Você está na página 1de 4

Relatório

Haverá o intuito de demonstrar as diversas possibilidades de aplicação de


máscaras de argila (verde, vermelha e amarela, principalmente) apresentadas pelo
grupo - ou, de maneira geral, algumas facetas da Argiloterapia.
Estas, as máscaras de argila, vieram tanto cruas (sic) - utilizadas somente
misturadas com água- quanto associadas a óleos essenciais e à água de lavanda
para potencializar seus efeitos e aumentar sua gama de viabilidade de atuação.
Contudo, devido à explicação advinda do grupo não abarcar muito do que
percebo ser interessante desta área da estética como saúde, achei necessário um
pouco mais de embasamento científico neste relatório a fim de aprofundar o
conhecimento sobre estes tópicos (argilas e óleos essenciais).
É válido, ainda, citar que suas principais ideias giravam em torno da argila
verde, visto imenso espectro de aplicação. Segundo Amorim e Piazza (2013, p.6), a
argila verde “aplicada no corpo promove tensionamento, melhorando a flacidez
tissular, auxilia no combate da celulite e na estética facial é indicada para peles
oleosas, regulando a oleosidade da pele”. Não obstante
“a argila verde destaca-se como a mais comum em utilização clínica, por ser
considerada uma argila de “cor neutra”. É indicada para expectorar secreções
(respiratórias), tratar quadros de distúrbios respiratórios, inflamação nas
articulações e para úlceras. Seu efeito é equilibrador, favorecendo a
sensação de contentamento e tranquilidade.” (LOPES & MEDEIROS, 2014,
p.16)
Ainda, foram trabalhadas as argilas Vermelha e Amarela. De maneira simples
e direta, a Argila Amarela “combate e retarda o envelhecimento cutâneo, nutre com
seus sais minerais necessários para um tecido mais rígido e saudável sem deixá-lo
ressecado. Tem ótimo efeito tensor e melhora a circulação sanguínea.“ (JORGE,
2011, p.19). A Argila Vermelha, por sua vez, é
“porosa, pouco densa, rica em óxido de ferro e cobre. Hidrata e previne o
envelhecimento da pele. É anti-stressante, redutora de pesos e medidas. O
Óxido de Ferro tem papel importante na respiração celular e na transferência
de elétrons. (IBID, 2011, p. 19)
Ainda, e como gancho para falar dos óleos essenciais, é interessante
apresentar algo que ocorreu durante a apresentação. Uma pessoa de pele madura
foi à frente para receber procedimento de aplicação de argila, e o grupo entendeu
válida a aplicação de argila verde no rosto dela. Aí houve uma intervenção visto a
ação deveras secativa da argila verde, e uma colega sugeriu um blend de argila
vermelha com óleo essencial de gerânio para esta pele.
O grupo logo percebe que esta possibilidade seria mais interessante. Isto
porque o efeito hidratante e anti-aging da argila vermelha seria a melhor escolha
naquele momento, ainda mais porque haveria sua potencialização de resultado pelo
óleo essencial de gerânio. Este óleo essencial possui “ação analgésica, regulador
das hipossecreções andróginas e estrógenas, diurético, hemostático, repelente de
inseto, cicatrizante, indicado para menopausa, TPM, acne, entre outras.”
(ANDRADE, 2011, p.116).
No geral, o grupo focou mais em argila verde junto da água de lavanda em
sua apresentação. A água de lavanda possui, segundo Almeida (2011) ação
refrescante, anti-séptica e germicida - além de diversas outras. O óleo essencial de
lavanda, por sua vez, quando utilizado em argiloterapia, possui ação cicatrizante,
além de equilibrar a oleosidade e estimular a renovação celular (LIMAS et. AL,
2010). Ele, contudo, pode causar irritação na pele, e, por isso, muitas vezes é mais
conhecido e mais utilizado somente na aromaterapia.
Outro óleo essencial utilizado associado a argilas de maneira bastante
comum é o de Melaleuca. Maluf (2009 apud RONCHI et. AL, 2018) apresenta que
este óleo essencial possui “grande poder bactericida, fungicida, cicatrizante,
antisséptico, expectorante, anti-infeccioso, balsâmico, anti-inflamatório, antiviral,
febrífugo, inseticida, imunoestimulante, diaforético e parasiticida”. É de se notar que
todas estas características são extremamente válidas e importantes na hora de
pensarmos em tratamentos estéticos tanto faciais quanto corporais.
Em suma, a palestra foi deveras esclarecedora sobre muitas questões a cerca
do uso das argilas não só associadas à agua de lavanda, como também à óleos
essenciais e ainda à sua aplicação sozinha. Ainda, foi ainda mais revigorante no
sentido de instigar o desejo de pesquisa acerca dos tópicos abordados.
Referencial Teórico
ALMEIDA, MZ. Almanaque. Em: Plantas Medicinais [online]. 3a ed. Salvador:
EDUFBA, 2011, pp.
146-208. ISBN 978-85-232-1216-2. Disponível em: SciELO Books
<http://books.scielo.org>. Acesso em: 1 nov. 2019

