Você está na página 1de 12

1

CD Pontos Diversos

01-AGÔ, AGÔ, AGÔ.

Agô, agô, agô, agô, Agô meu pai,

No Terreiro de Umbanda,

Quem tem fé não cai. (bis)

É folha seca no chão.

Ajude, ajude, vamos ajudar, Zâmbi ajuda quem ajuda,

O seu

(bis)

mano

a

caminhar.

03-SOY D’UMBANDA

(bis) Vamos brincar de roda, Cosme, Damião e Doum. (bis)

Eles vêm montados, No cavalo de Ogum, Vem trazendo rosas, Pra Mamãe Oxum.

balança quem é filho de

J’o canto à Umbanda,

fé,

Que lho diga a dizer,

07-VOVÓ MARIA REDONDA

Quem não tem fé, Não balança mais, Por isso é que eu peço ago, Ago, ago, ago meu pai.

02- ZÂMBI AJUDA

I canto a los santos,

Que quizeram de nacer,

I canto el dia em que,

Sien dia, señor, Andando por a ida Aprendi esta canción. Soy de Umbanda,

Fio, se suncê precisar,

É só pensar na vovó,

Que ela vem te ajudar. (bis)

Pensa numa estrada longa, zi fio,

Ajude, ajude, vamos ajudar,

I

toy dientro sin señor,

no seu jacutá,

Zâmbi ajuda quem ajuda,

Soy de Umbanda,

E

numa casinha branca, zi

O

seu

mano

a

caminhar.

Com orgujo y moncion. (bis)

fio,

(bis)

 

Que a vovó ta lá,

 

04-CANTO A OXALÁ

Sentada num banquinho

Ajuda não é só dinheiro, Que se pode dar com a mão,

Bendito y lovado seja,

tosco, zi fio, Com a sua rosária na mão,

Ajuda traz amizade, Porque vem do coração.

El

nombre de Oxalá! (bis)

Pensa na Vovó Maria Re-

Y

jeva pra onda del mar o

donda,

Ajude, ajude, vamos ajudar, Zâmbi ajuda quem ajuda,

Imanjá,

Los pedidos de los hijos del

Fazendo oração. (bis)

O

seu

mano

a

caminhar.

Oxalá! (bis)

08 - LOUVAÇÃO AOS PRE-

(bis)

 

TOS

Ajuda ao seu amigo,

Corre, corre, rio abajo, Corre, corre, que Oxum

VELHOS

Seu vizinho, seu irmão, Ajuda seu inimigo,

mandou!

Tem, festa tem, Tem festa no gongá,

Se

ele lhe estender a mão.

Y

jeva pra onda del mar o

Vou chamar Maria Nagô,

 

Imanjá,

Preta Velha via chegar.(bis)

Ajude, ajude, vamos ajudar, Zâmbi ajuda quem ajuda,

O seu

(bis)

mano

a

caminhar.

Ajuda é um conselho,

Na hora da indecisão,

Los pedidos de los hijos del Oxalá! (bis)

05-LOUVAÇÃO À BABÁ

A estrela tem cinco pontas,

Cinco pontas de Oxalá. (bis)

Chegou, chegou, Preta Velha chegou.(bis)

Juan Negro chegou, Juan Negro é meu pai,

Quando ele chega no reino,

Ajuda é um consolo,

É

pra fazer cobra fumar. (bis)

Num momento de aflição.

Sarava Umbanda,

Oi

tira areia do fundo do mar.

Sarava Babá.

(bis)

Ajude, ajude, vamos ajudar,

Sarava Umbanda,

Oi

tira areia do fundo do mar.

Zâmbi ajuda quem ajuda,

Sarava este congá.

(bis)

O seu

(bis)

mano

a

caminhar.

Zâmbi lhe deu uma vida, Para outra preparar, Nada vale a sua vida,

Se você não ajudar.

Ajude, ajude, vamos ajudar, Zâmbi ajuda quem ajuda,

O seu

(bis)

mano

a

caminhar.

Se você não dá ajuda,

Está só na multidão, É planta que não dá muda,

O quê Babá,

A sua banda é boa,

Oxalá meu pai, Que cubra sua coroa.

06-CRIANÇAS

Cosme, Damião, Damião cadê Doum,

Doum foi passear,

No cavalo de Ogum.

Dois, dois sereia do mar! Dois, dois minha Mãe Ieman-

já!

Congo Rei Congo,

Aí vem os Pretos Velhos,

Vem sarava no terreiro da Umbanda (bis) Quem pisa na linha do Con- go,

É Congo aruê,

Quem pisa na linha do Con- go, Agora que eu quero ver. Quem tem a tesoura é Pai Cipriano, Ele é rei ele é pai,

2

Na falange de Africanos.

09-BATE BATE PRÁ XAN- GÔ

Quando me faltar a fé no meu senhor, Derruba esta pedreira sobre mim. (bis)

Iansã, meu Orixá estrela

guia,

Tu és a própria ventania,

Em meu terreiro sempre

 

louvo

Bate, bate pra Xangô! (bis) Bate, bate prá Xangô! (bis)

 

Subi a serra acompanhando Pai Xangô. (bis) No lugar onde ele passa nasce água e nasce flor. (bis)

13-SAI DA SALA XANGÔ

Em meu congá,

Tu és, a Moça Rica és for-

 

mosa,

Xangô é o Rei da Justiça, Xangô é o Rei da Pedreira, Xangô batizou os seus filhos, Com a água da cachoeira. (bis)

És minha Mãe a linda rosa, Nos jardins suspensos, De Pai Oxalá, Guerreira, és minha força,

minha fé,

Se Xangô é teu pai vai lhe dar proteção. (bis) Em sua defesa ele tem a

 

Guardo comigo teu axé,

10-ESTAVA

OLHANDO

A

O

misticismo da Bahia,

PEDREIRA

pedreira,

Louvo teu lindo relampear, Ilumina o meu passar, Senhora da ventania.

E

para lhe guardar ele tem o

Estava olhando a pedreira, Uma pedra rolou. (bis)

 

leão. (bis)

Ela veio rolando, Bateu em meus pés e se fez uma flor. (bis)

Se o filho lhe chama Xangô, Sob o sol sob a lua,

Pode ter a certeza a vitória é sua. Caô ! Saudação a Xangô,

Louvo vento, louvo raio, Louvo o relampear, Saravá Santa Guerreira, Saravá teu jacutá. (bis)

Quem foi que disse, Que eu não sou filho de Xangô. (bis) Ele mostra a verdade, Se atira uma pedra ela vira uma flor. (bis) Toda verdade de justiça e proteção. (bis) Filho de Pai Xangô ninguém joga no chão. (bis) Quantos lírios já plantei no meu jardim. (bis) Uma pedra atirada é um lírio pra mim. (bis)

E

em todo terreiro,

17-NO

MEIO

DO

BAMBU-

Ele é Pai Justiceiro.

