Você está na página 1de 61

Manual do Usuário

SAPAF Jovem
Sistema de Avaliação
e Prescrição da Atividade Física

Infodata Informática
E-Mail: info@infodata.com.br
Sumário
CAPÍTULO 1 - Ao Usuário 5
Importância da Avaliação na Prescrição dos Programas
de Exercícios Físicos para Jovens 5
O que é o SAPAF Jovem 6

CAPÍTULO 2 - No que constitui o SAPAF Jovem 7


Anamnese Clínica 8
Gasto Energético 8
Correção Postural 8
Maturação Biológica: maturação sexual e morfológica 9
Crescimento e Antropometria Nutricional 9
Composição Corporal 10
Aspectos Hemodinâmicos/Metabólicos: sistema aeróbico e anaeróbico 10
Desempenho Motor 11
Prescrição de Exercícios Aeróbicos e Localizados 11

CAPÍTULO 3 - Instalando o SAPAF Jovem 13


Requisitos de Sistema 13
Procedimento de Instalação 13

CAPÍTULO 4 - Conhecendo o SAPAF Jovem 16


Estrutura Hierárquica 16
Interface Gráfica 17

CAPÍTULO 5 - Trabalhando com o SAPAF Jovem pela primeira vez 20


Iniciando os Trabalhos 20
Personalizando o SAPAF Jovem 20
Cadastrando um Grupo 22
Cadastrando um Avaliado 24
Cadastrando um Avaliador 24
Administrando uma Avaliação 25
Escrevendo Anotações 28
Visualizando os Gráficos 29
Consultando a Bibliografia 31
Imprimindo um Relatório 32
Consultando a Ajuda 37

CAPÍTULO 6 - Administrando Avaliações 38


Anamnese Clínica 38
Gasto Energético 39
Correção Postural 39
Maturação Biológica 41
Crescimento Físico 42
Antropometria Nutricional 43
Composição Corporal 45
Sistema Aeróbico 46
Sistema Anaeróbico 49
Desempenho Motor 49

CAPÍTULO 7 - Prescrevendo Exercícios Físicos 54


Exercícios Aeróbicos 54
Exercícios Localizados 55

CAPÍTULO 8 - Manipulando o Crédito da Licença de Uso 57


Instalação 57
Desabilitando a Licença de Uso 57
Habilitando a Licença de Uso 59
Reset Remoto 59
5
SAPAF Jovem

CAPÍTULO 1

Ao Usuário
Importância da Avaliação na Prescrição dos Programas
de Exercícios Físicos para Jovens
Em analogia com a prescrição de fármacos ou de dietas alimentares, a prescrição de
exercícios físicos é um processo mediante o qual são recomendados ao jovem esforços físicos
que, ao serem executados de maneira sistemática e individualizada, deverão provocar as
adaptações desejadas em seu organismo. Nesse particular, para que um programa de exercícios
físicos possa ser seguro e venha a apresentar repercussões positivas em termos de promoção
da saúde, torna-se necessário planejar, organizar, prescrever e orientar os estímulos físicos
observando certos pressupostos básicos.
Inicialmente, esse programa de exercícios físicos deverá envolver todos os componentes
voltados à dimensão funcional-motora (resistência aeróbica, força/resistência muscular e
flexibilidade); e, dessa forma, interferir favoravelmente nas dimensões fisiológica, morfológica
e comportamental da aptidão física relacionada à saúde.
Seus estímulos, além disso, deverão acompanhar os três princípios biológicos voltados
à relação esforço físico/adaptações funcionais e orgânicas; ou seja, o princípio da sobrecarga,
progressão e individualidade, o princípio da especificidade e o princípio da reversibilidade.
Os componentes freqüência, duração, intensidade, disposição seqüencial e tipo de exercício
físico também são aspectos importantes a serem considerados na elaboração dos programas
de exercícios físicos.
Contudo, o elemento essencial na prescrição de programas de exercícios físicos é a
realização de avaliação prévia e atualizada periodicamente, a fim de obter subsídios quanto
às reais condições do indivíduo e, com isso, promover ajustes nos estímulos oferecidos,
procurando maximizar seus resultados.
A falta de avaliação prévia, que venha a subsidiar as decisões na elaboração e atualização
dos programas de exercícios físicos, pode ocasionar o estabelecimento de esforços físicos
não adequados, levando o jovem ao desencorajamento para participar das atividades
programadas. Prescrições incorretas também podem levar a desgastes funcionais e orgânicos
indevidos, induzindo à fadiga psicológica e física excessiva, a graves lesões ortopédicas e ao
6
Infodata Informática

impedimento de alcance de todo o seu potencial de crescimento.

O que é o SAPAF Jovem


O SAPAF - Sistema de Avaliação e Prescrição da Atividade Física - é um sistema
computacional aplicativo idealizado com o objetivo de auxiliar na avaliação e prescrição de
programas de exercícios físicos direcionados à promoção da saúde de crianças e adolescentes
dos 2 aos 18 anos de idade. Sua proposta é instrumentalizar aqueles profissionais da área do
exercício físico que necessitam dispor de informações confiáveis e atualizadas que venham a
subsidiar as tomadas de decisões quanto à avaliação, prescrição e orientação de programas de
exercícios físicos.
Nesse sentido, com o intuito de oferecer o máximo de eficácia em seus resultados, os
modelos nele contidos foram desenvolvidos com base nos mais recentes achados apresentados
pela comunidade científica na área do exercício físico relacionado à promoção da saúde, o
que garante o nível de qualidade das informações por ele produzido. Além do que, o SAPAF
Jovem pode ser usado em vários níveis, dependendo da experiência e da necessidade do
profissional.
O ambiente computacional do SAPAF Jovem foi desenvolvido com o propósito de
estabelecer uma fácil interação entre o usuário e o sistema. A utilização de recursos gráficos
altamente comunicativos e a estruturação dos dados de forma hierárquica resultaram numa
ferramenta de trabalho amigável e consistente.
7
SAPAF Jovem

CAPÍTULO 2

No que constitui o SAPAF Jovem


Para prescrever um programa de exercícios físicos de maneira segura, com a intenção de
afastar ao máximo a probabilidade de ocorrerem acidentes e atender adequadamente às
necessidades e aos interesses de seus participantes, é necessário o conhecimento preciso do
jovem em questão. O esperado é que os profissionais voltados à prescrição e à orientação dos
programas de exercícios físicos encontrem, na formação de qualquer grupo, variações
individuais quanto aos aspectos fisiológicos e morfológicos que justifiquem uma atitude
personalizada na proposição dos esforços físicos.
Além da idade e do sexo, essas variações são atribuídas, basicamente, ao estado de
saúde, ao índice de crescimento e desenvolvimento biológico e, sobretudo, às experiências
quanto à prática de exercícios físicos, conseqüentemente, aos níveis de aptidão física. Portanto,
estar informado quanto a essas variações individuais, mediante rotina de avaliação das reais
condições individuais, torna-se de fundamental importância na determinação do potencial de
cada um. E com base nessas informações, estabelecer as características iniciais dos esforços
físicos a serem desenvolvidos, promovendo, na seqüência, as eventuais modificações
necessárias.
Com base no pressuposto de que, quanto mais completas e precisas forem as informações
sobre o jovem, mais seguras e acuradas serão a prescrição e a orientação dos programas de
exercícios físicos, o SAPAF Jovem procura reunir o maior número de dados possível, dispostos
em rotinas específicas, conforme características das informações tratadas.
Rotinas de Avaliação
1. Anamnese Clínica
2. Gasto Energético
3. Correção Postural
4. Maturação Biológica: maturação sexual e morfológica
5. Crescimento Físico
6. Antropometria Nutricional
7. Composição Corporal
8. Aspectos Hemodinâmico/Metabólico: sistema aeróbico e anaeróbico
9. Desempenho Motor
8
Infodata Informática

Prescrição de Exercícios Físicos


1. Exercícios Aeróbicos
2. Exercícios Localizados

Anamnese Clínica
Quanto à necessidade da realização da anamnese clínica, evidências têm apontado que a
principal causa de desistência nos estágios iniciais dos programas de exercícios físicos está
associada aos desconfortos provocados por determinado tipo de exercício, muitas vezes, no
momento, contra-indicado diante das condições de saúde apresentadas pelo praticante.
Portanto, mesmo aparentemente não havendo qualquer dúvida acerca do estado de saúde do
jovem, este deve ser submetido à minuciosa avaliação clínica, especialmente aquele que até
então havia incorporado hábitos de vida mais sedentários.

Gasto Energético
Os programas de exercícios físicos deverão provocar as adaptações desejadas no
organismo, e por sua vez propiciar melhorias no estado de saúde, quando planejados,
organizados, prescritos e orientados de acordo com os hábitos de prática da atividade física
de cada um. Dessa forma, as estimativas quanto ao gasto energético/dia deverão oferecer
importantes subsídios nesse sentido, permitindo que seja possível identificar aqueles jovens
que se caracterizam por apresentar um estilo de vida em que predomina a carência de atividade
física e aqueles que procuram manter níveis satisfatórios de atividade física em seu cotidiano.

Correção Postural
Jovens portadores de desvios posturais tendem a apresentar algum tipo de
comprometimento locomotor, limitando por sua vez a realização de movimentos corporais.
Isso acorre em razão das articulações sofrerem em maior impacto e os grupos musculares
estarem expostos a um nível de tensão mais elevado. Quando da realização de exercícios
físicos, essa situação pode alcançar limites bastante preocupantes, na medida em que o nível
de exigência das estruturas músculo-ósteo-articular se acentua extraordinariamente, levando,
muitas vezes, a danos irreversíveis.
Com isso em mente, a verificação dos índices de correção postural assume o papel de
9
SAPAF Jovem

fundamental importância quando da prescrição e orientação de programas de exercícios físicos


voltados à promoção da saúde, procurando oportunizar subsídios que possam auxiliar de
maneira mais efetiva, na tentativa de oferecer esforços físicos que venham, verdadeiramente,
contribuir para melhoria do nível de qualidade de vida de seu praticante.

