Você está na página 1de 21

História Eclesiástica I – Prof. Ruben Aguilar.

História do Cristianismo.
Lição 1 – Preparação do mundo para o Cristianismo.

1.Importância do Estudo da H.C.

A H.C. é parte do estudo da história geral (ou universal), A H.C. é importante porque
completa a narrativa da história geral – sem ela a história geral é incompreensível, incompleta e
vazia.
A H.C. destaca a figura de Cristo porque ele divide a história da humanidade em duas
facetas – a.C. e d.C.
a.C. – Os eventos que ocorreram antes de Cristo preparam a primeira vinda de Cristo. Os
povos antigos e sua história estavam afunilando e preparando a primeira vinda de Jesus.
d.C. – Os eventos se baseavam nos ensinamentos de Jesus. Sem isso a reforma não teria
ocorrido. – Ensinamentos. A mudança do Império Romano da religião politeísta para o
Cristianismo – isso corresponde aos EUA ser capitalista.

O mundo está baseado em sua história na vida e ensinos de Cristo.


Baseado nestes ensinos surgiram instituições diversas, entre elas especialmente as
religiosas, filosóficas, sociais (cruz vermelha) e política.
Nos ajuda a compreender o desenvolvimento das doutrinas adventistas.
O estudo da H.C. em última análise se reflete na vida de cada indivíduo. Nós somos
individualmente o resumo da história, fazemos parte desta história.
O método profético da igreja e histórico-profético (entender a história para compreender a
profecia).
Todos os eventos históricos se convergem para Cristo, Deus está por trás, procurando
estabelecer a salvação do homem.

2. Ambiente na qual surgiu o Cristianismo

a. Governo.

O governo era do Império Romano, tinha autoridade centralizada no Imperador, a palavra


do imperador era lei, e, em algum momento o imperador foi adorado, havia culto ao imperador
(deus Roma); mesmo assim vários foram assassinados.
Era um governo opressivo - para evitar rebeliões as legiões romanas sufocavam qualquer
revolta, por esta razão o império dominou por 600 anos, sistema de opressão do ferro, esta
opressão era através de dois mecanismos – escravidão e tributo (como no caso dos judeus).
O território de domínio era desde a península ibérica, toda a Europa central até o rio
Eufrates.
O controle era realizado através de um modelo de comunicação, através de cinco estradas,
todas levavam para Roma, estas estradas permitiam uma rápida comunicação e isso mantinha
quase o controle inteiro do território dominado.

b. Cultura.
Roma tinha o domínio político, mas quem dominava culturalmente era a Grécia. Hoje
culturalmente o domínio é totalmente americano. O inglês, a música, etc. A língua franca
naquele período era o grego Koinê. Educação – professores gregos, havia dois institutos – em
Atenas e Alexandria, onde os poucos privilegiados eram educados. 1/3 eram escravos, 1/3 eram
estrangeiros e somente 1/3 eram cidadãos romanos, os outros eram tratados quase como
animais, sem direito nenhum. Em educação o homem (humanismo) era sempre o ser importante,
em relação ao universo a terra era o centro. As aulas eram apenas teóricas, o conhecimento era
especulativo, e a educação era apenas retórica.

c. Religião.

Estava ligado ao sentimento nacional, as religiões eram nacionais (judeus, romanas,


gregas), o proselitismo era ignorado – ninguém tinha que converter outro a sua religião, pois
esta era nacional. Assim o proselitismo era naturalmente proibido, não estava escrito – mas pela
natureza da religião natural já era proibido, ou os cristãos iriam enfrentar problemas.
Politeísmo, as religiões eram politeístas com deuses de ambos os sexos, estes deuses se
manifestavam na natureza.
Seitas misteriosas, com práticas de misticismos, bruxarias; da Índia, China estas seitas
misteriosas que um salvador viria, algo que daria uma nova ordem as coisas, trazendo uma
mensagem de paz, estas seitas eram instrumentos de Satanás que estava preparando o terreno
para confundir a vinda de Cristo e o cristianismo. (Estas religiões indianas falam por exemplo
que no século XXI viria o Messias).
Judaísmo nacional – Monoteísmo.

(17/02/2005)

3 – Influência do pensamento Grego.

a) – Sócrates (470-399 a.C. aprox.). – Método socrático – Mayeutica – (Obstetra) –


Ajudar a nascer. (perguntas).
Mayeutica – Conhecimento interno – Luz – Diálogo, Discussão e ironia.
Filosofia de Sócrates – Buscar a Moral (Virtude) – através do conhecimento – verdade.
(Ignorância – vício – maldade – mal).
Busca do conhecimento supremo – “Conhecer-se a si mesmo”
Existência de uma lei sobrenatural para definir o padrão de moral.
Padrão Moral – Lei – Não escrita (inicialmente).
Escuta a voz de um Daemonion (Simplesmente – um ser espiritual) – que mostra a Sócrates o
caminho...

b) – Platão (427-347 a.C. aprox.). – Academia. – Método Dialético (Diálogo)


Enunciar primeiros conceitos - (Tese).
Enunciar segundos conceitos (contrários) – (Antítese).
De ambos permanece a Síntese - (Verdade).
Pensamento Filosófico – 2 Mundos – Topos Uranos (lugar do céu) – Mundo da Idéias
- Cosmos (Universo) – Mundo Real – Objetos.
“Os objetos são manifestações das idéias”.
“As idéias surgem como produto da idéia absoluta – idéia do bem”.

Homem – Corpo Físico – Sujeito à corrupção.


