Você está na página 1de 8

TEORIA DAS CORES

Vivência Pedagógica em Arte e Matemática

Prof. Rooney dos Santos Souza Corumbá, 15 de novembro de 2019

Definição de COR

É a propriedade de um objeto a qual é dependente do comprimento de onda da luz que


ele reflete, ou no caso de um corpo luminescente, o comprimento de onda da luz que ele
emite. Se, em qualquer dos dois casos supracitados, a luz for de um comprimento de
onda simples, a cor será vista como uma cor espectral pura, mas, se luz de dois ou mais
comprimentos de onda é emitida, a cor será misturada. Luz branca é uma mistura
equilibrada de todas as cores espectrais visíveis.

- http://www.gsfc.nasa.gov/IAS/handbook/handbook_htmls/appendices/glossary.html

Cores-luz

São as cores que provêm de uma fonte luminosa direta, estudadas mais detidamente na
área da Física, com vasto emprego na sociedade contemporânea. São elas que iluminam
as nossas vidas, como a luz do sol, a de uma vela, a de uma lâmpada ou a de uma
descarga elétrica. Sua tríade primária é constituída pelo vermelho, verde e azul-
violetado. A mistura proporcional das cores-luz produz o branco, em síntese
denominada aditiva.

Cores-pigmento opacas

São as cores de superfície de determinadas matérias químicas, produzidas pela


propriedade dessas matérias em absorver, refletir ou refratar os raios luminosos
incidentes. Sua tríade primária é composta pelo vermelho, amarelo e azul, cores que
em mistura proporcional produzem um cinza neutro escuro, o preto. Esse fenômeno é
denominado síntese subtrativa.

Cores-pigmento transparentes

São as cores de superfície produzidas pela propriedade de alguns corpos químicos de


filtrar os raios luminosos incidentes, por efeitos de absorção, reflexão e transparência,
tal como ocorre nas aquarelas, nas películas fotográficas e nos processos de impressão
gráfica em que as imagens são produzidas por retículas e por pontos nos processos
computadorizados.

- PEDROSA, Israel. O universo da cor. Rio de Janeiro: Ed. SENAC Nacional, 2003.
Classificação das cores

Cor geratriz ou primária

É cada uma das três cores indecomponíveis, que misturadas entre si em suas
proporções ideais, geram todas as outras cores existentes no espectro. Quando falamos
em cor-luz, as cores primárias são o vermelho, verde e azul. A mistura destas três luzes
colorida gera a luz branca.

Quando falamos em cor-pigmento, substâncias corantes opacas, as cores primárias são


o vermelho, o amarelo e o azul.

Cor secundária

É a cor formada em equilíbrio óptico por duas cores primárias, em proporções iguais. São
elas o laranja, o roxo e o verde.

Cor terciária

É a cor intermediária entre uma cor secundária e qualquer das duas primárias que lhe
dão origem. Ou seja, é a mistura de uma cor secundária com uma das cores primárias
que a formam.

Cor complementar

Toda cor tem uma outra que a complementa. Pegando o sistema de cores-pigmento
opacas para as cores primárias amarelo, vermelho e azul, teremos como cor
complementar o roxo, o verde e o laranja, respectivamente. Analisando esta relação,
notamos que a cor complementar de uma primária é a soma das outras duas primárias,
ou, a cor complementar de uma cor secundária é a terceira cor primária.

Cores quentes e frias


De acordo com a proporção de vermelho, amarelo, azul ou verde que as cores
contenham, elas podem ser classificadas em quentes ou frias.

Cores quentes

São consideradas cores quentes o vermelho e o amarelo, além de todas aquelas que
contêm uma predominância percentual de vermelho e/ou amarelo. As cores quentes são
em geral mais luminosas e colocam as áreas por elas preenchidas num plano mais á
frente. Por possuírem mais luminosidade, parecem ocupar uma área maior quando
colocadas ao lado de uma cor quente, que produz menos luminosidade.

