Você está na página 1de 1

MEMORIAL DOS POVOS INDIGENAS

Texto 1

Olá pessoal, bom dia!

Continuando nossa andança por Brasília, hoje vamos visitar mais um grande museu da nossa
capital, o Memorial dos Povos Indígenas @mpidf. Idealizado pelo antropólogo Darcy Ribeiro
(1922 – 1997), a instituição foi criada para valorizar, preservar e divulgar a cultura dos povos
indígenas brasileiros. Construído em 1987, com financiamento da Fundação Banco do Brasil, o
edifício do Memorial foi projetado por Oscar Niemeyer em formato espiral, como referência às
ocas construídas pelos Yanomamis. Pela sua localização e importância arquitetônica, antes de
abrir como Memorial dos Povos Indígenas, o edifício foi inaugurado como museu de arte
moderna, fugindo a sua destinação inicial. Após ampla mobilização por parte de líderes
indígenas, intelectuais, artistas e outros simpatizantes da causa, em 1995, o espaço retornou à
administração do Distrito Federal e iniciaram-se as obras de recuperação. Em 19 de abril
daquele ano, o “Dia do Índio”, representantes das tribos Karajá, Kuikuro, Terena e Xavante
realizaram cerimônia especial para comemorar o restabelecimento do espaço. Mas só em
1999, o Memorial dos Povos Indígenas começou a funcionar de forma definitiva, funcionando
até hoje. Que história, hein? No próximo post tem mais aqui no @quantosmuseus!

Até loguinho!

Texto 2

Localizado na Praça do Buriti, em frente ao Memorial JK @memorialjk, o Memorial ao longo da


sua história vem promovendo atividades no sentido de preservar a cultura indígena do país. O
intercâmbio cultural com povos indígenas é uma das marcas do Memorial, que promove
eventos com a presença de representantes indígenas de diferentes regiões do país e de outros
países como representantes da Assembleia das Primeiras Nações do Canadá e dos Maoris da
Nova Zelândia.

Fazem parte da exposição do Memorial objetos de várias tribos diferentes, incluindo máscaras
e instrumentos musicais do Alto Xingu, bancos feitos de madeira pelos Yawalapiti e Kuikuro e
muitos outros utensílios usados nas atividades do dia a dia indígena. Um dos destaques do
acervo é uma coleção de peças indígenas que pertencia a Darcy Ribeiro, antropólogo e ex-
senador brasileiro, que as recolheu quando esteve na Amazônia.

Mesmo sendo os povos originários do país, os índios ainda têm poucos espaços museológicos
integralmente dedicados à sua memória no Brasil como Museu do Índio no Rio de Janeiro e o
Museu de Arte Indígena no Paraná. O @quantosmuseus apoia essa causa �

Até loguinho, pessoal!

Interesses relacionados