- Alma Imortal – Bondade e a Beleza.
(O corpo físico precisa de salvação – praticando tudo o que é bom e belo – justificação pelas
obras). – Aceito pelo Catolicismo Romano.

c) – Aristóteles (384-322 a.C. aprox.). – Liceu – Nasceu em Stagira – Estagirita


Hábito de ensinar caminhando – Peripatos – Peripatético.
Professor de Alexandre o Grande – Criou o método Lógico (Lógica)
SILOGISMO...
Método = Lógico = Estudo do Pensamento – (escreveu o Organon – 6 volumes).
Lógica = enunciar os primeiros conceitos – juízo – (Análise simples – sim ou não)
Juízo – Conclusão (verdade) – Últimas premissas.

Exemplo simples – 1) – As aves são animais com penas.


2) – A galinha tem penas.
3) – Logo – a galinha é uma ave.

Mundo Real – Mundo dos objetos reais (concreto) – matéria (indestrutível e eterna)
- Forma (dá existência a matéria).
- “ (dá características da matéria).
Mudança (Dinamis)=movimento/poder.
Exemplo simples: - O ovo se transforma em galinha (causa e efeito).

Aristóteles – Início de tudo – Causa Primordial (causa descausada) – Deus

Homem – Corpo – Matéria


- Forma – Alma
- Logos – Natureza Divina.

E.G.W. – Afirma que o homem possui: faculdades – Físicas, Mentais e Espirituais.

(Devemos adorar a Deus de corpo, alma (mente) e espírito)

Obstáculos ao Cristianismo na era apostólica:

d. Epicuro (342-270 a. C.) – Epicurismo.

O universo (é constituído de elementos eternos) – partículas pequenas (eternas)


Deuses não existem (se existem não se importam com nada).
- Estimula o estudo da natureza (p/ evitar o medo dos deuses).
- O propósito do homem – A Felicidade (busca constante do prazer).
- Regras: Prazer – Que não cause dor. (Mas aceita a dor quando no final terá prazer).
- Evitar a dor – quando não dá prazer.
- Evitar o prazer menor – Quando nos priva de um prazer maior.

Os seguidores: Verdade = Prazer


Virtude = Prazer

Erro = Dor
Mal = Dor

d) Estoicismo: Zeno de Citium (342-270 a.C.)

Ensina portão – Stua – Estoicismo.


Universo tem dois princípios – Inativo – Matéria
- Ativo (dinâmico) – Força imanente – Providência
- Natureza
- Logos supremo.
Logos supremo (desprende emanações)
Logos (spermaticós) – sementes do Logos – Objeto.
(A nova era apropria-se e deturpa dizendo que o homem esqueceu de como ser Deus).
Panteísmo (existência) – Pela vontade dos deuses.
Felicidade – Aceitar com submissão a vontade de Deus.
Estimula a dor – suicídio termina a dor).

LIÇÃO II – (período de Éfeso)

A Era Apostólica

1. a. Judaísmo – Seitas – Influência = Medo-persa e Grega.

Religião Persa = Zaratustra (660-583 a.C.).


Em grego é Zoroastro...
No século XX Frederic Nietzche – escreveu – assim falou Zaratustra).
Luta entre o bem e o mal. – Ormuz X Ariman – Luz X Trevas
Ormuz destrói ariman – o bem vence!
Juízo final, ressurreição, céu, recompensa, paraíso, anjos, demônios.
Estudo nas sinagogas.
Os judeus desprezam o templo e criam lugares de estudo (sinagogas) – a mais famosa era a de
Jerusalém (doutores da lei – escribas).

b. Influência da Cultura e Religião Grega.

Notória no final do período dos Macabeus.


João Hircano (135-110 a.C.) – Líder judeu que combateu os gregos, mas que gostava muito da
cultura helenística – Origina os Saduceus (Sacerdotes e Nobre).
Desprezo à lei oral, negam a ressurreição, juízo final, céu, anjos.
Surge no mesmo período: os Fariseus (separado de...) – que rejeitam a cultura Grega.
Exaltam exageradamente a lei oral – (Talmude) – toda escritura é interpretada a luz das
tradições. – Ritualismo – Salvação era em se cumprir a lei (normas farisaicas).

Philo de alexandria (filósofo judeu) – 20 a.C. a 42 a.C.)


Procurou unir o judaísmo ao helenismo.

c. Outras seitas:

Essênios – II a.C. – Vida monástica, desprezo pelo casamento, preservar escritos – cavernas de
Qunram.
Zelotes – Idéias políticas, guerrilheiros, combatem os romanos, acreditavam na vinda do
Messias como líder político.

2. Nascimentos de Jesus.

Calendário Grego – Baseado nas olimpíadas (a primeira ocorreu em 776 a.C.).

Início do Ministério de Jesus no ano 27 (30 anos de idade). – ano 754 da fundação de Roma.
(erro de 3 à 4 anos). – Calendário Juliano – (Roma).

a. Baseado na morte de Herodes

Mateus 2:1 – Jesus – Herodes Vivo – Fuga para o Egito – Retorno ao Egito. (morte de
Herodes). – Flávius Josephus – 750 a.U. (anno Urbi – ano da fundação de Roma).
Calendário Lunar - Foi antes da Páscoa).
Cálculos astronômicos – 13 de março de 750 a.U. – Herodes morreu entre 750 e 749 a.U. –
Então Jesus nasceu antes – Fazia frio (Os pastores se aqueciam perto do fogo).

b. – Baseado em César Augusto.

Lucas 2:1-7 (Recenseamento).


O 1º recenseamento ocorreu na época de Quirino (Governador da Síria).
Atos 5:37 – Na época do recenseamento – Judas o Galileu.
Flávius Josephus – Revolta de Judas foi na época de Quirino. – Ano 760 a.U.

Documentos antigos:

Quirino foi governador duas vezes*: de 750 a 753 – Nascimento de Jesus.


760 a 769 – Revolta de Judas o Galileu
*(Segundo Tácito) – Houveram dois recenseamentos. – Jesus nasceu no Primeiro.
O equivalente à Olimpíada de número 194.

3. O Concílio de Jerusalém

Cristianismo – Judeus – Visão de Pedro (Lençol) – Conversão de Cornélio – Gentios.

