Você está na página 1de 8

PROPOSTA NOVEMBRO NEGRO 2019 – “A BELEZA DE SER O

QUE É”

APRESENTAÇÃO

A Secretaria Municipal da Educação, por meio do Departamento Técnico


Pedagógico, tem a honra de apresentar às Unidades Escolares o Projeto Novembro
Negro/2019, que traz o tema: “A beleza de ser o que é”. A presente proposta foi
pensada com o intuito de viabilizar a valorização das identidades étnico
étnico-culturais dos
educandos, na perspectiva da construção de uma escola plural que dialogue com a
diversidade. Segundo sociólogo Stuart Hall:

A identidade plenamente unificada, completa, segura e coerente é uma


fantasia. Ao invés disso, à medida em que (sic) os sistemas de
significação e representação cultural se multiplicam, somos
confrontados por uma multiplicidade desconcertante e cambiante de
identidades possíveis, com cada uma das quais pode poderíamos nos
identificar — ao menos temporariamente (HALL, 2006, p.5).

Pensar na construção identitária dos sujeitos não é tarefa fácil, devido à


complexidade das relaçõesque
que vivenciamos em nossa sociedade.. Deste modo, é preciso
lançar um olhar mais criteri
riterioso acerca das identidades no Brasil, uma vez que a sua
formação desigual ocasionou a imposição de um
uma cultura que se pretende hegemônica,
hegemônic
baseada em um modelo eurocêntric
eurocêntrico e que privilegia alguns grupos em detrimento de
outros. Segundo Candau (2012), a afirmação dass diferenças, sejam elas étnico-raciais,
étnico de
gênero, de orientação sexual ou religiosas manifesta-se de modos
dos plurais, assumindo diversas
expressões e linguagens. Assim, para que a escola possa potencializar as aprendizagens
dos educandos na garantia
antia do direito pleno à educação, é necessário desenvolver
práticas pedagógicas pautadas na equidade e na democracia, valorizando as diferenças
culturais no âmbito escolar e dialogando com essa diversidade. A escola,
escola como espaço
socializador e formador, deve ser local de diálogo, onde as singularidades e
subjetividades possam ser compartilhadas e respeitadas no intuito de fortalecer a
formação social de cada sujeito.
JUSTIFICATIVA

A publicação das Leis 10.639/03 e 11.645/08, que respectivamente tratam da


inclusão da história e cultura afro
afro-brasileira
brasileira e dos povos indígenas no currículo oficial
das escolas brasileiras, foi fruto de um longo processo de lutas desses grupos étnicos
bem como de outros setores si
significativos da sociedade civil em busca de
reconhecimento
onhecimento de sua importância para a construção da nossa sociedade. Ainda que
passados mais de 10 anos da aprovação dessas leis, a maior parte das imagens formadas
tanto sobre África bem como sobre as populações indígenas ainda são bastante
folclorizadas, remetendo, na maioria das vezes, a elementos exóticos da natureza ou a
indivíduos associados à inocência(com mais frequência no caso dos indígenas) ou ao
atraso e à selvageria.

Outra ideia equivocada


quivocada difundida ao longo dos anos é a de que não existe
preconceito racial no Brasil pelo fato de “sermos todos mestiços”. O que fez com que
essa falso pensamento ganh
ganhasse ecos foi o fato de que, aqui, ao contrário de
d outras
sociedades, como a norte
norte-americana, por exemplo, não se estabeleceram políticas
polít
estatais de segregação racial
racial.. Ao invés disso, o governo brasileiro incentivou políticas
de “branqueamento” da população, que seria feita através de casamentos inter
inter-raciais,
incentivadas, sobretudo, através do incentivo à imigração europeia
europeia.. No início
iníci do século
passado, acreditava-se
se que em algumas décadas não haveria mais negros no Brasil,
porém, com o passar do tempo
tempo, ficou evidente que a tentativa falha de extinção da
população negra só aumentou o abismo das desigualdades, o que torna ainda mais
urgentea necessidade de implementação de políticas afirmativas.

Deste modo, a temática “A beleza de ser o que é” foi pensada


ensada, para além da
inserção da história e cultura africana, afro-brasileira e indígena no currículo, com o
intuito de promover a valorização da nossa identidade plural
plural, através do diálogo com
todos os componentes curriculares e com o cotidiano dos estudantes, a fim de
possibilitar a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

