Você está na página 1de 3

Instituto Federal de São Paulo – Campus Sertãozinho

SÍNTESE

O lugar do estágio na formação de professores.

(Menga Ludke)

COMPONENTE:

Taís Gabriela Nogueira Cecílio

DISCIPLINA DOCENTE

OFPF1 Juliana Piunti


Resumo – O lugar do estágio na formação de professores

A formação de professores é apontada, por pais, mídia e a sociedade em geral, como uma
das causas da baixa qualidade da educação oferecida nas escolas. Parte dessa preocupação
vem do fato de que, a importância do desenvolvimento dos cidadãos vem dos professores.
Essa importância do professor para o desenvolvimento dos cidadãos, contrasta com a
precariedade do atendimento as necessidades em seu trabalho e em sua vida, que
poderiam tornar mais efetiva a sua ação educativa.

Do ponto de vista histórico, no Brasil se consolidou a configuração escolar que iria desde
o século XIX até o século XXI com as suas características básicas bastante conservadas,
desde a distribuição de alunos por turma até o tempo de aula.

O professor encarregado recebia sua educação na Escola Normal, desde meados do século
XIX, expandindo-se por todo o país, sendo responsável pela formação de nossos
professores da educação fundamental, com o embasamento de cunho pedagógico ou
didático, indispensável ao trabalho que o futuro professor iria realizar.

Porém, esta articulação foi extremamente difícil, como retrata diversos estudiosos, entre
eles, Anísio Teixeira. Foram várias tentativas para atender às duas exigências básicas.
Uma dessas foi a criação do Instituto de Educação, na década de 1930. Ao fim da década,
esses institutos passaram para o nível superior e deram origem aos cursos de licenciatura,
como o de Pedagogia. O que aconteceu foi que, esses cursos saíram da preocupação com
a preparação teórica e a iniciação à prática, e foram em direção a valorização das
disciplinas de conteúdo específico.

A respeito da profissão docente, observando o fator “profissão” em geral, um dos traços


mais decisivos para a caracterização de uma profissão é o seu reconhecimento pela
sociedade.

O magistério tem diferenças que o faz muito distinto de algumas profissões por traços e
princípios que apresentam em nossos dias. Pode ser marcado como um processo de
crescimento profissional de cada professor, em direção ao pleno desabrochar de suas
habilidades, e partir de uma formação bem cuidada e ao longo de uma carreira bem vivida.

É consensual que, é de extrema importância melhorar a formação dos professores, para


oferecer um ensino melhor às crianças e adolescentes na educação básica. A educação no
Brasil é precária, principalmente quando comparada a outros países, apesar das situações
não serem dignas de comparação, devido ao contexto histórico de cada país,
principalmente quando se leva em consideração o desenvolvimento de cada um. Contudo,
uma formação boa e a valorização do profissional da educação básica é o essencial para
o desenvolvimento de um país.

O trabalho do professor constitui o meio de realização da função educativa, tão essencial


para a sociedade e para o próprio professor. Olhar de perto o trabalho realizado pelo
professor pode ser uma complementação na formação do estudante do curso de
licenciatura, por meio de estágios e não apenas a sua efetivação.

O estágio está no centro do problema de articulação entre as duas dimensões básicas para
a formação de um professor.

Foram buscadas soluções para aproximar essas duas dimensões, conforme visto
principalmente nas décadas de 1930 e 1940, porém, a experiência não durou muito,
chegando à conclusão de que as escolas anexadas não representavam o comum das
escolas da rede, onde os futuros professores deveriam atuar.

Outras soluções e estudos tem sido tentados em questão da articulação entre a formação
teórica e prática, tendo o estágio como o ponto de confluência das dúvidas e críticas, e o
professor recém-formado como grande prejudicado nessa situação difícil.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

LUDKE, Menga. O lugar do estágio na formação de professores. Educação em


Perspectiva, Viçosa. v. 4, n. 1, p. 111-133, jan.-jun. 2013.
https://periodicos.ufv.br/ojs/educacaoemperspectiva/article/viewFile/6619/2725