Judaizantes consideravam que o cristianismo era o judaísmo (lei e ritos da purificação e


circuncisão) e a doutrina de Cristo.

Paulo converte os gentios sem os ritos.


Discussão – Concílio de Jerusalém (+-49 d.C.) – (2759 da fundação de Roma).
Decisões – Não obrigar os gentios aos ritos de purificação e circuncisão.
4. A Diferença entre Reino de Deus e a Igreja.

a. Reino de Deus

Pregação de Jesus (Ver Mateus 16:18 e Mateus 18:17).


Reino Eterno (glória) e Reino da Graça
Crentes Transformados Crentes que aceitam à Cristo
Que Habitam o Céu. (estão no mundo mas não pertencem ao mundo).
b. A Igreja

(termo utilizado pelos apóstolos 107 vezes). – Do grego – EKKLESIA – Chamado para fora/ Sair
de casa/ chamado para adorar a Deus numa assembléia.
Na era apostólica eram membros das classes mais pobres, poucos membros das classes ricas.
As igrejas eram grupos locais autônomos.
Relacionamento na base da caridade entre os grupos (igrejas) e entre os membros.
Preservação da Honra e da Pureza.
Castigos – eram o ostracismo e a exclusão.

Apóstolos – sentido estrito – 12 discípulos de Cristo


- sentido pleno – Todo o líder reconhecido (viajante) – ex. Silas, Marcos, Barnabé,
Apolo, etc.

Não havia corpo sacerdotal.


Os líderes eram transitórios (visitantes/apóstolos), e permanentes.

Líderes permanentes – Presbíteros = Ancião – Pregação – Doutrina


- Orientação – Modo de vida.

Diáconos (Aspectos Administrativos) - Servo Voluntário – Administradores.

Lição III

Crescimento e Perseguição.

1. Crescimento.

Povo Judeu – Indicar o lugar do surgimento do Cristianismo


- Estimular a divulgação do cristianismo

a. Fatores de crescimento: - Diáspora – João 7:35

- Dispersão – Judeus cristãos


- Perseguição contra os Cristãos
- Viagens missionárias

Métodos: Kerigma - Proclamação


Didaqé - Ensino Pessoal

b. Campanhas missionárias:

Fases: (destaques): 1ª Petrina – Pedro – Pentecostes até o Concílio de Jerusalém.


2ª Paulina – Paulo – Do Concílio de Jerusalém ao Ano 67 a.C.
3ª Joanina – João – 67 d.C. ao ano 100 d.C.

Petrina – Evangelho em – Jerusalém


- Roma - Irineu
- Tertuliano
- Clemente de Alexandria

Jerônimo – (1º tradutor da bíblia para o latim) e Eusébio de Cesaréia. – Pedro ficou em Roma por
25 anos*.

*= Catolicismo indica Pedro como Fundador da Igreja de Roma (o primeiro bispo (líder) e
portanto o primeiro Papa – portanto 67 d.C. foi a morte de Pedro (-) 25 anos = 42 a.C.

Herodes Agripa – 44 d. C. – Martírio de Tiago


- Prisão de Pedro

Concílio de Jerusalém – 49 d.C. – (Todos os apóstolos vivos compareceram).

Paulo em Roma – Paulo chegou prisioneiro em Roma no ano 61 d.C.

Paulo não menciona em nenhuma epístola, visita ou carta, de Pedro enquanto esteve em Roma.
Paulo não menciona Pedro na epístola aos Romanos, mas manda lembranças aos outros.

Portanto Pedro não estava em Roma.

Pedro em Roma – (63 d.C.) – (67 d.C.- sua morte)

Fase Paulina

Nasceu em Tarso (Província Romana).


Educado na escola de Hillel
Kesereth – Membro do Sinédrio – autoridade
Conversão - +- ano 37 d.C.
Missão – 4 Viagens Missionárias
67 d. C. – Nero Manda Decapita-lo.

Fase Joanina

- Filho de pescadores
- Caráter Irascível
- Boanerges = Filho do trovão
- Conversão – discípulo amado
- Missão – Ásia menor (Turquia/Anatólia).
- Residência em Éfeso.
- Prisioneiro na ilha de Patmos (Promontório Rochoso do Mar Adriático). (2 anos).
- Volta para Éfeso onde morre no ano 100. (aproximadamente com 100 anos).

Divagação – 7- Cartas:Relações da Igreja com o Mundo Exterior.


- 7 Selos:Conflitos da Igreja.
- 7 Trombetas:Castigos aos Perseguidores.

Perseguição no 1º século.
a. Causas da perseguição

- Subversivo (pregação/estabelecimento de um novo Reino).


- Império – Religiões – (Proselitismo/conversão).
- Pensadores (Cristianismo era para estes um grupo de supersticiosos e ignorantes).
- Causa de Calamidades (Fome, pestes, derrotas).
- Grupos Libertinos – Reuniões Noturnas (até em catacumbas) e o Ósculo Santo.

b. Imperadores Romanos na época da perseguição.