OBJETIVO GERAL

Propiciar o fortalecimento da autoestima e da identidade dos educandos


candeenses a partir da valorização e respeito à diversidade étnico-racial,
racial, cultural, de
gênero e religiosa.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Fomentar as Leis 10. 639/03 e 11.645/08, a partir da concepção de qu


que as
populações tradicionais brasileiras descendem, na sua quase totalidade dos povos
africanos e indígenas;
 Possibilitar o fortalecimento da identidade e autoestima dos sujeitos, a partir de
vivências que possibilitem conhecer melhor a história da comunidade
comunid onde
vivem.Refletir
Refletir sobre a importância da educação na construção identitária dos
estudantes.
 Discutir sobre as diversas formas de preconceito racial buscando refletir
criticamente sobre a discriminação étnica, cultural e religiosa da população negra no
ambiente escolar e na sociedade.
 Realizar práticas pedagógicas que permitam o empoderamento dos educandos.
 Promover registros
registros(fotografias
(fotografias e produção de documentários) acercada
diversidade existente no município,
ípio, possibilitando a preservação dessas
manifestações culturais para as gerações futuras.
 Incentivar o protagonismo juvenil

METODOLOGIA

As atividades referentes à presente proposta fazem parte


rte de um conjunto de
ações que tiveram início
io na Jornada Pedagógica e vvêm sendo realizadas ao longo do
ano,, na perspectiva de pensar a história e cultura dos povos africanos, afro-brasileiros
afro e
indígenas como aspectos que devem pe
perpassar os componentes do currículo escolar ao
longo de todas as unidades letivas
letivas.

Dando continuidade
dade a essa agenda, no mês de outubro, ocorrerá um ciclo de
formações para os docentes de todas as áreas/segment
áreas/segmentos,
os, nas quais se discutirá
metodologias que possibilita
possibilitarão o trabalho em sala de aula. Em novembro, serão
realizadas diversas ações,, a exemplo de contação de histórias, sarau literário, rodas de
conversas, oficinas de artes, sessões de cinema seguidas de debate, aulas de campo,
dentre outras. Tais atividades estão programadas para acontecer nas Unidades escol
escolares
bem como em outros
tros espaços, como a Câmara de V
Vereadores,
ereadores, Centro de Formação
F de
Professores, museus e outros espaços públicos. Para além das ações promovidas pela
SEDUC, cada Unidade Escolar poderá desenvolver o seu ciclo de atividades internas, de
acordo com estas diretrizes aqui apresentadas.

Ao término das atividades


atividades, cada escola realizará um produto final, que pode ser
em forma de vídeo/documentário, relato de experiência, memorial, peça teatral, dentre
outros e que será apresentado à comunidade na culminância do projeto, em um ato de
demonstração de valorização e reconhecimento.

No dia da culminância será realizada uma Mostra Cultural


ultural na praça Dr.
Gualberto, que trará a exposição das produções realizadas pelos
os estudantes juntamente
com apresentações dos artistas convidados e ações como feira literária,
rária, sarau de poesia,
oficinas de grafite, pintura corporal, mostras de dança, dentre outras.

ORIENTAÇÕES GERAIS

Não caracterizar os estudantes como escravizados para as apresentações


(acorrentados ou recebendo outros castigos). É fato que o principal destino da
diáspora forçada africana no período colonial/imperial foi a escravização e a
temática não pode ser esquecida, no entanto, em termo de representaçõesdos povos
africanos e afrodescendentes, é fundamental construir também imagens positivas,
caracterizando
erizando os estudantes como reis e rainhas, guerreiras/guerreiros, dentre
outros, tendo sempre o cuidado de fazê
fazê-lo
o através de pesquisa coerente que
represente as individualidades e contribuições de cada povo/etnia.

O mesmo cuidado deve ser tido ao falar d


dos
os povos indígenas, a
representação dos indígenas como se ainda vivessem no período colonial, os
associaà imagem do atraso e à figura do “bom selvagem” presente, ainda, em
algumas obras literárias, o que não condiz com a situação atual dos mesmos.
Alguns elementos
ementos da cultura indígena, a exemplo do cocar, são sagrados para tais
comunidades e sua utilização de forma aleatória caracteriza
caracteriza-se
se em apropriação
cultural.Ao trabalhar com canções ou quaisquer produções artístico
artístico-literárias,
selecionar aquelas produzid
produzidas
as por representantes indígenas, tendo o cuidado de
pesquisar a comunidade/ etnia que a produziu. Propor/apresentar uma breve
pesquisa sobre essas comunidades, apontando para aspectos históricos, local
localização
geográfica e costumes. (Orientações completas na proposta do Abril Indígena).
Indígena)
FORMAÇÕES

