Você está na página 1de 2

3. O ponto onde os raios emergentes se cruzam é o chamado ponto focal da lente.

Experimento 9 – Lentes Côncavas e Convexas Meça a distância focal, estimando sua incerteza, e anote este valor na tabela 1.
Introdução Lembre-se que a distância focal é medida deste o centro da lente até o ponto focal.
4. Repita o procedimento com a lente côncava. Note que no passo 3, os raios que
Quando raios luminosos paralelos passam através de uma lente delgada, eles emergem emergem da lente são divergentes e não se cruzam. Use uma régua para traçar os
convergentes ou divergentes. O ponto onde os raios convergentes (ou seus prolongamentos) prolongamentos destes raios emergentes até se encontrarem atrás da lente. O ponto
cruzam é chamado ponto focal da lente. A distância focal de uma lente corresponde distância focal, neste caso, é aquele onde os prolongamentos destes raios luminosos se
do centro da lente até o ponto focal. Se os raios divergem, a distância focal é negativa. cruzam. Lembre-se que, de acordo com a convenção de sinais, este número é
negativo.
Objetivo
Tabela I
Neste experimento, será explorada a diferença entre as lentes côncavas e convexas e serão Lente Distância focal Incerteza
medidas suas distâncias focais, estimando suas respectivas incertezas. Convexa
Côncava
Material utilizado

- fonte de luz 5. Posicione as lentes côncava e convexa juntas, e coloque-as no caminho dos raios
- lentes côncava e convexa paralelos, como mostra a figura 2. Trace os raios incidentes e refletidos.
- régua
Questão 1. Os raios luminosos emergentes convergem, divergem ou são paralelos?
Metodologia
Questão 2. Demonstre que duas lentes justapostas (conforme mostra a figura 2)
1. Coloque a fonte de luz no modo “raios luminosos” sobre uma folha branca de papel possuem vergência V = 1/f = 1/f1 + 1/f2.
selecionando três raios luminosos. A incidência dos raios luminosos sobre a lente Para isso calcule a posição imagem p1’ em função de p1 e f1. Depois, utilize a
deve ser feita como mostra a figura 1. (Observação: as lentes usadas neste posição da imagem que seria formada pela lente 1, p1’, como objeto (virtual ou real,
experimento têm uma borda plana. Coloque esta borda plana sobre o papel, evitando dependendo se a imagem se forma antes ou depois da primeira lente) para a lente 2.
que a lente fique instável). Calcule p2’. Observe que a equação final pode ser escrita na forma 1/f = 1/p + 1/p’,
como se as lentes justapostas formassem uma única lente com distância focal f.
(Informação: Vergência é definida como o inverso da distância focal. Sua unidade é
o di = 1 m-1 (dioptria) V = 1/f)

Questão 3. Como o resultado da questão 2 pode ser usado para explicar o que foi
observado na questão 1, e sobre a relação entre as distâncias focais destas duas
lentes?

Figura 1 – Raios luminosos incidentes em uma lente convexa.

2. Usando uma lapiseira de ponta fina, trace em torno da superfície da lente. Trace
também os raios incidentes e transmitidos, indicando de forma apropriada os raios
incidentes e emergentes com setas em seus sentidos corretos. (Dica: marque dois
pontos em cada raio incidente e refletido. Depois que a lente for retirada e a fonte de
luz desligada, é só ligar os pontos.)
Figura 2 – Raios luminosos incidentes em uma combinação de lentes côncava e convexa.
6. Separe as duas lentes por alguns centímetros e observe o efeito sobre os raios
emergentes. Agora troque a ordem das lentes. Trace os raios luminosos em ambos os
casos.

Questão 4. Qual o efeito de mudar distância entre as lentes?

Questão 5. Qual o efeito de reverter suas posições?

Questão 6. Demonstre que para um sistema de duas lentes afastadas por uma
distância d (conforme foi pedido no item 6) a distância focal anterior – d.f.a. -
(definição: distância do vértice do primeiro dioptro do sistema ao foco objeto.) e a
distância focal posterior – d.f.p. (distância do vértice do último dioptro do sistema
ao foco imagem) são dadas respectivamente por:

1 d  ( f1  f 2 )
 d.f.a.
f anterior f1 (d  f 2 )
Onde foi considerado que p’2 tende para infinito, fazendo com que p1 se torne fanterior.

1 d  ( f1  f 2 )
 d.f.p.
f posterior f 2 (d  f1 )
Onde foi considerado que p1 tende para infinito, fazendo com que p’2 se torne
fposterior.

Questão 7. A partir do resultado obtido na questão 6, tente explicar o que foi


observado nas questões 4 e 5.

Questão 8. A partir da questão 6, mostre que as distâncias focais anterior e posterior


se tornam idênticas quando a distância entre as lentes é nula (lentes justapostas),
conforme foi demonstrado na questão 2.