Você está na página 1de 6

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CONTINUADA – CESEC BETIM

APOSTILA DE LINGUA PORTUGUESA

MÓDULO 1 - ENSINO MÉDIO

PROFESSORES: (JANETE E THIAGO)

ATENÇAO:

• Leia os conteúdos dessa apostila com atenção e resolva os exercícios em


folha de caderno ou A4. É necessário copiar a pergunta e resposta;
• O trabalho deverá ser manuscrito (a mão), usando a caneta preta ou azul;
• Faça uma capa na frente e verso do trabalho, a capa da frente deverá conter:
nome da escola, nome e sobrenome do aluno, ensino, módulo e turno;
• Qualquer dúvida na resolução dos exercícios procure informações nos livros
didáticos, gramática, internet, e também podendo procurar o (a) professor (a)
sempre que precisar.

A HISTÓRIA DA NOSSA LÍNGUA PORTUGUESA.

A história da língua portuguesa tem sua origem no latim que, por sua vez, é uma língua original
da antiga região do Lácio, onde hoje é a cidade de Roma. Um dos principais motivos para que o
latim se desenvolvesse e tomasse grandes proporções, foi o poder romano da época, ou seja, na
medida em que os povos eram conquistados por Roma, eles eram obrigados a ter o latim como
idioma oficial.

Naquela época, existiam duas espécies de latim: o latim clássico, que era falado e escrito
exclusivamente pelas pessoas cultas e nobres; e o latim vulgar, que era falado pelo restante do
povo, pois esses não tinham escolha. Como os povos “conquistados” por Roma eram de regiões
diversas e falavam línguas diferentes, o latim sofreu modificações. Essas modificações resultaram
no surgimento das línguas neolatinas.

Com as modificações do latim, diversas outras línguas e dialetos foram surgindo, como o catalão,
o castelhano e o galego-português. O galego-português era um idioma falado no ocidente da
Península Ibérica, mas conforme suas fronteiras iam tomando conta também da região sul, o
idioma foi se modificando e predominando em toda a região. Com isso, o galego desenvolveu-se
como uma variação do espanhol, e o português tornou-se a língua de uma nova nação.

A língua portuguesa chegou ao Brasil com a colonização e o tupi, junto ao português, e eram
tidos como línguas gerais da época. Os jesuítas foram os responsáveis por difundir a língua
portuguesa no Brasil, mas em 1759 eles foram expulsos e o português se tornou a língua oficial
do Brasil.

Em nosso vocabulário possui várias palavras que foram herdadas de outras línguas, como a
indígena e a africana, apresentaremos aqui alguma delas:

1
africana

• Acarajé • Búzio Candomblé


• Angu • Cachaça • Canjica
• Batuque • Cachimbo • Carimbo
• Banguela • Cafuné • Caxumba
• Berimbau
Origem indígena • Gambá • Mandioca
• Abacaxi • Jaburu • Maracujá
• Araponga • Jabuti • Marajó
• Arara • Jabuticaba • Maranhão
• Bauru • Jacaré • Morumbi
• Buriti • Jararaca • Paraíba
• Butantã • Jiboia • Paraná
• Caboclo • Jundiaí • Parati
• Caju • Macapá • Perereca
• Curitiba • Maceió

A história da nossa língua é muito antiga e vem de longe. A base primordial de sua formação é o
latim. Esse latim foi se modificando e deu origem a várias outras línguas além da nossa: o
italiano, o espanhol, o francês, o catalão, entre outras.

Além do Brasil, há mais oito países cuja língua oficial é o português: Portugal, Cabo Verde,
Guiné-Bissau, Moçambique, Angola, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e Guiné Equatorial. Em
Macau na China, o português é também uma das línguas oficiais.

Diz-se que uma língua “é morta” quando já não é falada por mais nenhum povo. O latim, por
exemplo, do qual se originou a língua portuguesa e outras tantas, atualmente é uma língua morta,
embora ainda seja estudada. O problema que envolve a morte de uma língua é que muitos
conhecimentos e uma cultura inteira ficam também ameaçados de extinção.

KURY, Adriano da Gama. Para falar e escrever melhor o português. Rio de Janeiro: Lexikon,
1989.p.226-227. Adaptado.

EXPRESSÃO LITERÁRIA E PRESERVAÇÃO LINGUÍSTICA- CULTURAL

Os indicativos de que uma língua se mantém viva, atuante, são, pois, as manifestações de sua
criatividade, espontaneidade, natureza mais leve e solta, tanto em suas práticas orais
(preservadas na poesia das canções, e em outras expressões populares) como também de seu
patrimônio, sua herança escrita.

