Você está na página 1de 28

,

I

5

RECÔNDITOS DO MUNDO FEMININO!

Marina Maluf e

Maria Lúcia Mott

Sozinha pela rua, com as mãos na direção de seu auto; sozi- nha no passeio e no dancing da moda. É a moça de hoje que já não precisa da mamãe vigilante, nem a senhora de compa- nhia [ ] Como os cabelos, como os vestidos, como o rosto, a

moça de hoje já fixou o espírito, fê-lo mais livre [ ] fê-lo apto e forte [ ] Nas repartições públicas, no balcão, na fábrica ou

nas grandes casas, ela sabe estar sozinha pela vida [

) Sozi-

nha: para as mãos, já não faz falta o embrulhinho cúmplice e dissimulador. Já sabe o que fazer com as mãos, que são igual- mente adestradas para empunhar a direção de um auto ou para mover-se sobre o teclado de uma máquina de escrever?

A s mudanças no comportamento feminino ocorridas ao longo das três primeiras décadas deste século inco-

modaram conservadores, deixaram perplexos os de- savisados, estimularam debates entre os mais progressistas. Afinal, era muito recente a presença das moças das camadas médias e altas, as chamadas "de boa família",que se aventura- vam sozinhas pelas ruas da cidade para abastecer a casa ou para tudo o que se fizessenecessário. Dada a ênfase com que os contemporâneos interpretaram tais mudanças, parecia ter soado um alarme.

se tornado

corriqueiras em menos de duas décadas, a ousadia, no entan- to, cobrava seu preço: que a senhora soubesse conservar um

"ar modesto e uma atitude séria, que a todos imponha o devido respeito': E mais: que a mulher sensata, principal-

Se as novas maneiras de se comportar tinham

/. Como foi educada a mãe - Como é educada a filha. ( /921)

mente se fosse casada, evitasse "sair à rua com um homem que não seja o seu pai, o seu irmão ou o seu marido". Caso contrário, iria expor-se à maledicência, comprometendo não só a sua honra como a do marido, conforme se lia na Revista Feminina, importante publicação do período.' O ritmo das mudanças ocorridas, considerado por mui- tos como alarmante, veio acompanhado de certa ansiedade por parte dos segmentos mais conservadores da sociedade,já tomados pela vertigem das grandes transformações que o país vinha vivendo, sobretudo a partir do último quartel do século XIX.4 Não faltaram vozes nesse começo de século para entoar publicamente um brado feminino de inconformismo, tocado pela imagem depreciativa com que as mulheres eram vistas e se viam e, sobretudo, angustiado com a representação social que lhes restringia tanto as atividades econômicas

370 • :1I',T,'f:li>

DA VIDA PRIVADA NO BRP,,11 ";

2. Na virada do século a moda eram os rebuscados "penteados ornamentais" COIll as otldas

conseguidas artiiicialmente com um

ferro de frisar. Duas décadas depois, 05 cortes indicavam que as mulheres

não mais se contentavam com

a amiga imagem de "frequentadoras

do teatro e dos jantares" Estavam

esculpindo uma silhueta de mulher moderna. Em dezembro de 1924

a Revista Feminina indagava se o cabelo curto não seria "um

sintoma da emancipação do belo sexo': Devia ser, que a própria revista identijicava, pelo corte dos cabelos, a escultora, a literata,

a estudante, a datilografa,

a sportswoman. (Cabcllos curtos,

1924)

I\EYIST~\FE\II.\iI:(:\

r fJ ""?;.~""i ~

.\ f.~I:(!I.I'TIHU_~

::':é~~

~ ,~

" J

"!.d,,

".J.• ;,,,,. r:';,:~~~,~:::::,~:"~<>" """,•

,.

-,,.

"

11.,

i. '"'' "r,,,

'h ,,1><1)<., !",.

"., """, ,

;;'~,,~~'~~;~;:";:::.\. ~

~.

,." .f '~-,

,. "

"'o'm,

«

_ ,,,'

", .• "

.,

~

-;

::::::::;--:,:,:":.::~;:~/:'~"~i'\:::::;::':::~,~;~:l::::':;~.~

o

·rA~II"O·

I'.i • P,-:.,.ino• '<>fI'. 0'

I

1

,.,t><.lIo,. ""

",

,.",;

""",ru'hl.

«';"""""""

quanto as políticas. "Entre nós",escreveu em 1921a articulis- ta Iracema, "a mulher só exerce sobre o homem o prestígio do seu sexo. Quando o homem não está mais sob o sortilégio exercido pelos encantos da mulher, esta deixa de ocupar-lhe o espírito, de interessá-lo." E quais seriam nesses tempos os sinceros desejos da mulher?, indagava a escritora Chrysantheme (pseudônimo de Cecília Bandeira de Melo Rebelo de Vasconcelos) à sua personagem, que lhe respondia, aborrecida com o tom prote- tor e de disfarçado desdém dos homens superiores: "Nós

ou pelo menos a sua igualdade

queremos a liberdade [

]

com o homem, o nosso déspota, o nosso tirano'." "Sejamos mulheres",proclamava de Minas Gerais uma colaboradora da Revista Feminina, em 1920.Reivindicando igualdade de for- mação para ambos os sexos,chamava a atenção das leitoras para as mulheres "vítimas do preconceito",que viviam fecha- das no lar, arrastando "uma existência monótona, insípida, despida de ideais",monetariamente algemadas aos maridos. Era nas cidades, as quais trocavam sua aparência paro- quial por uma atmosfera cosmopolita e metropolitana, que se desenrolavam as mudanças mais visíveis.Através de um processo diagnosticado por vários críticos temerosos como imperfeito e desorganizado,a nova paisagem urbana, embora ainda guardasse muito da tradição, era povoada por uma população nova e heterogênea, composta de imigrantes, de egressos da escravidão e de representantes das elites que se mudavam do campo para as cidades. Diante da variedade de questionamentos, experiências e linguagens tão novas que as cidades passaram a sintetizar, intelectuais de ambos os sexos elegeram como os legítimos responsáveis pela suposta corrosão da ordem social a quebra de costumes, as inovações nas rotinas das mulheres e, princi- palmente, as modificações nas relações entre homens e mu- lheres.' Conjugaram-se esforços para disciplinar toda e qual- quer iniciativa que pudesseser incerpretada como ameaçadora

3, 4, 5. 6. Em 1918, homells

e mulheres viveriam uma revolllção nos costumes:a ginástica. Luis Edmu'ldo Costa lembra que os brasileirosque viram 'tascer

a

de fracos e enfezados. de lâ'lgllidos

e raquíticos,sempre enrolada

em grossoscache-nez de lã.

a galocha no pé. um !(uarda-cltllva

de cabo de volta debaixo do braço

República eram" uma geração

I

J

Condenava-se sumariamente

a

ginástica. Considerava-se perigoso

o sport, por mais brando que fosse". Foram necessáriasmenos de três décadaspara que a Revista Feminina alardeasse as mudanças:

"Nossofim é a beleza. E a beleza

só pode coexistir com a saúde, com

a robustez e com a força". (A Belleza

Feminina e a Cultura Phvsica, 1918)

372 • HI\TC':IA

DA VIDA PRIVAOA NO BRASil J

7. Para ver modestos centimetros do pé de uma dama, os homens se obrigavam a ginásticas que

os deixavam com "dores de espinha':

Os dias de chuva produziam visões mais sensuais: para não molhar

a barra do vestido, as mulheres

arrebanhavam as saias, exibindo alguns centímetros a mais. O preço da indiscrição costumava ser alto:

valia a pena tomar chuva e pegar "doença do peito" para ver um único pé. Mas isso tudo era coisa

de antigamente, Em 1917 a imprensa

já denunciava que as mulheres estavam determinadas a "gastar menos seda": primeiro foram os decotes que abaixaram. Depois foi a vez de as saias subirem. (Foz, Sempre a poderosa Light! Os maiores estribos dos bondes, 1912)

à ordem familiar, tida como o mais importante "suporte do Estado" e única instituição social capaz de represar as intimi_ dadoras vagas da "modernidade':

"Hoje em dia, preocupada com mil frivolidades munda_ nas, passeios, chás, tangos e visitas, a mulher deserta do lar. É como se a um templo se evadisse um ídolo. É como se a Um frasco se evolasse um perfume. A vida exterior, desperdiçada

em banalidades, é um criminoso esbanjamento

de energia. A

família se dissolve e perde a urdidura firme e ancestral dos seus liames. 'Rumo à cozinha'! eis o lema do momento", conclamava a Revista Feminina em agosto de 1920,

Homens e mulheres se acusavam reciprocamente como os principais causadores de uma intolerável corrosão dos costumes, Em 1916,a colaboradora Bebé de Mendonça Lima

declarava o homem culpado pela ruína da felicidade conju- gal: sempre com o vinco "cavado entre os supercílios', dei- xa rastros de mau humor pela casa, embaraça os criados e amedronta as crianças, Ofendido e ligeiro, o escritor René Thiollier contra-atacou no número seguinte, Afinal, argu-

mentava, ele também fazia parte "dessa cãfila doce-amarga, tão detestada e, ao mesmo tempo, tão querida, que se chama os maridos'" Em outubro do mesmo ano, a romancista Júlia Lopes de Almeida escreveria, tornando ainda mais público um descontentamento tanto tempo represado: "Se não fosse

a prudência das mulheres o casamento seria uma fonte

abundantíssima de escândalos': pois fosse o amor uma ques- tão de natureza, "não sei o que seria dessa história de fideli- dade conjugal'."

Se as reclamações das mulheres estavam pontuadas de

mágoa e revolta, as dos homens pareciam revelar desconfian-

ça

para com a "nova mulher". "Caso ou não caso?",indagava

o

conservador poeta modernista Menotti dei Picchia, em

1920, "Eis o dilema que arrepia a espinha do celibatário," E

] Será

justo que um moço trabalhador e honrado entregue seu nome nas mãos de uma cabecinha fútil e doidivanas ( ]?".

Antigamente as mulheres "não serelepeavam nos asfaltos, ir-

requietas e sirigaitas; não saíam sozinhas [

culavam nos regamboleios do tango e do maxixe".10 A respos- ta não tardaria, Sob o pseudônimo de Rosa Bárbara, uma intelectual de Minas Gerais publica na edição de junho da revista aquilo que ela denomina de a "outra face da medalha".

arrematava: "Os moços, com razão, andam ariscos [

] nem se desarti-

RtC()HUl1ü~

DO MLJNl)O ffMIt -,mp)

373

8. De um lado ti revolução dos costumes subia ti barra . da saia. Do outro, ti moral ngorosa inventava a moda que iria cobrir com botinhas de cano alto o pedaço de canela Quanto mais curtas as saras:.maIs longas as "pelicanas botl~as . a que se referia Barros Ferreira. (O calçado feminino, 1921)

s senhoresMenotti del Picchia s chamados "filhos-fá-

e seus co egas

mílias",escreveu a artlC~is a,

tom passar suas noites nas cadsas spírito aviltando a alma

de divertimentos livres, ao

"

Os "rapazeshonestos ,a quem ~

I

de crítica se relerem, o

.

r t

b

tomam por elegante e de om-

brutecen o o e

jogo ou nos ca es, em I b bidas cocaína , morfina ou car-

, ouco ~ducados que as

" E a esses omens t a finaliza' p ainda teremos o

e

arruinando o c~rpo pe ashe)

tas de poquer ,

esposas se entregam, E a au or

.

[1 ' q'uedar-se indecisa,

"prazer de OUVlfe e I'" do pretendente, interrogar-

mirando e remirando a e egan~ta ?" II

se com pru dê encia .

caso, asileiras ' nas três primeiras ,

O dever ser das.mu ,eres rado or um preciso e vigo-

d ver uma moça

,

Caso ou nao

b

lh

décadas do século fOl,assim, traç,

di

,

"

~nservadores e diferen- bou por desumamza- , as

,

I

id ológico que reuma c

"

h' te 'cOS ao mesmo

t

""A

- es do comportamen

".

roso iscurso i e

tes matizes de reformistas e que aca tempo que cristalizava

como sujeitos ,iSoncos,

determinados tipos de comPlhoar

rígidos papeis sO~iaiS, dã mu er sintetizou que , o pensamento , de do homem'," foi o bor ao ~ue , 'I na construção e difusão

uma época intranqüila e por iSSOagi to feminino ideal, que

t mento convertendo-os em

é em tudo o contrário

das represen aço

limitaram seu horizonte ao r~con_ até encaixá-la no papel

máximo suas atividades e adsPlfaío~s~é mãe-esposa-dona de de "rainha do lar",sustenta a pe o np

casa,

dito do lar" e reduziram ao

HISTORlClZANDO O RECONDITO

d atureza feminina, que dota-

Baseado na crença e uma n d empenhar as funções da ria a mulher biologicamente para es

(rIM) 'OIPDJnS mo 'so[Jv:; '/ '6

JJljj11lU~ J opueui oa opU!nqple 'um epeo Jp SJQ:'JUT1Jse eA _IlU!W!lJS!P"opelS3 ouonbsd, op esoruourreq ogJ!lJSJp V

tl'lO!lJlUI op soq913JU so 'eJ!lHod eised e IIp!Aens Jp el -lJljuedlUOJ ~ opuJqeJ '!ed o ? epune:! ep OllS!U!Wo(m '~plllS3 ouanbod ou Ill!JJlJd JpepP!IJ] Il 'SJQJelOJ Sop og!un e ? 'SOpOlered opnes e ? oglUJ OSS!'WJplO ~ roure UlOJ J epeJ!pJp lJltInw 'lJljlnw eum 10pellS!U!Wpe .rod uroi leIo JS seJA['lU!ple( o lllA!l[m Jp no oiuaumr -oljIJlU lUn13[1l!Tel!ZnpOllU! Jp lUy e 'llseJ ared lelloA :1l!?P!num urai os 'e!p epeJ Jp oqreqen o leX!Jp oa '!ed

o !s!ep!pn(Jld no sosotpuodstp SOlUJlU!llJA!P elO] lel

-noord !eA lU?n13U!U'eseJ WJ ogJUJle Il cpuard anb o yl.{

opulln{) [

so OlUOJ lU!SSe'O!P?l o edtssrp anb zn[ Jp O!el o eseJ ared lel{U!lUeJUJ J1JdUlOJ roqpuu ~ !Jpep!J!Pd e Jnl -[m JS Jnb lUJ o[dlUJl lUn - Jp Il(JSJnb OlU!SSnSJpOlU

- le[ op lJZe] JldlUJS JqlUnJU! lJ4[nlU ~ OlUelJllU3'

'013!P9:) o lUOJ epu~uosuOJ lUJ 'O!PU~dlUOJo elUlye ~pplpop ogssyOld ep JpuJdJp ogJe[elsu! e s!eseJ SOl!nlU lUJ s!od 'epelolU ens lJljIOJSJ o opep ? SOpOl e UlJN" 'opeApd OlUOJOp!JJpqelSJ JlUJlUeJ!130[oJP! oJed

-SJ op ogJez!I!lSJ e :PIJ] leI" 0p e!?p! e OpUeZ![!ln'eZ9JlU!S

J SO!q9lJ!lU sneui Sop oqeJ ogp lOSJp SO!el

J

'JpepJpOS eu SJ1Jlj[nlU J SUJwoq lod opel.{uJdwJsJp lJS

e

[Jded o 0Idum OJ![ql)d lUn e1ed e\3rnA!p101ne o 'eJ![ql)dJ"H

ep TIA!:)0í3!P9:) ° OpllAolde !Oj Jnb lUJ oue OWSJW'9161 lUJ

opeJ![qnd :,leI nJS wewe sOlUllnb SOpOle" J SJgw SUJAO(s~ opeupSJp 'Z!pJ.lUl O eJ!lS?lUOPe!wouO)J JP [enUelU 0N (I 'lJS 1JAJp op SJQJ!lJSJld se[Jd epe![eAe d ep!pJW lJS e nossed sJQJe'3pqo sens se WOJ ogJe[Jl ens E

J - lJlj[nw lJS o 1!lqOJJ1 lOd noqe::>eogJelUJSJldJl IEl 'OSS!