Maturação Biológica: maturação sexual e morfológica


Desde o nascimento até a idade adulta, crianças e adolescentes passam por uma série de
estágios, o que implica um grau crescente de maturação, caracterizando o processo evolutivo
da espécie humana. Por definição, maturação biológica refere-se às sucessivas modificações
que se processam em determinado sistema ou função, até que sua forma final seja alcançada.
Portanto, maturação deve ser entendida como o processo de amadurecimento mediante o
qual se atinge o estado maduro, ou seja, a maturidade.
Se, por um lado, a dinâmica dos diferentes estágios de maturação do sistema biológico
considerado é semelhante em cada jovem, por outro, podem ocorrer variações individuais
quanto à época com que um nível maturacional mais avançado é atingido. Conseqüentemente,
torna-se possível distinguir jovens com maior ou menor grau de maturação que os outros
numa mesma idade cronológica. Em vista disso, deve-se admitir que, além da idade
cronológica, informações quanto à influência da maturação biológica em variáveis associadas
aos aspectos morfológicos, metabólicos e funcionais são de fundamental importância para a
avaliação e prescrição do exercício físico dos jovens.

Crescimento e Antropometria Nutricional


A monitorização do crescimento é, consensualmente, aceita como um sensível
instrumento de utilização singular na aferição das condições de saúde do jovem, na medida
em que contribui de maneira decisiva no diagnóstico de possíveis deficiências nutricionais,
principalmente, com relação à desnutrição protéico-calórica.
Essa posição baseia-se no fato de que eventuais variações individuais que porventura
possam vir a ser observadas com relação ao crescimento possam ser atribuídas, em parte, à
origem genética. Porém, os apectos relacionados ao meio ambiente não deixam de desempenhar
papel fundamental. E, entre os aspectos ambientais que mais contribuem para a variação do
crescimento, dois deles são particularmente significativos: a adequada nutrição e o atendimento
aos aspectos básicos de saúde pública.
10
Infodata Informática

Composição Corporal
Informações quanto aos parâmetros da composição corporal, mediante dados relacionados
à quantidade de gordura corporal e de massa magra, são de grande significado na prescrição
e orientação de programas de exercícios físicos. Maiores quantidades de gordura corporal
interferem negativamente na realização de exercícios físicos, em razão da maior solicitação
de energia necessária para movimentar uma massa corporal também mais elevada. Em
comparação com os de menor adiposidade, os jovens com maior concentração de gordura
corporal solicitam trabalho físico mais intenso na execução de qualquer tipo de exercício
físico.
Em vista disso, maior acúmulo de gordura corporal, além dos defeitos deletérios ao
melhor estado de saúde, contribui para que os jovens nessas condições apresentem maiores
dificuldades na realização dos exercícios físicos, sendo necessário portanto, desenvolver
programas específicos voltados a uma predominância na utilização da gordura como fonte de
produção de energia nos esforços físicos.

Aspectos Hemodinâmicos/Metabólicos: sistema aeróbico


e anaeróbico
A necessidade de desenvolver avaliações quanto aos aspectos hemodinâmicos/
metabólicos fundamenta-se nas inúmeras adaptações relacionadas à melhoria e à manutenção
do estado de saúde associadas aos programas de exercícios físicos.
Assim, informações quanto às alterações que se observam na freqüência cardíaca e na
pressão arterial em estado de repouso e em diferentes níveis de esforço físico, assim como,
estimativas quanto ao consumo máximo de oxigênio se caracterizam como referenciais
extremamente úteis na monitorização dos benefícios induzidos pelos programas de exercícios
físicos. Além do que, o organismo humano somente deverá responder favoravelmente aos
programas de exercícios físicos quando os esforços físicos forem administrados de acordo
com as condições funcionais de cada um e, com o passar do tempo, sejam ajustados conforme
o nível de adaptação de cada jovem. Dessa maneira, o desenvolvimento de avaliações nas
áreas hemodinâmica/metabólica deverá se constituir em importante mecanismo de controle
dos programas de exercícios físicos, oferecendo subsídios indispensáveis à atualização
periódica dos níveis de esforço físico.
11
SAPAF Jovem

Desempenho Motor
Considerando que a infância e a adolescência se constituem nos períodos críticos mais
importantes com relação aos aspectos motores, seja quanto a fatores biológicos ou culturais,
nos quais o organismo se encontra especialmente sensível à influência dos fatores ambientais,
tanto de natureza positiva como negativa, o acompanhamento dos índices de desempenho
motor, nesses períodos, deverá contribuir de forma decisiva na promoção da saúde dos jovens.
Além do que, proficiência em termos de desempenho motor se caracteriza como
importante atributo no repertório de conduta motora do jovem, tornando-se, portanto, essencial
para sua efetiva participação em programas de exercícios físicos.

Prescrição de Exercícios Aeróbicos e Localizados


Tão logo as rotinas de avaliações tenham sido administradas, e portanto, os níveis de
aptidão física, os índices de crescimento e desenvolvimento sejam conhecidos, os programas
de exercícios físicos poderão ser prescritos. De posse dessas informações, são traçadas para
cada jovem, metas específicas segundo as necessidades e as potencialidades evidenciadas
pelas avaliações prévias. Uma prescrição de exercícios físicos segura e efetiva está alicerçada
em informações prévias que possam traduzir o estado presente do indivíduo. Reavaliações
periódicas também são úteis para acompanhar o estado individual diante do exercício físico e
como instrumentos de motivação para continuar sua prática, além de necessárias para
atualização dos parâmetros de prescrição.
Para que os índices de aptidão física relacionados à saúde possam ser melhorados e
mantidos em níveis satisfatórios, torna-se necessário desenvolver programas de exercícios
físicos que possam, verdadeiramente, estimular o sistema cardiorrespiratório e os componentes
neuromusculares força/resistência muscular e flexibilidade.
Os exercícios físicos direcionados ao desenvolvimento e/ou à manutenção da resistência
cardiorrespiratória são os chamados aeróbicos e, de forma bastante particular, são
caracterizados por esforços físicos de média e longa duração e intensidade moderada, que
possam envolver os grandes grupos musculares de maneira dinâmica e com ritmo relativamente
constante.
A caminhada, a corrida, o ciclismo, a natação e a dança aeróbica são exemplos típicos de
exercícios físicos que podem ser realizados de maneira aeróbica, e portanto, modificações
importantes na resistência cardiorrespiratória. De maneira geral, a eficiência dos programas
de exercícios aeróbicos está, diretamente, relacionada à demanda energética total provocada
12
Infodata Informática

pelos esforços físicos, associada à combinação adequada da freqüência, da intensidade e da


duração dos exercícios físicos.
Além dos exercícios aeróbicos, a prescrição de programas de exercícios direcionados à
promoção da saúde deverá contemplar também exercícios voltados ao desenvolvimento e a
manutenção da força/resistência muscular e flexibilidade. Os três princípios básicos que
norteiam a prescrição de exercícios físicos voltados ao desenvolvimento e a manutenção da
força/resistência muscular são os princípios da sobrecarga, da progressividade e da
especificidade.
O primeiro estabelece que as adaptações de força/resistência muscular ocorrem quando
se leva o grupo muscular ativo a trabalhar contra uma sobrecarga estabelecida com base em
uma estimativa de sua tensão máxima. O princípio da progressividade sugere que a sobrecarga,
que o grupo muscular ativo tem de vencer para melhorar sua capacidade funcional, deverá ser
aumentada progressivamente até alcançar o nível de desenvolvimento desejado. O princípio
de especificidade preconiza que as modificações na força/resistência muscular ocorram de
maneira específica nos grupos musculares que são acionados para vencer a sobrecarga. Dessa
forma, para provocar melhorias em diferentes grupos musculares torna-se necessário realizar
exercícios específicos para cada grupo muscular.
Portanto, uma maneira eficiente de elaborar programas de força/resistência muscular
direcionados à promoção da saúde é prescrever exercícios localizados que solicitem a
participação dos principais grupos musculares, por intermédio de uma sobrecarga
progressivamente mais elevada.
A flexibilidade, o outro componente da função neuromuscular, é responsável pela
manutenção de uma amplitude de movimento adequada das articulações, levando o jovem a
se movimentar com maior facilidade e eficácia. Um nível satisfatório de flexibilidade é
importante tanto para um bom funcionamento articular como para manter os músculos com
um grau de elasticidade correto. Um nível de flexibilidade inadequado pode resultar no aumento
da probabilidade de ocorrerem lesões músculo-esqueléticas ou ainda tornar impossível a
realização de determinados movimentos.
Especialmente importante é a manutenção dos níveis de flexibilidade nas regiões lombar
e posterior da coxa. Debilidades nessas regiões aumentam o risco de aparecimento das
lombalgias. Em vista disso, os programas de exercícios físicos direcionados à promoção da
saúde devem orientar atividades para o desenvolvimento e/ou manutenção de uma boa
flexibilidade, especialmente das regiões dorsal e lombar.
13
SAPAF Jovem

CAPÍTULO 3

Instalando o SAPAF Jovem


O primeiro passo para poder utilizar o SAPAF Jovem é instalá-lo em um microcomputador
adequado. Verifique se o equipamento escolhido está dentro dos requisitos de sistema
necessários e em boas condições de uso. Problemas na adequação do equipamento e no
ambiente de execução podem ocasionar tanto o impedimento da execução do SAPAF Jovem
como também danos aos dados gerados.

