Você está na página 1de 74

Livro Eletrônico

Aula 00

Medicina Legal p/ Perito Polícia Federal (Área 12) - 2018 Professor: Wagner Luiz Heleno Marcus Bertolini

00000000000 - DEMO

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

APRESENTA« O DO CURSO E TRAUMATOLOGIA. ENERGIA

MEC¬NICA. A« O SIMPLES

SUM£RIO

P£GINA

SUM£RIO P£GINA 1. SAUDA« O E APRESENTA« O DO PROFESSOR 01 2. APRESENTA« O DO CURSO

1. SAUDA« O E APRESENTA« O DO PROFESSOR

01

2. APRESENTA« O DO CURSO

03

SUM£RIO P£GINA 1. SAUDA« O E APRESENTA« O DO PROFESSOR 01 2. APRESENTA« O DO CURSO
3. PROGRAMA« O 04 4. TRAUMATOLOGIA FORENSE. ENERGIA MEC¬NICA 07 5. QUEST’ES 0 46
3. PROGRAMA« O 04 4. TRAUMATOLOGIA FORENSE. ENERGIA MEC¬NICA 07 5. QUEST’ES 0 46

3.

PROGRAMA« O

04

4. TRAUMATOLOGIA FORENSE. ENERGIA MEC¬NICA

07

5. QUEST’ES

0

46

1. SAUDA« O E APRESENTA« O DO PROFESSOR

Ol· meus novos amigos,

… com grande satisfaÁ„o que apresento a vocÍs este curso de

CONHECIMENTOS ESPECÕFICOS, projetado especialmente para ajud·-

los a serem aprovados neste concurso para o concurso da PERITO

CRIMINAL FEDERAL.

Edital a ser lanÁado, cargos e conte˙dos estabelecidos aqui em funÁ„o do

edital anterior vamos nÛs, sem poder perder mais tempo.

A carreira de perito È muito bacana. VocÍs certamente devem ter uma boa

noÁ„o de suas atribuiÁıes. A grana tambÈm È MUITO bacana. Cara, uma

boa grana.

Muitos buscar„o estas vagas. Portanto, sem perder mais nenhum dia para

sua preparaÁ„o.

E para isto, vocÍ deve ter um material de qualidade, que vise a sua plena

formaÁ„o.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Este curso ser· desenvolvido

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Este curso ser· desenvolvido visando trazer os assuntos escritos de uma

forma bem tranquila, abrangendo o conte˙do de cada aula com muito rigor,

porÈm, buscando trazer os aspectos mais relevantes para sua prova.

A aula 00 servirá como um “aperitivo” de como escrevo, minha forma de

tratar do assunto, com muitas dicas, orientaÁıes, etc.

Se gostar do material e quiser aderir ao meu curso, ser· uma grande

satisfaÁ„o profissional. Saiba que busco trazer o melhor para meus alunos.

Pois, a sua aprovaÁ„o È muito recompensadora e me deixa muito feliz em

saber que, de alguma forma pude colaborar.

Permitam-me fazer uma breve apresentaÁ„o de minha trajetÛria acadÍmica

e profissional:

- Sou Perito Criminal da PCSP, atuando na cidade de Ribeir„o Preto/SP.

- Professor de editoras voltadas a concursos p˙blicos, ministrando diversos

cursos e, em especial, na ·rea de SeguranÁa P˙blica.

-Graduado pela Faculdade de CiÍncias FarmacÍuticas pela USP-RP, em 1990;

- Mestre em sÌntese de complexos bioinorg‚nicos de RutÍnio, com liberaÁ„o

de Ûxido nÌtrico, pela Faculdade de CiÍncias FarmacÍuticas USP-RP;

- Doutor em farmacotÈcnica, estudando o efeito de promotores de absorÁ„o

cut‚nea visando ‡ terapia fotodin‚mica para o c‚ncer de pele, Faculdade de

CiÍncias FarmacÍuticas pela USP-RP;

- Especialista em espectrometria de massas, pela Faculdade de QuÌmica,

USP-RP;

- Professor de QuÌmica em ensino MÈdio e prÈ-vestibular (Anglo, Objetivo,

COC) desde 1992.

- Professor de QuÌmica (Org‚nica, Geral, AnalÌtica, FÌsico-QuÌmica e

Inorg‚nica) em cursos de graduaÁ„o;

- Professor de QuÌmica FarmacÍutica, em curso de graduaÁ„o em Farm·cia;

- Professor de PÛs-GraduaÁ„o em Biotecnologia (controle de produtos e

processos biotecnolÛgicos);

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ - Analista QuÌmico em

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

- Analista QuÌmico em ind˙stria farmacÍutica, AKZO do Brasil, em S„o Paulo

- SP.

Espero poder contribuir com a sua capacitaÁ„o para este concurso e consiga

realizar seu sonho, como eu consegui realizar o meu.

A felicidade em ver meu aluno ser aprovado È muito grande, pois,

indiretamente valoriza meu trabalho e nos d· a satisfaÁ„o de ver que pude

ajudar alguÈm a atingir seus sonhos.

SÛ para ilustrar: nos ˙ltimos concursos diversos alunos que adquiriram meu

curso foram aprovados em Perito Criminal de SP; Perito Criminal de Goi·s

(inclusive, o primeiro colocado foi meu aluno); Papiloscopistas em Goi·s e

do Distrito Federal; QuÌmicos para o MinistÈrio da Agricultura; diversos

cargos em concursos da PETROBR£S, etc.

E tenho grande orgulho em dizer que meus cursos sempre s„o muitÌssimos

bem avaliados pelos meus alunos (geralmente 90 a 95% entre Ûtimo e

excelente).

VocÍ que È concursando sabe que faÁo as correÁıes comentadas das

questıes, analisando as possibilidades de recursos, de anulaÁ„o, etc.

Inclusive, pode acompanhar estas publicaÁıes nos grupos do facebook dos

quais participo ou sou administrador.

Um AVISO IMPORTANTE: por se tratar de uma aula demonstrativa esta

aula traz parte do conte˙do programado para as vÌdeo-aulas.

Montarei uma bateria somente de questıes da banca. Assim, vocÍ ter·

ideia de qual È o estilo e como aborda os temas.

2. APRESENTA« O DO CURSO

Seguem abaixo coment·rios acerca do conte˙do e da metodologia do nosso

curso:

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ  Os tÛpicos s„o

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Os tÛpicos s„o de abordagem compatÌvel com o que È cobrado pelas bancas.

Teremos aulas em pdf, com direito a fÛrum de d˙vidas e outros assuntos

pertinentes.

Teremos muitas questıes da banca que for escolhida para a realizaÁ„o do

concurso.

Teremos vÌdeo-aulas. V·rias j· foram gravadas. E outras ser„o em breve.

A proposta do curso È facilitar o seu trabalho e reunir teoria e in˙meros

exercÌcios, no que tange aos assuntos abordados no edital, em um sÛ

material.

ObservaÁ„o importante: Este curso È protegido por direitos

autorais (copyright), nos termos da Lei 9.610/98, que altera,

atualiza e consolida a legislaÁ„o sobre direitos autorais e d· outras

providÍncias.

Grupos de rateio e pirataria s„o clandestinos, violam a lei e

prejudicam os professores que elaboram os cursos. Valorize o

trabalho de nossa equipe adquirindo os cursos honestamente

atravÈs do site EstratÈgia Concursos ;-)

Valorize o professor que se dedica para vocÍ conseguir seu objetivo, que È

o mais importante.

3. PROGRAMA« O DO CURSO

Abaixo seguem as datas das postagens das aulas.

AUL CONTE⁄DO VIDE A O? 00 Traumatologia Forense: agentes mec‚nicos (perfurantes, cortantes,

AUL

CONTE⁄DO

VIDE

A

O?

00

Traumatologia Forense: agentes mec‚nicos (perfurantes, cortantes, contundentes,

S

01

Traumatologia Forense: agentes mec‚nicos perfurocortantes, cortocontundentes e perfurocontundentes)

S

S 01 Traumatologia Forense: agentes mec‚nicos perfurocortantes, cortocontundentes e perfurocontundentes) S
S 01 Traumatologia Forense: agentes mec‚nicos perfurocortantes, cortocontundentes e perfurocontundentes) S
Forense: agentes mec‚nicos perfurocortantes, cortocontundentes e perfurocontundentes) S DATA 12FE V 18FE V
Forense: agentes mec‚nicos perfurocortantes, cortocontundentes e perfurocontundentes) S DATA 12FE V 18FE V

DATA

12FE

V

18FE

V

Forense: agentes mec‚nicos perfurocortantes, cortocontundentes e perfurocontundentes) S DATA 12FE V 18FE V
PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 02 Agentes fÌsicos (calor,

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

02 Agentes fÌsicos (calor, frio, eletricidade, press„o S 25FE atmosfÈrica, radiaÁ„o); Estudo

02 Agentes fÌsicos (calor, frio, eletricidade, press„o

S

25FE

atmosfÈrica, radiaÁ„o); Estudo mÈdico-legal das lesıes causadas por subst‚ncias c·usticas e venenos.

V

03 Asfixiologia forense: conceito e classificaÁ„o das

S

03M

asfixias, asfixias por constriÁ„o do pescoÁo, asfixias por alteraÁ„o do estado fÌsico ambiental, asfixias por sufocaÁ„o.).

AR

04 Tanatologia: conceitos de morte, causas jurÌdicas

S

10M

da morte (suicÌdio, crime, morte acidental, diagnÛstico comparativo), morte s˙bita). CRONOTANATOGNOSE: fenÙmenos cadavÈricos imediatos e tardios

AR

acidental, diagnÛstico comparativo), morte s˙bita). CRONOTANATOGNOSE: fenÙmenos cadavÈricos imediatos e tardios AR
acidental, diagnÛstico comparativo), morte s˙bita). CRONOTANATOGNOSE: fenÙmenos cadavÈricos imediatos e tardios AR
fenÙmenos cadavÈricos imediatos e tardios AR 05 Cronotanatognose fenÙmenos cadavÈricos destrutivos e
fenÙmenos cadavÈricos imediatos e tardios AR 05 Cronotanatognose fenÙmenos cadavÈricos destrutivos e

05 Cronotanatognose fenÙmenos cadavÈricos destrutivos e conservativos

S

18M

AR

06 Lesıes corporais: conceitos e interpretaÁ„o

S

25M

do artigo 129 do CÛdigo Penal.

AR

07 Psicopatologia forense. Conceitos fundamentais. ClassificaÁ„o das doenÁas mentais. Aspectos mÈdicos e jurÌdicos: aplicabilidade no campo penal. Inimputabilidade e semi-imputabilidade:

avaliaÁ„o mÈdico-legal.

S

30M

AR

 

08 SEXOLOGIA FORENSE Conceitos fundamentais. Estudo mÈdico-legal dos crimes contra a liberdade sexual.

S

04AB

R

09 SEXOLOGIA FORENSE: Estudo mÈdico-legal do abortamento. Estudo mÈdico-legal do infanticÌdio. Docimasias.

S

07AB

R

10 TOXICOLOGIA FORENSE Embriaguez etÌlica ou por outras drogas; legislaÁ„o aplic·vel. DependÍncia do ·lcool ou de outras drogas; legislaÁ„o aplic·vel.