ó)hbs!eJA['esuJldw! e[Jd ope\3[nA!pJ OpelS3' OIJd opew!l!13JI 'Selspn( J SOJ!P?Wlod opeU!SUJ 'e(Jl13I epd ope13Jld elJ Jnb °nnb~ Il!PUOdSJllOJ lJl.{[nW ep ogJun] JwellOdlU! s!ew J redpupd e OlUOJeSEJJp euop-esodsJ-Jgw ep wJ13ew! V

·0l.{IeqB1lop opunw o J enl B E!lJJUJllJd SJp e Jnb y( 'llseJ Jp OllUJp SUJlUOl.{so B1BdLUJU!lB[ op elO] sJ1J4[nw SB

llled PAJssod OgJBZ!lBJle!l!ls!XJ ogu 'eJ!l9 BSSJpOllUJQ 'gl{u -llWe Jp sOgpBP!J sop 1JlylBJ o lBmSB(d J eplyd B B1BdSOlH9

'le[ o ? lJl.{[nW BP lB13n[

.l1l1J'3'leSBJ lUJ J1S!SUOJogJuT1JBns d

o :OP!X)l(UOJJ1UBlSBq;> OSlnJS!P () 'epBA!ld BP!A ep elJjSJ

f: l1W~8 O~~ VOVt\ldd

'/(]IÁ veJ VI~OJ';II!

"LE

376

.

HI,;TClRIA [>,\ VIDA I'RIVAI)~ iiO

~RA:,j1

3

10. 11. ''Ah. O lar! A sagração

:; Júlia Lopes de Almeida.

idealizado pelo discurso dominante, na verdade. não encontrava ressonância na vida real do Brasil do começo do século. Se entre as mulheres de elite esse espaço tinha efetivamente a aparência de reino, entre as camadas mais baixas

da mulher

ironizava a escritora

Mas o lar

do povo era difícil imaginar que alguém pudesse "reinar" nos cortiços em que vivia a maioria da população. ( 10. Quarto de vestir da residência do Dr. João Dente _ Avenida Paulista 55. São Paulo, 1924; 11. Raul Pederneiras. Casa de cómodos, 1924)

da mulher casada ao trabalho iria depender da autorização dele ou, em certos casos, do arbítrio do juiz." Usos e costumes, porém, revelam que o âmbito do poder do marido ia mais longe do que o previsto pela lei. A ele cabi~ deliberar sobre as questões mais importantes que en- volviam o núcleo familiar: a apropriação e a distribuição dos recursos materiais e simbólicos no interior da família, o uso da violência considerada "legítima",cujos limites eram debil- mente contornados por aquilo que se considerava excessivo,e o controle sobre aspectos fundamentais da vida dos familia- res, como as decisões sobre a escolha do tipo e local da for- mação educacional e profissional dos filhos." Isso pode ser atestado, por exemplo, no processo que se seguiu ao pedido de separação de Cora de Magalhães, ocorri- do na cidade de São Paulo em 1928. Ela propusera ação de desquite alegando, entre outros problemas conjugais, que le- vava uma vida de vexames e humilhações. O marido, Manoel Martins Erichsen, contra-atacou solicitando a reconvenção do processo - recurso que o transformava de réu em vítima. Erichsen inverteu os papéis, acusando a esposa de tê-lo in-

juriado gravemente ao recusar-se a viver em sua companhia onde ele determinasse, de ter lhe usurpado o pátrio poder (ao internar em um colégio, sem sua autorização, uma das filhas do casal) e de tê-lo impedido de se encontrar com os filhos.A ação de Cora foi repelida por unanimidade, enquan- to a reconvcnção foi julgada procedente." Processos de divórcio de ricas famílias paulistas nesse período revelamo recurso freqüente à coerção físicadas mu- lheres. Pesquisasregistram que o marido, tal como um pai, se sentia no dever de punir com violência sua esposa quando desobedecido. Embora nenhum código permitisse ou sequer relevasse tais agressões,estas se davam sob a proteção de re- gras do costume. A violência só era vista como selvageriae brutalidade quando exercida diante dos considerados pelas classesmédias e altas como seus iguais, ou daqueles que pri- vavam com o casal. Dessa categoria estavam excluídos, por exemplo, os empregados domésticos, tratados como inferio- res, não como iguais. Diante destes, a coerção física não era tomada como humilhante." No seu livro de memórias Diário de Bitita, a escritora negra Carolina Maria de Jesus, nascida no Sul de Minas Ge- rais em 1917,relembrou uma cena de infância, vivida entre o avô, ex-escravo,e sua mulher. Além de corroborar exemplar- mente a violência doméstica consentida, o episódio relatado pela escritora revela como as classesmais pobres, muitas ve- zes, incorporaram não apenas os padrões de comportamento familiar mas também os valores das elites:

Quando vovô veio almoçar, não tinha farinha. Ele não

comia sem farinha porque na época da escravidão os ne-

I gros eram obrigados a comer o angu e a farinha. À tarde, quando foi jantar, encontrou farinha. Perguntou a siá Maruca:

Onde e quando conseguiste dinheiro para com-

I prar esta farinha? Os seus olhos voaram para o rosto de siá Maruca, que havia mordido os lábios. Por fim ela resolveuresponder:

- Eu lavei roupas para dona Faustina, ela pagou e

eu comprei cinco quilos de farinha, lavei duas dúzias por um mil réis. O quilo da farinha custou duzentos réis.

-

12. A imprensa se revelava implacável com a emancipação feminina. Quando executado por um homem, o trabalho doméstico é pintado como algo duro e penoso - e o personagem que se submete a ele é tratado como ridículo. (Sem título, 1926)

o meu avô retirou a cinta da cintura e espancou-a. Dizia:

última vez que a senhora vai fazer compras

sem o meu consentimento. Quando quiser sair, peça-me

permissão. Quem manda na senhora sou eu! Se a senho- ra não sabe obedecer, vai ernbora.P

Ao comentar o Código

- É a

Civil no ano de 1917, Clóvis

Beviláqua observou que a razão de se dar ao homem a chefia

da família se devia unicamente à necessidade de haver quem

I ti

I

FIo't'JNUI1<Y, IJO MUNDO ftMleJI"J<,

379

assumisse a direção de modo a "harmonizar as relações da

vida conjugal': As razões da hierarquia e das restrições im- postas à mulher não deveriam ser atribuídas à inferioridade física e mental, uma vez que homens e mulheres são dotados de capacidade equivalente. O condicionante, assinalava o ju- rista, era a diversidade das funções que os consortes eram chamados a exercer "junto à sociedade e na família'."

13, 14, 15. Com a mulher dá-se

o extremo oposto: a figura feminina exerce as tarefas domésticas com wn permanente sorriso no rosto

- e nunca se vê no traço

do desenhista uma só pon ta de ironia. (Sem título, 1915)

O professor Washington de Barros Monteiro, ao comen-

1

tar a legislação de 1916, reiterava em outras palavras a supre- macia masculina, mesmo tendo transcorrido quase meio sé- culo: "Outrora dizia-se que essa preponderância do homem era de Direito Natural; posteriormente procurou justificá-la com a fragilidade da mulher", escreveu o jurista. "Moderna- mente, porém, com muito acerto afirma-se que ao marido compete a chefia da sociedade conjugal pela necessidade de haver quem lhe assuma a direção e também por ser ele quem,

pelo sexo e pela profissão, mais apto se acha para receber a

investidura,">

O Código Civil de 1916 interpretou o modo como cada

um dos cônjuges deveria ser apresentado socialmente. Um conjunto de normas, deveres e obrigações, com seu correlato

inibidor e corretivo, foi formalmente estabelecido para regrar

o vínculo conjugal, a fim de assegurar a ordem familiar. A

cada representante da sociedade matrimonial conferiu-se um atributo essencial. Assim, se ao marido cabia prover a manu- tenção da família, à mulher restava a identidade social como esposa e mãe. A ele, a identidade pública; a ela, a doméstica. À figura masculina atribuíram-se papéis, poderes e prerroga- tivas vistos como superiores aos destinados à mulher. Deli- neava-se com maior nitidez a oposição entre esferas pública e

privada, base necessária para que a mulher se torne mulher e

o homem se torne homem, ao mesmo tempo que fornece os

380

IIISTÓ"A

DA VIDA PRIVADA NO

BRASil

:J

I~ÂILIHO

~

A"NO N l: \1.

XXVI .1 I R

I

R~.:;",~:::":;:',;:,'''

QUANDO AS MULHERES FOREM ELEITAS

16. "Pode-se, acaso, conceber o anjo do lar transformado num desses energúmenos de partido? Pode-se

conceber esse ser delicado e sensível

à controvérsia, à injúria, à calúnia?'; indagava a Revista Feminina.

A divinização da mulher entrava em choque com a campanha

que agitou o puis nos anos 20:

a aspiração da mulher à cidadania

- votar e ser votada. Mas não faltavam publicações, corno

O Malho, a tratar com ironia os dois

direitos reivindicados: o de votar

e O de ser votada e eleita. (Quando

as mulheres forem eleitas, /927)

{/III

diQ dt so:ssiio NO plt,lamcN'o

do t"hlfl1

elementos de identificação do lugar do homem e da mulher em todos os aspectos da vida humana.

por

com a rua ou

com a casa, não vieram desacompanhadas de uma valoriza- ção cultural. Isto é, as atividades masculinas foram mais re- conhecidas que as exercidas pelas mulheres, razão pela qual

homens e mulheres, que os identificaram ou

As desigualdades entre as funções desempenhadas

A

":'1'

.~

,-

~

.

:~)

1;}-

'.",/

foram dotadas de poder e de valor. O trabalho era o que de fato conferia poder ao marido, assim como lhe outorgava

pleno direito no âmbito familiar, ao mesmo tempo que o tornava responsável, ainda que de modo formal, pela manu- tenção, assistência e proteção dos seus, Ao ser assim conside- rado, o marido desempenhava função de valor positivo e do- minante na sociedade conjugal. Essa crença foi de tal modo interiorizada pela família e pela sociedade que o descumpri- mento dessa atribuição por parte do marido era tomado pela mulher como falha, da mesma forma que fazer comentários sobre os insucessos do marido fora dos muros estritamente conjugais poderia ser razão suficiente para explosões de vio- lência, uma vez que quebrar o silêncio sobre o assunto colo- cava sob forte ameaça a representação masculina dentro e fora de casa." A repercussão nos sentimentos masculinos diante da impossibilidade de ser o único provedor da família, de acor- do com os padrões tradicionais, foi observada também por Rosa Maria Barbosa de Araújo, na sua pesquisa sobre o Rio de Janeiro das primeiras décadas do século. Alguns maridos chegavam ao desespero e cometiam suicídio, "justificando o ato pela derrota moral de não cumprir seu dever"," Isso leva- va a se considerar desonrosa a alternância ou complementa- ridade do trabalho remunerado dos cônjuges para enfrentar os custos da sobrevivência familiar, pois acreditava-se que feria tanto a identidade social desejável da mulher quanto a do homem. No editorial de outubro de 1918 da Revista Feminina, Ana Rita Malheiros, como vimos, pseudônimo de Cláudio de Souza, chegou a responsabilizar o homem moderno pelo avanço do feminismo. Transformado num "quase invalidado" porque incapaz de produzir "o suficiente para o sustento de seu lar", o marido compeliu a mulher ao trabalho, quando, na verdade, ela preferiria, segundo o articulista, "continuar tran- qüila no seu canto de sombra': ocupada com os "encargos da direção do lar". Não se pode esquecer ainda que a contrapartida do ma- rido provedor era a mulher responsável pela honra familiar, Ou seja, em troca do sustento garantido, a mulher casada deveria se distinguir socialmente, respeitando os ditames da moral e dos bons costumes, evitando assim incorrer em injú-

/7. Nos recônditos do mundo feminino a promessa é de [clicidade. Como se o casamento por amor,

a realização da mais sagrada missão da maternidade e o cumprimento regrado dos deveres da boa dona de casa fossem o passaporte para

o sonhado "lar doce lar': Com

lucidez, a romancista Júlia Lopes

de Almeida apontou: "Uma só alma

em dois corpos é a metáfora que foi criada pelo diabo em hora de Ironia':

Afinal, não é a mulher, quem

faz ou deixa de fazer. É o marido quem "dá gostos, impõe vontades". Na verdade, a "casa é o mundo

que está a seus pés, obediente ao seu gesto': Até mesmo as portas abrenHe

"a 'luem ele quer, fecham-se a quem

lhe convém': (Familia italiana no salão, J 929)

ria grave, definida como o procedimento que "consiste em

ofensa à honra, respeitabilidade ou dignidade do cônjuge"."

do comportamento do

marido pela sociedade dependia em grande parte do com- portamento da mulher.

O mesmo discurso que tornou correiatos trabalho e

identidade masculina concebeu a mulher circunscrita ao es- paço interior da casa. A arquitetura do lar feliz aprisionou homens e mulheres dentro de uma moldura estritamente normativa. Homens e mulheres, maridos e esposas passaram

a se defrontar não só com uma noção mais delimitada dos papéis sociais atribuídos a cada sexo mas, sobretudo, com uma rigidez provavelmente desconhecida até então em suas experiências cotidianas.

Se uma coisa era o rigor da lei, outra coisa podia aconte-

cer na intimidade de alguns lares. Foi uma dessas situações que o escritor paulista Alcântara Machado construiu em seu romance inacabado Mana Maria, cujos originais foram loca- lizados após sua morte, em 1935. O autor cria um persona- gem - Purezinha, dona de casa, mãe de uma filha - que, navegando contra a corrente das normas de então, assume o governo da casa, aluga imóveis, aplica dinheiro. Converte-se, enfim, no cabeça do casal. Quando Purezinha morre, a filha Maria emerge "de palavra medida e dura, gesto brusco e deci- dido, olhar firme, direto, autoritário". Por ocasião da partilha dos bens da mãe, a moça fez questão de estar presente, e

Isso significa dizer que o julgamento

CONFf:CCÃO DE ENXOVAES FARA NOIVi\S

'I Lençócs .1.' ),nh() puro t"lritado~ cueu b~.oh~s .:Ibert,n ( ra-

"

se:ulosa1\lão.

Iii

Fronhas de lil,ho puro, enfeitadas COm bainhJs

aber t

s e ,~.

s.cadas. a mão.

II

Colchas de FusU

I

Mm;'luit~iro

1'2

Toalhil~ de Unhu adamascado liMa ,o~t"

!tI

Toalhas telpndaspara msto

ti

Toalhas lelpud.'IS para banho

ti

Toalllas

para mesa sendo: :I de linhu pum e

/2 t.le

a1iodão

superiorp:)'

N para janiar, sendo 11 de iinho ~'lIro e I<!de

Guardanapos

I.

godiiosuperiorpor

I Gn.unição para cM, de linho pUfO (0'" ban~ de

cor C bzi

18 Pannos para copa, linho vuperior

rts

no&uoo

;:'105000

:!8q~llOO

I1fliOOO

:

.~~

rcsooo

1OIfOO

~

~~

_~

~,2'i~

Roupa p,lfa o corpo

nossos Enxorces paro

Iloíuos

10lill

R5

~~

1:650S(OO

lMJOOO

945WOO

520S!}W

Wagner Schâdlich & Coo

RUA DIREITA N. 18

discutiu com tal firmeza seus direitos de filha legítima que

até o pai se surpreendeu. E ainda mais se espantaria ao ouvir

a explicação da filha: "[

ria vai ao quarto e de lá retorna trazendo consigo um exem- plar encadernado do Código Civil, o que levaria o pai, Joa- quim Pereira, a "estourar" de admiração: "Você é sua mãe escarradinha". Fora Purezinha, sua esposa, quem comprara o Código agora descoberto, lido e relido pela filha. "Incrível. Definitivamente sumiu diante da filha",que, a partir de en-

conheço as leis do meu país': Ma-

]

18. Possívelgarantia de uscensâo social, um bom casamento também podia gerar bons negócios. Não faltava quem quisesse tirar proveito disso: como "livrar-se do aperto" ao fazer face aos custos dos enxovaisi Muito simples: tomar dinheiro emprestado com um dos tIl'útos "capitalistas" da época. (Confecção de Enxovais para Noivas, 1917)

384 • HIS10RIA DA ViDft. i'RIVAlJt-, "lU ~RA)ll

:J

tão, "conversou com o advogado, estabeleceu os quinhões

e, concluído () inventário, passou a tomar conta de todos

os negócios, do pai inclusive,'?"