Requisitos de Sistema
1. Microprocessador compatível com Intel 486 DX ou superior
2. Memória mínima de 8 MB RAM
3. Unidade de disco flexível de 3.5" , 1.44 MB
4. Mouse Microsoft Windows compatível
5. Suporte de vídeo VGA ou maior resolução
6. Sistema operacional Microsoft Windows 3.1 ou mais recente

Procedimento de Instalação
Como vimos nos requisitos do sistema, o SAPAF Jovem pode ser executado tanto em
computadores com Windows versão 3.1 como no Windows 95. A seguir estão os
procedimentos para ambos os casos:
1. Caso você esteja usando Windows 3.1, entre no ambiente Windows (normalmente,
digitando WIN a partir do prompt do DOS). Se você estiver usando Windows 95, basta ligar
o computador e aguardar a carga do sistema.
2. No Windows 3.1, a partir da janela do Gerenciador de Programas, selecione o menu
Arquivo e escolha a opção Executar. No Windows 95, clique no botão Iniciar e escolha a
opção Executar. Uma das seguintes telas será apresentada:
14
Infodata Informática

Windows 3.1 Windows 95

3. No espaço Linha de comando (no Windows 3.1) ou Abrir (no Windows 95), digite
A:\INSTALAR ou B:\INSTALAR. O uso da letra A ou B dependerá de qual deles é a
unidade de disco 3 ½” do seu computador.
4. Clique no botão OK ou aperte a tecla ENTER para iniciar a instalação do SAPAF.
Logo após, o Instalador pedirá o disco 2, e você deve, portanto, trocar o disco. Depois disso,
a seguinte janela será mostrada:

5. Certifique se não há nenhuma outra aplicação do Windows sendo executada, e clique


no botão Confirmar. A seguinte tela será mostrada:
15
SAPAF Jovem

6. Na tela acima, basta clicar no botão que contém o logotipo Infodata Informática para
instalar o SAPAF Jovem no seu disco rígido. Caso você queira mudar o diretório de instalação,
clique antes no botão Mudar Diretório e escolha um caminho diferente.
7. A seguir, troque os disquetes conforme o instalador requisitar.

No final da instalação, quando o disquete 4 for inserido, a licença de uso do SAPAF


Jovem será transferida para seu computador, ou seja, seu crédito referente a 1 (uma) licença
de uso será habilitado, não permitindo outra instalação a partir dos disquetes nem a execução
do SAPAF em outro computador. Porém, se for necessária a desinstalação e instalação em
outro computador, poderá ser executada pelos procedimentos de desabilitar e habilitar descritos
no capítulo “Manipulando o Crédito de licença de Uso”.
Caso a instalação seja bem sucedida, aparecerá uma mensagem informando que o processo
foi concluído com êxito. A partir daí, você já pode começar a usar sua cópia do SAPAF
Jovem , clicando no ícone do SAPAF Jovem a partir do Gerenciador de Programas (Windows
3.1), ou ativando o menu Iniciar, Programas, grupo SAPAF Jovem e o atalho SAPAF
Jovem (Windows 95).
16
Infodata Informática

CAPÍTULO 4

Conhecendo o SAPAF Jovem


Estrutura Hierárquica
O SAPAF Jovem foi desenvolvido não somente com o objetivo de viabilizar a resolução
de cálculos que envolvem o contexto das avaliações e prescrições, mas também de organizar
estas informações resultantes. Para isto foram criadas uma comunicação com o usuário
altamente gráfica e uma estruturação dos dados de forma hierárquica. Esta estrutura pode ser
vista abaixo:
17
SAPAF Jovem

No nível mais alto temos a instituição, lugar onde serão realizados os trabalhos com o
SAPAF Jovem. Nesta entidade estarão vinculados os avaliadores e os grupos de avaliação. A
existência dos grupos nesta estrutura proporciona a organização dos avaliados, os quais estão
agrupados a eles.
A partir da existência de um avaliado e a atuação de um avaliador temos a administração
de avaliações e as prescrições de exercícios. Estas são independentes, podendo ser realizadas
seletivamente e em ordem arbitrária. É possível a realização de uma mesma avaliação ou
prescrição em vários períodos, criando assim um histórico. Este histórico de avaliações e
prescrições disponibilizado através de gráficos e análises possibilita um acompanhamento
personalizado aos avaliados.
O SAPAF Jovem possui um sistema de anotações vinculado a cada avaliação ou
prescrição realizadas. Estas anotações podem ser direcionadas ao controle interno do avaliador
ou para esclarecer o avaliado. Quando for realizada a emissão dos relatórios será determinada
qual anotação deve ser impressa, possibilitando assim, o direcionamento do documento com
um propósito bem definido.

Interface Gráfica
Todas as telas do SAPAF Jovem foram criadas por designers gráficos com o objetivo de
simplificar a operação e, ao mesmo tempo, possibilitar um rápido aprendizado. A seguir,
identificaremos estruturas gráficas que são comuns às telas do SAPAF Jovem.
Menu: estrutura gráfica que possui as opções de tarefas. Este menu será ajustado de
acordo com a opção solicitada. O menu descrito no desenho a seguir é o menu principal, pois
centraliza todas as operações;
Barra de Ferramentas: contém botões que são atalhos para tarefas do menu, por
exemplo: solicitar ajuda e sair;
Ícones de Navegação: estes desenhos seguidos por textos sublinhados possibilitam a
navegação pelas páginas do SAPAF Jovem como também a execução de tarefas mais comuns;
Páginas: estas estruturas organizam de forma contextual as seções do SAPAF Jovem;
Existem, no sistema, páginas para: cadastros, avaliações, prescrições, gráficos, configurações,
anotações, bibliografias, gráficos e relatórios.
18
Infodata Informática

As páginas do SAPAF Jovem seguem uma composição visual com o propósito de manter
você sempre informado de sua localização dentro do sistema. Observe a tela da avaliação de
Crescimento Físico:

Título: título do contexto atual;


Ícone tema do Título: referência visual do título;
Subtítulo: título da página dentro do contexto;
Ícone tema do Subtítulo: referência visual do subtítulo;
Lista de Avaliações e Prescrições: contém as datas em que foram realizadas as avaliações
ou prescrições do contexto ativo;
Nome do Avaliado: nome do avaliado corrente;
Responsável pela Avaliação ou Prescrição: nome do avaliador responsável pela
19
SAPAF Jovem

avaliação ou prescrição realizada na data selecionada.

O Título e o Ícone tema do Título estão presentes em todas as páginas do SAPAF


Jovem. Estes combinados com um padrão de fundo reforçam a identidade visual de cada tela.
O Subtítulo e o Ícone tema do Subtítulo aparecem nas páginas que pertencem a um
conjunto de páginas de um mesmo contexto. Exemplo: a página de dados coletados dentro do
contexto da avaliação de Crescimento Físico.
O conhecimento da estrutura hierárquica e da interface gráfica proporciona apenas um
conceito geral sobre a utilização do sistema, é necessária a leitura dos outros tópicos deste
manual para um aprendizado mais completo sobre o SAPAF Jovem.
20
Infodata Informática

CAPÍTULO 5

Trabalhando com o SAPAF


Jovem pela primeira vez
Após o SAPAF Jovem ter sido instalado e executado como descrito no capítulo 3, pode-
se dar início aos trabalhos com o sistema. A seguir descreveremos os vários processos que
envolvem a utilização do SAPAF, dispostos passo a passo, seguindo como orientação a
execução do sistema pela primeira vez e a realização de uma avaliação de crescimento físico.

Iniciando os Trabalhos
Quando o SAPAF é iniciado pela primeira vez, não há dados cadastrais da instituição,
grupos, avaliados e avaliadores, sendo assim as opções de avaliações e prescrições permanecem
desabilitadas até que existam dados para serem manipulados pelo sistema.

Personalizando o SAPAF Jovem


A primeira tarefa a ser realizada é a personalização do SAPAF com os dados da instituição.
Este passo deve ser realizado a partir da tela de cadastro de instituição, a qual pode ser acessada
pelo menu principal, opção Cadastros e em seguida Instituição.
21
SAPAF Jovem

Esta tarefa também pode ser solicitada pelo tutor de trabalhos, o qual possui atalhos para
várias páginas, tornando o acesso mais rápido e organizado. Para acessar clique com o mouse
na expressão sublinhada Personalizar o SAPAF Jovem.

A tela de cadastro de instituição será mostrada:

Para personalizar os dados é preciso escolher a opção Instituição no menu, e em seguida


Personalizar Instituição. Note que na frente desta expressão existe a palavra F6, isto indica
que a operação também pode ser solicitada a partir do teclado pela tecla de função F6. Várias
operações no SAPAF podem ser acessadas pelas chamadas teclas de atalho como exemplificado
no caso acima.
Além das opções do menu e as teclas de atalho, as tarefas também podem ser soliciadas
pela barra de ferramentas utilizando os botões. Para personalizar os dados, por exemplo, há o
botão a seguir:
22
Infodata Informática

Após escolhida a opção de Personalizar Instituição, o SAPAF Jovem permite a digitação


dos dados cadastrais. Note que há mudanças na disposição da tela, como opções de menu
desabilitadas e a apresentação dos ícones Aceitar Informações e Cancelar Operação. A
tela permanecerá assim até que seja concluído o processo de personalização.
Estando no modo de personalização, os campos podem ser preenchidos um a um,
utilizando as teclas TAB e SHIFT + TAB a fim de mudar para o campo posterior e anterior
respectivamente, o mouse pode ser utilizado também para auxiliar. Cada campo possui um
tamanho máximo de letras que podem ser digitadas, caso este limite seja alcançado um sinal
sonoro será emitido. Os dados preenchidos neste cadastro podem ser fictícios, pois, na emissão
dos relatórios, é facultativo o uso destas informações.
Digitados os dados, pode ser incluída a imagem do logotipo da instituição. Esta imagem
já deve estar criada e gravada em um arquivo no formato Bitmap (.BMP), programas como o
Paint (acessório do Windows 95) e Paint Brush (acessório do Windows 3.11) criam imagens
neste formato.
A imagem é acessada utilizando a opção Instituição e Alterar Logotipo. Uma tela de
abertura de arquivo padrão do Windows será mostrada. Após ser localizado o arquivo e
selecionado, pressione o botão OK. O logotipo será mostrado de acordo com as configurações
de cores de seu equipamento. Note que o SAPAF apenas cria uma referência ao local da
imagem, sendo assim é necessário que este arquivo não seja excluído nem movido, pois o
sistema perderá sua localização.
Concluídos estes processos é possível então, aceitar as informações, ou seja, gravá-las
na base de dados do SAPAF. Isto é feito através do ícone Aceitar Informações, ou se, por
algum motivo seja desejado não concluir a operação de personalização, escolha Cancelar
Operação.

Terminado o cadastro de instituição, informações quanto ao grupo, avaliados e avaliadores


devem ser incluídas. Para isto, é necessário sair primeiro do cadastro atual a partir da opção
Instituição e Sair do Cadastro, ou simplesmente pelo ícone na forma de flecha contido na
barra de ferramentas e na parte inferior da tela.

