedido de preposição de
............
ou como:
E4) Desejo-lhe uma coisa: felicidade.
C5) O menino foi chamado de ventania.
.....................................................................................
.....................................................................................
............
............
E5) Viagens, jóias, dinheiro, festa, nada acabava
C6) Mário é tido como aluno exemplar.
com seu tédio.
.....................................................................................
.....................................................................................
..........
............
C7) Joaquim foi nomeado diretor.
F1) “Colombo, fecha a porta de teus mares!”
.....................................................................................
.....................................................................................
............
..........
Predicativo do objeto É o termo do predicado que
F2) “Ó minha amada, que olhos os teus”
se relaciona ao objeto atribuindo-lhe uma .....................................................................................
característica. ............

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 19
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

F3) Se oriente, rapaz, pela constelação do Cruzeiro


do Sul. 6.2 Predicado nominal: com verbo de ligação.
.....................................................................................
........... O núcleo da informação veiculado pelo predicado
está contido num nome (predicativo do sujeito). Liga
o sujeito ao predicado.
5. TIPOS DE PREDICADO
a) A prova era difícil
.....................................................................................
............
Dependendo do núcleo (ou núcleos), temos
predicado verbal, Predicado nominal ou b) O trem está atrasado.
predicado verbo-nominal. .....................................................................................
.........
6.1 Predicado verbal: com verbos transitivos ou
intransitivos. 6.3 Predicado verbo-nominal: com verbos
transitivo ou intransitivo + um predicativo(do sujeito
O núcleo do predicado é um verbo ou do objeto).

a) O trem chegou à estação. Apresenta dois núcleos: um verbo e um nome


.....................................................................................
............ a) O trem chegou atrasado à estação.
.....................................................................................
b) O menino comeu o bolo ...........
.....................................................................................
......... b) Os compradores consideraram a proposta
razoável.
c) O viajante caminhava pela estrada. .....................................................................................
..................................................................................... ............
..........

V E R BO

NÚMERO - SINGULAR, PLURAL

1. FLEXÕES DO VERBO PESSOA- 1º, EU/NÓS 2º, TU /VÓS 3º ELE/ELES/


ELA/ELAS

TEMPO - PRESENTE, PRETÉRITO, FUTURO

MODO- INDICATIVO, SUBJUNTIVO, I MPERATIVO

VOZ - ATIVA, PASSIVA, REFLEXIVA

INFINITIVO -R ===== = === CANTAR


2. FORMAS NOMINAIS DO VERBO
GERÚNDIO - NDO === = == CANTANDO

PARTICÍPIO - ADO, -IDO == CANTADO

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 20
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

1. PRESENTE DO SUBJUNTIVO
PRESENTE DO INDICATIVO======
3. TEMPOS PRIMITIVOS E
2. IMPERATIVO NEGATIVO
DERIVADOS

3. IMPERATIVO AFIRMATIVO

1. PRETÉRITO MAIS QUE


FORMAS PRIMITIVAS PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO PERFEITO DO INDICATIVO
================
2. FUTURO DO SUBJUNTIVO

3. PRETÉRITO IMPERFEITO DO
SUBJUNTIVO

INFINITIVO IMPESSOAL==========
1. FUTURO DO PRESENTE

2.FUTURO DO PRETÉRITO

3. PRETÉRITO IMPERFEITO DO
INDICATIVO

ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO VERBO

1. RADICAL ( R) CANT- , VEND-, PART-


2. VOGAL TEMTICA (VT) –A, -E, -I
3. TEMA (T) CANT+A, VEND+E, PART+I
4. CONJUGAÇÕES: 1ª. –AR, 2ª. –ER, 3ª. -IR
5. DESINÊNCIA MODO - TEMPORAL ( DMT ) CANTA + VA , VENDE+SSE, PARTI+RA
6. DESEINÊCIA NÚMERO – PESSOAL ( DNP ) CANTÁ VA+MOS , VENDÊSSE+IS, PARTÍRA+MOS

OS VERBOS PODEM SER:

