Você está na página 1de 1

Na verdade, os anarquistas que assumem o nome não fizeram nada para desafiar o Estado,

não com escritos cheios de jargões e não lidos, mas com o exemplo contagioso de outra
maneira de se relacionar com outras pessoas. Os anarquistas enquanto conduzem o negócio
do anarquismo são a melhor refutação das pretensões anarquistas. É verdade que, na América
do Norte, pelo menos as "federações" mais pesadas de organizadores operários entraram em
colapso em tédio e acrimônia, e uma coisa boa também, mas a estrutura social informal do
anarquismo ainda é hierárquica . Os anarquistas se submetem placidamente ao que Bakunin
chamou de "governo invisível" que, no caso deles, consiste nos editores (de fato, se não no
nome) de um punhado de publicações anarquistas maiores e mais duradouras.

Essas publicações, apesar das diferenças ideológicas aparentemente profundas, têm posturas
semelhantes do tipo "o pai sabe melhor" em relação aos leitores, bem como o acordo de
cavalheiros de não permitir ataques uns aos outros que exporiam inconsistências e minariam o
interesse de classe comum na hegemonia sobre o ranking anarquista. Curiosamente, você
pode criticar mais prontamente o Fifth Estate ou o Kick It Over em suas próprias páginas do
que criticar, digamos, Processed World. Toda organização tem mais em comum com qualquer
outra organização do que com qualquer dos não-organizados. A crítica anarquista do estado,
mesmo que os anarquistas o entendessem, é apenas um caso especial da crítica da
organização. E, em algum nível, até as organizações anarquistas sentem isso.