Cadastrando um Grupo
O SAPAF Jovem com o propósito de organizar e tornar mais fácil a localização dos
avaliados possui a estrutura de grupos. Através deste recurso é possível concentrar jovens
23
SAPAF Jovem

que pertençam a um mesmo padrão, por exemplo: o grupo de alunos da 4ª série, crianças da
colônia de férias ou grupo do projeto de pesquisa.
O avaliado a ser tomado como exemplo pertence a um grupo de alunos da 4ª série do
primeiro grau, então, primeiramente, deve ser incluído um novo grupo cujo nome será “4ª
série” no qual será associado este jovem.
O cadastro do grupo deve ser realizado a partir da tela de cadastro de grupos, a qual pode
ser acessada pelo menu principal, opção Cadastros e Grupos.
Apresentada a tela do cadastro, dever ser solicitada a inclusão de um novo grupo a partir
da opção Grupos e Novo Grupo. Note que o comportamento da tela é semelhante ao cadastro
de instituição, o SAPAF Jovem conserva este padrão para todos os seus recursos,
disponibilizando os ícones de Aceitar Informações e Cancelar Operação.
O nome do grupo é essencial ao cadastro, mas o local de realização e descrição são
campos de preenchimento facultativo, estão disponíveis apenas para complementar as
informações quanto à situação e objetivo do grupo. Digitadas as informações basta concluir a
operação clicando com o mouse em Aceitar Informações.
Caso tenha ocorrido algum erro de digitação ou tenha sido verificada a necessidade de
inclusão de novas informações deste grupo, é possível abri-lo para alteração.
Neste exemplo há apenas um grupo cadastrado e não é necessário localizar a ficha deste,
pois já está apresentada na tela. No caso de existirem vários grupos, é possível navegar entre
as fichas pela opção Navegar e Ir para o Próximo Grupo, Ir para o Grupo Anterior ou
ainda Posicionar no primeiro Grupo ou Último Grupo. A ordem seguida é a alfabética,
mas pode ser alterada pela opção Navegar, Ordenar Grupos e escolher a ordem. Há também
a possibilidade de utilizar os ícones de navegação abaixo:

Localizada a ficha do grupo, deve ser escolhida a opção Grupos e Alterar Grupo para
entrar no modo de alteração. A partir desta situação, os dados podem ser editados e em seguida
novamente confirmados pelo ícone Aceitar Informações. Neste momento ainda restam a
inclusão do avaliado e do avaliador para dar início à administração da avaliação de Crescimento
Físico.
24
Infodata Informática

Cadastrando um Avaliado
A inclusão do avaliado deve ser realizada no cadastro de avaliados, opção Cadastros e
Avaliados do menu principal. O procedimento para incluí-lo é igual ao adotado para o grupo,
escolha a opção Novo Avaliado a partir do menu Avaliados.
As informações quanto ao grupo, nome, sexo e data de nascimento são essenciais e
devem ser preenchidas obrigatoriamente, as outras são facultativas. Os dados quanto à data
de nascimento e ao sexo são de grande importância, pois a partir deles são adequados os
valores utilizados nos modelos matemáticos para a extração dos resultados.

O modo de inserção da fotografia do avaliado segue o mesmo processo que a do logotipo


no cadastro de instituição, deve ser realizada a partir de Avaliados e Alterar Foto.
Finalizado o cadastro do jovem, no exemplo o Diogo, basta confirmar clicando uma vez
em Aceitar Informações.
A avaliação de Crescimento Físico que será utilizada como exemplo necessita de um
avaliador responsável, então para dar andamento, é necessário o cadastro do avaliador.

Cadastrando um Avaliador
O cadastro do avaliador dever ser feito a partir da tela de cadastro de avaliadores, opção
Cadastros e Avaliadores. Os processos de inclusão, alteração e manipulação dos dados são
iguais aos outros cadastros.
Após o preenchimento das informações do avaliador e a confirmação destas através do
ícone Aceitar Informações é possível dar início à avaliação de crescimento físico.
Toda avaliação e prescrição que for realizada estará, obrigatoriamente, vinculada a um
avaliado e um avaliador, por este motivo, a exclusão de um destes dois dos cadastros ocasionará
a remoção de todas atividades (avaliações, prescrições e anotações) que os envolvem, portanto
verifique se esta operação é realmente necessária e se estas informações também podem ser
excluídas.
25
SAPAF Jovem

Os processos de cadastro descritos somente serão realizados novamente quando surgirem


novos grupos, avaliados e avalidores.

Administrando uma Avaliação


A avaliação que será utilizada como exemplo será a de Crescimento Físico. Ao todo, o
SAPAF Jovem possui 11 avaliações e 2 prescrições que podem ser feitas independentemente
uma das outras, as quais possuem relatórios, anotações e gráficos próprios.
Note que, após terem sido inseridas as informações quanto ao grupo, avaliado e avaliador,
as opções do menu principal para avaliações e prescrições tornaram-se disponíveis. Portanto,
para acessar a avaliação, basta escolher opção Crescimento Físico a partir do menu Avaliações.
A tela abaixo será apresentada:

Note que, na página ativa, existe a expressão: “Diogo Vinícios de Moraes (Nenhuma
Avaliação)” . Isto indica que o avaliado corrente é o Diogo, o qual será vinculada a nova
avaliação, e que até o momento não existe nenhuma de Crescimento Físico realizada. O
SAPAF Jovem trabalha com o conceito de avaliado corrente, uma vez referenciado o jovem,
ele permanece ativo para serem realizadas as avaliações, prescrições, relatórios e anotações.
26
Infodata Informática

O jovem ativo pode ser alterado pela opção Alterar Avaliado Corrente do menu Crescimento
Físico ou pelo botão na barra de ferramentas.
Quando escolhida esta opção, será mostrada a seguinte tela:

Nesta tela estarão todos os grupos e avaliados cadastrados no sistema, entre os quais
pode ser selecionado o desejado e depois aceitá-lo como corrente através do ícone Aceitar
Informações. No exemplo em andamento, não há necessidade de executar esta operação de
alteração do avaliado corrente, pois o Diogo já está ativo.
Para administrar uma nova avaliação é necessário entrar no modo de inserção através da
opção Nova Avaliação do menu Crescimento Físico. Quando escolhida esta tarefa, a seguinte
tela será mostrada:
27
SAPAF Jovem

A partir desta tela é escolhido o avaliador que será responsável pela avaliação e a data de
sua administração. O preenchimento correto do dia, mês e ano é muito importante, pois estes
serão utilizados para calcular a idade e implicarão diretamente nos resultados. Uma vez
preenchidas estas informações, confirme através do ícone Aceitar Informações.
Observe que após esta tarefa, a expressão “Nenhuma avaliação” é alterada para “Nova
Avaliação”, isto indica que o sistema encontra-se em modo de inclusão. Neste estado é possível
a digitação dos valores de estatura e peso corporal do jovem, os quais serão confirmados
posteriormente pelo ícone Aceitar Informações.
Cada rotina de avaliação ou prescrição do SAPAF Jovem necessita de informações de
entrada, nomeadas por dados coletados, que são essenciais para o cálculo dos resultados.
Quanto mais corretos forem estes valores maior será a precisão dos resultados obtidos.
Após os dados coletados terem sido inseridos e confirmados no sistema, a expressão
“Nova Avaliação” é alterada, informado o nome do avaliado e o nome do avaliador responsável,
a data de adminstração é inserida na lista de avaliações, e o ícone de resultados torna-se
disponível.
À medida que forem sendo incluídas novas avaliações de crescimento físico deste jovem,
as datas serão incorporadas à lista, formando então, o histórico de avaliações. É apresentada
na figura abaixo uma lista de avaliações com 3 datas em seu histórico:

Quando uma data na lista for selecionada, os dados pertinentes àquela avaliação serão,
automaticamente, resgatados do banco de dados e apresentados na tela, este comportamento
é comum tanto na página de dados coletados quanto na de resultados.
A página de resultados pode ser acessada pela opção Página dos Resultados contida no
menu Páginas, ou pelo ícone Resultados. Nesta página poderão ser analisadas a informações
extraídas a partir dos dados coletados.
28
Infodata Informática

Escrevendo Anotações
Há casos em que é necessário documentar, através de textos, informações adicionais
sobre a avaliação, ou ainda complementá-la com analises direcionados ao avaliado. O SAPAF
Jovem possui uma estrutura que viabiliza estas operações, é o suporte para anotações. Este
recurso vincula a cada avaliação realizada dois tipos de anotação, uma direcionada ao avaliador
e outra ao avaliado, uma delas pode ser selecionada para fazer parte do relatório impresso. As
anotações são acessadas a partir das telas de avaliação ou prescrição. No exemplo em
andamento, pode ser obtida no menu Crescimento Físico, opção Anotações, ou pelo ícone
Anotações na página dos resultados.

A tela de anotações abaixo será apresentada:

Observe que nesta tela há dois campos de digitação de contexto definido e uma lista com
todas as datas de avaliação. Através da lista é possível navegar por todas as anotações
29
SAPAF Jovem

vinculadas, mesmo aquelas que não foram preenchidas. Para escrever uma nova anotação ou
atualizá-la, escolha a opção Atualizar Anotação a partir do menu Anotações, os ícones
Aceitar Informações e Cancelar Operação aparecerão na tela indicando o modo de edição.
Para o exemplo serão preenchidas da seguinte forma:

Confirmadas as anotações através de Aceitar Informações, o texto será incorporado ao


banco de dados e vinculado à avaliação. Ao retornar ao Crescimento Físico pela opção Sair
das Anotações, note que foi acrescentado um sinal de exclamação ao ícone Anotações,
informando a presença do texto complementar.

Visualizando os Gráficos
O SAPAF Jovem possui vários gráficos disponíveis para análise, através destes é possível
identificar o padrão de comportamento das variáveis de amostragem em relação ao tempo. A
avaliação de Crescimento Físico, por exemplo, possui os gráficos de estatura, peso e peso
para estatura. Estes gráficos podem ser acessados pela opção Gráficos no menu Crescimento
Físico, ou pelo ícone Gráficos na página de resultados.