 

12AB

R

11 Antropologia forense. Conceitos fundamentais. PrincÌpios da identificaÁ„o humana: identificaÁ„o e identidade. DiagnÛstico mÈdico-legal da espÈcie; sexo, idade e estatura em ossadas e restos humanos.

Sim

18AB

R

12 ExumaÁıes em sepulturas regulares ou clandestinas; tÈcnicas de escavaÁ„o em sepulturas coletivas (valas comuns). Ossadas:

sinais de violÍncia. Grandes desastres.

 

23AB

R

 

13 INFORTUNISTICA MEDICO-LEGAL: Acidentes de trabalho e doenÁas ocupacionais. LegislaÁ„o e perÌcias de acidentes de trabalho. PerÌcias securit·rias. Responsabilidade civil e penal do

 

27AB

R

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ mÈdico: legislaÁ„o e aspectos

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

mÈdico: legislaÁ„o e aspectos periciais. PerÌcias mÈdica cÌvel, administrativa e previdenci·ria. LegislaÁ„o. CritÈrios de avaliaÁ„o de dano. Nexo causal.

CritÈrios de avaliaÁ„o de dano. Nexo causal. 14 GENETICA FORENSE: DNA. REGI’ES N O
CritÈrios de avaliaÁ„o de dano. Nexo causal. 14 GENETICA FORENSE: DNA. REGI’ES N O

14 GENETICA

FORENSE:

DNA.

REGI’ES

N O

30AB

CODIFICANTES

 

R

15 GENETICA FORENSE: InvestigaÁ„o de paternidade

07M

e maternidade. AplicaÁıes mÈdico-legais do DNA.

AI

e maternidade. AplicaÁıes mÈdico-legais do DNA. AI 16 11M AI 17 18 NoÁıes de patologia.
e maternidade. AplicaÁıes mÈdico-legais do DNA. AI 16 11M AI 17 18 NoÁıes de patologia.

16

11M

AI

17

18

NoÁıes de patologia. HistÛria da medicina pericial. Conceito e campo …tica mÈdica e perÌcia mÈdica.

NoÁıes de patologia.

HistÛria da medicina pericial. Conceito e campo

…tica mÈdica e perÌcia mÈdica. Documentos

17M

de aÁ„o da medicina legal (penal, cÌvel,

AI

administrativa e securit·ria). Papel do mÈdico perito nos processos judiciais. Autonomia pericial.

22M

mÈdicolegais:

AI

relatÛrios, pareceres e atestados. AvaliaÁ„o e diagnÛstico pericial em casos de tortura.

As aulas com S j· apresentam vÌdeos. As demais poder„o ser

gravadas futuramente.

As datas acima s„o datas m·ximas de postagem. Poder„o ser

antecipadas em funÁ„o da publicaÁ„o do edital.

Os tÛpicos abaixo n„o ser„o abordados neste curso:

4.7 LegislaÁ„o em perÌcias mÈdicas. 4.8 AvaliaÁ„o do aparelho

locomotor: debilidades motoras e funcionais. 4.9 AvaliaÁ„o do dano

corporal. NoÁıes de psiquiatria: anamnese e entrevista psiqui·trica,

retardo mental, esquizofrenias, transtornos do humor, transtornos

neurÛticos e transtornos somatoformes. 10.5 Capacidade civil:

avaliaÁ„o mÈdico-legal. Sa˙de ocupacional. 15 NoÁıes acerca das

seguintes patologias: doenÁas coronarianas, insuficiÍncia cardÌaca,

arritmias, hipertens„o arterial, endocardite, insuficiÍncia

respiratÛria aguda, tromboembolismo pulmonar, acidentes

vasculares cerebrais, sepse e abdome agudo.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 16 NoÁıes acerca das

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

16 NoÁıes acerca das seguintes patologias clinicopedi·tricas:

infecÁıes perinatais, doenÁas respiratÛrias agudas, diarreias

agudas e meningites. 17 NoÁıes de obstetrÌcia: assistÍncia prÈ-

natal, assistÍncia ao parto normal e operatÛrio e suas

complicaÁıes, puerpÈrio normal e patolÛgico, sÌndromes

hipertensivas na gestaÁ„o, diabetes gestacional, placenta prÈvia e

descolamento de placenta, sofrimento fetal.

As datas acima s„o datas m·ximas de postagem.

Muito conte˙do condensado em poucas aulas, para que seja possÌvel

abordar tudo o que È pedido.

FIQUE ATENTO: como esta È uma aula de apresentaÁ„o, apenas

uma parte do conte˙do EM VÕDEOS da aula ser· postada aqui.

Verifique se as datas m·ximas de postagem interessam ‡ sua

programaÁ„o de estudos. TambÈm observe quanto aos vÌdeos j·

disponÌveis.

J· estou selecionando questıes da banca. Ent„o, em breve estas

estar„o disponÌveis para vocÍ.

Vamos comeÁar a brincadeira?

4. TRAUMATOLOGIA. ASPECTOS INICIAIS

Seja muito bem-vindo a esse nosso mÛdulo de TRAUMATOLOGIA

FORENSE. Acredito que, profissionalmente, È um dos temas mais

importantes que encontramos no local de crime com morte violenta. Seja

ele por suicÌdio, homicÌdio, seja por um acidente de tr‚nsito, que s„o as

situaÁıes em que nÛs mais nos deparamos com a tal morte ou pelo menos

algo muito prÛximo da morte. Eu digo algo muito prÛximo da morte

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ porque, na verdade, quando

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

porque, na verdade, quando temos (por exemplo) um acidente muitas

vezes se chega ao local e a vÌtima foi removida porque ela ainda estava

com vida. Muitas vezes a equipe de resgate, em algum momento, chega e

leva essa vÌtima para unidade de sa˙de onde ele vai receber socorro

mÈdico.

PorÈm, em muitas situaÁıes encontramos no local dos fatos os cad·veres.

Nesta situaÁ„o È muito importante que vocÍ faÁa uma an·lise cuidadosa.

Que faÁa uma verificaÁ„o com muito cuidado, com muita atenÁ„o.

… interessante que muitas vezes j· cheguei a um local em que se vai colher

uma informaÁ„o com autoridade policial e tenho percebido que alguns atÈ

nem conhecem diversos aspectos da Medicina Legal.

Acho curioso porque durante a faculdade eles tÍm Medicina Legal, mas,

talvez pela necessidade de enquadramento de crimes eles se atÍm mais ao

CÛdigo Penal do que ‡ Medicina Legal. AtÈ porque o delegado passar· e

ocupar· seu tempo investigando, por exemplo, um homicÌdio e quem vai

determinar as causas das mortes n„o È o delegado e nem o perito criminal.

Ser· o mÈdico legista quem vai determinar as causas. … o perito MÈdico

Legal. Importante isso, pois o delegado j· se incumbe, vamos dizer assim,

de procurar buscar a origem do crime ou a les„o, buscar a autoria.

No entanto, ‡s vezes encontramos um corpo totalmente mutilado,

esfacelado. Ent„o, est· Ûbvio quais s„o ou quais foram as energias que

agiram sobre aquele corpo.

PorÈm, ‡s vezes vocÍ encontra um corpo que est· quase que perfeito, mas

houve um choque, algum tipo de trauma. Ent„o, o assunto desta aula È

justamente abordar a Traumatologia Forense.

Vamos nos ater a v·rias situaÁıes para discutirmos todas as formas de

energia que podem agir sobre o organismo.

Temos uma definiÁ„o, um conceito do que seria a Traumatologia Forense:

É a parte do Medicina Legal que estuda os traumas, as lesões e os

instrumentos (agentes) vulnerantes.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ A Traumatologia Forense estuda

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

A Traumatologia Forense estuda os aspectos médico-jurídicos das

lesões causadas pelos agentes lesivos.

Podemos dizer também que Trauma é o resultado da ação vulnerante que

possui energia capaz de produzir a lesão.

Outros dois conceitos importantes são os de ferida e de lesão.

FERIDA: Lesão que ultrapassa a derme atingindo os planos mais profundos.

Lesão é o objeto de estudo da Medicina Legal e o resultado do trauma e

suas consequências médicas e legais.

Ent„o, veja: quando analiso uma les„o eu poderia arguir se uma faca pode

matar uma pessoa e de que forma? VocÍ pode usar uma faca para gerar

uma contus„o (se eu bater com o cabo da faca em alguÈm, por exemplo)

ou pode matar se eu esfaquear um indivÌduo.

Da mesma forma eu posso perguntar: e um revÛlver? Que tipo de les„o

pode gerar? Muitas vezes percebo que o aluno fica preocupado em

determinar o agente e que tipo de les„o ele poderia provocar. Mas, na

verdade, o correto È estudarmos a les„o e, a partir daÌ, avaliar qual

possÌvel agente causou esta les„o.

Ent„o, vocÍ pode chegar perto de um corpo e, na cena do crime, tem uma

faca prÛxima do cad·ver. DaÌ o cara fica logo de cara pensando se a les„o

foi facada ou n„o. Necessariamente n„o È obrigado que, se uma faca estava

na cena, caÌda ao solo e suja de sangue, tenha havido uma facada na

vÌtima.

AtÈ pode ser uma facada, mas, o que vocÍ tem que analisar inicialmente È

a les„o. Porque analisando como a les„o foi causada podemos pensar em

que possÌvel instrumento pode tÍ-la causada.

Certo caso em que atuei em uma cena de crime logo que cheguei ao local

em que se encontrava o cad·ver (encontrado em dec˙bito dorsal, em um

matagal na periferia da cidade) a delegada falou assim para mim: “olha ele

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ morreu assim, morreu atropelado

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ morreu assim, morreu atropelado pois a perna

morreu assim, morreu atropelado pois a perna dele est· torta, etc. E tem

marcas de pneu no gramado na região próxima ao cadáver, etc etc”.

Eu inicialmente ouvi o que ela tinha a me dizer e respondi dizendo que

havia acabado de chegar e precisaria analisar a regi„o mediata e imediata

ao cad·ver.

Para mim um ˙nico fato n„o È o decisivo para uma conclus„o. Devemos

analisar o ambiente. TÌnhamos um cad·ver encontrado por moradores,

corpo estirado em um gramado, com v·rias manchas de aspecto hematoide

prÛximos ao corpo, outras manchas de aspecto hematoide mais distantes

(uns 2 metros de dist‚ncia do corpo) e com algumas lesıes na cabeÁa.

Mas a delegada j· havia concluÌdo que a vÌtima havia sido atropelada

porque tinha marcas de pneus no gramado. Ela dizia que algum carro havia

passado por cima dele e coisa e tal.

Analisando os vestÌgios na grama aparentava que esta apresentava

recentecidade. Observei que prÛximo ao cad·ver tinha uma viatura da

polÌcia que estava ali fazendo a preservaÁ„o.

Me aproximei dos policiais e perguntei se as marcas na grama j· estavam

quando eles chegaram. O PM respondeu que estavam em busca de localizar

o cad·ver e que, quando os policiais encontraram o cad·ver, eles

adentraram no gramado com a viatura e deram marcha a rÈ para

posicionarem a viatura. Ent„o, quem tinha causado aquela marca na grama

foi a prÛpria viatura dos policiais.