Costuma-se dizer que a língua empregada de modo artístico produz literatura. Dizendo de outro
modo, literatura é “a arte da palavra”. A literatura tem sido ao longo da história, uma das formas
mais importantes de que dispõe o homem não só para o conhecimento do mundo, mas também
para a expressão, criação e recriação desse conhecimento. Lidando com o imaginário e com as
emoções a literatura satisfaz a necessidade que o homem tem pela ficção e busca do prazer.

VIEIRA, Alice. O prazer do texto: perspectivas para o ensino de literatura. São Paulo:
EPU, 1978.p.XI
2
ASPECTOS DA LINGUAGEM:

NORMA PADRÃO:

Variante geralmente exigida na escrita e mesmo na fala em situações de comunicação mais


formais. É frequentemente usada pelas pessoas com maior grau de escolarização. É a variante
mais valorizada e associada ao poder. Saber usar a norma padrão é um dos objetivos do ensino
formal. Ao mesmo tempo, estudar e entender a variação linguística é muito importante para
perceber que não há um modo único de falar. O que existem são diferentes situações de
comunicação que exigem ou permitem formas diversas de falar e de escrever. Dentro das normas
de escrita temos a:

VARIAÇÃO SITUACIONAL:

É uma linguagem que permite e mesmo prevê um modo de dizer mais coloquial, mais informal,
muito próximo ao utilizado nas conversas cotidianas.

VARIAÇÃO REGIONAL:

Caracteriza-se pelo registro da linguagem tal como ela se realiza na fala de pessoas de
determinada região.

É um modo de dizer típico de um grupo social.

Essas diferentes formas de usar a língua fazem parte de um mesmo fenômeno: a variação
linguística. Embora todos nós falemos o português, cada um pode usar e usa a língua de formas
diferentes. Essa variação pode revelar a época em que se escreve ou fala, a situação de
comunicação, os diferentes grupos sociais a que se pertence e o jeito típico que as pessoas de
diferentes regiões têm de se expressar.

RAMOS, Graciliano. Cartas. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, 1992.p. 124.

O QUE É DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO NA LINGUAGEM:

DENOTAÇÃO: A linguagem denotativa é basicamente informativa, ou seja, não produz emoção


ao leitor. ... É a forma de linguagem que lemos em jornais, bulas de remédios, em um manual de
instruções, etc. O seu oposto é a conotação (sentido figurado).

CONOTAÇÃO: Uma palavra é usada no sentido conotativo (figurado) quando apresenta


diferentes significados, sujeitos a diferentes interpretações, dependendo do contexto frásico em
que aparece. Quando se refere a sentidos, associações e ideias que vão além do sentido original
da palavra, ampliando sua significação mediante a circunstância em que a mesma é utilizada,
assumindo um sentido figurado e simbólico.

Exemplos:

• Os domadores conseguiram enjaular a fera. (sentido denotativo)


• Ele ficou uma fera quando soube da notícia. (sentido conotativo)
• Aquela aluna é fera na matemática. (sentido conotativo)

3
TEXTO LITERÁRIO E TEXTO NÃO LITERÁRIO:

O texto não literário emprega predominantemente o sentido denotativo (ou a denotação, literal) no
qual as palavras ou expressões são tomadas em seu significado básico, aquele com que
aparecem no dicionário. O texto que apresenta linguagem literária remete a uma visão subjetiva
do mundo, emprega o sentido conotativo ( ou a conotação ), embora também trate dos problemas
que os seres humanos têm de enfrentar. É importante que o leitor tenha conhecimento desses
vários tipos de textos, literários e não literários, pois apresentam visões diferentes sobre a
realidade, que possibilitam a compreensão dos outros e de si mesmo.

ALGUMAS CLASSES DE PALAVRAS:

PREPOSICÃO: são palavras que ligam termos dependentes a termos principais da oração.
Definindo uma relação de causa, fim, posse, modo, etc.

As preposições se subdividem em:

A) Essenciais: são as que sempre foram preposições.

(a – ante- após- até- com- contra- de- desde- em- entre- para- per- perante- por- sem- sob-

sobre – trás).

Exemplo: saímos após o jantar.

B) Acidentais: são as que pertencem a outras classes gramaticais, mas que podem funcionar
como preposições.

(afora- consoante- segundo- como- mediante- salvo).

Exemplo: O diretor agiu segundo o combinado.

ARTIGO: são palavras antepostas ao substantivo e que lhe definem o gênero (feminino ou
masculino) e o número (plural ou singular).

*Os artigos podem ser:

Definidos: o, a, os, as. Indicam um ser (substantivo) definido, preciso.