ZAL

14-SALVE SEU 7 PEDREI-

Brilhou, no meio do bambu-

 

RAS

zal,

Salve o Seu 7 Pedreiras,

Uma estrela, a iluminar. Oi! (bis)

E

saravá meu Pai Xangô,

Ele é o dono da justiça, Abenção meu pai agô. (bis)

Caô, caô, caô meu Pai, Oi, lé, lé, lé, meu Pai é Rei, Na Umbanda e no Candom- blé. (bis)

Mais ela era, Iansã, Que clareava, seu oferen- dal(á). (bis)

E

clareava, luzes multicores,

Que a sinhá trazia Iaiá,

 

No seu aguidar. (bis)

 

11-SALVE

O

REI

DA

CA-

CHOEIRA

Salve o Xangô na pedreira, Salve o corisco e o trovão, Salve a pena dourada, Salve a força do leão, Salve o céu e salve a terra, Salve o Papai Oxalá, Salve a força do machado, Do meu Pai Xangô Airá.

Tem acarajé o sinhá, Tem, tem, tem ! (bis)

Quando tiver lua cheia no céu, Vou a pedreira Caô Cabeci, Sentar nas pedras Xangô saravar, Sua oferenda levar. (bis)

18-CABOCLO CAÇADOR

Vi

um clarão na mata,

No céu uma flecha zoou, Os pássaros cantaram,

Segura o ponto meu Pai, Que estou com a pemba na mão, Papai Xangô, Sempre minha proteção. Pai Xangô vence demanda, Meia noite na pedreira, Com licença de Oxalá, Salve o Rei da Cachoeira!

15-CANTO À IANSÃ

As cobras piaram, Os tambores rufaram, Caçador chegou! (bis)

Eparrê Oyá ! Dona dos ventos, Mensageira de Oxalá, Saravá Santa Guerreira, Dona do fogo e da lua, Minha santa padroeira, Que o meu destino conduz, Proteção para seus filhos, Eparrê ó bela Oyá, Moça Rica da Umbanda, Venha nos abençoar. Eparrê Bela Oyá. (bis)

Como é forte o seu brado, Como é lindo o seu cocar, Tem pena de quimbandeira,

O

azul da cachoeira,

E

a cor branca de Oxalá !

19-CANTO A OGUM

12-MEU

PAI

SÃO

JOÃO

BATISTA

Olha vamos sarava, Ogum no terreiro,

Meu Pai São João Batista é Xangô, Dono do meu destino até o fim. (bis)

E

olha vamos sarava,

 

Ogum no terreiro,

16-LOUVO O VENTO

E

olha vamos sarava,

Ogum no terreiro,

3

E olha vamos sarava,

Ogum no terreiro,

E olha vamos sarava,

Seu Beira-Mar,

E olha vamos sarava,

Ogum Megê,

E olha vamos sarava,

Seu Ogum de Ronda,

E olha vamos sarava,

Seu Ogum de Malê,

E olha vamos sarava,

Ogum Nigéria,

E olha vamos sarava,

Seu Rompe Mato,

E olha vamos sarava,

Seu Matinata,

E olha vamos sarava,

Ogum da Lua,

E olha vamos sarava,

Que volta a reinar entre nós os fiéis

E trás novamente a paz,

Que volta a reinar entre nós

os fiéis.

21-CANTO A IEMANJÁ

Retira a jangada do mar, Mãe d’Água mandou avisar, Que hoje não pode pescar, Que hoje tem festa no mar.

O,o,o,o,o,o,o Iemanjá,

Ela

Mar. (bis)

é,

ela

é,

a Rainha do

A gente

o,o,o,o !

Pra ela se enfeitar, o,o,o,o !

traz

perfumes,

A onde Oxum vai se assen-

tar. Aieiê Mamãe Oxum, Aieiê Oxumarê. Aieiê Mamãe Oxum,

Aieiê Oxumarê. Aieiê Mamãe Oxum, Aieiê Oxumarê.

24-DEUSA DE IJEXÁ

Caminhando pela mata, Refletida na cascata,

Vi uma flor se mirar. (bis)

Era de grande beleza, Possuía tal pureza, Perfumava todo o ar. (bis)

Foi nesse exato momento,

Que como o sonho contem-

Ogum da Guerra,

A gente leva as flores,

plo,

E

olha vamos sarava,

Para jogar no mar.

A

Oxum a se banhar,

Seu Naruê,

E

só então eu percebi,

E olha vamos sarava,

Ogum Iara,

E olha vamos sarava,

Seu Orion,

E olha vamos sarava,

Seu Rompe Ondas,

E olha vamos sarava,

22-SONHEI

Sonhei que estava na beira da praia, Olhando as ondas do mar,

O céu tinha muitas estrelas,

A lua estava a brilhar,

Perdido no mundo eu estava,

Que a linda flor que vi, Era a Deusa de Ijexá.

Aieiêo, aieiêo, Foi na água da cascata, Que a Oxum apareceu. (bis)

25-GORJEIA

Ogum Menino,

Sem ter a onde ficar,

 

E

olha vamos sarava,

De repente uma voz me

Gorjeia, a passarada no lindo

Seu Sete Espadas,

falou baixinho,

céu azul,

E

olha vamos sarava,

Tenha fé em Oxalá.

A

saudar,

Ogum Nagô,

De repente uma voz me

O

Reino Encantado de Oxum

E

olha vamos sarava,

falou baixinho, Tenha fé em Oxalá.

Epandá. Porque meu Deus,

20-OGUM MEGÊ

Era

ela nas ondas do mar,

No seu mundo eu não posso

Que coisa mais linda,

chegar o,o,

No espaço iluminado, Pelo clarão do luar,

Com as suas armas podero-

sas,

Ogum Megê é quem vai

Mamãe Iemanjá,

Era ela nas ondas do mar,

Estendendo suas mãos, Para me abençoar.

Para ver como é lindo o a-

manhecer,

Natureza sorrindo, Primavera florindo. (bis)

rondar,

23-CANTO A OXUM

Enviando sua proteção,

O

seu mundo é de amor,

Para nós os filhos de fé,

Eu vi Mamãe Oxum na ca-

O

seu mundo é de paz. (bis)

Em nome de Pai Oxalá,

choeira,

Que é Jesus de Nazaré.

Em nome de Pai Oxalá, Que é Jesus de Nazaré.

