Você está na página 1de 3

Dia 10/09/06

Último culto no templo da Rua Monte Castelo

Boa Noite!
Estamos numa noite, num domingo especial. Se tudo der certo, à partir do próximo
domingo, dia 17, estaremos nos mudando para nosso novo templo. Quanto a esse templo,
onde estamos nessa noite, de acordo com a decisão de nossa assembléia, será vendido, e de
qualquer forma, cada vez menos viremos até aqui. Estamos portanto em uma época de
mudança, de renovação em nossa igreja.
Épocas de mudança levam a pararmos e pensarmos. Pensarmos no futuro, no que
desejamos para nossa igreja nessa nova fase que começaremos com essa mudança.
Pensarmos também, por que não, no passado, em tudo que já vivemos nesse lugar.
Foi numa época de mudanças que um dos livros da Bíblia foi escrito, numa época
em que um novo tempo estava para começar. Antes do povo de Israel entrar na Terra
Prometida, Canaã, nas planícies do Jordão, Moisés falou a Israel. As palavras que ele disse
formaram o livro de Deuteronômio, um dos principais livros do Antigo Testamento. Se
uma palavra fosse usada para sintetizar o que diz esse livro, essa palavra seria Lembrança.
Moisés relembrou tudo quanto ocorrera com aquele povo e relembrou também o que Deus
já lhe tida dito. Ele via uma grande importância em fazer isso, para que o povo não se
esquecesse de Quem o havia trazido até ali, de tudo que haviam recebido até então.
Não eram pequenas as vitórias que Israel havia conseguido até então. Deixado de
ser escravos no Egito; tinham visto grandes sinais de Deus: o Mar Vermelho ser aberto,
águas amargas serem transformadas em águas agradáveis para se beber, pedras no meio do
deserto jorrarem água, foram alimentados pelo pão que caia do céu, suas roupas e calçados
não se envelheceram diz a Palavra; tinham já sua terra na Transjordânia. Porém ainda havia
grandes desafios pela frente, grandes conquistas a realizar. Num momento como esse era
necessário, mas que nunca se voltar para Deus e relembrar tudo que este já havia feito seria
importante para que o povo não se desanimasse como 40 anos antes fizera.
Em outros textos da Palavra temos pessoas que recordaram do passado. O primeiro
deles que leremos é Salmos 77.11:
“Recordo os feitos do Senhor, pois me lembro de suas maravilhas da
antiguidade”
Se lermos com atenção esse salmo, veremos que este versículo é importante nesse
salmo. Talvez seja o versículo mais importante inclusive. O salmo começa com um clamor
da parte do salmista: “Lembro-me de Deus e passo a gemer; medito, e me desfalece o
espírito”. Porém a partir desse momento, quando o salmista relembra os feitos do Senhor,
ele muda totalmente aquilo que está escrevendo. Ele adquire confiança para o presente e
para o futuro e passa a louvar o Senhor dizendo: “Que Deus é tão grande como o nosso
Deus? ”. Este é o efeito de recordarmos os feitos de Deus. Somente Deus, o Único e
Poderoso, pode fazer reais mudanças, mudanças profundas e para melhor nas vidas das
pessoas.
Outro texto que fala sobre recordações é Lamentações 3.21:
“Quero trazer a memória o que me pode dar esperança”.
Como vemos pelo título do livro, Lamentações, esse é um livro de clamor como era
o início do Salmo 77. Jerusalém tinha sido destruída em 586 A.C.. O cenário era
devastador: cidade destruída, o Templo do Senhor tinha sido derrubado e todos os pertences
deste levados, a Arca do Senhor – símbolo da sua presença com Israel – tinha desaparecido
durante a destruição da cidade, a realeza e as pessoas mais importantes da cidade tinham
sido levadas para o exílio. No entanto, mesmo nesse cenário devastador havia recordações
capazes de trazer esperança.
Vemos, portanto, dois cenários onde as recordações foram importantes: um, onde as
vitórias estavam vivas na memória, no coração daquele povo preste a entrar na terra que
