Você está na página 1de 12

Eduardo VicEntE

Chantecler:

uma

gravadora

popular

paulista

EDUARDO VICENTE é professor e vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos audiovisuais (PPGMPa) do departamento de cinema, rádio e tV (ctr) da Eca-uSP.

de Pós-Graduação em Meios e Processos audiovisuais (PPGMPa) do departamento de cinema, rádio e tV (ctr)
de Pós-Graduação em Meios e Processos audiovisuais (PPGMPa) do departamento de cinema, rádio e tV (ctr)
de Pós-Graduação em Meios e Processos audiovisuais (PPGMPa) do departamento de cinema, rádio e tV (ctr)

RESUMO

Este texto busca apresentar a trajetória da gravadora paulistana chantecler, que, ao longo dos anos 60 e 70, teve um papel fundamental na formação de artistas ligados a segmentos então menosprezados pelas grandes gravadoras, especialmente o sertanejo,a música romântica tradicional e a música regional. alémdisso,o texto traz ainda uma reflexão acerca do processo de estratificação do consumo de música popular que se verificou no país a partir dos anos 60 e, nesse contexto, do papel que passou a ser ocupado pelas gravadoras nacio- nais diante das empresas internacionais (majors) que estavam se instalando no país.

Palavras-chave: música popular brasileira, indústria fonográfica, música ser- taneja, gravadora chantecler.

ABSTRACT

This text seeks to present an account of the history of Chantecler, a record com- pany from São Paulo, which throughout the 1960s and 1970s played a key role in forming artists linked to genres then underrated by major record companies, especially country, traditional romantic and regional music. Besides that, this text reflects on the process of stratification of popular music consumption,which started to be noticed in the country in the 1960s; and also, in that context, on the role that was taken up by national record companies as major international companies were establishing themselves in the country.

Keywords: Brazilian popular music, record industry, Brazilian country music, Chantecler record company.

INTRODUÇÃO paulista, especialmente a música sertaneja. Além disso, sua história ajuda a evidenciar o
INTRODUÇÃO
paulista, especialmente a música sertaneja.
Além disso, sua história ajuda a evidenciar
o frequentemente esquecido papel das
gravadoras nacionais dentro do cenário da
produção fonográfica do país, especialmen-
te no que se refere à música regional e aos
gêneros musicais ligados às populações de
menor poder aquisitivo – tradicionalmente
menosprezados no âmbito das gravadoras
internacionais instaladas no país.
A Chantecler teve como seu primeiro
diretor artístico o músico e compositor Dio-
go Mulero, o “Palmeira” da dupla Palmeira
e Biá. Biaggio Baccarin, mais conhecido
como Dr. Brás, foi um de seus sucessores
e permaneceu na direção artística da gra-
vadora mesmo após a venda da empresa à
Continental, em 1972. Grande parte das in-
formações sobre a Chantecler apresentadas
neste texto foram obtidas a partir de dois
depoimentos que me foram concedidos pelo
Dr. Brás nos anos 1999 e 2007, motivo pelo
qual lhe dedico o presente texto.
Gostaria de acrescentar que esses depoi-
mentos fazem parte do acervo que constituí
dentro do Departamento de Cinema, Rádio

O objetivo deste texto é apresentar a trajetória da gravadora Chantecler que, fundada em 1958, teve um papel fundamen- tal para o desenvolvi- mento da música popular

e TV (CTR) da ECA-USP a partir do pro-

jeto de pesquisa “O Outro Lado do Disco:

a Memória Oral da Indústria Fonográfica

no Brasil”. O projeto contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo. Mas, antes de apresentar a trajetória da Chantecler, gostaria de desenvolver uma re- flexão sobre o desenvolvimento da indústria fonográfica no país, tentando situar tanto o papel das empresas nacionais dentro de um mercado que foi gradativamente dominado por grandes gravadoras internacionais, as chamadas majors, como oferecer uma breve reflexão sobre o processo de estratificação do consumo de música popular no país e as hierarquizações daí resultantes.

A MÚSICA GRAVADA

Se nos reportarmos aos primórdios da produção fonográfica nos países centrais, poderemos identificar na seleção do reper- tório inicialmente gravado pelas empresas aquilo que o pesquisador Reebee Garofalo

(1993, p. 22) denomina como um “refe- rencial elitista de alta cultura, [no qual]

a música europeia era considerada muito

superior à música popular produzida nos EUA”. E, com o objetivo de oferecer esse conteúdo cultural distintivo às classes abastadas que podiam adquirir o aparelho, Fred Gaisberg, diretor artístico da Victor Machine Company, percorria a Europa já em 1901 com o objetivo de gravar os cantores de maior destaque das principais companhias de ópera daquele continente. Por esse meio, “a série ‘Red Label’, top line da Victor, pôde incluir gravações de canções e árias em todas as línguas euro- peias e em muitas línguas orientais, bem como gravações da Ópera Imperial Russa” (Garofalo, 1993, p. 22).

