Você está na página 1de 70

Curso Técnico Integrado de Petróleo e Gás

§ Classificação dos reservatórios

É feita de acordo com o comportamento da mistura de


hidrocarbonetos nele contida. Apenas a composição não é
suficiente para determinar o estado físico, e muito menos o
tipo de fluido que irá resultar ao ser levada para superfície.

O COMPORTAMENTO DE UMA DETERMINADA MISTURA


VAI DEPENDER TAMBÉM DAS CONDIÇÕES DE PRESSÃO
E TEMPERATURA A QUE ESTIVER SUBMETIDA.
Para entender a classificação dos reservatórios a
partir dos fluidos contidos neles, faz-se necessário conhecer o
comportamento das misturas de hidrocarbonetos em função
de alterações na temperatura e na pressão, como também
estabelecer algumas definições:

Ponto de bolha

Ponto de orvalho
§ Propriedade dos fluidos

Ponto
PC C critico

Líquido OBSERVAÇÕES:
1 2 4
• Curva de equilíbrio líquido-
Pressão

vapor ou de vaporização;
3
• O ponto de orvalho coincide
Vapor com o ponto de bolha;
• Ponto crítico: maior ponto de
pressão em que as duas fases
Temperatura TC coexistem.

Diagrama de fases
§ Mistura de hidrocarbonetos
Curva dos pontos de bolha e curva dos pontos de orvalho;

OBSERVAÇÕES:

Ponto • O ponto de orvalho NÃO


crítico coincide com o ponto de bolha;
Líquido
Pressão

Líquido + • Ponto crítico: ponto de


Vapor encontro das duas curvas.
1 2 3 4
Vapor

Temperatura

Diagrama de fases de mistura


• Importante: Cada mistura possui o seu diagrama de fases particular.

• Linha cricondenbárica - linha


tangente a curva dos pontos de
bolha e perpendicular ao eixo das
pressões e representa a maior
pressão em que ainda coexiste as
duas fases.

• Linha cricondenterma – linha


tangente a curva dos pontos de
orvalho e perpendicular ao eixo de
temperatura, a qual representa a
maior temperatura em que ainda se
tem a coexistência de duas fases.
§ Classificação dos reservatórios

É feita de acordo com o comportamento da mistura de


hidrocarbonetos nele contida. Apenas a composição não é
suficiente para determinar o estado físico, e muito menos o
tipo de fluido que irá resultar ao ser levada para superfície.

O COMPORTAMENTO DE UMA DETERMINADA MISTURA


VAI DEPENDER TAMBÉM DAS CONDIÇÕES DE PRESSÃO
E TEMPERATURA A QUE ESTIVER SUBMETIDA.
§ Tipos de reservatórios

Em função das diferentes composições das misturas


de hidrocarbonetos e das diferentes condições de
temperatura e pressão, existem três tipos de reservatórios:
Reservatório de líquido (reservatório
de óleo)

Reservatório de gás

Reservatório com as duas fases


em equilíbrio
§ Tipos de reservatórios

Classificação dos reservatórios de petróleo

•De acordo com as várias condições de T e P que as acumulações


de petróleo podem se encontrar nas bacias sedimentares, elas
podem estar em estado líquido, gasoso ou uma parte gasosa e outra
líquida;

•Os reservatórios líquidos são de óleo cru (portadoras de misturas


líquidas) e os reservatórios gasosos são de gás natural (portadoras
de misturas gasosas);
§ Tipos de reservatórios

Classificação dos reservatórios de petróleo

•A classificação é feita pelo tipo de fluído produzido em superfície,


isto é, nas condições de P e T nos equipamentos de separação dos
fluídos em superfície (separadores bifásicos, trifásicos);

•Estudaremos os vários tipos de reservatórios que ocorrem nas


bacias sedimentares através dos diagramas de fases para assim
melhor entender as propriedades dos fluídos e seu comportamento
durante a fase de explotação desses reservatórios.
§ Tipos de reservatórios

