Você está na página 1de 4

Severino:​ 1… 2… 3… 4… 5… Quem vai ser o primeiro?

Padre:​ Primeiro as damas


Dorinha:​ Primeiro as damas nada, aqui só tem uma
Eurico:​ O senhor podia começar por ordem de idade
Chicó:​ Os mais velhos primeiro
Bispo:​ Primeiro os mais jovens
João grilo:​ se preparem pra morrer, Severino de Aracaju acaba de chegar!
Dorinha:​ oxente e agora tem dois é?
Cangaçeiro:​ Eita mas se ele é o senhor, o senhor quem é?
Severino:​ Eu sou eu, uai!
Cangaçeiro:​ Se o senhor é o senhor, ele quem é?
Severino:​ Isso é o que vamos ver agora! Quem é esse toco de amarrar jegue?
João Grilo:​ Qual?
Severino:​ Você mesmo que acabou de chegar dizendo que sou eu
João Grilo:​ Acabei de chegar e já vou dando meia volta
Severino:​ Meia volta nada! seu arremento de jegue
Eurico:​ Como é isso hein?
João Grilo:​ Isso é apenas uma visão, vocês estão vendo dois mas na verdade só tem um!
Ele! Com licença
Severino: ​Um momento amarelinho!
João Grilo: ​É que está ficando tarde e eu tenho o que fazer. Tchau pra vocês, até logo e
muita boa viagem pra todos
Severino: ​Venha cá! Quero falar com você!
João Grilo: ​Omi, eu sei qual conversa ocê quer ter comigo, o dinheiro que eu ia ter não
tenho porque a mulher do padeiro não me pagou o combinado pra eu convencer Chicó a se
encontrar com ela. Pode cobrar ali de Dona Dora
Eurico: ​Então você andava mesmo enfeitando a minha testa sem eu saber, que pelo
menos fosse com alguém de respeito mas até o Chicó?
Chicó: ​Chicó o quê? Eu corri o perigo de ficar falado andando com essa mulher pra cima e
pra baixo
João Grilo: ​Agora vamos sair chicó que o calor aqui está aumentando
Severino: ​Nada disso, agora você fica e vai morrer com os outros. Vamos começar com e
excelentíssimo seu padeiro dessa cidade
Cangaçeiro: ​É agora!
Severino: ​E ainda terá a súbita honra de morrer ao lado de sua excelentíssima mulher
safada, tenha a bondade de sair pra fora que Severino de Aracaju não mata ninguém dentro
da igreja
Cangaçeiro: ​Se tem uma coisa que eu não gosto é de matar mulher, mas se é o jeito…
Dorinha: ​Pode deixar, tenho mais coragem que muito homem safado. Não disse, segura
aqui que eu ajudo
Cangaçeiro: ​Seu padeiro não gosta de morrer, bateu comigo que não gosto de matar, mas
a gente conta até três pra dar coragem né?
João Grilo: ​É assim que serão dois numa só carne
Chicó: ​Mangue não João! Mulher valente! Safada, mas valente!
Severino: ​E agora chegou a vez do… Bispo!
Bispo: ​Não! Pode cuidar dele primeiro…
Padre: ​Nada disso, a vez é do senhor!
Severino: ​Pra não haver mais discussão vai os dois juntos!
Bispo: ​Mas o primeiro tiro é pra ele!
Severino: ​Seu bispo seja homem. Dê o exemplo aqui seu secretário.
Cangaçeiro: ​Não gosto de matar padre não, nem bispo, quem dirá os dois de uma vez
Severino: ​Você acabe com essa sua frouxura! E vocês sustentem as pernas! Que
vergonha, chega dá desgosto de matar uns homens desse. Muito bem, quais são os nomes
vossas senhorias?
Chicó: ​O meu é Chicó se for do seu agrado
João Grilo: ​A minha senhoria não tem nome nenhum porque não existe! Pobre lá tem
senhoria, pobre só tem desgraça
Severino: ​Diga então o nome de vossa desgracença
João Grilo: ​João Grilo!
Severino: ​Pois está muito bem, chegou a hora de vossa desgracença João Grilo, o amarelo
mais amarelo que já tive a honra de matar…
João Grilo: ​Um momento, antes de morrer eu quero lhe fazer um grande favor
Severino: ​Qual é?
João Grilo: ​Dar-lhe essa gaita de presente
Severino: ​Uma gaita? Pra quê eu quero uma gaita?
João Grilo: ​É pra nunca mais morrer com os ferimentos que a policia lhe fizer
Severino: ​Que história é essa? Já ouvi falar de chocalho bento que cura mordida de cobra,
mas de gaita benta que cura ferimento de rifçle é a primeira vez
João Grilo: ​Mas cura, essa gaita foi benzida por Padre Ciço pouco antes de morrer