Enquanto o Santo Guerreiro, Valente e ligeiro está a ron-

dar,

O seu mensageiro na gira,

Este corre gira e vem traba-

lhar,

Sem vasos e sem sacrifícios, Desfaz malefícios e dos mais

cruéis,

E trás novamente a paz,

Sentada na beira de um rio. (bis)

Colhendo lírio, lírio ê, Colhendo lírio, lírio á, Colhendo lírios, Pra enfeitar nosso congá. (bis)

No alto da cachoeira, Mais um que lindo jacutá. (bis)

Por lá tem um banquinho de

ouro,

Guardado pelo manto sagra- do de

Epandá,

Oxum que venha eu seu universo abençoar,

Acabe a guerra sem fim, Tire o ódio, bote amor. (bis)

Que o mundo possa ser, Sempre um jardim em flor. (bis)

26-CANTO A NANÃ

Oi Nanã Boruquê,

4

Seus filhos lhe pedem,

 

E, e, e,

EXÚ CD 02

Seus filhos lhe imploram, Venha ver o terreiro,

E, e, a, Saravá Mamãe Oxum,

(Exú !)

E

levar todo o mal

na sua

Que veio me ajudar. (bis)

marola. (bis)

Vinha caminhando a pé,

 

Minha Mãe dona do ouro,

Para ver se encontrava,

Sarava Nanã auê,

Seu reinado é Ijexá,

A

minha cigana de fé. (bis)

Sarava Nanã auá, Sarava Nanã,

Acompanha o meu destino, Samburando seu ifá.

Parou e leu minha mão,

Na beira do rio e nas ondas

do mar.

(bis)

27-EXÚ TIRIRI MENINO

E, e, e, E, e, a, Saravá Mamãe Oxum, Que veio me ajudar. (bis)

E disse-me toda a verdade:

Só queria saber, aonde mo-

ra,

Pomba-Gira Cigana. (bis)

(Larô Exú !)

Mais uma vez vou cantar,

Eu

pedi licença a Zambi,

vou dizer,

Pra

Mãe Oxum vir louvar,

Santo Antônio de Batalha,

Deixa o Tiriri Menino, Eu não vivo sem você. (bis)

Proteção para os seus filhos, Com a benção de Oxalá.

Faz de mim batalhador. (bis)

Se meu destino entreguei na sua mão, Lhe dei a chave que abriu meu coração, Se dos caminhos que a vida me levou, Grande parte dos espinhos

E, e, e, E, e, a, Saravá Mamãe Oxum, Que veio me ajudar. (bis)

Corre gira Pomba-Gira, Tranca-Rua e Marabô. (bis) Santo Antônio de Batalha, Faz de mim batalhador. Corre gira Pomba-Gira, Tranca-Rua e Marabô.

CD Pontos de Umbanda

(Larô Exú ! Exu !)

foi

você quem retirou.

DEFUMAÇÃO

/

CRUZA-

 

MENTO

Oi

na beirada do caminho,

Mais uma vez

CD 01

Este gongá tem segurança,

Oi na porteira tem vigia,

Nas alegrias ou nas horas de

(Salve o defumador ! Salve

A meia-noite o galo canta.

aflição,

!)

(bis)

Todos os dias vem você me dando mão,

Defuma com as ervas da

(Larô Exú ! Exu !)

Se dos meus olhos muito pranto já rolou,

Jurema, Defuma com arruda e guiné.

OGUM CD 03

Todo cheio de carinho foi você quem enxugou.

(bis)

(Batacorê Ogum ! Ogunhê !)

Mais uma vez

Alecrim, benjoim e alfazema, Vamos defumar filhos de fé. (bis)

Na lua nova, Na Umbanda ele é Ogum.

Se do meu canto você é a

(bis)

inspiração,

E se eu canto é porque tenho

razão,

Nas melodias que por certo ainda farei, Pelo resto dos meus dias o seu nome eu louvarei.

Mais uma vez

28-MAMÃE OXUM

(Salve o defumador ! Salve !) (Salve o nosso terreiro ! Sal- ve !) Vamos cruzar nosso terreiro, Vamos cruzar nosso congá, Vamos cruzar a nossa gira, Na fé de Pai Oxalá. (bis)

(Salve o nosso terreiro ! Sal- ve !) (Salve o Pai Oxalá ! Salve !)

Ogunhê ! Zambi ele é Ogum !

Ogunhê ! Zambi ele é Ogum ! (bis)

(Batacorê Ogum ! Ogunhê !)

E se Ogum está no céu ?

Não está não !

E se Ogum está na lua ?

Não está não ! (bis)

E,

e, e,

E,

e, a,

Foi, foi Oxalá,

Lelê, lelê, lelê !

no

Humaitá !

Saravá Mamãe Oxum, Que veio me ajudar. (bis)

Quem mandou eu pedir, Quem mandou implorar. (bis)

Disse Ogum está de ronda

Que as Santas Almas,

Lelê, lelê, lelê !

Água veio da nascente,

Viessem me ajudar,

Disse Ogum está de ronda

E

rolou pela pedreira,

Seu Tranca na Encruza,

no

seu congá ! Bis

Pediu licença a Xangô,

De joelho a gargalhar. (bis)

E transformou-se em cacho-

eira.

(Batacorê Ogum ! Ogunhê !)

(Salve o Pai Oxalá ! Salve !)

Se meu pai é Ogum,

5

Vencedor de demanda,

Quando chega no reino,

É pra salvar filho de Umban-

da. (bis)

Ogum ! Ogum Iara ! (bis)

Salve os campos de batalha, Salve a Sereia do Mar !

Ogum, Ogum Iara. (bis)

(Batacorê Ogum ! Ogunhê !)

OXÓSSI CD 04

(Okê Oxossi ! Okê Caboclo !)

É o rei, é o rei,

É o Rei do Panaiá e da Ju-

rema. (bis)

Lá na Jurema Rompe Mato é o rei,

É o Rei do Panaiá e da Ju-

rema. (bis)

Xangô mora numa cidade de luz, Onde mora Santa Bárbara, Oxumaré e Jesus. (bis)

(Caô Cabeci ! Caô Cabeci !)

Quem rola pedra na pedreira

é Xangô. (bis)

Xangô do Acarajé, do Acara- jé. Xangô do Acarajé, do Acara-

jé. (bis)

(Caô Cabeci ! Caô Cabeci !)

Meu Pai Xangô olha seus filhos ! Que eu também sou filho seu ! (bis)

Seu Atotô, Iemanjá (bis)

Sobá !

(Caô Cabeci ! Caô Cabeci !)

OXUM CD 06

Sarava Iansã lá na Aruanda, Eparrê, parrê ! Iansã venceu demanda.

Iansã saravou Pai Xangô, No céu trovão roncou, E lá na mata leão bradou, Sarava Iansã ! Saravá Xangô. !

(Eparrê Oyá ! Eparrê Iansã !)

Oyá é moça rica, Ela é filha de Xangô. (bis)

Iansã sentou na Umbanda, No seu reino saravou. (bis)

(Eparrê Oyá ! Eparrê Iansã !)

Eh ! Iansã !

Eh ! Iansã !

Segura

(bis)

seu

ererê

Iansã

!