Ent„o, percebe que vocÍ tem que tomar cuidado e observar as coisas

atentamente, sabe por quÍ? Porque atÈ mesmo no local de crime o

delinquente que deu causa pode ter forjado uma situaÁ„o justamente para

tentar enganar a perÌcia, para tentar enganar o delegado, enfim, enganar

quem est· investigando o caso.

Você pode argumentar: “professor eu vou ser MÈdico Legista(ou Odonto

Legista). Não compareço ao local do crime”.

VocÍ quer ser mÈdico Legista. Ent„o, sÛ recebe o cad·ver. Assim, vocÍ vai

analisar as lesıes para tentar determinar um possÌvel tipo de agente.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Pode ser que esse

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Pode ser que esse agente n„o esteja na cena do crime. Eu vejo um ato

falho muito grande de uma maneira geral da SeguranÁa P˙blica. O perito È

o cara que vai no local do crime. E o mÈdico legista raramente vai ao local.

Ent„o, vejo como uma perda muito grande de informaÁıes este

descompasso. Acredito que o indicado seria uma equipe comparecer ao

local, com delegado, perito e legista. Mas, normalmente, isso n„o ocorre

na maioria das cidades do paÌs.

SÛ para vocÍ ter uma ideia eu trabalho em um prÈdio em um n˙cleo em

que no primeiro andar fica o mÈdico Legista e a perÌcia fica no segundo

andar e no tÈrreo. NÛs praticamente nunca temos contato com o Legista

(em funÁ„o de hor·rios e de plantıes lotados).

Eu ainda tive a sorte de, em um cursinho preparatÛrio, dar um curso para

o concurso de perito. Neste, havia um rapaz que estava ali se preparando

para prestar o concurso e ele era auxiliar de necropsia. Ent„o, eu o conheci

e tenho contato com ele. E vezem quando dou uma passada na sala dele

ou mando um zap para buscar informaÁıes e ajuda.

Raramente eu pergunto assim, para ele: “escuta, sabe aquele cadáver do

caso tal? Tem essa informaÁ„o sobre o caso? Tal les„o confere ou n„o

confere?

FaÁo isso porque as informaÁıes que obtenho podem ajudar a elucidar

algumas coisas da minha an·lise pericial.

Vamos prosseguir?

Trauma, normalmente, vai ser uma les„o decorrente da aÁ„o de uma

energia (nÛs vamos ver as diferentes formas de energia). Nessa aÁ„o temos

a participaÁ„o de um agente que vai causar esta les„o.

NÛs vamos estudar caso a caso as diferentes formas de energia. Vamos

agrupar essas energias e possÌveis instrumentos dentro de um

enquadramento que facilite sua aprendizagem.

Por que o termo traumatologia vem acompanhando da palavra forense?

Porque a traumatologia forense È o estudo dos aspectos mÈdico-

jurÌdicos das lesıes de interesse judicial.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Imagine que, de repente,

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Imagine que, de repente, eu estou jogando futebol e posso sofrer um

trauma sozinho. Posso, por exemplo, torcer o tornozelo, causar uma

luxaÁ„o. Isso È um trauma.

Mas, se eu perguntar a vocÍ: estou correndo sozinho, piso de mal jeito em

um desnÌvel do terreno do gramado, me machuco sozinho. Que interesse

judicial tem isso? Que interesse forense tem isso? Nenhum!!!

Ent„o, n„o È todo trauma que a polÌcia vai investigar. SÛ teremos interesse

em situaÁıes em que estão envolvidos com alguma “coisa” tipificada no

CÛdigo Penal. Principalmente as mortes violentas.

Vamos prosseguir com traumas relacionados e tipificados, beleza?

Trauma È o resultado da aÁ„o vulnerante que possui

energia capaz de

produzir a les„o

.

O que isto quer dizer? Que È uma aÁ„o vulnerante capaz de produzir uma

les„o atravÈs da aplicaÁ„o de uma energia.

Por exemplo: se eu pegar uma faca e colocar sobre minha pele e n„o

pressionar eu n„o tenho um trauma ou les„o. PorÈm, posso aplicar certa

press„o e, alÈm disto, provocar o deslizamento do gume sobre meus

tecidos. No caso inicial n„o tenho trauma porque eu n„o empreguei uma

energia mÌnima necess·ria. Preciso empregar uma energia mÌnima em um

agente ou instrumento vulnerante para causar uma les„o.

Ent„o n„o basta que um instrumento se preste a provocar uma dada les„o.

… preciso ter uma forma de energia aplicada, uma forma de lesar a derme

ou mesmo atingindo os planos mais profundos. Assim, a

e o resultado trauma È sua consequÍncia

MÈdico Legal.

N„o vou me aprofundar muito ou empregar muito tempo em explicar outros

aspectos (apenas citar), mas, j· viram que existem algo chamado de les„o

corporal? Ela se enquadra em diferentes graus. Temos a les„o que

incapacita levemente e temporariamente e aquelas que incapacitam

parcialmente ou definitivamente o indivÌduo.

les„o È o objeto

de estudo da medicina legal

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Por exemplo: se vocÍ

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Por exemplo: se vocÍ d· um tapa na cara de uma pessoa, dependendo da

intensidade desse tapa, desse bofet„o que vocÍ deu, pode n„o causar uma

les„o. O local fica vermelho (chamamos de hiperemia), pois, nesta ·rea

ocorre aumento da circulaÁ„o perifÈrica pela agress„o dos pequenos

capilares, ficando avermelhado. Depois de alguns minutos esta

vermelhid„o desaparece.

Mas, quando a agress„o tem um impacto muito maior, uma energia muito

maior, pode causar (por exemplo) um edema no rosto, no olho. Neste caso

j· È um tipo diferente de les„o. Isso vai ser tipificado dentro do emprego

da energia mec‚nica.

Teremos as feridas a partir do momento em que o nosso

revestimento epitelial passa a ser afetado: a pele È o nosso sistema

tegumentar e È um dos principais sistemas de defesa do organismo. Se

houver a remoÁ„o da pele ent„o nÛs j· temos uma les„o, uma ferida.

A pele impede a aÁ„o de muitos microrganismos que est„o no ar e

ambiente. Perceba que, ‡s vezes, vocÍ pode ter um ataque de

microrganismos que n„o nos fariam mal com a pele Ìntegra. Mas eles s„o

perigosos, por exemplo, se sua pele est· exposta.

Como exemplo posso citar o grande problema quando uma pessoa tem

queimaduras. Nesta ·rea perdeu-se a pele e o tecido interno est· exposto

a microrganismos que podem trazer infecÁıes. Esta È uma das maiores

causas de morte de pessoas que sofrem queimadura de grandes ·reas do

corpo.

AlÈm da proteÁ„o microbiolÛgica importantÌssima tem mais uma outra

proteÁ„o importante que È evitar a desidrataÁ„o. Um indivÌduo queimado

ele tem que ser muito hidratado.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ A pele È o

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

A pele È o mais extenso órgão sensorial do corpo. Representa 15% do peso

corporal total e contém 20% do total de água do corpo. Geralmente é

pilosa.

Pode ser classificada como seca, oleosa e mista. Apresenta uma

propriedade bem interessante para nossos estudos: a elasticidade (linhas

de fenda).

para nossos estudos: a elasticidade (linhas de fenda). VocÍ lembra que nosso corpo tem, em mÈdia,

VocÍ lembra que nosso corpo tem, em mÈdia, entre 70% e 75% de ·gua.

Por quÍ eu falei em mÈdia? Porque crianÁas e fetos tÍm mais ·gua e idosos

tÍm menos.

Mencionei que ela È pilosa (em grande parte do corpo nÛs temos pelos) e

estes tÍm import‚ncia na tricologia forense, que È uma parte do estudo

da CriminalÌstica.

Podemos encontrar pelos ou fios de cabelos no local de crime. Esses pelos,

esses fios podem ser importantes para identificar um indivÌduo porque eles

contÍm o material genÈtico, chamado DNA.

Ent„o, a partir do pelo e avaliando se ele est· com bulbo nÛs temos a

possibilidade de estudo do DNA nuclear. Se n„o tiver o bulbo a possibilidade

fica restrita a avaliar o DNA mitocondrial (aÌ fica um pouco mais indireto o

exame), porque quando temos apenas o DNA mitocondrial precisamos

recorrer a outros indivÌduos da famÌlia. Principalmente avaliar a origem

materna, porque todo o DNA mitocondrial que nÛs humanos tem uma

origem sÛ: a m„e. N„o tem DNA mitocondrial vindo do pai, apesar de

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ sermos gerados pela fecundaÁ„o

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

sermos gerados pela fecundaÁ„o que envolve o material genÈtico da m„e

e do pai.

Ah, todo exame de DNA sempre È por confronto (precisamos de DNA de

alguÈm para comparar).

Alvo do nosso estudo e nosso objeto de estudo È analisar a elasticidade da

pele. Ela pode ser analisada para avaliar se uma les„o foi feita em vida ou

pÛs-morten (uma les„o pode ser causada apÛs a morte da vÌtima, seja de

forma proposital ou acidental).

Pelo fato da pele ter elasticidade quando vocÍ faz um corte e a pessoa est·

viva ela vai ter uma reaÁ„o vital do organismo. Este vai tentar, por

exemplo, fechar o corte visando estancar a hemorragia, buscando tentar

fechar a les„o, inclusive atÈ para diminuir a invas„o por microrganismos.

Ent„o por que que eu falo que isso È importante? Porque se vocÍ chega a

um local de crime e vÍ o camarada morto com perfuraÁıes, por exemplo,

tÌpicas de facadas d· para avaliar se este sofreu estas lesıes ainda vivo ou

depois de morto (em casos de afogamento o corpo, geralmente, sofre

lesıes decorrentes da movimentaÁ„o na ·gua e embates contra objetos

naturais, como galhos, pedras, etc).

Pode ser que um camarada n„o saiba que o indivÌduo j· estava morto e

queira agredi-lo com facadas. Mas o cara j· estava morto quando alguÈm

deu uma facada nele.

Vou dar um exemplo desta ideia hipotÈtica: vocÍ n„o gosta do Fernando

nem o Emanuel gosta dele. Emanuel aproveitou que o Fernando estava

numa situaÁ„o meio propÌcia para tentar a sua vinganÁa. Aproveitando-se

do fato de Fernando estar embriagado numa balada o Emmanuel pensa

assim: “o Fernando está meio doidão hoje, está meio chapadão, está

bÍbado. Hoje eu vou aproveitar e me vingar dele. Todo o Ûdio que eu tenho

vou descarregar nele”.

Percebe que Fernando est· dando moleza e d· um tiro nele, acabando por

fulmin·-lo em um lugar escuro. VocÍ chega, depois, e percebe que

Fernando est· em uma situaÁ„o propicia para se vingar dele (eita que cara

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ amado e querido) e

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

amado e querido) e pensa assim: “o Fernando está bêbado. Vou me vingar

dele”. Daí saca de uma faca e dá umas facadas nele. Estas lesões não

apresentarão as características de “resposta vital” e terão aspectos

diferentes quando comparadas a uma situaÁ„o em que o Fernando tivesse

sido golpeado em vida.

O mÈdico Legista pode ajudar a provar isso, pois, a les„o causada no vivo

È diferente de uma les„o causada no indivÌduo morto.