A música popular, ligada às classes

menos abastadas da sociedade foi, segundo

o autor, frequentemente ignorada, numa

situação que só começou a ser superada a

partir da década de 20, especialmente depois do advento do cinema sonoro (1927). Um aspecto a se reter desse relato é o de que a indústria fonográfica criava uma nova categoria de distinção no meio musical: entre as obras que eram e as que não eram gravadas. Como o aparato de registro e reprodução sonora possibilitado pela indústria ficava sob o controle de seus proprietários, cabia a eles a decisão sobre os gêneros musicais que seriam privilegiados em sua atividade, algo que era feito em função de suas preferências pessoais e, é claro, dos interesses de seu público-alvo. Assim, quando nos reportamos à história da música popular desenvolvida ao longo do século XX, vale recordar que frequen- temente estamos nos referindo às músicas que, de alguma maneira, ingressaram no processo de industrialização através do registro fonográfico. Devemos manter essa questão em mente. Ao contrário do repertório erudito, que teve suas possibilidades de afirmação de autoria, sobrevivência ao tempo e disseminação geográfica garantidas pelo desenvolvimento da escrita musical, a música popular – antes do surgimento das técnicas de gravação – dependia quase que totalmente das incertas perspectivas oferecidas pela tradição oral para a sua perpetuação. Nesse sentido, decisões dos executivos das gravadoras sobre que músicas populares seriam ou não gravadas, distribuídas e divulgadas por suas empresas tiveram papel crucial na consa- gração de gêneros musicais e na definição do repertório que chegaria até nós.

O INÍCIO DA INDÚSTRIA NO BRASIL

Ao analisarmos a questão do início da indústria fonográfica no Brasil, veremos que aqui ela não se dá sob a égide da pro- dução de música erudita. Conforme relato de Tinhorão (1981), Frederico Figner, um tcheco de origem judaica radicado nos EUA, desembarca em Belém do Pará em

78 REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

1891 trazendo alguns fonógrafos. A partir de então, percorre o país fazendo exibições pagas dos equipamentos. Em 1897 abre no Rio de Janeiro a sua primeira loja, a Casa

Edison, já com o intuito de comercializar os aparelhos. Em 1902 passa a atuar também na gravação de música popular e seus pri- meiros artistas contratados são os cantores de serenata Antônio da Costa Moreira,

o Cadete, e Manuel Pedro dos Santos, o

Baiano. Nesses primeiros trabalhos, fo- ram registrados choros, lundus, modinhas, além de músicas diversas executadas pela recém-criada Banda do Corpo de Bombei- ros (formada pelo maestro e compositor Anacleto de Medeiros em 1896). Baiano seria ainda o intérprete, em 1917, de “Pelo Telefone” (de autoria assumida por Donga e Mauro de Almeida), a primeira música a ser gravada no país (e pela Casa Edison) sob a denominação de “samba”.

As produções da Casa Edison eram fei- tas a partir de uma parceria com a empresa alemã Zonophone, que enviou um técnico ao país para as primeiras gravações: “As músicas eram gravadas aqui e os discos eram produzidos na Europa” (Franceschi, 2002, p. 312). Em 1904, Figner torna-se

representante exclusivo da gravadora Odeon no país, o que leva à implantação, por parte da empresa, da primeira fábrica de discos

do Brasil, em 1913 1 .

Nas décadas seguintes, outras gravado- ras seriam criadas no país. Em 1928, por exemplo, a empresa paulista Byington &

Cia., dirigida porAlberto Jackson Byington Jr., firma contrato com a Columbia norte- americana para a prensagem e distribuição de seus discos no país. Simultaneamente,

a empresa inicia também a gravação de

discos de música brasileira que, assim como

o catálogo da Columbia, são lançados com

o selo Columbia do Brasil. As primeiras gravações nacionais surgem já em 1929

e, em 1943, com o fim do contrato com a

Columbia, que passa a ser representada pela Odeon, a gravadora cria seu próprio selo,

música sertaneja no país. O episódio é razoavelmente conhecido, mas gostaria de

retomá-lo.Ainda em 1928,Ariowaldo Pires,

o Capitão Furtado, sobrinho de Cornélio,

atua como seu tradutor numa conversa com o norte-americano Wallace Downey, diretor artístico da Columbia do Brasil. Na conversa, Cornélio propõe a gravação de músicas e anedotas de sua Turma Caipira 3 .

