Você está na página 1de 10

FORMULÁRIOS PARA

APLICAÇÃO DO

SISTEMA APPCC
FORMULÁRIO A

IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

Razão Social: ____________________________________________________

Endereço: _______________________________________________________

CEP: _______________ Cidade: ________________ Estado:____________

Telefone: _______________________________ Fax: _________________

C.G.C.:____________________________ I.E.: _______________________

Responsável Técnico: _____________________________________________

Supervisor do programa de segurança:_________________________________

Identificação do produto agrícola (como é expedido pela fazenda):

Destino e finalidade de uso da produção:


FORMULÁRIO B

ORGANOGRAMA DA PROPRIEDADE/EMPRESA

Produtor/Gerente

Coordenador do

Programa de Segurança

Responsável pela propriedade/empresa que deve estar


comprometido com a implantação do programa de segurança,
analisando-o e revisando-o sistematicamente, em conjunto
com o pessoal de nível gerencial.

Responsável pelo gerenciamento da produção/processo,


participando da revisão periódica do Plano junto à Direção
Geral.
Responsável pela elaboração, implantação, acompanhamento,
verificação e melhoria contínua da produção/processo; deve
estar diretamente ligado à Direção Geral.
FORMULÁRIO C

EQUIPE APPCC/EQUIPE DO PROGRAMA DE SEGURANÇA

Nome Função na empresa

DATA: _____________ APROVADO POR: _________________________

Fonte: extraído e adaptado da Portaria 46 de 10/02/1998 do M.A.A.


FORMULÁRIO D
CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO/PROPRIEDADE

Produto agrícola: __________________________________________________

Lote: _____________

Data da produção final do lote:___________________

Características importantes do Produto Final: (pH, Aw, umidade, °Brix, etc.):

Umidade: _____________

Aw: ______________

Brix:

Outras (especificar):_________________

Classificação: _____________

Forma de uso do produto pelo consumidor ou usuário:

_________________________________________________________________

Características da embalagem:

_________________________________________________________________

Local de venda do Produto:

_________________________________________________________________

Instruções contidas no rótulo:

_________________________________________________________________

Controles especiais durante distribuição e comercialização:

_________________________________________________________________

DATA: _________________ APROVADO POR: ____________________________

Fonte: Portaria 46 de 10/02/1998 do M.A.A.


FORMULÁRIO E

INSUMOS USADOS NA PRODUÇÃO PRIMÁRIA

INSUMOS USADOS NA PRÉ-COLHEITA

Tipo de solo:_________________________________

Adubo:______________________________________

Tipo de água para irrigação:_______________________________________

Agroquímicos:_______________________________

Outros (especificar)___________________________

INSUMOS USADOS NA PÓS-COLHEITA

Tipo de água para lavagem:______________________________

Impermeabilizante da superfície:________________

Aditivos:__________________________________

Embalagem:_______________________________

Outros (especificar):_______________________________

________________________________________________

Extraído e adaptado da Portaria 46 - MAA


5.1 ANÁLISE DE PERIGOS
5.1.1 Etapa Pré Colheita
Etapas do Perigos Justificativa Risco Severidade Medidas preventivas
processo
Plantio Não identificado - - -
Perigo biológico: Utilização de adubo orgânico Alto Média Compostagem correta do adubo
microrganismos não tratado. orgânico.
patogênicos
Certificado do fornecedor.
Manejo Cultural -
Adubação
Perigo químico: metais Utilização de adubo químico Médio Média Certificação de análise do adubo
pesados de má qualidade ou com uso
inadequado
Perigo biológico: Água de irrigação Alto Média Utilização de água tratada ou de fontes
microrganismos contaminada com níveis seguras.
patogênicos inaceitáveis de
microrganismos patogênicos
Perigo químico metais Utilização de adubo químico Alto Media Certificação de análise do adubo
Manejo Cultural -
pesados e agrotóxicos de má qualidade ou com uso
Irrigação
inadequado na fertirrigação e; Obediência ao receituário agronômico e
ou de agrotóxicos em doses programa de BPA
excessivas ou não
observação do período de
carência.
Manejo Cultural – Não identificado
Outras práticas
Perigo químico: resíduos Uso indevido de agrotóxicos Alto Alta Obediência ao receituário agronômico e
de agrotóxicos. (produto não permitido, programa de BPA
carência não observada e
Manejo Cultural -
dosagem excessiva).
Tratamentos
Perigo biológico: Água de preparo de Médio Média Utilização de água tratada ou de fontes
fitossanitários
microrganismos agrotóxicos contaminada com seguras.
patogênicos níveis inaceitáveis de
microrganismos patogênicos.
5.1.1 Etapa Pré Colheita (Continuação)
Etapas do Perigos Justificativa Risco Severidad Medidas preventivas
processo e
Colheita Perigo biológico: Falta de higiene dos Alto Média Treinamento dos manipuladores em
microrganismos manipuladores. higiene pessoal.
patogênicos
Caixas de colheita e utensílios Programa de limpeza e sanificação de
sujos. utensílios e caixas de colheita.