Se ele est· vivo a elasticidade da pele e a reaÁ„o vital buscam aproximar

os bordos da les„o. Quando vocÍ d· uma facada e o cara est· morto a

abertura que foi feita permanece com as bordas abertas.

Isto È bacana de saber, pois, em local de crime pode ocorrer de o homicida

causar uma les„o no cad·ver para tentar confundir o raciocÌnio do perito.

Ent„o È isso que vocÍ tem que ficar atento. A elasticidade È uma

caracterÌstica muito bacana do nosso tecido tegumentar.

Eu mencionei a possibilidade da presenÁa de pelos. Muitas subst‚ncias

tÛxicas ficam armazenadas no cabelo. J· percebeu que em v·rios editais

de concursos vem um item mencionando que se pode, a qualquer

momento, fazer um exame mÈdico do candidato?

E aÌ podem pedir um pedaÁo do seu cabelo, pois, se vocÍ estiver

consumindo droga em um certo perÌodo de tempo essa droga pode ficar

armazenada em seu cabelo.

Pode-se fazer, por exemplo, an·lise dos fios de cabelo. Dependendo do tipo

de subst‚ncia ou droga que pode estar armazenada no cabelo ela pode ser

detectada. Ent„o, È muito importante ter conhecimento. Afinal quanto mais

conhecer essas nuances da Medicina Legal maior a sua vis„o, maior o seu

preparo numa cena de crime.

A textura da pele tambÈm ser· importante fator a se avaliar.

Vamos

Traumatologia.

considerar

as

informaÁıes

acima

como

uma

introduÁ„o

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Agora nÛs vamos analisar,

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Agora nÛs vamos analisar, comeÁar estudar os agentes vulnerantes.

Terminei o bloco anterior dizendo o seguinte: normalmente o que se deve

fazer È analisar as lesıes e, a partir desta, determinar o possÌvel agente

vulnerante.

Podemos pensar em funÁ„o dos vestÌgios obtidos no exame

perinecroscÛpico tentar chegar ‡ din‚mica dos fatos e sobre a autoria do

delito.

Se eu chegar e consegui tudo isso aÌ seria uma maravilha, mas, n„o È

sempre assim. Nem sempre conseguimos tudo isso no local de crime. Por

isso, quanto mais nos dedicamos, mais elementos nÛs podemos ter, mais

vestÌgios, mais evidÍncias para depois termos possÌveis indÌcios.

Vamos comeÁar a estudar as energias vulnerantes?

Precisamos ter um tipo de energia envolvida no estudo da Traumatologia.

Ent„o, veja que vamos estudar a ofensa ‡ integridade fÌsica ou ‡ sa˙de de

alguÈm. Essas ofensas podem ser produzidas por diferentes formas de

energias.

Quais seriam estes tipos de energia?

Vamos listar aqui:

- mec‚nica

- fÌsica

- quÌmica

- fÌsico-quÌmica

- bioquÌmica

- biodin‚mica

- mista.

Percebo que muitas vezes o concursando n„o sabe que existe essa divis„o.

… bom saber, È uma coisa bem b·sica e tem bancas que gostam de coisas

bem b·sicas e elas podem questionar tais classificaÁıes.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 0

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

0

5. ENERGIA DE ORDEM MEC¬NICA

Possivelmente uma das formas de energia que nos deteremos por mais

tempo, devido ‡ diversidade de formas de instrumentos que podem ser

usados.

O que È essa energia faz?

Ela muda o estado de inÈrcia. Se um corpo est· em repouso ou em

movimento esse tipo de energia vai alterar essa forma (ou de repouso ou

de movimento), produzindo les„o (em todo ou em parte do corpo).

O grande problema s„o os nomes que s„o empregados na medicina legal,

principalmente, na energia mec‚nica. Esta È uma das dificuldades do

candidato. E as bancas adoram explorar essa possibilidade de erro.

Portanto, faÁa um resumo destes nomes que estudaremos a seguir. … claro

que a banca, necessariamente, n„o vai pedir sÛ a classificaÁ„o. Mas j· vi

questıes de banca que pedem estas classificaÁıes, seja de energias, seja

de instrumentos que possam ser usados.

VocÍ tem que saber, inicialmente, que o instrumento pode ser classificado

em dois grandes: se agem por aÁ„o simples ou aÁ„o composta.

O

que È aÁ„o simples?

O

nome j· È autoexplicativo: È um tipo ˙nico de aÁ„o (perfurante, cortante

ou contundente)

Ou se ele vai ter aÁ„o composta ou mista (nada mais seria que a mistura

de duas das trÍs formas simples, em que o instrumento foi usado para

causar a les„o).

Isso vai causar a vocÍ uma certa dificuldade porque v„o aparecer nomes

que muitos candidatos acham um absurdo. Mas, fique tranquilo.

Sabe como que vocÍ resolve isso?

Com a an·lise de dois tri‚ngulos. Como assim professor, dois tri‚ngulos?

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Veja abaixo uma imagem

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Veja abaixo uma imagem com os dois tri‚ngulos:

Sabemos que existem trÍs tipos de aÁ„o simples. Cada uma est· no vÈrtice

do tri‚ngulo, nesta figura modificada do Prof. Malthus.

0
0

Acima temos o tri‚ngulo da aÁ„o simples. Observe seus nomes e

caracterÌsticas da les„o, bem como o nome do agente e da les„o, entre

parÍnteses (outro ponto que as bancas adoram pedir para ferrar o

candidato).

Agora imaginem misturar dois a dois estes tipos de aÁ„o simples. TerÌamos

mais trÍs tipos de lesıes de agentes:

simples. TerÌamos mais trÍs tipos de lesıes de agentes: Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br P·gina
PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Pronto. Nem comeÁamos os

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Pronto. Nem comeÁamos os estudos e j· temos material para a banca ferrar

o candidato. Mas, tranquil„o, tranquilona. Aqui vocÍ ter· estes nomes

repetidos e cobrados, para que nunca errem e agilizem resoluÁ„o de

questıes.

Vamos estudar individualmente os agentes mec‚nicos de aÁ„o simples e as

caracterÌsticas das lesıes. Assim, quando chegar no momento de estudar

os instrumentos de aÁ„o composta vocÍ vai ver que È muito f·cil.

SÛ para adiantar:

==0==

AÁ„o simples: temos agente que perfura (perfurante); tem o que corta

(cortante) e tem o que contunde (contundente).

AÁ„o composta: quando a aÁ„o È composta vamos ter a relaÁ„o daquilo

que perfura com aquilo que corta (perfurocortante); daquilo que perfura

com aquilo que perfura (perfurocontundente); daquilo que corta com aquilo

que contunde (cortocontundente).

Vejamos um instrumento que pode ser usado como aÁ„o simples OU como

aÁ„o composta. VocÍ tem na sua cozinha e a usa todo dia para comer:

faca.

Com a faca eu posso ter uma aÁ„o simples cortante, quando emprego

press„o e deslizamento; posso ter como aÁ„o simples contundente,

quando bato com o cabo dela em alguÈm e posso ter aÁ„o mista ao fazer

uma perfuraÁ„o: a faca ela entra perfurando e cortando. Perfura e corta.

Ent„o, neste caso ser· classificada como aÁ„o composta do tipo

perfurocortante. Por isso, reforÁo a import‚ncia de se analisar a les„o e,

depois, pensar em um possÌvel objeto ou instrumento.

Vamos comeÁar a estudar os agentes vamos ver como que eles atuam,

como È que eles agem. Vimos que os agentes mec‚nicos agem ao modificar

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 0 um estado inercial. Eles

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL

Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

0

um estado inercial. Eles tÍm que mudar nossa inÈrcia. Para isso precisam

ter contato com o corpo. E v„o agir diretamente sobre a superfÌcie atingida.

Eles podem atuar sÛ por press„o (perfurante); por press„o e

deslizamento (cortante) ou por press„o. DaÌ nÛs vamos ter lesıes

caracterÌsticas dessas aÁıes.

Muito cuidado porque as bancas gostam de misturar o sufixo da

les„o com o sufixo do instrumento.

Vamos ver um exemplo: a banca fala assim: “a lesão contundente”. Lesão

contundente n„o existe. A les„o È contusa o

Eita que tem tanta coisa para falar que agora o trem vai partir. Vamos,

enfim, comeÁar a estudar os instrumentos mec‚nicos.

agente È contundente.
agente
È contundente.

A ação pode se dar de forma ativa (quando o instrumento é projetado

contra a vítima) ou passiva (quando a vítima vai ao encontro do objeto,

p.ex., em uma queda) ou mista (ambos em movimentação).

6. INSTRUMENTOS DE A« O SIMPLES

a) Agentes perfurantes e lesıes punctÛrias ou puntiformes.

O instrumento perfurante tem por caracterÌstica apresentar uma pontinha

bem fininha (pontiagudo). Vejamos: quando vocÍ pega uma agulha (todo

mundo aqui deve ter tomado uma injeÁ„o) a agulha È fina e È introduzida

no corpo. Depois que a agulha È removida ficou um pontinho, porque o

agente tem uma extremidade muito fina.

As caracterÌsticas destes agentes:

Instrumentos ou agentes finos, alongados, pontiagudos (punctÛrios) de

di‚metro transversal (secÁ„o) extremamente reduzido em relaÁ„o ao seu

comprimento, produzindo lesıes punctÛrias ou puntiformes.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Atuam por press„o sobre

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Atuam por

press„o

sobre um determinado ponto e penetram a superfÌcie,

geralmente afastando as fibras dos tecidos atingidos

Exemplos: prego, espinho, agulha, estilete, garfo, espeto de churrasco,

seta, florete, furador de gelo e outros.

Ent„o, o garfo È uma gente perfurante. Um espeto de carne tambÈm. Num

churrasco vocÍ vai por linguiÁa para assar e pode usar um espeto. Ele tem

uma ponta perfurante. Depois o corpo dele È cilÌndrico e comprido.

Em viciados podemos observar a presenÁa de flebites (fleboesclerose: veias

ficam duras em usu·rios de drogas).

Vamos pensar na ponta da agulha da injeÁ„o: posiciono a ponta do

instrumento no tecido e preciso colocar energia. Quando eu pressiono eu

estou causando uma possibilidade de afastamento das fibras. Ent„o, as

fibras se afastam. Vejam que as fibras v„o ser afastadas e

n„o ser„o

cortadas.

Cuidado com o estilete. Muito cuidado com o estilete. Eu j· vi muita banca

que classifica o estilete como instrumento perfurante. Deve ser quando se

est· usando aquela pontinha do estilete.

Como s„o as lesıes punctÛrias?

- OrifÌcio de entrada:

diminuto, circular ou fusiforme

de pouco sangramento externo (mas, nada impede de haver

hemorragia interna, que n„o ser· visualizada a olho nu).

recoberto por uma crostÌcula sero-hem·tica

a les„o pode ocasionar importantes lesıes internas (pode

perfurar Ûrg„os vitais. Mesmo sendo de pequeno calibre podem ser fatais).

