Você está na página 1de 4

Correção da Prova escrita de Português, 7.

º ano(Para)Textos

Correção da Prova escritade Português


7.º ano
Outubro de 2018

GRUPO I

Transcrição do texto ouvido:

Tempestade Ophelia atinge Açores nos próximos dias

Ilhas de São Miguel e de Santa Maria vão ser as primeiras a sentir os efeitos da
tempestade tropical, que continua a aumentar de intensidade

Os efeitos da tempestade tropicalOpheliapoderão começar a ser sentidos no


arquipélago dos Açores a partir de sábado, anunciou nesta terça-feira o Centro de
Previsão e Vigilância Meteorológica dos Açores do Instituto Português do Mar e da
Atmosfera (IPMA).
“Pela avaliação dos resultados dos diferentes modelos meteorológicos, existe
uma probabilidade de entre cinco e 10% de as ilhas do grupo central (Faial, Pico, São
Jorge, Graciosa e Terceira) e de 15 a 20% de as ilhas do grupo oriental (São Miguel e
Santa Maria) começarem a sentir efeitos da tempestade a partir de sábado”, lê-se num
comunicado disponibilizado na página do Facebook da delegação regional dos Açores
do IPMA.
Segundo este comunicado, a probabilidade de as ilhas das Flores e do Corvo,
grupo ocidental dos Açores, serem afetadas “pelo ciclone é inferior a 5%”.
O Centro de Previsão e Vigilância Meteorológica dos Açores adianta que às
03:00 locais (mais uma hora em Lisboa), “o centro da tempestade tropical Ophelia
localizava-se a 1260 quilómetros a oeste/sudoeste” da região, continuando a aumentar
a intensidade do vento.
O vento médio era de 85 quilómetros/hora e as rajadas na ordem dos 100
quilómetros/hora.
O ciclone Ophelia está a deslocar-se para nordeste a 11 quilómetros/hora e
espera-se que continue a intensificar-se nas próximas horas atingindo a categoria de
furacão na quarta-feira”, adianta.
Já a partir do final do dia de hoje, “o ciclone deverá deslocar-se para sudeste,
pelo que deverá permanecer a sul da região nos próximos dias”.
Contudo, a partir de quinta-feira ao final do dia,“prevê-se que a tempestade
comece a deslocar-se lentamente para nordeste, aproximando-se assim do
arquipélago”.

in http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/tempestade-tropical/tempestade-ophelia-atinge-acores-no-
sabado (consult. em 10-10-2018)

1
PT7 © Porto Editora
Correção da Prova escrita de Português, 7.º ano(Para)Textos

1.1. A.
1.2. A.
1.3. B.
1.4. C.

GRUPO II

Texto A

1.
A. F. (As mudanças climáticas podem alterar o fluxo da Corrente do Golfo).
B. F. (As correntes de superfície levam a água quente e salgada dos trópicosouas
correntes profundas levam a água fria dos polos).
C. F. (A água fria dos polos desce ao fundo do oceano).
D. V.
E. V.
F. V.
G. F. (Grande parte das mudanças dramáticas de temperatura no passado foram
causadas por transformações na maioria das correntes marinhas).
H. V.

2.1. A.
2.2. B.

Texto B

3. A. – 2;B. – 3;C. – 1.

4. D.

5. Os exemplos são:
“As costas são aqui e ali cortadas a pique por um machado fantástico.”
“Quem olha, sonha tremendas manifestações que deram nascimento às cavidades, às
sombras, a negrumes e a muralhas de trezentos a quatrocentos metros de altura”(ll.
11 a 14).

6. A.

7. A comparação é “vagalhões como montanhas” (l. 18).

8.1. (sugestão de resposta)


Neste momento já a tempestade está a amainar. Ainda sou jovem mas até os
velhos de longas barbas juravam que não se lembravam de uma tormenta assim. O
Oceano atirou as suas ondas estrondosas contra as falésias da nossa pequena ilha do
Corvo, ao clarear da alvorada. Até as campas do nosso cemitério tremeram e as
cruzes oscilaram. Porém, o mais terrífico foi vermos um navio, jogado como um
brinquedo pelas massas líquidas, esfrangalhar-se na rebentação da praia. Foi um

2
PT7 © Porto Editora
Correção da Prova escrita de Português, 7.º ano(Para)Textos

longo momento de terror, em que ficámos imóveis, na expectativa. Infelizmente, nada


pudemos fazer…

GRUPO III

1. B.; C.; E.

2. B.

3. D.

4. A.

5. A. – 1; B. – 3;C. – 4;D. – 5;E. – 2.

GRUPO IV

1. Sugestão de resposta:

Terrível experiência

Ainda me arrepio ao recordar como sobrevivi à fúria da tempestade. Não foi em


terra, mas no mar. Tendo, certo domingo, partido da marina da Figueira da Foz no
barco a motor do meu tio, com ele e amigos seus, sempre com o conforto da costa por
perto, senti vontade de velejar mar adentro. Era a minha quinta viagem e já tinha
aprendido avidamente as manobras de condução e sabia também onde é que o meu
tio guardava as chaves da ignição.
Na segunda-feira seguinte, à hora do almoço, na marina, acionei o motor, sem
que ninguém desse por nada. Como uma flecha, avancei pelo oceano. Não queria ter
nada em redor senão mar, céu e vento. As águas calmas reverberavam a luz do sol
em mil pequenas cintilações. Mais longe, cada vez mais longe!
Ao crepúsculo, o vento mudou de direção e tornou-se mais frio e mais cheio.
Pensei que só tinha que fazer marcha atrás. Puro engano. Em menos de meia hora, o
céu, antes de um azul perfeito, tornou-se num manto de nuvens grossas e negras.
Veio a bátega, abrupta, furiosa. Cresceram as vagas. Estava nas garras da
tempestade e, sem controlo do barco, amarrei-me à amurada, tornando-me um
joguete das ondas.
De súbito, por entre o uivo dos ventos e da chuva, ouvi a conhecida voz de
comando do meu tio:
– Alex! Alex! – bradava ele.
– Tio! Socorro! – gritei desesperado.
– Agarra esta boia e prende a corda às amarras, vamos rebocar-te!
Escapei desta por um triz!

(251 palavras)

3
PT7 © Porto Editora
Correção da Prova escrita de Português, 7.º ano(Para)Textos

4
PT7 © Porto Editora