Água de limpeza Utilização de água tratada ou de fontes


contaminada. seguras.
5.1 ANÁLISE DO PERIGO
5.1.2 Etapa Pós-Colheita
Etapas do Perigos Justificativa Risco Severidad Medidas preventivas
processo e
Transporte para a Perigo biológico: Utilização de veículos de Alto Média Programa de limpeza e sanificação dos
empacotadora microrganismos transporte (carroções) ou veículos e caixas de colheita.
patogênicos caixas de colheita sujos ou
empregados para outras Utilização os veículos (carroções)
finalidades. somente para transporte de frutos.

Água de limpeza das caixas Utilização de água tratada ou de fontes


de colheita e dos veículos seguras.
(carroções) contaminada.
Recepção Perigo biológico: Falta de higiene dos Alto Média Treinamento dos manipuladores em
microrganismos manipuladores na recepção. higiene pessoal.
patogênicos.
Equipamentos e utensílios de Programa de limpeza e sanificação dos
transporte e recepção sujos e equipamentos e utensílios transporte e
contaminados. recepção.
Limpeza Perigo biológico: Falta de higiene dos Alto Média Treinamento dos manipuladores em
microrganismos manipuladores na limpeza. higiene pessoal.
patogênicos.
Tanque de lavagem e Programa de limpeza e sanificação dos
utensílios sujos e equipamentos e utensílios.
contaminados.
Utilização de água limpa e tratada,
Água de limpeza renovada periodicamente e sem
contaminada. excesso de matéria orgânica.

A temperatura da polpa do fruto não


deve ser superior em 10oC da
temperatura da água de limpeza.
Seleção e Perigo biológico: Falta de higiene dos Alto Média Treinamento dos manipuladores em
classificação microrganismos manipuladores na seleção. higiene pessoal.
patogênicos
Esteira de seleção suja. Programa de limpeza e sanificação das
esteiras.
5.1.2 Etapa Pós-Colheita (Continuação)
Etapas do Perigos Justificativa Risco Severidade Medidas preventivas
processo
Embalagem Perigo biológico: Falta de higiene dos Alto Média Treinamento dos manipuladores em
microrganismos manipuladores na higiene pessoal.
patogênicos embalagem.
Armazenamento de embalagens de
Embalagem contaminada por acordo com BPF.
armazenamento inadequado.
Perigo físico: pedaços de Presença de materiais Baixo Baixa Treinamento dos manipuladores em
madeira, vidro, metal, estranhos provenientes da Boas Práticas de Fabricação (BPF).
areia. colheita, transporte e
embalagem.
Tratamento Perigo químico: resíduos Uso indevido de fungicidas Médio Media Obediência ao receituário agronômico e
pós-colheita de fungicidas. (produto não permitido, programa de BPF.
dosagem excessiva).
Pré-resfriamento Perigo biológico: Ante-Câmaras mal Médio Média Programa de limpeza e sanificação das
microrganismos higienizadas. antecâmaras e dutos de ventilação.
patogênicos
Contaminação por acesso de Programa de controle integrado de
pragas, pássaros, roedores e pragas e outras práticas de B PF.
insetos.

Dutos de ventilação mal


higienizados.
Armazenamento Perigo biológico: Câmaras mal higienizadas Médio Media Programa de limpeza e sanificação das
microrganismos câmaras e dutos de ventilação.
patogênicos Proliferação de patógenos
pelo controle deficiente das Programa de Boas Praticas de
condições de armazenamento Fabricação - B PF.

Controle deficiente das Controle das condições de


condições de armazenamento armazenamento