Oh ! Iansã !.

Oh ! Iansã !

Segura seu ererê ! (bis)

(Okê Oxossi ! Okê Caboclo !)

(Aieêu Oxum ! Aieêu Oxum !)

Eh !

Iansã !

 

Eh !

Iansã !

Hoje tem alegria no terreiro

Ela é flor de maio !

Segura

seu

ererê

Iansã

!

do meu pai, Sarava seu Rompe Mato,

Ela é flor de maio !

(bis)

Que ele é chefe de congá.

Se a minha mãe,

Oh !

Iansã !.

(bis)

É

linda flor de maio !

Oh !

Iansã !

Embala eu, babá ! Embala eu ! (bis) Embala eu, babá ! Embala eu ! (bis)

Aieêu é flor de maio ! (bis)

(Aieêu Oxum ! Aieêu Oxum !)

Segura seu ererê! (bis)

(Eparrê Oyá ! Eparrê Iansã !)

IEMANJÁ CD 08

(Okê Oxossi ! Okê Caboclo

Ouvi o brado da Mamãe Oxum,

(T

Ó

doce Iába !

Ó doce

!)

No alto da cachoeira.

Iába !)

 

Naquela estrada de areia, Aonde a lua clareou. (bis)

Onde os caboclos paravam, Para ver a procissão, De São Sebastião. (bis)

E ela bradava tanto,

Esperando Ogum, Para jurar bandeira. (bis)

(Aieêu Oxum ! Aieêu Oxum !)

Ó que barco tão lindo! Que vem sobre as ondas do mar!

R - Ele trás as vibrações,

De

já!

nossa

(bis)

TR - Iemanjá!

Mãe

Ieman-

Iemanjá!

(Okê Oxossi ! Okê Caboclo !) (Salve São Sebastião !)

Olha Oxum no Nagô ! No Nagô Oxum ! Olha Oxum no Nagô,

Ela é a Rainha do Mar! (bis) (T Ó doce Iába !)

No Nagô Oxum,

(R

Ó doce Iába !)

XANGÔ CD 05

Ieiêu, olha Oxum nazueira,

T

Brilhou, brilhou, brilhou,

eia. (bis)

Brilhou no mar!

(Caô Cabeci ! Caô Cabeci !)

O

manto de nossa Mãe

 

IANSÃ CD 07

Iemanjá!

Dizem que Xangô mora na pedreira,

(Eparrê Oyá ! Eparrê Iansã !)

R

Brilhou, brilhou, brilhou, Brilhou no mar!

Mas não

verdadeira. (bis)

é

lá sua morada

Iansã Orixá de Umbanda, Rainha do nosso gonga. (bis)

O manto de nossa Mãe

Iemanjá! TR Brilhooouuu!

no mar!

Brilhou

6

O manto de nossa Mãe Iemanjá! (bis)

Ele é seu Atotô.

O Abaluaê !

(Adorei as almas ! Adorei as almas !)

(T

Ó doce Iába !)

(Atotô ! Abaluaê !)

Foi

numa noite de lua,

(R

Ó doce Iába !)

Eu vi Tia Maria chegar. (bis)

TA marola no mar vai le-

Cadê a chave do baú ? Só com o Mestre Omulú !

Seu Omulú eh !

Ela

estava tão serena,

vando!

(bis)

Sentada em seu gongá. (bis)

RIemanjá é que vai nave- gando !

Cadê a chave do baú ? Só com o Mestre Omulú !

Erê, rê, rê, rê, ê

A marola no mar vai le-

(bis)

Ela

veio saravar,

vando !

(Atotô ! Abaluaê !)

Erê, rê, rê, rê, ê

Iemanjá é que vai nave-

Pra

seus filhos abençoar.

gando (bis)

Seu Omulú eh !

(Adorei as almas ! Adorei as almas !)

(T

Ó doce Iába !)

Seu Omulú eh ! Omulú é Orixá. (bis)

(R

Ó doce Iába !)

Quando o galo canta,

NANÃ BORUQUÊ CD 09

(Saluba Nanã ! Nanã Saluba !)

Sarava seu Omulú ! Omulú eê. Sarava seu Omulú ! Omulú é Orixá. (bis)

As almas se levantam,

E o mar recua,

Os anjos do céu, Dizem amém,

 

(Atotô ! Abaluaê !)

Tia

Maria diz aleluia !

Senhora Santana,

Diz

aleluia, diz aleluia!

Quando andou pelos montes. (bis)

BEIJADA CD 11

Tia

Maria diz aleluia ! (bis)

(Oni Beijada ! Oni Beijada !)

Diz

aleluia, diz aleluia!

Por onde passava, Deixava uma fonte. (bis)

Fui no jardim colher as rosas,

Tia

Maria diz aleluia ! (bis)

Os anjos que vinham, Beberam água dela, Que água tão linda, Senhora tão bela. (bis)

A vovozinha deu-me a rosa

mais formosa. (bis) Cósme, Damião e Doum, Crispim, Crispiano, são os filhos de Ogum.

(Adorei as almas ! Adorei as almas !)

Tia Maria chegou no gongá,

Galo

cantou

e

eu

vi

uma

 

(bis)

coral piar.

(Saluba Nanã ! Nanã Saluba !)

(Oni Beijada ! Oni Beijada !)

Segura a pemba,

Passa a mão na ferramenta,

Na coroa de Zambi

eu

vi

Doum é amigo leal,

Pra

chamar povo de Umban-

Nanã !

Sem Doum eu não posso

da,

Auê, eu vi Nanã ! (bis)

ficar. (bis)

E

vamos trabalhar. (bis)

(Saluba Nanã ! Nanã Saluba !)

Eu vi Nanã, (bis) Eu vi Nanã, (bis) Auê !

É Nanã Boruquê !

É Nanã Boruquê !

É Nanã Boruquê ! (bis)

(Saluba Nanã ! Nanã Saluba !)

OBALUAÊ CD 10

(Abaluaê!)

Ele é um grande Orixá,

Ele é o chefe da calunga, Ele é seu Atotô.

O Abaluaê !

Ele é seu Atotô.

O Abaluaê !

Cadê a Cosme ? Não me leva no chão ! Cadê a Cosme ? Cadê Damião ? (bis)

(Oni Beijada ! Oni Beijada !)

Cai, cai sereno, Cai meu divino, Me leva agora, Para brincar com os meni- nos. (bis)

Vou pedir licença a Zambi, Ao Sagrado Coroção, Vamos todos bater palmas, Pra São Cosme e Damião.

(Oni Beijada ! Oni Beijada !)

PRETO-VELHO CD 12

Tira daqui, Meu zifio, tira de lá, No Gongá, Olha a pemba de Pai Oxalá. (bis)

(Adorei as almas ! Adorei as almas !)

JOGA FLORES NO MAR

CD 13

(Odoiá

Odoiá !)

