Você está na página 1de 6

Orquestra Filarmônica de Berlim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


A Filarmônica de Berlim (em alemão: Berliner Philharmoniker) é
uma orquestra baseada em Berlim, Alemanha. Em 2006 foi
considerada uma das dez melhores orquestra da europa na lista "Top
Ten European Orchestras", ficou atrás somente da Orquestra Real do
Concertgebouw.[1] Desde 2018 o maestro principal é Kirill Petrenko.

Índice
História
Maestros
Músicos
Referências
Ligações externas

História
A Filarmônica de Berlim foi fundada em Berlim no inverno de 1882 por 54 músicos sob o nome de Frühere Bilsesche Kapelle,
sob o comando do maestro Benjamin Bilse. Após a saída de Bilse, a orquestra se reorganizou sob o apoio financeiro de Hermann
Wolff em 1887. O primeiro maestro nesta nova fase foi Ludwing von Brenner; em 1887, no mandato de Hans von Bülow, um dos
melhores maestros da época, a orquestra firmou sua reputação, trazendo Hans Richter, Felix von Weingartner, Richard Strauss,
Gustav Mahler, Johannes Brahms e Edvard Grieg para conduzir a orquestra como maestros convidados em um curto período de
tempo. Nessa época a orquestra contava com 46 cordas, onde o ideal era mais, como por exemplo para uma obra de Richard
Wagner, onde são necessários 64.

Em 1895, Arthur Nikisch se tornou o maestro chefe, sendo sucedido apenas em 1923 por Wilhelm Furtwängler. Depois de
Furtwängler se mudar para a Suíça em 1945, Leo Borchard se tornou maestro. Ele ficou por pouco tempo, pois foi morto por
forças de ocupação estadunidenses em Berlim. Sergiu Celibidache então tomou seu lugar, ficando em Berlim por sete anos, de
1945 até 1952. Furtwängler retornou em 1952 para a orquestra, conduzindo-a até o ano de sua morte, em 1954.

Seu sucessor foi o renomado (e considerado por muitos o melhor maestro de todos os tempos) Herbert von Karajan, que conduziu
a orquestra de 1955 até Abril de 1989, poucos meses antes de sua morte. Sob seu mandato a orquestra fez um grande número de
gravações e turnês. Após a morte de Karajan, o posto foi oferecido a Carlos Kleiber, que recusou o convite.

O maestro italiano Claudio Abbado se tornou o maestro principal após Karajan, expandindo o repertório da orquestra para um
repertório mais clássico e romântico, com obras do século XX. Ele deixou seu posto em 2002, para conduzir a Orquestra do
Festival de Lucerne. Durante esse período a orquestra sofreu alguns problemas financeiros, causando grande estresse na cidade de
Berlim[2]. Alguns anos após isso, em 2006, a Academia da Orquestra estabeleceu o Prêmio Claudio Abbado de composição[3].
Em junho de 1999, os músicos elegeram Sir Simon Rattle como o próximo maestro chefe[4]. Ele aceitou o cargo sob uma
condição: ter as decisões artísticas e financeiras. O contrato de Rattle, inicialmente, vai até 2012. Em Abril de 2008 os músicos
votaram a favor de o contrato de Rattle ser estendido[5].

O primeiro Concert Hall da orquestra foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial em 1944. Desde 1963 a residência da
orquestra tem sido a Philharmonie, que foi construída entre 1960 e 1963, sob projecto do arquitecto Hans Scharoun.

No ano 2000 a orquestra grava um CD e DVD com a banda de rock Scorpions, nomeado "Moment of Glory".

Dia 18 de Dezembro de 2008 a orquestra anunciou a criação do Digital Concert Hall: uma plataforma na internet para os fãs
assistirem algumas apresentações da Orquestra de qualquer parte do mundo.

Maestros
Ludwig von Brenner (1882-1887) Sergiu Celibidache (1945-1952)
Hans von Bülow (1887-1892) Wilhelm Furtwängler (1952-1954)
Arthur Nikisch (1895-1922) Herbert von Karajan (1954-1989)
Wilhelm Furtwängler (1922-1945) Claudio Abbado (1989-2002)
Leo Borchard (maio-agosto de 1945) Simon Rattle (2002-2018)
Kirill Petrenko (2018-presente)

Músicos
A orquestra é composta por 128 instrumentistas:[6]

Primeiros Violinos

Guy Braunstein (Spalla)


Daniel Stabrawa (Spalla)
Tōru Yasunaga (Spalla)
Rainer Sonne (Spalla)
Zoltán Almási
Maja Avramović
Simon Bernardini Entrada do salão de concertos no Berliner
Wolfram Brandl Philharmonie, sede da Filarmônica de Berlim.
Peter Brem
Armin Brunner
Andreas Buschatz
Alessandro Cappone
Madeleine Carruzzo
Aline Champion
Felicitas Clamor-Hoffmeister
Laurentius Dinca
Sebastian Heesch
Aleksandar Ivić
Rüdiger Liebermann
Kotowa Machida
Helmut Mebert
Andreas Neufeld
Bastian Schäfer
Luís Filipe Coelho