Geralmente, de menor di‚metro que a do instrumento

causador, devido ‡ elasticidade e retrabilidade dos tecidos cut‚neos.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ - TrajetÛria:  retilÌnea

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

- TrajetÛria:

retilÌnea

predomina a profundidade (comprimento) sobre o di‚metro (claro,

nÈ? O instrumento È de pequeno di‚metro e tem comprimento muito maior

que o di‚metro. Ent„o, ter· maior profundidade).

termina em fundo cego (fundo de saco les„o penetrante

pode ser transfixante com orifÌcio de saÌda semelhante ao de entrada

Vamos conferir?

orifÌcio de saÌda semelhante ao de entrada Vamos conferir? Observem na foto ‡ direita a criatividade
orifÌcio de saÌda semelhante ao de entrada Vamos conferir? Observem na foto ‡ direita a criatividade
orifÌcio de saÌda semelhante ao de entrada Vamos conferir? Observem na foto ‡ direita a criatividade
orifÌcio de saÌda semelhante ao de entrada Vamos conferir? Observem na foto ‡ direita a criatividade

Observem na foto ‡ direita a criatividade de presidi·rios em produzirem

instrumentos perfurantes.

Temos uma situaÁ„o que as bancas adoram: os agentes perfurantes de

mÈdio calibre. Mas, vamos estud·-los apÛs os instrumentos cortantes. O

motivo disto È compararmos as feridas depois que estudarmos estes dois

tipos.

Outro aspecto importante È que um instrumento perfurante pode, inclusive,

atingir uma profundidade maior do que o seu prÛprio comprimento.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Como isso pode acontecer

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Como isso pode acontecer professor?

Isso pode ocorrer quando se introduz um instrumento perfurante com certa

press„o e ele atinge uma regi„o de tecidos moles. Nestes tecidos a press„o

pode fazer com que atinja uma parte mais profunda do que o prÛprio

comprimento do instrumento. Essa les„o È denominada de les„o em

acordeon ou de sanfona de Lacassagne. Isto È causado com arma

pequena, mas com o trajeto longo, produzido devido ‡ violÍncia

empregada.

o trajeto longo, produzido devido ‡ violÍncia empregada. Se o instrumento encontrar um tecido mais duro,

Se o instrumento encontrar um tecido mais duro, como o tecido Ûsseo, ele

n„o ter· tanta facilidade de se aprofundar no corpo.

b) Instrumentos cortantes e les„o incisa

Atuam por

linear ou oblíqua, sobre a pele ou tecido dos órgãos, com “gume afiado”,

ou

ferimentos incisos.

Exemplos: navalha, gilete, cutelo, bisturi, l‚minas met·licas

atingindo a superfÌcie em ‚ngulos variados, produzindo feridas

(press„o e deslocamento), de forma

press„o e deslizamento

incisas
incisas

afiladas, papel, estilhaÁos de vidros, capim-navalha e outros.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ O instrumento precisa ter

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

O instrumento precisa ter gume afiado ou algo semelhante que facilite

cortar as fibras.

Um estilhaÁo de vidro, um caco de cer‚mica quebrada seriam outros

exemplos.

A linha de soltar pipas quando se adiciona o cerol (cacos de vidro moÌdos e

cola) È um grande perigo.

Na minha cidade, e eu acho que n„o deve ser sÛ na minha cidade, a

molecada (e tem marmanjo, tambÈm) tem o h·bito de usar este material

na linha para cortar linha de outras pipas. Acontece que eles soltam pipa

em qualquer lugar, sem preocupaÁ„o com acidentes. Ocorre que

motoqueiro quando passa e desliza em seu pescoÁo aquela linha com caco

de vidro acaba por sofrer profundos cortes. Inclusive pode decepar o

pescoÁo da criatura.

Cortes profundos no pescoÁo podem fazer com que o camarada morra. Para

evitar isso (les„o do motoqueiro) tem motoqueiro que coloca uma antena

de r·dio ou um arame com um material afiado na extremidade que servir·

para cortar a linha com ou sem cerol.

Quais as caracterÌsticas de les„o provocada por agente cortante?

1. Regularidade e nitidez de suas margens e bordas

2. Hemorragia quase sempre abundante

3. PredomÌnio do comprimento sobre a profundidade (

4. Afastamento das bordas da ferida (mais acentuada nas lesıes post-

mortem) devido ‡ elasticidade e tonicidade dos tecidos (neste caso, h· a

coaptaÁ„o perfeita, ou seja, quando aproximamos as bordas elas se fecham

perfeitamente).

5. Predomin‚ncia do cumprimento sobre a profundidade

6. Nitidez na lisura das bordas, sem irregularidades nem sinais de

contus„o;

7. Presença de “cauda” de escoriaÁ„o (final do corte, È a parte menos

profunda).

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 0

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

0

Um aspecto muito importante È avaliar a les„o, pois, o aspecto desta

permite ter ideia de como ela se deu.

Quando se faz um deslizamento com a faca nÛs temos um ponto de entrada

e tambÈm teremos um ponto de saÌda, ou seja, vocÍ desliza de um lado

para o outro e a caracterÌstica da les„o È bem interessante. Normalmente

nÛs temos como caracterÌsticas na regi„o de entrada, devido ‡ maior

press„o empregada quando vocÍ comeÁa a deslizar a faca. Nesta ·rea que

comeÁa a les„o a teremos um corte com a maior profundidade. Temos a

maior profundidade porque a press„o È maior.

Quando vocÍ vai terminar a incis„o, ou seja, o deslizamento,

automaticamente acabamos retirando parte da press„o e isso faz com que

a les„o fique menos profunda chegando ‡ regi„o da epiderme, causando

uma escoriaÁ„o que È chamada de cauda de rato. Isso È muito importante

porque permite identificar de onde para onde È que foi feita a les„o.

Vejamos abaixo o que foi mencionado aqui.

Ponto de saÌda de ferida incisa È superficial chamada cauda de saÌda, cauda

de escoriaÁ„o ou cauda de rato.

cauda de saÌda, cauda de escoriaÁ„o ou cauda de rato. Observe que o instrumento cortante n„o

Observe que o instrumento cortante n„o penetra por igual em toda a

extens„o da ferida. Nas extremidades a profundidade È menor quando

comparada com o centro. Ou seja: menos profunda quanto mais prÛxima

de seu inÌcio ou tÈrmino.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Percebam nas imagens abaixo

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Percebam nas imagens abaixo onde se inicia o deslizamento e onde termina

o deslizamento. Busque, sempre, localizar a cauda de escoriaÁ„o:

Busque, sempre, localizar a cauda de escoriaÁ„o: Analise e faÁa suas marcaÁıes nas lesıes, buscando

Analise e faÁa suas marcaÁıes nas lesıes, buscando encontrar inÌcio e final

da les„o.

Verifique se vocÍ chegou a estas direÁıes:

da les„o. Verifique se vocÍ chegou a estas direÁıes: Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br P·gina
PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Voltando a analisar mais

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Voltando a analisar mais caracterÌsticas importantes,

Voltando a analisar mais caracterÌsticas importantes, podemos encontrar o

nome de Ferida arco de violino, devido ‡ semelhanÁa com este

instrumento musical quando o mÈdico faz o reparo da les„o dando os

famosos “pontos” (suturas).

o reparo da les„o dando os famosos “pontos” (suturas). AGENTES CORTANTES: FERIDAS ESPECIAIS Existem algumas lesıes

AGENTES CORTANTES: FERIDAS ESPECIAIS

Existem algumas lesıes que s„o feitas na regi„o do pescoÁo empregando-

se um instrumento cortante. Essas lesıes s„o muito pedidas em provas de

concursos. Portanto, È de alta relev‚ncia que vocÍ saiba quais s„o os nomes

dessas lesıes e quais s„o as caracterÌsticas dessas lesıes, no que se refere

‡ localizaÁ„o na regi„o do pescoÁo. As bancas buscam derrubar muitos

candidatos quando usam estas denominaÁıes. S„o lesıes muito conhecidas

e vocÍ n„o pode errar um tipo de quest„o dessa.

Quais s„o os nomes? Onde se localizam?

1. Na parte anterior do pescoÁo: esgorjamento.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 2. Na parte posterior

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

2. Na parte posterior do pescoÁo: secÁ„o quase total do pescoÁo

denomina-se: degolamento

3. Quando h· a separaÁ„o total da cabeÁa do restante do corpo

denomina-se: decapitaÁ„o

4. Esquartejamento: separar em quatro pedaÁos

5. EvisceraÁ„o (haraquiri)

6. Lesıes de defesa

7. CastraÁ„o

Vamos estudar os trÍs casos mais frequentes em concursos:

esgorjamento, degola e decapitaÁ„o.

S„o lesıes de natureza, geralmente incisas, localizadas no pescoÁo (Delton

Croce).

O esgorjamento È a les„o localizada na regi„o anterior (ou lateral)

do pescoÁo.

A degola na regi„o posterior.

A decapitaÁ„o È a separaÁ„o da cabeÁa do corpo.

Vamos a um bizuzinho?

A gola da camisa fica na parte de tr·s do pescoÁo. Logo, gola deve se

associar a degola.

Capita quer dizer cabeÁa. Decapitar significa separar totalmente a cabeÁa.

Abaixo imagens destas lesıes:

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Esgorjamento. No esgorjamento a

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Esgorjamento. No esgorjamento a morte pode se
MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Esgorjamento. No esgorjamento a morte pode se

Esgorjamento.

No esgorjamento a morte pode se dar por trÍs principais motivos:

- hemorragia (anemia aguda), devido grande perda de sangue

- asfixia (entrada de sangue na ·rvore respiratÛria)

- embolia (entrada de sangue nas veias)

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Pode ser de car·ter

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Pode ser de car·ter suicida, homicida ou

Pode ser de car·ter suicida, homicida ou acidental.

Avaliar o ‚ngulo da les„o ajuda a pensar como foi feita a ferida. Se caom

m„o esquerda ou direita, etc.

Imagens de degola

Se caom m„o esquerda ou direita, etc. Imagens de degola As consequÍncias jurÌdicas mais importantes s„o
Se caom m„o esquerda ou direita, etc. Imagens de degola As consequÍncias jurÌdicas mais importantes s„o

As consequÍncias jurÌdicas mais importantes s„o o homicÌdio e suicÌdio.

Agora teremos imagens da DECAPITA« O

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ConsequÍncia jurÌdica: o homicÌdio.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ConsequÍncia jurÌdica: o homicÌdio. Ent„o, fique
MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ConsequÍncia jurÌdica: o homicÌdio. Ent„o, fique
MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ConsequÍncia jurÌdica: o homicÌdio. Ent„o, fique
MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ConsequÍncia jurÌdica: o homicÌdio. Ent„o, fique

ConsequÍncia jurÌdica: o homicÌdio.

Ent„o, fique ligado nas consequÍncias jurÌdicas. As bancas adoram

explorar estas possibilidades.

ESVISCERA« O

adoram explorar estas possibilidades. ESVISCERA« O ES QUARTE JAMENTO Divis„o do corpo em quatro partes: -
adoram explorar estas possibilidades. ESVISCERA« O ES QUARTE JAMENTO Divis„o do corpo em quatro partes: -
adoram explorar estas possibilidades. ESVISCERA« O ES QUARTE JAMENTO Divis„o do corpo em quatro partes: -

ESQUARTEJAMENTO

Divis„o do corpo em quatro partes:

- membros superiores

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ -membro inferiores - cabeÁa

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

-membro inferiores

- cabeÁa

- tronco

… muito incomum de ocorrer.