Exemplo: comprei o livro de pintura que você me recomendou. (trata-se de um livro determinado,
conhecido, referido).

Indefinidos: um, uma, uns, umas. Indicam um ser desconhecido, indeterminado, geral.

Exemplo: comprei um livro de pintura (trata-se de um livro não referido, desconhecido,


indeterminado, geral).

CONJUNÇÃO: São palavras ou locuções que ligam dois termos ou duas orações.

Exemplos:

a) Amor e paz são fundamentais

b) fiz a lição, apesar de não entender a matéria muito bem.

4
A palavra “e” está ligando termos da oração a que pertence. Do mesmo modo, expressões
“apesar de” e “visto que” estão ligando as orações da frase onde estão inseridas. Portanto são
conjunções.

Verbo: é a palavra que, por si só, indica um fato (em geral, ação, estado ou fenômeno da
natureza).

Exemplos: dançar, pular, correr, sorrir, cair, está, parecer, permanecer, chover, ventar, trovejar,
etc.

a) O deputado criticou duramente o governo. (Verbo criticou indica ação).

b) O povo está insatisfeito com os governantes. (verbo está indica estado em que o povo se
encontra)

c) chove muito todos os dias. (verbo chove indica fenômeno da natureza)

Modo verbal: os modos verbais expressam a atitude de certeza, dúvida e ordem. Existem três
modos verbais:

Indicativo: expressa atitudes de certeza.

Subjuntivo: expressa atitudes de dúvida, hipótese.

Imperativo: expressa atitudes de ordem, convite, ameaça, pedido etc.

Pronome: é a palavra que serve para substituir um substantivo nome ou acompanhar o


substantivo.

Exemplos de alguns pronomes:

Pessoais- (eu, tu, ele, nó, vós, eles)

Possessivos- (meu, minha, (s)- teu, tua (s) - seu sua(s)- nosso, nossa, vosso, vossa, (s)

Demonstrativos- (este, esta, (s) esse, essa, (s) aquele, aquela, (s)

• Figuras de linguagem: são recursos para expressar mais intensidade, força ou beleza, e
que podem ser utilizados na fala ou na escrita.

Comparação: quando, tendo-se dois termos, atribui-se a um as características do outro. Vem


sempre acompanhada por palavras comparativas: como, tal, qual etc.

Exemplo: “minha alma é como um pastor: conhece o vento e o sol.” (Fernando Pessoa).

Metáfora: consiste no emprego de uma palavra com significado diferente do habitual, com base
em uma comparação mental ou características comuns entre duas situações ou seres.

Exemplo: A) O rosto é o espelho da alma.

B) Toda profissão tem seus espinhos.


5
RESOLVA OS EXERCÍCIOS A SEGUIR:

1) Marque as frases a seguir utilizando o código (D) para denotação e (C) para conotação.

( ) os pássaros possuem asas. ( ) ela tem cabeça de vento.

( ) minha dor de cabeça está piorando. ( ) tenho mãos de fada.

( ) meu dinheiro criou asas. ( ) o amigo matou saudade.

2) Classifique os artigos sublinhados nas frases em definidos ou indefinidos.

a) chamem o médico d) vimos quando uma atriz chegou ao


estúdio.
b) uns meninos não foram à festa.

c) os meninos da classe não estão satisfeitos


com as notas.
3) Classifique as frases abaixo em denotativas ou conotativas analisando o sentido que as
palavras grifadas dão ao contexto.

a) Meu corpo está todo quebrado hoje. d) Meu dinheiro criou asas.

b) Quebrei um copo hoje. e) Os pássaros possuem asas.

c) Tenho mãos bem cuidadas. f) Minha mãe tem mãos de fadas.

4) Classifique as preposições destacadas nas frases em essenciais e acidentais.

a) Saímos após o jantar. d) O livro está sobre a mesa

b) Vou com você. e) Moro aqui desde março.

c) Está sob meus cuidados. f) Estava sem documentos.

5) Responda as questões abaixo referente a formação da língua portuguesa.

a) Segundo o texto, qual o problema que envolve a morte de uma língua?

b) De qual língua originou o português?

c) Quais são os indicativos de que uma língua se mantém viva e atuante?

d) De qual forma o homem busca o conhecimento e sua expressividade?

6) Pesquise sobre acentuação gráfica: o que são palavras oxítonas, paroxítonas e


proparoxítonas. Dê o conceito de cada uma delas e cite exemplos.

7) Escreva um bilhete para alguém da sua casa. Escreva no bilhete o motivo da sua saída
repentina, para onde vai e a que horas volta. Atenção ao cabeçalho, vocabulário e estrutura
do bilhete.