Você está na página 1de 29

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESTUDOS LITERÁRIOS

Informação Detalhamento
1. Estudos O curso de pós-graduação em Estudos Literários pertence ao campo das Letras e se
Literários destina a profissionais graduados em Letras ou áreas afins. É oferecido na modalidade
presencial.
2. Justificativa Este curso pretende contemplar não apenas os estudos de Língua e Literatura, mas
também as interfaces desses domínios específicos com as outras linguagens da
tradição (artes visuais, artes plásticas, música e teatro, propaganda e publicidade, por
exemplo) e com os estudos culturais, cuja diversidade de discursos-objeto possibilite
uma ampliação de leituras da realidade, sem perder de vista seu fundamento histórico.
Sabe-se que a diversidade de linguagens da cultura contemporânea, estudada em suas
especificidades, permite ampliar o foco das necessidades regionais para valores de
cunho universal, sem os quais o específico e o local não se sustentam.
3. Histórico da As FIC, mantidas pela Fundação Educacional Unificada Campograndense - FEUC,
Instituição são compostas pela Faculdade de Filosofia de Campo Grande - FFCG, Faculdade de
Campo Grande – FCG, e pelo Instituto Superior de Educação Campo-Grandense -
ISEC. A FEUC, como mantenedora, sucedeu a Sociedade Universitária
Campograndense – SUC, fundada em 1960.
Os primeiros cursos de graduação da FFCG foram autorizados em 1960; os
bacharelados e as licenciaturas em Ciências Sociais; Geografia; História; Letras
Neolatinas; Literatura e o curso de Pedagogia. Em 1968, iniciou-se o curso de
Matemática, que em 1975 transformou-se na licenciatura em Ciências com habilitação
em Matemática.
Assim, a FFCG vem se dedicando há mais de 50 anos, à formação intensa e
continuada, especialmente em sua área de influência que envolve o bairro de Campo
Grande e adjacências, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Fazem parte de sua história
milhares de profissionais da educação, dentre os quais centenas de Diretores e outras
autoridades no âmbito da educação. Raros são os colégios do Rio de Janeiro em que
não se encontra um de seus egressos. Sua história confirma o ideal de formar
educadores e dirigentes de instituições de ensino.
4. Objetivos Geral:
Reconhecer e interagir com as possibilidades de abordagem do texto literário.
Específicos:
- Caracterizar a área do conhecimento denominada literatura.
- Realizar pesquisa literária tanto voltada para o meio acadêmico quanto para o
magistério.
- Utilizar com coerência métodos críticos de análise literária.
5. Público-Alvo Graduados em Letras (Português / Língua Estrangeira ou Português / Literaturas) e
portadores de diploma de curso superior em qualquer área do
conhecimento interessados em aprofundar seus conhecimentos e ou professores
dispostos a se atualizar em questões de Literatura e Crítica literária.
6. Coordenação Arlene da Fonseca Figueira
7. Carga Carga horária total: 360 horas
Horária
8. Período e Período de duração do curso: 13 meses
Periodicidade Terças e quintas (início: 18h20min; término: 21h50).
Segundas e quartas (início: 18h20min; término: 21h50).
Sábados (início: 8h; término: 17h).
9. Conteúdo Módulo 1
Programático - História e Crítica Literárias (carga horária: 35h)
Prática de leitura, crítica e de produção de diferentes tipos de gêneros textuais.
Apresentação dos principais conceitos referentes às mais importantes escolas literárias
e correntes críticas e filosóficas. Análise das dinâmicas da leitura e da escrita. As
tendências e as interrelações entre arte, cultura e literatura sob o aspecto da crítica
literária.

Bibliografia Básica
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Traduzido por Paulo Bezerra. São
Paulo: Martins Fontes, 2006.
BLOOM, Harold. O cânone ocidental. 4. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Traduzido
por Cleonice Paes B. Mourão e Consuelo Fortes Santiago. 2. ed. Belo Horizonte, MG:
UFMG, 2010.
EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: uma introdução. Tradução de Waltensir
Dutra. 6. ed. Martins Fontes, 2006.
SILVA, Victor Manuel de Aguiar. Teoria da Literatura. 8. ed. Coimbra: Almedina,
2006.

Bibliografia Complementar
BARTHES, Roland. A preparação do romance vol. II: a obra como vontade.
Traduzido por Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
D’ONÓFRIO, Salvatore. Literatura ocidental – autores e obras fundamentais. 2 ed.
São Paulo: Ática, 2000.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10 ed. Rio de Janeiro:
DP&A, 2005.
HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Vol. I e II. Traduzido por
Walter H. Geenen 4. ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982.
MARTINS, Maria Helena (Org.). Rumos da crítica. São Paulo: SENAC e Itaú
Cultural, 2007.

Módulo 2
- Introdução aos Estudos Literários (carga horária: 35h)
Os conceitos fundamentais da poesia, da narrativa e do teatro. A mímesis e a
verossimilhança. A tripartição dos gêneros. As correntes de pensamento do século
XXI e a estética da recepção. Narratologia. Pós-modernidade literária. Teorias e
metodologias das inter-relações dos estudos literários e dos estudos culturais para
leitura e análise dos fenômenos artísticos.

Bibliografia Básica
ARISTÓTELES, HORÁCIO E LONGINO. A poética clássica. Traduzido por Jaime
Bruna. 7. ed. São Paulo: Cultrix, 1997.
ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Traduzido por Antônio P. de Carvalho.
Rio de Janeiro: Ediouro, 1983.
MOISÉS, Massaud. A criação literária: poesia. 18. ed. São Paulo: Cultrix, 2008.
EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: uma introdução. Tradução de Waltensir
Dutra. 6. ed. Martins Fontes, 2006.
SILVA, Víctor Manuel de Aguiar. Teoria da Literatura. 8. ed. Coimbra: Almedina,
1993.

Bibliografia Complementar
AMORA, Antônio Soares. Introdução à teoria da literatura. 13 ed. São Paulo: Cultrix,
2006.
SAMUEL, Rogel (org.). Introdução à Teoria Literária. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.
SOUZA, Roberto. Teoria da Literatura. 10. ed. São Paulo: Ática, 2007.

Módulo 3
2
- Poesia (carga horária: 35h)
A poesia e sua representação na obra de autores relevantes, da Literatura Quinhentista
até as tendências pós-modernas.

Bibliografia Básica
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo; Cultrix, 2007.
CÂNDIDO, Antônio e CASTELLO, J. Aderaldo. Presença da literatura brasileira.
São Paulo; DIFEL, 2006. V.2.
COUTINHO, Afrânio (Org.). A literatura no Brasil. Rio de Janeiro; Global: Belo
Horizonte, 2009.

Bibliografia Complementar
HUTCHEON, Linda. Poética do pós-Modernismo: história, teoria, ficção. Rio de
Janeiro: Imago; 1991.
MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira. V.2 e V.3. São Paulo; Cultrix,
1985-1989. PICCHIO, Luciana Stegagno. História da literatura brasileira. Rio de
Janeiro; Nova Aguilar, 1997.

Módulo 4
- Teatro (carga horária: 35h)
O teatro e sua representação na obra de autores relevantes, da Literatura Quinhentista
até as tendências pós-modernas.

Bibliografia Básica
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo; Cultrix, 2007.
CÂNDIDO, Antônio e CASTELLO, J. Aderaldo. Presença da literatura brasileira.
São Paulo; DIFEL, 2006. V.2.
COUTINHO, Afrânio (Org.). A literatura no Brasil. Rio de Janeiro; Global: Belo
Horizonte, 2009.

Bibliografia Complementar
HUTCHEON, Linda. Poética do pós-Modernismo: história, teoria, ficção. Rio de
Janeiro: Imago; 1991.
MOISÉS, Massaud. História da literatura brasileira. V.2 e V.3. São Paulo; Cultrix,
1985-1989.
PICCHIO, Luciana Stegagno. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro; Nova
Aguilar, 1997.

Módulo 5
- Narrativa (carga horária: 35h)
A literatura de ficção, as estruturas narrativas, metaficção e autobiografia, hibridismo e
pós- modernidade, estudo e análise da ideia de cânone e de diferentes obras literárias.

Bibliografia Básica
TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Traduzido por Leyla Perrone-Moisés.
5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Traduzido por Paulo Bezerra. São
Paulo: Martins Fontes, 2006.
EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: uma introdução. Tradução de Waltensir
Dutra. 6. ed. Martins Fontes, 2006.
SILVA, Víctor Manuel de Aguiar. Teoria da Literatura. 8. ed. Coimbra: Almedina,
2006.

3
Bibliografia Complementar
BARTHES, Roland. A preparação do romance vol. II: a obra como vontade.
Traduzido por Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. 7.
ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Traduzido
por Cleonice Paes B. Mourão e Consuelo Fortes Santiago. 2. ed. Belo Horizonte, MG:
UFMG, 2010.

Módulo 6
- Literatura Comparada (carga horária: 35h)
Literatura comparada: os primórdios. As contribuições didáticas. Novas orientações
comparativistas. Teoria da Literatura e Literatura comparada. Literatura comparada e
dependência cultural. O campo dos estudos genéticos e Literatura comparada.

Bibliografia Básica
CARVALHAL, Tânia; COUTINHO, Eduardo (Orgs.). Literatura Comparada: Textos
fundadores. São Paulo, Rocco, 1994.
CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura Comparada. São Paulo: Ática, 2000.
NITRINI, Sandra – Literatura comparada: história, teoria e crítica. São Paulo: Edusp,
2000.
SILVA, Victor Manuel de Aguiar e. Teoria da Literatura. 8. ed. Coimbra: Almedina,
1993.

Bibliografia Complementar
BRUNEL, P. et. al. Que é literatura comparada? São Paulo: Perspectiva, 2005.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. 2. ed.
Traduzido por Cleonice Paes Barreto e Consuelo Fortes Sampaio. Belo Horizonte,
MG: Editora UFMG, 2010.
FOUCAULT, Michel. As Palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas.
8. ed. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
HUTCHEON, Linda. Poética do Pós-Modernismo: história, teoria, ficção. Rio de
Janeiro: Imago; 1991.
OLINTO, Heidraum Krieger. Literatura e Cultura. Rio de Janeiro: Ed. PUC-RJ,
2004.