Os gráficos do SAPAF são configuráveis quanto ao estilo, modo de visualização e número


de amostras. Estas customizações são realizadas através do menu Configurações na tela de
30
Infodata Informática

gráficos. O exemplo a seguir mostra o gráfico da variável peso com as seguintes configurações:
tridimensional (estilo), policromático (modo de visualização) e 8 amostras (número de
amostras) .

Além dos gráficos o SAPAF Jovem possui a página de análise. Este recurso disponibiliza
os valores das variáveis em relação ao tempo em forma de planilha, possibilitando um ampla
avaliação do jovem. A página de análise é obtida a partir a opção Página de Análise contida
no menu Páginas, ou pelo ícone Análise.

Nos casos onde o histórico do jovem possui mais de 12 avaliações, número máximo de
amostras, o SAPAF as organiza mostrando as últimas 12 realizadas, porém, se for necessário
enfocar um período, é possível ajustar qual será a avaliação mais recente de referência, ou
seja, o sistema mostrará as últimas 12 avaliações até a selecionada nas lista de avaliações
contida na tela de gráficos.
31
SAPAF Jovem

Consultando a Bibliografia
O SAPAF Jovem envolveu um amplo estudo de revisão da literatura na área do exercício
físico relacionado à promoção da saúde, no sentido de dispor informações confiáveis e
atualizadas que pudessem levar à proposição de um sistema de avaliação e prescrição da
atividade física de maneira mais precisa e acessível à realidade. Dessa forma, numa tentativa
de oferecer subsídios àqueles que pretendem um embasamento ainda maior quanto aos recursos
e procedimentos metodológicos apresentados pelo SAPAF Jovem, as referências bibliográficas
utilizadas em sua elaboração estão disponíveis em cada rotina através do menu Ajuda, opção
Bibliografia de Apoio, ou pelo botão ao lado na barra de ferramentas.

A tela abaixo será apresentada:

Quando há mais de quatro referências bibliográficas, dois ícones são disponibilizados, o


Próxima Página e Página Anterior, através deles é possível mudar de página e visualizar as
outras referências. Escolha o ícone Sair da Bibliografia para retornar à avaliação.
32
Infodata Informática

Imprimindo um Relatório
O SAPAF Jovem oferece duas opções para emissão de relatórios, uma específica e outra
geral. A específica apenas imprime avaliações de um mesmo avaliado enfocando um tipo de
avaliação. Este modo de emissão está disponível em cada tela de avaliação. No exemplo em
andamento, pode ser obtida pelo menu Crescimento Físico e Imprimir ou pelo botão ao
lado na barra de ferramentas.

A seguinte tela será apresentada:

Observe que a página ativa é do período, nela é possível escolher quais as avaliações de
crescimento físico do avaliado Diogo deverão ser impressas. As opções disponíveis são:
avaliação mais recente, todas, entre datas e a ativa. No caso do exemplo, será utilizada a
opção da avaliação ativa.

Note que há também a opção de página de rosto, esta proporciona a impressão de uma
página anterior à avaliação com os dados cadastrais do avaliado e foto.
Os relatórios do SAPAF Jovem são amplamente configuráveis, podem ser ajustados
33
SAPAF Jovem

quanto à cor, disposição dos dados e cabeçalho. Além de estes recursos possibilitarem a
criação de um relatório personalizado também viabilizam a adaptação quanto à tecnologia da
impressora utilizada. Estas customizações podem ser acessadas pelo ícone Configurar
Relatório ou através do menu Páginas e Configurar Relatório.

A seguinte tela será apresentada:

A página de configurar layout contém quais itens deverão compor o documento. Um


relatório completo é composto por: cabeçalho, dados do avaliado, dados coletados, resultados,
anotações, ícones temas, desenhos (fotos) e linha de assinatura. Quando um destes elementos
é deselecionado, o desenho esquemático é alterado automaticamente mostrando a nova
configuração.
O relatório pode também ser configurado quanto à cor de seus componentes. Esta
configuração é obtida através do ícone Configurar Cores ou a partir do menu Páginas,
opção Configurar Cores.
34
Infodata Informática

Note que a página apresentada contém os itens do relatório e as cores disponíveis.

Para atribuir uma cor a um item, clique com o mouse no desenho esquemático do relatório
e em seguida na cor desejada contida no quadro de cores disponíveis. Esta operação também
pode ser efetuada selecionando o item na lista e em seguida a cor. Caso seja necessário restaurar
o esquema de cores do SAPAF, escolha a opção Restaurar cor original ou Restaurar todas
as cores do esquema original.
Além do layout e das cores é possível também configurar o cabeçalho do relatório. Esta
tarefa pode ser realizada a partir do menu Páginas, opção Configurar Cabeçalho ou pelo
ícone Configurar Cabeçalho.

Observe que a página apresentada possui uma visualização do cabeçalho.

O cabeçalho é constituído por um desenho, texto, número de página e ícone da avaliação.


O desenho pode ser utilizado para incluir o logotipo da empresa no relatório. O texto é composto
por três linhas, a primeira é impressa em destaque e pode ser utilizada para o nome da
35
SAPAF Jovem

instituição, as outras duas linhas são complementares e estão disponíveis para informações
secundárias como endereço ou mensagens. O ícone da avaliação, número de página e o desenho
são facultativos.
O texto pode ser preenchido diretamente na visualização do cabeçalho clicando com o
mouse na linha desejada. Há casos em que as informações do cabeçalho são as mesmas do
cadastro de instituição, para buscá-las automaticamente, escolha a opção Buscar informações
do cadastro de instituição. Os dados serão transferidos e podem ser editados no cabeçalho.
Concluída a configuração, é necessário retornar à tela de impressão para efetuar a emissão
do relatório. Esta operação é realizada pela opção Sair das Configurações no menu
Configurações. Quando esta tarefa é executada a seguinte mensagem é emitida:

Escolhendo o Sim, as configurações serão gravadas e utilizadas para todos os relatórios


emitidos futuramente. Caso seja selecionado Não, todas as alterações realizadas serão
ignoradas, prevalecendo as configurações anteriores.
Para a emissão do relatório, prepare a impressora e em seguida dê início à impressão
escolhendo a opção Imprimir contida no menu Relatórios. A página de impressão em
andamento será mostrada.
36
Infodata Informática

Após serem enviadas todas as informações para impressão do relatório, a página do


período torna-se ativa novamente e é possível prosseguir com os trabalhos. Para retornar à
avaliação escolha a opção Sair dos Relatórios a partir do menu Relatórios.
Quando é necessária a impressão de relatórios pertencentes a vários avaliados e tipos de
avaliações diferentes é recomendada a utilização do modo de emissão geral. Esta maneira é
obtida a partir do menu principal opção Relatórios e Avaliações e Prescrições. Para acessar
o menu principal é necessário sair antes da avaliação, no exemplo, escolha Sair do
Crescimento a partir do menu Crescimento Físico.

A seguinte tela será mostrada:

Note que a página ativa contém, à esquerda, os grupos cadastrados e abaixo os avaliados.
Para a emissão do relatório geral deve ser escolhido qual grupo será impresso. Dentro do
grupo pode ser selecionado apenas um avaliado ou determinar a impressão de todos. Escolhidos
os membros, é possível determinar quais avaliações e prescrições constituirão o relatório.
37
SAPAF Jovem

Após determinar os itens acima, é necessário identificar na página de período quais


avaliações e prescrições de cada tipo serão impressas. Este processo já foi descrito nesta
seção.

Consultando a Ajuda
Neste capítulo foram explicados os conceitos mais relevantes para a operação do SAPAF
Jovem 1.0, porém o sistema possui outros processos que são particulares a cada seção. A fim
de torná-los conhecidos e viabilizá-los de forma objetiva e contextual, foram criados
documentos de ajuda. Este textos são obtidos através do menu Ajuda, opção Conteúdo
disponíveis em todas as telas ou pelo botão ao lado.

A seguinte tela auxiliar será apresentada:

Observe que os textos sublinhados viabilizam a navegação dentro do documento de


ajuda trazendo as operações descritas passo a passo. Este recurso é de grande importância
para o aprendizado completo da operação do SAPAF Jovem.
38
Infodata Informática

CAPÍTULO 6

Administrando Avaliações
Para que possa desenvolver uma análise com maior precisão e segurança dos recursos
oferecidos pelas rotinas de avaliação que compõem o Sapaf Jovem, é recomendável observar
alguns aspectos associados à coleta de dados. Nesse sentido, além da preocupação em aferir,
constantemente, os equipamentos e instrumentos de medida, cuidados especiais devem ser
adotados quanto à necessidade de manter os avaliados com um nível de motivação adequado.
No entanto, obediência rigorosa aos procedimentos e padronizações dos protocolos de medida
empregados se caracteriza como pré-requisito básico voltado à preservação da qualidade das
informações.

Anamnese Clínica
À exceção das demais rotinas, pelo nível de informações nela contida somente o
profissional médico, preferencialmente especializado em medicina do exercício ou com
experiência na área do exercício físico, deverá desenvolvê-la. Sua finalidade é atestar as
condições de saúde do jovem para o seu envolvimento em programas de exercícios físicos.
Mediante avaliação clínica e dados relacionados com a história médica, deverá ser
elaborado um relatório o mais preciso e completo possível, procurando enfocar informações
específicas quanto aos aspectos cardiorrespiratório, osteoarticular, musculoesquelético, reações
alérgicas, patologias anteriores e atuais, ocorrência de cirurgias/lesões graves, uso de
medicamentos e, eventualmente, apresentação de queixas.
As informações contidas nesse instrumento deverão auxiliar quanto à classificação
daqueles jovens considerados, aparentemente, saudáveis, e portanto, sem nenhum impedimento
para a prática de exercícios físicos, daqueles que apresentam alguma indicação médica que
possa vir a restringir temporária ou definitivamente a prática de exercícios físicos sem
supervisão médica direta.
39
SAPAF Jovem

Gasto Energético
O gasto energético médio diário deverá ser estimado mediante administração de
instrumento retrospectivo de auto-recordação das atividades diárias desenvolvidas em qualquer
dia da semana entre as segundas e sextas-feiras.
Para a administração deste instrumento, o dia é dividido em 96 períodos de 15 minutos
cada, onde o jovem deverá informar que tipo de atividade dominante realizava em cada fração
de 15 minutos do dia. Numa tentativa de facilitar o registro das informações, com base no
tipo e na intensidade dos esforços físicos, as atividades do cotidiano foram classificadas em
nove diferentes categorias onde o avaliador deverá registrar a categoria em que se enquadra o
tipo de atividade dominante realizada pelo jovem.
Sugere-se que esta rotina da avaliação seja utilizada somente em crianças a partir dos 10
anos de idade.