César Augusto (30 a.C.-14 d. C.) – Herodes (Judéia) – Decreto de morte às crianças
Tibério César (14 d.C.-37 d.C.) – Pilatos – 31 – Cruz de Cristo / 33 – Morte de Estevão / Herodes
constrói Tiberíades.
Calígula (37 d.C.-41 d.C.) – 37 – Conversão de Paulo / 40 – 1ª Visita de Paulo à Jerusalém / Calígula
restabelece o culto ao Imperador.
Claudius (41 d.C. – 54 d. C.) – 44 – Martírio de Tiago (apóstolo)/ 44 – prisão de Pedro / 46 – 1ª
viagem de Paulo / 49 – Concílio de Jerusalém / 52/53 – 2ª Viagem de Paulo.
Nero (54 d.C.-68 d.C.) – 56 – 3ª Viagem de Paulo / Filho de Agripina (Cesariana) / César /Nero –
“Abril a mãe” para ver donte tinha vindo / neto de Carlos (o Imbecil) / 58 – Paulo prisioneiro apela à César
/ 61 – Paulo em Roma / 64 – Incêndio de Roma / 67 – Morte de Paulo e Martírio de Pedro* (*Quo Vadis
Domine – Onde Vais Senhor?)
Oto I, Oto II, Balbo – Imperadores de pouquíssima duração...
Galba (68-69 d.C.)
Vespasiano (69-79) – Destruição de Jerusalém.
Tito (79-81) – Filho de Vespasiano que destruiu Jerusalém.
Domiciano (81-96) – Restabelece o culto ao imperador. – Perseguição às sociedades secretas
(94) João – preso em Patmos.
Nerva (96-98) – Anistia para João – Volta para Éfeso.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Divagação – O Vaticano condena o livro “Código Da Vinci” no dia 17/03/2005 – trata do romance de
Jesus com Maria Madalena.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&
III – Perseguição no Segundo Século. – (Período de Esmirna).

a). Trajano (98-117) – Decretou perseguição ao cristianismo


(110) – Carta de Plínio (Governador da Província de Bitinia), manda carta para
Trajano pedindo misericórdia (recomendando um processo legal para com os cristãos – desde que: -
fossem mulheres ou tivessem idade avançada, ou pouca idade, se tivessem cargos proeminentes ou posição
social elevada na hierarquia romana), caso contrário – a morte mais cruel.
Morre Papias (mártir) – morre Inácio (mártir)

b. Adriano (117-138)

Recomendação de Plínio é seguida.


Apologia de Quadratus.
Mártires – Bispo Alexandre e Sinforosa (dama da nobreza) e suas cinco filhas.
Manda construir na área do Templo em Jerusalém um palácio “Aelia Capitolina, (128d.C.)
ocasionando a Revolta de Barcochba (Morrem aproximadamente meio milhão de judeus).

c. Antonio Pio (138-161)

- Diminuiu a intensidade da perseguição aos cristãos.


- Martírio de Policarpo.

d. Marco Aurélio (161-180)

Filósofo estóico (Chamado de imperador filósofo) – acreditava na obediência e louvor aos deuses, e,
quem rejeitasse este fato iria contra a lei natural – Os cristãos se enquadravam neste quadro.
Mártires – Justino, Athenágoras e Blondina (a virgem). – alta nobreza.

e. Cômodos (180-192)

Lição 4 – Idéias Anticristãs


a. Ebionitas – Ebion – Judeus pobres

Cristãos = Judeus pobres – rejeitam Paulo pois se relacionava com as elites, e aceitam
Tiago que enfatizava a teologia da pobreza.

- Deus criador, sustentador, autor da lei mosaica, Cristo é diminuído.


- Jesus é humano (rejeitam a encarnação divina).
- No batismo – Jesus foi “adotado” por Deus.

Prática – Vida ascética – privações. (Exaltam a pureza e o celibato – virgindade de


homens e mulheres).

Batismo em água – O primeiro elemento criado por Deus.


- Purificador.
- Origem à todos os outros seres (dá origem).

Obra: - Recognitiones.

b. Gnosticismo

Gnosis = conhecimento
Tendência – Cristianismo sendo igual à cultura grega – (Helenização do cristianismo).
Origem em Philo de Alexandria (20 a.C. – 40 d.C.).
Chistianus Valentinus (cerca de 140 d.C. – Roma)

Combateram – Irineus (contra as heresias).


- Tertuliano.
- Hipólito de Roma.
Divindade = muitos deuses
Bythos = Pai Supremo.
Aeon = Unigênito
Sige = Pensamento________________ Criam em Noms = Mente.
Aletheia = Verdade.
Logos = palavras.
Zoe = Vida.
Antropos = Homem.
Eglesia = Igreja.

Cristo e Espírito Santo = Noms e Aletheia ---Cria Jesus (fruto perfeito do pleronma)*
Logos e Zoe = Deca (dez deuses)
Antropos e Eglesia = Dodela (doze deuses)

 = Jesus não é divino – só é humano.


 Quando Jesus é batizado (Cristo entre em Jesus) e sai de Jesus antes da cruz (só
morre o humano).
 Em relação ao mundo – para o gnosticismo – o mundo é imperfeito, se o mundo é
imperfeito – Deus é imperfeito.
 Não criado – Deus perfeito.
 Jeová = Deus imperfeito (um deles)
 Demiurgo (em grego – interpretação – deuses falsos).
 Deus inferior, caricatura de Deus – deus sofia (deus de fora do pleroma). – cria o
deus do velho testamento – demiurgo – Jeová – que cria o mundo.

Categorias dos homens:

Hilicos – homens carnais (não alcançam a salvação).


Psíquicos – Alma/mente (entendem a salvação e podem se salvar).
Gnósticos – Seres espirituais (compreendem a natureza divina).

c. Maniqueísmo

Maniqueísmo = Manes (Viajou pela Pérsia, Índia e China).


Ano 238 – pregava sincretismo das religiões (soma de cristianismo/budismo/hinduísmo).

Reencarnação: Buda, Zoroastro, Cristo e Manes – são a mesma pessoa./

Manes –

Luz (bem – divindade e verdade) - Sol = poder


- Lua = Sabedoria

Mundo (matéria) – criado pelas trevas (Mal e corrupção) – inclusive o homem


Corpo = trevas /// alma = luz.

Cristo (divino) = luz (mora no sol).


- e desce para a terra. (a encarnação é apenas aparente – Cristo é luz
aparente – Seu propósito é libertar a luz que está no Seu corpo – ensinando o homem.
Estilo de vida – continência (Controle)
– Boca = temperante na alimentação e abstinência.
- Mão = privar-se das riquezas.
- Peito = provar-se do casamento.