!

Odoiá

!

Odoiá

!

Joga flores no mar ! Joga flores no mar !

Bate com o pé e pede o que

quer,

A Mamãe Iemanjá. (bis)

Joga flores no mar ! Joga flores no mar ! Quem tem fé não padece,

7

Quem sofre merece, precisa rezar ! (Joga flores no mar !)

Joga flores no mar ! Joga flores no mar !

Bate com o pé e pede o que

quer,

A Mamãe Iemanjá. (bis)

Joga flores no mar ! Joga flores no mar ! Quem tem fé não padece, Quem sofre merece, precisa rezar !

Odé, odé, Odé, oda, Odé, odè, Viva a Rainha do Mar, Minha Mãe Iemanjá.

(Minha Mãe Iemanjá !) 1’’’

LOUVOR A IEMANJÁ CD

14

(Odoiá

Odoiá !)

!

Odoiá

!

Odoiá

!

Vamos cantar em louvor,

A nossa Mãe Iemanjá,

Pedindo paz e amor, Em nome do Pai Oxalá.

As rosas brancas que vão,

No meu barquinho pro mar,

Ó minha mãe querida,

São nossas preces de amor.

Vai meu barquinho seguindo, Pelo mar até o além, Que Iemanjá nos conceda, Felicidade sem fim.

MÃE D’ÁGUA – CD 15

(Odoiá! Odoiá !) (Salve a Nossa Mãe Iemanjá !)

Mãe d’Água, Rainha das Ondas, Sereia do Mar !

Mãe d’Água seu canto é bo-

nito,

Quando faz luar. (bis)

Eh ! Iemanjá ! Eh ! Iemanjá !

Rainha das Ondas, Sereia do Mar. Rainha das Ondas, Sereia do Mar.

É bonito o canto de Iemanjá,

Sempre faz o pescador cho-

rar,

Quem escuta a Mãe d’Água

cantar,

Vai com ela pro fundo do mar. Vai com ela pro fundo do mar. Eh ! Iemanjá ! Eh ! Iemanjá !

(Salve a Sereia do Mar !) (Salve a Nossa Mãe Iemanjá !) (Salve todo o Povo Mar Sa- grado !)

A onda do mar rolou

A onda do mar rolou

A onda do mar rolou

A onda do mar rolou.

A onda do mar rolou

A onda do mar rolou

A onda do mar rolou

A onda do mar rolou.

Saravá a Rainha do Mar ! Saravá a Rainha do Mar ! Saravá a Rainha do Mar ! Sarava nossa Mãe Iemanjá ! Mamãe Iemanjá !

RETIRA A JANGADA CD

17

(Odoiá! Odoiá!) (Salve Iemanjá Rainha do Mar!) (Salve a Calunga Grande !) (Salve todo o Povo do Mar !)

Retira a jangada do mar ! Mãe d’Água mandou avisar, Que hoje não pode pescar, Pois hoje tem festa no mar ! (bis)

Eie, ie, ie, ie, ie, ie, Iemanjá ! Ela é, ela é, a Rainha do Mar ! (bis)

Traz pente, traz espelho, ô,

ô, ô, ô, ô

Pra ela se enfeitar, ô, ô, ô, ô,

ô

Traz flores, traz perfumes,

Enfeita todo o mar !

SEREIA DO MAR CD 18

(Odoiá! Odoiá! Salve a Rai- nha do Mar!) (Salve a Sereia do Mar !)

Tarimã, Tarimã, Tarimã, Tarimã ta no fundo do mar. (bis)

Ó gente cadê sereia,

A sereia ta no fundo do mar. (bis)

Auê maioral(á), Virou zi caçamba de fundo pro ar. (bis)

(Odoiá ! Odoiá !) (Salve a Sereia, a Rainha do Mar !) (Salve a Calunga Grande ! Auê !)

MAMÃE DE ARUANDA CD

19

(Ieparrê Iansã ! Ieparrê Iansã !)

Iansã é a Rainha dos Ventos, Deusa dos Raios, Do Corisco e Trovão. (bis)

Ieparrê, ieparrê, ieparrê !

Ó Mamãe de Aruanda,

Ela vem na Umbanda, Visitar seu Elê. (bis)

Bate paô, Yaô, bate paô ! Bate paô, Yaô, Rainha da bate paô ! (bis)

OXUM VAI LEVANTAR CD

20

(Ora ieiêu Mamãe Oxum !) (Ora ieiêu !)

Estava sentado lá no alto da pedreira, Olhando as cachoeiras, as matas e o mar, Iemanjá estava arrumando seu vestido, Xangô lhe deu um grito, Oxum vai levantar.

Aieieu ! Oxum vai levantar ! Aieieu ! Oxum vai levantar ! Aieieu ! Oxum vai levantar !

Na

assobiou,

matas

virgens

Oxossi

Aieieu ! Oxum já levantou ! Aieieu ! Oxum já levantou !

8

Aieieu ! Oxum já levantou !

MAMÃE OXUM CD 21

Eu vi Mamãe Oxum na ca-

choeira,

Sentada na beira do rio, Colhendo lírio, lírio ê,

Colhendo lírio, lírio a, Colhendo lírio pra enfeitar,

O seu congá. (bis)

Colhendo lírio pra enfeitar,

O seu congá. (bis)

Eu vi Mamãe Oxum na ca-

choeira,

Sentada na beira do rio, Colhendo lírio, lírio ê, Colhendo lírio, lírio a,

Colhendo lírio pra enfeitar,

O seu congá. (bis)

Aruê meu cativeiro, Cativeiro, cativerá. Arue meu cativeiro, Cativeiro cativerá. Arue meu cativeiro.

Cativeiro, cativeiro, Cativeiro, cativeiro, Cativeiro, cativerá. (bis)

ADOREI AS ALMAS CD 03

Adorei as Almas, As Almas me atenderam. (bis)

Eram as Santas Almas, Lá do Cruzeiro. (bis)

MEU CANDIEIRO CD 04

As almas já acenderam candeeiro,

o

Colhendo lírio pra enfeitar,

Ê, ê,

lá no fundo do mar.

O

seu congá. (bis)

(bis)

 

As almas já acenderam candeeiro,

o

E

na beira do mar, brisa se-

Ê, ê,

lá no fundo do mar.

rena,

(bis)

E na beira do mar, se sere-

nou,

Na areia do mar, areia areia, Maré cheia e mar, marene- jou.

Bis

CD Pretos-Velhos & Cabo- clos

MEU CATIVEIRO CD 01

Aruê meu cativeiro, Olha meu cativeiro, Meu cativerál. (bis)

PAI GUINÉ CD 05

É o vento que balança a

folha Guiné,

É o vento que balança que a

folha ! (bis)

É é é Pai Guiné,

É

o

vento

que

balança

a

folha ! (bis)

 

É

é é Pai Guiné,

 

É

o

vento

que

balança

a

folha ! (bis)

PRETO NA SENZALA CD

Se ele é filho de Nagô, Seu padrinho é São José. (bis)

FILHO DE PEMBA CD 08

Lá vem Vovô,

Descendo a serra com sua sacola.