Correção Postural
Para a estimativa dos índices de correção postural recomenda-se utilização de um
simetrógrafo - equipamento responsável pela identificação das assimetrias dos segmentos
corporais. Para a observação dos pontos anatômicos, o avaliado, com o mínimo de roupa
possível (rapazes de sunga e moças de biquini) e sem calçados, deverá se colocar na posição
ortostática, inicialmente de costas para o aparelho; sendo que, por uma inspeção visual, serão
observados os aspectos posturais de acordo com o comportamento de simetria dos diferentes
segmentos corporais mediante confronto com o padrão de postura preconizado na posição
dorsal.
Para a verificação da curvatura dos pés, solicita-se ao avaliado que suje a planta dos pés
40
Infodata Informática

com pó de giz ou talco e pise em uma folha de papel escura, distribuindo o peso igualmente
nos dois pés.
Na seqüência, com o avaliado também na posição ortostática, porém se colocando
lateralmente ao aparelho, repete-se o mesmo procedimento mediante confrontação com o
padrão de postura na posição lateral.
Ao realizar as observações, o avaliador deverá se posicionar sentado e a uma distância
de 3,4 metros do simetrógrafo. Entre as observações realizadas na posição dorsal e lateral,
sugere-se um intervalo de tempo de aproximadamente 30-45 segundos, numa tentativa de
minimizar a tensão muscular provocada em conseqüência do avaliado assumir uma posição
estática por algum tempo.

Figura 1 - Posição dorsal


41
SAPAF Jovem

Figura 2 - Posição lateral

Maturação Biológica
Os indicadores utilizados para traduzir os diferentes estágios de maturação biológica
incluem: (a) idade de aparecimento das característica sexuais secundárias - maturação sexual;
e (b) idade de alcance de diferentes proporções em relação à estatura adulta estimada -
maturação morfológica.
Para a avaliação das características sexuais secundárias são descritos cinco estágios de
desenvolvimento de genitália e da pilosidade pubiana para os rapazes e, para as moças, de
desenvolvimento mamário e da pilosidade pubiana. Por inspeção visual, as características
42
Infodata Informática

sexuais secundárias dos avaliados são classificadas por comparação ao desenho esquemático.
A idade da menarca também é empregada como indicador de maturação sexual entre as moças.

A estimativa da maturação morfológica implica na determinação da porcentagem da


estatura real do avaliado em relação a sua própria estatura adulta predita. A estatura adulta
predita é calculada mediante modelos matemáticos envolvendo informações associadas à
estatura dos pais biológicos e do estágio de crescimento em que se encontra o avaliado.

Crescimento Físico
As características associadas ao crescimento físico são traduzidas mediante informações
quanto às medidas de estatura e peso corporal. Para as medidas de estatura, o avaliado, sem
calçado, deverá se posicionar sobre a base do estadiômetro, de forma ereta, com os membros
superiores pendentes ao longo do corpo, pés unidos, procurando colocar em contato com a
escala de medida as superfícies posteriores dos calcanhares, a cintura pélvica, a cintura
escapular e a região occipital. Com o auxílio do cursor, estando o avaliado nesta posição em
apnéia inspiratória e com a cabeça orientada no plano de Frankfurt paralelo ao solo, determina-
se a medida correspondente à distância entre a região plantar e o vértex - figura 3.
Para a determinação do peso corporal, o avaliado, com o mínimo de roupa possível e
sem calçado, posiciona-se em pé, de costas para a escala de medida da balança, com afastamento
lateral das pernas, estando a plataforma entre estas. Na seqüência, coloca-se sobre a plataforma,
43
SAPAF Jovem

e no centro desta, ereto, com os braços ao longo do corpo e com o olhar num ponto fixo à sua
frente de modo a evitar oscilações na leitura da medida - figura 4.

Figura 3 - Medida da estatura Figura 4 - Medida do peso

Antropometria Nutricional
Estimativas quanto ao estado nutricional são realizadas por intermédio da utilização da
técnica antropométrica. Assim, além das medidas de crescimento (estatura e peso corporal)
deverão ser compiladas informações quanto à circunferência do braço e espessura da dobra
cutânea tricipital.
Para as medidas de circunferência do braço e espessura da dobra cutânea tricipital, o
avaliado deverá se colocar em posição ortostática e em repouso, sem nenhum tipo de vestimenta
sobre a região a ser manuseada. Ambas as medidas deverão ser realizadas no hemicorpo
direito do avaliado.
Nas medidas de circunferência do braço, a fita métrica deverá ser posicionada
perpendicular ao eixo longitudinal do braço, em seu ponto de maior circunferência aparente
- figura 6. As medidas de espessura da dobra cutânea tricipital deverão ser determinadas
44
Infodata Informática

paralelamente ao eixo longitudinal do braço, na face posterior. O ponto exato de reparo se


localiza na distância média entre a borda súpero-lateral do acrômio e o olécrano - figura 5.

Figura 5 - Medida da dobra cutânea tricipital

Figura 6 - Medida da circunferência de braço


45
SAPAF Jovem

Composição Corporal
Os indicadores das características de composição corporal também são estimados
mediante a utilização da técnica antropométrica. Para tanto, são necessárias informações quanto
às medidas de estatura, peso corporal e espessuras das dobras cutâneas tricipital e subescapular.
Os protocolos de medida para a estatura, o peso corporal e a espessura de dobra cutânea
tricipital foram descritos anteriormente. A determinação da espessura da dobra cutânea
subescapular também deverá ser realizada com o avaliado em posição ortostática e em repouso,
no hemicorpo direito e diretamente na pele do avaliado. A dobra cutânea deverá ser destacada
obliquamente ao eixo longitudinal, seguindo a orientação dos arcos costais, dois centímetros
abaixo do ângulo inferior da escápula - figura 7.

Figura 7 - Medida da dobra cutânea subescapular


46
Infodata Informática

Sistema Aeróbico
Quando da estimativa dos parâmetros hemodinâmicos/metabólicos associados ao sistema
aeróbico, a primeira decisão a ser tomada, refere-se ao tipo de protocolo que se pretende
utilizar. Neste caso, o protocolo poderá envolver testes de esforço de carga máxima ou
submáxima.
Os testes de carga máxima são aqueles em que ocorre uma elevação progressiva quanto
à carga/intensidade de esforço, procurando levar o avaliado a um estado de exaustão voluntária.
Estes testes devem ser suspensos, o que caracteriza o seu término, quando surgem sinais ou
sintomas de cansaço físico que impeçam o incremento de carga/intensidade de esforço, quase
sempre com uma freqüência cardíaca acima de 90-95% da freqüência cardíaca máxima prevista
para a idade, ou ainda, em virtude de alterações clínicas relevantes detectadas pelo médico
supervisor do teste.
Os testes de carga submáxima se caracterizam por identificar as respostas fisiológicas
ao levar o avaliado a alcançar uma carga/intensidade de esforço previamente estabelecida a
um nível de esforço submáximo. Via de regra, os testes de carga submáxima encerram com o
avaliado apresentando uma freqüência cardíaca abaixo de 80-85% da freqüência cardíaca
máxima prevista para a idade.
Com referência aos testes de esforço de carga máxima são oferecidos três protocolos:
banco (NAGLE), clicloergometro (BALKE) e esteira rolante (BALKE-WARE).
O modelo proposto para o banco é administrado mediante subidas e descidas em vários
bancos com alturas padronizadas crescentes em 4,5 centímetros. A partir de uma altura mínima
de 4,5 centímetros, a cada dois minutos os bancos são trocados até a exaustão voluntária ou o
aparecimento de sinais ou sintomas limitantes. O ritmo de subidas e descidas deverá ser
constante e controlado por um metrônomo, ou por uma fita cassete gravada, 18, 24 ou 30
passos por minuto. As respostas da freqüência cardíaca, da pressão arterial e da percepção
subjetiva de esforço deverão ser registradas no final do estágio de cada altura do banco. No
entanto, para efeito de análise do comportamento do aspecto hemodinâmico/metabólico,
deverão ser registrados apenas os valores correspondentes à última altura do banco completada
pelo avaliado.
O teste de carga máxima no cicloergometro consiste na aplicação de cargas progressivas
de 25 watts a cada intervalo de tempo de dois minutos, de modo contínuo, até a exaustão
voluntária ou o aparecimento de sinais ou sintomas limitantes. A velocidade do pedal deverá
ser constante em 60 rotações por minuto (rpm), e a carga de início de 25 watts. A freqüência
cardíaca, a pressão arterial e a percepção subjetiva de esforço deverão der registradas no final
47
SAPAF Jovem

do estágio de cada carga. Porém, para efeito de análise, deverão ser registrados apenas os
valores correspondentes à última carga de esforço completada pelo avaliado.
A rotina proposta para o teste de carga máxima na esteira rolante consta de velocidade
fixa em 3,4 milhas/hora, ou 5,5 km/hora, e aumentos sucessivos de 2% na inclinação, a cada
dois minutos, até a exaustão voluntária ou o aparecimento de sinais ou sintomas limitantes. O
registro da freqüência cardíaca , da pressão arterial e da percepção subjetiva de esforço deverão
se dar no final do estágio de cada inclinação. Apesar de que, para efeito de análise, deverão
ser registrados apenas os valores correspondentes à última inclinação completada pelo avaliado.