Tipos de cristãos maniqueístas


- Perfeitos – os que seguem o estilo de vida
- Ouvintes – possuem fraquezas mas são seguidores e contribuem com dinheiro.

Após o batismo devemos ser perfeitos, não pecar mais.

d. Monarquianos.

Nome dado por Tertuliano

Monos = Um, único (autoridade e governo) / Governo ou autoridade de um.

Para os Monarquianos a divindade era formada apenas pelo Pai – não aceita a
existência do Logos (Alogi) – 2ª pessoa da divindade.
Cristo: Dinamistas Alogi = poder = teólogos : Teodato de Bizâncio e Paulo de
Samosata).
Cristo é simplesmente um ser humano, mas no batismo recebe poderes e é adotado
por Deus). – recebe o poder (Espírito Santo) de Deus.
Cristo = modelistas = forma – Teólogos – Praxeas e Berilo
Deus o pai adquire a forma humana (encarnar em Cristo) – o próprio Pai (Deus)
sofre a paixão e morre na cruz.
Quem morreu é o próprio Deus na pessoa de Cristo.
Doutrina Patripasiana – “Deus o pai morreu na cruz”.
Nietzche e teólogos iluministas aceitaram).

e. Montanismo

Líder – Montanus. – século III

Sacerdote de Sybele / mutilado (sem pernas e braços).


Recebe visões de Deus (Revela a outros).
Cheio do Espírito Santo.
Também recebem visões – Prisca e Maximila.
Pregação – O poder do Espírito Santo – Dom de profecia, dom de curas, falar em línguas
(pentecostalismo de hoje).
Pregam também a 2ª vinda de Jesus – Jesus virá em Papusa.

Lição 5. – O desenvolvimento da teologia Cristã.

Divide-se em 3 fases =

Apologética.
Polêmica.
Científica.
Período apologético (Apologia = defesa). – desenvolvimento doutrinário.

a. Quadratus 125 d.C. – defesa diante do Imperador Adriano (Fragmentos)


b. Aristides – Estudou filosofia – nasceu em Atenas – 145 d.C. defesa diante de Antonio
Pio – fragmentos em grego.
Em 1887 – encontrou-se a obra completa escrita em siríaco.
Influência de Kerígma de Pedro e da Epístola do pastor de Hermas.
Defesa: “Origem das nações” – As nações foram originadas pelo erro – por isso são
politeístas. Adoram forças da natureza – supersticiosos.
Os cristãos são uma raça especial – origem em Cristo – conhecem a verdade e o único
Deus verdadeiro.

c. Justino – mártir (100-165) – Nasceu em Samaria (Pais gregos) – estudou filosofia em


Éfeso.
Procurando a verdade – seguiu Platão e não achou, seguiu a Aristóteles e não achou,
seguiu o estoicismo e não achou, encontra o cristianismo e acha a verdade – morrendo
como mártir.- fazendo a sua defesa diante de Antonio Pio e marco Aurélio.
A Apologia de Justino está dividida em 2 partes:
- Prática – Todo cristão antes de ser condenado deve ser ouvido e julgado.
– Julgamento de acordo com as leis civis do império.

Sob o martírio – os cristãos demonstram ser os melhores cidadãos do império.


O reino dos cristãos não é deste mundo.

- Doutrinária – Paralelismo – Exalta o cristianismo e ridiculariza outras religiões.


- Jesus é o Deus encarnado.
- Culto Cristão é puro e santo.
“Diálogo com Tripho” – Defesa diante do judaísmo (Tripho é um nome fictício de um
judeu).- Justino representa o cristianismo na obra.

3 fases – Ridicularizar o uso exagerado das leis farisaicas.


- Jesus é um judeu filho do Deus encarnado.
- Defende a pregação aos gentios – é o tema da revelação dos profetas.

Pensamento teológico de Justino.

Universo – Deus é o criador mas se afastou da criação.


Trindade – Deus pai é o criador.
- Cristo (Filho) é o pensamento e a sabedoria da divindade (razão).
- Espírito Santo é uma força que inspira profetas.

Cristãos antes de Cristo = razão – todo homem antes de Cristo com sabedoria/razão era
cristão.

d. Outros.

Melito
Athenágoras.

2. Período Polêmico

Estudo – discutir

a. Irineus (120-205) – nasceu em Esmirna – estudou filosofia e as letras clássicas.


Discípulo de Policarpo – Bispo de Lyon (Polêmica contra os Gnósticos) – contra as
Heresias (Adversus Haeresis)
1ª parte -Declaração de fé dos cristãos.
2ª parte – Primeira relação dos princípios de interpretação bíblica..

Epideixis – Trabalho dos apóstolos – Tema: Cristo cumpre as profecias.

Teologia: manter a sucessão apostólica – unidade da igreja


Comunhão – Espiritual
- Física – comunhão na Santa Ceia = pão é o corpo – eucaristia.

Cruz – pagamento – resgate – é pago para Satanás (o correto é para a lei).


|
Homem

“A cruz de Cristo é para resgatar o homem”.

Filho do homem – nasce da virgem – Adão = Recapitular a vida de Adão.


|
Jesus – desceu para o Hades – para dar a mensagem aos demônios.

b. Hipólito (160-235)
Filósofo, bispo de Porto romano.

Igreja Roma conflito – Hipólito + Vítor (exigiam 3 anos de estudos bíblicos para a
conversão)

X
Calixto + Zeferino = líder da igreja liberal (Argumento é a arca de Noé) – representa a igreja
como única salvação com animais puros e impuros – todos podem vir à igreja e fazer parte dela
como são ou estão.

Obras de Hipólito:
- Crônica desde a criação até o ano 234.
- Tratado sobre o anticristo.
- Tratado sobre as profecias de Daniel.
- Tratado sobre as tradições dos apóstolos.

