Você está na página 1de 7

A empresa e o seu contexto Conceito de empresa

Empresa e Organização

Organização é uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar
propósitos colectivos. Por meio da organização torna-se possível perseguir e alcançar objectivos
que seriam inatingível para uma pessoa

A empresa não é, porém, uma comunidade isolada, insere-se na sociedade, não só como célula
de base da economia, mas também como fator influente na evolução das condições de vida
humana e na promoção do bem comum.

Em sentido lato, a empresa é um conjunto de atividades humanas, coletivas e organizadas,


regidas por um centro regulador, com a finalidade de adaptar constantemente os meios
disponíveis aos objetivos predeterminados, tendo em vista a produção/comercialização de
bens/serviços.

Desta noção, resulta que a Empresa é, simultaneamente:

 Uma pessoa coletiva de direito público ou privada propriedade dos seus promotores e
investidores;

 Uma célula social ou um conjunto de pessoas que passa na empresa uma boa parte da sua
vida, e nela se formam profissional, cultural e socialmente;

 Um conjunto de meios técnicos e financeiros, que permitem à empresa atingir os seus


objetivos;

 Um sistema de relações – para colocar as pessoas certas nos lugares certos, o que implica
estabelecer uma rede de relações hierárquicas entre as várias células da Empresa;

 Um centro de decisões – para fazer as opções que permitam à empresa mantê-la viva e
atuante no seu contexto.

A Empresa é, portanto, um sistema organizacional que funciona em três etapas:

1ªETAPA: aquisição de recursos (capital, trabalho, informação)

2ª. ETAPA: organização e transformação dos recursos em bens (produtos/serviços)

3ª. ETAPA: transação dos bens, acrescida de benefícios

1
Interesses das empresas

Naturalmente, a empresa visa, objetivamente, rentabilizar os recursos neles investidos. Mas, os


benefícios empresariais não têm de ser exclusivamente financeiros. Todas as empresas têm uma
dupla responsabilidade: a criação de benefício económico e a criação de benefício social. Ou
seja, é necessário saber quanto se ganha (beneficio económico) e como se ganha (beneficio
social).

Objetivos das empresas

Uma empresa pode ter vários objetivos, pode querer ser uma grande empresa, exportar para
diversos países, ser a líder de mercado, bater recordes em produção, produzir com
responsabilidade, valorizar os seus trabalhadores, enfim os objetivos de uma empresa são vários.
No entanto apenas um motivo faz com que uma empresa continue viva e permaneça por muito
tempo no mercado. O principal objetivo de uma empresa é produzir com poucos custos obtendo
o maior lucro possível, ou seja, o principal objetivo da empresa é gerar lucros. Ninguém abre
uma empresa apenas para bonito, ou apenas para dizer que é um empresário.

“Seguindo a tradição marginalista neoclássica, assumimos que o objetivo crucial da empresa é a


maximização do lucro. Independente do regime concorrencial existente, esse objetivo implica a
definição do ponto de lucro máximo, dado, como já assinalamos, pela máxima distância entre
receita total e o custo total”.

A empresa precisa ser bem administrada para que se saiba exatamente qual é o seu resultado, se o
resultado não for positivo é preciso corrigir os erros antes que seja tarde demais, muitas vezes a
empresa até apresenta lucro, mas isso necessariamente não significa que a empresa está bem. É
preciso avaliar qual foi o investimento e se o retorno está de acordo com o esperado.

Organização Sem Fins Lucrativos aquelas que tem sua origem no direito privado, que é dotada
de personalidade jurídica e que se institui em busca de um objetivo em comum. É importante
frisar que o lucro não pode ser o objetivo dessa instituição.

Estrutura organizacional

A estrutura organizacional é a forma como uma organização está dividida e hierarquizada. Ela
define como é feita a gestão das suas atividades e a comunicação entre seus setores, visando
atingir seus objetivos estratégicos.