Downey apresenta Cornélio a Byington, que deve tomar a decisão final sobre o assunto. Byington recusa a proposta por considerar que não existiria no país um mercado para esse tipo de produção, mas os dois acabam chegando a um acordo em que a empresa se dispõe a gravar os discos desde que Cornélio assuma os custos de sua produção

e prensagem. Os discos então saem pela

gravadora com um selo de cor distinta do da

Columbia e por uma série especial (a Série Cornélio Pires). Posteriormente a gravado- ra, impressionada com a rapidez com que os discos são vendidos, acaba estabelecendo um contrato com Cornélio 4 . Mas gostaria de examinar esse episódio sob a perspectiva da indústria. A gravação

e impressão de discos sob demanda não é

um comportamento tradicional das grava- doras. Porém, a ação da Continental em relação a Cornélio Pires, provavelmente pelo seu sucesso, levou a empresa a manter, durante boa parte de sua existência, um departamento destinado especificamente a oferecer esse tipo de serviço, denominado “matéria paga”. O produtor musical Pena Schmidt, que atuou na Continental em diferentes períodos, chegou a dirigir esse departamento durante os anos 70 e detalha seu funcionamento:

“O conceito de matéria paga era assim (simulando um diálogo):

– Quero gravar um disco na Continental.

– Perfeitamente, quantos discos?

– Eu quero três mil discos.

– Ah, tá bom, você já sabe as músicas que você quer gravar?

o

Continental 2 .

Ah, eu tenho uma listinha aqui.

A empresa de Byington, como se sabe,

Mas em que estilo você quer gravar?

iria se tornar, a partir de sua relação com

Ah, eu quero fazer igual ao Milionário

Cornélio Pires, a pioneira na gravação de

e

José Rico.

REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

1

“Um Império Musical no Brasil”, in Gazeta Mercantil, São Paulo, 5/11/99.

2

Informações fornecidas por Biaggio Baccarin em depoimento prestado em 11/10/1999. A melhor fase da Continental ocorreu entre as décadas de 30 e 50, quando lançou artistas como Orlando Silva, Aracy de Almeira, Emilinha Borba,

Anjos do Inferno,Sivuca,Di- lermando Reis e Luis Bonfá, entreoutros.Passaramainda

pelagravadoranomescomo

Noel Rosa, Vadico, Para- guassu, João Pernambuco,

Garoto, Marlene, Dorival Caymmi, Lamartine Babo, Mário Reis, Novos Baia-

nos, Sílvio Caldas, Altamiro Carrilho, Ney Matogrosso

e

Secos & Molhados, entre

outros (“Warner Recupera Acervo Histórico de MPB da Continental”,in O Estado de S. Paulo, 25/10/1993).

3

Recomendo,aesserespeito,

a

audição dos dois depoi-

mentos de Capitão Furtado que integram a Coleção Aramis Millarch (http:// www.millarch.org/audio/

capit%C3%A3o-furtado).

4

Outros nomes da música

sertaneja seriam gravados pela Continental ainda em

seusprimeirosanos,comoo

já citado Paraguassu,além de

Jararaca e Ratinho,Tonico e

Tinoco,entreoutros.Segun-

do Baccarin, a Continental também produziu curtas- metragens com artistas da música sertaneja, mas que acabaram perdidos.

79

– Perfeitamente, então vou marcar estúdio

pra você, te ligo, você passa no caixa e paga os três mil discos…

Isso é a matéria paga, você faz por en- comenda, usa o know-how da empresa, os arranjadores, o carimbo de ‘disco da Continental’… Muita coisa, muito artista da Continental entrou como matéria paga, porque lá havia um enxame de produtores,

e nego ouvia e falava: ‘essa música é boa,

vou dar pro fulano gravar’, pega a música

de um matéria paga, dá pro outro… era o tempo todo essas histórias e isso era feito de uma forma muito objetiva. O tal do sucesso era uma coisa perceptível e que passava na sua frente… Esse lance da matéria paga era amazônico. Não contaminava, não chegava nada aqui, eram países diferentes,

e a Continental ia lá em todos esses cantos.

A Continental tinha essa característica que

separava das outras gravadoras. A gente falava: a Continental trabalha com o Brasil do lado de lá da Marginal Pinheiros, com o

interior. As outras companhias trabalhavam da Marginal para cá, na direção do Rio de Janeiro” 5 .

5 Depoimento do produtor

musicalPenaSchmidtconce-

dido ao autor em setembro de 2007 dentro do projeto “O Outro Lado do Disco: a Memória Oral da Indústria Fonográfica no Brasil”.

6 Eu discuto esse tema em:

Vicente, 2009. As citações aqui apresentadas constam

desse texto e são, respecti- vamente, de Álvaro Salgado

e Pedro Anísio.