Classificação dos reservatórios de petróleo

Classificação quanto ao tipo de fluido

Reservatórios de óleo;
•Baixa contração;
•Alta contração ou volátil;
•Normal ou quase crítico

Reservatórios de gás;
•Condensado retrógrado ou condensado quase
crítico;
•Úmido o de gás condensado
Gás seco
§ Reservatórios de óleo

Quando um reservatório de
hidrocarbonetos apresenta
uma única fase liquida (todo
o gás encontra-se
dissolvido na fase óleo), é
chamado de reservatório
subsaturado. Já, quando os
hidrocarbonetos se
apresentam em duas fases,
sendo óleo e gás livre, é
chamado de reservatório
saturado.
§ Reservatórios de óleo

De acordo com a posição


que ocupa no diagrama de
fases, uma mistura líquida
pode receber o nome de
óleo saturado ou óleo
subsaturado.
§ Tipos de reservatórios
§ Tipos de reservatórios
O comportamento de um
O ponto crítico é fluido de reservatório
definido como sendo o durante a produção é
ponto em que as determinado pela forma
propriedades do do seu diagrama de fases
líquido e gás tornam- e pela posição do seu
se idênticas ponto crítico.
De acordo com o diagrama de fases do sistema
multicomponentes e as condições iniciais de pressão e
temperatura do reservatório, cinco tipos de fluidos diferentes
podem ocorrer em um reservatório, conforme abaixo:

*Reservatório de óleo tipo “black-oil”


*Reservatório de óleo volátil
*Reservatório de gás seco
*Reservatório de gás condensado (gás úmido)
*Reservatório de gás condensado retrógrado
Reservatório de Óleo Tipo “Black-oil”

Esse tipo de denominação representa uma grande variedade


de óleos não necessariamente pretos, possuem um grau de
encolhimento baixo, densidade menor que 45° API. São conhecidos
como óleos comuns ou de baixo encolhimento.

Reservatório de Óleo Volátil

Nessa denominação estão os óleos de alto teor de


hidrocarbonetos intermediários e pouco pesados. Uma pequena
queda na pressão já desencadeia grande desprendimento de gás
da solução. Têm baixa viscosidade, coloração clara, densidade
entre 36 e 50° API com alto teor de gás dissolvido.
§ Reservatórios de gás

Chama-se de reservatório de gás a jazida de petróleo


que contém uma mistura de hidrocarbonetos que se encontra
no estado gasoso nas condições de reservatório.
Dependendo do seu comportamento, quando sujeito a
reduções de pressão dentro do reservatório e do tipo de fluido
resultante nos equipamentos de superfície, os reservatórios de gás
podem ser classificados em: reservatório de gás úmido, reservatório
de gás seco e reservatório de gás retrógrado.
§ Reservatórios de gás úmido e reservatório de gás seco

A mistura gasosa, ao ser levada para superfície é


submetida a processos nos quais os componentes mais
pesados são separados dos mais leves.

Produz certa • Reservatório de gás


quantidade de úmido LGN
líquido

Não produz • Reservatório de gás


líquido seco
Reservatório de Gás Seco
Nesses tipos de reservatório, não ocorre a formação de
líquido em condições normais. As propriedades reológicas desse
tipo de óleo podem ser modeladas de uma forma mais simples que
os anteriores, usando a equação geral dos gases.

Reservatório de Gás Úmido


Nesse tipo de reservatório, ocorre a formação de óleo na
região do separador.
Reservatório de Gás Retrógrado

Neste tipo de reservatório toda a mistura apresenta-se


completamente no estado de vapor dentro do reservatório, à
medida que a pressão vai tomando valores menores, líquido
vai se formando e se depositando no reservatório.
Reservatório de Gás Retrógrado

A certa altura da vida produtiva da jazida começa a ocorrer


uma condensação de certos componentes da mistura, assim, uma
parte do gás se liquefaz, com a continuidade da produção a
pressão continua a decair, fazendo com que o gás que foi
liquefeito retorne ao estado de vapor.

