Você está na página 1de 18

1

SUMÁRIO

Pág.3 Introdução
Pág.4 Legislação
Pag.6 Diferença entre ponto manual, cartográfico e eletrônico
Pag.7 Obrigatoriedade
Pag.9 Vantagens e desvantagens
Pag.11 Principais marcas de relógio disponíveis no mercado
Pag.12 Principais relógios de ponto
Pag.18 Conclusão

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

3
INTRODUÇÃO:
Sua empresa precisa ter dados para mensurar seu desempenho e isso só é possível se a
jornada de trabalho for controlada, garantindo avaliações das rotinas e definição de estratégias.
Ao mesmo tempo, permite que os órgãos competentes comprovem se as ações trabalhistas
estão de acordo com a lei.

Quando o assunto é melhorar processos organizacionais, as empresas buscam métodos para


facilitar as rotinas diárias e garantir resultados mais eficazes.

Diante dessa realidade, uma das soluções que surgiu e ganhou destaque no mercado foi a
utilização do registro da jornada de trabalho através do ponto eletrônico.

A finalidade não é apenas controlar as horas de expediente, e sim criar uma relação clara entre
as partes envolvidas: empregado e empregador, gerindo corretamente o ambiente de trabalho.

Indiscutivelmente, o registro por meio do ponto eletrônico é um presente que a tecnologia traz
para o mercado de trabalho, mas é necessário entender melhor suas características, suas
finalidades, e acima de tudo, entender como praticar através dele as exigências legais do
Ministério do Trabalho (MTE).

Pensando em auxiliar as empresas, criamos este guia com as principais orientações e


informações sobre o registro por ponto eletrônico.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

3
LEGISLAÇÃO Seu objetivo é garantir meios mais eficazes de monitoramento da jornada de
trabalho, instituindo regras mais rígidas de registro e controle.

Uma questão muito importante dessa relação é a jornada de trabalho. A legislação definiu a forma que os dados gerados pelo sistema devem ser
Existe para o empregador a obrigatoriedade do registro de ponto em tratados. Assim, nenhuma modificação, alteração ou anulação é permitida.
todas atividades realizadas por seus trabalhadores, adotando livros, Com toda certeza esse controle e comprovação faz com que empregador e
fichas ou sistema eletrônico. O ponto sempre foi motivo de conflito e de empregado saiam beneficiados pelas novas orientações jurídicas.
muitos processos trabalhistas, pois sem mecanismos confiáveis
proporciona fraudes e ajustes indevidos. A Portaria 1510/2009 exigiu investimentos altos com tecnologia, gerando
discussões para criar alternativas mais baratas que sigam a lei. Em 2011, a
O Ministério do Trabalho, por meio da Consolidação das Leis do Trabalho Portaria 373 do MTE flexibilizou o ponto eletrônico, possibilitando adotar
(CLT) e de outras leis trabalhistas, traz diversas regras que devem ser sistemas alternativos de controle de ponto. Entretanto, é indispensável que
obedecidas, tanto pelo empregador quanto pelo empregado. A fim de esse sistema de registro tenha sido aprovado por Convenção ou Acordo
amenizar os problemas e trazer melhorias, tornou-se necessário criar Coletivo de Trabalho. A empresa é obrigada a disponibilizar para a consulta
normas que respaldem todo o registro de trabalho. dos empregados todas as informações que possam modificar a folha de
pagamento mensal.
Visando melhorias no dia a dia trabalhista, o uso do ponto eletrônico
passou a ser uma alternativa para registrar as horas trabalhadas, mas Ao implantar sistemas alternativos eletrônicos, as empresas devem ter seus
ainda gera muitas dúvidas para todos. dados disponíveis no local de trabalho, permitindo assim, a identificação de
todas as partes e a consulta das marcações de ponto feitas, através de uma
Pensando nisso, o uso obrigatório do dispositivo de ponto eletrônico foi central de dados.
instituído pela Portaria 1510/2009 (“Lei do Ponto Eletrônico”). Desta
forma, regulamenta a maneira correta de registro das entradas e saídas Com isso, foi possível desenvolver novas tecnologias que facilitam o controle
dos empregados, através de um relógio eletrônico (REP), criando modelos da jornada dos colaboradores e otimizar o trabalho do RH. Regulamentar
e instituindo informações que o comprovante de ponto deve conter, abre portas para sistemas alternativos mais modernos e eficientes, como
implantado em empresas com mais de 10 funcionários. softwares mobile para smartphones e tablets.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

4
É imprescindível que os sistemas alternativos de controle de ponto
passem por uma rigorosa inspeção do Ministério do Trabalho. Quando
contratar um aplicativo ou sistema , é recomendado que você se
certifique que o aplicativo é homologado pelo MTE.