Teologia de Hipólito = Trindade – Único Deus em três pessoas – três formas diferentes.
(Contrário a preexistência de Jesus).
Ilustração da água – Gelo ou líquido ou vapor.
Não coexistem ao mesmo tempo
Logos – Entra em Maria – Surge uma nova criação, o novo Adão que é Cristo (Jesus).

Natureza de Filho de Deus – Logos – Essência – Sustase.


- Corpo – Forma – Hipóstase.

Logos sem o corpo não pode ser o filho de Deus.


Corpo sem o Logos não existe.

Doutrina da recapitulação – Jesus nasce de uma virgem (Como Adão).


- Jesus vence onde Adão caiu.

Salvação – Através do conhecimento – Jesus-Modelo.

c. Tertuliano (c 155 d.C. – c 230 d.C.)

Origem Romano – Pai pró-consul.


Quintus Septimus Flores Tertuliano.

Estudou Filosofia e Letras Latinas (Pai da teologia Latina)


Bispo de Cartago.

Obras – Contra o Gnosticismo.


- Contra Valentinus.
- Sobre a Ressurreição do Corpo.
- Sobre a Morte de Jesus.
- Estudo Sobre a Alma.
Teologia: Trindade – Divindade – 3 Pessoas.
(Não coexistem na eternidade).
1º existia Deus, depois apareceu Jesus e depois Espírito Santo.
Existe uma Hierarquia na Trindade.
Encarnação: Logos entra em Maria – Toma corpo – Jesus – Tem Corpo é Logos.
(Jesus- Verdadeiro homem e Verdadeiro Deus).

Tertuliano:

Cristo – Logos – Verdadeiro Homem e verdadeiro Deus.

Batismo – Filiação Cristã e Purificação.

“Os pecados cometidos depois do batismo são imperdoáveis”.


- Faz um acróstico.

(Peixe). Com as primeiras letras de cada palavra de Jesus Cristo Filho de Deus Salvador. (em
grego).

3. Período Científico.

Teologia – Métodos e sistemas


185 d.C. –Panteanus – Funda a escola de Alexandria.

a. Clemente de Alexandria (160-215)


Filosofia – Escola Alexandria (estuda) – e... entre 190 d.C. a 202 d.C. torna-se seu diretor.

Obras: Discursos Gregos – Paralelismo entre helenismoXCristianismo.


O Pedagogo – Instruções da vida cristã.
Estronata – Colcha de retalhos – temas diversos/assunto comum – Cristo.
Esboços – Exegeses bíblicas.
Teologia: - Deus é o criador do universo.
- Deus pai (causa indireta) – indiferença.
- Logos (causa direta)
- Cristo – O logos entra em Maria – corpo de Cristo (Sem possibilidade de
pecar- livre de paixões)
A salvação é pelo conhecimento – Filosofia – conhecer a verdade
- Cristianismo – Amor.
Cristo veio para servir de exemplo – ensinar que o homem tem poder para conhecer
filosofia e o cristianismo e se salvar.

Graus de espiritualidade: 1 – Cristo.


2 – Anjos
3 – Filósofos
4 – Povo na ignorância.
O batismo é o selo do Espírito Santo – Caracter.

b. Orígenes. (185-254)

Pai – Leônidas – Mártir.


Estudou Filosofia – 2º diretor da Escola de Alexandria.
Obras: Hexapla – Hebraico – tradução em 6 versões do grego 1 transliteração.
Hebraico + Grego + LXX + Símaco + Translitração +
Octopla – versões dos salmos.
Escólios - Estudos (Exegese de textos bíblicos)
Homilias – Sermões (Exegeses)
Contra Celsum – contra o gnosticismo.
Considerado o pai da interpretação alegórica.
Teologia – Deus é o criador do filho e do universo – atos divinos.
Criação progressiva – do filho e do universo.
Deus – Filho – Universo.
Início – Almas – Anjos (Seres puros) – alguns apostataram – então houve a necessidade de se
fazer um universo material – planetas e a terra .

Universo material – habitação de seres apostatados (lugar de sofrimento/dor/pagar pecados).

Homem = corpo + alma apostatada.

Cristo = Homem/Deus = Corpo + Alma apostatada – unido ao logos pela contemplação.


Salvação = Mediante a Cruz de Cristo – Restabelecer o princípio – Salvar os homens + as
almas apostatadas + satanás.

Todos serão salvos após ficar certo tempo no Hades – variando de ser para ser – Doutrina
Apokatastase.

Orígenes.

Doutrina de Orígenes que é uma plena redenção e reinício.

Doutrina – Corrupção – Nasce em corrupção e nasce em pecado – todos.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

LIÇÃO VI

A IGREJA E O IMPÉRIO.

1. Antecedentes históricos.

a. Ascensão de Constantino.

284 – Dioclesiano – Nicomédia (Nova Capital).

Tetrarquia – 2 Augustos – Dioclesiano (Nicomédia) e Maximiano (Roma).


- 2 Césares - Galério e Constâncio (Ásia Menor)

Em 303 – 2 incêndios do palácio de Dioclesiano.


Dioclesiano acusa os cristãos (Galério incitou Dioclesiano).
Em 305 – Renúncia de Dioclesiano que também obriga a renúncia de Maximiano – Ficam
Galério e Constâncio.
Há uma luta pelo poder... Constâncio morre em 307 e é substituído por Constantino – seu filho.
Galério morre em 309 e Magêncio fica até outubro de 312
Em outubro de 312 a visão de Constantino ocorre – “In Hoc Signo Vincis” – ocorre a sua
“””Conversão”””.

b. Governo de Constantino.

- Liberar os líderes cristãos do paganismo de tributos.


- Liberar os líderes cristãos do serviço ao império.
- Líderes Cristãos em cargos oficiais.
- Estimulou a construção de igrejas cristãs.
Muitas igrejas pagãs se tornaram cristãs.