Módulo 7
- Estudos Literários em Literaturas de Língua Portuguesa (carga horária: 35h)
As primeiras manifestações líricas da Literatura Portuguesa. A lírica camoniana nos
seus mais diversos aspectos temáticos. A poesia cultista e conceptista e a reação
árcade. O lirismo romântico e a produção finissecular. As gerações de Orpheu e
presença e seus desdobramentos poéticos.

Bibliografia Básica
BUENO, Aparecida de Fátima et alli. Literatura portuguesa: história, memórias e
perspectivas. São Paulo: Alameda, 2007.
MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa através de textos. 30ª ed. São Paulo:
Cultrix, 2006.
SARAIVA, António José e LOPES, Oscar. História da Literatura Portuguesa. 17a ed.
Porto: Porto Editora, 1996.

Bibliografia Complementar
ABDALA JR., Benjamim e PASCHOALIN, Maria Aparecida. História Social da
4
Literatura Portuguesa. São Paulo: Ática, 1994.
CENTENO, Yvette Kace (coord.). Portugal: mitos revisitados. Lisboa: Salamandra,
1993.
SARAIVA, António José. História da Literatura Portuguesa. 10a ed. Lisboa: Europa-
América, 1970.

Módulo 8
- Literatura e Outras Linguagens (carga horária: 35h)
As várias linguagens na obra de autores relevantes, da Literatura Quinhentista até as
tendências pós-modernas. Contribuições da diversidade linguística para o ensino de
Literatura.

Bibliografia Básica
ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras. São Paulo: Parábola, 2005.
FAVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 9 ed. São Paulo: ática, 2000.
LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. Da tabulas da lei à tela do computador – a
leitura em seus discursos. 1 ed. São Paulo:
Ática, 2009.

Bibliografia Complementar
LARA, Gláucia Muniz Proença (org.) Linguagem, texto e discurso – entre a prática e a
reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, MG: FALE/UFMG, 2006. vol. 1.
MATTE, Asna Cristina Fricke (org.). Linguagem, texto e discurso - entre a prática e a
reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, MG: FALE/UFMG, 2006. vol. 2.
VIEIRA, Sílvia Rodrigues e Brandão, Sílvia Figueiredo (orgs.) ensino de gramática -
descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.

Módulo 9
- Seminário I (carga horária: 10 h)
A natureza do conhecimento. O conhecimento científico e seus métodos. A pesquisa e
suas técnicas.

Módulo 10
- Seminário II (carga horária: 10 h)
Diretrizes para a elaboração de um projeto de pesquisa: as etapas da pesquisa e a
redação do projeto.

Módulo 11
- Seminário III (carga horária: 10 h)
A estrutura de uma monografia e suas técnicas de desenvolvimento: a descrição do
problema, a aplicação da metodologia e a estruturação das conclusões.

Módulo 12
- Seminário IV (carga horária: 10 h)
Planejamento e organização de uma monografia.

Bibliografia Básica (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


BASTOS, Lília da Rocha et al Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisas, teses, dissertações e monografias. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.
HORN, Geraldo Balduíno; DIEZ, Carmen Lúcia Fornari. Orientações para elaboração
de projetos e monografias. 3.ed. Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
29.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.
5
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo:
Cortez, 2010.

Bibliografia Complementar (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


ARMANI, Domingues. Como elaborar projetos. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2002.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e
documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2011.
BARROS, Aidil; LEHFELD, Neide. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
12ª ed. Petrópolis - RJ: Vozes, 2010.
BASTOS, Lilia da Rocha et al. Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisa, teses, dissertações e monografias. 6 ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: LTC,
2003.
COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Projeto de pesquisa: entenda e faça. 4.ed.
Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
22.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
MICHALISZYN, Mario Sergio; TOMASINI, Ricardo. Orientações e normas para
elaboração de projetos, monografias e artigos científicos. 7.ed. Petrópolis,RJ: Vozes,
2012.

Módulo 13
- Didática do Ensino Superior I (carga horária: 10h)
Análise do Ensino Superior no contexto atual, suas finalidades e tradições.

Módulo 14
- Didática do Ensino Superior II (carga horária: 10h)
Problematizações da docência no ensino superior: os saberes, as práticas e a
construção da identidade do professor universitário.

Módulo 15
- Didática do Ensino Superior III (carga horária: 10h)
Desenvolvimento de abordagens produzidas no campo pedagógico e didático:
organização curricular, ensino, pesquisa, relação professor/aluno, tecnologia,
conhecimento etc.

Módulo 16
- Didática do Ensino Superior IV (carga horária: 10h)
Plano de Curso. Programa de Disciplina. Elaboração de Ementa. Avaliação.

Bibliografia básica (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. 30.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.
CHAUÍ, Marilena. Escritas sobre a universidade. São Paulo: Ed. Unesp,2001.
PIMENTA, Selma Garrido e ANASTASION, Lea das Graças Camargos. Docência no
Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2002.

Bibliografia Complementar (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. 21.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
GADOTTI, Moacir. Histórias das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2010.
LIBANEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências
educacionais e profissão docente. São Paulo, Cortez: 2007.
TORRES, Rosa M. O que (e como) é necessário ensinar. Campinas: Papirus, 2009.
VEIGA, Ilma P. A. Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 2009.
10. Metodologia O curso se desenvolve através de aulas expositivas, interativas e dinâmicas que
6
incluem a utilização de laboratório de Informática e a apresentação de diferentes
profissionais em palestras, mesas redondas, comunicações. São realizadas discussões
em grupos, trabalhos individuais e em grupo, além de seminários e outros tipos de
encontros.
11. Interdisciplin Ao proporcionar diversos encontros, momento nos quais diferentes profissionais que
aridade atuam direta ou indiretamente com os estudos desenvolvidos no curso, expõem e
discutem o trabalho que realizam em parceria, verificamos que os alunos
compreendem a importância da atuação conjunta e da integração entre as diversas
áreas do conhecimento humano..
12. Atividades 1 – Seminários e outros tipos de encontros, cujos temas estejam relacionados à teoria e
Complement às práticas que se voltam para os Estudos Literários.
ares 2 – Atividades culturais relacionadas a cinema, teatro e apresentações musicais.
13. Tecnologia O Laboratório de Informática é utilizado para acesso e busca de informações na
Internet. O curso não desenvolve nenhuma atividade à distância.
14. Infraestrutura A sala dos professores é um espaço amplo, equipado com ar-refrigerado, telefones,
Física quadros de avisos, bebedouro, com todos os computadores ligados à Internet,
incluindo os que estão à disposição dos docentes; impressora, rede wireless, dois
banheiros para funcionários e professores. A IES também fornece vagas de
estacionamento aos seus professores e funcionários.
Os coordenadores de curso possuem uma baia exclusiva na sala da coordenação
acadêmica, com telefone, computadores, arquivo individual, mobiliário adequado, bem
como acesso a rede externa, interna e impressora. A coordenadora do CEPOPE ocupa
uma sala na edícula onde também funciona a secretaria de pós-graduação (térreo do
prédio D)
A sala de reuniões é bem iluminada, com mobiliário adequado, possui capacidade para
10 pessoas e está equipada com rede, mesa de reunião e ar-condicionado; ficando a
disposição das reuniões agendadas pelo corpo docente, NDE, colegiados e
coordenações.
Todas as salas de aula arejadas, possuindo iluminação e acústica adequada, bem como
cadeiras para destro e ambidestro, de modo a proporcionar um ambiente harmônico
para a obtenção de um perfeito aprendizado. Todas as salas de aula que não se
encontram no térreo, podem ser acessadas através de elevador. Para eventos que
exijam um espaço físico maior, as dependências das FIC contam dois auditórios
climatizados e com uma quadra que permite alocar cerca de 500 pessoas.
Os laboratórios de informática das FIC funcionam de segunda à sexta-feira das
7h20min às 21h50min e aos sábados das 8h às 16h50min, no segundo andar do prédio
A. Os recursos de equipamentos e espaços multimeios tais como retroprojetores,
projetores, laptops, equipamentos de som, microcomputadores com recursos de
multimídia, videocassete, DVDs, microsystems e microfones e físicos estão sob a
administração da Coordenadoria de Recursos Instrucionais.
A Biblioteca Joaquim Ribeiro conta com um acervo de aproximadamente 15.000
volumes, distribuídos nas diferentes áreas de conhecimento. Possui títulos de
periódicos e 63 assinaturas em diversas áreas e encontra-se informatizada, o que
possibilita ao aluno realizar a pesquisa através dos microcomputadores disponíveis.
Sua atualização é feita pelo levantamento bibliográfico dos programas das disciplinas
dos cursos e pelas solicitações dos professores.
15. Critério de A seleção é feita através da análise de currículo e entrevista.
Seleção
16. Sistemas de 1 – Os alunos são avaliados de acordo com negociação previamente estabelecida entre
Avaliação professores e alunos, devendo constar, obrigatoriamente, uma avaliação individual por
módulo.
2 – Os alunos irão avaliar por meio de questionário impresso os professores, a
coordenação do curso, o atendimento administrativo e as instalações físicas.
7
17. Controle de Frequência mínima exigida é de 75% por módulo e é controlada através de diário de
Frequência frequência.
18. Trabalho de Ao final do curso deverá ser apresentada uma monografia que será avaliada por banca
Conclusão examinadora composta pelo professor orientador (obrigatoriamente pertencente ao
quadro da instituição) e outro professor que atue com ensino e/ou pesquisa relacionada
ao tema, podendo ser do curso ou externo. Para obter a certificação, o aluno deverá ter
sido aprovado em todos os módulos oferecidos, além de ter sua monografia aprovada
pela banca examinadora. Para ser aprovado, o aluno deve ter conceito igual ou
superior a 7 e apresentar a frequência mínima exigida em cada módulo.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU


LÍNGUA INGLESA
Informação Detalhamento
1. Língua O curso de pós-graduação em Língua Inglesa pertence ao campo das Letras e se
Inglesa destina a profissionais graduados em Letras ou áreas afins. É oferecido na modalidade
presencial.
2. Justificativa O curso justifica-se por dar oportunidade ao pós-graduando de efetuar um estudo mais
profundo e detalhado da Língua Inglesa e suas literaturas, suplementando o
conhecimento adquirido na graduação; além de fomentar a pesquisa científica,
oferecendo o suporte necessário para a discussão acadêmica e a produção própria,
transpondo seu principal objetivo, de formar especialistas, servindo, ainda, de base
para estudos posteriores mais avançados.
3. Histórico da As FIC, mantidas pela Fundação Educacional Unificada Campograndense - FEUC,
Instituição são compostas pela Faculdade de Filosofia de Campo Grande - FFCG, Faculdade de
Campo Grande – FCG, e pelo Instituto Superior de Educação Campo-Grandense -
ISEC. A FEUC, como mantenedora, sucedeu a Sociedade Universitária
Campograndense – SUC, fundada em 1960.
Os primeiros cursos de graduação da FFCG foram autorizados em 1960; os
bacharelados e as licenciaturas em Ciências Sociais; Geografia; História; Letras
Neolatinas; Literatura e o curso de Pedagogia. Em 1968, iniciou-se o curso de
Matemática, que em 1975 transformou-se na licenciatura em Ciências com habilitação
em Matemática.
Assim, a FFCG vem se dedicando há mais de 50 anos, à formação intensa e
continuada, especialmente em sua área de influência que envolve o bairro de Campo
Grande e adjacências, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Fazem parte de sua história
milhares de profissionais da educação, dentre os quais centenas de Diretores e outras
autoridades no âmbito da educação. Raros são os colégios do Rio de Janeiro em que
não se encontra um de seus egressos. Sua história confirma o ideal de formar
educadores e dirigentes de instituições de ensino.
4. Objetivos Geral:
Analisar criticamente questões fundamentais da Língua Inglesa, das literaturas
Britânica e Americana.
Específicos:
1 – Analisar e discutir as relações da literatura inglesa e americana com o contexto
cultural brasileiro e com o conjunto mais amplo da cultura midiática contemporânea.
2 – Empregar os principais elementos da gramática inglesa na leitura, interpretação e
produção de texto.
3 – Desenvolver e avaliar abordagens didático-pedagógicas, aliando teoria e prática.
5. Público-Alvo Graduados em Letras Português/Inglês; graduados em Complementação Pedagógica,
aprovados em Teste de Proficiência em Língua Inglesa reconhecido; graduados em outras
áreas do conhecimento, que sejam fluentes na Língua Inglesa.
6. Coordenação Renata de Souza Gomes
8
7. Carga Carga horária total: 360 horas
Horária
8. Período e Período de duração do curso: 13 meses
Periodicidade Terças e quintas (início: 18h20min; término: 21h50).
Segundas e quartas (início: 18h20min; término: 21h50).
Sábados (início: 8h; término: 17h).
9. Conteúdo Módulo 1
Programático - Linguística Aplicada (carga horária: 35h)
Conceito de Linguística Aplicada (LA), sua definição como ciência aplicada;
problemas de uso da linguagem em discursos no contexto social; trajetória da pesquisa
em LA no exterior e no Brasil; interação na sala de aula de língua inglesa.

Bibliografia Básica
ALMEIDA, Rubens Queiroz de. As palavras mais comuns da Língua Inglesa –
desenvolva sua habilidade de ler textos em inglês. Novatec Editora, 2003.
FREIRE, A. M. F. Discurso e contexto na sala de aula de língua estrangeira. In: COX,
M. I. P., ASSIS-PETERSON, A. (orgs.) Cenas de sala de aula. Campinas, SP:
Mercado das Letras, 2001.
HUANG, Yan. Pragmatics. Oxford Textbooks in Linguistics. New York: OUP, 2007.

Bibliografia Complementar
AITCHISON, James. Cassell’s Dictionary of English Grammar. London: Cassell &
Co, 2001.
BERK, Lynn (1999). English Syntax – from word to discourse. New York: OUP.
HEDGE, T. Writing. Oxford: OUP, 2001.
VINCE, Michael & SUNDERLAND, Peter. Advanced language practice with key -
English grammar and vocabulary. Macmillan, 2007.

Módulo 2
- Filosofia do Ensino de Língua Inglesa (carga horária: 35h)

Análise filosófico-pedagógica das instâncias educacionais em convergência com o


papel do professor de inglês. A língua inglesa como língua internacional – a questão
hegemônico-cultural. Análise crítica de material didático para o ensino de língua
inglesa.

Bibliografia Básica
LARSEN-FREEMAN, Diane. Techniques and Principles in Language Teaching. 2 ed.
New York: OUP, 2006.
LIMA, Diógenes Cândido de. Ensino e aprendizagem de língua inglesa. Parábola,
2009.
VIEIRA, J. A.; ROCHA, H.; BOU NMAROUN, C. R. G. & FERRAZ, J. A. Reflexões
sobre a língua portuguesa: uma abordagem multimodal. Petrópolis: Vozes, 2007.

Bibliografia Complementar
LUFT, Celso Pedro. Língua e Liberdade. 8 ed. São Paulo: Ática, 2006.
GARCÍA, R. L. & MOREIRA, A. F. F. Currículo na contemporaneidade: incertezas e
desafios. São Paulo: Cortez, 2008.
GRILLO, Marlene Correro. O lugar da reflexão na construção do conhecimento
profissional. In: MOROSINI, M. C. (org.). Professor do ensino superior – identidade,
docência e formação. Brasília: INEP, 2000.
SANTOS, Aparecida de Fátima Tiradentes dos. Desigualdade social & Dualidade
9
escolar – conhecimento e poder em Paulo Freire e Gramsci. Petrópolis, RJ: Vozes,
2000.
VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa. Métodos de ensino de línguas estrangeiras:
fundamentos, críticas e ecletismo. In. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades.
Vol. VII, Nº XXVI, jul-set, 2008.

Módulo 3
- Produções Culturais (carga horária: 35h)
Introdução e análise das produções culturais em Língua Inglesa com ênfase nos
séculos XX e XXI.

Bibliografia Básica
BORGES, J. L. Curso de Literatura Inglesa. Companhia das Letras: São Paulo, 2007.
SILVA, A. M. Literatura Inglesa para brasileiros. Ciência Moderna: Rio de Janeiro,
2006.
SAUNDERS, C. J. A Concise Companion to Chaucer.John Wiley Profession:San
Francisco, 2006.

Bibliografia Complementar
MALCOM, A. Palgrave Literary Dictionary of Chaucer.Palgrave USA:New York,
2009.
MEHL,D.English Literature in the Age of Chaucer.Transatlantic Publications:
Philadelphia, 2005.

Módulo 4
- Literaturas Comparadas (carga horária: 35h)
Estudo comparativo-analítico de produções das literaturas britânica e americana, com
análise dos conceitos dominantes nas diferentes fases, fazendo, com olhar oblíquo
crítico, referência à literatura brasileira para fazer convergir as três literaturas em
questão.

Bibliografia Básica
BORGES, J. L. Curso de Literatura Inglesa. Companhia das Letras: São Paulo, 2007.
NABUCO, Carolina. Retrato dos Estados Unidos à luz da sua literatura. 2 ed. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
SILVIA, A. M. Literatura Inglesa para brasileiros. Ciência Moderna: Rio de Janeiro,
2006.

Bibliografia Complementar
MOURA, V. G. Os sonetos completos – William Shakespeare. São Paulo: Landmark,
2005.
SPURGEON, C. F. E. A imagística de Shakespeare e o que ela nos revela Trad.
Barbara Heliodora. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
SCHWYZER, P. Archaeologies of English Renaissance Literature. Oxford: Oxford,
2007.
SHAKESPEARE, William. The Complete Works of William Shakespeare. Pan
McMilan Melbourne, 2007.

Módulo 5
- Atividades de Prática Escrita (carga horária: 35h)
Os gêneros textuais escritos e seus propósitos. Coesão e Coerência. Pontuação.
Separação silábica. Produção textual escrita. Organização de parágrafos. Ensaio.

10
Bibliografia Básica
ALMEIDA, Rubens Queiroz de. As palavras mais comuns da Língua Inglesa –
desenvolva sua habilidade de ler textos em inglês. Novatec Editora, 2003.
HUANG, Yan. Pragmatics. Oxford Textbooks in Linguistics. New York: OUP, 2007.
VINCE, Michael & SUNDERLAND, Peter. Advanced language practice with key -
English grammar and vocabulary. Macmillan, 2007.

Bibliografia Complementar
AITCHISON, James. Cassell’s Dictionary of English Grammar. London: Cassell &
Co, 2001.
BERK, Lynn (1999). English Syntax – from word to discourse. New York: OUP.
HEDGE, T. Writing. Oxford: OUP, 2001.
.
Modulo 6
- Atividades de Prática Oral (carga horária: 35h)
Fonética e Fonologia. Estrutura silábica. Prosódia. Pragmática.

Bibliografia Básica
CELCE-MURCIA, Marianne & OLSHTAIN, Elite. Discourse and context in language
teaching. Cambridge: CUP, 2007.
LADEFOGED, Peter. A course in Phonetics. 5 ed. Massachusetts: Thomson
Wadsworth, 2006.
ROACH, Peter. Phonetics. Oxford: OUP, 2008.

Bibliografia Complementar
CELCE-MURCIA, M.; BRINTON, D. M.; GOODWIN, Janet M. Teaching
pronunciation: a reference for teachers of English to speakers of other languages. New
York: CUP, 2002.
CLOSE, R. A. A university Grammar of English. London: Longman, 1998.

Modulo 7
- Análise do Discurso (carga horário: 35h)
Organização estrutural, sintática e semântica do discurso. Coerência e coesão.
Tomadas de turnos. Atos da fala. Acordos tácitos.

Bibliografia Básica
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes,
2006.
CELCE-MURCIA, Marianne & OLSHTAIN, Elite. Discourse and context in language
teaching. Cambridge: CUP, 2007.
FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança social. Brasília: Editora UnB, 2007.

Bibliografia Complementar
COOK, Guy. Discourse. Oxford: OUP, 1995.
FJELDSTAD, Mary. The thoughtful reader. 2nd ed. Orlando, FL: Hartcourt Brace &
Co, 2002.
KRESS, Gunther & VAN LEEUWEN, Theo. Multimodal Discourse – the modes and
media of contemporary communication. London: Hodder Arnold, 2009.

Modulo 8
- Sintaxe (carga horária: 35h)
Estudo da formação de palavras em inglês: morfema livre e morfema preso; processos
de formação de palavras (derivação, composição, conversão). Análise Sintática do
11
léxico em discursos oral e escrito da língua inglesa: Sintagmas nominal e verbal;
período composto por coordenação e subordinação.