Segundos Violinos

Christian Stadelmann (chefe de naipe dos 2os violinos)


Thomas Timm (chefe de naipe dos 2os violinos)
Axel Gerhardt (chefe de naipe dos 2os violinos)
Daniel Bell
Holm Birkholz
Stanley Dodds
Cornelia Gartemann
Amadeus Heutling
Christophe Horak
Rainer Mehne
Christoph von der Nahmer
Raimar Orlovsky
Bettina Satorius
Rachel Schmidt
Armin Schubert
Stephan Schulze
Christoph Streuli
Eva-Maria Tomasi
Romano Tommasini

Violas

Neithard Resa (chefe de naipe das violas)


Naoko Shimizu (chefe de naipe das violas)
Wilfried Strehle (chefe de naipe das violas)
Micha Afkham
Julia Gartemann
Matthew Hunter
Ulrich Knörzer
Sebastian Krunnies
Walter Küssner
Martin von der Nahmer
Zdzisław Polonek
Martin Stegner
Wolfgang Talirz

Violoncellos

Georg Faust (chefe de naipe dos cellos)


Ludwig Quandt (chefe de naipe dos cellos)
Martin Löhr (chefe de naipe dos cellos)
Olaf Maninger
Richard Duven
Christoph Igelbrink
Solène Kermarrec
Martin Menking
David Riniker
Nikolaus Römisch
Dietmar Schwalke
Knut Weber

Contrabaixos

Matthew McDonald (chefe de naipe dos baixos)


Janne Saksala (chefe de naipe dos baixos)
Esko Laine (chefe de naipe dos baixos)
Martin Heinze
Wolfgang Kohly
Rudolf Watzel
Peter Riegelbauer
Edicson Ruiz
Janusz Widzyk
Ulrich Wolff

Flautas

Andreas Blau (chefe de naipe)


Emmanuel Pahud (chefe de naipe)
Michael Hasel
Jelka Weber

Oboés

Albrecht Mayer (chefe de naipe)


Jonathan Kelly(chefe de naipe)
Christoph Hartmann
Andreas Wittmann
Dominik Wollenweber (corne inglês)

Clarinetes

Wenzel Fuchs (chefe de naipe)


Alexander Bader
Manfred Preis (clarone)
Walter Seyfarth

Fagotes

Daniel Damiano (chefe de naipe)


Stefan Schweigert (chefe de naipe)
Mor Biron
Marion Reinhard (contrafagote)
Markus Weidmann

Trompas
Radek Baborák (chefe de naipe)
Stefan Dohr (chefe de naipe)
Stefan de Leval Jezierski
Fergus McWilliam
Georg Schrekenberger
Klaus Wallendorf
Sarah Willis

Trompetes

Gábor Tarkövi (chefe de naipe)


Tamás Velenczei (chefe de naipe)
Thomas Clamor
Georg Hilser
Martin Kretzer

Trombones

Christhard Gössling (chefe de naipe)


Olaf Ott (chefe de naipe)
Thomas Leyendecker
Stefan Schulz

Tubas

Paul Hümpel
Alexander von Puttkammer

Timpanos

Rainer Seegers
Wieland Welzel

Percussão

Raphael Häger
Simon Rössler
Franz Schindlbeck
Jan Schlichte

Harpa

Marie-Pierre Langlamet

Referências
1. «(Playbill Arts) Matthew Westphal, "The Top Ten European Orchestras, According to Ten European Media
Outlets" » (http://www.playbillarts.com/news/article/5381.html). 10 de outubro de 2006. Consultado em 25 de
agosto de 2009
2. Kate Connolly (10 novembro 1999). «Band of no gold» (http://www.guardian.co.uk/g2/story/0,,255048,00.html).
Consultado em 17 agosto 2007
3. Matthew Westphal (6 novembro 2006). «Berlin Philharmonic Names Winner of First Claudio Abbado Composition
Prize» (http://www.playbillarts.com/news/article/5540.html). Consultado em 1 setembro 2007
4. Andrew Clements (24 junho 1999). «Picking up the baton» (http://www.guardian.co.uk/comment/story/0,,288989,
00.html). Consultado em 17 agosto 2007
5. Charlotte Higgins (29 abril 2008). «Berlin Philharmonic keeps Rattle» (http://music.guardian.co.uk/classical/story/
0,,2276770,00.html). Consultado em 30 abril 2008
6. «Das Orchester» (http://www.berliner-philharmoniker.de/berliner-philharmoniker/das-orchester/) (em alemão).
Consultado em 25 de agosto de 2009

Ligações externas
Site oficial (http://www.berliner-philharmoniker.de) (em alemão e em inglês)
Digital Concert Hall (http://dch.berliner-philharmoniker.de) (em alemão e em inglês)
Orquestra Filarmônica de Berlim (http://www.allmusic.com/artist/41:12860) (em inglês) no Allmusic

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Orquestra_Filarmônica_de_Berlim&oldid=56110237"

Esta página foi editada pela última vez às 02h36min de 29 de agosto de 2019.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da
Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de
utilização.