Você está na página 1de 24

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A

PARTIR DA BIOMASSA DA
CANA-DE-AÇÚCAR
Título da Apresentação
Bioeletricidade
A segunda revolução energética da cana-de-açúcar
Autor
Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005

Helcio M. Lamonica
Escolha uma restrição e apague as outras
Uso Exclusivo do(a) CTC ou Associada ou Área
Uso ExclusivoLivre
Divulgação das Associadas
– Divulgar ao CTC
a Fonte
Divulgação Livre

Centro de Tecnologia Canavieira


• Em 2004 a Copersucar abriu para o mercado
nacional o seu Centro de Tecnologia,
constituindo o Centro de Tecnologia Canavieira.
• O Centro de Tecnologia Canavieira - CTC é
voltado a P&D de tecnologias para a produçã
produção
oe
transformaçã
transformação o da cana-
cana-de-
de-açúcar.
çúcar.
• Atualmente mais de 114 associados compõcompõem o
novo CTC,
CTC, representando 151 milhõ milhões t cana
moí 6
moí da e 1,7 10 ha de área plantada,
representando, respectivamente, 42% e 33% da
produçã
produção o total do Brasil.

Base: safra 2003/04 - Atualizado em out/2005

1
Fabricação de Açúcar e Álcool

Matéria Prima
• Cana-de-açúcar
Tabela 1 - Composição média da cana-de-açúcar.

Composição Teor (%)


Água 65 - 75
Açúcares 11 - 18
Fibras 8 - 14
Sólidos solúveis 12 - 23

2
FLUXOGRAMA DE PROCESSO - AÇÚCAR E ÁLCOOL
Fluxograma Geral do Processo

AÇÚCAR

ÁLCOOL ETÍLICO

Uso da Energia na Usina

3
Energia Consumida na Usina
• Usina necessita de duas formas básicas de
energia:
– Eletromecânica (acionamentos, iluminação,
etc.)
– Térmica (aquecimento, evaporação, cozimento,
etc.)

Como esta energia é obtida ?


• Usina obtém toda energia térmica e
eletromecânica a partir da combustão do
bagaço.
• Como ?
– Gera vapor a uma pressão superior a necessária
no processo
– Este vapor é expandido em turbinas a vapor
sendo convertido em energia mecânica/elétrica
– O calor rejeitado no escape das turbinas fornece
a energia térmica necessária ao processo
É autosuficiente em energia J

4
Cenário Médio Atual (2001/02)

• Pressão de operação: 22 bar / 300 °C


• Auto-suficiente em energia térmica e elétrica
– Consumo de energia elétro-mecânica: 28 kWh/tc
– Consumo de energia térmica: 330 kWh/tc
(equivalente a 500 kg vapor / tc)
– Sobra de bagaço: 7%
– Não utiliza palha

Distribuição de Energia na Usina


Bagaço Excedente Perdas
41 kWh/tc (7%) 119 kWh/tc
(21%)

Bagaço Bagaço
Total Consumido Energia Térmica
580 kWh/tc 477 kWh/tc Processo
(100%) (83%) 330 kWh/tc (57%)

Energia
Bagaço Reserva Eletromecânica
62 kWh/tc (10%) 28 kWh/tc (5%)

Relação Potência / Calor 0,085

5
Fluxograma – Atual 22 bar
Operação só na safra
Vapor 22 bar
Sobra bagaço
Exportação TG – Contrapressão
máx E.E. 10 kWh/tc
Otimizado

Bagaço Caldeira

Turbinas AM
Vapor 2,5 bar
Processo

Potencial de Geração de Energia


Elétrica do Setor

6
Produção de Cana-de-açúcar - Brasil
400
380
360
340
320
Mt

300
280
260
240
220
200
1
2
3
4
5
6
7
8
9
0
1
2
3
4
5
/9
/9
/9
/9
/9
/9
/9
/9
/9
/0
/0
/0
/0
/0
/0
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
00
01
02
03
04
Fonte: www.unica.com.br, 1/03/2005

Áreas Cultivadas – Cana-de-açúcar

Fonte: Sordi, R. CTC - 2005

7
Cana-de-açúcar na Região Centro-sul
Sensoriamento remoto – imagens de satélite

Fonte: Sordi, R. CTC - 2005


Imagem de Satélite Índice de Vegetação (NDVI)

Produção Energia Primária


BRASIL (%)
1990 2003
Não Renovável: 38 53
Petróleo + GN 36 51
Outras NR 2 2
Renovável: 62 47
Hidráulica 16 14
Produtos da cana 17 16
Outras R 29 17
Total (milhões TEP) 108 184
Fonte: BEN 2004

8
Cana
FOLHAS VERDES
PONTEIRO

COLMO

FOLHAS SECAS

Energia da Cana

1 TON DE CANA (COLMOS) Energia (MJ)

• 140 kg de açúcar 2 300


• 280 kg de bagaço (50% umidade) 2 500
• 280 kg de palha (50% umidade) 2 500

TOTAL 7 300 (0.16 TEP)

360 milhões de toneladas de cana 58 milhões TEP

Nota: Consumo de energia primária no Brasil é de 200 10 6 TEP/ano


(BEN 2004)