Cores frias

São consideradas cores frias o azul e o verde, assim como todas aquelas que contêm
uma predominância percentual de azul e/ou verde. As cores frias em geral são menos
luminosas e colocam as áreas por elas preenchidas num plano mais atrás. Por possuírem
menos luminosidade, parecem ocupar uma área menos quando colocadas ao lado de
uma cor fria, que produz mais luminosidade.

https://docplayer.com.br/15219234-Fenomeno-fisico-como-a-cor-acontece.html
Escala de Cor Pigmento Opaco
EXERCÍCIO 1

CORES PRIMÁRIAS

Az

Am Vm

Preencha os hexágonos com as cores indicadas abaixo:

Az = Azul 100%

Am = Amarelo 100%

Vm = Vermelho 100%
Escala de Cor Pigmento Opaco
EXERCÍCIO 2

CORES SECUNDÁRIAS

Az

Vd Rx

Am Vm

Lj

Preencha os hexágonos com as cores indicadas nas misturas abaixo:

Az = Azul 100% Vd = Verde 100% = Az 100% + Am 100%

Am = Amarelo 100% Rx = Roxo 100% = Az 100% + Vm 100%

Vm = Vermelho 100% Lj = Laranja 100% = Am 100% + Vm 100%


Escala de Cor Pigmento Opaco
EXERCÍCIO 3

CORES TERCIÁRIAS

AzVd AzRx

Az

Vd Rx

AmVd VmRx

Am Vm

Lj

AmLj VmLj

Preencha os hexágonos com as cores indicadas nas misturas abaixo:

PRIMÁRIAS SECUNDÁRIAS

Az = Azul 100% Vd = Verde 100% = Az 100% + Am 100%

Am = Amarelo 100% Rx = Roxo 100% = Az 100% + Vm 100%

Vm = Vermelho 100% Lj = Laranja 100% = Am 100% + Vm 100%

TERCIÁRIAS

AzVd = (Azul + Azul) 100% + Amarelo 100% = 2 ₓ Azul + Amarelo

AzRx = (Azul + Azul) 100% + Vermelho 100% = 2 ₓ Azul + Vermelho

AmVd = (Amarelo + Amarelo) 100% + Azul 100% = 2 ₓ Amarelo + Azul

VmRx = (Vermelho + Vermelho) 100% + Azul 100% = 2 ₓ Vermelho + Azul

AmLj = (Amarelo + Amarelo) 100% + Vermelho 100% = 2 ₓ Amarelo + Vermelho

VmLj = (Vermelho + Vermelho) 100% + Amarelo 100% = 2 ₓ Vermelho + Amarelo


Efeitos Cromáticos
Monocromia, Policromia, Tonalidade e Matiz

Monocromia
É a variação tonal de apenas uma cor que varia para o seu tom mais claro quando
misturada em proporções de branco, ou para o seu tom mais escuro quando misturada
em proporções de preto.

EXERCÍCIO 4
Preencha cada parte numerada, conforme as quantidades de partes de tinta.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Misturas
1 = Preto (5)
2 = Preto (4) + Amarelo (1)
3 = Preto (3) + Amarelo (2)
4 = Preto (2) + Amarelo (3)
5 = Preto (1) + Amarelo (4)
6 = Amarelo (5)
7 = Amarelo (4) + Branco (1)
8 = Amarelo (3) + Branco (2)
9 = Amarelo (2) + Branco (3)
10 = Amarelo (1) + Branco (4)
11 = Branco (5)

Tonalidade
É a variação tonal de apenas uma cor que pode ser conseguida num processo de escala
ou degradé.

EXERCÍCIO 5
Preencha cada parte numerada, conforme as quantidades de partes de tinta.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Misturas
1 = Vermelho (10)
2 = Vermelho (9) + Branco (1)
3 = Vermelho (8) + Branco (2)
4 = Vermelho (7) + Branco (3)
5 = Vermelho (6) + Branco (4)
6 = Vermelho (5) + Branco (5)
7 = Vermelho (4) + Branco (6)
8 = Vermelho (3) + Branco (7)
9 = Vermelho (2) + Branco (8)
10 = Vermelho (1) + Branco (9)
11 = Branco (10)
Escalas
Escala de saturação
No exercício abaixo o processo começa com a cor pura. Utilizaremos o azul
como exemplo, bastante saturada, e a partir da mistura com cinza, chega-
se gradualmente a um cinza neutro.

