Você está na página 1de 1

As regras do método sociológico

 Conceitos fundamentais:
o Fato social:
 Exterioridade
 Ação coercitiva
 Generalidade
o Da observação dos fatos sociais:
 Tratar os fatos sociais como coisas:
 Afastar as prenoções;
 Tomar como objeto de investigação um grupo de fenômenos
previamente definidos; em outras palavras: definir o objeto;
 Isolar os fatos de suas manifestações individuais, pois, os
fatos sociais são mais possíveis de ser objetivamente
representados quanto mais completamente libertos estão dos
fatos individuais que os manifestam.
 Distinguir entre o normal e o patológico:
 Patológico – Assim como a doença, é acidental e transitório.
 Normal – Um fato que possui generalidade e cumpre uma função
social.
o Constituição dos tipos sociais:
 “Um fato social só pode ser qualificado de normal ou anormal em
relação a uma espécie social específica”.
 Historiadores: Cada povo tem sua fisionomia específica, seu
direito, sua moral, sua organização econômica. Sociedades
históricas.
 Filósofos: Cada grupo não passa de uma combinação dos grupos
anteriores, não possuem realidade. Só a humanidade é real.
Humanidade.
 Para Durkheim: Intermediários entre a humanidade e o
estabelecimento de sociedades históricas, tempos históricos:
as espécies sociais.
o Morfologia Social:
 Horda – Clã – Aldeias – Cidades...
 De modo geral: “classifica-se as sociedades
segundo o grau de composição que apresentam,
tomando como base a sociedade perfeitamente
simples ou de segmento único”.
o Da explicação dos fatos sociais:
 Não se explica apenas pela função. “Há mesmo casos em que um costume
ou uma instituição social mudam de funções sem por isso mudarem de
natureza”.
 Investigar separadamente a causa e a função de determinado fenômeno.
E determinar se existe correspondência entre o fato e as
necessidades gerais do organismo social.
 Crítica à Comte e Spencer em seus métodos. Limitação.
 “A causa determinante de um fato social deve ser procurada entre os
fatos sociais antecedentes e não nos estados da consciência
individual”, em outras palavras, um fato social só pode ser
explicado por um outro fato social.