1. REGULARES- o radical não sofre alteração


2. IRREGULARES- o radical sofre alteração
3. ANÔMALOS- verbos muito irregulares: ser, ir,
3. DEFECTIVOS – falha na conjugação
4. ABUNDANTES – duas formas de se conjugar o verbo
5. AUXILIARES - ser, estar, ter e haver - vem junto com um verbo principal, formando tempos compostos, voz
passiva, locução verbal

DERIVADOS DO PRESENTE DO INDICATIVO

1. PRESENTE DO SUBJUNTIVO

2. IMPERATIVO NEGATIVO

3. IMPERATIVO AFIRMATIVO

VERBO CANTAR

PRESENTE DO IMPERATIVO PRESENTE DO IMPERATIVO NEGATIVO


INDICATIVO AFIRMATIVO SUBJUNTIVO

EU CANTO ( – O +E) __________________ QUE EU CANTE _________________

TU CANTAS (-S) == CANTA TU QUE TU CANTES =NÃO CANTES TU

ELE CANTA CANTE VOCÊ == QUE ELE CANTE =NÃO CANTE VOCÊ

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 21
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

NÓS CANTAMOS CANTEMOS NÓS == QUE NÓS CANTEMOS =NÃO CANTEMOS NÓS

VÓS CANTAIS ( -S ) == CANTAI VÓS QUE VÓS CANTEIS =NÃO CANTEIS VÓS

ELES CANTAM CANTEM VOCÊS == QUE ELES CANTEM =NÃO CONTEM VOCÊS

VERBOS TERMINADOS EM - AR (-O +E)

VERBOS TERMINADOS EM – ER E - IR (- O

VERBO VER

PRESENTE DO INDICATIVO IMPERATIVO AFIRMATIVO PRESENTE DO SUBJUNTIVO IMPERATIVO NEGATIVO

EU VEJO (-O +A) --------------- QUE EU VEJA -------------

TU VÊS (-S) VÊ ( TU ) QUE TU VEJAS NÃO VEJAS TU

ELE VÊ VEJA (VOCÊ) QUE ELE VEJA NÃO VEJA VOCÊ

NÓS VEMOS VEJAMOS (NÓS) QUE NÓS VEJAMOS NÃO VEJAMOS NÓS

VÓS VEDES (-S) VEDE (VÓS) QUE VÓS VEJAIS NÃO VEJAIS VÓS

ELES VÊEM VEJAM VOCÊS QUE ELES VEJAM NÃO VEJAM VOCÊS

PRETÉRITO PERFEITO

CANTAR VENDER PARTIR

EU CANTEI EU VENDI EU PRTI (crase do i)

TU CANTASTE TU VENDESTE TU PARTISTE

ELE CANTOU ELE VENDEU ELE PARTIU

NÓS CANTAMOS NÓS VENDEMOS NÓS PARTIMOS

VÓS CANTASTES VÓS VENDESTES VÓS PASTISTES

ELES CANTARAM ELES VENDERAM ELES PARTIRAM

DERIVADOS DO PRETÉRITO PERFEITO

1. PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO DO INDICATIVO

2. FUTURO DO SUBJUNTIVO

3. PRETÉRITO IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 22
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

3º PESSOA DO PLURAL DO PRETÉRITO PERFEITO

CANTARAM VENDERAM PARTIRAM

Pretérito mais - que- Perfeito do Futuro do Subjuntivo Pretérito Imperfeito do subjuntivo


Indicativo

-M - AM - RAM + SSE

EU CANTARA SE / QUE /QUANDO EU CANTAR SE / QUE EU CANTASSE

TU CANTARAS SE / QUE /QUANDO TU SE / QUE TU CANTASSES


CANTARES

ELE CANTARA SE / QUE /QUANDO ELE CANTAR SE / QUE ELE CANTASSE

NÓS CANTÁRAMOS SE / QUE /QUANDO NÓS SE / QUE NÓS CANTÁSSEMOS


CANTARMOS

VÓS CANTÁREIS SE / QUE /QUANDO VÓS SE / QUE VÓS CANTÁSSEIS


CANTARDES

ELES CANTARAM SE / QUE /QUANDO ELES SE / QUE ELES CANTASSEM


CANTAREM

DERIVADOS DO INFINITIVO IMPESSOAL

1. FUTURO DO PRESENTE

2. FUTURO DO PRETÉRITO

3. PRETÉRITO IMPERFEITO DO INDICATIVO

4. INFINITIVO PESSOAL

5. GERÚNDIO

6. PARTICÍPIO

FORMAÇÃO DO PRETÉRITO IMPERFEITO DO INDICATIVO

CANTAR (-R+VA) VENDER (-ER+IA) PARTI (-R+IA)