• Espera-se que redução de


Fenômeno retrógado pressão em geral causa
vaporização de liquido, e aqui
ocorre o oposto
Reservatório de Gás Retrógrado
Também conhecido por gás condensado, é totalmente gás em
condições de reservatório. A medida que se reduz a pressão abaixo
da pressão de orvalho, forma-se um líquido que é depositado ainda
no reservatório;

•Normalmente, esse líquido não irá escoar e, portanto, não será


produzido. No entanto, acarreta problemas para a produção já que o
aparecimento de uma saturação de líquido em reservatório diminui a
permeabilidade relativa ao gás;

•O ponto crítico é deslocado para a esquerda do envelope;

•A temperatura de reservatório se situa entre a temperatura


crítica e a cricondentérmica.
§ Mecanismos de produção

Os mecanismos de produção do reservatório são:

Mecanismo de gás em solução;


Mecanismo de capa de gás;
Mecanismo de influxo de água;
Mecanismo combinado.
§ Mecanismo de gás em solução

Neste caso específico de mecanismo o


reservatório está isolado, ou seja, não é associado a
grandes massas de água ou gás natural, assim, não há
nenhum fluxo fluido externo que possa contribuir com a
expulsão dos HC.

A ENERGIA DISPONÍVEL PARA PRODUÇÃO


ENCONTRA-SE NA PRÓPRIA ZONA DE ÓLEO.
§ Mecanismo de gás em solução

A produção de fluidos provoca redução na


pressão, que por sua vez, além de proporcionar a
vaporização de mais componentes leves, acarretando na
expansão dos fluidos, e o volume dos poros também se
reduz (baixa compressibilidade).

PRODUÇÃO DE FLUIDO -> REDUÇÃO DE PRESSÃO


-> EXPANSÃO DE FLUIDOS E REDUÇÃO DOS
POROS -> MAIOR PRODUÇÃO
§ Mecanismo de gás em solução

Como o gás é muito mais expansível que o


líquido, é basicamente devido à sua expansão que vai
acontecer o deslocamento do líquido para fora do meio
poroso.
Então, o mecanismo é exatamente esse:

A produção é o resultado da expansão do gás


que inicialmente estava dissolvido e que vai saindo
de solução. Quanto mais a pressão cai, mais o gás
se expande e mais líquido é deslocado.
§ Mecanismo de gás em solução
§ Mecanismo de gás em solução

Com a produção, o gás leva consigo a energia do


reservatório fazendo com que a pressão decline
rapidamente.

Reservatório
de baixa
recuperação
(cerca de 20%)
->energia se
esgota
rapidamente
§ Mecanismo de capa de gás

CONDIÇÃO INICIAL DO RESERVATÓRIO -> 2 FASES

LIQUÍDO + VAPOR (menor densidade, parte mais alta do R)

A zona de líquido é colocada em produção, enquanto a


zona de gás é preservada, já que a principal fonte de energia
para a produção está no gás da capa.
§ Mecanismo de capa de gás

O mecanismo funciona da seguinte maneira: a zona de


óleo é colocada em produção, o que acarreta uma redução na
sua pressão devida à retirada de fluido.

Essa queda de pressão se transmite para a capa de


gás, que se expande penetrando gradativamente na zona de
óleo. O gás da capa vai ocupando espaços que anteriormente
eram ocupados pelo óleo.
§ Mecanismo de influxo de água

O mecanismo se manifesta da seguinte maneira:


a redução da pressão do reservatório, causada pela
produção de hidrocarbonetos, após um certo tempo é
transmitida e se faz sentir no aquífero, que responde a
essa queda de pressão através da expansão da água
nele contida e da redução de seu volume poroso.

Há, portanto uma invasão da zona de óleo pelo


volume de água excedente. Essa invasão, que recebe o
nome de influxo de água, vai, além de manter a pressão
elevada na zona de óleo, deslocar este fluido para os
poços de produção.
§ Mecanismo combinado
Até a próxima
aula....

Você também pode gostar