Severino: ​Só acredito vendo
João Grilo: ​Pois não. Queria vossa excelência me ceder o seu punhal. Se eu tentar alguma
coisa por seu lado atire. Agora vou dar uma apunhalada na barriga de Chicó
Chicó: ​Na minha não
João Grilo: ​Deixe de moleza Chicó! Depois eu toco a gaita e você fvive de novo
(sussurando) A bexiga, a bexiga
Chicó: ​Muito obrigado, mas eu não quero não João
João Grilo: ​Eu já não lhe disse que você leva a apunhalada e eu toco a gaita?
Chicó: ​Então vamo fazer o seguinte, você leva a apunhalada e eu toco a gaita!
João Grilo: ​Homem, sabe do que mais? Vamos deixar de conversa, tome la!
(João Grilo dá uma apunhalada na bexiga)
João Grilo: ​(Sussurando: a bexiga) MORRA DESGRAÇADO!
(Chicó entende o plano e se joga no chão fingindo-se de morto)
João Grilo: ​Está vendo o sangue?
Severino: ​Estou. Vi você dar a facada, disso nunca duvidei. Agora, quero ver é você curar
o homem
João Grilo: ​É Já
(João começa a tocar na gaita e Chicó começa a se mover no ritmo da música,
primeiro uma mão, depois duas, os braços, até que se levanta como se estivesse com
dança de São Guido)
Severino: ​Nossa Senhora! Só tendo sido abençoada por Meu Padrinho Padre Cícero. Você
não está sentindo nada?
Chicó: ​Nadinha
Severino: ​E antes?
Chicó: ​Antes como?
Severino: ​Antes de João tocar na gaita
Chicó: ​Ah, eu estava morto
Severino: ​Morto?
Chicó: ​Completamente morto. Vi Nossa Senhora e Padre Cícero no céu
Severino: ​Mas em tão pouco tempo? Como foi isso?
Chicó: ​Não sei, só sei que foi assim
Severino: ​E o que foi que Padre Cícero lhe disse?
Chicó: ​Disse: “Essa é a gaitinha que eu abençoei antes de morrer. Entregue ela ao
Severino, que precisa muito mais dela que você”
Severino: ​Ah meu Deus, só podia ser Meu Padrinho Padre Cícero mesmo. João me dê
essa gaitinha!
João Grilo: ​Então me solte e solte Chicó
Severino: ​Não pode ser, João. Eu matei o bispo, o padre, o sacristão, o padeiro e a mulher
e eles morreram esperando por você. Seu eu não o matar, eles vêm-me perseguir de noite,
porque será uma injustiça com eles
João Grilo: ​Eu lhe dei uma oportunidade de conhecer Meu Padrinho Padre Cícero e você
me paga desse modo!
Severino: ​De conhecer Meu Padrinho? Nunca tive essa sorte.
João Grilo: ​Mas pode conhecê-lo agora
Severino: ​Como?
João Grilo: ​Seu cabra lhe dá um tiro de rifle, você vai visitá-lo. Então eu toco na gaita e
você volta
Severino: ​E se você não tocar?
João Grilo: ​Não está vendo que eu não faço uma miséria dessa? Garanto que toco
Severino: ​Sua ideia é boa, mas por segurança entregue logo a gaita a meu cabra. Agora eu
levo um tiro e vejo Meu Padrinho?
João Grilo: ​Vê, não vê, Chicó?
Chicó: ​Vê demais. Está lá, vestido de azul, com uma porção de anjinhos em redor. Ele até
estava dizendo: “Diga ao Severino que eu quero vê-lo”
Severino: ​Ai, eu vou. Atire, atire!
Cangaçeiro: ​Capitão…
Severino: ​Atira, cabra frouxo, eu não estou mandando?
Cangaçeiro: ​Capitão vamo embora que a polícia já deve ter sido avisada!
Severino: ​Atire!
João Grilo: ​Homem atire logo pelo amor de Deus!
Cangaçeiro: ​Ai eu não gosto de matar chefe não mas se é o jeito
Severino: ​Espere não se esqueça de tocar na gaita
Cangaçeiro: ​Tenha cuidado não, capitão…
Severino: ​Então atire!
(O cangaçeiro atira, Severino cai morto)
Cangaçeiro: ​Eita, os policiais estão chegando
(O cangaçeiro toca a gaita, nada aconteçe)
Cangaçeiro: ​Capitão? Oh capitão...
João Grilo: ​Deixe o capitão falar mais um cadinho com Padre Cícero
Cangaçeiro: ​Capitão! Capitão! Ah seu grilo safado, voçê matou o capitão. É pra matar, não
é…
Chicó: ​Venha logo homem!
João Grilo: ​Deixa eu pegar o dinheiro pra pagar a tua dívida…
Chicó: ​Corre homem!
Cangaçeiro: ​Filho da égua, pela primeira vez na minha vida vou matar alguém com gosto
(O ajudante de Severino atira em João Grilo)