A estrutura organizacional de uma empresa inclui sua departamentalização, ou seja, a divisão por
setores, mas também as relações hierárquicas entre eles. O conceito de estrutura organizacional
não é, portanto, sinônimo nem de departamentalização nem de hierarquia isoladamente, mas sim
uma combinação entre elas.
2
Tipos de estrutura organizacional
Conforme Chiavenato (2006), a teoria neoclássica da administração assume que a organização
formal consiste em camadas hierárquicas ou níveis funcionais estabelecidos pelo organograma e
com enfase nas tarefas e nas funções.

 Estrutura linear

É a forma estrutural mais simples e antiga, possuindo formato piramidal pois possui linhas
directas e únicas de responsabolidade entre superior e subordinados. Demonstra visivelmente os
princípios da unidade de comando, ou seja, cada empregado deve receber orientações de apenas
um superior que seguem, por via hierarquia do escalão mais alto para escalão mais baixo.

Características:
 Autoridade linear única
 Linhas formais de comunicação
 Centralização de decisões
 Aspecto piramidal

 Estrutura funcional
Aplica o princípio funcional ou princípio de especialização das funções: separa, distingue e
especializa. Nesta estrutura, cada subordinado reporta-se a diversos superiores simultaneamente,
porem cada superior responde apenas pelas suas responsabilidades não interferindo nas
especialidades dos demais.

Características
 Linhas directas de comunicação
 Descentralização de decisões
 Ênfase na especialização

 Estrutura Linha –Staff


É a combinação da estrutura linear e funcional. Na linha-staff, a autoridade nos órgãos de linha e
linear, ou seja, os órgãos decidem e executam as actividades principais e as autoridades de Staff
são de acessoria de planeamento e controle, consultoria e recomendação

A gestão como processo de combinação perfeita dos recursos humanos, financeiros e


materiais
3
Os recursos organizacionais são os vários meios que as instituições possuem para atingirem os
seus objectivos. São bens e serviços utilizados na nas actividades organizacionais. Quando se
fala em recursos, não se refere apenas dinheiro mas a matérias-primas usadas nas produções, nos
serviços prestados pelas organizações materiais, equipamentos e colaboradores

 Recursos físicos ou materiais: compreendem o especo físico como edifícios, terrenos, o


processo produtivo, a tecnologia utilizada no processo de produção dos bens e serviços
produzidos pela organização. Orienta e controla as actividades materiais da organização,
conforme os planos estabelecidos e a política adoptada. Elabora rotinas de trabalho, tendo
em vista a implantação de sistemas que devem conduzir a melhores resultados com
menores custos, o que demanda a utilização de organogramas, fluxogramas e outros
instrumentos de trabalho

 Recursos financeiros: compreendem recursos na forma de capital, fluxo de caixa,


investimentos, aplicações, empréstimos, financiamento etc.

 Recursos Humanos: são as pessoas que compõem as organizações independente do


nível hierárquico. Os recursos humanos estão distribuídos nos diversos níveis
institucionais (direcção), no nível intermediário (gerência e accessoria) e no nível
operacional (técnicos, colaboradores e supervisores

Liderança

Uma boa liderança e gestão de pessoas deve ser capaz de manter um bom ambiente de trabalho,
onde o convívio seja prazeroso para a equipe.

A liderança é o acto de comandar, orientar e incentivar um grupo de pessoas visando o


atingimento de uma meta ou objetivo em comum.

Liderança é a capacidade adquirida e exercida para influenciar pessoas.

Ela pode surgir de forma natural, quando uma pessoa se destaca e acaba assumindo
informalmente o papel de líder. Pode também ser atribuída através de cargos, eleições e outros
processos burocráticos.

Dessa forma, o papel do líder inclui:

4
 Garantir a harmonia e boa comunicação entre o grupo;

 Delegar tarefas de maneira eficiente e otimizada;

 Oferecer motivação e inspiração para os membros do grupo;

 Organizar metas e prazos;

 Determinar os melhores caminhos para chegar ao objetivo.