[ ]

A PEDAGOGIA DO CASAMENTO

Cenas de um casamento. Antes de perguntar ao noivo e à

noiva se eles de fato querem unir-se pelos sagrados laços do matrimônio, o oficiante faz uma prudente advertência ao homem: "Se o senhor quer se casar com a senhora, devo preveni-lo de que ela, como todas as demais mulheres, tem um dia ou mais de nervos por mês. Ao unir seus destinos à dona de seus mais caros sonhos, o senhor 'deverá comprome-

ter-se a suportá-Ia

Antes mesmo da anuência do noivo, ele acautela a mu- lher: "Se a senhora está decididamente resolvida a casar-se, advirto-a, para sua segurança futura, de que o senhor, como todos os homens, poderá ter acessos de loucura transitória. Ou, digamos, de pronunciado mau humor. Tal estado costu- ma durar pouco. Quase nunca excede a um dia, e é muito raro que se repita por mais de três a quatro vezes por semana. Fica a noiva avisada de que, para contrabalançar seu dia de nervos, terá que suportar o dobro em peso e medida, por

rei da criação e o chefe da

parte de seu marido, que é o família".

A cena imaginária, que no final do século xx pode soar

como uma caricatura anedótica das relações entre marido e mulher, está expressamente sugerida em um artigo da Revista Feminina, na edição de abril de 1916.Ainda que com a suti- leza permitida pelos valores de então, a autora da situação

acima inquieta-se pela injustiça. Se é difícil agüentar os pró- prios nervos, escreve ela, "é mais cruel ter que suportar os dos outros, principalmente quando o contrato é indissolúvel, com todos os agravos e todas as restrições para nós mulheres

- e todas as vantagens e toda a liberdade para nossos mari-

dos, que em tudo nos levam cento por cento". Longe de indicar o colapso do casamento, as reclama- ções e acusações mútuas de maridos e esposas apontavam a necessidade de remodelar o casamento para reforçá-lo como instituição social. Argumentos foram elaborados para apazi- guar e tornar legítimas diferenças injustas, pois urgia conver-

com paciência nesses dias".

ter a relação entre homens e mulheres em um vínculo disci- plinado, ou mesmo harmonioso, de modo a tornar segura a reprodução da ordem e afastar os riscos que ameaçavamde- sarranjar os planos da organização doméstica. O menor sinal de flexibilizaçãona divisão sexual das funções no interior da família era repercutido pelos conservadores e reformistas como uma ameaçadora vaga modernizante. Contra os "sur- tos grandiosos do progresso" que faziam "oscilar o mundo", alertavam eles, "sejamos como a árvore poderosa arraigada ao solo, imutável, idêntica a ela mesma",procuremos no "lar o ser estávelque nenhum acontecimento pode abalar"," Rosa

Maria Barbosa de Araújo acredita que no caso do Rio de Janeiro prevaleciauma dupla moral, responsávelpelas ruptu- ras do equilíbrio e pelas explosões de conflitos dentro do lar, muito presentes no período. Alguns fatores precisam ser con- siderados, sublinha a autora: primeiro, a discrepância entre a expectativa de uma divisão rigorosa das esferas de atuação entre os cônjuges e a prática cotidiana; segundo, um sistema rígido de valores que exigia coerência de comportamentos, tanto na esfera doméstica quanto fora dela, algo bastante di- fícil num período de urbanização e industrialização crescen- tes, as quais convocavamos indivíduos e a família para novas formas de associaçãoe lazer,ao mesmo tempo que ofereciam

outras oportunidades, ainda que desiguais, de

As inovaçõestrazidas pela tal "vida moderna" povoavam as páginas dos mais diferentes tipos de literatura, o que por si só indicava um forte movimento em prol da defesade deter- minadas instituições basilares da sociedade, mesmo que para isso fosse necessário acatar mudanças e introduzir outras. Nada, entretanto, que pudesse ferir a legitimidade das regras do sistema familiar e social.Carregava-se no tom para justifi- car a reação "contra certas teorias dissolventes"que dia a dia alimentam "a onda de imoralidade e da perversão dos costu- mes que tenta levar de vencida tudo o que a humanidade

possui de melhor'." Não é sem desconfiança que lemos sobre a intensidade e velocidade das mudanças na vida das mulheres brasileiras. Algumas décadas não foram suficientes para influenciar tão fortemente a mulher, transformá-la em "pobre mariposa" e arrastá-la para "viver com o mundo e para ele",como queria uma leitora da seção "Jardim fechado';" Ao contrário, tais

trabalho."

19. O significado do verbete Mãe, segundo o Grand Dictionnaire Larousse do final do século XIX,

é revelador do entendimento que

a sociedade tinha da maternidade:

"Ela recebeu da natureza a tripla

c sublime missão de conceber, de pôr

no mundo e criar o gênero humano. Convém pois esquecer as lacunas do seu caráter, as perfídias das suas seduçoes, as imperfeições da sua

natureza, e não lembrar senão esse fato que é como que a razão do seu ser': (Sem título, 1920)

palavras mais revigoravam uma velha moral e menos revela- vam "a dissolução dos costumes",como denunciava o dr. Vi- veiros de Castro, presidente da Comissão Executiva da Liga de Defesa Nacional." Qual é a missão da mulher? E qual é a do homem?" Essas eram indagações com as quais homens e mulheres, maridos e esposas se debatiam na tentativa de delinear para si mesmos e para a sociedade em mudança seus respectivos papéis sociais e familiares. Sem poder dizer com exatidão quais seriam os futuros encargos de ambos, intelectuais das mais variadas correntes de pensamento empenharam-se em estabelecer "com precisão" os limites entre os caracteres dos dois sexos.

Diferentes biologicamente, diversas psicologicamente, desiguais socialmente, as psiques do homem e da mulher eram vistas como "meros reflexos de suas posições físicas no amor: um procura, domina, penetra, possui; a outra atrai, abre-se, capitula, recelie. O trabalho, pura sublimação dos impulsos naturais, sempre será alocado pelosexo, em harmo-

nia com estas disposições'l" Os mais variados discursos sobre

a família e o casal - literários, religiosos,médicos e jurídicos

- decretavam, a partir de meados do século passado, que.era no lar, no seio da família, que se estabeleciam as relações sexuais desejadas e legítimas, classificadas como decentes e higiênicas. Ao sentenciar que "o amor ao próximo, à família, à pá- tria, à humanidade são metamorfoses ou sublimações do amor inicialmente sexual",isto é, a domesticação das paixões

e dos

desejos pecaminosos," os "higienistas da alma",a exem-

plo do psiquiatra progressista Antônio Austregésilo Lima, reafirmaram o juízo já de larga tradição cristã: "Fora do casal não existe salvação possível'." Paralelamente a tais incursões, sentiram-se à vontade para esquadrinhar, fiscalizar e con- frontar padrões de comportamento. E, em nome da salva- guarda da família, condenar os desvios da norma.

Se o casamento representava uma etapa superior das re- lações amorosas, se foi proclamado "garantidor da saúde da humanidade", o melhor remédio para o corpo e para a alma, e se constituía uma das maiores fontes de "estabilidade so- cial",era preciso, então, divulgá-lo e transformá-lo numa ne- cessidade para todos." Os celibatários, vistos como ameaça

ao edifício social e à pureza do casamento, eram motivo de discursos que não poupavam os homens tampouco as mu- lheres. um erro funesto crer que a virgindade conserve o brilho da tez e os atrativos da juventude. A maior parte das mulheres que ficam virgens depois de ter atingido o desen- volvimento completo são assaltadas por LImamultidão de indisposições mortais", inimigas da beleza e da saúde. Na medida em que "tardam a cumprir os deveresde amante e de mãe", sua pele tende a tornar-se "terrosa e baça".Com mais freqüência que os "indivíduos normais", os castos "estão su- jeitos a tornar-se escravos de paixões sexuais tirânicas. A na- tureza nunca perde os seus direitos e a sua desforra é às vezes

penosa'."

Foram, porém, as camadas mais baixas da população - operários, imigrantes, mulheres pobres, mulheres sós, negros e mulatos - que tiveram o comportamento mais fiscaliza- do e submetido a medidas prescritivas.As múltiplas e impro- visadas formas de união amorosa nesses segmentos recebe- ram especial atenção das camadas médias e altas, bem como dos intelectuais conservadores e dos clérigos. Decididas a institucionalizar o amor com vistas a sustentar uma determi- nada ordem social, as elites transformaram em ameaça os relacionamentos ajustados por padrões mais flexíveise simé- tricos, classificando de imorais as uniões cujo epílogo não coincidia com o casamento." Traçadas as linhas da "conduta decente",os promotores da moral e da ordem classificaramcomo ilícita toda e qual- quer relação entre homens e mulheres que se firmasse fora do contrato matrimonial. Em nome de uma ligação de amor que fundisse existências, e não somente sexos, o amor na mancebia foi transformado em objeto de intervenção. Amor degenerado, espectro de amor, imitação de amor: esses eram os termos do discurso que pretendia regular as uniões consensuais. Na obra anónima O problema sexual, escrita em 1913 (assinada apenas por "Leitura Reservada",e prefaciada por Ruy Barbosa e pelo escritor Coelho Neto), o leitor en- contrará certezas como a que afirma que "no concubinato dissipam-se sensaçõesde que temos necessidade para o casa- mento, para as grandes ações da nossa existência, para reacender a chama da vida",em razão do que todas as "forças das nossas faculdades amatoriais" devem ser reservadas para

20. No Brasil do começo do SéCIIlo, condcrlava-se qualquer alimento que não o leite materno - tanto pelos nutrientes como porque por meio do aleitamento a mãe transmitia sua herança moral e o amor matemo. Condenavam-se tlS amas-de-leite: vistas como agentes de contaminação, elas poderiam 'Ião só trazer doença para dentro de caSII, como causar danos morais e físicos ao bebê. Como garantia foi criado um serviço de inspeção da boa saúde das amas. Muitas foram recusadas pelos médicos pois eram portadoras de doenças como corrimento vaginal, infecção urinária, tuberculose, má qualidade do leite, anemia, infecção na pele, sífilis, entre outras. (R. Lindemann, Ama - Bahia, c. 1905)

21. Em quase todos os números da Revista Feminina podia-se ler o eterno refrão: toda mulher deve tornar-se mãe. Havia quem, entretanto, remasse contra essa maré:

em 1893 o médico Abel Parente enfremaria forte oposição por ler desenvolvido um método destinado a esterilizar mulheres. Argumentava-se que o Brasil era um país novo e despovoado e que seu desenvolvimento dependia do aumento populacional. Eugenistas; no entanto, saíram em defesa do médico, mas preconizando um processo selctivo de esterilização, que ficaria restrita aos casais pobres, às mulheres que corressem risco de vida em decorrência da gravidez e aos casais com doenças que, acreditava-se, provocavam a degenerescência da raça, como a tuberculose e a sífilis. (Sem título,

1917)

"aquele amor'; pois é muito longa a vida "para ser suportável

. Não há felicidade senão no casamento, profetizava o médico eugenista Renato Kehl. É nesse "estatuto que a mu- lher se transforma em Esposa e o homem em Esposo, e que a Esposa e o Esposo se transfiguram em Mãe e Pai':·13Seme- lhantes lições e argumentos foram propagados por todo o país com o intuito de "civilizar o amor"," Alguns propósitos profiláticos deveriam ser disseminados com a finalidade de instruir moças e rapazes a protestar contra a paixão infecun- da, indicativa de desordem, em favor do sereno e saudável amor conjugal. A ordem era combater com ânimo a invasão impetuosa dos desejos para se atingir a serenidade da exis- tência, pois a saúde da alma dependia de uma atenção vigi- lante pelo amor intenso. Ao mesmo tempo que atacavam a exaltação da paixão romanesca, tais conselhos reforçavam a instituição matrimonial. Mais do que estabelecer uma rela- ção conjugal, o casamento visava, ainda, instituir uma união cuja finalidade era não apenas generativa mas a produção de uma prole legítima." Na obra Matrimônio perfeito, que, por se tratar de um trabalho de "ciência sexual", era recomendada por seu prefaciador para "figurar na 'corbeille' de todas as noivas", T. H. Van de Velde assinalou que a instituição matrimonial é para os crentes um sacramento, é para o Estado e para a socie- dade um consórcio indispensável, mas é para a progenitura que se constitui, de fato, em uma instituição de absoluta neces- sidade. Tal certeza levou o autor a indagar: se os filhos "são o laço de união espiritual mais poderoso no matrimônio nor- mal", o que mais poderá unir um casal que os cuidados com

sua progénie!"

com UIll amor valetudinãrio"."

Recorrendo a uma argumentação que invocava os supos- tos rigores metodológicos e explicativos do saber científico, o amor ideal tornou-se uma questão de ciência e foi transforma- do em objeto de técnica, de "argúcia, análise e ação paciente", como sublinhou um autor na revista Para Todos, 110 ano de 1918. O "amor de sofrimentos" passou de tal forma a fazer parte do repertório das patologias que amor, saúde e felicidade passaram a coincidir nos discursos sobre a família." Certa- mente foi essa convicção que conduziu o mesmo "epicurista" a

do homme ti femme de

escrever em seu artigo que "o trabalho

l'

I

I

hoje é o mesmo do bacteriologista, isto é, descobrir e isolar o micróbio. O resto está escrito, é aplicar as regras","

~ ,~gitar-~e

em torno da idéia da "alegria serena" para fazer face a escravi-

dão das paixões cegas",cujo corolário er~m as "torturas d~cor- rentes do ciúme"." Não por acaso a Imprensa do penado carregou nas tintas ao criar o espetáculo daquilo que a juris- prudência denominava de "crim,~~,da paixão". Títl~~osesc~~~a~ losos ("Liquidação de mulheres, Mulheres assassl~:d,~s , . ,D~ 12 em 12 horas assassina-se uma mulher no Brasil, O jun,

esperança dos assassinos

lavam menos uma preocupação com a banalização do cn~e passional que a reiteração de que aqueles .eram te~p~s muito maus "hora das liberdades de toda espécie, da falência de to- das as virtudes';" Criava-se uma atmosfera que vinha sendo, pouco a pouco, construída de maus presságios: Diante de tan- to perigo e das incertezas geradas pe!o ambiente urbano, o amanho do lar e da família foi convertido em ancoradouro da

moral sagrada.

"A apoteose ao as~assi~ato") r~ve-

O campo semântico do amor conjugal passou

:',

.'