7 Essaeraabase,porexemplo,

do projeto da Rádio Gazeta que,fundada em 1943,tinha uma sala de concerto, um elenco próprio de cantores

e foi responsável pelas pri-

meiras montagens no país de diversas óperas. Era a partir dessa estrutura que a rádio se apresentava como uma “emissora da elite” – em- bora preservasse horários em sua programação para

a música popular e mesmo

para a música sertaneja (cf. Guerrini, Jr., 2009).

A ESTRATIFICAÇÃO DO CONSUMO MUSICAL

Vale sublinhar a expressão de Pena Sch- midt: “lado de lá da Marginal Pinheiros”.

A metáfora traz a ideia de uma segregação, uma divisão entre as produções musicais de diferentes origens. Uma hierarquização entre segmentos e artistas que talvez seja

uma das características mais marcantes de

nossa música popular. Por isso, gostaria de me situar melhor em relação a esse tema, que me parece essencial para melhor com-

preendermos a atuação da Chantecler e de muitas das gravadoras tradicionais do país no contexto da indústria. O debate sobre o tema da música popular do país, nos meios intelectuais, parece ter seu momento inicial na década de 1920, com

Mário de Andrade ocupando um papel cen- tral. Mário, segundo Arnaldo Contier (s.d.),

“defendia a pesquisa do folclore (música popular) como fonte de reflexão temática e técnica do compositor erudito preocupado,

num primeiro momento, com a criação de uma música nacional”. Mas nas décadas de 30 e 40, quando o desenvolvimento da radiodifusão no país leva a uma ampla divul- gação da música popular, o tema se desloca para essa área de produção e se realiza sob

a égide do governo Vargas, onde a vocação

disciplinadora e civilizatória do Estado se integra à questão nacionalista. O samba, elevado à condição de música nacional,

será o objeto central desse debate. Visto por intelectuais orgânicos do regime como “feio, indecente, desarmônico e arrítmico”,

o samba deve ser “educado” para se tornar a

síntese de nossa nacionalidade. Opositores do “samba-malandro”, mais ligado à cul- tura dos morros, esses intelectuais verão o “samba-exaltação” – que tem na “Aquarela do Brasil” (Ary Barroso, 1940) sua obra paradigmática – como uma resposta às suas preocupações, já que transformara o samba num “digno e elegante representante do espírito musical de nossa gente” 6 . Após o final do Estado Novo e durante toda a década de 50 o debate aparentemen- te arrefece. Esse período corresponde ao predomínio do rádio como principal mídia de entretenimento no país, através do qual acabou se consolidando toda uma geração de intérpretes formada por nomes como Marlene, Emilinha, Dalva de Oliveira, Francisco Alves, Alvarenga e Ranchinho, Ary Barroso, Carmen Miranda e Orlando Silva, entre outros. Vale observar que, nesse momento, o rádio não parecia estabelecer hierarquizações entre esses artistas ou entre os segmentos musicais a que pertenciam. Assim, embora o ingresso da música ser- taneja no meio fonográfico tenha, como vimos, enfrentado alguma resistência ini- cial, não me parece que maiores restrições ao gênero tenham se mantido até os anos 50, quando uma hierarquização talvez só pudesse ser encontrada na relação entre a música popular e a erudita 7 . Mas a partir do final dos anos 50 teremos uma importante mudança nesse cenário: a bossa nova surge e acaba por se estabelecer

80 REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

como o grande divisor de águas no campo. “Chega de Saudades” (Tom Jobim e Vinicius de Moraes, 1958) assume o papel de canção manifesto da bossa nova, que se estabelece como a oposição urbana, discreta e moderna aos temas melodramáticos e interpretações carregadas típicas dos cantores do rádio.Ao

sintetizar o Brasil moderno e progressista do período JK, a bossa nova não só oferece uma nova configuração de nacionalidade, em que

o urbano substitui o rural, como constrói e

legitima sua linha de influenciadores (Noel, Ary, Mário Reis, Caymmi) e oposições (a fossa, o samba-canção abolerado, o dó de peito…). Assim, a partir da bossa nova, o campo da produção de música popular adquire sua autonomia, estabelece suas instâncias de consagração – a crítica escrita, a repercus-

são internacional, a presença televisiva, a admiração de novas gerações de artistas, etc. – e critérios de hierarquização. Em alguma medida, não era um cenário completamen- te novo já que parecia atualizar, embora sobre bases ideológicas bastante distintas,

a discussão entre o samba-malandro e o

samba-exaltação promovida pelos intelec- tuais estado-novistas. Mas a questão agora tinha novos aspectos, sendo a presença do mercado aquele que considero um dos mais significativos. Nesse contexto, vale observar que a década de 60 irá se constituir no momento de efetiva substituição do rádio pela TV como principal veículo de comunicação do país. E a mudança do campo musical expressa essa situação. Toda uma nova geração de artistas como Tom, João, Elis, Jair, Roberto, Erasmo, Chico, Edu, Caeta- no e Gil, entre muitos outros, irá surgir ou atingir a consagração a partir de programas televisivos (“O Fino da Bossa”, “Jovem Guarda”, “Divino Maravilhoso”, etc.) ou dos festivais da canção (especialmente os promovidos pela TV Record). Eu não quero, evidentemente, reduzir

