Você está na página 1de 5

PROJETO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

CORPO E BELEZA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FISICA

NOME: Jesseane Katteley Pereira Januario

RGM: 16493885

TAUBATÉ SP , 2019
Ementa: Elaboração de um Projeto para Demostrar a importância do tema Corpo
e Beleza na Área de conteúdo da Educação Física como conteúdo do Ensino Médio.

Objetivo geral: Demonstrar conhecimento acerca do corpo e beleza

Objetivos específico: Mostrar através de palestras e apresentação sobre a


importância do cuidado com o Corpo e sua beleza, apresentar o grande papal da
educação física referente a esse tema muito abordado no Ensino Médio.

Metodologia: As mudanças dos padrões corporais, as maneiras de tratar o


corpo e o cuidado com a aparência ao longo do tempo, é resultado das transformações
dos conceitos de beleza, (re) construídas pelas experiências históricas e sociais dos
indivíduos.

Pensar em beleza nos remete a um conceito clássico, o apolíneo,


representado pelo deus Apolo, símbolo ideal de beleza grego, marcado pela medida,
simetria, proporção e harmonia das formas de uma modelo corporal enquadrada em
predefinições absolutas e perfeita, reduzindo os múltiplos corpos e suas
singularidades em função da exaltação apreensiva e impositiva de um único modelo
de beleza.

Com esse tema em o Projeto se destina a alunos do Ensino Médio,com


palestras com o tema Corpo e Beleza destacando então esse assunto e explanando
o conhecimento sobre esse tema.

Segundo DEL PRIORE (2004) no culto ao corpo cada um é adorado e adorador.


O adorado é o corpo “perfeito”, esculpido e modelado a custas de musculação, dietas,
cirurgias plásticas, anabolizantes e medicamentos, enquanto os adoradores são os
consumidores que investem tempo e dinheiro em busca da “perfeição” corporal.

Com uso de palestrantes abordar o tema em si, com vídeos ou até mesmo filme
que exemplifique esse tema, por ser um tema muito recorrente e estudado no
componente curricular no ensino médio é de suma importância usar palestras e até
mesmo atividades que mostre a importância desse tema para os jovens e
adolescentes do ensino médio. Também é muito interessante os alunos em si junto
com o projeto elaborar suas apresentações referente ao tema seguindo o projeto
curricular do ensino médio.

Unidade de Ensino (Corpo e Beleza): Palestra e Apresentação

Primeira etapa: após conteúdo específicos da temática, apresentados pelos


aluno do ensino médio a certa do tema , com uma Bibliografia Básica, projeção de
filmes, recortes de artigos – de jornais e de revistas – do mapa conceitual e das
orientações básicas os alunos em grupo irão partir para a pesquisa ampla e responder
um roteiro do trabalho, de suma importância os alunos em si se montar a apresentação
referente ao tema antes da palestra em si .

Tudo que sentimos, vivemos ou percebemos, é sentido, vivido e percebido em


nós mesmos, ou seja, em nosso corpo. E, assumi-lo frente as suas desordens,
angústias, devaneios, vislumbres e experiências vividas e trocadas com o mundo,
diante das normas, condutas e imposições, ao qual somos em todo tempo impelidos
a vigiar e punir o corpo é um desafio constante, já que eu só tenho consciência de
meu corpo através do mundo... e só... tenho consciência do mundo devido meu
corpo... (MERLEAU-PONTY, 1971, p. 95).

Diante de todo o projeto em sí é importante ressaltar o papel e a importância do


professor de educação física.

Pois nesse contexto, a Educação Física em seus campos pedagógicos não pode
ser reduzidos a contemplar e divulgar um único modelo de beleza, já que são múltiplas
as interpretações da beleza criadas na história que podem ser revividas e
ressignificadas (PORPINO, 2003).

Dessa forma, corpo e beleza como campos de reflexões e intervenções


sociais, possuem múltiplos significados que variam ao longo do tempo, fazendo com
que um indivíduo nunca seja considerado totalmente belo, ou seja, belo em absoluto,
mas de forma relativa, já que esse conceito varia ao longo do tempo e das culturas,
sendo possível perceber essas transformações temporais e coletivas que constituem
as concepções de beleza das pessoas.
Os professores de Educação Física, na medida em que ampliam os
significados de corpo e de beleza, a partir dos múltiplos sentidos para se enxergar a
beleza, é capaz de produzir diferentes significados para os indivíduos, ao considerar
e respeitar as diferenças que são reveladas nas expressões de cada corpo.

Destarte, os professores de Educação Física devem proporcionar diálogos


críticos e reflexivos, contribuindo para além da objetividade do belo. E, Possibilitando
novas sensações, diferentes enfoques e sentidos diversos para as questões relativas
ao corpo e a beleza. Abrindo caminhos de transformação dos sentidos da beleza e da
estética, já que questionar os sentidos da estética pode despertar a chave de modificá-
los (SANT’ANNA, 2001).

Nesse sentido, se faz relevante discutir acerca das compreensões de corpo e


de beleza presentes nos discursos da educação, em outras palavras:

Mesmo que o discurso considerado seja a reprodução de um simples ato de


fala individual, não estamos diante da manifestação de um sujeito [...] já que o sujeito
da linguagem não é um sujeito em si [...] ele é ao mesmo tempo falante e falado,
porque através dele outros ditos se dizem (FISCHER, 2001, p. 207).

Nesse contexto, os discursos dos professores ao serem externa lizados em


suas ações pedagógicas despertam possibilidades de mudanças consistentes. E,
mesmo que inicialmente caiam em terras estéreis e não produzam frutos, mostram-
se fortes e significativos para que quando lembrados, um dia quem sabe, germinem.
E por fim, em terras fecundas produzem reflexões, (re) construção e contribuições
significativas para o desenvolvimento a ampliação da formação dos indivíduos.

Depois da Apresentação e palestra é importante fazer um FeedBlack com os


alunos e solicitar um relatório dobre tudo o que aprenderam com a apresentação e a
palestra em si.
Referências

BAITELLO, Norval Junior. O corpo e suas linguagens. Conferência de abertura do I


colóquio Brasileiro sobre Corpo/Consciência. RN: Natal, novembro, 2001.

CHAVES, Simone F. A fantasia do real – A mídia e o corpo virtual. IN: XIII Congresso
Brasileiro de Ciências do Esporte. Anais. MG: Caxambu, 2003.

KEMP, Kênia. Corpo Modificado: Corpo livre? São Paulo: Paulus, 2005.

MARZANO-PARISOLI, Maria Michela. Pensar o Corpo. Trad. De Lúcia M. Endlich


Orth. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

______. Corporeidade e Educação física – do corpo objeto ao corpo sujeito. 2º ed.


Natal: EDUFRN, 2005.

VIGARELLO, Georges. A história da beleza. Tradução Léo Schlafman. Rio de Janeiro:


Ediouro, 2006.