Lesıes de defesa

S„o muito importantes para uma cena de crime. Demonstra que a vÌtima

buscou se defender das agressıes. Geralmente localizadas na regi„o ulnar

(antebraÁo), nas palmas das m„os, nos dedos e, acreditem, j· encontrei

estas lesıes no pÈ de uma vÌtima (acho que chutou a faca).

lesıes no pÈ de uma vÌtima (acho que chutou a faca). C) AGENTES CONTUNDENTES Os agentes

C) AGENTES CONTUNDENTES

Os agentes contundentes s„o todos aqueles que agem pela aÁ„o em uma

superfÌcie.

Podem ser sÛlidos, lÌquidos ou gasosos desde que atuem por press„o,

explos„o, torÁ„o, distens„o, descompress„o, arrastamento ou outro meio,

como por exemplo: as m„os, tijolo, automÛvel, jato de ar, etc.

Os instrumentos contundentes produzem lesões contusas, geralmente

encontradas nos acidentes de automóvel, nos desabamentos, lutas

corporais e outros.

Algumas Lesões contusas

Lesões por martelo.

Encravamento.

Empalamento

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Lesões por achatamento. Lesões

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Lesões por achatamento.

Lesões por arrancamento

Lesões por cinto de segurança

Lesões por explosão de air bags

Lesões por atropelamentos terrestres.

Lesões por atropelamentos ferroviários

Lesões por acidentes aéreos.

Lesões por precipitação.

São várias as possibilidades de contusão. Vamos começar a ver algumas

delas:

- Escoriação: quando o atrito do deslizamento lesa a superfície da pele

- Equimose: quando há rompimento de vasos e derrame sanguíneo

infiltrando os tecidos

- Bossas e hematomas: quando o derrame sanguíneo não encontra

condições de se difundir e forma coleções localizadas

- Rubefação: bofetada

Quais as características destas?

RUBEFAÇÃO

É a mais leve desta série. É exclusivamente vital e é um fenômeno

vasomotor.

Exemplo: bofetada na face ou nádegas.

fenômeno vasomotor. Exemplo: bofetada na face ou nádegas. Tendência é desaparecer em poucos minutos. Não há

Tendência é desaparecer em poucos minutos. Não há lesão à integridade

da pele.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ESCORIAÇÃO O atrito (deslizamento)

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

ESCORIAÇÃO

O

atrito (deslizamento) provoca o arrancamento total e parcial da epiderme

e

desnudamento da derme.

e parcial da epiderme e desnudamento da derme. É comum nas quedas, a popular “ralada” (lesões
e parcial da epiderme e desnudamento da derme. É comum nas quedas, a popular “ralada” (lesões

É comum nas quedas, a popular “ralada” (lesões nos joelhos, cotovelos,

etc).

Ocorre formação de crosta que pode ser serosa (predomínio de linfa) ou

( )

curto.

Ocorre a formaÁ„o de crostas geralmente branco-amareladas ou cor de

hemática (predomínio sanguíneo). A recuperação se dá em prazo

tijolo se for mais profunda. N„o deixam cicatrizes e as crostas comeÁam a

cair entre o 4 e 10 dia, estando a pele regenerada atÈ o 15 dia

(importante para avaliar “versões” de depoentes, etc ou mesmo estimar

data da les„o.

Interesse Jurídico: arrastamento, atropelamento, lesões de defesa

(unhadas) etc.

Muitas vezes presentes em casos de esganadura (que veremos no assunto

asfixiologia).

Tempo de regeneração- 20 a 30 dias (importante para o enquadramento

da lesão corporal, quando for decorrente de uma infração penal)

Valor médico-legal: forma, localização e evolução.

A presença de infecção dificulta o trabalho pericial

EQUIMOSES

Equimoses são lesões contusas cuja intensidade depende do instrumento e

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ do grau de violência

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

do grau de violência com que foi aplicado.

Contusão mais frequente e mais importante na prática pericial.

O tecido externo apresenta-se íntegro.

São as comumente chamadas manchas roxas, e aparecem em razão do

rompimento de vasos sanguíneos superficiais ou profundos.

rompimento de vasos sanguíneos superficiais ou profundos. O material extravasado vai ser reabsorvido e isto
rompimento de vasos sanguíneos superficiais ou profundos. O material extravasado vai ser reabsorvido e isto

O material extravasado vai ser reabsorvido e isto provoca uma variação

cromática que vai do início ao pleno reparo da lesão. E isto é muito

importante, pois, a mudança de coloração leva a um termo denominado de

espectro equimótico de Legrand du Salle que serve para:

- avaliar a data da lesão ou

- se ocorreram várias lesões em dias diferentes.

Espectro equimótico de Legrand du Saulle

dias diferentes. Espectro equimótico de Legrand du Saulle As diferentes tonalidades ocorrem em função da

As diferentes tonalidades ocorrem em função da decomposição da

oxihemoglobina.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Na equimose h· o

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Na equimose h· o rompimento de vasos. O sangue que sai do vaso vai

infiltrar nos tecidos. Tal fato È denominado de infiltraÁ„o hemorr·gica.

Quando a equimose est·com a coloraÁ„o arroxeada ela pode ser confundida

com os livores cadavÈricos, que tambÈm podem apresentar esta coloraÁ„o.

Livor: quando uma pessoa morre a circulaÁ„o para. Automaticamente o

sangue vai para a regi„o de menor gravidade. Ent„o ele desce, vai para

regiıes mais baixas e ali vai se acumulando, dando aquela cor avermelhada

arroxeada em dados locais do corpo.

Como s„o duas coisas distintas, temos aqui mais uma chance dabanca

buscar ferrar o candidato. De que forma? Citando caracterÌsticas verificadas

ou questionando uma possÌvel diferenciaÁ„o.

Como se diferencia a equimose dos livores?

Existe uma tÈcnica chamada de TÈcnica de Bonnett. Como funciona?

uma tÈcnica chamada de TÈcnica de Bonnett. Como funciona? O teste consiste em fazer uma pequena

O teste consiste em fazer uma pequena incis„o e passar um jato de ·gua.

Se for equimose, que È um processo vital, teremos o sangue infiltrado nos

tecidos e isto confere uma maior “aderência’ do sangue aos tecidos.

Se for livor, como este È apenas uma deposiÁ„o de elementos figurados do

sangue, que est„o ali localizados devido ‡ gravidade, ‡ ·rea de declive, n„o

h· esta aderÍncia. Portanto, o sangue da equimose n„o ser· removido. J·

o sangue do livor ser·. E se for livor, podemos ainda, depois de alguns

minutos, perceber novas gotÌculas de sangue surgindo.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Equimose feita no vivo

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Equimose feita no vivo ou no morto?

Esta mesma tÈcnica pode ser empregada para determinar se uma equimose

foi feita em vida ou apÛs a morte. Se em vida, ocorrer· aformaÁ„o da

infiltraÁ„o hemorr·gica, pois, esta È uma reaÁ„o vital. Se foi feita post

morten, n„o teremos esta infiltraÁ„o. Algo parecido com a situaÁ„o do teste

acima. Com a diferenÁa que equimose È diferente de livor, mesmo sendo

feita post morten.

Resumindo:

ApÛs o jato de ·gua:

- se limpar o sangue: feita no morto (nome tÈcnico: embebido por sangue)

- se N O limpar: foi feita no vivo (nome tÈcnico: infiltraÁ„o hemorr·gica)

(reaÁ„o de fibrinogÍnio.

-No morto n„o tem reaÁ„o e o sangue se espalha).

Algumas bancas adoram ser mais chatinhas e pedem nomes de algumas

contusões típicas, mas que raramente ocorrem ou podem ocorrer:

-Quando se apresentam na forma de pequenos grãos são chamadas de

SUGILAÇÕES.

- Quando se apresentam na forma de estrias, recebem o nome de VÍBICES.

Quando vocÍ recebe uma pancada de um instrumento que È arredondado,

por exemplo, um cacetete na hora que bate cacetete no tecido o sangue se

esparrama para a lateral do instrumento, daÌ ficam duas linhas quase que

paralelas isso s„o as vÌbices. Tem pessoa que nunca ouviu falar disso aÌ.

Bancas mais detalhistas derrubam candidatos com estas particularidades.

Existe uma situaÁ„o em que o agente contundente deixa seu formato. Estas

lesıes s„o chamadas lesıes por assinatura. Isto porque ele deixa muito

nÌtido seu aspecto fÌsico.

Abaixo temos vÌbice, provocada por instrumento circular; marcas de

ranhuras de pneus de veÌculo e marcas dos dedos e da palma da m„o do

agressor. Veja que perfeiÁ„o. D· atÈ para distinguir as divisıes dos dedos.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Se bobear d· atÈ

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Se bobear d· atÈ para avaliar das digitais, eheheh.

LUIZ Se bobear d· atÈ para avaliar das digitais, eheheh. Lesıes por assinatura BOSSAS As bossas
LUIZ Se bobear d· atÈ para avaliar das digitais, eheheh. Lesıes por assinatura BOSSAS As bossas

Lesıes por assinatura

para avaliar das digitais, eheheh. Lesıes por assinatura BOSSAS As bossas podem ser sanguíneas quando o
para avaliar das digitais, eheheh. Lesıes por assinatura BOSSAS As bossas podem ser sanguíneas quando o

BOSSAS

As bossas podem ser sanguíneas quando o líquido, não podendo se

espalhar, forma uma coleção (especialmente sob o couro cabeludo, que

popularmente chamamos de “galo”) ou linfática, quando seu conteúdo for

linfa.

O instrumento contundente age sobre a superfície corporal em que há

tecido ósseo abaixo e com musculatura muito tênue. Rompendo-se o vaso,

forma-se a bossa sanguínea.

BOSSA SANGUÍNEA (com elevação da área)

bossa sanguínea. BOSSA SANGUÍNEA (com elevação da área) Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br P·gina
PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Acima temos a bossa

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Acima temos a bossa (em branco, o galo na testa da criança).O sangue

“derramado” não tem para onde escoar e fica acumulado, “estufando” o

local.

Perceba que se tivermos um material abaixo da superfície que tenha certa

resistência pode ocorrer o rompimento do tegumento. Isso se observa no

olho esquerdo, na imagem acima. Então, você não pode achar que esta

lesão foi feita com agente cortante. O osso, no caso, tem resistência e

formato que levam à esta ferida.

HEMATOMA

Muita gente chama equimose de hematoma ou vice-versa. Mas, apesar de

serem relativamente semelhantes apresentam diferenças.

O hematoma é semelhante à equimose, porém, trata-se de um rompimento

de um vaso de maior calibre. Portanto, o sangramento é mais intenso,

mais violento, a ponto de descolar a pele, formando uma verdadeira bolsa

de sangue. Ocorre em locais de tecido frouxo, mole.

Com o passar do tempo o organismo reabsorve o sangue, havendo ali, as

mesmas variações de cores da equimose, só que processo será mais

demorado (claro, foi uma contusão mais grave).