Bibliografia Básica
CARTER, Ronald & McCARTHY, Michael. Cambridge Grammar of English – A
comprehensive guide. Spoken and Written
English Grammar and Usage. Cambridge: CUP, 2006.
COWAN, Ron. The Teacher’s Grammar of English: a course book and reference
guide. New York: CUP, 2008.
FOLEY, Mark & HALL, Diane. Advanced Learners’ Grammar – a self-stydy
reference and practice book with answers. London:
Longman, 2003.

Bibliografia Complementar
ALEXANDER, L. G.. Longman English Grammar Practice. London: Longman,
1998.
McCARTHY, Michael & O’DELL, Felicity. English Vocabulary in Use - Elementary.
Cambridge: Cambridge University Press,
1998.
QUIRK, Randolph. A University Grammar of English. Longman: London, 1987.
SWAN, Michael & WALTER, Catherine. How English Works – a grammar practice
book with answers. Oxford: Oxford
University Press (OUP), 1997.
BIBER, D.; JOHANSSON,S.; LEECH, G.; CONRAD, S. & FINEGAN,E. Grammar
of Spoken and Written English. Harlow: Pearson, 1999.
CARTER, R. & McCARTHY, M. Grammar of English – A comprehensive Guide –
Spoken and Written English Grammar and Usage. Cambridge: CUP, 2011.

Módulo 9
- Seminário I (carga horária: 10 h)
A natureza do conhecimento. O conhecimento científico e seus métodos. A pesquisa e
suas técnicas.

Módulo 10
- Seminário II (carga horária: 10 h)
Diretrizes para a elaboração de um projeto de pesquisa: as etapas da pesquisa e a
redação do projeto.

Módulo 11
- Seminário III (carga horária: 10 h)
A estrutura de uma monografia e suas técnicas de desenvolvimento: a descrição do
problema, a aplicação da metodologia e a estruturação das conclusões.

Módulo 12
- Seminário IV (carga horária: 10 h)
Planejamento e organização de uma monografia.

Bibliografia Básica (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


BASTOS, Lília da Rocha et al Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisas, teses, dissertações e monografias. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.
HORN, Geraldo Balduíno; DIEZ, Carmen Lúcia Fornari. Orientações para elaboração
de projetos e monografias. 3.ed. Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
12
29.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo:
Cortez, 2010.

Bibliografia Complementar (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


ARMANI, Domingues. Como elaborar projetos. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2002.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e
documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2011.
BARROS, Aidil; LEHFELD, Neide. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
12ª ed. Petrópolis - RJ: Vozes, 2010.
BASTOS, Lilia da Rocha et al. Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisa, teses, dissertações e monografias. 6 ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: LTC,
2003.
COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Projeto de pesquisa: entenda e faça. 4.ed.
Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
22.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
MICHALISZYN, Mario Sergio; TOMASINI, Ricardo. Orientações e normas para
elaboração de projetos, monografias e artigos científicos. 7.ed. Petrópolis,RJ: Vozes,
2012.

Módulo 13
- Didática do Ensino Superior I (carga horária: 10h)
Análise do Ensino Superior no contexto atual, suas finalidades e tradições.

Módulo 14
- Didática do Ensino Superior II (carga horária: 10h)
Problematizações da docência no ensino superior: os saberes, as práticas e a
construção da identidade do professor universitário.

Módulo 15
- Didática do Ensino Superior III (carga horária: 10h)
Desenvolvimento de abordagens produzidas no campo pedagógico e didático:
organização curricular, ensino, pesquisa, relação professor/aluno, tecnologia,
conhecimento etc.

Módulo 16
- Didática do Ensino Superior IV (carga horária: 10h)
Plano de Curso. Programa de Disciplina. Elaboração de Ementa. Avaliação.

Bibliografia básica (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. 30.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.
CHAUÍ, Marilena. Escritas sobre a universidade. São Paulo: Ed. Unesp,2001.
PIMENTA, Selma Garrido e ANASTASION, Lea das Graças Camargos. Docência no
Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2002.

Bibliografia Complementar (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. 21.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
GADOTTI, Moacir. Histórias das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2010.
LIBANEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências
educacionais e profissão docente. São Paulo, Cortez: 2007.
TORRES, Rosa M. O que (e como) é necessário ensinar. Campinas: Papirus, 2009.
VEIGA, Ilma P. A. Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 2009.
13
10. Metodologia O curso se desenvolve através de aulas expositivas, interativas e dinâmicas que
incluem a utilização de laboratório de Informática e a apresentação de diferentes
profissionais em palestras, mesas redondas, comunicações. São realizadas discussões
em grupos, trabalhos individuais e em grupo, além de seminários e outros tipos de
encontros.
11. Interdisciplin Ao proporcionar diversos encontros, momento nos quais diferentes profissionais que
aridade atuam direta ou indiretamente com a Língua Inglesa expõem e discutem o trabalho que
realizam em parceria, verificamos que os alunos compreendem a importância da
atuação conjunta.
12. Atividades 1 – Seminários e outros tipos de encontros, cujos temas estejam relacionados à teoria e
Complement às práticas que mobilizam e promovem o uso da Língua Inglesa.
ares 2 – Atividades culturais relacionadas a cinema, teatro e apresentações musicais.
13. Tecnologia O Laboratório de Informática é utilizado para acesso e busca de informações na
Internet. O curso não desenvolve nenhuma atividade à distância.
14. Infraestrutura A sala dos professores é um espaço amplo, equipado com ar-refrigerado, telefones,
Física quadros de avisos, bebedouro, com todos os computadores ligados à Internet,
incluindo os que estão à disposição dos docentes; impressora, rede wireless, dois
banheiros para funcionários e professores. A IES também fornece vagas de
estacionamento aos seus professores e funcionários.
Os coordenadores de curso possuem uma baia exclusiva na sala da coordenação
acadêmica, com telefone, computadores, arquivo individual, mobiliário adequado, bem
como acesso a rede externa, interna e impressora. A coordenadora do CEPOPE ocupa
uma sala na edícula onde também funciona a secretaria de pós-graduação (térreo do
prédio D).
A sala de reuniões é bem iluminada, com mobiliário adequado, possui capacidade para
10 pessoas e está equipada com rede, mesa de reunião e ar-condicionado; ficando a
disposição das reuniões agendadas pelo corpo docente, NDE, colegiados e
coordenações.
Todas as salas de aula arejadas, possuindo iluminação e acústica adequada, bem como
cadeiras para destro e ambidestro, de modo a proporcionar um ambiente harmônico
para a obtenção de um perfeito aprendizado. Todas as salas de aula que não se
encontram no térreo, podem ser acessadas através de elevador. Para eventos que
exijam um espaço físico maior, as dependências das FIC contam dois auditórios
climatizados e com uma quadra que permite alocar cerca de 500 pessoas.
Os laboratórios de informática das FIC funcionam de segunda à sexta-feira das
7h20min às 21h50min e aos sábados das 8h às 16h50min, no segundo andar do prédio
A. Os recursos de equipamentos e espaços multimeios tais como retroprojetores,
projetores, laptops, equipamentos de som, microcomputadores com recursos de
multimídia, videocassete, DVDs, microsystems e microfones e físicos estão sob a
administração da Coordenadoria de Recursos Instrucionais.
A Biblioteca Joaquim Ribeiro conta com um acervo de aproximadamente 15.000
volumes, distribuídos nas diferentes áreas de conhecimento. Possui títulos de
periódicos e 63 assinaturas em diversas áreas e encontra-se informatizada, o que
possibilita ao aluno realizar a pesquisa através dos microcomputadores disponíveis.
Sua atualização é feita pelo levantamento bibliográfico dos programas das disciplinas
dos cursos e pelas solicitações dos professores.
15. Critério de A seleção é feita através da análise de currículo e entrevista.
Seleção
16. Sistemas de 1 – Os alunos são avaliados de acordo com negociação previamente estabelecida entre
Avaliação professores e alunos, devendo constar, obrigatoriamente, uma avaliação individual por
módulo.
2 – Os alunos irão avaliar por meio de questionário impresso os professores, a
coordenação do curso, o atendimento administrativo e as instalações físicas.
14
17. Controle de Frequência mínima exigida é de 75% por módulo e é controlada através de diário de
Frequência frequência.
18. Trabalho de Ao final do curso deverá ser apresentada uma monografia que será avaliada por banca
Conclusão examinadora composta pelo professor orientador (obrigatoriamente pertencente ao
quadro da instituição) e outro professor que atue com ensino e/ou pesquisa relacionada
ao tema, podendo ser do curso ou externo. Para obter a certificação, o aluno deverá ter
sido aprovado em todos os módulos oferecidos, além de ter sua monografia aprovada
pela banca examinadora. Para ser aprovado, o aluno deve ter conceito igual ou
superior a 7 e apresentar a frequência mínima exigida em cada módulo.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU


LÍNGUA ESPANHOLA
Informação Detalhamento
1. Língua O curso de pós-graduação em Língua Espanhola pertence ao campo de Letras e se
Espanhola destina a profissionais graduados em Letras ou áreas afins. É oferecido na modalidade
presencial.
2. Justificativa Considerando a globalização em que vive o homem moderno, torna-se cada vez mais
necessária a consciência crítica do cidadão, que deve participar ativamente dos
aspectos culturais não apenas de sua sociedade, mas do mundo como um todo. Um
curso de Especialização em Língua Espanhola justifica-se pela necessidade de
adaptação às transformações sociais, uma vez que o domínio deste idioma se faz cada
vez mais necessário em nossos dias.
3. Histórico da As FIC, mantidas pela Fundação Educacional Unificada Campograndense - FEUC,
Instituição são compostas pela Faculdade de Filosofia de Campo Grande - FFCG, Faculdade de
Campo Grande – FCG, e pelo Instituto Superior de Educação Campo-Grandense -
ISEC. A FEUC, como mantenedora, sucedeu a Sociedade Universitária
Campograndense – SUC, fundada em 1960.
Os primeiros cursos de graduação da FFCG foram autorizados em 1960; os
bacharelados e as licenciaturas em Ciências Sociais; Geografia; História; Letras
Neolatinas; Literatura e o curso de Pedagogia. Em 1968, iniciou-se o curso de
Matemática, que em 1975 transformou-se na licenciatura em Ciências com habilitação
em Matemática.
Assim, a FFCG vem se dedicando há mais de 50 anos, à formação intensa e
continuada, especialmente em sua área de influência que envolve o bairro de Campo
Grande e adjacências, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Fazem parte de sua história
milhares de profissionais da educação, dentre os quais centenas de Diretores e outras
autoridades no âmbito da educação. Raros são os colégios do Rio de Janeiro em que
não se encontra um de seus egressos. Sua história confirma o ideal de formar
educadores e dirigentes de instituições de ensino.
4. Objetivos Geral:
Analisar criticamente questões fundamentais da Língua Espanhola, das literaturas
Espanhola e Latino-americana.
Específicos:
1 – Analisar e discutir as relações da literatura espanhola e latino-americana com o
contexto cultural brasileiro e com o conjunto mais amplo da cultura midiática
contemporânea.
2 – Empregar os principais elementos da gramática espanhola na leitura, interpretação
e produção de texto.
3 – Desenvolver e avaliar abordagens didático-pedagógicas, aliando teoria e prática.
5. Público-Alvo Graduados e/ou Licenciados em Letras – Português/Espanhol; Graduados em
Complementação Pedagógica, portadores de Teste de Proficiência em Língua
15
Espanhola; Profissionais de Nível Superior que atuem como Professores de Espanhol.
6. Coordenação Renata de Souza Gomes
7. Carga Carga horária total: 360 horas
Horária
8. Período e Período de duração do curso: 13 meses
Periodicidade Terças e quintas (início: 18h20min; término: 21h50).
Segundas e quartas (início: 18h20min; término: 21h50).
Sábados (início: 8h; término: 17h).
9. Conteúdo Módulo 1
Programático - Ensino do Espanhol como Língua Estrangeira (carga horária: 35h)
Panorama histórico sobre a concepção de leitura. Leitura interativa: relações
estratégicas texto-leitor. Tipologias de texto: as visões clássicas, as pragmáticas e as
enunciativas. A perspectiva enunciativa e suas possíveis relações com o ensino-
aprendizagem de leitura. Enfoques e métodos de ensino de idiomas: sentido e valor
atribuído à compreensão leitora. Planejamento de curso.

Bibliografia Básica
BRUNO, Fátima Cabral e Maria A. Mensonza. “Hacia el Español”: curso de lengua y
cultura hispânica. Nível básico. São Paulo: Saraiva, 2004.
DIAZ, Diaz; TALAVERA, García. Dicionário Santillana. São Paulo: Santillana, 2006.
FANJUL, Adrian. (ORG). Gramática y práctica de español para brasileños: com
respuestas. São Paulo: Santillana, 2005.

Bibliografia Complementar
HORMOSO, Gonzáles A, J. R. Cuenot, M. Sánchez Alfaro. Gramática de español
lengua extranjera. Madrid: Edelsa, 1994.
HORMOSO, Gonzáles A. Conjugar es fácil en español de España y de América.
Madrid: Edelsa, 2007. 2ª ed.
MILANI, Maria Esther. Gramática de Espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva,
1999.
VRANIC, Gordana. Hablar por los codos: frases para um español cotidiano. Madrid:
Edelsa Grupo Didascalia, 2005.

Módulo 2
- A Morfossintaxe do Espanhol (carga horária: 35h)
Conceitos básicos: morfologia, sintaxe e semântica. As partes da oração: o conceito
verbal, os tempos verbais, as demais classes de palavras. O dicionário: aspectos de sua
elaboração e utilização em sala de aula.

Bibliografia Básica
BELHASSEN, Thierry. 3500 Palavras em Espanhol. Disal Editora, 2007.
BLASCO, Cecília. Fale tudo em Espanhol. Disal Editora, 2008.
FANJUL, Adrían. Gramática de Español. Paso a Paso. Espanha: Santillana, 2005.
VÍCTOR, Barrionuevo. Nuevo Diccionario Contemporâneo. Editora Nacional, 2005.

Bibliografia Complementar
FERNÁNDEZ, Gretel. Expresiones Idiomáticas: usos y valores. São Paulo: Ática,
2004.
SABINO, Walmir. Listo / Español a através de textos. São Paulo: Santillana, 2005.
VRANIC, Gordana. Hablar por los codos. Madrid: Edelsa, 2008.

Módulo 3
16
- Ensino do Espanhol como Língua Instrumental (carga horária: 35h)

Metodologia do Ensino de Línguas: introdução, o problema da terminologia, histórico


das abordagens. Objetivos do ensino de língua estrangeira. As diferentes
competências. O domínio do cognitivo. A leitura na língua estrangeira. Os seis
estágios da introdução à autonomia. Seleção de abordagem da gramática e tradução
como referencial comparativo. A leitura interativa: um modelo interacional de leitura,
conhecimento sistêmico e esquemático. A gramática textual: texto, textualidade,
discurso. Problemas e dificuldades no processo de interação: as estratégias do leitor,
interferência autorizada e não autorizada, conhecimento prévio, automação e
desautomação, distorção semântica, supressão e acréscimo, asserção, previsibilidade.
Introdução à linguística do texto: coerência e coesão textual.

Bibliografia Básica
BRUNO, Fátima Cabral e Maria A. Mensonza. “Hacia el Español”: curso de lengua y
cultura hispânica. Nível básico. São Paulo: Saraiva, 2004.
DIAZ, Diaz; TALAVERA, García. Dicionário Santillana. São Paulo: Santillana, 2006.
FANJUL, Adrian. (ORG). Gramática y práctica de español para brasileños: com
respuestas. São Paulo: Santillana, 2005.

Bibliografia Complementar
HORMOSO, Gonzáles A, J. R. Cuenot, M. Sánchez Alfaro. Gramática de español
lengua extranjera. Madrid: Edelsa, 1994.
HORMOSO, Gonzáles A. Conjugar es fácil en español de España y de América.
Madrid: Edelsa, 2007. 2ª ed.
MILANI, Maria Esther. Gramática de Espanhol para brasileiros. Saraiva. São Paulo,
1999.
VRANIC, Gordana. Hablar por los codos: frases para um español cotidiano. Edelsa
Grupo Didascalia. Madrid, 2005.

Módulo 4
- O Elemento Cultural nas Aulas de Espanhol (carga horária: 35h)
O que é cultura? Discussão inicial dos conceitos de cultura e hispanidade,
problematização e relativização desses conceitos. A cultura como uma questão
semiótica. Encontro de culturas: Espanha e América. Leituras interculturais. A questão
das identidades nacionais. O conceito de hispanidade: Espanha e a questão do mosaico
cultural na formação da nação espanhola. Relações entre religião e cultura nacional. O
conceito de nação. América Hispânica: a região do Rio da Prata. A existência de várias
culturas dentro de uma nação: cultura rural e cultura urbana. Relações entre economia
e cultura. O conceito de nação. América Hispânica: a região dos Andes. A cultura
como sintaxe. Várias nações dentro de um Estado Nacional: a cultura indígena no
Terceiro Milênio. Relações entre política e cultura. A questão da mestiçagem e a
formação da cultura nacional.América Hispânica: América Central e o Caribe.

Bibliografia Básica
BRUNO, Fátima Cabra e MENSONZA, Maria A. “Hacia el Español”: curso de lengua
y cultura hispánica. Nível básico. São Paulo: Saraiva, 2004.
DIAZ, Diaz; TALAVERA, García. Dicionário Santillana. São Paulo: Santillana, 2006.
CORTES MORENO, Maximiano. “Guia de usos y costumbres de España”. Madrid:
Edelsa, 2005.

Bibliografia Complementar
FANJUL. Adrían. (org.). Gramática y práctica de español para brasileños: com
17
respuestas. São Paulo: Santillana, 2005.
HORMOSO, González a, J. R. Cuenot, M. Sánchez Alfaro. Gramática de español
lengua extranjera. Madrid: Edelsa, 1994.
MILANI, Maria Esther. Gramática de Espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva.
1999.

Módulo 5
- Fonética e Fonologia Segmental e Suprassegmental do Espanhol (carga horária: 35h)
Bibliografia Básica
ALARCOS LLORACH, Emílio. Gramática de La lengua Española, Real Academia
Española – Colelcción Nebrilla y Bello. Madrid: Espasa Calpe, 2007.
HORMOSO, González A. J. R. & CUENOT, M. Sánchez Alfaro. Gramática de
español lengua extranjera. Madrid: Edelsa, 2008.
MORENO FERNÁNDEZ, F., ed y trad.: Dennis R. Preston/Richard Young.
Adquisición de segundas lenguas: variación y contexto social. Madrid: Arco/Libros,
2004.

Bibliografia Complementar
BENITO MOZAS, Antonio. Gramática Práctica – Auto Aprendizaje. 5, Madrid: Edaf,
2006.
CASCÓN MARTÍN, Eugenio. Lengua Española y Comentario de Texto. Madrid:
Editorial Edunem, 2004.
HERNÁNDEZ, Guilhermo. Análisis Gramatical. 6, Madrid: Sgel, 2004.
REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Diccionario de La Lengua Española. 21, Madrid:
Espasa Calpe, 2007.

Módulo 6
- A Diversidade Linguística no Universo Hispânico (carga horária: 35h)
Conceitos fonético-fonológicos. Quadro contrastivo das variantes linguísticas do
espanhol peninsular e americano. Fatores históricos que influenciaram nas mudanças
do latim ao espanhol.

Bibliografia Básica
BELHASSEN, Thierry. 3500 Palavras em Espanhol. Disal Editora, 2007.
BLASCO, Cecília. Fale tudo em Espanhol. Disal Editora, 2008.
FANJUL, Adrían. Gramática de Español. Paso a Paso. Espanha: Santillana, 2005.
VÍCTOR, Barrionuevo. Nuevo Diccionario Contemporâneo. Editora Nacional, 2005.

Bibliografia Complementar
FERNÁNDEZ, Gretel. Expresiones Idiomáticas: usos y valores. Editora àtica, 2004.
SABINO, Walmir. Listo / Español a através de textos. Santillana, 2005.
VRANIC, Gordana. Hablar por los codos. Edelsa, 2008.

Módulo 7
- O Ensino do Espanhol através de Atividades Lúdicas (carga horária: 35h)
A importância da Pedagogia, da Linguística Aplicada, da Sociolinguística, da Didática
e da Cultura no ensino de língua materna e língua estrangeira. Atividades lúdicas para
o ensino.