EU CANTAVA EU VENDIA EU PRTIA

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 23
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

TU CANTAVAS TU VENDIAS TU PARTIAS

ELE CANTOVA ELE VENDIA ELE PARTIA

NÓS CANTÁVAMOS NÓS VENDÍAMOS NÓS PARTÍAMOS

VÓS CANTÁVEIS VÓS VENDÍEIS VÓS PASTÍEIS

ELES CANTAVAM ELES VENDIAM ELES PARTIAM

INFINITIVO GERÚNDIO PARTICÍPIO


CANTA – R CANTA - NDO CAND - ADO

VENDE – R VENDE - NDO VEND - IDO

PARTI – R PARTI - NDO PART- IDO

FUTURO DO PRESENTE = INFINITIVO + TERMINAÇÕES

TERMINAÇÕES INFINITIVO INFINITIVO INFINITIVO

CANTAR VENDER PARTIR

+ EI EU CANTAREI EU VENDEREI EU PARTIREI

+ ÁS TU CANTARÁS TU VENDERÁS TU PARTIRÁS

+ Á ELE CANTAR Á ELE VENDER Á ELE PARTIR Á

+ EMOS NÓS CANTAREMOS NÓS VENDEREMOS NÓS PARTIREMOS

+ EIS VÓS CANTAREIS VÓS VENDEREIS VÓS PARTIREIS

+ ÃO ELES CANTARÃO ELES VENDERÃO ELES PARTIRÃO

FUTURO DO PRETÉRITO = INFINITIVO + TERMINAÇÕES

TERMINAÇÕES INFINITIVO INFINITIVO INFINITIVO

CANTAR VENDER PARTIR

+ IA EU CANTAR IA EU VENDER IA EU PARTIR IA

+ IAS TU CANTAR IAS TU VENDER IAS TU PARTIR IAS

+ IA ELE CANTAR IA ELE VENDER IA ELE PARTIR IA

+ ÍAMOS NÓS CANTAR ÍAMOS NÓS VENDER ÍAMOS NÓS PARTIR ÍAMOS

+ ÍEIS VÓS CANTAR ÍEIS VÓS VENDER ÍEIS VÓS PARTIR ÍEIS

+ IAM ELES CANTAR IAM ELES VENDER IAM ELES PARTIR IAM

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 24
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

O mais-que-perfeito é, em alguns casos, usado no lugar do


EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS futuro do pretérito ou no imperfeito do subjuntivo.

1. MODO INDICATIVO “... Mais servira, se não fora (servira= serviria;


fora=fosse)
O modo indicativo serve para exprimir um fato certo, real, Para tão longo amor tão curta a vida!”(Camões)
verdadeiro. É o modo das orações coordenadas e das
orações principais.
e) Futuro do presente: exprime um fato posterior ao
Presente momento em que se fala, tido como certo.
O presente indica que o fato:
Amanhã chegarão aos meus pais.
a) acontece no mesmo momento em que se fala. As aulas começarão segunda-feira.

Vejo uma estrela. O futuro do presente pode ser empregado


Os rapazes e as garotas conversam animadamente. Para exprimir idéia de incerteza, de dúvida.

