Você está na página 1de 11

IE325 Eletrônica Básica I

Prof. Fabiano Fruett

Principais funções dos espelhos de


corrente em um circuito integrado

• Polarização
• Fontes e sorvedouros de corrente
• Carga ativa
• Processamento e condicionamento de sinais
• Multiplicadores/divisores

1
Comparação em relação a área ocupada
para implementar um transistor e um
resistor integrado

Características desejáveis presentes


nos espelhos de corrente

• Facilidade de integração
• Ocupam pouca área (principalmente quando
comparados aos resistores)
• Estruturas que dependem de “casamento”
• Elevada impedância de saída

2
Espelho “Conversor” de corrente

Conversões internas: I →V =V → I

Fonte: Carlos Alberto dos Reis Filho, Tópicos em Circuitos Integrados Analógicos 5

Fonte de corrente com Espelho Básico MOS

VDD − VGS
I REF =
R
IO (W L )2
1 W  =
= I D1 = kn´   (VGS − Vt ) (W L )1
2
I REF I REF
2  L 1

1 ´ W 
IO = I D 2 = kn   (VGS − Vt )
2

2  L 2 Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.4 6

3
Deve-se garantir que os transistores
operem na saturação

1 W
iD = µn Cox ( vGS − Vt )
2

2 L

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição 7

A fonte de corrente ideal

is ( t ) RS

Q 8

4
Impedância de saída

∂vDS VA' L
r0 = =
∂iD vGS =const.
ID

1 ´W
iD = k n ( vGS − Vt ) (1 + λ vDS )
2

2 L
Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição 9

Razão de espelho considerando


modulação do comprimento do canal

IO (W L )2  VO − VGS 
= 1 + 
I REF (W L )1  V ' L2  A2

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.5 e 6.6 10

5
Guias de corrente em tecnologia CMOS

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.7 11

Espelho de corrente com TBJ

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.8 12

6
Não idealidades
● Corrente de base
● Resistência de saída finita

 
 m  V −V 
I 0 = I REF    1 + 0 BE 
 1+ m +1   VA 2 
 β 

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.9 13

Estrutura Cross-Quad para melhoria do


casamento

C1 C2

B1 B2

14

7
Espelhos básicos I e → VX = VX → I s

bipolar MOS

Fonte: Carlos Alberto dos Reis Filho, Tópicos em Circuitos Integrados Analógicos 15

Exemplo de utilização do espelho em


amplificadores operacionais: Polarização

Fonte: Ravazi, B., Design of Analog CMOS Integrated Circuits, McGrawHill, 2001 16

8
Espelho de corrente cascode

R0 = rout = g m3ro3ro 2

Possibilita o aumento da impedância de saída e diminuição


dos efeitos de descasamento ao custo de uma diminuição
da excursão da tensão de saída

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.58 17

Espelho de corrente de Wilson e variações

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.61 18

9
Espelho de corrente com degeneração de
emissor ou fonte

Ro

Ro = g m 2 ro 2 R

Fonte: Sedra & Smith, Microelectronica, 5ª Edição, Fig. 6.62 19

Espelho de corrente bipolar sensível ao


estresse mecânico
Layout

+Vee

C3

C1 E C2

C4
IREF IOUT

P+ (DP)

C1 E C2 B Sub
P+ P+
E P+ N+
N+ N-epi
Buried layer (N+)
P-Substrate
Active base region

Fonte: F.Fruett, Sensors and Actuators 20

10
Espelho de corrente bipolar sensível ao
estresse mecânico (resultados)
1.25
1.2
1.15

Mirror ratio m
1.1
Theoret.
1.05
Experim.
1 Curve fit
0.95
0.9
0.85
-200 -100 0 100 200
Stress [MPa]
80µm

IREF = 2.5 µA
VBE = 0.6 V

Fonte: F.Fruett, Sensors and Actuators 21

FIM

Q 22

11