Bibliografia Básica
SERRANI, Silvana. Discurso e cultura na aula de língua. Currículo, leitura e escrita.
Campinas: Pontes, 2005.
SEDYCIAS, J. (org). O ensino de Espanhol no Brasil – passado, presente e futuro.
18
São Paulo: parábola Editorial, 2005.
BECHARA, Evanildo. Ensino da gramática: opressão? Liberdade? 12 ed. São Paulo:
Ática, 2006.

Bibliografia Complementar
HOFFMANN, Jussara. Avaliação: mito e desafio – uma perspectiva construtivista. 35
ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.
MORETTO, Vasco Pedro. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto
de contas. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.
NEY, Antonio. Política educacional: organização e estrutura da educação brasileira.
Rio de Janeiro: Wak Ed., 2008.

Módulo 8
- Análise e Elaboração de Material Didático de Espanhol (carga horária: 35h)
Análise de metodologias e estratégias de ensino da Língua Portuguesa e da Língua
Espanhola para o Ensino Fundamental e Médio. Análise de manuais, seleção e
organização de material didático, os Planos de Curso e de Ensino e a avaliação.

Bibliografia Básica
SERRANI, Silvana. Discurso e cultura na aula de língua. Currículo, leitura e escrita.
Campinas: Pontes, 2005.
SEDYCIAS, J. (org). O ensino de Espanhol no Brasil – passado, presente e futuro.
São Paulo: parábola Editorial, 2005.
BECHARA, Evanildo. Ensino da gramática: opressão? Liberdade? 12 ed. São Paulo:
Ática, 2006.

Bibliografia Complementar
HOFFMANN, Jussara. Avaliação: mito e desafio – uma perspectiva construtivista. 35
ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.
MORETTO, Vasco Pedro. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto
de contas. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.
NEY, Antonio. Política educacional: organização e estrutura da educação brasileira.
Rio de Janeiro: Wak Ed., 2008.

Módulo 9
- Seminário I (carga horária: 10 h)
A natureza do conhecimento. O conhecimento científico e seus métodos. A pesquisa e
suas técnicas.

Módulo 10
- Seminário II (carga horária: 10 h)
Diretrizes para a elaboração de um projeto de pesquisa: as etapas da pesquisa e a
redação do projeto.

Módulo 11
- Seminário III (carga horária: 10 h)
A estrutura de uma monografia e suas técnicas de desenvolvimento: a descrição do
problema, a aplicação da metodologia e a estruturação das conclusões.

Módulo 12
- Seminário IV (carga horária: 10 h)
Planejamento e organização de uma monografia.

19
Bibliografia Básica (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)
BASTOS, Lília da Rocha et al Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisas, teses, dissertações e monografias. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.
HORN, Geraldo Balduíno; DIEZ, Carmen Lúcia Fornari. Orientações para elaboração
de projetos e monografias. 3.ed. Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
29.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo:
Cortez, 2010.

Bibliografia Complementar (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


ARMANI, Domingues. Como elaborar projetos. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2002.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e
documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2011.
BARROS, Aidil; LEHFELD, Neide. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
12ª ed. Petrópolis - RJ: Vozes, 2010.
BASTOS, Lilia da Rocha et al. Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisa, teses, dissertações e monografias. 6 ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: LTC,
2003.
COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Projeto de pesquisa: entenda e faça. 4.ed.
Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
22.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
MICHALISZYN, Mario Sergio; TOMASINI, Ricardo. Orientações e normas para
elaboração de projetos, monografias e artigos científicos. 7.ed. Petrópolis,RJ: Vozes,
2012.

Módulo 13
- Didática do Ensino Superior I (carga horária: 10h)
Análise do Ensino Superior no contexto atual, suas finalidades e tradições.

Módulo 14
- Didática do Ensino Superior II (carga horária: 10h)
Problematizações da docência no ensino superior: os saberes, as práticas e a
construção da identidade do professor universitário.

Módulo 15
- Didática do Ensino Superior III (carga horária: 10h)
Desenvolvimento de abordagens produzidas no campo pedagógico e didático:
organização curricular, ensino, pesquisa, relação professor/aluno, tecnologia,
conhecimento etc.

Módulo 16
- Didática do Ensino Superior IV (carga horária: 10h)
Plano de Curso. Programa de Disciplina. Elaboração de Ementa. Avaliação.

Bibliografia básica (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. 30.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.
CHAUÍ, Marilena. Escritas sobre a universidade. São Paulo: Ed. Unesp,2001.
PIMENTA, Selma Garrido e ANASTASION, Lea das Graças Camargos. Docência no
Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2002.

Bibliografia Complementar (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


20
CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. 21.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
GADOTTI, Moacir. Histórias das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2010.
LIBANEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências
educacionais e profissão docente. São Paulo, Cortez: 2007.
TORRES, Rosa M. O que (e como) é necessário ensinar. Campinas: Papirus, 2009.
VEIGA, Ilma P. A. Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 2009.
10. Metodologia O curso se desenvolve através de aulas expositivas, interativas e dinâmicas que
incluem a utilização de laboratório de Informática e a apresentação de diferentes
profissionais em palestras, mesas redondas, comunicações. São realizadas discussões
em grupos, trabalhos individuais e em grupo, além de seminários e outros tipos de
encontros.
11. Interdisciplin Ao proporcionar diversos encontros, momento nos quais diferentes profissionais que
aridade atuam direta ou indiretamente com a Língua Espanhola expõem e discutem o trabalho
que realizam em parceria, verificamos que os alunos compreendem a importância da
atuação conjunta.
12. Atividades 1 – Seminários e outros tipos de encontros, cujos temas estejam relacionados à teoria e
Complement às práticas que mobilizam e promovem o uso da Língua Espanhola.
ares 2 – Atividades culturais relacionadas a cinema, teatro e apresentações musicais.
13. Tecnologia O Laboratório de Informática é utilizado para acesso e busca de informações na
Internet. O curso não desenvolve nenhuma atividade à distância.
14. Infraestrutura A sala dos professores é um espaço amplo, equipado com ar-refrigerado, telefones,
Física quadros de avisos, bebedouro, com todos os computadores ligados à Internet,
incluindo os que estão à disposição dos docentes; impressora, rede wireless, dois
banheiros para funcionários e professores. A IES também fornece vagas de
estacionamento aos seus professores e funcionários.
Os coordenadores de curso possuem uma baia exclusiva na sala da coordenação
acadêmica, com telefone, computadores, arquivo individual, mobiliário adequado, bem
como acesso a rede externa, interna e impressora. A coordenadora do CEPOPE ocupa
uma sala na edícula onde também funciona a secretaria de pós-graduação (térreo do
prédio D)
A sala de reuniões é bem iluminada, com mobiliário adequado, possui capacidade para
10 pessoas e está equipada com rede, mesa de reunião e ar-condicionado; ficando a
disposição das reuniões agendadas pelo corpo docente, NDE, colegiados e
coordenações.
Todas as salas de aula arejadas, possuindo iluminação e acústica adequada, bem como
cadeiras para destro e ambidestro, de modo a proporcionar um ambiente harmônico
para a obtenção de um perfeito aprendizado. Todas as salas de aula que não se
encontram no térreo, podem ser acessadas através de elevador. Para eventos que
exijam um espaço físico maior, as dependências das FIC contam dois auditórios
climatizados e com uma quadra que permite alocar cerca de 500 pessoas.
Os laboratórios de informática das FIC funcionam de segunda à sexta-feira das
7h20min às 21h50min e aos sábados das 8h às 16h50min, no segundo andar do prédio
A. Os recursos de equipamentos e espaços multimeios tais como retroprojetores,
projetores, laptops, equipamentos de som, microcomputadores com recursos de
multimídia, videocassete, DVDs, microsystems e microfones e físicos estão sob a
administração da Coordenadoria de Recursos Instrucionais.
A Biblioteca Joaquim Ribeiro conta com um acervo de aproximadamente 15.000
volumes, distribuídos nas diferentes áreas de conhecimento. Possui títulos de
periódicos e 63 assinaturas em diversas áreas e encontra-se informatizada, o que
possibilita ao aluno realizar a pesquisa através dos microcomputadores disponíveis.
Sua atualização é feita pelo levantamento bibliográfico dos programas das disciplinas
dos cursos e pelas solicitações dos professores.
15. Critério de A seleção é feita através da análise de currículo e entrevista.
21
Seleção
16. Sistemas de 1 – Os alunos são avaliados de acordo com negociação previamente estabelecida entre
Avaliação professores e alunos, devendo constar, obrigatoriamente, uma avaliação individual por
módulo.
2 – Os alunos irão avaliar por meio de questionário impresso os professores, a
coordenação do curso, o atendimento administrativo e as instalações físicas.
17. Controle de Frequência mínima exigida é de 75% por módulo e é controlada através de diário de
Frequência frequência.
18. Trabalho de Ao final do curso deverá ser apresentada uma monografia que será avaliada por banca
Conclusão examinadora composta pelo professor orientador (obrigatoriamente pertencente ao
quadro da instituição) e outro professor que atue com ensino e/ou pesquisa relacionada
ao tema, podendo ser do curso ou externo. Para obter a certificação, o aluno deverá ter
sido aprovado em todos os módulos oferecidos, além de ter sua monografia aprovada
pela banca examinadora. Para ser aprovado, o aluno deve ter conceito igual ou
superior a 7 e apresentar a frequência mínima exigida em cada módulo.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU


LÍNGUA PORTUGUESA
Informação Detalhamento
1. Língua O curso de pós-graduação em Língua Portuguesa pertence ao campo das Letras e se
Portuguesa destina a profissionais graduados em Letras ou áreas afins. É oferecido na modalidade
presencial.
2. Justificativa O curso de pós-graduação em Língua Portuguesa busca aprofundar conhecimentos de
tópicos fundamentais dentro da área específica, visando à qualificação do profissional
de Letras, no que tange ao aprimoramento da atuação como professor de Língua
Portuguesa e à capacidade de pesquisar. Espera-se, assim, contribuir para o
desenvolvimento regional através das práticas de professores especializados.
3. Histórico da As FIC, mantidas pela Fundação Educacional Unificada Campograndense - FEUC,
Instituição são compostas pela Faculdade de Filosofia de Campo Grande - FFCG, Faculdade de
Campo Grande – FCG, e pelo Instituto Superior de Educação Campo-Grandense -
ISEC. A FEUC, como mantenedora, sucedeu a Sociedade Universitária
Campograndense – SUC, fundada em 1960.
Os primeiros cursos de graduação da FFCG foram autorizados em 1960; os
bacharelados e as licenciaturas em Ciências Sociais; Geografia; História; Letras
Neolatinas; Literatura e o curso de Pedagogia. Em 1968, iniciou-se o curso de
Matemática, que em 1975 transformou-se na licenciatura em Ciências com habilitação
em Matemática.
Assim, a FFCG vem se dedicando há mais de 50 anos, à formação intensa e
continuada, especialmente em sua área de influência que envolve o bairro de Campo
Grande e adjacências, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Fazem parte de sua história
milhares de profissionais da educação, dentre os quais centenas de Diretores e outras
autoridades no âmbito da educação. Raros são os colégios do Rio de Janeiro em que
não se encontra um de seus egressos. Sua história confirma o ideal de formar
educadores e dirigentes de instituições de ensino.
4. Objetivos Geral:
Reconhecer as questões mais relevantes em cada grande área de estudo da Língua
Portuguesa.
Específicos:
1 – Refletir sobre questões fundamentais relativas à leitura e à produção de texto.
2 – Confrontar conceitos fundamentais nas áreas de Fonética, Fonologia, Morfologia,
Sintaxe e Semântica do português, bem como dos fundamentos da História da Língua
Portuguesa.
3 – Desenvolver projetos no universo da pesquisa necessária à elaboração de trabalhos
22
acadêmicos, em especial da monografia.
4 – Desenvolver e avaliar metodologias e práticas de ensino da Língua Portuguesa.
5. Público-Alvo Graduados em curso superior reconhecido da área de Letras.
6. Coordenação Arlene da Fonseca Figueira
7. Carga Carga horária total: 360 horas
Horária
8. Período e Período de duração do curso: 13 meses
Periodicidade Terças e quintas (início: 18h20min; término: 21h50).
Segundas e quartas (início: 18h20min; término: 21h50).
Sábados (início: 8h; término: 17h).
9. Conteúdo Módulo 1
Programático - Sintaxe (carga horária: 35h)
Conceituação de sintaxe; a ordem como nível da gramática do português. Sintaxe e
categorização - a classificação tradicional e a classificação prototípica. Termos da
oração. Sintaxe do período simples e do composto. Aspectos sintáticos da fala e da
escrita. Sintaxe e ensino de português. Contribuições da sintaxe à abordagem do texto
e do discurso. Sintaxe e pesquisa em língua portuguesa.

Bibliografia Básica
FIORIN, José Luiz (Org.). Introdução à linguística. Princípios de análise. 6ª edição.
São Paulo: Contexto, 2010. Vol. I e II.
MUSSALIM, Fernanda & BENTES, Anna Christina (org.). Introdução à linguística –
domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2007. Vol. I e II.
SILVA, M. Cecília P. de Souza e & KOCH, Ingedore Villaça. 12ª ed. Linguística
aplicada ao português: sintaxe. 2ª ed. São Paulo, 2004.

Bibliografia Complementar
PERINI, Mário A. Para uma nova gramática do português. São Paulo: Ática, 2007.
PERINI, M. A. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, 2007.
MATEUS, M. H. M. et al. Gramática da língua portuguesa. 5. ed. rev. e aum. Lisboa:
Caminho, 2003.
MOURA Neves, Maria Helena de. 2ª ed. Gramática de usos do português. São Paulo:
UNESP, 2003.

Módulo 2
- Leitura: Teoria e Prática (carga horária: 35h)
Conceitos de texto, leitura e interdisciplinaridade. Leitura como prática social. A
construção de sentidos no texto:estratégias cognitivas, sócio-interacionais e textuais de
processamento textual. Tipologia textual e contratos de leitura. Formação do leitor

Bibliografia Básica
ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras. São Paulo: Parábola, 2005.
FAVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 9 ed. São Paulo: ática, 2000.
LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. Da tabulas da lei à tela do computador – a
leitura em seus discursos. 1 ed. São Paulo:
Ática, 2009.

Bibliografia Complementar
GERALDI, João Wanderley (org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997.
KAY, Paul. Three properties of the ideal reader. In: Words and the grammar of the
context. Stanford, Ca.: CSLI Publications, 1997.
LARA, Gláucia Muniz Proença (org.) Linguagem, texto e discurso – entre a prática e a
reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, MG: FALE/UFMG, 2006. vol. 1.
23
MATTE, Asna Cristina Fricke (org.). Linguagem, texto e discurso - entre a prática e a
reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, MG: FALE/UFMG, 2006. vol. 2.
VIEIRA, Sílvia Rodrigues e Brandão, Sílvia Figueiredo (orgs.) ensino de gramática -
descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.
SOARES, Magda. Letramento. Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,
2002.

Módulo 3
- História da Língua Portuguesa (carga horária: 35h)
Noções básicas de Linguística Histórica e Filologia Românica. Fundamentos teóricos
da pesquisa diacrônica. Variação linguística e mudança. Fatores determinantes de
natureza externa e interna. O debate Sincronia X diacronia: análise de alguns
fenômenos. História interna da língua portuguesa. Fases históricas da língua
portuguesa. Fonologia, morfologia e sintaxe históricas: aspectos da mudança
linguística. Do latim ao português. O léxico português. O Português do Brasil.
Pesquisas em diacronia.

Bibliografia Básica
BUENO, Aparecida de Fátima et alli. Literatura portuguesa: história, memórias e
perspectivas. São Paulo: Alameda, 2007.
MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa através de textos. 30ª ed. São Paulo:
Cultrix, 2006.
SARAIVA, José Hermano. História concisa de Portugal. 23a ed. Lisboa: Europa-
América, 2005.

Bibliografia Complementar
ABDALA JR., Benjamim e PASCHOALIN, Maria Aparecida. História Social da
Literatura Portuguesa. São Paulo: Ática, 1994.
CENTENO, Yvette Kace (coord.). Portugal: mitos revisitados. Lisboa: Salamandra,
1993.
SARAIVA, António José. História da Literatura Portuguesa. 10a ed. Lisboa: Europa-
América, 1970.
ILARI, Rodolfo. Linguística românica. São Paulo: Ática, 1992.
LOURENÇO, Eduardo. O labirinto da saudade. 4a ed. Lisboa: Dom Quixote: 1991.
TARALLO, Fernando. Tempos linguísticos; itinerário histórico da língua portuguesa. São
Paulo: Ática, 1990.

Módulo 4
- Morfologia (carga horária: 35h)
Estudo da morfologia portuguesa sob os enfoques estruturalista e gerativista. O
vocábulo, sua classe, estrutura e função. Mecanismos de flexão dos vocábulos.
Processos de formação de palavras. As categorias gramaticais.

Bibliografia Básica
BASÍLIO, Margarida. Formação e classe de palavras no português do Brasil. São
Paulo: Contexto, 2004.
CÂMARA JR. Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. 29. Ed. Vozes,
Petrópolis: 2008
KHEDI, Valter. Morfemas do português. São Paulo: Ática, 2007.

Bibliografia Complementar
BASÍLIO, Margarida. Teoria lexical. São Paulo: Ática, 2007.
BASÍLIO, Margarida. Formação e classes de palavras no português do Brasil. São
24
Paulo: Contexto, 2004.
MONTEIRO, José Lemos. Morfologia portuguesa. Campinas: Pontes, 1992.
SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília & Koch, Ingedore Villaça. Linguística aplicada ao
português: morfologia. São Paulo: Cortez, 2007.
ROCHA, Luiz Carlos de Assis. Estruturas morfológicas do português. Belo Horizonte:
Editora UFMG, 1998.

Módulo 5
- Fonética (carga horária: 35h)
Fonética do português: vocalismo e consonantismo. Anatomia e fisiologia do aparelho
fonador. Transcrição fonética: o alfabeto fonético internacional. Classificação dos sons
vocálicos e consonantais. Elementos de prosódia.

Bibliografia Básica
BISOL, Leda. (org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 3º ed.
Ver. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.
CALLOU, Dinah & LEITE, Yonne. Iniciação à fonética e à fonologia. 7 ed. Rio de
Janeiro: Zahar,2000.
SILVA, Thaïs Cristófaro. Fonética e fonologia do português – roteiro de estudos e
guia de exercícios. São Paulo: Contexto, 1999.

Bibliografia Complementar
CAGLIARI, Luiz Carlos. Análise fonológica – introdução à teoria e à prática.
Campinas: Mercado de Letras, 2002.
CRYSTAL, David. Dicionário de linguística e fonética. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.
MATEUS, Maria Helena Mira. et al. Aspectos fonológicos e prosódicos da gramática
do português. In: MATEUS, M. H. M. et al. Gramática da língua portuguesa. 5. ed.
rev. e aum. Lisboa: Caminho, 2003.
SILVEIRA, Célia Pagliuchi da. Uma pronúncia do português brasileiro. São Paulo:
Cortez, 2008.

Módulo 6
- Teoria e Prática de Texto (carga horária: 35h)
Mecanismos de produção do texto escrito formal: relações de coesão e coerência,
organização de frases e de parágrafos. Correção gramatical. Tipologia textual:
aspectos do discurso acadêmico e da dissertação argumentativa. Resumo e resenha.
Relato de procedimento. Artigo acadêmico. Polifonia e intertextualidade.

Bibliografia Básica
ABREU, Antônio Suárez. A arte de argumentar gerenciando razão e emoção. Cotia-
SP: Ateliê Editorial, 1999.
ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras. São Paulo: Parábola, 2005.
FARACO, Carlos Alberto & TEZZA, Cristovão. Oficina de texto. Petrópolis: Vozes,
2003.
FAVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 9 ed. São Paulo: ática, 2000.
LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. Da tabulas da lei à tela do computador – a
leitura em seus discursos. 1 ed. São Paulo: Ática, 2009.

Bibliografia Complementar
LARA, Gláucia Muniz Proença (org.) Linguagem, texto e discurso – entre a prática e a
reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, MG: FALE/UFMG, 2006. vol. 1.
MATTE, Asna Cristina Fricke (org.). Linguagem, texto e discurso - entre a prática e a
reflexão e a prática. Rio de Janeiro: Lucerna, MG: FALE/UFMG, 2006. vol. 2.
25
VIEIRA, Sílvia Rodrigues e Brandão, Sílvia Figueiredo (orgs.) ensino de gramática -
descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.
SOARES, Magda. Letramento. Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,
2002.

Módulo 7
- Semântica (carga horária: 35h)
O papel da Semântica dentro da Linguística. Estruturação e ampliação do léxico. O
signo linguístico. Fenômenos semânticos. Significados de formas gramaticais.