22. ''.4. esposa, a boa dmUl de casa sabe perfeitamente (luai, os gostos do marido, seus pratos p"cJúidos

e a maneira pelo qual os quer

arranjados. Ela sabe ludo: o lugar que o marido gosta mais de estar,

cadeira escolhida, o descanso para pôr os pés I Qual1do o marido lê não o interrompe, nem deixa perturbá-lo sem motivo. Mas se ele

a

J

llle fala do que a leitura sugere,

a esposa mostra-se interessada -

ou procura interessar-se pelo assunto

- porque em tudo qller ser

agradável ao marido, e isso agrada-

lhe sem dúvida. Tudo isso são

pequeninos nadas. Pois esses

pequeninos nadas é qlle têm maior

importância na vida." (O menu do meu marido, 1920)

A construção de uma referência normativa de afeti-

vidade conjugal era o que se alinhavava, de fato, no avesso do

1

390

.

I W;[C;'IA

DA -/ID,\ Pl'lvADA NO B~ASll

3

lema "Poupai o coraçao - e suas marcas mais relevantes foram o ascetismo e a disciplina. E mais: ao mesmo tempo

que procurava instituir um espaço e um âmbito exclusivo do casal, separava para os sexos as esferas tanto de atuação quanto simbólicas." A esposa virtuosa foi aclamada e cercada por comandos morais. Prescreveu-se para ela complacência e bondade, para prever e satisfazer os desejos do marido sequer expressos; dedicação, para compartilhar abnegadamente com

o cônjuge os deveres que o casamento encerra; paciência,

para aceitar as fraquezas de caráter do cônjuge. E, enlaçando tamanhas disposições, a virtude maior da amizade indulgen- te.? O perfil traçado para a esposa conveniente contava ainda com indefiníveis qualidades, tais como simplicidade, justiça, modéstia e humor. Seu antípoda ameaçador era a moça dos tempos modernos, "esbagachada", cheia de liberdades, "de saia curta e colante, de braços e aos beijos com os homens, com os decotes a baixarem de nível e as saias a subirem de audácia';" exposta à análise dos sentidos masculinos, "perfu-

madas com exagero, pintadas como palhetas, estucadas a ges-

so e postas na vida como a figura disparate de uma paisagem

cubista"> No bojo da urbanização que punha em convívio tradi- ções e costumes tão díspares e mesclados, a imprensa, princi- palmente a feminina, realçava a importância e o sentido da educação: "Sem instrução e com essa espécie de educação, que pode ser da menina modernai";" Acolhiam-se, assim, os propósitos positivistas e impunha-se uma missão, a de mol- dar o pensamento, o comportamento e, em última análise, o caráter das gentes. Em tom freqüentemente professoral, invectivava-se a formação dada às moças daquele tempo. Do que a brasileira mais precisava para fazer valer o seu "direito de ente pessoal e civilizado", escreveu a articulista Chrysan- theme, "não é de elegâncias nem de danças, mas sim de ins- trução e de educação'l" Admoestados com conselhos, fórmu- las e regras, homens e mulheres aprendiam a conservar o matrimônio, "fatalidade social necessária'." Muito embora as estratégias matrimoniais no interior das elites tenham iniciado, no transcorrer do século XIX, um movimento de superação das relações mais verticalizadas, ou endogâmicas, os interesses familiares continuaram represen- tando um papel fundamental nos arranjos conjugais. As con-

veniências econômicas e os interesses de classe moveram a linha da parentela para relacionamentos mais horizontais, uma vez que a "riqueza tornou-se um critério de status mui- to mais importante'." Os vínculos matrimoniais eram garantia de controle sobre o poder, da mesma forma que funciona- vam como proteção contra as freqüentes ameaças de desas- tres económicos. Assim, longe de ter esgotado sua capacidade de interferência, os pais não negligenciavam a vigilância so- bre os filhos solteiros, agora rodeados pelos desvelos pedagó- gicos das "mães educadoras". Instrumento das estratégias fa- miliares e cercados por toda sorte de "estímulos", os jovens deveriam se comprometer com pessoas do mesmo círculo social. O amor não atuava sozinho, sublinhou Jeffrey D. Needell," o que em certa medida relativizava a questão da livre escolha dos cônjuges. Se alguns eram estimulados, ou- tros eram coagidos pelos pais, como atestam inúmeros pedi- dos de anulação de casamento, cuja principal alegação é "ví- cio da coação'i'" Novas estratégias de educação amorosa eram elaboradas com o objetivo de preservar o tradicional modelo matrimo- nial. Se o propósito era expandir e legitimar a instituição conjugal, a causa final consistia em normalizar a sociedade e regrar os comportamentos sexuais. A imposição era obstina- da e vinha sempre secundada por considerações de caráter

J não desprezais os vossos órgãos de amor, mas

regrai-os!"," O processo civilizador das relações interpes- soais, moldado conforme o padrão das elites, deveria "conta- minar" todos e de todas as classes. No âmago do sistema

científico: "[

23. Pretendia-se ensinar uulo às mulheres. Para evitar equtvoa»,

a Revista Feminina re(lmlnui~lj!tl,

rIO artigo «Deveres de uma st'lIhora ":

"Quando receber um CIIvalhei,.o

da.<suas relações,se não prcfcrir apresentar qualquer pretexto para

o lião receber,[a-lo-à muito

naturalmmte, mas empregando sem aietação todos os meios para lião se comprometer, como deixando aberta

a porta da sala e indicaIlda parti e/e sentar-se em um lugar em frente

de/a, afastado e mmca ao seu lado':

(lO Protocolobeija-mãos!, 1920)

24, 25, 26, 27. A mulher recebeu do século XIX uma duvidosa herança: a cintura de vespa.

Para obter tal predicado, no entanto,

a mulher teve que submeter-se

ao espartilho. Mal dissimulado i'Jstrumento de tortura - rígido, feito de pano forte, mantido ereto

por varetasfeitas de barbatana de baleia -, ele atrofiava as últimas costelase sacrificava também o baço,

o fígado e os rins. A partir de 1918

varetasflexíveis de aço vieram diminuir um pouco tal sofrimento. As gordas com pretensões à elegância, nO entanto, continuavam padecendo:

li transpiraçãoproduzida por seus corposprovocava ferrugem

e destruía não os espartilhos;

mas toda a roupa que os cobrisse.

([ Espartilhos e concepção I, 1982)

r

iM~

de acordo com aquelas regras, a família - consti-

tuída por um único "princípio de regulação e reprodução: o casamento":" nas franjas dessa ordem, as camadas mais bai- xas da população, gente a ser educada, pois era vista como cin- turão de desordem e terror.

Engrenagem fundamental dessa lógica, as mulheres, en- tre outras obrigações, arcaram com a tarefa de apaziguar a sensualidade do casal. Aceito e desejável, o culto à beleza, sublinhou Marcia Padilha Lotito, deveria estar identificado com os princípios médicos e higiênicos, nunca à sedução.

Com isso, "o discurso higienista procurava assegurar os limi- tes entre a vaidade das mulheres 'honradas' e a libertinagem

de mulheres de 'conduta duvidosa' que desfilavam pelos tea-

ordenado

jJI~

I ·,LI~ COIl",ET lL\U:\"

I"

I

,

Rs.21$000

;

i~t:I~l;~~:

::~:~:f:~~:::'~~i:):,::::::;~TI

!."""'.' ",iti,., 1"""""""1

';.,; .~~I"t"'·HS.

Il',c,.,-~,ln 1I>.~OtJl);\ ucsueo

! (Pf.{jli'O tdlat~g~Illustrad~)I

I

:

'

".

i

I

.----=/

tros e cafés da cidade'l=

e "equilibrar a contabili-

dade de afetos para a preservação do lar", faziam parte do

Conter os

excessos masculinos

conjunto dos deveres da mulher." Assim,a própria galanteria conjugal passou a ser entendida como a arte moral de encan-

tar, de agradar, tanto no campo social quanto na intimidade, sem se comprometer." Mais próxima do ideal de amizade amorosa, pretendia-se purgar os exageros e os percalços das relações conjugais de modo a torná-las mais fortalecidas e afastar cada vez mais a ameaça do divórcio. Na busca da "união para toda a vida': o casamento encontra sua razão de ser na "mútua estima e amizade dos esposos",e "seja qual for a maneira por que se manifeste': é sempre na forma de sim- patia, "independente dos arroubos sentimentais", que se des- vanecem com o tempo. "Não se enganem as jovens espo- sasl?" O que se vê, de fato, é a construção de uma relação conjugal mais marcada pelo respeito que pelo princípio do prazer. Apesar da ênfase na amizade entre os cônjuges era pa- tente, sobretudo entre os médicos, a progressiva conscienti- zação sobre a necessidade de educação sexual dos jovens. Convertidos em guias científicosda família,os doutores mos- travam-se cada vez mais preocupados com a inocência,a igno- rância e, principalmente, a brutalidade que cercavam as prá- ticas sexuais, desastrosas para a estabilidade do casamento. "A nossa educação está errada. Todo o domínio sexual anda en- volvido em um mistério que não é natural, entre véus de excessivo pudor."? O que se vê nas primeiras décadas do 1

28, A medicina viria em socorro da mulher, qualificando o espartilho como "uma fraude, um logro [ ) uma escravidão e uma crueldade':

Em seu livro - Cuidados

higiênicos da mulher grávida,

o médico Antônio dos Santos Coragem trata do problema sem rodeios: "O trabalho às vezes extenuante de apertá-lo, o suplício daquele aperto, os vincos que deixa na carne macia, () aUvia que sentem quando se despem [ ) Ela acaricia com as mãos crispadas as carnes machucadas pelas barbatanas, pelos atilhos, pela tela rude. Depois, mira-se 110 espelho e verifica com tristeza que aquela carcaça deixou sobre o corpo delicado pisaduras

violáceas': (Le Corset "Hann" 1914)

século xx é um debate cauteloso sobre a conveniênciaou não de os educadores iniciarem a mocidade nos assuntos da vida sexual. "Os adeptos da velha escola do silêncio pretendem que isso não se possa fazer sem ofensa ao pudor [ Os ino-

vadores sustentam, pelo contrário, que os perigos morais da vida moderna são tão freqüentes,tão reais e terríveis em suas

conseqüências que [

1

1 é preciso não fazer caso disso.?"

\ i

II

,

\

I,'

01 SI

1\

'·/) -, .,1 II, 1 ,'IA I. 1'\ 1/\

 

\,

0\1(1)'\

I

I!

I ~I \~

n IJI I:OM

 

II r\~ rI\ o '" \, 01'(1

 

,

 

;

i

'

,

li ~:~

l

_

"A sorte de um matrimônio depende da noite de núp-

cias",escreveuVan de Velde." O primeiro contato tanto pode conduzir o casamento para um "estado amável" quanto transformar-se numa "violação legal".Não serão poucos os médicos, assim como será abundante a literatura médico- sexual, que estigmatizarão a conduta por vezes brutal dos maridos no primeiro contato sexual.Ao mesmo tempo pro-

porão

pois a inocência, ou, melhor dizendo,"a ignorância em maté- ria sexual, esse estado beatífico em que muita gente aspirou conservar as próprias filhas'?" significa, de fato, aparelhá-las

mal para o desempenho conjugal desejado. O conflito da

noite de núpcias tem sido para "essasdesgraçadasingênuas a

beira do

para as jovens uma iniciação sexual de cunho livresco,

abismo [ a fobia sexual,a desinteligênciado lar, o

]

inferno dentro do céu doméstico'." De nada valem as pala- vras rápidas da véspera, proferidas pelas mães. Antes abrem, de chofre, um mundo inteiramente estranho, e perigoso, ad- verte Porto-Carrero. Não raro a noite nupcial se transforma para a moça, entre ingênua e ignorante, numa noite de sacri- fício, em que ela se submete à sagacidade do noivo, "ávido

para mostrar a energia potencial';" Clotilde do Carmo Dias lembra que na sua noite de núpcias ficou durante bom tempo no quarto, sem coragem

de se deitar, enquanto seu marido a esperava ansioso.Aquela

era a primeira noite que eles estavam a sós: "[

até medo do meu próprio marido. Onde não existeamor não há confiança, e eu não estava enganada. Meu marido nesta noite deu largas a seus instintos bestiais, cheios de luxúrias indecentes e insaciáveis, que em vez de gerar em mim o amor, faziam-me sentir repugnância por ele. Eu desejavaum carinho todo especial, delicado, respeitoso e moderado. Eu

lutava em pro Id

Os maridos recém-casados foram persuadidos a "prati- car o defloramento, com especial cuidado", a se comportar

] agora tinha

e um amor su bli nne e e erno .

t

"73

29. As mulheres experimentariam vitórias pontuais no [ma! da Primeira Guerra: para as dotadas das chamadas "exuberâncias adiposas'; a boa notícia foi o advento da cinta

elástica. Mas não foi sJ isso:

no lugar do cano das botinas, se podia ver um palmo de perna

- embora as saias insistissem em

continuar próximas do tornozelo. Segundo Barros Ferreira, até mesmo essas fímbrias de liberdade iriam encontrar a resistência de um "coro composto por muitas

pessoas, que reclamava: - O mundo está perdido! Para onde caminhamos com tão generalizada falta de pudor?': (Cinta "de bom

elástico Malhou", 1924)

394 • HI') lOR1A DI' V:LJ/\ í'RIV,AOA ~'JO BRASil

J

r,,~gntr~ SI em lodllJ IS boIS ,~.rlllaclls e druglrlas

nUA DA. QUITANUÁ.

12, aala 7

~J[ell!"JOSIJ\'O DO~U'JII'.l

30. Sob um irônico busto de Baco,

a mulher busca o remédio para

O «histerismo" e para o "nervoso'~ O desejo, a insatisfação e o mail humor eram considerados o lado

sombrio da natureza feminina, feita

de

abnegação, renúncia e perdão.

A

ela deveria caber a tarefa

de

equilibrar os afetos dentro de casa

e de ser a exewtora da política higienista que estabelecia os limites entre a vaidade das mulheres "honradas" e a libertinagem

das mulheres de "conduta duvidosa':

(A cura do desejo, 1912)

como "cavalheirose artistas em matéria de amor': pois a bru- talidade, a agressão e a violência "redundam em mal-estar profundo que se implanta na psique da mulher':74Vários conselhos foram prodigalizados pelos médicos, que se empe- nhavam ainda em definir as normas e as condições indispen- sáveis para o bom êxito do matrimônio. Para satisfazer tal necessidade o casal precisava "aprender a ser feliz"." Ultrapassado o obstáculo da noite do casamento _ ou como difícil provação para a mulher despreparada ou como um exercício de habilidade ou violência para o homem _, restava ainda outra aprendizagem: a da vida conjugal, construída graças às contorções exigidas e impostas às atitu- des e aos comportamentos dos homens e das mulheres, vistos sempre através das lentes do corpo conjugal. Para a mulher casada, sujeito a ser educado com determinação, elaboraram- se decálogos, como o publicado na Revista reminina:76

Decálogo da esposa Ama teu esposo acima de tudo na terra e ama o teu próximo da melhor forma que puderes; mas lembra-te de que a tua casa é de teu esposo e não do teu próximo;

II Trata teu esposo como um precioso amigo; como a um hóspede de grande consideração e nunca como uma amiga a quem te contam as pequenas contrariedades da vida;

III Espera teu esposo com teu lar sempre em ordem e o semblante risonho; mas não te aflijasexcessi- vamente se alguma vez ele não reparar nisso;

IV Não lhe peças o supérfluo para o teu lar; pede- lhe sim, caso possas, uma casa alegre e um pouco de espaço tranqüilo para as crianças;

v Que teus filhos sejam sempre bem-arranjados e limpos; que ele ao vê-los assim possa sorrir satis- feito e que essa satisfação o faça sorrir quando se lembre dos seus, em estando ausente;

VI. - Lembra-te sempre que te casaste para partilhar com teu esposo as alegrias e as tristezas da exis- tência. Quando todos o abandonarem fica tu a seu lado e diz-lhe: Aqui me tens! Sou sempre a mesma;

1

A 71 - Pannos hn}ú>niço5 em

bom tecido felpudo. rematados por

~~::/.;r!~e.l~~z~~l't()n' Cí)!l113$5

A 72 ~-- Cinto em ceochc t paru
~~r"i~~~~o;:~:;gO;~~~r:'\:;ci~7$fi

Talco "Míretlc' cxccl.