Estou vendo uma estrela. (presente pontual ou Serei eu o único culpado?


momentâneo)
b) começa num passado mais ou menos distante e perdura f) Futuro do pretérito:
ainda no momento em que se fala.
1. exprime um fato futuro tomado em relação a um
A) Modo indicativo fato passado.

a) presente do indicativo: exprime um fato que ocorre no Ontem você disse que viria à escola.
momento em que se fala. Eles prometeram que me apoiariam

Vejo um pássaro na janela. 2. um fato futuro certo, mais ainda dependente de


certa condição.
O presente de indicativo também é usado para:
• exprimir uma cientifica, uma axioma. “ Os mundos seriam zeros sem conta, se não tivessem no
princípio, a dar-lhes valor, esta unidade __ Deus!”
A terra é redonda.
Por um ponto passam infinitas retas. O pai ficaria feliz se o filho seguisse a carreira diplomática.
• Para exprimir uma ação habitual.
3. uma probabilidade no futuro.
Aos domingos não saio de casa.
O investimento na educação seria indispensável para um
futuro melhor.
• Para dar atualidade a fatos ocorridos no passado.
Seria importante melhorar o salário dos professores, para
Cabral chega ao Brasil em 1500.
que tenhamos uma educação de qualidade.
• Para indicar um futuro bastante próximo, quando 4. O futuro do pretérito também pode ser usado para
se tem certeza de que ele ocorrerá. indicar incerteza, dúvida.

• Amanhã faço os exercícios. Seriam mais ou menos dez horas quando ele chegou.
Teríamos força para resistir a um novo ataque inimigo?
b) Pretérito perfeito do indicativo: exprime um fato já
concluído anteriormente ao momento em que se fala.
5. Usa-se ainda o futuro do pretérito, em vez do
Ontem reguei as plantas do jardim. presente do indicativo ou do imperativo, como forma
de cortesia, de boa educação.
c) Pretérito imperfeito do indicativo: exprime um fato
anterior ao momento em que se fala, mas não o toma como Você me faria um favor?
concluído, acabado. Revela, pois, o fato em seu curso, em
sua duração. Vocês aceitariam um aperitivo?

Ele falava muito sério durante as aulas. 6. incerteza sobre fatos passados.

d) Pretérito-mais-que-perfeito do indicativo: indica um Estaria o major realmente doente, quando morreu?


fato passado que já foi concluído, em relação a outro fato Seriam no máximo oito horas quando o acidente
também passado. aconteceu.

Quando você resolveu o problema, eu já o resolvera.


B) Modo subjuntivo
Na linguagem atual tem-se usado com mais freqüência o
pretérito mais-que-perfeito composto. O subjuntivo apresenta o fato de modo incerto, impreciso,
duvidoso. Normalmente é empregado em orações que
Quando você resolveu o problema, eu já o tinha dependem de outras (subordinadas).
resolvido.
Teríamos viajado se fizesse calor.

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 25
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

a) Presente: é empregado nas orações subordinadas para • Quando ele não se referir a sujeito algum.
expressar fatos presentes ou futuros.

É justo que eles fiquem. (presente)


Desejo que todos compareçam. (futuro)
É preciso sair.
Em orações independentes, é utilizado para exprimir desejo.
• Na função do complemento nominal (virá regido de
Deus me proteja. preposição).
Que a terra lhe seja leve!
Esses exercícios eram fáceis de resolver.
b) Pretérito imperfeito: indica uma ação passada,
presente ou futura em relação ao verbo da oração • Quando ele fizer parte de uma locução verbal.
principal.
Eles deviam ir ao cinema.
Se nesse momento eu tivesse coragem, contaria a
verdade. (presente)
• Quando ele, sendo dependente dos verbos deixar,
Mesmo que saísse antes, não teria chegado a tempo. fazer, ouvir, sentir, mandar, tiver por sujeito
(passado) um pronome oblíquo.
Mandei – os sair.
Ficaria feliz se ele fosse à minha casa. (futuro) Sujeito (= eles)
Deixei – as falar.
c) Futuro: é empregado em orações subordinadas para Sujeito (= elas)
indicar eventualidade no futuro.
Com o valor de imperativo:
Farei o trabalho se tiver tempo. Fazer silêncio, por favor.

C) Modo imperativo
2. Infinitivo pessoal
O imperativo exprime uma atitude de mando, solicitação,
convite ou um conselho. É empregado em orações Emprega-se o infinitivo pessoal quando ele tiver sujeito
absolutas, principais ou coordenadas. próprio (expresso ou implícito), diferente do sujeito da
Como o imperativo pode exprimir várias posturas, a oração principal:
entonação da frase será fundamental para exprimir a idéia
pretendida. O remédio era ficarmos em casa.
No imperativo, o falante sempre se dirige a um interlocutor; O costume é os jovens falarem e os velhos ouvirem.
por isso, só possui as formas que admitem um interlocutor
(2º e 3º pessoas e 1º pessoa do plural).