Batismo – Doação de uma túnica branca e mais 20 moedas de outro para cada batizado.

Proíbe manifestações ofensivas contra o cristianismo.


Constantino era adorador do deus Mitra – Sol – decreta em 321 o decreto dominical.
Festa paganismo – cristianismo.
25/12 – “Natalis Solis Invictus” (nascimento do sol vitorioso) – passa a ser a data do nascimento
de Cristo.
Constantino se torna o Pontífice Máximo – chefe do cristianismo – se auto denomina 0 bispo
dos bispos.
Teocracia – (Satanocracia) – Todo súdito romano deve ser cristão.
- Leis civis tem o mesmo valor das leis religiosas.
- O Estado e a igreja são instituições divinas.
Convoca o Concílio de Nicéia em 325.
330 – Divide a capital – Constantinopla.
337 – Vítima de doença pede o batismo.

Sucessores: 4 filhos pretendentes: - Constantino II – Renuncia.


- Constante governa de 338 à 360.
- Constâncio II – Renuncia.
- Firpo Acusado e assassinado.
Constante – Cristianismo liberal – em 354 encerramento dos templos pagãos, em 360 surge
Juliano (O Apóstata) – Sobrinho de Constantino, o Grande.

3 . O Cristianismo como Religião Oficial do Império.

380 – Teodósio I no Oriente – Reúne o Senado e convence-o a aceitar o cristianismo como


religião oficial do império.

381 – Concílio de Constantinopla – “Recomendamos que todos os súditos do Império adotem a


religião que o divino Pedro nos deixou... e todos sejam denominados membros da igreja
CATÓLICA com sede na cidade de Roma”.

LIÇÃO VII

1. Sobre a Divindade de Cristo.

a. Arianismo.

Ário – Nasce na Líbia, estuda filosofia, em 312 torna-se diácono da igreja de Alexandria.
+- em 314 é separado da igreja de Alexandria por controvércias, depois é readmitido.
318 – Idéias sobre a divindade de Cristo.
320 – Bispo Alexandre o expulsa / Ário causa escândalo na igreja de Alexandria.
Eusébio de Cesaréia apóia Ário e divulga o arianismo.

Ário usa o método – Histórico-Gramático.

Logos = Primogênito = foi gerado = e se foi gerado – houve um tempo em que não era.
Se não era, significa que foi criado – Deus o Pai é o único ser eterno.
Logos= Deus inferior, Criador do universo, redentor, Senhor.

Deus único – tudo o quanto está fora de Deus é criado.


Logo – Logos não é – Eterno como Deus, nem da mesma substância.
b. Concílio dde Nicéia.

- Convocado por Constantino


- Presidido por Constantino e o Bispo Óssio.
- Reuniões tumultuadas – Nicolau de Mira fere Ário com um soco.
- As discussões são em grego (Constantino não entende grego – usa intérpretes e gesticulação).

3 grupos:

1- Arianos – Eusébio de Cesaréia – ANOMAIS – Logos é Deus inferior diferente de Deus-


pai.
2- Semi-Arianos – Eusébio de Nicomédia – HOMOIOUSINOS – Logos é inferior ao Pai
mas semelhante em matéria.
3- Ortodoxos – Athanasio – HOMOOUSIOS – Igual em todos os aspectos.

Decreto do concílio: “Cremos em Deus Pai Criador e em Jesus Cristo (LOGOS) – Verbo de
Deus, verdadeiro Deus, Luz de luz, Primogênito gerado, feito da mesma substância do Pai”.
Condena-se Ário – que é perseguido.
No ano 330 – Eusébio de Cesaréia muda o pensamento de Constantino que aceita Ário que pede
que Athanásio aceite Ário na igreja de Alexandria.
Athanásio NEGA. (335)
No Sínodo de Tiro (335) – Athanásio é condenado e perseguido.

2. Humanidade de Cristo.

a) Apolinário – Nasceu em Laodicéia (310-390).


Pai – Sacerdote e Letrado = Boa Educação.
Estuda filosofia e letras clássicas – Mente controvertida.
Excomunhão (2 vezes) – 1ª vez – defendeu e participou de práticas e ritos pagãos.
2ª vez – Por defender Athanásio (perseguição).
Em 361 (após reabilitação) torna-se leitor da igreja de Laodicéia e professor de retórica.

Rejeita o conceito de que Cristo é Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem (diz que isto é
paganismo)

Escola de Antioquia – método literal


João 1:14 – Interpretado no sentido literal – Encarnação.
O Logos se fez carne (deixa de ser Deus e se transforma em homem)
Logos – Carne
Deus – Homem (Incompleto)

Natureza do homem – Corpo – parte física


- Alma – Parte espiritual (sobrenatural) – imortal.
- Espírito – sede de pecado.

Cristo - Corpo
- Alma
- Espírito (não tem pecado) – e é preenchido pelo Logos.
Condenado em 381 no Concílio de Constantinopla
b. Nestório (398-451) Nasce em Germanícia – Estudou Filosofia e é seguidor da escola de
Antioquia.
Em 428 foi sagrado bispo de Constantinopla – segue a interpretação literal das escrituras.
Combate o título de Teotokos dado à Maria (Mãe de Deus) Teo – Mãe + Tokos – Criança ou
grávida = Mãe ou Grávida de Deus.
“O humano não pode gerar o divino”.
Sugere que Maria seja chamada de Anthopotokos = Mãe de Homem ou Christotokos = Mãe
de Cristo.
Maria gerou apenas a parte humana de Cristo/ o divino é recebido.
“Cristo não é Deus/homem, ,Cristo é Deus e homem” (Deus+homem (Duas naturezas
diferentes).
2 naturezas (2 vontades) (Humana e divina).
Harmonia e concordância andam sempre juntas (as naturezas)

c. Eutico ou Eutiquio (378-454).