A 73 -

~cnt~ril~d~d~~:~lta'~;~~T:~~8$5

A 71 _ Toajbns nygknic:a;; CII\

~~~~~~.fc~:{do~{'~o'~.Jw~:~~~~6$

A 75 - Protector em l:orradlH I'

~~~:~~II~.~~~k,de!'<l'í(,~:~Çc~~12$5

Paunos hyqicmcos un MJ-

A 76 -

f~lifIt~~i:i~fel~u~o- Pac~. 12$

A 77 ~ Calça santtarta t>1I\ borra-

cha e merquíserte. rematada por

~:~~~Il~edK~~~~~~l<1-F<lbri:,13$:i

A ÓO~- Servrets bvqlcnicos "Modcss" esterflisadcs, fa- mosa prodncção de John-

~ncotef, IJohd~:~~ 9$5

A

marquisctte e borracha,

ornada de rendas delica- das. cinto de C"lastico18$5

em

hyglcnlca

81 -- Calca

Pag. Ii

A 79 - Servlets hvqtcnlcos

"Kotev". acondtctonamento

b~~~od~:~~i~~

13$5

A 82 - Servíets saunartcs

compressos da acreditada marca ingleza "Southall's"

caixas

de lima dllzia. sub-

l~t~d~d;1:1m~mun~~!~.~17$5

VII Se teu esposo possuir a ventura de ter sua mãe viva,seja boa para com ela pensando em todas as noites de aflição que terá passado para protegê- lo na infância, formando o coração que um dia havia de ser teu;

VIII Não peças à vida o que ela nunca deu para nin- guém. Pensaantesque se foresútil poderásser feliz;

-

-

J 1, De repente as vitrines ~ í'HIfÚ/(/;)S passavam f1 exibir produtos co", nv1I'les enigmdticos: U 'lI/e :,er;UI1I Kotex, Kcz, Modcss? Nas páginas de revistas t! nos grandes rnagazines começava a derrubada de 11mtabu -- ti menstruação. () mistcrio com

que a sociedade cercava I) assunto

pode ser medido por 11m episódio vivido na infância por d. Risoleta:

"Disse pra minha irmã: '~. Titia está doente, está com a doença de dona Zenaide'. Minha mãe escutou. Aí deu lima surra de couro que até hoje quando me lembro dói. Sabe a doença o que é?

E a menstruação. A patroa é que

tinha essa doença [

a gente via ela

lavando aquela roupinha meio escondido, sabe criança como é?

]

A gente estava grandinha, mas

nunca ninguém explicou, ensinou". (Artigos sanitários, 1936)

32. Sobre os ombros da mulher remía II responsabilidade pela "poetização" da vida conjugal. Para que o marido pudesse sintetizar lJa esposa esse ideal poético, entretanto, ela deveria ter como permanente preocupação o cuidado com o que era chamado de "as suas

graças '!aturais': () eventllal desleixo da mlllher com a própria aparência retirava-lhe I) direito de aspirar

à graça do marido, comprometClldo

a harmonia do lar. (Roupa branca para senhoras, 1925)

jY6

• i:~_)i'nl!::'"

IX Quando as mágoas chegarem não te acovardes:

33. Por volta de 1915 as mulheres levantavam o busto com a ajuda

do espartilho. Alguns ano.' depois, entre 1918 e 1919, 05 seiosficaram mais livres e achatados com

a introdução do "corpinho': Jorge

Americano se lembra que essa linha feminina durou "até CJuevieram

os sOlltien-gorgepara realçar cada

seio. Os primeiros faziam dois pomos redondos, os segundos, seios

agressivos, e os últimos, munidos

de bicos como de limão doce':

(Roupas brancas de preço módico,

década de 20)

luta' Luta e espera na certeza

sol voltarão;

de que os dias de

x Se teu esposo se afastar de li, espera-o.

Se tarda

em voltar, espera-o; ainda mesmo que te aban- done, espera-o! Porque tu não és somente a sua

esposa; és ainda a honra do seu nome. E quando um dia ele voltar, há de abençoar-te.

Encarnação de virtudes contraditórias, a mulher deveria fazer inúmeros ajustes e concessões para, ao mesmo tempo, preservar o tradicional ideal de pureza e de submissão, com- binar com as novas expectativas burguesas de gerência efi- ciente do lar e ainda representar em sociedade o papel de companheira adequada. A nova sociedade urbano-industrial tramava continuamente difíceis papéis a ser representados pela mulher-esposa. Não foram outras as razões que levaram a dra. Emrna Drake a escrever, preocupada: "Nada há no ca- samento que deva alarmar uma mulher";" palavras que em muito e em nada contrastavam com as de Floriano Lemos:

"Se é difícil ser mãe, muito mais ser esposa", porque "a segun-

da é criação da mulher, quem a faz é a inteligência";" Ilustrativos desse contorcionismo imposto às mulheres

foram os inúmeros concursos promovidos pelas revistas de

variedades" ao longo das três primeiras décadas do século, cujos temas foram, entre outros: Qual a mais bonita? E a mais culta? Qual delas fala melhor em público? E qual delas

melhor cultiva a difícil arte de conversar? Tais disputas não apenas punham na ordem do dia o papel do consumo e a questão dos novos sinais urbanos de distinção e prestígio sociais, como evidenciavam o quanto tinha sido aberto o le- que de exigências feitas às mulheres. O lançamento de um "certâmen" - Qual a moça que possui mais prendas de salão

e, ao mesmo tempo,

mais preparo intelectual? - em outubro

de 1922 é exemplar: as candidatas "são aquelas que formosas ou não, se tornaram sedutoras por qualidade de caráter inte- lectual, adquirida pelo estudo, pela meditação, pelo esforço,

pela cultura, enfim". São as moças que "têm o espírito apetre- chado de conhecimentos gerais e sólidas noções de arte e

literatura [

ou a

óleo, as que recitam primorosamente, as que tocam magni-

]

as que sabem fazer pintura

a aquarela

1'1'1;

<11 '.

eA.TALOGO DE

I<OUE~S /JN_/Vvr/AS E

~/~tN~7U:)

.

. 397

34. Us COI/se/I""sobre e/egrillr;d

contidos lUIS "Notas de I lennettc, da Revista Feminina, SilO rn/f/ddor('s de como os padrões rigurosos do forneço do século cntrav.im 11a5casas das mulheres: "Cumo ('lI{Ú,)

há algumas leitoras que andem em casa sem meias? llá talva (1(}q{; de senhoras casada$que pelo I1U'lUb até Il hora do almoço, ficam [0111

(I chinelo com que se levantUnl,

o

cabelo amarrado

com uma [iunhu

e

um roupão 'saco' à vOHtade

do corpo! I

)

Devemos lembm/'l1os

que nós, mulheres, fomos

criadas

para a fantasia. Todas a,

vezes qlle

nos mostramos muito materiais perdemos o encanto que riOS acltalll

os homens. É por isso que sempre

1927 achei uma coisa espantosa que uHln

mulher elegante [ se arrisque a comer lima feijoada de

]

feijão-preto

':

(Catálogo de roupas

brancas e coletes Rejane, 1927)

ficam ente piano ou violino, as que têm gosto e talento para o canto, as que dançam com perfeição, as que falam com prec~- são línguas estrangeiras, as que se exprimem .em portugu~s com correção e elegância e as que possuem vanados conheci- mentos de ciência';" Os homens também foram colocados na berlinda dos concursos e das opiniões femininas. Em 1915, a revista Cigar- ra lançou uma disputa - O melhor partido para casamento

- e submeteu alguns nomes da cidade à apreciação de suas

leitoras. O eleito foi o do engenheiro Guilherme Dumont Villares. Uma das leitoras anônimas o considerou um ótimo partido porque, além de "feio, não tem elegância e não é namorador. É trabalhador e rico. O ideal para uma moça deve ser um marido feio e rico'."

De modo paralelo e bem menos explícito ia sendo igual- mente construída a figura do homem casado:"

Não te esqueças de que (J trabalho

triste e monótono

da mulher no lar é

e de que ela tem o direito de desejar

uma palestra divertida com seu marido, quando este se encontra em casa; não deixes de fazer a corte a tua espo- sa depois de casada. O matrimónio não obriga tua mu- lher a desprender-se da ânsia amorosa, mesmo quando

já sejam muitos os filhos; não tenhas como certo que tua

esposa sabe que continuas a amá-la e que a julgas a me- lhor dona de casa do mundo; não te esqueças de que és o

trabalha e de

que ela gosta de ser elogiada; não pense que o fato de estar casada contigo seja diversão suficiente para uma mulher. Não é. Tua esposa tem o direito a uma tarde de passeio, pelo menos uma vez por semana."

A crítica a esse discurso não precisou esperar os anos 60

e o ressurgimento do feminismo. Enquanto muitas mulheres se limitavam a denunciar os conflitos e a pedir maior com- preensão e tolerância dos maridos, sem nem mesmo reivindi- car o divórcio, outras, mais radicais, pregavam o amor e o sexo fora do casamento e prescindiam da presença masculina no sustento da família e na educação dos filhos. Algumas delas deixaram documentado seu inconformismo não apenas sob a forma de palavras, mas também na prática, como Ercilia Nogueira Cobra e Maria Lacerda de Moura." Sem usar pseudônimo, Ercilia Nogueira Cobra publicou em 1924 um pequeno ensaio, intitulado Virgindadeanti-hi- giênica, no qual defende, entre outros direitos, a liberdade sexual para as mulheres. Em 1927 ela publicaria o romance

Virgindade inútil, em que relata a trajetória de Cláudia, órfã de um fazendeiro empobrecido, que, devido à falta de forma- ção profissional, o que era comum entre as moças na época, e sem fortuna para arranjar um casamento no seu meio e de sua escolha, acaba fugindo de casa e se tornando uma "corte- sã", prostituta de alto luxo. Um dia Cláudia fica grávida, mas não tem certeza a respeito de quem é o pai do bebê. Resolve ter a criança sozinha, "uma autêntica filha só da mãe" a quem chama de Liberdade, e a quem pretende dar uma educação livre de preconceitos e uma formação para o trabalho produ- tivo fora do lar. Inquirida sobre a aparência da filha, a mãe responde que a menina não se parecia com o pai, mas com uma outra moça, com quem mantivera relações sexuais du-

rante a gravidez

único espectador para quem tua esposa

ss

3S. Fim dos víllculos rrwtrimcnzlai.',

(1m da obrigllloriedadc de g"mr filhos, foram "atalhas travadas por Ercilia Nogueira Calml,

llue denunciava

em alto e lJ011Jsom

a dupla moral que estigmatIzava

as mulheres lJue ousavam viver

a sexualidade fora do CClsamellto.

Paraa escritoru, "os homens '10 afã

de conseguirem 11m meio prático de

dominar as mulheres, colocaram-lhe

a honra entre as pernas, perto

do ânus, num lugar que, bem lavado,

lião digo que lião seja limpo e até deliciosopara certos misteres, mas que nUllcajamais poderá ser sede de uma consciéncia. NUII,"a'!Seria

absurdo! Seria ridículo, se lião fosse perverso. A mulher não pensa com

a vagina riem com o IÍtero".(Ercilia

Nogueira Cobra no Rio de Janeiro,

1929)

Ercilia pertencia a uma família decadente de fazendeiros. Ao ficar órfã, recebe uma educação "para o lar", foge de casa, é internada no Asilo Bom Pastor de São Paulo, destinado à recuperação de "moças perdidas", torna-se professora e na década de 30, sob o pseudónimo de Suzy, transforma-se em dona de uma casa de mulheres em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. Em uma carta à mãe, datada de 27 de setem- bro de 1934, escreveu: "Relativamente fui uma pessoa feliz. Fiz o que quis na vida e continuo fazendo o que quero! Os preconceitos estúpidos desta sociedade em decadência à qual a senhora pertence nunca me incornodaram'l'"

400

~!SI"tlh

U.A.VluA I RIVA[)A NO BRASil

J

o DECÁLOGO DA BOA DONA DE CASA

36. 37. 38. 39, O estimulo

ao consumo ocupavatodos

os espaços, Os magazines seduziam

o público commaravilhas

domésticas:vassourasde sucção. máquinas de lavarroupas. ferros elétricos. "Urnasenhora que se apetreche em sua casa de todos

esses utensiliosI economiza largas horas de árduo trabalho. gasto de energia. impertinências da lavadeira';festejava a Revista Feminina em 1920.Não eram exatamente estas.no entanto. as lembrançasde urna empregada doméstica da mesma época, colhidas por EcléaBosi:"Paralimpar

J

o assoalho eu espalhava areia

nas tábuas e esfregavade joelhos. com um tijolo.Depois varria, jogava água e puxava com um pano torcido. rodo não existia.Imagina como ficava o rim de quem esfregava o tijolo!': (Sem título, /920)

Embora o discurso dominante pregasse às mulheres uma norma elaborada pelas elites sobre o papel da esposa e dona de casa, e para os homens o papel de chefe de família - regras de vida que deveriam valer para toda a população -, pode-se dizer que foram sobretudo as mulheres das camadas abastadas das maiores cidades que se ligaram aos seus maridos pelos "indissolúveis laços do matrimónio" civil e religioso." E acaba- ram afastadas das atividades produtivas realizadas dentro de casa, usufruindo dos novos bens de consumo, e dedicando-se exclusivamente à administração da casa e aos cuidados dos filhos, sob a retaguarda de um marido provedor. Apesar do desejo de muitos intelectuais e profissionais das camadas dominantes de espelhar homens e mulheres brasileiros pelas imagens da burguesia das duas maiores cida- des do período - as capitais do progresso, Rio de Janeiro e São Paulo -, essa não era a realidade vivida pela grande maioria dos brasileiros. Os padrões de comportamento bur- gueses, a modernidade e o consumo foram absorvidos de forma desigual pelas diferentes regiões e cidades e pelas dife-

rentes camadas da população. Grande parte do país perma- neceu fiel à agricultura, seja sob a autoridade dos ricos fazen-

deiros, proprietários de grandes plantações, onde em geral

era cultivado um único produto para a exportação; seja como morador das pequenas propriedades, cujo número vi- nha crescendo desde o século anterior," Nem todas as cida- des puderam realizar a modernização desejada, em razão da

falta ou do mau uso de capitais. A industrialização, por seu lado, embora tenha deslocado progressivamente a produção para fora do domicílio, não destruiu de uma só vez as formas tradicionais de produção e sobrevivência." A maioria das mulheres vivia relações conjugais consen- suais, sem uma presença masculina efetiva no lar,?" ou convivia com companheiros que não tinham um trabalho nem efetivo

nem regular," Juntamente com os serviços domésticos realiza- dos da maneira mais dura e tradicional, cuidavam dos filhos e exerciam várias atividades ao mesmo tempo, para prover a própria subsistência e a da família. Muitas dessas atividades eram extremamente pesadas, em nada correspondendo à frágil natureza feminina ensinada pelos médicos e juristas, como a

derrubada das matas, a construção civil," além de outras mais conhecidas, como a confecção de produtos manufaturados, o pequeno comércio e o artesanato doméstico.

A fragmentação do tempo, a casa como local de produ-

ção e as condições de trabalho da dona de casa pobre eram percebidas no período e foram registradas de forma bastante eloqüente num artigo da Revista Feminina. Ao elogiar o tra- balho das rendeiras nacionais, a autora assim se refere às

condições de trabalho:

Não podemos imaginar como uma mulher ignorante, sem a mínima cultura, possa executar obras tão lindas e preciosas. Elas trabalham, na sua maioria, sem ordem, sem conforto, sem o menor tempo necessário, tendo mil coisas que fazer na mesma hora, sentadas na areia, ro-

deadas pelos filhos que as chamam de quando em vez, das filhas às quais procuram ensinar a arte desde crian- ças, cercadas quase sempre de galinhas e animais que criam, deixando por vezes a tarefa que se empenham para atiçar o fogo, temperar a panela, lavar a roupa da

casa, que sei eu?

dona de casa pobre que tem que fazer todos os serviços.

