Você está na página 1de 4

TEMA 3

A BILE E OS DETERGENTES SINTÉTICOS

AVATAR_023/ISTOCK PHOTO/GETTY IMAGES

O componente de origem petroquímica dos detergentes líquidos, que permite que eles removam a gordura da
louça de cozinha, é chamado de tensoativo. Qual é a relação entre esse componente e a bile presente no
organismo humano?

A ação de limpeza de um detergente assemelha-se à ação da bile – fluido envolvido


na digestão de óleos e gorduras no organismo humano. A digestão é um processo
de transformação com ação enzimática, que converte substâncias constituintes dos
alimentos em componentes menores, de modo que estes possam ser absorvidos
pelas células. Esse processo envolve diferentes órgãos: boca, faringe, esôfago,
estômago, pâncreas, fígado, intestino delgado e intestino grosso. No intestino
delgado, por exemplo, as lipases (enzimas) atuam na digestão de lipídios. Como
dissolver esses materiais apolares nos fluidos polares do organismo? A resposta
está na ação da bile, um detergente biológico. Neste tema, serão estudadas a ação
da bile e a composição dos sabões e detergentes, sua função e como eles atuam.

A bile

A função das lipases é, basicamente, catalisar a transformação dos triglicerídios em


ácidos graxos e glicerol. Para que isso ocorra, entretanto, o papel da bile é
essencial. A bile é um fluido produzido no fígado e armazenado na vesícula biliar, de
onde é posteriormente liberado para o duodeno, região inicial do intestino delgado.
Entre as substâncias presentes na bile estão a água e os sais biliares. Entre esses
sais, tem-se o colato de sódio, o glicocolato de sódio e o taurocolato de sódio, cujas
fórmulas estruturais estão representadas a seguir.

É possível perceber a semelhança entre as fórmulas estruturais desses três sais


biliares e a do colesterol, pois esses sais são derivados dele (observe novamente
sua fórmula estrutural).

A função da bile é emulsificar óleos e gorduras, favorecendo, assim, a ação das


lipases. Isso é possível porque a estrutura dos sais biliares apresenta:

• uma parte polar, que é solúvel em água e em outros solventes polares. Essa parte,
também chamada de hidrófila (do grego, hidro = “água”; filos = “amigo”), é a que
tem afinidade com moléculas polares e, portanto, não tem afinidade com as
apolares;
• uma parte apolar, que é insolúvel em água e em outros solventes polares. Essa
parte, também chamada de hidrofóbica (do grego, hidro = “água”; fobos = “medo”),
é a que tem afinidade com moléculas apolares.

Deixe claro que o termo “afinidade” está diretamente relacionado aos tipos de interações intermoleculares estabelecidas entre as
espécies químicas.

Observe novamente a fórmula estrutural do colato de sódio:

Fórmula estrutural do colato de sódio. A parte apolar tem maior afinidade com materiais lipídicos, e a parte
polar, maior afinidade com a água.

Mostre aos alunos que, apesar de a parte hidrofóbica ter alguns grupos –OH, o caráter apolar da molécula prevalece, já que a cadeia
carbônica é grande diante dos três grupos –OH presentes.

Uma vez presente material lipídico no meio aquoso do intestino, não ocorre
apreciável solubilização, em razão das diferenças de polaridade entre as moléculas
de água e as moléculas predominantemente apolares que constituem os óleos e as
gorduras. No entanto, os sais biliares permitem que a água e os lipídios formem uma
emulsão, por meio da constituição de micelas.

Uma emulsão é formada pela dispersão de dois ou mais líquidos que não são
mutuamente miscíveis. A fase dispersa encontra-se na forma de pequenas gotículas
dispersas no outro líquido (a fase contínua, ou dispersante). São exemplos de
emulsões: manteiga, maionese e cosméticos, como alguns cremes e loções. Muitas
emulsões conhecidas apresentam água e óleo em sua composição.

Caso julgue necessário, explique a diferença entre uma solução e uma emulsão.

No ambiente aquoso do intestino, os sais biliares envolvem as partículas lipídicas,


conforme mostra a ilustração a seguir, levando à formação de estruturas micelares.

ADILSON SECCO
Modelo de micela no qual as esferas em azul representam a parte polar, as regiões em branco, a parte apolar
dos sais biliares; a estrutura em amarelo representa os lipídios. Representação sem escala; cores fantasia.

Pode ser interessante comentar que alguns medicamentos utilizados em regimes de emagrecimento inibem a ação das lipases e,
consequentemente, impedem a absorção de lipídios. Desse modo, outros materiais lipídicos essenciais a uma boa saúde – como a
vitamina A – também têm sua absorção comprometida. Por isso, é muito importante que qualquer medicamento só seja utilizado com
acompanhamento médico.

As micelas formadas são estruturas nas quais a região polar dos sais biliares fica
exposta ao ambiente externo aquoso e a região apolar fica direcionada ao centro,
onde estão os lipídios.

Após a emulsificação, as lipases dissolvidas no meio aquoso do intestino


conseguem agir e catalisam a digestão dos lipídios.

A dissolução de lipídios na presença dos sais biliares acontece pois:

• as micelas não se agrupam, uma vez que sua superfície apresenta carga elétrica
negativa (cada uma das partes polares dos sais biliares apresenta carga negativa),
e, assim, repelem-se eletrostaticamente, permanecendo dispersas no meio aquoso;

• essa mesma superfície carregada negativamente, por ser hidrófila, possibilita a


dispersão das micelas no ambiente aquoso do intestino, de caráter polar, o que
permite a ação das lipases.

Assim, pode-se dizer que, sem a ação dos sais biliares, a maior parte dos lipídios
presentes nos alimentos não seria digerida e absorvida, sendo excretada pelas
fezes.

Por sua ação sobre os lipídios, a bile é classificada como um biodetergente ou


detergente biológico.