Você está na página 1de 22

A Elasticidade da Via Permanente

nas Ferrovias da VALE

Centro de Excelência Ferrovia


Luciano de Oliveira
2
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conceito de Elasticidade na Via Permanente

O Módulo de Via (u) é definido como uma força pelo comprimento unitário que cada

trilho requer para provocar uma deflexão unitária na via. (Selig & Li, 1994)

O Módulo de Via pode ser


representado por camadas (trilhos,
dormentes, fixação, lastro, sublastro)
de massa-mola-amortecedor, cada
uma com sua rigidez, dispostas em
série.
3
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conceito de Elasticidade na Via Permanente

O Módulo de Via (u) é um parâmetro muito relevante pois indica o desempenho

da via permanente, e por consequência a condição de manutenção.

Valores altos e baixos de Módulo de Via são indesejáveis pois causam danos

aos elementos da via permanente e material rodante. Inúmeros fatores afetam o

Módulo de Via.
4
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conceito de Elasticidade na Via Permanente

Fatores que afetam o Módulo de Via:


✓ Dureza e defeitos dos trilhos;
✓ Tipo e condições das fixações;
✓ Tipo de dormente (madeira, concreto, aço ...);
✓ Lastro (granulometria, contaminação, ...);
✓ Sublastro (capacidade de suporte, espessura, ...);
✓ Subleito (capacidade de suporte, ...).
5
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

É necessário conhecer e entender as condições e o comportamento via


permanente em cada trecho da ferrovia!

É importante buscar soluções tradicionais ou inovações tecnológicas


com viabilidade técnica e econômica para aumentar/manter a
disponibilidade da via permanente com confiabilidade!
6
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Cátedra Under Rail

Através de uma rede conectada da Vale com instituições de


pesquisa e fabricantes, desenvolver novas tecnologias e
pesquisas avançadas em temas críticos de superestrutura e
infraestrutura de via permanente ferroviária para a cadeia de
minério de ferro, com foco no aumento da capacidade de
suporte da via permanente, mantendo a integridade dos
ativos e aumentando a capacidade de transporte de minério
de ferro nas ferrovias da Vale.
7
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Principais estudos sobre elasticidade nas ferrovias da VALE:


✓ Estudo das Características e Resistência de Lastro da Via Permanente da EFVM;
✓ Determinação do Módulo Dinâmico de Via da EFC e da EFVM;
✓ Palmilhas Under Sleeper Pad nos Dormentes de Concreto da EFC;
✓ Instrumentação de Via Permanente da EFC;
✓ Palmilhas Rail Pad Resilientes Dormentes de Concreto da EFC;
✓ Estabilização Dinâmica do Lastro Ferroviário com DGS;
✓ Palmilhas Under Sleeper Pad nos Dormentes de Concreto em AMV na EFC.
8
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Estudo das Características e

Resistência de Lastro da Via

Permanente da EFVM

2011 a 2013
9
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Determinação do Módulo Determinação do Módulo


Dinâmico de Via da EFC Dinâmico de Via da EFVM
2014 a 2016 (dormentes de concreto e de aço)
2018 a 2021
10
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Palmilhas Under Sleeper Pad

nos Dormentes de Concreto

da EFC

2014 a 2017
11
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Instrumentação de Via Permanente da EFC


2017 a 2019
12
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Palmilhas Rail Pad Resilientes

Dormentes de Concreto da EFC

2014 a 2019
13
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Conhecimentos e Soluções

Estabilização Dinâmica do

Lastro Ferroviário com DGS

2019 a 2021
14
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

Via Permanente Via Permanente Via Permanente


acrescida de tecnologia
Clássica acrescida de tecnologias no AMV
15
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

Linha férrea principal da EFC

→ Travessões Universais com AMV 1:20 tangencial com jacaré de ponta

móvel, em dormentes de concreto

→ Saída da linha principal em AMV 1:12 com jacaré de ponta fixa, em

dormentes de concreto

Teste da palmilha under sleeper pad nos


dormentes de concreto do AMV
16
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

Os AMVs TE01T e TE02T de abertura 1:12


com jacaré de ponta fixa e em dormentes
de concreto, instalados em junho/16,
utilizados para o desvio das locomotivas do
helper dinâmico foram escolhidos para o
teste das palmilhas under sleeper pad. AMV TE01T
17
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

Dados das Inspeções do Carro Controle no AMV TE01T


18
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

IQAMV – Índice de Qualidade do AMV (Nivelamento)


19
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

Informações e Resultados:
✓ No período do teste (jul/17 a ago/19) trafegaram aproximadamente 345,3 MTBT nos
AMVs TE01T, AMV01/TU622 e AMV02/TU622;
✓ No período do teste não teve programação e nem realização de correção geométrica
mecanizada;
✓ Os planos de manutenção e o ciclo de esmerilhamento mecanizado foram realizados nos
3 AMVs conforme estratégia de manutenção;
✓ No período do teste não teve substituição de componentes dos AMVs;
✓ Pelo IQAMV nota-se que a geometria nos 3 AMVs se mantem, com o AMV TE01T
apresentando melhor desempenho neste indicador;
✓ O acréscimo de elásticidade das palmilhas under sleeper pad foi benéfico e trouxe
resultados significativos para o AMV 1:12 com jacaré de ponta fixa.
20
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

Informações e Resultados:
✓ Como algumas inspeções do Carro Controle não foram realizadas nos AMVs TE02T,
AMV03/TU622 e AMV04/TU622, não consideramos este segmento nos resultados,
apesar dele apresentar o mesmo desempenho da outra linha;
✓ As palmilhas under sleeper pad apresentam viabilidade econômica para uso em
dormentes de concreto nos AMVs 1:12 com jacaré de ponta fixa da EFC;
✓ Em outros locais da EFC com AMV 1:12 com jacaré de ponta fixa em dormentes de
concreto já foram realizadas subsituição de componentes e correção geométrica
mecanizada.
21
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE
Estudo de Caso – Palmilhas under sleep pad em dormentes de concreto para AMV

A mudança da elasticidade do AMV

1:12 com jacaré de ponta fixa e

dormentes com concreto, através do

uso de palmilhas under sleeper pad,

trouxe ótimos resultados para a EFC.

Esta tecnologia tem viabilidade

técnica e econômica!
22
A Elasticidade da Via Permanente nas Ferrovias da VALE

Agradecimentos!

Contato:

Luciano de Oliveira
Centro de Excelência Ferrovia
oliveira.luciano@vale.com
(98) 3212 2175