9
Potencial Energético - Resíduos de
Cana
Mundo Brasil
(106 t) (106 t)
Produção de cana (1) 1 320 360
Produção de bagaço (2) 370 101
Produção de palha (2) 370 101
Biomassa Total 740 202
TEP (3) 158 43

Consumo Energia Primária no Brasil 200 106 TEP (BEN 2004)


(1) Fonte: FAOSTAT 2004 p/ Mundo e UNICA p/ Brasil
(2) 50% de umidade
(3) base PCI – 2 130 kcal/kg (BEN 2004)

Alternativas de Aproveitamento
Energético
• Açúcar Álcool

• Fibra Energia Elétrica e/ou Álcool

10
Balanço Energético da Produção e
Processamento da Cana
Fluxos Externos de Energia
Valores Médios
Consumo Produção
MJ/tc MJ/tc
Agricultura 202
Indústria 49
Etanol produzido 1 919
Excedente de bagaço 168
Totais 251 2 087
Produção/Consumo 8,3
Nota: Etanol de milho = 1,3 (USDA, 2002)
Atualização – outubro 2003

Como aumentar a Exportação de


Energia Elétrica em Cogeração ?

• Aumentar a eficiência das turbinas a vapor


• Aumentar a pressão do vapor vivo
• Uso de turbinas de extração e contrapressão

11
Convencional – Cogeração Safra
Operação só na safra
Vapor 82 bar
Sobra bagaço
Exportação
TG – Extração e
máx E.E. 40 kWh/tc
contrapressão

Vapor 22 bar

Bagaço Caldeira

Turbinas AM
Vapor 2,5 bar
Processo

Evolução da Exportação de Energia


Elétrica do Setor na Área da CPFL
GWh/year 6.1% do mercado da CPFL 1400

800

Programa de cogeração da CPFL

360

190
52 57 70 90 100 113
3 10 17 26 27 49
7
1987

1988

1989

1990

1991

1992

1994

1998

2000
1993

1995

1996

1997

1999

2001

2002

2003

~ 80% das Usinas do estado de São Paulo estão na área da CPFL; o estado de São Paulo produz
~ 60% da produção Brasileira de cana.
Fonte:Xavier, B. (2004). “Histórico da co-geração com biomassa na CPFL”

12
Geração de Grandes Excedentes

• Caldeiras de alta pressão


• Turbogeradores de extração e condensação
• Exportação de E.E. ano todo (safra e entre-
safra)
• Utilizar outros ciclos térmicos (gaseificação/
ciclo combinado)
• Reduzir consumo de vapor do processo
• Obter combustível complementar

Uso da Palha da Cana-de-açúcar

13
Disponibilidade de Palha
• Produtividade média da cana: 82,4 t/ha
• Palha disponível (base seca): 11,5 t/ha
• Palha % de cana (base seca): 14%

Obs.: Valores médios para as variedades plantadas no Brasil


Cana de ano e meio (média de 5 cortes)

Atualização – outubro 2003

Principais Características da Palha


- Umidade
• No corte : 50%
• Após uma semana no solo : < 15%
- Poder calorífico inferior (PCI - kcal/kg)
• No corte : 1.800
• Com 15% umidade : 3.100
- Teor de cinzas : < 5% base úmida
- Eficiência de enfardamento :> 70%
- Custo aproximado (US$/t MS)
•Processada no ponto de consumo : 18,49
(US$ 1,28/MM BTU)
Obs.: do custo total US$ 8,00 /t MS (impactos agrícolas)

14
Impactos Agrícolas do Colchão de Palha
Positivos Negativos
• Proteção do solo contra • Riscos de incêndio
erosão • Dificuldade para execução de
• Redução da amplitude da algumas operações agrícolas
variação térmica • Retardamento ou falha na
• Incentivo ao aumento da brotação (redução
atividade biológica produtividade)
• Aumento das taxas de • Aumento das populações de
infiltração de água no solo praga (cigarrinha)
• Redução da evaporação
• Controle de ervas daninhas

Convencional – Condensação ano todo


Exportação
Vapor 82 bar Vapor 22 bar
E.E. 100 kWh/tc
TG – Extração e
condensação
Turbinas
AM

Condensador
Bagaço Caldeira
Palha
Torre de
Vapor 2,5 bar resfriamento
Processo

15
BIG/GT – ano todo Exportação
Sistema de Bagaço E.E. 300 kWh/tc
Gaseificação Palha
Vapor 22 bar
e Limpeza
Vapor 82 bar
de Gás TG – Extração e
condensação
Gás limpo Caldeira de
recuperação de
calor
Turbinas
AM
Condensador

TG a gás
Torre de
resfriamento
Vapor 2,5 bar
Processo

Alternativas de Geração em Usinas


Consumo Excedente Potencial Brasil %
Tecnologia Operação Processo Energia Consumo
kgv/tc kWh/tc GWh MW Brasil
22bar-300C
TG Safra 500 0 – 10 3 600 900 1
Contrapressão
80bar-480C Safra
TG 500 40 – 60 22 000 5 500 6
Contrapressão
80bar-480C
TG Ano todo 340 100 – 150 54 000 7 200 16
Condensação