É com sua rosária,

É com seu patuá,

Ele vem de Angola. (bis)

Eu quero ver Vovô, Eu quero ver, Eu quero ver, Se filho de pemba tem que- rer.

PAI JOAQUIM CD 09

Que Preto é esse ô Calunga? Que chegou agora Calunga? (bis)

É Pai Joaquim, ô Calunga,

Que veio de Angola, ô Ca-

lunga. (bis)

Que Preto é esse ô Calunga? Que chegou agora Calunga? (bis)

É Pai Joaquim, ô Calunga,

lá de Angola,

Calunga. (bis)

Que vem

ô

COM DENDÊ CD 10

Com dendê, com dendê, Preto-Velho trabalha com dendê. (bis)

Agora que eu quero ver, Preto-Velho trabalhar com dendê.

Aruê meu cativeiro, Meu cativeiro, Meu cativerál. (bis)

Preto-Velho tava cansado, Ia pra senzala batia o tam- bor Preto-Velho dava viva à Iaiá Dava viva à Sinhá, Dava viva ao Sinhô. (bis)

AIUÊ,

MEU

CATIVEIRO

CD 02

Cativeiro, cativeiro, Cativeiro, cativerá, Aruê meu cativeiro. Cativeiro, cativerá.

06

Preto na senzala bateu sua caixa, Deu viva à Iaiá Preto na senzala bateu sua caixa,

Deu viva à Ioiô

(bis)

Viva à Iaiá ! Viva à Ioiô ! Viva Nossa Senhora ! O cativeiro já acabou ! (bis)

CONGO DE SASSARAVÁ CD 11

Congo ê, Congo ê, Congo de sassaravá, Congo de sassaravá, Segura seus filhos que Deus é maior. (bis)

CONGO CD 12

É Congo é Undelê,

PRETO-VELHO DE NAGÔ

Undelê

é

o

Rei

de Congo.

CD 07

(bis)

É Nagô é,

É Nagô é,

É Nagô é é é

É Congo é Undelê,

Undelê é o Naruê. (bis)

9

É

Congo é Undelê,

 

PAI JOAQUIM CD 19

Na

sua arucaia tem mugun-

Undelê

é

o

Rei

de Congo.

zá,

(bis)

Sarava todos os Preto-Velho

Na

sua arucaia. (bis)

de Angola.

É

Congo é Undelê,

 

Vamos firmar ponto pra Pre-

Vovó da Bahia, no seu patuá,

Undelê é o Naruê. (bis)

to-Velho !

Tem sua arucaia,

REI DE CONGO CD 13

Firma ponto minha gente, Preto-Velho vai chegar,

Meu Senhor do Bom-Fim, Saravou na sua arucaia. (bis)

Léo

léo, léo léô,

Ele vem de Aruanda,

Cadê a sua pemba, cadê,

Rei

de Congo leléo,

Ele vem pra trabalhar. (bis)

Cadê a sua guia, cadê. (bis)

Rei

de Congo leleô

(bis)

 

Sarava Pai Joaquim,

VOVÓ JOAQUINA CD 24

Léo

léo, léo léô,

Sarava, sarava,

Rei

de Congo leléo,

Ele chegou no Terreiro,

Sarava Vovó Joaquina,

Rei

de Congo leleô

(bis)

Ele vem nos ajudar. (bis)

Sarava o seu gongá,

Ela vem lá da Aruanda,

SENHORA DO ROSÁRIO CD 14

PRETO-VELHO

CAN-

Ela vem pra trabalhar.(á) (bis)

SADO

Senhora do Rosário, Foi quem me trouxe aqui. (bis)

A água do mar é santa,

Eu vi, eu vi, eu vi. (bis)

CAMINHOU CD 15

Caminhou, caminhou, Preto-Velho caminhou. (bis)

CD 20

Preto-Velho ta quebrado,

De tanto trabalhar.

Preto-Velho ta cansado,

De tanto curimbar. (bis)

Canta ponto, risca pemba, Que é longa a caminhada, Quem tem fé tem tudo, Quem não tem fé não tem nada. (bis)

Com suas mirongas e seu

patuá,

Sarava Vovó Joaquina,

Na fé de Oxalá.

VOVÓ TAMBÉM MANDA

CD 25

Tudo que eu peço a vovó ela

faz,

Também o que eu peço a vovô ele faz, (bis)

Lá na Aruanda Maior,

SUNCÊ VAI GANHÁ CD

O

que eu quero mais,

Preto-Velho caminhou. (bis)

21

O

que eu quero mais, (bis)

MINHA CACHIMBA CD 16

Minha cachimba, tem miron-

ga,

Minha cachimba, tem dendê. (bis)

Quem duvida da minha ca-

chimba,

Que venha ver, que venha ver. (bis)

Meu pito ta pagado, Minha marafa cabou, Vou trabaiá pra suncê, Porque sou trabaiadô. (bis)

Eu vou trabaiá,

Suncê vai ganha, Muito bongo meu fio,

E depois vem me pagá. (bis)

VOVÓ CATARINA CD 22

TÁ CAINDO FULÔ CD 17

Ta

fulo(ô). (bis)

caindo

fulo,

ta

caindo

Lá no céu, cá na terra,

O lelê ta caindo fulo(ô). (bis)

REVIRADA

DE

PRETO-

VELHO

CD

18

A sineta do céu bateu,

Oxalá já diz que é hora. (bis)

Sarava pra Vovó Catarina,

Que é dona da gira do meu

terreiro,

Sarava pra Vovó Catarina,

do

cativeiro. (bis)

E pra

todos

as

almas

A Vovó Catarina do Congo é,

A Vovó Catarina vai baixar,

Pra Vovó Catarina,

É que os filhos de Umbanda

vão saravar.

VOVÓ DA BAHIA CD 23

Ele é Rei de Aruanda,

Mas Vovó também manda, Quando os dois pegam jun-

tos,

Ninguém me passa pra traz.

VOVÓ TEM SETE SAIAS

CD

26

Vovó tem sete saias,

Na última saia tem mironga.

Vovó veio de Angola, Pra reza filhos de Umbanda.

(bis)

Com seu patuá e a figa de

guiné,

Vovó veio de Angola,

Pra salvar filhos de fé. (bis)

RAINHA

DA

PONTARIA

CD

27

Jurema! O juremê, jurema! Jurema! O juremê, juremá!

Eu vou, eu vou, eu vou,

É

uma cabocla de pena,

Fica com Deus e Nossa Se-

Na sua arucaia tem quirom-

Filha de Tupinambá,

nhora. (bis)

bô,

Rainha da pontaria,

Na

sua arucaia.