E estas rendas saem perfeitas e limpas como se a artista

que as tivesse executado tivesse todo o conforto e uma

para atender os mil labores de uma

sala de trabalho convenientemente preparada."

É certo que, com o desenvolvimento industrial e urbano, o acesso a uma melhor escolaridade," a divulgação pela im- prensa de uma participação maior das mulheres no espaço público depois da Primeira Guerra, sobretudo na Europa e nos Estados Unidos, o avanço do feminismo e as freqüentes reivindicações das mulheres por maiores oportunidades aca- baram por abrir algumas novas profissões para as brasileiras

4U, 41, 42, 43. A diversidade de trabalhos realizados pelas mulheres pode ser constatada nos diferentes tipos de imagens veiculados no período. A caricatllra [reqúentemente associou a urigem étnico-racial das trabalhadoras a determinado tipo de atividade. O que não correspondia à prática

cotidiana. Assim como havia lavadeiras, amas-de-leite, vendedoras ambulantes, cozinheiras e ",esmo médicas e professoras negras, havia igualmente brancas e de diferentes nacionalidades. (40. Escritório da Frank & Coo Ltda. - Bahia, 1924; 41. Marc Ferrez, Vendedora de

miudezas,

C. 1895; 42. Cia. de

Cordoaria

e Celulose, Rua dos

Ourives 61, Rio de Janeiro, 1924;

43. O Elixir de Nogueira, 1917)

fora do lar." Esse progresso feminino, no entanto, precisa ser tomado com cautela, uma vez que havia certos limites para a aspiração feminina: eram inúmeros os empecilhos ao acesso a determinadas profissões." As ofertas disponíveis, em geral, estavam próximas daquilo que se considerava uma extensão

das atribuições das mulheres: professora," enfermeira, da- tilógrafa," taquígrafa, secretária, telefonista, operária das indústrias têxtil, de confecções e alimentícia. As mulheres ca- sadas, de acordo com o Código Civil, precisavam da autori- zação do marido para exercer qualquer profissão fora do lar

- atividade que só era considerada legítima quando neces-

sária para o sustento da família, raramente para realização pessoal. Ainda assim, esperava-se que as mulheres, antes de se dedicar ao trabalho remunerado, fossem boas donas de casa:

"A mulher que estuda parece abdicar dos deveres domésticos [ ] toma uma posição falsa de desconfiança para a socieda- de, que geralmente a julga inapta para exercer o elevado sa- cerdócio do lar. É este, pelo menos, o conceito que a grande

maioria do nosso povo faz da mulher que ultrapassa as limi- tadas raias de ação concedidas ao seu sexo, no vasto campo

da atividade intelectual! Ser HOA DONA DE CASA, no entanto, deve ser uma qualidade intrínseca da 'alma feminina', não

importando

se de uma doutora

ou de uma engomadeira

[ ]".94

Mas o que era ser uma boa dona de casaj"?" Os anúncios das principais revistas brasileiras mostram que algumas casas das primeiras décadas do século já estavam bem aparelhadas. Com a eletricidade, já se podia substituir o ferro de passar aquecido com brasas e obter gelo para conservar os alimen- tos. De acordo com a condição de riqueza, a dona de casa poderia escolher o tipo de fogão, a lenha, a carvão, a gás, elétrico ou a querosene; a indústria começava a beneficiar e a produzir muitos dos alimentos que antes eram elaborados em casa. Apesar da aparente facilidade, traduzida por uma gama variada de aparelhos elétricos oferecidos ao público e por anúncios, nos quais as mulheres executavam os mais di- fíceis e sujos serviços domésticos sempre sorrindo, ainda era muito restrito o acesso a novos utensílios e a serviços como eletricidade e água encanada. Os novos bens de consumo beneficiaram apenas uma parcela da população, composta daqueles que podiam pagar e aqueles que se decidiram pela novidade, já que a relação dos consumidores com o novo não foi automática'?' e nem sem conflitos.

404

I W>í')~'!A

DA VI,,·, PRIVADA NO

BRA.SII :l

A dificuldade em substituir hábitos tradicionais pelos modernos pode ser verificada até mesmo em alguns costu-

elementares, como o uso da

água encanada e de sanitários. Na cidade de São Paulo, por exemplo, em 1893, para forçar os moradores de certos bair- ros a incorporar em suas casas essas contribuições do pro- gresso, o serviço de águas da Cantareira mandou demolir os chafarizes dos largos do Carmo e do Rosário, que tradicio- nalmente forneciam água à população.'?' Gregório Bezerra (1900-83), líder comunista pernambucano, referindo-se ao período em que trabalhou numa casa de família fazendo ser- viços domésticos, quando tinha cerca de dez anos, lembra-se que seu patrão, um senhor de engenho que vivia em Recife,

mes que hoje podem parecer

44. ue» se sabe bem por que razão

a mulher monopolizou tão

completamente o telefone, uma das maiores "invenções do homem'; inquietava-se o editorialista da revista A Cigarra, em fevereiro de 1918. Por ter uma "natureza

tagarela e bisbilhoteira? Talvez essa qualidade ou esse defeito

a

indicassem naturalmente para

o

interessante mister de ensinar

os

outros a falar a distância

';

concluia o artigo. Apesar do tom

anedótico, o que se verifica nas primeiras décadas do século

é o domínio efetivo do sexo feminino

da profissão de telefonista. Menos

que por causa da tagarelice, será que

a profissão não acabou se tornando adequada às mulheres pelo fato

de trabalharem em local fechado,

sem se expor aos olhares do público? (Sem título, 1921)

kF' ()!\lOlfO:':' 00 MUNDO H:f'/\ir'j!I"~',-) • 405

comprou uma casa com muitos cômodos: "O velho mandou saneá-la, forrá-la, entijolá-la, pintá-la por dentro e por fora, e

fazer um galinheiro [

lavava com sabão toda a louça do banheiro, o piso, areava e

lavava a bacia da privada duas vezes por dia e apesar disso, a

família latifundiária [

porcelana". 103 Como constata Gregório Bezerra, a utilização dos recur- sos mais modernos nem sempre significou um ganho de

tempo no que se refere ao serviço doméstico, já que outras tarefas foram incorporadas ao cotidiano.!" como também novas medidas de higiene preconizadas pelos médicos e uma crescente exigência do cuidado materno com os filhos, tanto físico e moral quanto educacional. Em seu artigo "Educação materna", publicado em 1915, a dra. Emma Drake ensinava:

"Muitas mães porém não compreendem que elas concreti- zam a idéia abstrata do lar e supõem a sua tarefa terminada quando os seus filhos estão nutridos, vestidos e preservados contra uns tantos perigos. A sua principal missão porém é preparar os seus filhos que serão os homens e mulheres de amanhã'l!" Nesse sentido, esperava-se que as mulheres do-

minassem um pouco de diferentes assuntos: "[

naturais, a higiene, a física, a química, a astronomia, a mate-

Minha raiva era grande, porque eu

]

]

só cagava e mijava nos penicas de

] as ciências

45, 46. A fachada do palacete lião deixava entrever o que se escondia

no quintal. Ao mesmo tempo

que frente e fundos se estranhavam, eram inteiramente solidários.

A metrópole paulista que crescia em ritmo acelerado no início

do século justapunha tempos diversos

na mesma arquitetura: a casa urbana guardaria ainda por muito tempo claros sinais de auto-suficiência. A edícula catitava, por exemplo, com área e "prado"

reservadospara patos, perus e galinhas, sala para os ninhos e incubadora. Acomodava um hortelão para os cuidados com a horta

e o pomar que, ao lado do jardineiro,

formava o direito e o avesso da mansão. (45. Residência ). Malta, projeto do escritório Samuel das Neves, s. d.; 46. Projeto da nova casa do Exmo. Sr. ). Malta na avenida Higienópolis esquina da Rua Itacolomy, São Paulo, s. d.)

406 • HIS iORIA L'A ViD.A PklVMM

1'10 BRASil J

mática, a geografia, as artes, as indústrias, tudo, representa uma necessidade real! A mestra deve ser a Mãe, e é preciso que a mulher tenha uma soma grande de conhecimentos, para não perder uma interrogação do filho",'?' Havia, portanto, muito trabalho ainda para ser feito. Daí a necessidade de ter método, organizar bem as atividades a se realizar no dia-a-dia, aproveitar o tempo e, mais do que isso, fazer uma "administração científica" das tarefas a se desem- penhar, para que as coisas não fossem feitas de atropelo, evi- tando-se, assim, o tão temido mau humor, imagem freqüen- temente associada ao "anjo do lar":

A mulher, ainda a das melhores qualidades, mas cuja casa não seja bem dirigida, que não saiba distribuir o

trabalho pelos outros, que ignore a ciência da divisão das

movi-

mentos de impaciência que em seguida lamentará amar- gamente, mas que nem por isso deixará de trazer a per- turbação e o incómodo ao interior da família! Para ser agradável aos seus e para ser bem servida pelos criados é preciso que a dona de casa seja dotada de uma inalterá- vel uniformidade de gênio. Mas é fácil de compreender que tal serenidade de espírito não se obtém senão numa casa. bem disposta e bem-ordenada, onde tudo esteja previsto e regulado de antemão, e isso, seja qual for a situação social: humilde ou elevada.107

horas, essa mulher de coração excelente há de ter

Segundo o manual O lar feliz, o emprego do tempo da dona de casa deveria ser assim dividido: pela manhã, arejar as

PfCONDIIOS DU M'JNl>,.l 'lI/dNI~,'~

407

camas; preparar as roupas; limpar "os trastes"; fazer o almo- ço, que, embora frugal, deveria sempre apresentar aspecto agradável; fazer a limpeza da casa; cuidar do vestuário das crianças; almoçar com "os petizes"e os fazer ir para a escola; abrir as janelas; ajeitar as camas; arrumar os quartos; varrer, enfim, pôr tudo em ordem. Isso terminado, a boa dona de casa deveria fazer a sua toalete e, com aspecto sempre jovial, dar início ao jantar, de modo que ficasse tudo pronto para receber "o chefe" e as crianças; lavada a louça e reposta em seu lugar, a maior parte da tarde seria preenchida com a lavagem da roupa branca que, em seguida, seria consertada (nem um rasgão se deixaria para o dia seguinte) e passada a ferro. Feita a refeição da tarde era hora de as crianças irem para a cama. Esta era considerada como sendo a melhor hora para a dona de casa cuidadosa "verificaro estado da roupa de todos, para assentar as despesas do dia, para verificar o que havia de sobras no guarda-comidas e pensar no cardápio do dia seguinte'l!" Ao lado dessas atividades,o cotidiano incluía ainda uma série de outros afazeres difíceis e demorados, distribuídos pelos dias da semana: na segunda-feira,separar a roupa para ser lavada e preparar a barrela; na terça, lavar; na quarta, dobrar e separar aquela que deveria ser consertada; na quin- ta, fazer os consertos; na sexta, passar; no sábado, fazer uma limpeza geral que incluía tirar os tapetes e sová-los no quin- tal com um batedor especial'?" (porque os aspiradores de pó praticamente só eram vistos nas páginas das revistas), limpar o assoalho - lavando com água, esfregando com areia e tijo-

47, 48. A força da modernidade não

conseguiudestruir muitos dos costumes tradicionais. A moda dos apetrechos de higiene - banheiros ladrilhados

e cobertos de capachos, prendedores

de papel higiênico, estoios de toalete

- ainda teria que conviverpor muito

tempo com o Brasil da maioria:

o

dos penicas, das escarradeiras

e

da velhafossa negra. (47. Utensílios

domésticos, 1925; 48. f'OSSa tipo "Mauro Alvaro Gonzaga", São Pau/o, 1923)

60v .

"O!lUJOP J Opep!A re um UlJ 'OJU!Z JIqOS no surpad JIqOS .leJ -JS e siodop e-opUJpUJ1SJ 'O~JU!lS!P UlJS 'J1UJIJ e BpOl Jp ed -nor e urarrusnu Sel!JpeAIlI se en~y eUlSJUl Il J oçqes OUlSJUl ° UlOJ 'HIl" srod 'Jpepp IIp sopearode sreiumb sop no SOJ!110J

dp seun seu d sanbuei UlJ sepeAeI sednor se BJUeyUOJSâp UlOJ elA crome y ;,;;lUlnJl;;ldJ OJ!A 'lOJSJIJ" lJl urossapnd sep!pUJ1SJ ssdnor se ;;lPUO'seAl;;lJ JwepunqB J1UJIIOJ en~y JssâAnolI ;;lPUO'sopelos! sâPleqelle ura 'elO) WJSSIlIOUlanb Sel!âpBAeIared osn ;;lpsednor sens lep wepâAâp sesojndod S!BWsJpepp sep s;;llopelOw so ânb IlU!SU;;l'SVrt!OU svp O.M!} nâS OU 'ep!JWIV ;;lpS;;ldol Il!{!)f 'seSO!~elUOJSuJU;;l0P;;lp seI -opel10d seossJd Jp osn ;;lpseJâd wm 0lelUOJ op OJSp 0IJd SâQZBlsellno JllU;;l 'eseJ ;;lp RIO] ednOl e leABI Ul;;lssepuew o~u Jnb e!IJUle] Jp SJ!1WS~ UleABpUJWOJJlSOJ!NUl sO m"sufns sednOl âp smmOll SJpuoq sou o~!sum wJleAJI Jp Sel!JpeAeI se Op!q!old lJl Jpep!1edp

-!unw e Jp 01e] ° OSS!e JJSJlJy 'SJIOUJW ZJAepeJ

-!SJl eled no sonbu!~uoI s!ew ZJAepeJ SOll!eq eled 'sJlqod

SJIOpelOW 5011no WOJ J1U;;lWelunf 'seslndxJ WelO) -CAeISel!nW 0popJd OWSJW0N 'sOJ!{ql)d sJzpe]elIJ J

se leZ!{!ln âp sep!q!old WelO] sJpepp sewn~p~ Jp Sel!JpeAeI se s!od 'olel J oso!puJds!p opUJS OUlOJ SJssod Jp eseJ Jp

seuop selJd 01S!AlJS e nossed OJ!A1JSJSSJ 'oJ!{ql)d oJedsJ ° leZ!UlJpOW JS WJ o!1JednJOJld J1UJJSJ1Je J sâpepp sep O!1J

sepu~p

Sel!Jp

SJluoJ

-ez!uJ!~!lI Jp oAqJfqo °'oueqm 01UJUl!AIOAUJSJp°WO:) "e!pelOW ;;lp° J 0'11 -eqlll1 ;;lpIeJol ° ;;lllUJo!1JeledãS e lJJJ'lUOJ W;;lS'seseJ sens Jp OJU!ZJp sopelIPl J (IelU!nb ou weJnssod seseJ Sel!nUl ;;lnb selI{!nblOj ;;llqOSselBA âp SOpBllSJ) sml!f UlJ 'S01l1Ul sou e-opu;;lpU;;llSJ'BdnOl e UlP-!AIJ]Jnb UlJ S;;lQ~OjSOUlSJUl sou SJQJ!Jpl se OpuelU;;lnbsJ';)lA!1IU oe ep1mJOfe UleABssed 'lOSopd upeUl!Jnb ;;lIJd'SepefJle; S0!1Ul'snu SOJelS "SOJ!110J sop sm!{ql)d sJnbUel sou no sJpepp se WUAe1l0J;;lnb sop