HEMATOMA DE PÁLPEBRAS (sem elevação da área)

Este tipo de hematoma é vulgarmente chamado de Sinal de Guaxinim.

de hematoma é vulgarmente chamado de Sinal de Guaxinim. Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br P·gina
de hematoma é vulgarmente chamado de Sinal de Guaxinim. Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br P·gina
de hematoma é vulgarmente chamado de Sinal de Guaxinim. Prof. Wagner Luiz www.estrategiaconcursos.com.br P·gina
PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Petéquas e sufusões Petéqueas

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Petéquas e sufusões

Petéqueas e sufusões são formas de equimoses.

As petéqueas são mais ou menos isoladas, com tamanho de cabeça de

alfinete. As sufusões são equimoses extensas.

Vamos ver algumas imagens de lesões contusas:

extensas. Vamos ver algumas imagens de lesões contusas: Acima, um caso de suicídio por precipitação(se jogou
extensas. Vamos ver algumas imagens de lesões contusas: Acima, um caso de suicídio por precipitação(se jogou
extensas. Vamos ver algumas imagens de lesões contusas: Acima, um caso de suicídio por precipitação(se jogou
extensas. Vamos ver algumas imagens de lesões contusas: Acima, um caso de suicídio por precipitação(se jogou

Acima, um caso de suicídio por precipitação(se jogou de um prédio).

de suicídio por precipitação(se jogou de um prédio). Acima, dois casos de atropelamentos. Prof. Wagner Luiz

Acima, dois casos de atropelamentos.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ LESÕES CONTUSAS ESPECIAIS Da

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

LESÕES CONTUSAS ESPECIAIS

Da mesma forma que as lesões incisas na região do pescoço apresentavam

nomes especiais aqui teremos contusões especiais.

Guardem estes nomes. Não que eles sejam relevantes no cotidiano da

perícia. Mas, são fontes de questões maldosas das bancas.

Encravamento: penetração de objeto afiado e consistente em qualquer

parte do corpo.

Pode se dar por ação direta ou indireta. Intencional ou acidental.

Requer agente comprido, perfurocontundente alongado (haste, barra

metálica, lança).

alongado (haste, barra metálica, lança). Com entrada no empalamento. corpo. Se for pelos órgãos
alongado (haste, barra metálica, lança). Com entrada no empalamento. corpo. Se for pelos órgãos
alongado (haste, barra metálica, lança). Com entrada no empalamento. corpo. Se for pelos órgãos

Com entrada no

empalamento.

corpo. Se

for pelos órgãos sexuais ou próxima:

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Escalpelamento Escalpe: remoção (avulsão)

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Escalpelamento Escalpe: remoção (avulsão) do couro
MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Escalpelamento Escalpe: remoção (avulsão) do couro

Escalpelamento

Escalpe: remoção (avulsão) do couro cabeludo.

Índios retiravam o ESCALPO.

(avulsão) do couro cabeludo. Índios retiravam o ESCALPO. Rotura de vísceras internas. São lesões em órgãos

Rotura de vísceras internas.

São lesões em órgãos internos.

de vísceras internas. São lesões em órgãos internos. Lesões produzidas por artefatos explosivos. Prof. Wagner
de vísceras internas. São lesões em órgãos internos. Lesões produzidas por artefatos explosivos. Prof. Wagner

Lesões produzidas por artefatos explosivos.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Lesões por Martelo. Especialmente

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Lesões por Martelo. Especialmente quando ocorre na
MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Lesões por Martelo. Especialmente quando ocorre na

Lesões por Martelo.

Especialmente quando ocorre na caixa craniana deixa aspecto

característico.

ocorre na caixa craniana deixa aspecto característico. OUTRAS LESÕES CONTUSAS CUIDADO: MUITO COMUM ERROS DESTAS

OUTRAS LESÕES CONTUSAS

CUIDADO: MUITO COMUM ERROS DESTAS DEFINIÇÕES

Aqui é uma outra situação em que a banca pode tentar te ferrar. E ela

certamente busca isso.

São contusões localizadas em articulações ou ossos do corpo. Também

receberão nomes especiais. Se tem nomes especiais, tem banca querendo

saber se o candidato conhece estas diferenças.

Se a lesão ocorre na ARTICULAÇÃO, a lesão pode ser chamada de ENTORSE

ou LUXAÇÃO (são dois diferentes tipos de lesões articulares).

Se a lesão ocorre em qualquer osso do corpo ela é chamada de FRATURA.

Nas articulações temos a presença dos LIGAMENTOS. Estes podem esticar

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ ou romper (parcial ou

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

ou romper (parcial ou total). A esta lesão damos o nome de estiramento

ou entorse (ligamento esticou ou rompeu). Só no ligamento.

Se o

sair da articulação parcialmente chamamos de subluxação (sub

osso
osso

= parcial). Se o osso desarticula totalmente:

luxação

.

Pode haver entorse sem luxação (só afetou o ligamento e o osso não saiu

da articulação).

Mas se tem luxação há o entorse. Não pode ter luxação SEM entorse (pois,

para o osso sair da articulação tem que romper o ligamento).

Na coluna cervical podem ser luxações graves. Por isso, sempre há a

preocupação de proteger a cervical em casos de acidentes ou lesões.

Fraturas

As fraturas podem se dar por diferentes maneiras. E adivinhem? As bancas

gostam de, ao menos, mencionar estas possibilidades.

Quais são elas?

- Compressão

- Tração

- Cisalhamento

- Torção

- Flexão

Um caso famoso foi o que ocorreu com o Anderson Silva em uma luta do

UFC.

foi o que ocorreu com o Anderson Silva em uma luta do UFC. Prof. Wagner Luiz
PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ Acredito que até aqui

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

Acredito que até aqui esgotamos o que de mais relevante temos para os

agentes de ação simples.

Em resumo do que vimos até o momento, podemos fazer um quadro acerca

das lesões e dos agentes.

podemos fazer um quadro acerca das lesões e dos agentes. Creio que a partir destas informações

Creio que a partir destas informações as coisas ficarão mais fáceis para

vocês quando estudarmos os agentes com ação composta.

Basta recordar destes agentes até agora estudados e pensar nas

“combinações” possíveis.

Daí você conseguirá, inclusive, pensar nas lesões prevendo algumas

características delas.

5. QUEST’ES

J£ SELECIONEI CENTENAS DE QEST’ES DA BANCA CESPE PARAODS

DIVERSOS

T”PICOS.

ESTAS

SER O

DISPONIBILIZADAS

NAS

PR”XIMAS AULAS, SOMENTE AOS ALUNOSQUE ADQUIRIREM O

CURSO. ENQUANTO ISSO, PODEM RESOLVER AS QUEST’ES A

SEGUIR.

01. (2015 FUNIVERSA - SPTC-GO - MÈdico Legista de 3 Classe).

A traumatologia forense È a parte da Medicina Legal que se ocupa com

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ as implicaÁıes jurÌdicas dos

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

as implicaÁıes jurÌdicas dos traumatismos. Acerca desse assunto,

assinale a alternativa correta.

a) Les„o È a atuaÁ„o de uma energia externa sobre o indivÌduo, de modo

suficientemente intenso para provocar desvio da normalidade, com ou sem

traduÁ„o morfolÛgica.

b) Agentes lesivos s„o os agentes causadores das lesıes, ou seja, os

indivÌduos que, pela classificaÁ„o de Borri, se utilizam de energias fÌsicas

ou quÌmicas para ocasionar traumatismos.

c) Os instrumentos contundentes s„o as formas de energia que mais

frequentemente causam lesıes corporais. Agem, exclusivamente, por

press„o, deslizamento e percuss„o.

d) Instrumentos cortantes agem por deslizamento, sob a aÁ„o de uma forÁa

que incide obliquamente; os contundentes agem por press„o

perpendicularmente sobre uma superfÌcie corporal, esmagando os tecidos;

e os perfurantes, dessa mesma forma, mas abrindo passagem entre os

tecidos

e) Trauma corresponde a uma alteraÁ„o estrutural proveniente de uma

agress„o ao organismo.

02. (2015 FUNIVERSA - SPTC-GO - MÈdico Legista de 3 Classe).

Assinale a alternativa que apresenta a ferida profunda localizada nas

pela aÁ„o de um

instrumento cortante.

a) degola

b) decaptaÁ„o

c) ferida corto-contusa

d) esgorjamento

e) les„o de defesa

faces

lateral

e

anterior

do

pescoÁo,

causada

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 03. (2015 – FUNIVERSA

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

03. (2015 FUNIVERSA - SPTC-GO Perito Criminal). Quanto ‡s

lesıes provocadas pela aÁ„o de instrumentos contundentes, assinale a

alternativa correta.

a) O edema traum·tico corresponde a uma coleÁ„o sanguÌnea ou serosa

sobre um plano Ûsseo superficial.

b) A bossa linf·tica È constituÌda de hiperemia produzida por congest„o

vascular (dilataÁ„o de capilares e vÍnulas) de uma regi„o do corpo, È fugaz

e, portanto, exige urgÍncia na realizaÁ„o da perÌcia, sob pena de

desaparecer.

c) O conceito de tripla reaÁ„o de Lewis est· diretamente relacionado com

a ocorrÍncia de uma les„o contusa, em especial a bossa linf·tica.

d) A escoriaÁ„o n„o deixa marcas definitivas na grande maioria dos casos.

e) A cauda de escoriaÁ„o È uma caracterÌstica importante das feridas

contusas.

04. (2014 ACAFE - PC-SC - Delegado de PolÌcia). O deslocamento de

dois ossos, cuja superfÌcie de articulaÁ„o deixa de manter sua relaÁ„o de

contato, È denominado:

a) escoriaÁ„o.

b) entorse.

c) luxaÁ„o.

d) rubefaÁ„o.

e) fratura.

05. (2015 FUNIVERSA - SPTC-GO Perito Criminal). Nas perÌcias

envolvendo o uso de armas brancas, os sinais concretos da ocorrÍncia de

um esgorjamento encontram-se no(a)

a) regi„o frontal.

b) face anterior do tÛrax.

c) face lateral ou anterior da regi„o cervical.

d) perÌneo.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ e) couro cabeludo. 06.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

e) couro cabeludo.

06. (2008 - CEFET-BA - PC-BA - Delegado de PolÌcia). Nas feridas

cortantes ou incisas, geralmente se encontra a presenÁa de

a) extens„o maior que profundidade.

b) pouco sangramento e bordas irregulares.

c) predomÌnio da profundidade em relaÁ„o ‡ extens„o.

d) bordas evertidas e com grande profundidade.

e) lesıes cujo instrumento transfere a energia por press„o.

07. (2014 VUNESP - PC-SP - MÈdico Legista). A figura a seguir

refere-se ‡ les„o produzida no pescoÁo da vÌtima por um estilete.

les„o produzida no pescoÁo da vÌtima por um estilete. … respectivamente, de: a) perfurante e perfurante.

respectivamente, de:

a) perfurante e perfurante.

b) pontual e perfurante.

c) perfurante e punctÛria.

d) punctÛrio e pontual.

e) pontual e punctÛria.

correto

afirmar

que

tal

agente

e

les„o

s„o

denominados,

08. (2008 - PC-MG - PC-MG - Delegado de PolÌcia). Uma les„o

caracterizada por infiltraÁ„o hemorr·gica nas tramas dos tecidos È

denominada

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ a) entorse. b) equimose.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

a) entorse.

b) equimose.

c) escoriaÁ„o.

d) rubefaÁ„o.