AMORIM, Monthana Imaí de; PIAZZA, Fátima Cecília Poleto. Uso de Argilas na
Estética Facial e Corporal. 2013. 13 f. TCC (Graduação) - Curso de Tecnologia em
Estética e Cosmética, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2013. Disponível em:
<http://siaibib01.univali.br/pdf/monthana%20imai%20de%20amorim.pdf>. Acesso
em: 1 nov. 2019.

ANDRADE, Bruna Fernanda. (2011). Óleos essenciais: aspectos gerais e usos em


terapias naturais.. Cadernos Acadêmicos Universidade do Sul de Santa Catarina,
Santa Catarina, ISSN 2175-2532. 3.

JORGE, Lucia Helena De Araújo . Argila – Propriedades e utilizações.


Respostatecnica.org.br. Disponível em:
<http://respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/downloadsDT/NTY4Nw==>. Acesso
em: 1 nov. 2019.

LEITE, Cláudia Mello. ARGILA VERDE E SEU PODER DE CICATRIZAÇÃO NO


PÓSOPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA. 2016. 14 f. Monografia
(Especialização) - Curso de PÓs-graduaÇÃo em Procedimentos EstÉticos e PrÉ e
PÓsoperatÓrio, Faculdade do Centro Oeste Pinelli Henriques, Manaus, 2016.
Disponível em:
<https://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/199/5-Argila_verde_e_seu_poder_de_
cicatrizaYYo_no_pYs-operatYrio_de_Abdominoplastia.pdf>. Acesso em: 1 nov.
2019.

LIMAS, Jaqueline Rosa de; DUARTE, Rosimeri; MOSER, Denise Krüger. A


Argiloterapia: Uma nova alternativa para tratamentos contra seborreia, dermatite
seborreica e caspa. 2010. 17 f. TCC (Graduação) - Curso de Cosmetologia e
Estética, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2010. Disponível em:
<http://siaibib01.univali.br/pdf/Jaqueline%20Rosa%20de%20Limas%20e%20Rosime
ri%20Duarte.pdf>. Acesso em: 1 nov. 2019.

LOPES, Lara Fernanda de Morais; MEDEIROS, Graciela Mendonça de S.. ARGILAS


MEDICINAIS: POTENCIAL SIMBÓLICO E PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS DAS
ARGILAS EM SUAS DIVERSAS CORES. 2014. 28 f. TCC (Graduação) - Curso de
Naturologia Aplicada, Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2014.
Disponível em:
<http://www.nucleogra.com.br/wp-content/uploads/2014/03/Argilas-Medicinais-Poten
cial-Simbolico-e-Propriedades.pdf>. Acesso em: 1 nov. 2019.

RONCHI, Beatriz; ROSSETTI, Bianca; FALDONI, Flávia. O potencial do óleo


essencial de melaleuca em tratamentos estéticos faciais. Revista Científica
Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 3, Ed. 1, Vol. 1, pp. 56-73, Janeiro de
2018. ISSN:2448-0959

Você também pode gostar