Para mostrar as evoluções no registro trabalhista, vale ressaltar que uma


portaria não anula a outra. A diferença é que a portaria 373 trouxe
versatilidade nos sistemas de ponto, e a 1510 focava em um único tipo.
As portarias tornam o controle eletrônico de ponto mais rígido e eficiente,
eliminando possíveis distorções causadas por outros tipo de registro.

A legislação como um todo discorre sobre as informações que são


necessárias para que o controle do ponto tenha legitimidade. Certificando
que a gestão das horas de trabalho está correta, alguns dados são
observados. São eles: marcação de entrada e saída; anotação dos
horários de almoço e informações das pausas feitas durante o trabalho.
Esses dados são primordiais e de suma importância pois cria um banco
de dados trabalhista legal e eficiente para todos.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

5
DIFERENÇA ENTRE PONTO MANUAL, CARTOGRÁFICO
E ELETRÔNICO
A dinâmica acelerada do dia a dia de trabalho de um empresa exige que Ponto Eletrônico: tecnologia que registra eletronicamente o ponto dos
elas controlem o ponto de seus funcionários de forma atenta e eficaz, a funcionários na jornada de trabalho, cria facilidades no controle e gestão
fim de melhorar os resultados do negócio e, principalmente, as relações de dados, além de fornecer maior segurança tanto para a empresa quanto
trabalhistas. para o colaborador. Essa modalidade de controle evita a possibilidade de
fraude ou alteração de informações referentes às jornadas de trabalho.
Existem opções diferentes de controle de ponto que tem como finalidade
auxiliar empregado e empregador no cumprimento das regras trabalhistas A escolha de qual tipo a ser utilizado pela empresa depende não somente
e assim beneficiar a todos. São eles: de seus recursos financeiros, mas também do números de funcionários
estabelecidos por lei.
Ponto Manual: método de baixo custo, o registro manual é simples, mas
exige muito esforço de tempo e dedicação para o RH, afinal, tudo é escrito Se a empresa não tiver acima de 10 funcionários ela pode escolher o tipo
e precisa ser analisado minuciosamente para cada funcionário. Está sujeito que quiser. Vale a pena ressaltar que tanto o ponto cartográfico quanto o
a um maior número de falhas, pois demanda monitoramento de todos os manual demandam um grande esforço de trabalho de análise, transcrição
registros, e no caso de alterações tem que ser refeito, gerando a e reunião de informações, além de apresentar um alto risco de erros,
possibilidade de erros. falhas, alterações e fraudes. Outro aspecto que deve ser considerado é
que esses tipos de registros podem dificultar a investigação ou até mesmo
Ponto Cartográfico: fácil utilização e custo relativamente baixo que não sua utilização como provas.
requer conhecimento técnico para sua instalação ou operação. O
trabalhador insere o seu cartão no relógio, que, então, imprime o horário
de entrada ou saída. Mesmo com a maior praticidade, ainda exige um
controle manual dos cartões na hora dos cálculos e verificações das horas
trabalhadas, horas extras, ausências, etc. Ou seja, ainda permite erros e
omissões na compilação dos dados.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

6
OBRIGATORIEDADE
É inevitável ficar em dúvida quanto a obrigatoriedade da utilização do A Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), em seu art. 74, §2º, dispõe:
ponto eletrônico nas empresas. Muito é falado a respeito, mas mesmo
assim ainda fica no ar dois principais questionamentos: § 2º - Para os estabelecimentos de mais de dez trabalhadores será
obrigatória a anotação da hora de entrada e de saída, em registro manual,
1- Uma empresa é obrigada a optar pelo ponto eletrônico na hora de mecânico ou eletrônico, conforme instruções a serem expedidas pelo
registrar a jornada de trabalho de seus colaboradores? Ministério do Trabalho, devendo haver pré-assinalação do período de
repouso.
2- Existe um número específico de funcionários que obriga a empresa
a ter controle de ponto? Ou seja, para empresas que possuem menos de 10 empregados
registrados, o registro de horários de trabalho é facultativo. Já no caso de
Para começar é importante salientar que com a Portaria/MTE 1.510/2009 , empresa com mais de 10 empregados, a anotação é obrigatória.
surgiu uma regulamentação da utilização do ponto eletrônico, mas isso
não gerou absolutamente nenhuma obrigatoriedade.