BIG/GT Ano todo < 340 200 - 300 110 000 14 500 32

Obs.: Consumo residencial médio 150 kWh/mês


Consumo nacional de energia elétrica 342 10³ GWh/ano (BEN 2004)
Moagem anual de 360 milhões de toneladas de cana

16
Biodiesel - Integração com Usina
Açúcar e Álcool

Integração Biodiesel x Usina


Álcool

Produção de Grãos Vapor

Produção
Infraestrutura Agrícola de Energia Elétrica

Biodiesel
Água
Logística
Biodiesel

Infraestrutura Industrial

Até B100 frota

17
Aspectos Econômicos – 1 t de cana
R$

80 l álcool (R$ 0,70 / l) 56

50 a 150 kWh (R$ 100 / MWh) 5 a 15

25 a 75 kg CO2 evitado (R$ 15 / t CO2) 0,40 a 1,20

Usina Moderna
• Eletrificação de acionamentos
• Redução do consumo de vapor de processo
• Colheita de cana sem queimar com
recolhimento de palha
• Uso do biogás
• Uso do gás natural
• Outros produtos

18
Expectativa de Crescimento
Produção de cana no Brasil

700

600
Milhões de tonelad as

500

400

300

200

100

0
90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12
Ano

Produção Estimativa

Comentários
Menos de 10%
Hoje no Brasil existem
Exportam Energia Elétrica
~320 usinas
600 MW (só safra)

Se 100% exportassem E.E. com a tecnologia comercial:


4.000 MW (só safra, em cogeração, só bagaço)

Potencial para 600 milhões de t de cana com a tecnologia comercial:


6.000 MW (só safra, em cogeração, só bagaço)

Como as novas usinas estão investindo na produção de E.E. ?

Por que ?

19
Obrigado !
lamonica@ctc.com.br
http://www.ctc.com.br

FIM

Legislação
Cronograma sobre queima
de Redução da Queima
Decreto Federal 2.661 e Lei Estadual 11.241

100%
Federal Mecan.
90%
SP Mecanizável
80%
70% SP Não Mecaniz.
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
2002

2004

2006

2008

2010

2012

2014

2016

2018

2020

2022

2024

2026

2028

2030

2032

20
Evolução da colheita de cana sem queima (97 a 04)
Evolução da Colheita de Cana Sem Queimar
30,0%

25,0%

20,0%

15,0%
São Paulo
10,0% Centro-Sul

5,0%

0,0%
1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004

Fonte: IDEA (1997 to 2002)

CT C (2003 to 2004)

Aumento de Produtividade
§ Investimentos em tecnologias e pesquisa da ordem de US$40
miLhões/ano
§ Ganhos de produtividade

PRODUTIVIDADE - BRASIL
lts de álcool/tc tc/hectare m3 /hectare
85,00 7,50
80,00 7,00
6,50
tc e lts/hectare

75,00
6,00
70,00
m3/hectare

5,50
65,00
5,00
60,00
4,50
55,00
4,00
50,00 3,50
3,00 % a.a

45,00 1,90 % a.a 3,00


5,66% a.a 1,83 % a.a 2,33 % a.a
40,00 2,50
75/76 80 90 97/98 00 04/05

21
Evolução
PRODUÇÃO da Produção Brasileira de
BRASILEIRA DECana, Açúcar
CANA, e Álcool
AÇÚCAR
350.000 E ÁLCOOL 25.000

300.000
20.000

Açucar (t ) e Álcool (m3)


250.000
Cana x 103 (t)

15.000
200.000

3
x 10
150.000
10.000

100.000
5.000
50.000

0 0
70/71

72/73

74/75

76/77

78/79

80/81

82/83

84/85

86/87

88/89

90/91

92/93

94/95

96/97

98/99

00/01

02/03
Safra

Cana Açúcar Álcool Total

Balanço Energético das Alternativas


Energia Útil (kWh/tc)
Alternativa Eletromecânica Térmica Total EM/ETotal
22bar-300C TG
28 330 358 0,08
Contrapressão
80bar-480C TG
90 330 420 0,21
Contrapressão
80bar-480C TG
180 230 410 0,44
Condensação

BIG/GT 333 184 517 0,64

22
Composição do Gás do BIG
C2H4 1%
CH4 4%
CO 15 %
CO2 14 %
H2 12 %
H2O 6%
N2 48 %
PCI – 5,1 MJ/Nm3
% em volume base seca

Fluxograma Básico
Sistema de Gaseificação

Resfriador
Gás limpo
para a turbina
a gás
Gaseificador Craqueador

Lavador
Gás de
Bagaço Secador
Gases
Palha

Filtro

Gases de escape
da caldeira de recuperação

23
BIG/GT - Integrado Usina
Gás
Gaseificador
Ar
Palha

Bagaço
Palha G
Bagaço

Turbina a gás
Secador

Gás exausto

Caldeira de Recuperação
Consumo:
37 t bag/h (U 50%)
Produção:
Vapor para
16 MW + 72 tv/h - 22 bar / 300 C Usina Água

24