DATA PÚBLICO TEMA RESPONSÁVEL LOCAL


19/09/2019 Professores de Seminário Jair Cardoso, Marise CFP
História e Geografia, “Candeias: Santana, Márcio
estudantes e Territórios e Salustiano e Equipe
comunidade Identidades” SEDUC
21/10 Professores do 1º Oficina de contação Ana Fátima e CFP
Ano do F1 de histórias Equipe SEDUC
13h às 17h Coordenadores da EI afrocentradas
e F1
22/10 Professores do 2º Griot Cultural Marcus Vinícius Ginásio de Esportes
Ano FI e Auxiliares através da oralidade Santana(Centro
de Classe PNE e roda de capoeira Cultural
inclusiva Maracangalha) e
equipe SEDUC
23/10 Professores do 3º e 4º Oficina de CFP
Ano do F1 e etnomatemática –
Jogos MancalaOuri
24/10 Professores do 5º CFP
Ano do F1 e Classes
Multi
25/10 Professores Segundo Oficina de Aline e Érica Marise
Regente brinquedos – Mediação: Milena
afirmativos e Maihara CFP
Professores de A capoeira como Janja Araújo, CFP
Educação Física forma de Marcus Vinícius
28/10 emancipação e Santana e equipe
resistência SEDUC
Professores de Artes A importância da Ralficee Robério CFP
expressividade
simbólica das
Máscaras africanas.
29/10 Professores deLíngua Letramentos Negros Ana Lúcia Silva CFP
Portuguesa e Ensino Sousa e Equipe
SEDUC
30/10 Matemática Oficina de UNILAB e equipe Entrar em contato com a
etnomatemática – SEDUC UNILAB(Articular com Jose)
Jogos Mancala Ouri
Ciências Roda de conversa Kinda França CFP
sobre a saúde da
População negra
31/10 História e Geografia CFP
11 a 15/11 Educação Infantil
ATIVIDADES A SEREM REALIZADA
REALIZADASNAS
SNAS ESCOLAS

DATA/LOCAL ATIVIDADE RESPONSÁVEIS PÚBLICO OBSERVAÇÕES


11/10-Museu Aula de campo no Fernanda Pita e Estudantes e Ver as
Wanderley distrito de Caboto Equipe SEDUC professores da demandas(ônibus,
Pinho Rede lanche...)

A Definir Roda de conversa: Beatriz Marques e Estudantes e Definir Unidades


Aceitação, Equipe SEDUC professores da Escolares e
representatividade e Rede Data/horário
protagonismo
A Definir Oficina de Artesanato Márcio Salustiano Estudantes e Definir Unidades
“Raízes da minha e Equipe SEDUC professores da Escolares e
terra” Rede Data/horário
A Definir Sarau de Literatura Preto Jhoy e Estudantes e Definir Unidades
Negra e Produção Equipe SEDUC professores da Escolares e
Textual Rede Data/horário
A Definir Roda de Juliana Ventura e Estudantes e A escola irá escolher
Conversa:Qual a Equipe SEDUC professores da a temática de acordo
nossa verdadeira Rede com a necessidade
história? de intervenção

Personalidades
negras que trilharam
os caminhos que
seguimos hoje

Turbantes e tranças
como forma de
cultura e
empoderamento e não
somente estética

Do quilombo à
comunidade

A África na Bahia:
legado deixado pelos
nossos ancestrais

Colorismo: Os 70 tons
de pele negra. Quem é
mais ou menos negro?

A Definir Vivência Culinária Grupo Sabores da Estudantes e


“Saberes e sabores de Maré e Equipe professores da
Passé” SEDUC Rede
A Definir Oficina de dança Kézia Machado e
Zumba,Kizomba e Equipe SEDUC
Dança Afro

Roda de conversa:
Aceitação,
representatividade e
protagonismo
A Definir Vivência artística JojoDhusan e
com intertextualidade Equipe SEDUC
entre dança e teatro
A Definir Oficina de Artes Fábio Barata e Solicitar lista de
Visuais: Equipe SEDUC materiais; Fazer
Expressividade ofício para a
através do Grafite SECULT;
A Definir Oficina de Rafael dos Anjos e Solicitar lista de
Fotografia/Exposição Equipe SEDUC materiais; Buscar
Fotográfica “A Beleza parceiros para
de ser o que é” impressão de
fotografias
A Definir Contação de Equipe Definir Unidades
histórias/Mediação de SEDUC(Biblioteca Escolares e
Leitura Itinerante) Data/horário
A Definir Exibição de Filmes Maihara e Equipe Definir Unidades
seguida de debatee SEDUC Escolares e
Data/horário
21/11/19- Sessão Especial sobre
Câmara de a lei 10.639/03
Vereadores
REFERÊNCIAS

BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lilia Moritz. Cidadania, um Projeto em


Construção: Minorias, justiça e direitos. São Paulo: Claro Enigma, 2012.
CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: O longo caminho.. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2012.
CANDAU, Vera Maria.” Diferenças culturais, intercul
interculturalidade
turalidade e educação em direitos
humanos”. Educação &Sociedade
&Sociedade.V. 33, n. 118, p. 235-250, 2012.

HALL, Stuart. “Da


Da diáspora: identidades e mediações culturais
culturais”.. In: SOVIK, Liv
(Org.). Representação da UNESCO no Brasil
Brasil.. Belo Horizonte: UFMG, 2003. 434 p.
______. A identidade cultura na pós
pós-modernidade. 11. ed.Rio
Rio de Janeiro: DP&A, 2006.