Sua função é regulamentar a maneira correta de registro das entradas e A obrigatoriedade da marcação de ponto é válida por estabelecimento
saídas dos empregados, através de um relógio eletrônico (REP), com o e não por empresa. Se determinada empresa, com vários
objetivo de garantir meios mais eficazes de monitoramento da jornada de estabelecimentos, contar com mais de dez colaboradores no total,
trabalho, instituindo regras mais rígidas de registro e controle. mas nenhum destes estabelecimentos isoladamente tiver número
superior a 10 funcionários, não haverá obrigatoriedade da marcação
Beleza então, já entendi com essa argumentação que a empresa não é de ponto.
obrigada a usar o ponto eletrônico, mas tem que obrigatoriamente
registrar o trabalho dos colaboradores?

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

7
Ainda que não seja obrigatório nesse caso, o registro do ponto é um dos
meios de provar a jornada de trabalho. Afinal, ele traz dados concretos
sobre as horas de trabalho, suas prorrogações, faltas, folgas e afins, sendo
extremamente importante tanto para a segurança da empresa quanto do
funcionário.

Agora com essas duas questões esclarecidas, cabe a cada empresa


escolher qual tipo de registro utilizar. Aquela empresa que utiliza um
sistema de registro de ponto manual ou mecânico está dispensada de se
adequar às normas trazidas pela Portaria MTE 1.510/2009.
Contudo, caso a empresa opte pela marcação eletrônica do ponto, deverá
seguir todas as normas da legislação do Ministério do Trabalho( MTE) e
dessa forma obrigatoriamente deverá utilizar o Registrador Eletrônico de
Ponto (REP).

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

8
VANTAGENS
E DESVANTAGENS
O controle da jornada de trabalho através do ponto eletrônico vem sendo • Possibilita enorme segurança no lançamento das informações,
uma escolha cada vez mais frequente das empresas. Manter o indicando nos relatórios emitidos todos os dados relativos ao trabalho
profissionalismo e agir com transparência são dois requisitos básicos para diário do colaborador. Essa alternativa gera garantias para todos,
qualquer empresa que deseja manter suas operações cotidianas, sobretudo porque permite a consulta do ponto também pelo
normalmente mais suscetíveis à negligência, sempre em ordem. colaborador.

Nesse cenário de atividades recorrentes, a entrada e saída dos • A geração de relatórios é outro ponto importante, pois o sistema exibe
funcionários no ambiente de trabalho é uma das ações que influenciam na todos os dados de trabalho, assim como as ausências. Através desses
gestão financeira e gerencial do negócio, uma vez que o registro da relatórios fica mais prático e ágil toda a gestão das jornadas de trabalho
jornada de trabalho é muito importante para essa estruturação e e sua avaliação. O RH e o empresário visualizam todo o histórico de cada
mensuração de resultados. um de seus colaboradores. Esses dados permitem uma análise das
atividades diárias e ajuda a estabelecer fatores de desempenho.
Assim, o ponto eletrônico evita problemas no expediente de trabalho,
podendo reduzir custos ao eliminar falhas de registro e lançamentos. Vale • Outro detalhe importante é o esclarecimento das dúvidas com a
ressaltar que são inúmeras as vantagens gerais do controle eletrônico: comparação entre sistema e os comprovantes do colaborador. Isso
ameniza os conflitos e pode reduzir a ocorrência de processos
• Facilidade no acompanhamento e supervisão das rotinas de registro de trabalhistas por questões de ponto.
ponto após sua implantação. Evita falhas humanas nos controles ao
mesmo tempo em que reduz a necessidade de intervenção pessoal,
garantindo um maior dinamismo na correção de erros e maior
acertabilidade na resolução de problemas no registro do ponto.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

9
Inevitavelmente existem muitas vantagens na utilização do ponto
eletrônico, mas é preciso evidenciar que também existem desvantagens,
dos quais podemos destacar dois pontos:

• Custos alto: isso desestimula os empresários, devido ao aumento de


gastos com esse tipo registro (compra,instalação e manutenção dos
Relógios de Ponto e Softwares de controle), todavia, diminui os gastos
dele pagando horas extras indevidas.

• A exigência de atender necessidades legais, afinal, o controle por esse


tipo de registro precisam, necessariamente, atender às portarias 373 e
1510 do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

É fundamental destacar a maior das vantagens: o aumento da confiança


na relação entre empregador e funcionário é o principal fator que justifica
sua utilização. Essa confiabilidade dá para a empresa respaldo judicial e
para o funcionário justiça a seu esforço diário.