a importância histórica e cultural desse momento e nem diminuir o significado do processo de politização dessa produção com o Manifesto do CPC (1962) e com a resistência ao golpe militar de 1964. Mas,

para a presente reflexão, importa pensar nessas produções como fornecedoras de elementos de distinção passíveis de incorpo- ração por novas gerações de consumidores dos grandes centros, que eram compelidos a escolher entre Chico Buarque e Roberto Carlos, Geraldo Vandré e Caetano Veloso, etc. E, em qualquer caso, oferecia a esses jovens signos de modernidade e distinção em relação a Nelson Gonçalves, Vicente Celestino, Waldick Soriano, Milionário e José Rico e todo um vasto elenco de ar- tistas que, quase completamente ausentes do meio televisivo, tiveram seus nomes associados a expressões como “cafona” e “brega”, surgidas para designar sua posição subalterna no campo. Um outro aspecto da presença do merca- do é o da reorganização do setor fonográfico que então se verifica. Em seu contexto teremos, a partir dos anos 60, não apenas a chegada de novas e importantes gravadoras internacionais ao país (Philips, em 1960; Warner, em 1976; Ariola, em 1979) como o surgimento de gravadoras enquanto braços fonográficos de emissoras de TV, sendo o exemplo mais importante o da Som Livre, criada pela Rede Globo em 1971. Esse

Milionário e

José Rico,

Estrada da Vida, Chantecler,

1977

Milionário e José Rico, Estrada da Vida , Chantecler, 1977 REVISTA USP, São Paulo, n.87, p.

REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

81

Abaixo,

Belchior,

Chantecler,

1977

8 Pela RCA gravaram artistas como Gastão Formenti, Vicente Celestino, Orlan-

do Silva e Francisco Alves, entre outros. A empresa

foi vendida em 1987 para

o conglomerado alemão

 

BertelsmannAG,tornando-

se parte da Bertelsmann Music Group (BMG).

9

Informações prestadas por Biaggio Baccarin em de- poimentos prestados ao autor em 11/10/1999 e

8/11/2007.

fenômeno se associa a um extraordinário crescimento do mercado fonográfico, que elevará a produção de suportes musicais no país de 5,5 milhões de unidades, em 1966, para 52,6 milhões, em 1979, conforme dados da Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD). Visando a um mercado urbano de maior nível de escolarização e poder aquisitivo, as grandes gravadoras internacionais e conglomerados televisivos estabelecerão uma espécie de reserva de mercado em relação a essa nova geração de artistas. Às gravadoras tradicionais como Continental, Copacabana e Chantecler, caberá, ao lon- go da década de 70, vincular-se cada vez mais ao mercado regional e aos segmentos

musicais voltados a um público de menor poder aquisitivo. Um importante sentido econômico

dessa divisão está no fato de que a MPB e

a jovem guarda eram vendidas através de discos de maior valor comercial, com boa margem de lucratividade. Já os segmentos

mais populares eram comercializados em suportes de menor valor e se voltavam a um mercado bem mais vulnerável às flutuações da economia. A partir de 1977, ante a crise

flutuações da economia. A partir de 1977, ante a crise econômica que se intensificava, surgiriam ainda

econômica que se intensificava, surgiriam ainda os chamados “discos econômicos”, que chegavam a custar praticamente metade do valor dos discos top seller. Eles eram vendidos especialmente por gravadoras nacionais e representavam um mercado bastante instável. Em 1979, por exemplo, eles representaram 12 dos 52,6 milhões de suportes vendidos. Mas dez anos depois, em 1989, logo antes do lançamento dos CDs no país, eles eram apenas 8,2 dos 76,8 milhões de suportes vendidos.