Prestem atenção! (ordem)


Empreste-me o livro, por favor. (solicitação)
Venha ao meu aniversário, em minha casa. (convite)
Não guarde rancor, pode lhe dar uma gastrite. (conselho)

D) Emprego do infinitivo

Não é fácil sistematizar o emprego do infinitivo em


português, já que, além do infinitivo impessoal, nossa língua
apresenta também o infinitivo pessoal (ou flexionado). Não
há propriamente regras que determinem o emprego do
infinitivo; o que se observa são tendências e o uso
consagrado por bons escritores.

1. Infinitivo impessoal

Emprega-se o infinitivo impessoal:

EU TENHO EU TIVE
I. PRTICULARIDADES SOBRE VERBOS E EXERCÍCIOS TU TENS TU
TIVESTE
ELE/ ELA TEM ELE / ELA TEVE
1. VERBOS DERIVADOS DE TER NÓS TEMOS NÓS
TIVEMOS
Conter - deter entreter - manter- obter - suster - VÓS TENDES VÓS
reter, suster, deter, entreter, Abster-se - ater-se – TIVESTES
ELES / ELAS TÊM ELES /ELAS TIVERAM
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
INDIVATIVO

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 26
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

Abstenho-me Contenho-me PRECAVESTES


Entretive Obtivesse ELES / ELAS ELE/ELAS PRECAVERAM
-----------------
2. VERBOS DERIVADOS DE VER

PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO 6. PROVER (ABASTECER, PROVIDENCIAR)


INDIVATIVO
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
EU vejo EU vi INDIVATIVO
TU vês TU viste
ELE/ ELA vê ELE / ELA viu EU EU PROVI
NÓS vemos NÓS vimos PROVEJO
VÓS vedes VÓS vistes TU PROVÊS TU
ELES / ELAS vêem ELES /ELAS viram PROVESTE
ELE/ ELA PROVÊ ELE / ELA PROVEU
NÓS NÓS
Antever – entrever- circunver - rever - prever - rever PROVEMOS PROVEMOS
VÓS VÓS
Antevejo PROVEDES PROVESTES
Prevejo ELES / ELAS PROVÊEM ELES /ELAS
PROVERAM
JÁ OS VERBOS:
É formado do verbo ver e por ele conjugado.
3. REAVER – (Sinônimo de recuperar) desprover
(conjuga como o verbo haver) verbo defectivo . Só EXCETO no PRETÉRITO PERFEITO – Eu provi, tu proveste,
possuías formas que Têm a letra V ele / ela proveu, nós provemos, vós provestes, eles
proveram
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
INDIVATIVO NO PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO – provera, proveras,
provera, provêramos , provêreis, proveram
EU EU reouve
------------- PRETÉRITO IMPERFEITO – provesse, provesses, provesse,
TU TU provêssemos, provêsseis, provessem
--------------- reouveste
ELE/ ELA ------------- ELE / ELA reouve FUTURO DO SUBJUNTIVO – prover, proveres, prover,
NÓS reavemos NÓS provermos, proverdes, proverem
reouvemos
7. VERBOS DERIVADOS DE VIR
VÓS reaveis VÓS
reouvestes
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
ELES / ELAS ELES /ELAS
INDIVATIVO
---------------- reouveram