09. (2014 VUNESP - PC-SP - MÈdico Legista). IndivÌduo andando de

moto sem capacete sofreu acidente de tr‚nsito, foi arremessado em via

p˙blica, com afundamento do cr‚nio e Ûbito por trauma cranioencef·lico.

A figura mostra cortes do encÈfalo durante a necropsia.

A figura mostra cortes do encÈfalo durante a necropsia. … correto afirmar que a) o agente

… correto afirmar que

a) o agente È contundente, e a les„o È contusa.

b) o agente È contuso, e a les„o È contundente.

c) tanto o agente como a les„o s„o contundentes.

d) tanto o agente como a les„o s„o contusos.

e) n„o h· elementos suficientes para caracterizar tal agente e les„o.

uma

caracterÌstica da morfologia de uma ferida por aÁ„o cortante, em relaÁ„o

10. (2014

VUNESP -

PC-SP

Delegado de PolÌcia).

‡ ferida contusa, a presenÁa de

a) fundo irregular.

b) hemorragia abundante.

c) retraÁ„o das bordas da ferida.

d) vertentes irregulares.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ e) integridade de vasos,

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

e) integridade de vasos, nervos e tendıes no fundo da les„o.

11. (2013 - COPS-UEL - PC-PR - Delegado de PolÌcia). Notamos:

1. Ferimento perfuroinciso, de 4,0 cm de extens„o, de bordas nÌtidas,

penetrante na cavidade tor·cica esquerda, localizado na face dorsal do

hemitÛrax esquerdo, no nÌvel do 6 espaÁo intercostal esquerdo e a

aproximadamente 5,0 cm ‡ esquerda da linha mediana.

2. Ferimento perfuroinciso, de bordas nÌtidas, de 3,0 cm de extens„o,

penetrante na cavidade tor·cica direita, localizado na face dorsal do

hemitÛrax direito, no nÌvel do 7 espaÁo intercostal direito e a

aproximadamente 4,0 cm ‡ direita da linha mediana.

3. Ferimento inciso superficial, transversal ao eixo do membro, de 4,0

cm de extens„o, de bordas nÌtidas, localizado na face dorsal do punho

direito, com caracterÌsticas de les„o de defesa.

4. Ferimento inciso, n„o penetrante, oblÌquo da esquerda para a direita,

de 6,0 cm de extens„o, de bordas nÌtidas, localizado na face anterior do

abdome superior, na regi„o epig·strica, a 1,0 cm ‡ direita da linha

mediana, precedido por uma escoriaÁ„o linear de 17,0 cm de extens„o,

que tem a sua mesma direÁ„o e que se localiza na face anterior no

hemitÛrax esquerdo.

Sobre a interpretaÁ„o do excerto do laudo necroscÛpico, considere as

afirmativas a seguir.

I. A faca de cozinha (arma branca), como objeto suspeito de ter sido

utilizada como a arma do crime, n„o È compatÌvel com todas as lesıes

descritas.

II. A presenÁa de escoriaÁıes lineares precedendo ou sucedendo as

feridas incisas d„o uma ideia da direÁ„o e do mecanismo din‚mico da

aÁ„o pela qual a arma È utilizada.

III. A nitidez das bordas de feridas incisas est· diretamente relacionada

ao fio ou gume daquele instrumento.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ IV. Margens nÌtidas e

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

IV. Margens nÌtidas e regulares, ausÍncia de secÁ„o de tecidos no fundo

largura e a profundidade s„o

caracterÌsticas de instrumentos que se associam a caudas de escoriaÁ„o.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente as afirmativas I e II s„o corretas.

b) Somente as afirmativas I e IV s„o corretas.

da

les„o

e

predomÌnio

sobre

a

c) Somente as afirmativas III e IV s„o corretas.

d) Somente as afirmativas I, II e III s„o corretas.

e) Somente as afirmativas II, III e IV s„o corretas.

12. (2013 UEG - PC-GO - Delegado de PolÌcia). Os agentes

mec‚nicos s„o respons·veis pela maioria das lesıes provocadas no

corpo humano. S„o exemplos de lesıes contusas:

a) bossa, empalamento

b) equimose, esgorjamento

c) esquartejamento, entorse

d) luxaÁ„o, degolamento

13. (2013 UEG - PC-GO - Delegado de PolÌcia). Verificando o local

de encontro de cad·ver, o delegado anota as lesıes presentes no corpo

descritas pelo perito como “lesão cortante na região anterior do pescoço,

retilínea, profundidade uniforme atingindo até a coluna vertebral”. Com

estas observaÁıes, o delegado infere o nome da les„o e sua natureza

jurÌdica como

a) degolamento homicÌdio

b) degolamento suicÌdio

c) esgorjamento suicÌdio

d) esgorjamento homicÌdio

14. (2012 CESPE - PC-AL Agente de PolÌcia). Em relaÁ„o ‡

perÌcia mÈdico-legal, julgue os itens seguintes.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ A traumatologia forense estuda

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

A traumatologia forense estuda o aspecto psicolÛgico mÈdico-legal,

tanto da vÌtima como do autor.

Certo ( ) Errado ( )

15. (2012 CESPE - PC-AL - Escriv„o de PolÌcia). Julgue os itens a

seguir, relacionados a perÌcias e a laudos mÈdico-legais.

Os instrumentos contundentes podem provocar lesıes em ·reas do

corpo mais ou menos distantes da regi„o atingida pelo impacto. As aÁıes

desses instrumentos, nesses casos, s„o denominadas indiretas. Alguns

tipos de traumatismo craniano, nos quais se observa lesıes por

contragolpe no encÈfalo, exemplificam essa situaÁ„o.

Certo ( ) Errado ( )

16. (2012 FUNCAB - PC-RO - MÈdico Legista). Quais as

caracterÌsticas encontradas em feridas provocadas por aÁ„o cortante que

ajudam a diferenci·-las daquelas provocadas por aÁ„o contundente?

a) Irregularidade das bordas, fundo de les„o irregular e sujo,

afastamento das bordas das feridas.

b) Regularidade das bordas, fundo regular, formato linear, presenÁa de

cauda de escoriaÁ„o.

c) PredomÌnio da profundidade sobre o comprimento, aproximaÁ„o das

bordas das feridas, paredes da ferida irregulares e rugosas.

d) Centro da ferida sujo, pouco hemorr·gico, bordas irregulares,

ausÍncia de cauda de escoriaÁ„o.

e) Perfil de corte irregular, vertentes cortadas de formato an·rquico,

fundo sujo, bordas regulares.

17. (2012 FUNCAB - PC-RO - MÈdico Legista). Uma paciente relata

ter sofrido agress„o com socos no rosto h· cerca de oito dias. Com base

no “espectro equimótico de Legrand du Saulle”, qual a tonalidade da

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ equimose que o perito

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

equimose que o perito ir· encontrar ao exame, que confirmar· o nexo

temporal da les„o?

a) Esverdeada.

b) Avermelhada.

c) AusÍncia de les„o.

d) Amarelada.

e) Azulada.

18. (2011 - PC-MG - PC-MG - Delegado de PolÌcia). Uma luxaÁ„o do

ombro, caracteriza a aÁ„o de um instrumento

a) cortante.

b) perfurante.

c) contundente.

d) cortocontundente.

19. (2011 CESPE - PC-ES - MÈdico Legista). Acerca da lesonologia

mÈdico-legal, julgue os itens a seguir.

Os meios mec‚nicos perfurantes produzem feridas puntiformes e, os

contusos, feridas contundentes.

Certo ( ) Errado ( )

20. (2012 UEG - PC-GO - Delegado de PolÌcia). S„o sinais

macroscÛpicos observados em um cad·ver sugestivos de que as lesıes

foram produzidas depois da morte:

a) ausÍncia de infiltraÁıes hemorr·gicas nos tecidos moles.

b) escoriaÁıes com desnudamento de derme e formaÁ„o de crosta.

c) ferimentos com bordas afastadas.

d) presenÁa de tonalidades das equimoses.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 21. (2012 – UEG

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

21. (2012 UEG - PC-GO - Delegado de PolÌcia). A les„o conhecida

como mordedura ou dentada produzida pela arcada dental humana, em

raz„o de suas caracterÌsticas, classifica-se como

a) cortocontudente.

b) contundente.

c) perfurante.

d) perfurocontundente.

RESOLU«’ES e COMENT£RIOS

01. (2015 FUNIVERSA - SPTC-GO - MÈdico Legista de 3 Classe).

A traumatologia forense È a parte da Medicina Legal que se ocupa com

as implicaÁıes jurÌdicas dos traumatismos. Acerca desse assunto,

assinale a alternativa correta.

a) Les„o È a atuaÁ„o de uma energia externa sobre o indivÌduo, de modo

suficientemente intenso para provocar desvio da normalidade, com ou sem

traduÁ„o morfolÛgica.

b) Agentes lesivos s„o os agentes causadores das lesıes, ou seja, os

indivÌduos que, pela classificaÁ„o de Borri, se utilizam de energias fÌsicas

ou quÌmicas para ocasionar traumatismos.

c) Os instrumentos contundentes s„o as formas de energia que mais

frequentemente causam lesıes corporais. Agem, exclusivamente, por

press„o, deslizamento e percuss„o.

d) Instrumentos cortantes agem por deslizamento, sob a aÁ„o de uma forÁa

que incide obliquamente; os contundentes agem por press„o

perpendicularmente sobre uma superfÌcie corporal, esmagando os tecidos;

e os perfurantes, dessa mesma forma, mas abrindo passagem entre os

tecidos

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ e) Trauma corresponde a

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ

e) Trauma corresponde a uma alteraÁ„o estrutural proveniente de uma

agress„o ao organismo.

RESPOSTA: D.

COMENT£RIOS

Os fatores biolÛgicos como bactÈrias e fungos podem causar lesıes

(candidÌase, por explo). existem doenÁas autoimunes que o fazem (afta,

por exemplo). A les„o traum·tica (de ordem fÌsica) È mais um tipo de les„o.

Assim, a A e B s„o excluÌdas.

Os conceitos das alternativas A e E est„o invertidos:

Trauma: atuaÁ„o de energia externa sobre o corpo da pessoa, com

intensidade capaz de provocar desvio da normalidade.

Les„o: alteraÁ„o estrutural proveniente de uma agress„o ao organismo.

02. (2015 FUNIVERSA - SPTC-GO - MÈdico Legista de 3 Classe).

Assinale a alternativa que apresenta a ferida profunda localizada nas

faces lateral e anterior do pescoÁo, causada pela aÁ„o de um

instrumento cortante.

a) degola

b) decaptaÁ„o

c) ferida corto-contusa

d) esgorjamento

e) les„o de defesa

RESPOSTA: D.

COMENT£RIOS

Basta saber que este tipo de les„o, localizada na parte anterior ou

lateralizado se denomina esgorja ou esgorjamento. Na parte posterior do

pescoÁo È deGOLA e removendo, separando cabeÁa do corpo È

deCAPTAÁ„o.

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ 03. (2015 – FUNIVERSA

PERITO CRIMINAL MEDICINA LEGAL 0 Teoria e exercícios Prof. WAGNER LUIZ