J SO~J119Jsop SUJ~leW seu 'sJzpu)elIJ ;;lSJ1UOJsuu JS-Ule!U

-nJl Sel!JpeAeI SY "s;;llJlIlnUl se eled epuãl Jp ;;llUO]J1Uel

-lodw! ewn 'opojJJd ou 'e.lJ SI'

WJ~tlAPIy 'sOJ!lSyUIOPSOJ!AIJSso UlOJ J1UJWC1Unf'eseJ

OllUJP epuv!1bJJ] WOJ SCpelnJJXJ 'S13PUZ!lOjCASJpS!13Ulâ sep -13Jy!{unbSOUJlUSU)d1131S13UplJXJ d 0'lIequ1l dp IUUIlO)opeJ -lâW op PPlnpxJ PABlS3'le!{!WIl)odTIl~ op e!JU\)A!AJlqosepd IJAysuods;u P-lâ 'OJ!lS)llUOPOJ!AIJS° 0POl lUZ!{E;)l dr lU?IE

l!J[!se.lqsJpepp

seu ednol

ep

Jp

Uf,ii['1IW1J rYJt'Jn\iV (J(j SOlIUNÇ':):}<:I

'SJlãlI{nlU sep euoreur âpUEl~ U'xx 0InJys op 0PIU! 0N f1dsepe'lIow opuanb sopnb E1UJ1JSlESJd U weAe~JlIJ 'EIOJ EICd eAEAEIep anb J leJl ou SEppJl '!lI WOJ opepsaur o!1po~Ie Jp Sel!J) 'selIJIOJ sy "e!IJweJ ;;lp ourure '0!11UJ'elJ anb 'J!1Ulens âp 0lIIEqEll Jp OSSJJXJ° uroo 01JJ op OUpSJp ° eUOpeIJl snso] ;;lp EpeW EU!{OlE:)-ououmeu O!1Wl!11;)S oa JS-OPUP;)P'H "eplIle adnor opueAeI OS1I1J;)1Uln~IE lJlqo ared JssoJ 'emUleJ ep ednor e leAeI EICd JSSOj';)nbUel oudçrd ° lJlIJUJ ered eJ!q eUln~e uro JUâSOlJnb Jp SElEIUlJ en~y leJSnq Jnb elIu!1 epo!ew y 'eUllOU e elJ O!lUeSSJ'SEl!JpEAeI Jp OJ!AIJS ° UlOJ leluOJ lUE!pod SâlJlIlnUl sEwn~IE JS 's!odJp sepeJ)lp S!tlnsn wep -eulol JS ânb 'SOJ!l?lU!Ssop so Jnb op SJIO!elUOl!nUl UlelJ O!JSnUEUlJp SJpCPInJy!p J OSJd 0fm 'UlPOUl ° J o!1po~Ie ° 'OlIU!{° Ulelâ ESJWJ EWeJ Jp EJUelq Ednol Jp O!1JJJJUOJeu SOpeZ!{!lnSOPPJl so Jnb lelqUlJI JIeA 'SEpeWO~UJJ sepPlol 'SEpen~eXUâ'SOlnopelenb sou selsod 'sepEl!ue lUEIJ SeJUElq sEdnol se 'SEP!1eqJ sepU~âljSJ Jp s!odJQ 'En~y Jp SOll!{elupl

E

ednOl E lJAlJJ UlJ e!1S!SuoJe!A!X!Iy

Jp EpeX!Jp J 'J1UJAl;)jen~y JS-eAeUlellJp J sezup

JS s!Enb so dlqOS 'SJQpeq WJ epeJoIoJ ElJ ednol

E JS-E!ZEjednOI E leJJEp J el!dfns e lEl!l eled "Jfo'l SOul

-JqES O!1Us9U Jp SOl!nUl opeJ9!u~!s

SZ Jp 0pUJlum SEleI WJ e!JUl J SEIOlIsenp Jp EJIJJ lOd

'J1U!n~JSE!P ° ?le 0lIIoW

Ule!ZledsJ

y "eIdllEq

0fm sP.lAeIed- E!A!x!I

eu J eIJlleq EU sepEzlI!1n SEZUp seIJd sepeUl!Jnb SO!1UlJ OdlOJ ou SJIOp 'seJJS sEdnol se lJ'lIOJJl Jp SJlue 'e!p op Uly ou opelInsJl OUlOJ eqU!lqo eSEJ Jp euop e 'en~y âp E1Iej e ellum OpuElnI 'sefns sednOl SES0!1Ul se wm opue~JlJs3

'"leI op B'lU!el" lJS BAeJ!:J!u~!slU?qlUel Jnb o OulS!Ul -;))11J UlãS EIJAâl Jnb OJ!sJ]J1SE~SJpJWIOUJ wn J OJIl)JIJlI OJ -lOJS;)lUn opUelUãSJJdJI 'OljIEqEll Jp selOq e!lUnsuOJ EdnOl

ep UlJ~eAelep

sop J leAeI dp seU!nbylU SEp O!lJl'.zpElndod EP SJ1UeJ 'SeSEJ SV JSSE~JlIJ tln~y ãp 011J!nqpls1P Jp JpJI E Jnb SJ1UY Z1I ;,tmnod mn ;lBJSSEdSBI-\)ZP]Jp PâAelI [eUl ânb 'SEI!ân~U!UlOpselIu -!dnOl wm SBJUE1JJSE SElIU!P!lSJÂ'e!IJUlEJ~ âlUãWEJ!â1U! opBl~eSUOJ E!P ° )l" 'l'.lJds)lA Jp SEpElEdJld lUEIOj SES!OJSE OUlOJ'Wâg '''O~UllUOP 0N 'Ol1AOJSJopESJd wn wm IEllsnl J1UãlUIEUyEled 'solIpof Jp Opnl 'OPU1JldJUâ ;l (OpOl e~AElI 0l1Us!od) oUEd lUOJ OpUEJ;)SIII'OJOJ âp lDSIDWOJ no 011°1

Itlnl!l ° 'SOPEz!1l'.plSnpu!eZJdw!I Jp sOlnpold

l lISV~g011VI]W,I~d\fOIA V'l 'il~OlSIH • 8üV

49, N05 minú5culos

espaço5

dos cortifo8. lavadeiras esfregavam e batiam a roupa da freguesia, servílldo-5e de água transporttldtl na cabeça em velhas latas de querosene. A roupa l<IVadaera posta para branquejar em "pilhas

e trouxas, sobre as pranchas pousadas em cavaletes ou espalhadas pelo chiw'; Torcida e pendurada em cordas ou em arames esticados,

que ia m de Ctlsa a casa, cada peça

de roupa levava ti marca do seu proprietário. Se não era no cortiço, eru na várzea 'll'c se podia encontrar

a "roupa batida, roupa cantada'; porque, como dizia o ditado, era "destino das lavadeiras lavar cantando'; (Augusto Malta, Velhas edificações (morro do Castelo),

Rio de Janeiro, 1920)

À noite recolhem e guardam a roupa no mesmo quarto em que dormem com a filharada, entre os amontoados dos tras- tes e dos trapos, As lavadeiras do campo têm geralmente mais largueza, vivem em casas maiores, ninguém ignora que as casas da cidade são mais caras, a vida mais cheia de exigên- cias e que portanto os pobres têm que acumular e restringir enormemente'I'" Importante destacar que para a autora a contaminação parece ser uma via de mão única, já que as doenças que poderiam ser transmitidas pela roupa suja às la- vadeiras não são sequer mencionadas, bem como não há re- ferência às queimaduras, doenças pulmonares, reumatis- mos e abortos a que estavam sujeitas, em razão do grande desgaste de energia muscular, da alternância do frio com o calor, do contato com roupas contaminadas e de mudanças freqüentes do tempo.!" Numa reportagem publicada pela Revista Feminina nos idos dos anos 20, anunciando as "maravilhas elétricas'; em

que são apresentados vários utensílios domésticos que facili- tam o trabalho da dona de casa, as vantagens da máquina de lavar roupa são reforçadas pelas dificuldades de se contratar o serviço de lavadeiras. Estas continuavam garantindo a brancura das roupas, mas seu trabalho implicava extravio e trocas de peças, e rasgões provocados por arame farpado; sobretudo, elas representavam problemas, já que as lavadei-

e

ras nas capitais estavam se tornando "exigentíssimas [

]

DONAS DE CASA

annotem esta novidade!

• 411

50, 51. Além das advertêtlcias

higiénicas, recomendava-sc à [utura

dona de ca5a que, na preparação do enxoval, marcasse cada roupa com o mesmo 5ímbolo. Evitaria

o extravio das peças e facilitaria

o trabalho das lavadeiras, já que a grande maioria era analfabeta (50. Eu já adotei um emblema pessoal para meu uso, 1933; 51. Sem título, 1933)

têm o direito de ser assim, porque não há concorrência na praça. As mulheres do povo dificilmente condescendem em exercer essa tarefa e muita razão têm elas, justificável na constante falta de água, nos longos dias sem sol e na falta, em seus quintais, de espaço bastante amplo para quarar a rou-

pa",117

Se o cuidado com a lavagem da roupa era algo eventual- mente remediável, fosse pela substituição por outra peça, fos- se pelos padrões de higiene de então - os banhos e a mu- dança de roupa branca eram muito menos freqüentes que na atualidade _,118 o preparo das refeições era um trabalho que dificilmente poderia ser deixado para mais tarde ou substi- tuído. Permanecia como uma tarefa rude e pesada, mesmo nas casas que contavam com os benefícios da modernidade, como água encanada. esgoto, gás e eletricidade, progressos, vale lembrar, a que bem poucos tinham acesso nas primeiras décadas do século.'!" O duplo sentido da letra de uma mar-

chinha de Carnaval de 1919, transcrita por Nelson Rodrigues, é revelador do problema: "Na minha casa não racha lenha, na minha racha, na minha rachai Na minha casa não falta água,

na minha abunda"?" E Afonso Schmidt,

na crônica "Secas c

52. Ao se referir à luz elétrica,

os médicos enumeravam,

ao lado

das facilidades, os maleficios

causados pelas formas tradicionais de iluminação, como o gás,

o petróleo, a benzina, a vela

e o lampião. Causadores de lenta intoxicação, esses combustíveis eram considerados maléficos. A luz elétrica, ao contrário, além de ser um recurso fácil, não roubava oxigénio, não envenenava o ambiente com gases letais e não superaquecia

o ar. Para economizar, aconselhava-se que a dona de casa tivesse uma lâmpada presa a um fio comprido para se locomover nos diferentes cômodos da casa, carregando consigo

a iluminação. (Lâmpadas Edison

Mazda A Última Palavra, 1924)

inundações", conta que nos períodos de estiagem prolongada as torneiras de muitas casas da cidade de São Paulo funciona- vam como cabides! 121

. Embora algumas donas de casa já tivessem fogão a gás,

sinal de bom gosto e prestígio da família, este permanecia

no uso diário acendia-se o fogão a lenha

ou a carvão, chamado de "econórnico'l!" para o preparo das refeições mais elaboradas, e a espiriteira, para fazer comidas rápidas e para esquentar água. A cozinha higienizada, veicu-

lada pelas revistas desde as primeiras décadas do século, com ladrilhos, paneleiro repleto de panelas de alumínio reluzen- tes, fogão elétrico ou a gás, mesa, pia com água encanada, boa iluminação comandada por uma cozinheira branca, com avental impecável, elegante, bem vestida e de sapatos de salto alto, elaborando pratos tão complicados e sofisticados como

o Foie Gras à Brasileira.!" ou a Sopa Teológica, 12~ acabou por

apagar das nossas memórias suas antigas configurações e funções. 125 Muitas cozinhas permaneceram até meados do século como um apêndice da casa, um puxado coberto por telhas-

encostado, enquanto

vãs, voltado mais para o quintal do que propriamente para o interior da residência. Era um lugar quente, enfumaçado, cheio de picumã, engordurado pela carne-seca, lingüiça e toucinho pendurados no fumeiro, com os tijolos do chão desgastados pelas pancadas do machado na lenha, onde a dona de casa permanecia de cócoras, debruçada sobre ga- melas e peneiras, ou em pé, socando o pilão, o que deixava as mais novas e inexperientes com as mãos vermelhas e cheias de bolhas em razão do esforço repetido, sendo freqüente- mente obrigadas a parar o serviço para matar baratas, espan- tar as moscas ou lutar contra o exército de formigas. Ali era realizado um trabalho cansativo, demorado e sujo, seja pela preparação dos pratos, seja pela limpeza das panelas engorduradas e enegrecidas pela fuligem. Basta to- mar como exemplo o consumo de aves. Antes da populariza- ção da geladeira, mesmo nas cidades e nas casas mais ricas, sobrevivia o costume ancestral de manter galinheiros, onde

~['f·II[JII0'.

DO f1olnl[JU ,+MINII'~() • 413

53. 54. "Não há incompatilnlidade entrt: ii elegância e os deveres domótiros'; garantia a imprensa [emimna da década de 20. Era esta ii idílica representação da vida doméstica então difundida: para enjrentar o forno e o fogiío lU' sua cozh.ha "higienizada': a mulher trajava vestidos lânguidos, sapatos de salto alto e aventais adornados com engomados laçarotes. (Sem título, 1920)

eram criados frangos, patos e perus. Antes de ser abatidas, as aves eram examinadas para se diagnosticarem possíveis doen- ças e passavam por uma quarentena de cerca de três dias, tempo suficiente para que eliminassem das entranhas "qual- quer porcaria que houvesselrn] comido sabe-se lá onde" e se livrassem de "canos e bicheiras"!" Para se transformar em alimento tinham que ser mortas (em algumas receitas, como

o Frango ao Molho Pardo, era necessário colher-lhes o san-

gue fresco, em pleno abate), depenadas em água quente, cha- muscadas, abertas para a extração das vísceras, lavadas, pi- cadas, temperadas, moqueadas e, finalmente, cozidas ou

assadas no próprio fogão ou em fornos a lenha. Para a limpeza das panelas e frigideiras de ferro, pedra,

barro, cobre e, modernamente, alumínio, consideradas mais econômicas e higiênicas."? utilizava-se sabão feito em casa

com uma mistura de cinzas e folha de pau

panelas eram areadas com arda, cacos de telha reduzidos a pó, e batatinha.!" para ficar brilhantes, deveriam ser postas para secar ao sol no jirau. Além de ser o local onde eram

de pita.!" As

pilados diferentes produtos, preparados os alimentos e lavada

a louça, a cozinha era também onde se guardava a bacia para

banhos e se fervia a água, banhavam-se as crianças, passava-

se a roupa e onde, em muitas casas, as empregadas

sobre esteiras. Poucas casas conheciam a função, divisão e restrição de espaço, modernidades preconizadas e prescritas

dormiam

l'f~iVP

D,·'\

r',j() BRASil

3

55. Levou tempo para que" uso do gelo e da geladeira se popularizasse no Brasil. Um comerciante do Serro,

no interior de Minas, ao receber um medicamento conservado em gelo,ficou tü" maravilhado que pendurou a novidade na porta

de sua loja, enquanto almoçava.