4. VERBO HAVER – NO SENTIDO DE TER, POSSUIR E EU venho EU vim


COMO AUXILIAR TU vens TU vieste
ELE/ ELA vem ELE / ELA veio
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO NÓS vimos NÓS viemos
INDIVATIVO VÓS vindes VÓS viestes
ELES / ELAS vêm ELES /ELAS vieram
EU hei EU houve
TU hás TU PRETÉRITO IMPERFEITO: vinha, vinhas, vinha, vínhamos,
houveste vínheis, vinham
ELE/ ELA há ELE / ELA houve Gerúndio: vindo
NÓS NÓS Particípio: vindo
havemos houvemos
Advir - avir-se - convir – desavir-se ( =desentender-se) -
VÓS haveis VÓS
intervir – provir - sobrevir- avir-se, contravir, desconvir,
houvestes
devir, obvir, reavir-se, reconvir, revir, sobrevir.
ELES / ELAS hão ELES /ELAS houveram
Advenho Desavim-me
5. PRECAVER – verbo defectivo
Interviera Sobrevier
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO 8. VERBOS DERIVADOS DE FAZER
INDIVATIVO
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
EU ------------- EU PRECAVI INDIVATIVO
TU -------------- TU
PRECAVESTE EU faço EU fiz
ELE/ ELA ELE / ELA PRECAVEU TU fazes TU fizeste
---------------
ELE/ ELA faz ELE / ELA fez
NÓS NÓS
NÓS fazemos NÓS fizemos
PRECAVEMOS PRECAVEMOS
VÓS fazeis VÓS fizestes
VÓS PRECAVEIS VÓS
ELES / ELAS fazem ELES /ELAS fizeram

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 27
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

Afazer-se - desfazer - perfazer- refazer - perfazer- satisfazer EU PONHO EU PUS


TU PÕES TU
Afaço-me PUSESTE
Perfizesse ELE/ ELA PÕE ELE / ELA PÔS
Satisfizer NÓS POMOS NÓS
PUSEMOS
9. VERBOS DERIVADOS DE DIZER VÓS PONDES VÓS
PUSESTES
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO ELES / ELAS PÕEM ELES /ELAS PUSERAM
INDIVATIVO
PRETÉRITO IMPERFEITO: punha, punhas, punha,
EU digo EU disse púnhamos, púnheis, punham
TU dizes TU disseste
ELE/ ELA diz ELE / ELA disse Antepor, apor (= acrescentar, juntar); compor,
NÓS NÓS contrapor, decompor, descompor, depor, desimpor,
dizemos dissemos dispor, entrepor ( amava-a sempre que o passado se
VÓS dizeis VÓS entrepunha entre nós, se colocar entre alguém), expor,
dissestes extrapor (pôr fora, pôr além), impor, indispor, interpor
ELES / ELAS dizem ELES /ELAS disseram
(intervir), justapor, maldispor, opor, pospor,
Bendizer, condizer, contradizer, desdizer, entredizer, predispor, prepor, pressupor, propor, recompor,
maldizer, predizer, redizer reimpor, repor, repropor, sobpor, sobrepor, sotopor
(pôr por baixo, subpor, omitir, postergar, pospor), trespor
Desdigo (variante do tempo), superpor, supor, transpor e
Redissesse traspor (pôr por baixo).

10. VERBOS DERIVADOS DE QUERER


13. VERBOS DERIVADOS PRAZER ( causar prazer,
agradar)
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO Só se usa na 3ª. Pessoa do singular
INDIVATIVO
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
EU QUERO EU QUIS INDIVATIVO
TU QUERES TU
QUISESTE EU EU --------------
ELE/ ELA QUER ELE / ELA QUIS -------------
NÓS NÓS TU TU ------------
QUEREMOS QUISEMOS ------------
VÓS VÓS ELE/ ELA praz ELE / ELA prouve
QUEREIS QUISESTES NÓS NÓS
ELES / ELAS QUEREM ELES /ELAS QUISERAM --------------- -------------
VÓS VÓS
Bem – querer - Malquerer ---------------- --------------
Bem – quero ELES / ELAS ELES /ELAS
Malquis --------------- ---------------
11. VERBOS DERIVADOS DE REQUERER
Aprazer – Comprazer – Desaprazer – Desprazer - Comprazo-
me – Desaprouve – Desprouver
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
INDIVATIVO 14. CABER – não é usado no imperativo, além de
tecer, poder, entrechocar-se, entreolhar-se
EU REQUEIRO EU REQUERI
TU TU PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
REQUERES REQUERESTE INDIVATIVO
ELE/ ELA REQUER ELE / ELA REQUEREU
NÓS NÓS EU caibo EU coube
REQUEREMOS REQUEREMOS TU cabes TU
VÓS VÓS coubeste
REQUEREIS REQUERESTES ELE/ ELA cabe ELE / ELA coube
ELES / ELAS REQUEREM ELES /ELAS NÓS NÓS
REQUERERAM cabemos coubemos
VÓS cabeis VÓS
Não segue a conjugação de QUERER, sendo quase regular coubestes
ELES / ELAS cabem ELES /ELAS couberam
Requeiro
Requeri
15. VERBO TRAZER
Requeresse
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
12. VERBOS DERIVADOS DE PÔR
INDIVATIVO
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
EU trago EU trouxe
INDIVATIVO