Nunca se viu ela errar,

Tem a pele bronzeada,

10

Os olhos cor do luar,

Passa correndo nas folhas, Não se ouviu seu pisar,

É uma cabocla de pena!

Jurema! O juremê, jurema! Jurema! O juremê, juremá!

É uma cabocla de pena,

Filha de Tupinambá, Rainha da pontaria, Nunca se viu ela errar,

Tem a pele bronzeada,

É a rainha da beleza filha de

Tupinambá.

Jurema, Jurema, Juremê, Jurema, Jurema, Jurema(á)

É a rainha da beleza filha de

Tupinambá.(bis)

CABOCLA JUREMA CD 29

O vento está soprando na

mata,

Jogando as folhas da Jurema

Quando

(bis)

veio

de

Aruanda.

Venceu, caboclo venceu, Do fundo da mata virgem, Oxalá gritou, esse filho é meu ! Esse filho é meu ! Esse filho é meu ! (bis)

NA GIRA DOS CABOCLOS CD 32

Os olhos cor do luar,

no

chão. (bis)

Auê, auê, meus caboclos,

Passa correndo nas folhas,

O

vento está soprando,

auê ! (bis)

Não se ouviu seu pisar,

As

folhas vão caindo,

Auê, auê, meus caboclos,

É

uma cabocla de pena!

Caboclo vai panhando elas

auê ! (bis)

Jurema! O juremê, jurema! Jurema! O juremê, juremá!

É uma cabocla de pena,

Filha de Tupinambá, Rainha da pontaria, Nunca se viu ela errar, Tem a pele bronzeada, Os olhos cor do luar, Passa correndo nas folhas,

Não se ouviu seu pisar,

no chão. (bis)

Mas ele veio de tão longe,

Sem conhecer ninguém. (bis)

A procura de uma rosa,

Que na roseira tem. (bis)

Que lindo capacete de pena, Que tem, a Cabocla Jurema. (bis)

É lindo e quem lhe deu foi

Caboclo mora na mata,

Na beira da sapucaia,

Caboclo come folha, Se veste de samambaia.

Auê, auê, meus caboclos, auê ! (bis) Auê, auê, meus caboclos, auê ! (bis)

É

uma cabocla de pena!

Oxalá,

Salve Cabocla Jupira, Salve Cabocla Jurema, Sarava seu Sete Flechas, Sarava seu Tira-Teima.

Jurema! O juremê, jurema! Jurema! O juremê, juremá! Jurema! O juremê, jurema! Jurema! O juremê, juremá! Jurema! O juremê, jurema!

Jurema filha de Tupinambá, Jurema é a Rainha das Ma-

 

tas,

Erê, rerê, rera ! (bis) Estava nas matas quando eu

Auê, auê, meus caboclos, auê ! (bis) Auê, auê, meus caboclos, auê ! (bis)

vi

passar,

 

Uma cabocla de pena. (bis)

CABOCLA

JANDIRA CD

28

O

seu conga é aqui, ó Jure-

 

ma,

OXÓSSI REI DAS MATAS

Jurema vem trazendo as rosas, Jandira é quem traz o jas- mim. (bis)

Foi Oxalá quem

lhe deu,

ó

CD

33

Jurema,

 

O

seu manto é de estrelas, ó

Oxossi na mata é rei, Oxossi na mata é, Quem passa pelos caminhos, Sem deixar marca do pé. (bis)

Jurema,

 

As duas na Umbanda são irmãs, Minhas caboclas tenham pena de mim. (bis) Jurema vem trazendo as rosas, Jandira é quem traz o jas- mim. (bis)

Sete estrelas lhe alumiam, ó Jurema. (bis)

CABOCLO

FLECHEIRO

CD

30

Caboclo não desacata, Caboclo sabe quem é, Quem anda dentro da mata, Sem deixar marca do pé. Oxossi na mata é rei, Oxossi na mata é,

Quem passa pelos caminhos, Sem deixar marca do pé. (bis)

Ele

Cansado de caminhar. Salve o Caboclo Flecheiro, Que vem sarava seu congá. (bis)

vem de tão longe,

As duas na Umbanda são irmãs, Minhas caboclas tenham pena de mim. (bis) Eu tive um sonho, lá na ma- tas da Jurema, Nunca vi tanta beleza cidade da Jurema(á), E a Jurema, que é uma ca- bocla de pena,

Pra

chegar nesse terreiro,

 

Ele

cortou tanto cipó,

Ele

tem flecha e bodoque,

Atravessou a mata virgem, Veio na fé do Pai Maior. (bis)

Ele

tem lança e cocar.

Na

mata está o seu reino,

 

E na mata reinará.

CABOCLO

VENCEU CD

31

CD Amor Cigano

Caboclo venceu demanda, Para o Povo de Umbanda,

 

AMOR CIGANO - 001

Na ponta da sua flecha,

Mas vejam só,

11

Mas sejam só,

Meu povo cigano

Lua cheia vai clarear, clare-

Que maravilha é aquela,

É

um cigano,

ar,

Ao som do seu violino a to-

CIGANA SALAMANDA - 004

Os

caminhos tão longos,

car,

Ela vem de longe,

Para os ciganos passar. Lua cheia! (bis)

Que vem trabalhar!

Pela estrada a fora,

É um cigano valente,

Vem trazendo a paz,

Com seu colar de ouro,

É um cigano guerreiro,

Para todos que aqui vem.

Sua pulseira dourada,

Que vem nos ajudar. (bis)

Sua saia rodada,

Com seu baralho na mão,

Ela sai a bailar.

Transmitindo paz,

O

seu vinho na taça,

Alegria e amor, Você me fascina,

Ela é a cigana, Para todos que tem fé.

Dança, dança cigana, Quero ver você dançar,

Você me irradia,

Espalhando seus mistérios,

És o cigano do amor

Salve, salve a cigana!

Na

dança que sabes dar.

Ao som do seu violino a to- car,

Salve, salve a cigana! Ela é a Cigana Salamanda,

Lua cheia! Lua cheia clareou, clareou,

Vem tirar toda a maldade,

Do povo do Oriente.

Lua cheia vai clarear, clare-

Toda feitiçaria que tem neste

ar,

lugar,

Mas ela vem de

As

estradas tão longas,

A lua brilha, a lua brilha, Sua estrela reluz, Santa Shara Kaliu,

É quem lhe conduz.

CIGANA DAS ROSAS 002

FEITIÇO DA CIGANA - 005

Cigana linda,

Do olhar feiticeiro, Cigana das Rosas Verme-

lhas,

Para a cigana dançar. Lua cheia (bis)

CABANA FLORESTAL - 007

Numa cabana florestal, Apareceu uma linda ciga-

na,

(bis)

Se eu colhesse todas as

O

Tem o feitiço,

seu perfume,

Vestida toda de ouro, Esperando seu amor chegar,

rosas,

De matar os feiticeiros.

