Você está na página 1de 4

Interdisciplinaridade

Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, interdisciplinaridade diz de algo


“que estabelece relações entre duas ou mais disciplinas ou ramos de conhecimento” ou
“que é comum a duas ou mais disciplinas”.

Ou seja, o conceito diz da integração entre duas ou mais disciplinas ou áreas do


conhecimento para um fim comum. É uma abordagem metodológica que integra conceitos,
teorias e fórmulas na tentativa de compreender o objeto de estudo como um fenômeno
sistêmico.

Segundo o site Conceito.de, o termo foi empreendido pela primeira vez em 1937 pelo
sociólogo alemão Louis Wirth, que respondia à ideia de que disciplinas podem estar
interligadas a partir de relações previamente definidas em um processo dinâmico para
solucionar ou responder uma questão ou investigação.

No Brasil, o conceito passou a fazer parte do cenário educacional do país, a partir da Lei de
Diretrizes e Bases (LDB) Nº 5.692/71 e mais fortemente com a nova LDB Nº 9.394/96 e a
partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais, influenciando o trabalho das escolas e dos
professores para compreender o processo de ensino e aprendizagem como sistêmico e não
como uma abordagem ou leitura estanque de conceitos e teorias.

SITE:

Psicologia Escolar/Educacional
https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/psicologia-escolar-educacional

O que faz um psicólogo na escola?


http://www.psicologiaexplica.com.br/o-que-faz-um-psicologo-na-escola/

Psicologia Escolar e Educacional: história, compromissos e perspectiva


http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572008000200020
PROJETO INTEGRADOR
Tema: Psicologia

Subtema: Psicologia Escolar e Educacional

Título da pesquisa: Importância do Psicologia Escolar e Educacional

Introdução:
Estudar as reais atribuições do psicólogo escolar e educacional dentro das instituições, suas
funções e dificuldades enfrentadas, o que diz a LDB sobre isso, e o que realmente acontece
nas nossas escolas.

Metodologia:
Uma pesquisa bibliográfica de punho interdisciplinar, com o objetivo de entender como é e
como deve ser a prática do psicólogo escolar e educacional, bem como identificar as
possibilidades e suas dificuldades encontradas por esses profissionais para o exercício de
suas atividades.

Fundamentação Teórica:

[...] é urgente que a Psicologia Escolar transforme cada vez mais o foco de interesse
individualista e limitado das dificuldades de aprendizagem para uma proposta de trabalho
coletivo, com orientação realmente preventiva para superar a grande ameaça do risco
social a que todos os países estão submetidos; pobres, ricos, desenvolvidos e
subdesenvolvidos (TETTERS, 1990 apud GUZZO (org.), 2002, p.50.

A psicologia escolar passa a olhar o desenvolvimento psicossocial da criança “[...] sem


rótulos ou medições da inteligência dos alunos, mas um desenvolvimento voltado para a
integração destes, em uma sociedade que evolui constantemente.” (MINGHETTI;
KANAN, 2010, p. 432).
Para Andaló (1984), o psicólogo escolar deve ser um agente de mudanças dentro da
instituição-escola, “[...] agindo como catalisador de reflexões, um conscientizador dos
papéis representados pelos vários grupos que compõem a instituição,” considerando o
indivíduo e sua inserção no contexto escolar, “[...] tentando desmistificar a visão de aluno--
problema, centrando sua atuação na visão geral da instituição.”

Novaes (1986) considera que as delimitações das funções do psicólogo escolar dependerão
das características da população escolar, da qualificação profissional dos técnicos de
serviços de psicologia e orientação. Ao mesmo tempo, deverão ser utilizados os métodos e
as técnicas da psicologia.

O psicólogo escolar utiliza seus conhecimentos teóricos e práticos nas escolas, buscando a
promoção de cidadania, diminuindo o distanciamento entre a família, a escola e a
sociedade. Assim, reforça estratégias para que haja a participação dos pais, juntamente com
a instituição (MINGHETTI; KANAN, 2010).

Referências:
ANDALÓ, C. S. de A. O papel do psicólogo escolar. Psicologia, ciência e profissão, v. 4, .
1, 1984.
GUZZO, R. S. L. (org.); TORESAN, A M. E cols. Psicologia Escolar: LDB e Educação
Hoje. 2ª ed. Campinas, SP: Alínea, 2002.

MINGHETTI, L. R.; KANAN, L. A. Atuação do psicólogo no contexto escolar. Visão


geral, Joaçaba, v. 13, n. 2, p. 419-440, jul./dez. 2010.

NOVAES, M. H. Psicologia escolar. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

Você também pode gostar