EXERCÍCIO 6
Preencha cada parte numerada, conforme as quantidades de partes de tinta.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Misturas
1 = Azul (10)
2 = Azul (9) + 1 [Preto (5) + Branco (5)]
3 = Azul (8) + 2 [Preto (5) + Branco (5)]
4 = Azul (7) + 3 [Preto (5) + Branco (5)]
5 = Azul (6) + 4 [Preto (5) + Branco (5)]
6 = Azul (5) + 5 [Preto (5) + Branco (5)]
7 = Azul (4) + 5 [Preto (5) + Branco (5)]
8 = Azul (3) + 5 [Preto (5) + Branco (5)]
9 = Azul (2) + 5 [Preto (5) + Branco (5)]
10 = Azul (1) + 5 [Preto (5) + Branco (5)]
11 = Preto (5) + Branco (5)

Escala de valor
É o processo que dá brilho ao azul, por exemplo, por mistura com o branco,
processo conhecido por dessaturação e tira o brilho do azul por mistura com
o preto, processo conhecido por rebaixamento.

EXERCÍCIO 7
Preencha cada parte numerada, conforme as quantidades de partes de tinta.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Misturas
1 = Vermelho (1) + Branco (9) 11 = Vermelho (9) + Preto (1)
2 = Vermelho (2) + Branco (8) 12 = Vermelho (8) + Preto (2)
3 = Vermelho (3) + Branco (7) 13 = Vermelho (7) + Preto (3)
4 = Vermelho (4) + Branco (6) 14 = Vermelho (6) + Preto (4)
5 = Vermelho (5) + Branco (5) 15 = Vermelho (5) + Preto (5)
6 = Vermelho (6) + Branco (4) 16 = Vermelho (4) + Preto (6)
7 = Vermelho (7) + Branco (3) 17 = Vermelho (3) + Preto (7)
8 = Vermelho (8) + Branco (3) 18 = Vermelho (2) + Preto (8)
9 = Vermelho (9) + Branco (1) 19 = Vermelho (1) + Preto (9)
10 = Vermelho (10) 20 = Preto (10)
Conceitos Básicos de Matemática
É importante utilizar um recurso que sirva de medida padrão para fazer as misturas,
como o uso de conta-gotas, colher, dosador etc., de tal modo que se utilize apenas um
para definir as quantidades de todas as cores de tinta a serem trabalhadas, para que as
atividades atinjam o resultado desejado.

Soma
Quando definimos a quantidade de partes de cores de tinta a serem somadas e
misturadas, para fazer uma nova cor. Por exemplo, quando adicionamos 5 partes de
preto a 5 partes de branco para obter o cinza neutro, na escala de saturação do
exercício 6.

Subtração
Quando trabalhamos o conceito de reduzir a quantidade de determinada cor de tinta em
uma mistura, de tal modo que possamos comparar os resultados entre as partes
adicionadas e as subtraídas.

Por exemplo, ao reduzir a quantidade de amarelo e adicionar partes de azul para


observar os nuances de verde, como no exercício 3.

Proporção
Quando trabalhamos com a quantidade de partes de tintas de forma proporcional,
considerando o total de partes de uma cor de referência inicial como 100%, e a
quantidade partes de outra cor que serão utilizadas na mistura, mantendo a soma da
quantidade das partes em uma mistura proporcional.

Por exemplo, no exercício 4, quando consideramos que 10 é a quantidade total de partes


das tintas, e passamos a combinar, por adição e subtração, a proporção das cores para
obter o efeito degradê em uma mistura monocromática.

Fração ou divisão
Quando trabalhamos a ideia de proporção podemos exemplificar pelo uso da quantidade
de partes iguais de tinta em relação à quantidade necessária para produzir uma nova
cor, que passará a ser tratada como um todo. Por exemplo, no exercício 5, o total de
partes para formar as novas cores é igual a 5.

Assim, quando somamos as partes para a mistura nº 4, temos que utilizar 7 partes do
vermelho com 3 partes do branco, na verdade estamos utilizando 7/10 de vermelho
mais 3/10 de branco, para obter uma tonalidade de rosa.

O mesmo exemplo se aplica na monocromia, no exercício nº 4, quando consideramos o


todo, todas as partes, igual a 5, e na mistura nº 5 utilizamos 1/5 de preto mais 4/5 de
amarelo, para formar um tom levemente escuro do amarelo,

Multiplicação
Na escala de saturação do exercício 6, será necessário preparar a quantidade suficiente
de tinta na cor cinza neutro, para atender às misturas propostas. O cinza neutro será a
cor padrão para realizar as demais misturas. Por isso, as proporções de preto e branco
são sempre iguais, e o que varia é a quantidade da cor azul.

Você também pode gostar