E

de repente,

Que nascem nos mais lindos jardins,

Na sua cor,

Um cigano surgia, Com seu violino na mão,

Não teria a magia,

Ela transmite o amor,

Tocando sem parar,

Do perfume que você trans-

No seu perfume.

E

deu início para a festa

mite,

A

alegria de viver,

começar,

Em mim, oh cigana,

Oh cigana linda,

E

a cigana sorria,

Oh cigana. Com sua saia rodada,

Oh linda cigana, Ciganinha do amor.

Com o que ele dizia, Para o seu coração,

Enfeitada de várias cores,

És

a luz da minha vida,

Trazendo seus mistérios,

LUA CHEIA - 006

A

estrela que ilumina,

Que uma rainha possui,

O

meu viver,

Com todos os seus esplendo- res,

Com seu colar de ouro, Sua pulseira dourada,

Cigana ! Baila comigo faz a roda,

Oh cigana.

Sua saia rodada,

Com seu pandeiro e as cas-

Ela sai a bailar.

tanholas,

POVO CIGANO - 003

E eu canto pra você. (bis)

Harribá! Harribá! Meu povo cigano. (bis)

Dança, dança cigana, Quero ver você dançar, Espalhando seus mistérios,

CIGANA SONHADORA - 008

Na dança que sabes dar.

Ela saiu em busca,

Com suas carruagens a pas-

Lua cheia!

Mas em busca de um grande

sear,

amor,

Eles vão pela estrada a fora,

Lua cheia clareou, clareou,

Contemplando a natureza,

Vão cantarolando,

Lua cheia vai clarear, clare-

Para sua sorte encontrar,

Para o tempo passar,

ar,

As

folhas farfalhavam,

Mas a estrada é longa,

As estradas tão longas,

As

águas a rolar,

Até seu destino achar.

Para a cigana dançar.

As flores exalam seus per-

Meu povo,

Lua cheia! (bis)

fumes,

Meu povo cigano.

E

os pássaros a cantar

Quando acampam para des- cansar,

Com seu lenço colorido, Seu rosto lindo e belo,

Olhem só quanta emoção, Quando encontrou,

Fazendo suas fogueiras,

Transforma este teu mundo,

O seu grande amor,

Para trabalhar

Num mundo de paraíso.

É um cigano guerreiro,

Harribá!

Lua cheia!

Com sua espada na mão, Ele disse eu sou Fladimir,

Harribá! Harribá!

Lua cheia clareou, clareou,

12

Pois sou um cigano sonha-

dor,

PROTEÇÃO DE CIGANO -

Ela então me respondeu Sou a Cigana da Praia.

Por isso linda cigana, Não vivo sem o seu amor.

 

012

Brilha uma estrela, No céu, Me encantou um violino,

Encantado eu fiquei, Por muito tempo lhe procu-

CIGANA

CARMENCITA

-

rar,

009

Sei que abaixo de Deus, Só você é quem pode me

Cigano, cigano, cigano,

Numa noite linda,

 

A

estrela do Oriente,

ajudar,

Eu vi uma cigana, Com sua pulseira dourada,

E no seu peito um cordão,

Com seu pandeiro de fitas, Ela leu minha mão (Carmen- cita).

Deu-me tanta alegria, Eu jamais ei de esquecer deste dia, Existem duas estradas para

você,

Uma é de espinhos,

A outra é a escolher.

Guiou o seu destino. Santa Shara é amor ( é amor ), Minha estrada não sorria, Assim iluminou, Um amigo, um irmão, Ele tem bom coração, Estrela guia do Oriente, Ilumina este cigano valente.

LINDA CIGANA - 013

Vem linda cigana,

Traz sete rosas vermelhas,

Retirou toda mandinga, Toda feitiçaria, Que havia em cima de mim,

Se não fosse você linda ci-

gana,

Talvez fosse o meu fim.

Eu agradeço, Oh cigana querida,

Que estendeu para mim,

A mão amiga.

PODER

DOS

CRISTAIS

-

016

Oh cigana,

A noite está enluarada,

Ouvi um violino,

Oh cigana,

É na estrada a sua morada,

Da beira do mar,

Sei que você não me enga-

Seu pandeiro tocou,

Fiquei tão fascinado,

na,

E

lá no céu,

Procurei até encontrar,

Oh cigana.

Uma estrela te guiou,

Quando vi ao longe,

CIGANA SULAMITA - 010

Chegou formosa, Que irradia,

Um cigano de branco, Tocando sem parar,

Pra todos nós,

E

uma cigana,

Moça sua casa é a estrada,

A

sua alegria.

Muito faceira,

Sem lugar certo para ficar,

 

Cigana Carmelita,

Vive daqui pra li,

O

teu carinho,

A

cigana feiticeira.

Vive de lá pra cá, Com seu pandeiro de fita,

Que nos seduz, Traz da estrada,

Trazendo seus cristais na

E

um baralho pra jogar.

Fagulhas de luz.

mão,

Tem uma luz nos seus olhos,

De todas as cores,

Para ajudar,

CIGANA FORMOSA - 014

E

me dizia,

Quem lhe procurar. Esta cigana é tão bonita,

Cigana,

Qual deles me pertencia, Dizia também,

Estou falando da cigana Su- lamita.

Tão bonita e tão formosa, Do meu jardim tu és a rosa,

O

poder que eles tem. (bis)

É

brisa leve,

O

amarelo, a prosperidade,

CARMENCITA 011

Soprando por onde for,

O

lilás, a proteção,

Tem sua magia,

O

azul, transmite a paz,

Carmencita, Carmencita,

Seu perfume me seduz,

E

o verde, a saúde,

Eta cigana bonita.

Teu baralho me irradia.

O

rosa, me traz amor,

Muito grande é seu poder, Com a sua saia a rodar, Pelo caminhos da vida, Ela segue a cantar, Quando a lua é lua cheia,

Estando a fogueira a quei-

mar,

Espalha graça e beleza,

Cheiro de rosas no ar.

Carmencita, Carmencita, Eta cigana bonita. Tocando seu pandeiro, Faz uma roda formosa, Pergunta sua sinda, Onde estão as castanholas, Oh !

Cigana,

Sua tribo cantando, Santa Shara abençoando, Este encontro de paz.

Cigana,

É minha luz, minha alegria,

Não me canso de louvar,

Esta tribo noite e dia, Cigana.

CIGANA DA PRAIA - 015

Já era alta madrugada, Passando numa estrada, Eu vi uma cigana, Perguntei o nome dela,

Linda cigana, Sua proteção, Muito obrigado, Pela sua informação, Linda cigana, Sua proteção, Muito obrigado, Pela sua informação.