Ao retornar, no lugar da pedra de gelo encontrou apenas uma poça d'água no chão. Indignado, exclamou: "Moleques sem-vergonha! Furtaram o gelo e ainda urinaram

na porta!': (Verifique as dez vantagens do novo G.F "De Luxe",

1933)

Verifique as dez vantagens do novo G.E. "De Luxe"

não só por higienistas, engenheiros e construtores, como pe- las posturas municipais.!" Assim como a lavagemda roupa, o preparo da alimenta- ção e a limpeza da casa, passar e engomar a roupa eram ati-

vidades igualmente exaustivas e demoradas,

cido com brasas pesavaentre três e cinco quilos.':" Para que o serviço fosse feito com rapidez e eficiência,era preciso que a dona de casa contasse com três ferros; um terno de linho

exigia, para ser passado sem interrupção, pelo menos

ferros previamente aquecidos,132 O desgaste físicosofrido pelas "rainhas do lar" no exercí- cio do trabalho doméstico pode ser avaliado por um texto publicado na Revista Feminina de 1920,na qual a autora con- voca as leitoras a desobedecer à moda que preconizava o fim do uso das luvas, "essa moda antidemocrática, criadora de uma irritante desigualdade entre a mulher que trabalha, mu- tilando as suas pobres mãos, e, a ociosa, que as poupa e res- guarda de todos os perigos, para afrontar com sua beleza criminosa, as santificadas no cumprimento das ocupações

Um ferro aque-

cinco

fO(iÕ~S

f' CONOMICOS

~M[:I~IG'NOS

~. Lt::MH~

~'C~Rvi\o

~'OI\Z

Peçam Ilatalogos e mais lnfornações, mencionando o nome desta Rllvista á

r, H. I(RISCHI(~

Rua da Boa Vista, 30

Caixa postal, 900-S. Paulo

56. Entre os diferentes tipos defogáes usados, o elétrico era ammc:iado como o melhor e o mais asseado. O fogão a gás era considerado perigoso:causava incêndios,explosôes

e graves intoxicações.o fogtlO

a lenha, além de ser desvantajoso,

era caro, sobretudo nas capitais,onde

a lenha se tornava cada vez mais rara. Não bastasseisso,produzia muita fumaça e deixava uma crosta escura nas panelas, de difícil

e penosa limpeza. Mesmo assim

continuou a ser largamente utilizado

no pais até depois da década de 50. (Fogõesamericanos, 1916)

cotidianas'I'ê' OU, ainda, pelo seguinte trecho do livro A fa- lência, de Júlia Lopes de Almeida:"Isto de se dizer que uma mulher pode fazer todo o serviço doméstico sem se enxova- lhar, é coisa de romance. A Emilia andava com as mangas do avental sujas de carvão,tinha as unhas impregnadas do chei- ro da cebola e do alho; e as mãos avermelhadas pelo uso do sabão da terra com que esfregavaa roupa, tinham perdido ° jeito para a carícia doce, macia, tão querida das crianças e dos doentes"!" Apesar da importância social do trabalho realizadopelas mulheres dentro de casa, enquanto produtoras e reproduto- ras da mão-de-obra, e não obstante ser gratuito o trabalho prestado à família,outra imagem freqüentemente associadaà rainha do lar é a de perdulária. O papel do marido de prove- dor da família, com o direito a autorizar ou não o trabalho da mulher fora do lar, conforme determinavam as leis vigen- tes no começo do século, levou a dependência económica da esposa a ser não apenas estimulada, mas sobretudo bem-vis- ta. Esse"privilégio",porém, nem sempre significoualegria ou felicidade para muitas mulheres, Por trás de frases como "ela é feliz, não lhe falta nada" ou "o que mais ela deseja, se o marido lhe dá tudo?", é possível enxergar um ambiente de

Como

se passam as mangas de uma camisa

57, 58, 59. A modernidade representada pelos recém-lançados ferros elétricos de engomar ainda era um privilégio de poucos.

A mesma revista que anunciava

a novidade dava lições de "economia

doméstica'; ensinando à dona

de casa o que ela sabia de cor: usar

o velho, pesado e antiquado ferro

de brasa. (Economia doméstica,

1918)

Modo

de passar

da gola

o bordado

Como se passa a frente

extrema insatisfação e desconforto, que levava não só algu- mas mulheres a tomar empréstimos sem autorização do ma- rido, trabalhar escondido e até mesmo a "roubar" o próprio cônjuge. De maneira mais contida, uma personagem fictícia de Júlia Lopes de Almeida, retratada na coletânea de contos Eles e elas, assim se refere à dependência econômica doméstica:

"Cada vez que peço dinheiro ao meu marido e que ele acom- panha com gesto de o tirar da algibeira com estas palavri- nhas: - Oh, já acabaste com todo o dinheiro que te dei

ontem?! -- sinto um calafrio subir-me dos calcanhares à nuca [ Não só () meu, mas todos eles falam da necessidade

de trabalhar e sustentar tantas bocas, pagar mais isto e aquilo,

A gente até fica vexa-

da ser carga é uma coisa bem triste!"!" Economizar, economizar, economizar Essa é a reco- mendação feita às esposas em praticamente todos os núme- ros da Revista Feminina, no decorrer de duas décadas. As boas donas de casa deveriam, portanto, saber gerenciar o di- nheiro das despesas,não pedi-lo com freqüência,ser comedi- das em suas exigências,contentando-se com a renda de que dispunham. Deveriam produzir em casa, com as próprias mãos, tudo aquilo que fosse possível, evitando ao máximo todo e qualquer peso excessivoao bolso do marido. Assim,os

trabalhos manuais em geral e a costura em particular consti-

tuíam uma

lar" e eram consideradas como sendo das mais importantes, úteis e agradáveisocupações femininas. Esperava-seque toda dona de casa aproveitasse o tempo executando esses traba- lhos. "Nada mais lastimável que o fato, quase geral, das se- nhoras não saberem talhar e confeccionara roupa branca de seu uso e de sua casa. Quantas economias gastas por essa ignorância?Quantas horas de ócio esterilizadorpoderiam ser empregadas agradavelmente, até moralmente, se a mulher quisesse se consagrar algumas horas do dia a confeccionar a roupa necessária a seu lar, ou dirigir a pessoa encarregada

para conforto e alegria da família [

]

]

importante atividade realizada no "recôndito do

60. O discurso vagava indefinido entre a exaltação da mulher que poupava as economias da família cosendo as roupas dos filhos e a denúncia da perdulária que moía ti bolsa do marido na compra de jóias. (Belmonte, sem titulo, 1926)

.------------------------------------------------------

418 • HIé,TORIA D,~ Vli'A I'Rlv,~U~, 1'10 BRASil :;

61, A mulher que não sabia costurar

era considerada "digna de lástima':

A

máquina de costura era vista como

a

"amiga inseparável" da boa dona

de

casa, O principal atributo

da máqui'la de costura, segundo 05 preceitos da época, era a economia que ela poderia representar para o orçamento doméstico, Como o trabalho da dona de casa não era remunerado, as roupas que ela produzisse para 05 filhus e para

a casa significavam um alívio

nas contas, no final do mês,

Das mãos femininas exigiam-se

prodlgios: tinham que ser fortes

e rudes para o trabalho pesado

do lar, mas, ao mesmo tempo, deveriam ser finas e delicadas para a produção de requintados trabalhos de agulha, (Máquina de Costura Original Lydia, 1911)

desse serviço,"!" Além da economia que representavam os trabalhos manuais, estes poderiam também se converter em fonte de receita, ainda mais legítima por ter sido gerada em casa, sem expor a público as eventuais necessidades sofridas

pela família. "Digna de lástima", portanto, "era a mulher que não sa- bia costurar", enquanto a que sabia fazer roupa branca, ves- tuário e chapéu, era considerada "um verdadeiro tesouro do lar,"!" A costura não só vestia a família. Através da cerzidura e do remendo preservava-se toda a roupa, fosse a usada para

vestir, fosse a do cotidiano doméstico, como os lençóis, toa-

lhas, guardanapos. Através da conservação, da reforma da roupa velha e da feitura de roupa nova, evitavam-se despesas com a compra de novas, produzidas pela indústria, conside- radas de pior qualidade. Algumas autoras têm chamado a atenção para os pode- res, as compensações e as possibilidades de ação das donas de casa. Pode-se dizer que esses espaços de liberdade e ação fo-

ram identificados no que se refere à execução dos trabalhos manuais, sobretudo de agulha, como a costura, a tapeçaria, o bordado, a renda, o crochê e o tricô.

Além de esses trabalhos serem valorizados pela econo- mia que representavam para o orçamento e possível comer- cialização, por meio deles muitas mulheres deram vazão à criatividade e à imaginação. De maneira bastante sensível, um artigo sobre trabalhos manuais assim se refere à confec- ção de rendas: "Algumas rendeiras costumam escrever nos

bilros a sua vida íntima; noutro o dia do batismo [

terceiro o nome do

mento. E assim por diante, de modo que estas almofadas se tornam ainda mais estimadas pelas rendeiras, principalmente as que relatam todas as passagens tristes e felizes da vida íntima destas, num verdadeiro jornal sagrado"!" A dedicação e o prazer que muitas donas de casa pode- riam sentir com a elaboração dos trabalhos de agulha - quando não eram realizados simplesmente por necessidade, obrigação e dever - chegavam a proporcionar momentos de evasão, convívio e troca afetiva com as vizinhas e amigas. Possibilitavam fugir da massacrante e repetitiva realidade dos outros serviços domésticos, daí serem freqüentes as recomen- dações sobre o limite de tempo a eles dedicado. Os trabalhos

] em um

noivo; num outro ainda a data do casa-

~h,<')I,IIJIIOS DO MUNDO f[MII'J!i"I('

419

manuais nunca deveriam servir de pretexto para deixar de lado os "verdadeiros" serviços domésticos, alerta O lar feliz. Também a Revista Feminina, no artigo "A fraca dona de casa", recriminava as mulheres que se abandonavam às suas "ten- dências egoístas", pois escolhendo entre "os vários trabalhos só escolhem aqueles que lhes apraz e lhes é agradável, desa- tendendo outras coisas que exigiam que delas se ocupassem

sem demora

toda família auferisse proveito e bem -estar" 139 Esse controle do tempo está relacionado com a crença de que outras atividades, consideradas prioritárias, seriam dei- xadas de lado.!'" mas certamente também remetem ao uso que as donas de casa poderiam fazer das suas prendas. Ao lado do uso legítimo, como fazer economia e obter algum dinheiro através da venda, esses trabalhos eram feitos para enfeitar a si próprias ou dados de presente a pessoas fora do núcleo familiar, inclusive a artistas de sucesso no período, quando das apresentações públicas. O controle sobre o tempo e a necessidade de um traba- lho bem dirigido talvez também possam explicar a regu- lamentação pelos médicos do uso da máquina de costura, sobretudo pelas mulheres gravidas. Embora ela fosse consi- derada em O lar feliz como "companheira inseparável da dona de casa',"! Antônio dos Santos Coragem, médico for- mado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1919, em sua tese de doutoramento, afirmava que o pedalar produzia excitação vaginal, daí a necessidade de se evitar o uso diário das referidas máquinas.'? Vale lembrar, ainda, qUt! o papel do marido provedor, que legitimou a dependência econômica da mulher, acabou também por tornar a esposa a única responsável pelos ser- viços domésticos. Assim, para que as considerassem boas donas de casa, além de manter permanente bom humor, de realizar as tarefas sempre em benefício de toda a família, dei- xando para segundo plano tudo o que as afastasse da "admi- nistração científica" do lar, de ser econômicas, as mulheres jamais deveriam pedir a participação do marido no serviço

[

]

trabalhos sérios, bem dirigidos e de que

doméstico. A documentação ilustra, utilizando vários exemplos, que o lar era considerado o lugar onde o marido, cansado do trabalho em prol da família, restabelecia as suas forças.

o homem, com as preocupações da vida, com a luta pela existência, qual um novo Hércules que deve fazer uso da sua força, do seu vigor para destruir os obstáculos que lhes embargam o passo, precisa no entanto nos momen- tos de cansaço e de desalento dos encantos da voz suave e carinhosa, das carícias das mãos brancas, do sorriso,

dos olhos claros e do refrigério dos lábios vermelhos.'E

ao chegar ao lar, depois de um dia de trabalhos, descan- sar no peito amigo da sua companheira que só por ele

vive. A mulher, a sua eterna aliada, vinda ao mundo só

para

fazer a sua existência mais suave, flor do jardim da

vida e jardim perene no lar perfumando-o com a sua fragrância e bondade.!"

O marido não deveria, portanto, ser incomodado com

pedidos de ajuda. O dever da esposa era, ao contrário, aliviá-

lo de qualquer contrariedade ou esforço:"Pois não trabalhou ele o dia inteiro para ganhar o pão cotidiano da família!"!" As mulheres que não tornavam o lar agradável ao marido, pediam sua ajuda e comentavam os problemas cotidianos eram consideradas ineptas, egoístas e preguiçosas, e corriam o grande risco de se ver desprezadas pelo cônjuge.

Para terminar, gostaríamos de ressaltar que o vigoroso receituário das primeiras décadas do século, que procurou forjar os novos modelos de marido e esposa, criou inúmeras

dificuldades para a tarefa do conhecimento. É sabido que ao se cristalizar complexos conjuntos de atividades e experiências de vida em papéis prescritos, atrofiam-se os valores morais e qualitativos das relações so- ciais. O dever ser impõe-se como uma exigência exterioriza- da que compromete de maneira impiedosa a relação dos agentes sociais com suas atividades: o ato de fazer transfor- ma-se em ato de consumir normas, regras, papéis, funções, isto é, ideais convertidos em mercadorias prontas para ser consumidas. 145

O que torna possível a todo ser humano se apossar da

história é o fato de que ele, ao nascer numa dada ordem consuetudinária, passa a orientar sua ação a partir de alguns marcos estruturados, tanto pelo costume quanto pela norma.

É importante salientar, no entanto, que a assimilação/nega-

ção de papéis e valores é sempre uma atividade, consciente ou não, um fazer que se entrelaça com a representação,e que mesmo assim pode alterar o já-feito, ou o já-dito, Assim, quando o discurso visa consagrar a oposição homem/mulher, tem como objetivo fazer coincidir os eventos e a sua signifi- cação. Há, porém, uma margem de liberdade nos fatos, por- que é intrínseco ao relato a noção de mal-entendido. A reali- dade, portanto, é aquilo que nunca coincide consigo mesma porque depende não só de como ela se apresenta mas tam- bém do olhar que recai sobre ela.!" Ao solidificar a concepção das esferas separadas, a mu- lher foi convocada a assumir a direção do lar em nome de uma determinada definição de família,e o homem o papel de provedor e chefe dessa família. Isso acabou por encobrir grande parte da população masculina, que nas primeiras dé- cadas do século vivia à margem de um trabalho regular; como também da feminina, que mediante o trabalho remu- nerado se constituía na única provedora do lar e responsável pelos filhos,já que a presença do pai não é, como nunca foi, uma realidade absoluta em todas as famílias. Além disso,ocultou a importância sociale econômica do trabalho prestado pelas mulheres dentro de casa; tornou in- visível não apenas o trabalho produtivo realizado pelas mu- lheres como também o das crianças; camuflou a dureza e a dificuldade do serviço doméstico, o cansaço e o desgastefísi- co; limitou as atividades consideradas legítimasexercidaspe- las mulheres; levou o trabalho feminino a ser visto como acessório, temporário; justificou o ganho diferenciado entre homens e mulheres, e abafou o grito doloroso daquelas que ousaram denunciar as iniquidades que sofriam. Perversamente, acabou também por circunscrever.a fa- mília ao "lar feliz",onde a mulher é apresentada como rainha, escamoteando-se, assim, o drama da história, os conflitos, as diferenças e as relaçõesde poder que se dão no seu interior, e atribuindo-se às mulheres, sobretudo às casadas,uma impor- tância social como forma de indenização,já que as portas de acesso à igualdade de direitos com os homens foram cuida- dosamente fechadas.

62, 63, 64. ''A mesinha de trabalho é juntamente com o toucador, um dos m6veis mais encantadores

e mais úteis dos que usam

as senhoras cuidadosas, e que têm hábitos de elegância. Essa mesinha deve ser instalada no melhor lugar

da casa, no boudoir perto da janela,

e é nela que se devem colocar,

não somente as tesouras. o dedal,

os retalhos de seda, as fitas. mas todos os objetos que merecem da mulher a sua particular preferência, inclusive a sua correspondênciaíntima." (Revista Feminina, Rio de Janeiro, 1920).