Bibliografia Básica
FELTES, Heloísa P. de Morais. Semântica cognitiva: ilhas, pontes e teias. Porto
Alegre, EDIPURS, 2007.
ILARI, Rodolfo. Introdução à semântica: brincando com a gramática. São Paulo:
Contexto, 2006.
ILARI, Rodolfo & GERALDI, João Wanderley. Semântica. São Paulo: Ática, 2006.

Bibliografia Complementar
ALI, M. Said. Dificuldades da língua portuguesa: estudos e observações. Rio de
Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2008.
ARMENGAUD, Francoise. A Pragmática. 1ª Ed. São Paulo: Parábola, 2006.
BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral I. 5. ed. Trad. Maria da Glória
Novak e Maria Luisa Neri. Campinas: Pontes, 2005.
KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Os Atos de Linguagem no Discurso: teoria e
funcionamento. Niterói. EdUFF, 2005.
VIEIRA, Silvia Rodrigues & BRANDÃO, Silvia Figueiredo (org.). Ensino de
gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.

Módulo 8
- Fonologia (carga horária: 35h)
Fonologia sincrônica do português: conceitos básicos. Inventário e representação dos
segmentos vocálicos e consonânticos subjacentes. Processos fonológicos. Variação
diatópica e diastrática. Acento e sílaba: abordagens não-lineares.

Bibliografia Básica
BISOL, Leda. (org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 3º ed.
Ver. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.
CALLOU, Dinah & LEITE, Yonne. Iniciação à fonética e à fonologia. 7 ed. Rio de
Janeiro: Zahar, 2000.
SILVA, Thaïs Cristófaro. Fonética e fonologia do português – roteiro de estudos e
guia de exercícios. São Paulo: Contexto, 1999.

Bibliografia Complementar
CAGLIARI, Luiz Carlos. Análise fonológica – introdução à teoria e à prática.
Campinas: Mercado de Letras,2002.
CRYSTAL, David. Dicionário de lingüística e fonética. Rio de Janeiro: Zahar,1988.
MATEUS, Maria Helena Mira. et al. Aspectos fonológicos e prosódicos da gramática
do português. In: MATEUS, M. H. M. et al. Gramática da língua portuguesa. 5. ed.
rev. e aum. Lisboa: Caminho, 2003.
SILVEIRA, Célia Pagliuchi da. Uma pronúncia do português brasileiro. São Paulo:
Cortez, 2008.

Módulo 9
26
- Seminário I (carga horária: 10 h)
A natureza do conhecimento. O conhecimento científico e seus métodos. A pesquisa e
suas técnicas.

Módulo 10
- Seminário II (carga horária: 10 h)
Diretrizes para a elaboração de um projeto de pesquisa: as etapas da pesquisa e a
redação do projeto.

Módulo 11
- Seminário III (carga horária: 10 h)
A estrutura de uma monografia e suas técnicas de desenvolvimento: a descrição do
problema, a aplicação da metodologia e a estruturação das conclusões.

Módulo 12
- Seminário IV (carga horária: 10 h)
Planejamento e organização de uma monografia.

Bibliografia Básica (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


BASTOS, Lília da Rocha et al Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisas, teses, dissertações e monografias. 6.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.
HORN, Geraldo Balduíno; DIEZ, Carmen Lúcia Fornari. Orientações para elaboração
de projetos e monografias. 3.ed. Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade.
29.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo:
Cortez, 2010.

Bibliografia Complementar (Seminário I, Seminário II, Seminário III, Seminário IV)


ARMANI, Domingues. Como elaborar projetos. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2002.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e
documentação – Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2011.
BARROS, Aidil; LEHFELD, Neide. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
12ª ed. Petrópolis - RJ: Vozes, 2010.
BASTOS, Lilia da Rocha et al. Manual para a elaboração de projetos e relatórios de
pesquisa, teses, dissertações e monografias. 6 ed. ver. e ampl. Rio de Janeiro: LTC,
2003.
COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Projeto de pesquisa: entenda e faça. 4.ed.
Petrópolis,RJ: Vozes, 2013.
LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas.
22.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
MICHALISZYN, Mario Sergio; TOMASINI, Ricardo. Orientações e normas para
elaboração de projetos, monografias e artigos científicos. 7.ed. Petrópolis,RJ: Vozes,
2012.

Módulo 13
- Didática do Ensino Superior I (carga horária: 10h)
Análise do Ensino Superior no contexto atual, suas finalidades e tradições.

Módulo 14
- Didática do Ensino Superior II (carga horária: 10h)
Problematizações da docência no ensino superior: os saberes, as práticas e a
construção da identidade do professor universitário.
27
Módulo 15
- Didática do Ensino Superior III (carga horária: 10h)
Desenvolvimento de abordagens produzidas no campo pedagógico e didático:
organização curricular, ensino, pesquisa, relação professor/aluno, tecnologia,
conhecimento etc.

Módulo 16
- Didática do Ensino Superior IV (carga horária: 10h)
Plano de Curso. Programa de Disciplina. Elaboração de Ementa. Avaliação.

Bibliografia básica (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. 30.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.
CHAUÍ, Marilena. Escritas sobre a universidade. São Paulo: Ed. Unesp,2001.
PIMENTA, Selma Garrido e ANASTASION, Lea das Graças Camargos. Docência no
Ensino Superior. São Paulo: Cortez, 2002.

Bibliografia Complementar (Didática do Ensino Superior I, II, III, IV)


CANDAU, Vera Maria. Rumo a uma nova didática. 21.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.
GADOTTI, Moacir. Histórias das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2010.
LIBANEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências
educacionais e profissão docente. São Paulo, Cortez: 2007.
TORRES, Rosa M. O que (e como) é necessário ensinar. Campinas: Papirus, 2009.
VEIGA, Ilma P. A. Técnicas de Ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 2009.
10. Metodologia O curso se desenvolve através de aulas expositivas, interativas e dinâmicas que
incluem a utilização de laboratório de Informática e a apresentação de diferentes
profissionais em palestras, mesas redondas, comunicações. São realizadas discussões
em grupos, trabalhos individuais e em grupo, além de seminários e outros tipos de
encontros.
11. Interdisciplin Ao proporcionar diversos encontros, momento nos quais diferentes profissionais que
aridade atuam direta ou indiretamente com a Língua Portuguesa expõem e discutem o trabalho
que realizam em parceria, verificamos que os alunos compreendem a importância da
atuação conjunta.
12. Atividades 1 – Seminários e outros tipos de encontros, cujos temas estejam relacionados à teoria e
Complement às práticas que mobilizam e promovem o uso da Língua Portuguesa.
ares 2 – Atividades culturais relacionadas a cinema, teatro e apresentações musicais.
13. Tecnologia O Laboratório de Informática é utilizado para acesso e busca de informações na
Internet. O curso não desenvolve nenhuma atividade à distância.
14. Infraestrutura A sala dos professores é um espaço amplo, equipado com ar-refrigerado, telefones,
Física quadros de avisos, bebedouro, com todos os computadores ligados à Internet,
incluindo os que estão à disposição dos docentes; impressora, rede wireless, dois
banheiros para funcionários e professores. A IES também fornece vagas de
estacionamento aos seus professores e funcionários.
Os coordenadores de curso possuem uma baia exclusiva na sala da coordenação
acadêmica, com telefone, computadores, arquivo individual, mobiliário adequado, bem
como acesso a rede externa, interna e impressora. A coordenadora do CEPOPE ocupa
uma sala na edícula onde também funciona a secretaria de pós-graduação (térreo do
prédio D)
A sala de reuniões é bem iluminada, com mobiliário adequado, possui capacidade para
10 pessoas e está equipada com rede, mesa de reunião e ar-condicionado; ficando a
disposição das reuniões agendadas pelo corpo docente, NDE, colegiados e
coordenações.
Todas as salas de aula arejadas, possuindo iluminação e acústica adequada, bem como
28
cadeiras para destro e ambidestro, de modo a proporcionar um ambiente harmônico
para a obtenção de um perfeito aprendizado. Todas as salas de aula que não se
encontram no térreo, podem ser acessadas através de elevador. Para eventos que
exijam um espaço físico maior, as dependências das FIC contam dois auditórios
climatizados e com uma quadra que permite alocar cerca de 500 pessoas.
Os laboratórios de informática das FIC funcionam de segunda à sexta-feira das
7h20min às 21h50min e aos sábados das 8h às 16h50min, no segundo andar do prédio
A. Os recursos de equipamentos e espaços multimeios tais como retroprojetores,
projetores, laptops, equipamentos de som, microcomputadores com recursos de
multimídia, videocassete, DVDs, microsystems e microfones e físicos estão sob a
administração da Coordenadoria de Recursos Instrucionais.
A Biblioteca Joaquim Ribeiro conta com um acervo de aproximadamente 15.000
volumes, distribuídos nas diferentes áreas de conhecimento. Possui títulos de
periódicos e 63 assinaturas em diversas áreas e encontra-se informatizada, o que
possibilita ao aluno realizar a pesquisa através dos microcomputadores disponíveis.
Sua atualização é feita pelo levantamento bibliográfico dos programas das disciplinas
dos cursos e pelas solicitações dos professores.
15. Critério de A seleção é feita através da análise de currículo e entrevista.
Seleção
16. Sistemas de 1 – Os alunos são avaliados de acordo com negociação previamente estabelecida entre
Avaliação professores e alunos, devendo constar, obrigatoriamente, uma avaliação individual por
módulo.
2 – Os alunos irão avaliar por meio de questionário impresso os professores, a
coordenação do curso, o atendimento administrativo e as instalações físicas.
17. Controle de Frequência mínima exigida é de 75% por módulo e é controlada através de diário de
Frequência frequência.
18. Trabalho de Ao final do curso deverá ser apresentada uma monografia que será avaliada por banca
Conclusão examinadora composta pelo professor orientador (obrigatoriamente pertencente ao
quadro da instituição) e outro professor que atue com ensino e/ou pesquisa relacionada
ao tema, podendo ser do curso ou externo. Para obter a certificação, o aluno deverá ter
sido aprovado em todos os módulos oferecidos, além de ter sua monografia aprovada
pela banca examinadora. Para ser aprovado, o aluno deve ter conceito igual ou
superior a 7 e apresentar a frequência mínima exigida em cada módulo.

29