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 28
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

TU trazes TU trouxeste
ELE/ ELA traz ELE / ELA trouxe 18. OS OUTROS VERBOS TERMINADOS EM - IAR COM
NÓS trazemos NÓS - verbo copiar- SÃO CONJUGADOS REGURLARMENTE:
trouxemos premiar, criar, presenciar, arriar, alaiar, abreviar,
VÓS trazeis VÓS agraciar, aliar, alumir, angariar, caluniar, obviar,
trouxestes gloriar-se, historiar injuriar, vangloriar-se
ELES / ELAS trazem ELES /ELAS trouxeram
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
16. VERBO CRER INDIVATIVO

PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO EU copio EU copiei


INDIVATIVO TU copias TU copiaste
ELE/ ELA copia ELE / ELA copiou
EU creio EU cri NÓS NÓS
TU crês TU creste copiamos copiamos
ELE/ ELA crê ELE / ELA creu VÓS copiais VÓS
NÓS cremos NÓS cremos copiastes
VÓS credes VÓS crestes ELES / ELAS copiam ELES /ELAS copiaram
ELES / ELAS crêem ELES /ELAS creram

17. VERBOS TERMINADOS EM: - EAR 19. DEFECTIVOS – Não possuem algumas formas na
conjugação do presente do indicativo e do
VERBO NOMEAR subjuntivo e nas derivadas. Porém nos pretéritos e
futuros, a conjugação é completa.
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
INDIVATIVO
Ex.:
EU nomeio EU nomeei A) ABOLIR (não tem a 1ª. pessoa do indicativo, logo não
TU nomeias TU nomeaste possui também o presente do subjuntivo)
ELE/ ELA nomeia ELE / ELA nomeou
NÓS NÓS PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
nomeamos nomeamos INDIVATIVO
VÓS nomeais VÓS
nomeastes EU --------------- EU ABOLI
ELES / ELAS nomeiam ELES /ELAS nomearam TU aboles TU ABOLISTE
ELE/ ELA abole ELE / ELA ABOLIU
PRESENTE DO SUBJUNTIVO: Que eu nomeie, NÓS NÓS
nomeies, nomeie, nomeemos, nomeeis, nomeiem abolimos ABOLIMOS
VÓS abolis VÓS
ASSIM SE CONJUGA TAMBÉM: apear, atear, cear, ABOLISTES
recera, folhear, frear, passear, gerar, bloquear, ELES / ELAS abolem ELES /ELAS ABOLIRAM
afear, granjear, hasterar, lisonjear, semear, titubear,
arrear, recrear, idear, estrear. IMPERATIVO AFIRMATIVO: ABOLE, ABOLI
NÃO EXISTE PRESENTE DO SUBJUNTIVO, LOGO
Recebem o i eufônico nas formas RIZOTÔNICAS. TAMBÉM NÃO O IMPERATIVO NEGATIVO

Recei-o - Rece-ei COM O MESMO MODELO SE CONJUGAM: banir,


Frei-o - fre-ei brandir, carpir, colorir, comedir-se, delir, demolir,
extorquir, esculpir, haurir, delinquir
OS VERBOS ODIAR, MEDIAR, intermediar, ANSIAR,
REMEDIAR, INCENDIAR BANIR – (não tem a 1ª. pessoa do indicativo, logo não
Copiar possui também o presente do subjuntivo)