É interessante destacar que um líder não é, necessariamente, um chefe. Um líder deve considerar-
se membro da equipe e entender o seu papel na organização da mesma.

Estilos de Liderança

Os estilos de liderança são as diferentes formas que um líder pode atuar. Eles dizem respeito às
estratégias utilizadas para motivar, organizar e interagir com os seus liderados. Podemos
encontrar três estilos de liderança: autocrático, democrático e liberal.

 Liderança Autocrática

Neste estilo de liderança, é adoptada uma postura autoritária e centralizadora perante a equipe.
As decisões estratégicas são tomadas pelo líder, com base no seu conhecimento e julgamento.

Os colaboradores estão sujeitos a regras muito bem definidas. Há pouca ou nenhuma abertura
para se posicionarem, questionarem ou contribuírem com ideias ou sugestões.

 Liderança Democrática

Os líderes que trabalham com este estilo são abertos à participação, sugestões e contribuições da
equipe. Essa é, inclusive, uma postura incentivada.

Líderes democráticos estão sempre preocupados com a satisfação, bem-estar e motivação do


time. Procuram estimular os bons relacionamentos, a comunicação aberta e o desenvolvimento
dos colaboradores.

 Liderança Liberal

O líder liberal parte do pressuposto que as pessoas possuem um nível de maturidade elevado, a
ponto de não precisarem tanto dele. Ele entende que pode deixar o grupo a vontade, sem
necessidade de acompanhamento constante. Esse estilo de liderança conta com a capacidade de
autogestão da equipe.

A liderança liberal, no entanto, não significa ser um líder omisso. Ele ainda possui
responsabilidades, como a organização, delegação de tarefas e motivação da equipe.
5
Tipos de líder
Algumas pessoas já nascem com características comportamentais de um grande líder, outras
precisam construir um caminho para chegar lá.

Líder feito

O Líder feito só dá certo se tiver empatia com a equipe. As pessoas que fazem a empresa
precisam respeitar o líder para que os projectos caminhem e isso só é possível com respeito e
profissionalismo. Se a equipe perceber que o líder feito não tem postura profissional adequada,
ou, que não trata as pessoas com respeito, a desmotivação é total.

Líder nato

O líder nato é diferente. Ele tem todas as virtudes que o outro não tem, e mais algumas. Empatia,
consideração com a equipe e as pessoas, é justo, elogia quando necessário, critica de forma
construtiva. Isso as pessoas percebem, são também técnicas de gerenciamento, mas, os líderes
natos conseguem utilizar essas características de forma tão fluente que membros da equipe são
capazes de serem criticados e ainda agradecê-lo. E é assim mesmo, as pessoas sentem quando é
uma crítica construtiva e quando não é, por isso têm esse comportamento.

O líder nato é admirado. É justo. É comprometido com a empresa, mas, não esquece dos
colaboradores. Está sempre disponível e pronto a ajudar.

Líder formal

O líder formal é aquele investido em cargo de hierarquia superior, e que lhe dá poder e
autoridade sobre os demais colaboradores da organização. O profissional investido em cargos de
gerente, supervisor, diretor, chefe de seção, por exemplo, são exemplos de líderes formais, uma
vez que sua autoridade foi atribuída pelo cargo que ocupa dentro da estrutura organizacional.

Líder informal

O líder informal, por sua vez, não recebe essa atribuição da instituição onde atua. Como o
próprio nome sugere, ele se torna líder de maneira informal, naturalmente, tendo como principal
fator para isso suas atribuições pessoais, como capacidade de liderança, senso de coletividade e
de justiça, proactividade em questões coletivas etc.

O líder informal é eleito pelos demais trabalhadores por eles acreditarem que ele é a pessoa mais
indicada para representá-los, sobretudo em questões de negociação com os chefes ou de
comunicação com o sindicato da categoria. Ele exerce a liderança com a indicação e apoio dos
demais colaboradores

6
7