Cada empresa sabe o que atende sua demanda e seus custos, e cabe a ela
escolher a melhor forma de aplicar isso e desfrutar da tecnologia na
evolução do seu negócio.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

10
PRINCIPAIS MARCAS DE RELÓGIO
DISPONÍVEIS NO MERCADO

Ao definir o registro da jornada através do ponto eletrônico, é fundamental Além disso, ele deve ser certificado pelo Instituto Nacional de Metrologia,
que a empresa escolha um relógio de ponto que siga as normas ao mesmo Qualidade e Tecnologia (Inmetro), comprovando que atende os requisitos
tempo que atenda as necessidades da sua empresa. legais. São inúmeras as determinações legais da Portaria 1510/2009 e
Portaria 373/2011, mas é importantíssimo destacar que perante a
Hoje no mercado existe uma enorme gama de opções que trazem legislação, o relógio eletrônico de ponto precisa armazenar os seguintes
soluções que vão desde custos mais elevados e atendem a determinados dados:
tipos de empresas, assim como há soluções de baixo custo e alta eficiência
capazes de atender o mercado mais democraticamente. Sendo assim, cada I – do empregador: tipo de identificador do empregador, CNPJ ou CPF;
determinação pode ser feita de acordo com o que pretende-se gastar e os identificador do empregador; CEI, caso exista; razão social e local da
resultados esperados. prestação do serviço;

Visando facilitar o processo de aplicação e adoção do melhor tipo de II – dos empregados que utilizam o REP: nome, PIS e demais dados
relógio em um negócio, é de suma ajuda listar os melhores relógios de necessários à identificação do empregado pelo equipamento.
ponto REP do mercado. Nunca é demais reforçar que a legislação
trabalhista brasileira exige que o ponto eletrônico seja homologado pelo
Ministério do Trabalho e Emprego e suas portarias.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

11
PRINCIPAIS
RELÓGIOS DE PONTO:

Madis
traz entre suas soluções as opções de controle de ponto, controle de
acesso e controle de estacionamento. É uma história de longa data nesse
ramo ao longo de mais de 95 anos. Tudo isso de forma nacional.
Destacam-se os modelos Madis REP EVO, Madis REP 0705, Madis REP MD.
Todos atendem às exigências da Portaria 373 do MTE.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

12
PRINCIPAIS RELÓGIOS DE PONTO

Dimep
empresa que tem como diferencial sua tradição no segmento e na eficácia
de seus relógios de ponto. Sua base é mantida em constante progresso,
sempre atenta às necessidades de seus clientes e às demandas do
mercado. Destacam-se Dimep Print Point III, sistema biométrico
homologado pelo INMETRO; Dimep Mini Print, ideal para empresas que
não possuem estrutura para a instalação de um relógio eletrônico de
ponto fixo.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

13
PRINCIPAIS RELÓGIOS DE PONTO

Control ID
Relógios Eletrônicos de Ponto homologados e certificados, com opções de
identificação biométrica, RFID (do inglês Radio-frequency Identification, ou
Identificação por Radiofrequência), por cartão de ponto com código de
barras ou por senha pessoal. Suas soluções em relógios digitais, são
totalmente equipadas com as mais modernas tecnologias de identificação,
e software de controle de ponto. Destacam-se os modelos IDClass e IDX.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

14
PRINCIPAIS RELÓGIOS DE PONTO

Henry
tem referência comprovada através do seus mais de 20 anos no segmento
de relógios de ponto. Sua versatilidade oferece soluções para os mais
variados tipos e portes de empresas.
Destacam-se os modelos Henry Hexa (atende empresas de pequeno a
grande porte), Henry SF e o Henry SF Adv. Todos os modelos estão
homologados pelo MTE e oferecem uma ótima relação custo-benefício
para as empresas

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

15
Depois de listadas algumas opções excelentes do
mercado, cabe à empresa determinar qual será a
escolhida entre as opções regulamentadas. Toda a
base dessa escolha é focada no encontro do modelo
que melhor encaixa no seu tipo de negócio e em seu
orçamento organizacional.

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

16
CONCLUSÃO
Como vimos, fica claro que o ponto eletrônico é uma forma muito eficaz de
evolução das relações trabalhistas e no crescimento dos negócios.

A utilização desse tipo de registro não é obrigatória, mas é aconselhada


devido a todas as vantagens que oferece e todo o respaldo para
empregado e empregador.

Cada empresa sabe o que está mais de acordo com o que precisa, mas
depois de conhecer um pouco mais sobre esses fundamentos, fica mais
prática a decisão e a avaliação do que escolher para gerenciar seus
colaboradores.

Pare de pagar horas extras indevidas e de reclamar de aumento de


gastos! Podemos te ajudar a ter mais controle da jornada de trabalho
dos seus funcionários com o Ponto Eletrônico reduzindo suas
despesas!

Clique aqui e peça um contato sem compromisso

Ponto eletrônico – O guia definitivo www.dokpontoeletronico.com.br

17
www.dokpontoeletronico.com.br