VERBO ODIAR (Tu banes, ele bane, nós banimos, vós banis, eles
banem)
PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO
INDIVATIVO COLORIR –(não tem a 1ª. pessoa do indicativo, logo não
possui também o presente do subjuntivo)
EU odeio EU odiei
TU odeias TU odiaste (Tu colores, ele colore, nós colorimos, vós coloris,
ELE/ ELA odeia ELE / ELA odiou eles colorem)
NÓS odiamos NÓS odiamos
VÓS odiais VÓS odiastes EXPLODIR –(não tem a 1ª. pessoa do indicativo, logo não
ELES / ELAS odeiam ELES /ELAS odiaram possui também o presente do subjuntivo)

(Tu explodes, ele explode, nós explodimos, vós


São conjugados, nas formas RIZOTÔNICAS, com os verbos
explodis, eles explodem)
terminados em EAR.
OU SEJA, TAMBÉM Recebem o i eufônico nas formas
B) ADEQUAR
RIZOTÔNICAS
Eu odei-o
Eu ansei-o
Eu incendei-o PRESENTE DO INDICTIVO PRETERITO PERFEITO DO

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 29
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

INDIVATIVO São formas verbais em que a vogal tônica está na RAIZ.

EU EU Primeira Pessoa do Singular


--------------- Segunda Pessoa do Singular
TU TU
-------------- Terceira Pessoa do Singular
ELE/ ELA ELE / ELA Terceira Pessoa do Plural
---------------
NÓS NÓS LUTAR
adequamos
VÓS adequais VÓS Presente do Indicativo == Lut-o, lut- as, lut-a- Lut-am
Presente do subjuntivo== Lute, lut-es, lut-e - Lut-em
ELES / ELAS --------------- ELES /ELAS
Nos dois imperativos = Lut-a, lut-e, lut-em

COM O MESMO MODELO SE CONJUGAM: AGUERRIR, 21. FORMAS ARIZOTÔNICAS


EMBAIR, EMPEDERNIR, REMIR, TRASIR, PRECAVER-SE,
FALIR São formas verbais em que a vogal tônica NÃO está na
raiz.
FALIR (SÓ EXISTEM: NÓS falimos, vós falis)
Todas as demais pessoas do outros tempos.
PRECAVER (Só existem: Nós nos precavemos, e vós
vos precaveis) Lut-amos, lut-ais
Lut-emos, lut-ies,
REAVER- (Só existem: Nós reavemos e vós reaveis) Lut-ava, lut-ei, etc.

20. FORMAS RIZOTÔNICAS

c) Voz reflexiva: quando o sujeito pratica e recebe


III - VOZES DO VERBO a ação, ou seja, o sujeito é ao mesmo tempo agente
e paciente.
A flexão de voz indica a relação estabelecida entre o
verbo e o seu sujeito. A voz passiva reflexiva apresenta sempre a
seguinte construção: sujeito + verbo na voz ativa
São três as vozes do verbo: + pronome oblíquo reflexivo:

a) Voz Ativa: Quando o sujeito pratica a ação O gorila cortou-se. (pronome reflexivo)
verbal, ou seja, o sujeito é agente.
Exemplo: Tanto na voz ativa quanto na voz passiva os tempos
O gorila comeu a banana. podem ser simples e compostos.

b) Voz Passiva: Quando o sujeito recebe a ação Para o tempo composto da voz ativa, usa-se TER e
verbal, ou seja, o sujeito é paciente. HAVER + particípio;
Há dois tipos de voz passiva:
1. Voz passiva analítica: formado por verbo Tenho amado / tinha amado/terei amado / teria
auxiliar mais particípio. amado/ tenha amado /tivesse amado / tiver amado
A banana foi comida pelo gorila.
Nos tempos compostos da voz passiva, usamos ter e
2. Voz passiva sintética (ou pronominal): haver + particípio do verbo ser + outro
formado pelo verbo na 3ª. pessoa + a partícula particípio.
apassivadora se:
================================ Tenho sido amado / tinha sido amado / terei sido
============= amado / teria sido amado / teria sido amado/ tenha
Come –se banana. sido amado, tivesse sido amado / tiver sido amado
(se =partícula apassivadora)

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 30
APOSTILA DE PORTUGUÊS - MÓDULO I – PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE A.
SANTOS

PROFESSORA MARIA DE LOURDES DE ANDARDE SANTOS maslourdes@yahoo.com – LÍNGUA


PORTUGUESA 31