Você está na página 1de 5

Exemplo numérico de acordo com a

Norma BS EN1337-3
Geometria do aparelho
Parâmetros de entrada Configurações
de apoio
𝐹𝑧,𝑑 𝑚á𝑥 3 049 710 N a 400 mm G 0,9 MPa
𝐹𝑧,𝑑 𝑚𝑖𝑛 787 440 N b 500 mm Eb 2000 MPa
𝐹𝑍,𝑘 2 127 590 N n 6 - cv 2,5 mm
𝛼𝑥,𝑑 0,001005 rad ts 3 mm ch 4 mm
𝛼𝑦,𝑑 0 rad ti 12 mm fy 210 N/mm²
𝐹𝑥,𝑑 137 730 N tb 98 mm Kh 1 -
𝐹𝑦,𝑑 27 720 N Kf 0,6 -
Obs*
1. Kh é o coeficiente de indução de tensão, sendo 2,0 caso exista furos, e 1,0 caso
não exista. Se houver furos, sua área deve ser descontada da área A1.
2. Kf é o coeficiente de atrito em função do tipo de superfície que o aparelho de
apoio estará em contato, sendo 0,6 para concreto e 0,2 para outras superfícies.

Cálculo de fatores importantes:


𝐺. 𝑎. 𝑏 0,9.400.500
𝑘= = = 2337,7 𝑁/𝑚𝑚
𝑛. 𝑡𝑖 + 2. 𝑐𝑣 6.12 + 2.2,5
𝐹 𝑥, 𝑑 137730
𝑣𝑥,𝑑 = = = 58,92 𝑚𝑚
𝑘 2337,7
𝐹 𝑦, 𝑑 27720
𝑣𝑦,𝑑 = = = 11,86 𝑚𝑚
𝑘 2337,7

𝑣𝑥𝑦,𝑑 = √𝑉𝑥,𝑑 2 + 𝑉𝑦,𝑑 2 = √58,92² + 11,86² = 60,10 𝑚𝑚

𝐹𝑥𝑦,𝑑 = √𝐹𝑥,𝑑 ² + 𝐹𝑦,𝑑 ² = √137730² + 27720² = 140 491,82 𝑁

𝑎′ = 𝑎 − 2. 𝑐ℎ = 400 − 2.4 = 392 𝑚𝑚


𝑏′ = 𝑏 − 2. 𝑐ℎ = 500 − 2.4 = 492 𝑚𝑚
𝐴1 = 𝑎′ . 𝑏′ − 𝐴𝑏 = 392.492 − 0 = 192864 𝑚𝑚2
𝑉 𝑥, 𝑑 𝑉 𝑦, 𝑑 58,92 11,86
𝐴𝑟 = 𝐴1 . (1 − ′
− ′
) = 192864. (1 − − ) = 159228,09 𝑚𝑚²
𝑎 𝑏 392 492
𝐼𝑝 = 2. (𝑎′ + 𝑏′ ) = 2. (392 + 492) = 1768 𝑚𝑚

𝑡𝑒 = 𝑡𝑖 = 12 𝑚𝑚
𝐴1 192864
𝑆= = = 9,09
𝐼𝑝 . 𝑡𝑒 1768.12

𝑇𝑞 = 𝑡𝑏 − (𝑛 + 1). 𝑡𝑠 = 98 − (6 + 1). 3 = 77 𝑚𝑚

𝑆1 = 𝑆 = 9,09
1ª Verificação – Máxima deformação total de cálculo
𝜀𝑢,𝑘
𝐾𝐿 . (𝜀𝑐,𝑑 + 𝜀𝑞,𝑑 + 𝜀𝛼,𝑑 ) ≤
𝛾𝑚
𝐾𝐿 = 1,5
1,5. 𝐹𝑧𝑑 1,5 . 3049710
𝜀𝑐,𝑑 = = = 3,51
𝐺. 𝐴𝑟. 𝑆 0,9 . 159228,09 . 9,09
𝑣𝑥𝑦,𝑑
𝜀𝑞,𝑑 = ≤ 1,0
𝑇𝑞
60,10
𝜀𝑞,𝑑 = = 0,78 ≤ 1,0 → 𝑂𝐾
77
(𝑎′2 . 𝛼𝑥,𝑑 + 𝑏′2 . 𝛼𝑦,𝑑 ). 𝑡𝑖 (3922 . 0,001005 + 4922 . 0). 12
𝜀𝛼,𝑑 = = = 0,09
2. ∑(𝑡𝑖 3 ) 2. (6.12³)
𝜀𝑢,𝑘 = 7,0