Figura 8 - Teste de esforço no banco, cicloergometro e esteira rolante

Quanto aos testes de esforço de carga submáxima são oferecidos também três protocolos:
banco (ASTRAND-RYHMING), cicloregometro (ASTRAND) e esterira rolante (BALKE).
No teste do banco, o avaliado deverá subir e descer num banco de altura fixa, a um ritmo
de 30 passadas por minuto (120 batidas do metrônomo por minuto) por um período de 5
minutos de maneira ininterrupta. A altura do banco deverá ser de 40 cm para os rapazes e 33
cm para as moças.
No caso do cicloergometro, o teste consiste em pedalar uma carga de esforço por 5
minutos, de maneira ininterrupta, a um ritmo de 60 rotações por minuto (rpm). A determinação
48
Infodata Informática

da carga de esforço deverá ter como referencial o peso corporal do avaliado, numa proporção
aproximada de 2 a 3 watts para cada quilograma de peso corporal. Exemplo: para um peso
corporal de 40 kg, uma carga de esforço de 100 watts (40 x 2,5 = 100).
No teste a ser realizado na esteira rolante, o avaliado deverá caminhar/correr a uma
inclinação e velocidade do tapete rolante constante por um período de 5 minutos de maneira
ininterrupta. A determinação da inclinação e da velocidade do tapete rolante depende da
idade e do nível de prática de atividade física do avaliado. Via de regra, deverá optar-se por
uma inclinação entre 5 e 15% e uma velocidade entre 1,7 e 6,0 milhas por hora.
Nos três testes de esforço de carga submáxima propostos, a frequência cardíaca deverá
ser registrada no final do quarto e do quinto minuto de esforço, obtendo-se o valor médio para
efeito de análise. Ao final dos testes de carga submáxima espera-se que a freqüência cardíaca
se estabilize por volta de 140-170 batimento/minuto. Portanto, deverá haver uma preocupação
no sentido de estabelecer uma carga de esforço, no caso do cicloergometro; e uma inclinação
e uma velocidade no caso da esteira rolante, adequada a cada avaliado, para que isso possa vir
a ocorrer. A verificação da pressão arterial e da percepção subjetiva de esforço deverá ocorrer
imediatamente após o término dos testes.
Para a verificação da freqüência cardíaca, tanto de repouso como de esforço, sugere-se a
utilização de um estetoscópio biauricular ou de monitores cardíacos eletrônicos. Quanto à
pressão arterial, o equipamento indicado é o esfigmomanômetro de coluna de mercúrio ou de
ponteiro.
Com relação à percepção subjetiva de esforço, a proposta é a utilização de escala idealizada
por BORG - figura 9. A escala é composta por valores entre 6 e 20 que estão associados a
diversas expressões que procuram dimensionar a percepção do nível de intensidade realizado
pelo avaliador. Mediante a apresentação da escala, o avaliado deverá ser interrogado sobre
como se sentiu, ou como está se sentindo com esforço provocado pelo teste. É importante que
o avaliador oriente o avaliado no sentido de que este responda procurando traduzir com a
maior precisão possível a intensidade do esforço que realizou, ou está realizando, no teste.

Figura 9 - Escala de percepção subjetiva de esforço proposta por BORG


49
SAPAF Jovem

Sistema Anaeróbico
Estimativas quanto aos parâmetros hemodinâmicos/metabólicos associados ao sistema
anaeróbico são realizadas mediante o teste de Wingate. Seu protocolo consiste em pedalar no
cicloergometro uma carga de esforço o mais rapidamente possível por 30 segundos, de maneira
ininterrupta. A determinação da carga de esforço tem como referencial o peso corporal e o
sexo do avaliado. Seu resultado consiste em registrar o número de rotações realizadas a cada
período de 5 segundos.

Desempenho Motor
Os níveis de desempenho motor deverão ser determinados com base nos resultados
observados mediante a administração de uma bateria de testes motores composta por seis
itens, obedecendo à seguinte seqüência: (a) sentar-e-alcançar, (b) salto em distância parado;
(c) flexão e extensão dos braços; (d) abdominal; (e) corrida de 50 metros; e (f) corrida de 9/12
minutos.
Para o teste de sentar-e-alcançar, o avaliado deverá estar descalço e assumir uma posição
sentada de frente para o aparelho, com as pernas embaixo da caixa, joelhos completamente
estendidos e com os pés encostados à caixa. Os braços deverão estar estendidos sobre a
superfície da caixa, com as mãos colocadas uma sobre a outra e com a ponta dos dedos de
ambas coincidindo.
Para a realização do teste, o avaliado, com as palmas das mãos voltadas para baixo e em
contato com a caixa, entende-se à frente ao longo da escala de medida, procurando alcançar a
maior distância possível, realizando o movimento de modo lento e sem solavancos. O resultado
50
Infodata Informática

final equivale a maior distância alcançada em centímetros pelas pontas dos dedos de ambas
as mãos, e mantida por aproximadamente 2 segundos. De uma série de três tentativas realizadas
consecutivamente pelo avaliado. Durante a realização do teste, o avaliador deverá apoiar os
joelhos do avaliado na tentativa de assegurar que estes permaneçam devidamente estendidos
- figura 10.

Figura 10 - Teste de sentar-e-alcançar


Para o teste de salto em distância parado, deverá ser afixada no solo uma trena, que serve
como escala de medida, onde o ponto zero coincide com a linha de partida para o salto. O
avaliado coloca-se atrás da linha de partida, com os pés paralelos e um afastamento tal que
possa oferecer uma posição confortável para o salto, e a ponta dos pés coincidindo com a
marca zero.
Para a realização do teste, o avaliado salta no sentido horizontal, com impulso simultâneo
das pernas, sendo totalmente livre a movimentação dos braços e do tronco, procurando atingir
o ponto mais distante possível, preferencialmente com os pés paralelos. Deverão ser realizados
três saltos, prevalecendo aquele que atingiu a maior distância em centímetros entre a linha de
partida e a linha do calcanhar que tocou o solo mais próxima do ponto zero da trena estendida
no solo - figura 11.
Para a administração do teste de flexão e extensão dos braços, a barra deverá ser instalada
a uma altura de aproximadamente 3 cm acima da ponta dos dedos, estando o avaliado em
decúbito dorsal no solo e com os braços totalmente estendidos para cima. Na posição inicial,
o avaliado coloca-se pendurado, com os cotovelos em extensão, barra em direção de seus
ombros, corpo ereto, e apenas com os calcanhares em contato com o solo. A posição de
empunhadura na barra é dorsal e equivalente à distância biacromial. Após assumir essa posição,
o avaliado deverá elevar seu corpo até que a região da garganta toque a linha de demarcação
colocada a 10 cm abaixo da barra, e então retorna o corpo à posição inicial, completando
dessa forma uma repetição - figura 12.
51
SAPAF Jovem

Figura 11 - Teste de salto em distância parado

Figura 12 - Teste de flexão e extensão dos braços


52
Infodata Informática

O movimento deverá ser repetido tantas vezes quanto possível, sem limite de tempo;
entretanto, não são permitidas paralisações entre uma repetição e outra. Em nenhum momento
do teste é permitido ao avaliado colocar qualquer parte do corpo em contato com o solo, a não
ser os calcanhares, nem mesmo realizar qualquer movimento de quadris, pernas ou tentativa
de extensão da coluna cervical procurando minimizar a sobrecarga dos braços.
Para a aplicação do teste abdominal, na posição inicial o avaliado deverá se colocar em
decúbito dorsal sobre um colchão para a prática de ginástica, quadris e joelhos flexionados, e
as plantas dos pés voltadas para o solo; os braços cruzados sobre a face anterior do tórax, com
a palma das mãos voltada para este na altura dos ombros opostos, com o terceiro dedo em
direção ao acrômio. Os pés deverão ser seguros pelo avaliador, que procurará mantê-los em
contato permanente com o solo, sendo permitida uma distância tal entre os pés que estes se
alinhem dentro da distância do diâmetro bitrocanteriano. A distância entre a região glútea e
os calcanhares é tal que permita uma posição de relativo conforto ao avaliado numa amplitude
de aproximadamente 30 a 45 cm.
Para a realização do teste, o avaliado eleva o tronco até o nível em que ocorre o contato
da face anterior dos antebraços com as coxas, mantendo o queixo encostado ao peito, retornando
logo em seguida à posição inicial até encostar pelo menos a metade anterior das escápulas ao
solo - figura 13. Esses movimentos deverão ser repetidos durante um espaço de tempo igual
a 60 segundos, sendo permitido algum descanso entre uma repetição e outra, mas a finalidade
do teste é procurar realizar o maior número de execuções completas possível no tempo
estipulado.

Figura 13 - Teste abdominal

Na posição de saída do teste de 50 metros, o avaliado coloca-se em pé, com afastamento


ântero-posterior das pernas e com o pé da frente o mais próximo possível da linha de saída. A
um sinal sonoro, o avaliado sai correndo e procura percorrer a distância no menor tempo
53
SAPAF Jovem

possível, passando pela linha de chegada em máxima velocidade, para logo em seguida iniciar
o processo de desaceleração até a parada total.
O cronômetro é acionado quando o avaliado toca o primeiro pé à frente após o sinal de
saída, e parado no momento em que o avaliado cruza a linha de chegada. O resultado do teste
deverá ser o tempo, com uma precisão de centésimos de segundo, que o avaliado utiliza para
percorrer a distância de 50 metros.
O teste de corrida 9/12 minutos consiste em procurar percorrer correndo a maior distância
possível no tempo estabelecido. Para os avaliados com 12 anos de idade ou menos,
independentemente do sexo, o tempo de duração do teste deverá ser de 9 minutos, enquanto
que para os avaliados com 13 anos ou mais, o tempo de duração do teste deverá ser de 12
minutos.
O resultado do teste é a distância percorrida pelo avaliado e registrada com os mais
próximos 5 metros. Na tentativa de oferecer uma situação ideal quanto ao aspecto de motivação
entre os avaliados, sugere-se formar grupos de avaliados para a realização simultânea do
teste com cerca de 10 a 15 sujeitos.
54
Infodata Informática