lhes havia sido prometido; outro, de desolação, no coração do salmista abatido pelas
dificuldades e de Jeremias, frente à cidade e seu povo destruído. No entanto, em ambos
caso lembrar-se das obras de Deus no passado trouxe alegria e esperança.
Como já disse antes, também vivemos numa época de mudanças. Talvez nossa
alegria não seja tão grande quanto à da maioria das pessoas de Israel naquele momento.
Não há por outro lado no coração de ninguém aqui desespero como o que vivia Jeremias.
Porém, todos temos também recordações. Recordações de momentos de alegrias e também
de momentos de tristezas. E temos também recordações em relação a nossa igreja, e quanto
a esse templo, que deixaremos para trás.
Aproveitando a oportunidade que temos do possível ultimo culto de domingo à
noite nesse templo, relembremos também dos momentos que tivemos nesse templo.
Alguns aqui terão mais lembranças. Lembrar-se-ão talvez até dos primeiros cultos e
momentos nesse templo, quando ele bem diferente do que é hoje. Outros terão menos
lembranças, talvez não se lembrem dos bancos velhos dessa igreja, de quando a parede não
era pintada de amarelo e a tinta anterior estava se soltando da parede. Mas todos aqui têm
alguma lembrança guardada desse lugar.
Pelas minhas contas, devo ter vindo até esse lugar umas 5000 vezes. Levando em
conta que tenha ficado cada vez que vim 1 hora e meia, são 7500 horas. Isso equivale a 312
dias, ou 10 meses e 6 dias. É como se tivesse ficado quase um ano da minha vida direto
sem sair dessa igreja. Existem aqui pessoas que ficaram ainda muito mais tempo aqui.
Existem ainda pessoas que passaram menos tempo. No entanto, menos ou mais todos têm
lembranças desse templo, do que aqui aconteceu.
Comecemos pelas lembranças felizes. Cultos e reuniões onde entramos felizes e
podemos aprender um pouco mais, ouvir a voz de Deus, louvar seu Nome, estar em
comunhão uns com os outros. Podemos nos lembrar de alguns cultos especiais também.
Comemorações de dia das mães, dia dos pais, aniversários da Igreja, cultos de natal. Desses
dias nos lembramos de apresentações do coral, das crianças e adolescentes. Da época das
peças e jograis, do coral Pingos de Luz, e agora do KK. Tivemos também alguns cultos de
virada de ano, e de anos que foram importantes para muitas das pessoas aqui. Já tivemos
também casamentos realizados aqui (além dos que começaram por aqui...). Tivemos
também batizados. E batizados de filhos dos casamentos que já falamos. Aqui tivemos
momentos engraçados, juntos podemos dar risadas. Conhecemos muitas pessoas aqui.
Pessoas importantes e amigos que lembraremos sempre. A maior lembrança que tenho e
outras pessoas aqui têm, porém, é que foi aqui que conheci a Jesus, e essa lembrança é a
maior que tenho, não apenas sobre esse lugar.
Lembremos também que houve momentos tristes. Não vou ficar citando estes. Mas
lembremos que algumas vezes entramos tristes e preocupados nesse lugar. E muitas destas
vezes saímos melhores daqui. Lembremos, porém, dos momentos difíceis sem rancor ou
mágoa. Deixemos o rancor e mágoa nesse templo, pra trás. Lembremos dos erros
cometidos, mas para fazer diferente em situações parecidas. Esqueçamos, porém, os erros
que outros cometeram contra nós. Afinal, como a Palavra diz: “Que homem há que viva e
não peque”.
Recordemos de tudo isto, porém, para criarmos esperanças e forças nessa nova fase
que vamos começar. Lembremos das maravilhas que Deus tem feito em nossas vidas, e na
nossa vida como igreja também, entre elas de podermos nos mudar para um templo muito
maior. Muito mais importante que mudar de templo, porém, é mudar de vida. Lembremos
acima de tudo: “Que Deus é tão grande como nosso Deus?”.

Interesses relacionados