Antioquia – Desenvolveu a teoria Monofisita (monofisismo) –única natureza de Cristo.


Em Cristo a natureza divina absorveu a humana (assimilou), embora com duas naturezas a
vontade é única.

3 – A NATUREZA HUMANA (DO HOMEM)

a. Agostinho – Nasceu em Tagasta (norte da África)


Pai – era Proconsul (oficial romano)
Mãe – Mônica (cristã).
Menino precoce (pai aos 15 anos) – seu filho chamava-se ADEODATOS (a sua morte leva
Agostinho à consagração).
Aos 40 anos torna-se Bispo de Hipona
Obras: Confissões, Cidade de Deus, Tratados (contra o Maniqueísmo e outras heresias),
Suma Teológica.
Natureza humana – Homem criado puro, inocente, imortal e com livre arbítrio (posse non
pecare) – Natureza sem pecado.

NATUREZA DO HOMEM

a. Agostinho.

Posse Non Pecare (Corpo sem pecado = de Adão).

Pelo pecado Adão adquire a morte física e a morte espiritual, perde o livre arbítrio.
Transmite esta condição aos descendentes (humanidade).
Todos nascem em pecado – Massa Damnata (humanidade+Danificada) – estragada pelo
pecado – deteriorada, contaminada pelo pecado.
Tudo quanto o homem faz é pecado.
Ação do homem – mal.
Graça de Deus (Indumentura Gratiae) – é o poder do Espírito Santo que leva alguns homens
ao arrependimento e conversão.
Não é para todos, é somente para os escolhidos de Deus (predestinação) (eterna e absoluta).
Esta escolha é de um número determinado de pessoas.
Batismo de crianças – é o melhor porque ninguém sabe se já foi escolhida e pode ser uma
criança escolhida por Deus.

b. Pelágio:

Nasceu na Bretanha em 354 e morreu em 418.


Monge ortodoxo – visita Roma e se opõe à Agostinho.
Escreve um tratado sobre a fé e outro contra o Maniqueísmo.
Natureza humana: Toda ação é fruto da vontade humana.
Ação – 3 fatores: - Posse (poder ou objeto) – riqueza – dom de Deus.
- Velle (Vontade) – motivação.
- Esse (Realização) – culminação da ação. (os dois últimos dependem do
homem).

Homem é Puro e possui livre arbítrio.


Morte física.
Pecado: Adquire a morte espiritual.
Humanidade nasce no estado original de Adão – Puro, livre arbítrio e morte física.
O Homem possui livre arbítrio e peca porque quer, pela sua vontade.
O pecado de Adão é simplesmente um exemplo.
A graça é um privilégio de como o homem pode escolher não seguir o exemplo de Adão
(evitando o mal).
Nega a predestinação.
Salvação pela vontade (pelas obras), sem o evangelho..

8. Supremacia do poder Papal.

1. Decisões Conciliares.

a. Concílio de Nicéia (325).

- Constantino.
- Bispo de Roma (Silvestre) – não comparece.
- Decisão de que o bispo de Roma tenha a mesma autoridade, mesmo poder que o bispo de
Antioquia e de Alexandria – 3 principais cidades do império.

b. Concílio de Sardes (345)

- Constante (Cristianismo liberal).


- Decisão – O bispo de Roma deve investigar os casos de todos os bispos (não julgar).

c. Concílio de Constantinopla (381)

Certidão de Nascimento do termo “Católico”


Ver – Livro – Documentos do Cristianismo (Batteson)

- Convocado por Teodósio.


- Decisão: Bispo de Roma e Constantinopla são superiores aos demais.
- Razão: Roma – Capital do mundo e Constantinopla a 2ª.
d. Concílio de Calcedônia (451 d.C.)

- Convocado pelo imperador Marcion.


(Mãe do imperador envia uma carta) – considerar Roma como a máxima hierarquia pois
Roma era a mãe de todas as cidades.
- Bispo de Roma (Leão I) – Já Papa – Não comparecia mas mandava três representantes e
cada um deles votava em suas decisões.
- Artigo 9 – Casos de Bispos Regionais – serão julgados pelo Bispo de Roma.
- Artigo 28 – Outros casos mais simples o Bispo de Constantinopla os julga, é dito que o
Bispo de Roma é superior ao Bispo de Constantinopla.
(Roma – Constantinopla – Demais).

2. Atos do Bispo de Roma.

a. Leão I (Governa de 442 a 464) – Personalidade autoritária, rígida, disciplinada.

- Imperador Valentiano III – Decreta: Nenhum Bispo deve fazer coisa alguma (nada) que
esteja em desacordo com o Bispo de Roma.
- Enfrenta Átila, o huno.
-
b. Gelásio (Governa 492-496) – Conflito com o Imperador Constantino

- Anastácio – Cria a doutrina do poder de Deus – o poder divino se manifesta em dois


poderes.
b.1. – Poder real – realeza – mãos do rei – atos súditos Deus.
b.2. – Mãos do Papa – Atos dos reis perante Deus.
- O rei que não se submete à ordem divina então não é rei.

c. Símaco (Governa 498-514)

- Acusado de fraude e julgado (à revelia) – Disse que não existe tribunal na terra para julgar
o Papa.
- Reúne o Sínodo de Roma – o Papa não pode pecar (dogma da impecabilidade papal) (*)
(*) – foi corrigido no Concílio Vaticano I (em 1870-1879) – o Papa passou a ser perfeito
apenas na doutrina.

e. Gregório I (590-604)

- Prefeito de Roma.
- Embaixador em Constantinopla.
- Determina que todos os Bispos usem o Pálio (indumentária – capa) – Revela a hierarquia
canônica.
- Estabelece o canto gregoriano.

Fim da Matéria do Primeiro Semestre do 2º ano de Teologia.

Você também pode gostar