CAPÍTULO 7

Prescrevendo Exercícios Físicos


Exercícios Aeróbicos
As adaptações funcionais e orgânicas induzidas pelos programas de exercícios aeróbicos
dependem, fundamentalmente, de três componentes básicos: (a)capacidade funcional máxima;
(b)demanda energética provocada pelos esforços físicos; e (c)intensidade com que os esforços
físicos são realizados.
A estimativa do consumo máximo de oxigênio é o referencial fisiológico mais utilizado
para identificar a capacidade funcional máxima, ao passo que, por definição, a intensidade do
exercício físico se caracteriza pela relação entre o esforço físico requerido para sua realização
e o esforço físico máximo que o indivíduo tem condições de suportar. Por sua vez, demanda
energética provocada pelos esforços físicos refere-se ao custo energético associado ao aumento
do índice metabólico e do processo anabólico em razão da exposição de nosso organismo a
esforços físicos.
Dessa forma, se a demanda energética é identificada como um fator absoluto e, portanto,
pode ser semelhante em indivíduos com algumas diferenças quanto aos níveis de aptidão
física, a capacidade funcional máxima e a intensidade dos esforços físicos, por sua vez, estão
relacionados às condições individuais de cada um.
Assim, a primeira informação necessária à prescrição dos programas de atividades
aeróbicas refere-se à estimativa do consumo máximo de oxigênio. Com o desenvolvimento
das avaliações quanto ao aspecto hemodinâmico/metabólico, o sistema automaticamente
resgata e apresenta esta informação. Portanto, o próximo passo é o estabelecimento do gasto
calórico desejado em cada sessão de exercícios aeróbicos e o nível de intensidade a ser
solicitado na realização dos esforços físicos.
De maneira geral, para desenvolver e manter um nível ótimo de condição aeróbica,
relacionada à promoção da saúde, sugere-se que a demanda energética induzida pelos
programas de exercícios físicos seja progressivamente mais elevada iniciando com valores
por volta de 300-400 kcal, dependendo do nível do consumo máximo de oxigênio apresentado,
até alcançar valores próximos a 500-700 kcal por sessão.
Quanto aos níveis de intensidade, por ser o principal determinante da utilização do sistema
de produção de energia predominante, o ajuste de seus limites assume um papel preponderante
55
SAPAF Jovem

na prescrição dos programas de exercícios aeróbicos. Via de regra, as intensidades dos esforços
físicos a serem prescritos variam dentro de um intervalo de 50 e 80%, sendo que, menores
intensidades são mais recomendadas para jovens que apresentam fraco desempenho aeróbico.
À medida que se recupera a capacidade de produzir energia aerobicamente, as intensidades
dos esforços físicos devem se tornar mais elevadas.
A próxima decisão a ser tomada, quanto à prescrição dos programas de atividades
aeróbicas, é quanto ao tipo de exercício físico a ser realizado, Neste caso, as opções oferecidas
são: caminhada, corrida, bicicleta estacionária, ciclismo, natação e dança aeróbica.
Numa tentativa de elevar o nível de adesão aos programas de exercícios físicos, sem
dúvida alguma, essa escolha deverá ser alicerçada, basicamente, na preferência de cada
praticante; no entanto, condições funcionais para tolerar esforços físicos mais ou menos
intensos, exposição a risco de lesões em razão das condições orgânicas atuais apresentadas e
familiarização com o tipo de atividade são aspectos preponderantes a serem considerados.

Exercícios Localizados
As informações necessárias à prescrição das atividades neuromusculares voltadas à
promoção da saúde resumem-se em: (a) na definição do objetivo a ser alcançado: resistência
muscular; (b) na elaboração da seqüência dos movimentos a serem executados; e (c) na
estimativa da carga máxima para cada um dos movimentos.
Para a elaboração da seqüência de movimentos são apresentadas 25 opções de
movimentos, além da possibilidade de inclusão de outros movimentos, conforme interesse e
56
Infodata Informática

necessidade do avaliador. Portanto, com base nas informações quanto aos músculos ou
grupamentos musculares a serem exercitados, o avaliador deverá apontar os movimentos que
irão compor o programa de exercícios físicos. Considerando que a opção pela elaboração da
seqüência de exercícios físicos é de competência do avaliador, a padronização quanto à
realização dos movimentos também pode ser estabelecida a critério do próprio avaliador
com base nas informações apresentadas pela literatura especializada.
Com relação à estimativa da carga máxima para cada um dos movimentos escolhidos,
deverá ser registrada a carga determinada para o teste de repetição e o número máximo de
repetições obtidas. A carga para cada movimento deverá ser estabelecida em quilogramas e
de forma arbitrária; no entanto deverá haver a preocupação no sentido de estabelecer uma
carga que permita ao avaliado a validação de, no máximo, entre 2 e 20 repetições completas
antes de alcançar exaustão voluntária ou aparecimento de sinais ou sintomas limitantes. Para
a determinação do número máximo de repetições, o avaliado deverá procurar repetir o
movimento tantas vezes quanto possível, sem limite de tempo, não sendo permitido
paralisações entre uma repetição e outra. Além do que, deverá ser permitida apenas uma
única tentativa em cada movimento.
57
SAPAF Jovem

CAPÍTULO 8

Manipulando o Crédito da
Licença de Uso
Ao adquirir o sistema Sapaf Jovem foi concedido a você 1(uma) licença de uso, a qual
está registrada na Infodata Informática e habilitada em seu disquete de instalação. Esta licença dá a
você direitos e limitações descritos no Contrato de Licença de Usuário Final para o Sapaf
Jovem. A seguir serão descritos os procedimentos para manipulação desta licença.

Instalação
Quando foi executado o procedimento de instalação, o crédito da licença de uso foi
transferido ao seu computador, possibilitando assim a utilização do Sapaf Jovem. Como este
crédito é de 1(uma) licença de uso, os seus disquetes de instalação são atualizados impedindo
a instalação em outros computadores.
É possível verificar a situação de sua licença através do menu Ajuda item Situação da
Licença de Uso contido no Sapaf Jovem. Caso sua licença for a de demonstração, os itens
Número de dias restantes e Número máximo de dias irão conter o prazo de validade de sua
cópia, caso contrário, sua cópia é habilitada por prazo Indeterminado.

Desabilitando a Licença de Uso


Há casos em que é desejada, novamente, a transferência da licença de uso para os
disquetes, recuperando assim o crédito para a instalação. Entre eles podemos citar:
(a) Necessidade de formatação do disco rígido onde se encontra o Sapaf Jovem.
(b) Operações de manutenção do disco rígido (compactação de unidades, processos de
desfragmentação e correção de discos parcialmente danificados, etc ) que possam envolver
perdas dos dados contidos nele.
(c) Necessidade de instalação em outra máquina devido à realização de atualização do
computador.
A operação de Desabilitar é simples e deve ser feita sempre que um procedimento
58
Infodata Informática

operacional possa alterar completamente a estrutura de seu disco rígido. Para desabilitar siga
os seguintes passos:
1. Insira o disquete número 4 (possui o desenho de um cadeado na etiqueta) na unidade
de disco (A: ou B:).
2. No Windows 3.1, a partir da janela do Gerenciador de Programas, selecione o
menu Arquivo e escolha a opção Executar. No Windows 95, clique no botão Iniciar e
escolha a opção Executar.
3. No espaço “Linha de comando” (no Windows 3.1) ou “Abrir”(no Windows 95), digite
A:\Config ou B:\Config. O uso da letra A ou B dependerá de qual deles é a unidade de disco
que contém o disco 4. A tela abaixo aparecerá:

4. Clique no botão Desabilita. A tela a seguir será mostrada:


59
SAPAF Jovem

5. Verifique se o diretório onde está instalado o programa e o disquete original estão


corretos, e clique no botão OK.
6. Em seguida será mostrada a mensagem: “Execução do programa desabilitada.”,
confirmando o procedimento. Clique no botão OK e depois no SAIR.
Concluído este procedimento, o Sapaf Jovem continuará instalado no seu computador
porém com sua execução desabilitada, e os disquetes de instalação estarão com o crédito
restaurado, possibilitando a instalação em outra máquina ou disponíveis para o procedimento
de Habilitar.

Habilitando a Licença de Uso


Este procedimento deve ser utilizado para devolver, novamente, o credito da licença de
uso ao computador de onde foi desabilitado, o qual já possui a instalação do Sapaf. Para a
instalação em outro computador deve ser utilizado o procedimento de instalação completo,
como descrito no anexo Instalando o Aplicativo Sapaf Jovem. Para habilitar siga os seguintes
passos:
1. Repita os passos 1, 2 e 3 do procedimento de desabilitar.
2. Clique no botão Habilita.
3. Verifique se o diretório onde está instalado o programa e o disquete original estão
corretos, e clique no botão OK.
4. Em seguida será mostrada a mensagem: “Execução do programa habilitada.”,
confirmando o procedimento. Clique no botão OK e depois no SAIR.
Concluído este procedimento, o Sapaf Jovem instalado no seu computador estará com
sua execução habilitada, e os disquetes de instalação estarão sem o crédito de instalação.

Reset Remoto
Caso você tenha adquirido a versão demonstração e deseja habilitar, ou tenha perdido a
licença de uso durante a manipulação desta, o mecanismo do Reset Remoto deve ser utilizado.
Este sistema remoto possibilitará a habilitação de sua licença de uso a distância mediante
uma senha fornecida pela Infodata Informática. Para realizar o Reset Remoto siga os seguintes
passos:
1. Repita os passos 1, 2 e 3 do procedimento de desabilitar.
60
Infodata Informática

2. Clique no botão Reset . A seguinte tela será mostrada:

3. Anote o Número de Série, Contador Atual e Complemento e entre em contado


com a Infodata Informática pelo e-mail: info@infodata.com.br em horário comercial. A empresa
fornecerá o número para ser preenchido no Código do Reset. Caso esta operação não possa ser
realizada na hora, anote os valores e cancele a operação para ser realizada mais tarde.
4. Após a digitação dos números clique OK. A seguinte mensagem será apresentada: “Reset
executado no disquete. Deseja habilitar o programa no disco rídido.” . Caso o Sapaf Jovem já
esteja instalado em seu computador clique SIM, caso deseje instalar em outro computador clique
NÃO e depois realize o processo de instalação completo.
5. Clique no botão SAIR.
61
SAPAF Jovem