A CHANTECLER

A gravadora Chantecler surgiu no mo- mento inical do processo acima descrito e, assim como a Continental, a partir de uma parceria com uma empresa internacional – no caso, a gravadora RCA. Operando no Brasil desde 1930 8 , a RCA contava, para a distribuição de seus produtos, com os servi- ços da Cássio Muniz S/A, uma empresa de vendas no atacado e varejo. Localizada na Praça da República, esquina com a Rua do Arouche, a Cássio Muniz contava com uma rede de representantes espalhada por todo o país. Por seu intermédio ela distribuía, além de toda a linha de discos e equipamentos eletrônicos da RCA-Victor (toca-discos, rádios e televisores), aviões da Cessna, veículos da GM e todo um vasto catálogo de produtos (em sua maioria importados). Ao decidir criar, em 1956, a sua própria rede de distribuição no país, a RCA sugere a Cássio Muniz – como uma forma de compensação – que crie sua própria gravadora, valendo-se do know-how da empresa. O acordo era de que a Cássio Muniz mantivesse, ainda por dois anos, a distribuição de discos da RCA, para poder consolidar seu próprio investi- mento na área 9 . Nascia assim a gravadora Chantecler, nome derivado da expressão francesa chant clair (“voz clara”) e tendo a imagem de um galo como seu logotipo. Já no ano seguinte, a Chantecler abria mão da distribuição da RCA devido ao grande sucesso de suas próprias produções. Na- quele momento, segundo Biaggio Baccarin,

82 REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

que foi diretor artístico da empresa durante

a maior parte de existência, as principais

gravadoras presentes em São Paulo eram RCA, Columbia, Copacabana, Continental, EMI-Odeon e Sinter 10 . A Chantecler procurou, desde o seu início, atuar numa faixa de mercado mais popular, especialmente com a música regio-

nal (sertaneja, guarânias, rasqueados, etc). Com essa intenção, ela teve Diogo Mulero,

o Palmeira da dupla Palmeira e Biá, como

seu primeiro diretor artístico. O primeiro disco da empresa foi lançado em 1958 e era um LP da orquestra de Zico Mazagão, que gravou “Cabecinha no Ombro” e outros sucessos da época. O segundo disco foi Cascata de Valsas, de Alberto Calçada, só com valsas brasileiras. Logo a Chantecler obteve grandes sucessos com artistas como Cláudio de Barros (“Cinzas do Passado”), Leila Silva (“Perdão para Dois”), Edith Veiga (“Faz-me Rir”), Marta Mendonça (“Tu Sabes”) e Luiz Wanderley (“Baiano Burro Nasce Morto”), José Orlando (“So- mente Tu”), Wilson Miranda (“Longe de Ti”) e Luis Bordon (harpista paraguaio). Posteriormente, ainda gravariam por ela nomes como Waldick Soriano, Francisco Petrônio, Lindomar Castilho, Poly (nome artístico do multi-instrumentista Ângelo Apolônio) e Wilson Miranda, entre outros. Mas o maior sucesso da história da grava- dora talvez tenha sido Coração de Luto,

o primeiro grande sucesso de Teixeirinha

que, segundo Baccarin, vendeu mais de 600 mil cópias. Ainda assim, a principal área de atuação da Chantecler foi mesmo a da música sertaneja, na qual teve entre seus primeiros contratados nomes como Tibagi

e Miltinho, Tião Carreiro e Pardinho, Zico e Zeca, Pedro Bento e Zé da Estrada, Palmeira

e Biá, Zé Bettio e Mário Zan. Baccarin aponta que um aspecto im- portante na estratégia da empresa para atuar em mercados marginais e de menor poder aquisitivo foi continuar distribuindo muitos de seus artistas através de discos de 78rpm num momento em que o LP já estava em vias de se tornar dominante no mercado 11 . Com isso, assegurava sua presença junto a um público que tinha

dificuldades para substituir seus antigos aparelhos reprodutores de discos. Assim, Palmeira gravava uma média de quarenta discos de 78rpm por mês contra apenas cinco a seis LPs. Esse número bastante expressivo de gravações tinha como ob- jetivo formar catálogo para a gravadora – uma dificuldade adicional enfrentada pelas empresas nacionais que, diante da instalação de empresas estrangeiras no país, tinham poucas oportunidades de dis- tribuir catálogos importados e precisavam, por isso, assegurar rapidamente a posse de um grande número de títulos que garantisse sustentação às suas vendas. Apesar dos sucessos obtidos, a relação de Palmeira com a gravadora durou pouco mais de dois anos. Devido a um desentendi- mento financeiro com a direção da empresa ele deixa a direção artística em 1961, sendo substituído por Natal César. Mas esse não conseguiu se consolidar no cargo, que pas- sou a ser ocupado por Biaggio Baccarin já no ano seguinte. Biaggio era funcionário do grupo Cássio Muniz desde 1951 e passou a trabalhar na gravadora pouco depois de sua criação, em função do seu grande interesse por música. Foi dele, por exemplo, a suges- tão para a gravação, em 1959, no primeiro aniversário da Chantecler, da versão integral da ópera O Guarani, de Carlos Gomes, que foi lançada num pacote com três discos. Segundo Baccarin, nenhuma gravadora da América Latina havia, até então, registrado uma ópera ao vivo e O Guarani jamais fora gravada integralmente 12 . Os discos esgotaram-se rapidamente e foi o sucesso dessa iniciativa que acabou gerando o con- vite para que Baccarin passasse a trabalhar na gravadora. Segundo Baccarin, Dominique, Jeane, ZéAugusto, Lorenço e Lorival, Milionário e José Rico, César e Paulinho, Joelma e Nalva Aguiar foram alguns dos artistas lançados por ele ainda no início de sua passagem pela direção artística da gravadora. Foi dele tam- bém a iniciativa de contratar os Demônios da Garoa – que passavam por um momento de baixa na carreira – e sugerir-lhes que gravassem um LP apenas com composições deAdoniran, inclusive a ainda inédita “Trem

REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

10

A Sinter seria adquirida

pouco depois pela Philips, tornando-se a base para

a

implantação da empresa

no país. Já a Copacabana foi fundada no Rio em

1948

e por ela gravaram

nomes como Elizeth Car-

doso,ÂngelaMaria,Agnaldo

Rayol, Moacyr Franco e Wanderley Cardoso, além de muitos artistas da música sertaneja.

11

O

long-play, ou LP, de rota-

ção 33.1/3rpm, foi lançado no mercado norte-america- no pela CBS ainda nos anos 40. Embora não existam dados estatísticos sobre a presença do 78rpm no país, certamente ele já estava em

declínio no final dos anos 50,

quandoaChanteclerfoifun-

dada. As estatísticas oficiais produzidas pelaAssociação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD) a partir de

1966

nem mencionam o

formato.

12

Sempre segundo Baccarin,a

gravação foi feita pela Or- questra Sinfônica Municipal sob a regência deArmando Belardi. O elenco de canto- res era o da Rádio Gazeta. Essa gravação foi utilizada durante muito tempo para

abertura do programa“A Hora do Brasil”.

a

83

das Onze”, que se tornaria o maior sucesso do carnaval daquele ano (1964). Assim, a Chantecler

“[…] acabou sendo uma gravadora do Rio Grande do Sul, uma gravadora do Norte- Nordeste, uma gravadora do Brasil central, e uma gravadora de São Paulo e um pouco Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro ela entrava pouco, apesar de ter alguns artistas que fize- ram sucesso no Rio de Janeiro. Então, pra mudar essa linha aí era muito complicado, então nós continuamos navegando nesse mesmo mar” 13 .

13 Biaggio Baccarin em depoi- mento prestado ao autor em 2007. A transcrição é de Rosana Stefanoni.

14 “Sertanejos Desembarcam no Maracanãzinho”,in Jornal do Brasil, 12/6/1981.

15 Como Leo Canhoto e Robertinho, Rock e Ringo, Sérgio Reis, Renato Teixei- ra, Dominguinhos e Luiz Gonzaga,entre outros (“Os Caipiras no Poder”, in Folha de S. Paulo, 2/9/1979).

Dessa forma, ela se aproximou muito do perfil da Continental, tornando-se tam- bém uma gravadora que, para usarmos a expressão de Pena Schmidt, olhava “para lá da Marginal Pinheiros”. Mas a passagem de Baccarin pela direção artística da Chantecler ocorreu num mo- mento delicado para o grupo Cássio Muniz, que perdia as representações de importantes empresas internacionais e ficava cada vez mais limitado ao mercado de varejo. Com isso, o lucro obtido pela Chantecler acabava sendo utilizado para cobrir outras carências do grupo, o que criava graves problemas para a manutenção de seu elenco. Como consequência, nomes fundamentais como Teixeirinha e Cláudio de Barros, entre ou- tros, acabaram deixando a gravadora já no final dos anos 60. Uma desavença entre os sócios levou, em 1970, à separação da Chantecler do grupo Cássio Muniz. Nesse período a gravadora chegou a distribuir no Brasil o catálogo da norte-americana MCA. Mesmo a empresa enfrentava problemas administrativos e sua crise não foi sanada. Assim, em 1972, ela acabou vendida para a Continental. Segundo Baccarin, essa foi em princípio uma boa solução para a gravadora. Sua estrutura administrativa foi mantida e ela funcionava na RuaAurora, no centro de São Paulo, enquanto a Continental tinha suas operações na Av. do Estado. Nesse período, além de gravar novos nomes de sucesso como Belchior e Luiz Américo, a Chante- cler teve Milionário e José Rico como seu

carro-chefe. Porém, como a aproximação do final dos anos 70, a própria Continental acabou atingida pela crise econômica que se avolumava e, como medida de redução de custos, integrou a Chantecler à sua estrutura administrativa em 1978. Assim,