𝛾𝑚 = 1,0
7,0
1,5. (3,51 + 0,78 + 0,09) ≤
1,0
6,57 ≤ 7,0 → 𝑂𝐾

2ª Verificação – Verificação da espessura das chapas de aço


𝐾𝑝 . 𝐹𝑧,𝑑 . (𝑡1 + 𝑡2 ). 𝐾ℎ . 𝛾𝑚
𝑡𝑠 ′ = ≤ 𝑡𝑠
𝐴𝑟 . 𝑓𝑦

𝐾𝑝 = 1,3

𝐾ℎ = 1 (𝑠𝑒𝑚 𝑏𝑢𝑟𝑎𝑐𝑜𝑠)
𝑡1 = 𝑡2 = 𝑡𝑖 = 12 𝑚𝑚
1,3. 3049710. (2. 12). 1. 1
𝑡𝑠′ = = 2,85 𝑚𝑚 ≤ 3 𝑚𝑚 → 𝑂𝐾
159228,09 .210
3ª Verificação – Critérios de estabilidade
- Estabilidade à Rotação:

(𝑎′ . 𝛼𝑥,𝑑 + 𝑏′ . 𝛼𝑦,𝑑 )


∑ 𝑣𝑧,𝑑 − ≥0
𝐾𝑟,𝑑

𝐹𝑍,𝑘 . 𝑡𝑖 1 1 2127590.6.12 1 1
∑ 𝑣𝑧,𝑑 = ∑ .( 2 + 𝐸𝑏 ) + 2 𝑚𝑚 = .( + )+2
𝐴1 5. 𝐺. 𝑆1 192864 5. 0,9. 9,09² 2000

∑ 𝑣𝑧,𝑑 = 2,53 + 2 = 4,53 mm

𝐾𝑟,𝑑 = 3
(392 . 0,001005 + 492 .0)
4,53 − ≥0
3
4,40 ≥ 0 → 𝑂𝐾

- Estabilidade à flambagem:

𝐹𝑧,𝑑 2. 𝑎′ . 𝐺. 𝑆1
<
𝐴𝑟 3. 𝑇𝑒
𝑇𝑒 = 𝑇𝑞 = 77 𝑚𝑚
3049710 2.392.0,9.9,09
<
159228,09 3.77
19,15 < 27,76 → 𝑂𝐾

- Estabilidade ao deslizamento

 Sob cargas permanentes:


𝐹𝑧,𝑑 𝑚𝑖𝑛
𝜎𝑐𝑑,𝑚𝑖𝑛 = ≥ 3 𝑁/𝑚𝑚2
𝐴𝑟
787440
𝜎𝑐𝑑,𝑚𝑖𝑛 = = 4,95 𝑁/𝑚𝑚2 ≥ 3 𝑁/𝑚𝑚2 → 𝑂𝐾
159228,09

 Sob cargas totais:

𝐹𝑥𝑦,𝑑 ≤ 𝜇𝑒 . 𝐹𝑧,𝑑 𝑚𝑖𝑛


1,5. 𝐾𝑓
𝜇𝑒 = 0,1 +
𝜎𝑐𝑑,𝑚𝑖𝑛
0,6 𝑐𝑎𝑠𝑜 𝑎 𝑠𝑢𝑝𝑒𝑟𝑓í𝑐𝑖𝑒 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑎𝑡𝑜 𝑠𝑒𝑗𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑐𝑟𝑒𝑡𝑜
𝐾𝑓 = {
0,2 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜𝑢𝑡𝑟𝑎𝑠 𝑠𝑢𝑝𝑒𝑟𝑓í𝑐𝑖𝑒𝑠 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑎𝑡𝑜
1,5.0,6
𝜇𝑒 = 0,1 + = 0,282
4,95
Portanto,
𝐹𝑥𝑦,𝑑 ≤ 𝜇𝑒 . 𝐹𝑧,𝑑 𝑚𝑖𝑛
140491,82 ≤ 0,282 . 787440
140491,82 ≤ 222 058 → 𝑂𝐾

Verificações
1. Máxima deformação total de cálculo OK
2. Verificação da espessura das chapas de aço OK
3. Critérios de estabilidade
a. Estabilidade à Rotação OK
b. Estabilidade à flambagem OK
c. Estabilidade ao deslizamento:
c.1. Sob cargas permanentes OK
c.2 Sob cargas totais OK