a empresa deixou formalmente de existir

transformando-se em apenas mais uma marca (selo) da Continental. Em 1981, o nome da gravadora ainda surgiu com força através do show A Grande Noite da Viola, evento que Baccarin concebeu e ajudou a realizar. Ocorrido em 20/6/1981 ele reuniu, em pleno Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, grandes estrelas do segmento sertanejo como Tonico e Tinoco, Cascatinha (Inhana havia falecido dias antes), Vieira e Vieirinha, Milionário e José Rico, Tião Carreiro e Pardinho, Irmãs Galvão, Berenice Azambula e Teixerinha, entre outros. O show foi uma promoção conjunta da Chantecler e da Rádio Nacional. Com cobertura da TVS 14

o evento reuniu, segundo Baccarin, um pú-

blico de 15 mil pessoas. O evento parece ter

se vinculado, também, a um momento inicial

de penetração do segmento sertanejo junto ao público urbano. Entre outros exemplos, vale citar o lançamento, em 1979, do filme Estrada da Vida, de Nelson Pereira dos Santos, estrelado pela dupla Milionário e José Rico, e o sucesso da série televisiva Carga Pesada, da Rede Globo, que, lançada no mesmo ano, reunia em sua trilha sonora nomes da música sertaneja e nordestina 15 . Esse processo alcançaria seu ápice no iní- cio da década seguinte, quando a música sertaneja se tornaria o segmento de maior sucesso da indústria através de nomes como Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Zezé di Camargo e Luciano, João Paulo e Daniel, entre outros. Sempre segundo Baccarin, A Grande Noite da Viola foi o último momento de maior visibilidade da marca Chantecler, que foi gradualmente abandonada pela Continental. Em 1994, a própria Conti- nental foi vendida, transformando-se em parte da Warner Music, que, mesmo nos relançamentos de fonogramas do catálogo da Chantecler (que passou a lhe pertencer), acabou por não resgatar o nome.

84 REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

Baccarin, que se tornara gerente de produtos da Continental quando a Chan- tecler foi integrada à sua estrutura, saiu da empresa em 1981, mas acabou mantendo um relacionamento com ela na condição de advogado especializado em direitos autorais, área em que atua até hoje.

CONCLUSÕES

Gravadoras nacionais como a Chantecler foram as responsáveis por um trabalho fun- damental de documentação da música po- pular brasileira, registrando os trabalhos de artistas populares, vinculados a segmentos regionais, num momento em que as grandes empresas do setor praticamente ignoravam a existência desse mercado.Assim, atuaram junto a segmentos como o sertanejo, por exemplo, que só seriam privilegiados pela atuação dessas empresas a partir da década de 90, quando a substituição do LP pelo CD não apenas propiciou um extraordiná- rio crescimento do mercado como tornou menos significativa a variação de preços dos discos representada pela divisão entre LPs top seller e econômicos. Na verdade, acho possível afirmar que todo o forte processo de regionalização da música do país, verificado a partir dos anos

da música do país, verificado a partir dos anos 90, tenha sido preparado pela ação dessas

90, tenha sido preparado pela ação dessas gravadoras. Entendo que a já citada venda da Continental para a Warner, a incorpora- ção do acervo da Copacabana pela EMI no mesmo período, bem como a contratação de artistas formados nessas empresas por parte de grandes gravadoras – caso de praticamente todos os nomes da música sertaneja dos anos 90 – ajudam a confirmar essa hipótese. Por conta disso, é importante um es- forço no sentido tanto da recuperação da memória dessas empresas quanto de seus acervos musicais, já que uma significativa parcela do repertório de gravadoras como Continental, Copacabana e Chantecler, entre muitas outras, provavelmente jamais foi digitalizada.

Carlos Gomes,

O Guarani,

Chantecler,

1959

BIBLIOGRAFIA

contiEr, arnaldo d.“o nacional na Música Erudita Brasileira: Mário de andrade e a Questão da identidade cultural”, in Fênix Revista de História e Estudos Culturais, vol. 1, ano 1, n. 1, p. 1

(www.revistafenix.pro.br/pdf/Artigo%20Arnaldo%20Daraya%20Contier.pdf).

FrancEScHi, H. A Casa Edison e Seu Tempo. São Paulo, Sarapuí, 2002. GaroFaLo, reebee.“Whose World, What Beat: the transnational Music industry, identity and cultural imperialism”, in Music of the World – Journal of the International Institute for the Tradi- tional Music (IITM), n o 35(2), Berlin, 1993. GuErrini Jr., irineu. A Elite no Ar Óperas, Concertos e Sinfonias na Rádio Gazeta de São Paulo (1943-1960). São Paulo, Fapesp/terceira Margem, 2009. tinHorÃo, José r. Música Popular: do Gramofone ao Rádio e TV. São Paulo, Ática, 1981. VicEntE, E.“Samba e nação: Música Popular e debate intelectual na década de 1940”, in Revista Comunicart. v. 25. campinas, Puccamp, 2009, pp. 39-56.

REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 74-85, setembro/novembro 2010

85