Você está na página 1de 6

A PROPÓSITO DO CONTRATO SOCIAL (1987)

Monique Wittig

Proponho uma tarefa difícil: trata-se de reavaliar a noção de contrato social


como noção de filosofia política. É uma noção nascida nos séculos XVII e XVIII.
É também o título de um livro de Rousseau: Sobre o contrato social ou
Princípios do direito político. Mais tarde, Marx e Engels se levantaram contra o
conceito de contrato social, porque se opunha à necessidade de luta de
classes. Historicamente, era uma idéia superada que não dizia respeito ao
proletariado (na ideologia alemã, parece claro que, para Marx e Engels, a luta
proletária, dependendo de suas relações com produção e trabalho, não pode
enfrentar a ordem social, exceto em massa). Segundo eles, o termo "contrato
social", na medida em que implica uma idéia de escolha individual e associação
voluntária, pode ser aplicado aos servos. De fato, por vários séculos eles foram
se libertando, um por um, fugindo da terra à qual estavam ligados. E também
assim um por um como os servos se associaram para formar as cidades, daí o
nome de burguês que foi dado mais tarde, ou seja, as pessoas que criaram um
bairro1.

Sempre pensei que as mulheres, como grupo social, tivessem uma


estrutura bastante semelhante à classe dos servos. Capazes de trabalhar como
eles, e como eles, ligado ao que pode ser comparado à terra, à família - se
você amarrar uma cabra, ela acabará pastando. Hoje estou ciente de que elas
não podem ser separadas da ordem heterossexual, exceto fugindo dela uma a
uma. É isso que explica meu interesse em uma noção como o contrato social,
uma noção pré-industrial. De fato, a estrutura de toda a nossa classe em
termos mundiais é essencialmente feudal e mantém lado a lado e nas mesmas
pessoas formas de produção e exploração que são capitalistas e pré-
capitalistas.

É um dos aspectos da minha tarefa em geral. Outro aspecto do meu


trabalho diz respeito à linguagem. Porque para um escritor, a linguagem é
apresentada como um material muito concreto ao qual se pode agarrar. Mas,
em sua forma social, acabada, a linguagem também é o primeiro contrato
social permanente, definitivo. Porque o primeiro acordo entre seres humanos, o
que os torna seres humanos e seres sociais é a linguagem. A história da Torre
de Babel é um exemplo perfeito do que acontece quando o contrato é
dissolvido.

Por ter usado o termo "contrato heterossexual" várias vezes em meus


ensaios anteriores ao mesmo tempo em que falara do "contrato social como

1 Colette Guillaumin: "Siervos fugitivos y artesanos están en el origen, en los reagrupamientos


urbanos de la Edad Media, del movimiento de comunas que desarrollaba una solidaridad anti
feudal, necesaria para resistir a los intentos de recaptura o de manumisión de los señores
feudales sobre los individuos que intentaban liberarse".
heterossexual", sinto-me compelido a refletir sobre essa noção de contrato
social. Por que essa noção tem algo irresistível para mim quando parece ter
sido abandonada pela ciência e pela história modernas? Por que reverberar
aqui e agora, longe de seu momento inicial? Por que enfatizei veementemente
a necessidade de destruir o contrato social heterossexual? A questão geral do
contrato social é um problema filosófico sempre atual, na medida em que inclui
todas as atividades humanas, relacionamentos, pensamentos, a tal ponto que
"o homem (que) nasceu livre ... (encontra-se) ... em todo lugar acorrentado
"(Rousseau).

A promessa do contrato social a ser realizado para o bem de todos e de


cada um não foi historicamente culminada, mantendo assim sua dimensão de
utopia. Aqui, em poucas linhas, está o esboço mínimo de Rousseau do contrato
social: "Encontrar uma forma de associação que defenda e proteja com todas
as forças comuns a pessoa e a propriedade de cada associado e pela qual
cada um, unindo-se a todos, não obedeça no entanto mais do que a si mesmo
e permaneça tão livre quanto antes ". Não vivemos sob esse contrato ideal,
mas sob um contrato bastardo que não diz seu nome. É deste último o que se
trata aqui, este é o que eu questiono, tendo Rousseau como pano de fundo.

Em seu aspecto geral, diz respeito a todos os seres humanos. Mas


quando digo que o contrato heterossexual deve ser quebrado como tal, designo
o grupo humano "mulheres". Não entendo, no entanto, que o contrato social
deva ser quebrado como tal, porque seria absurdo. O que deve ser quebrado é
o contrato de heterossexualidade que também é implicitamente parte do
contrato ideal de Rousseau. Se examinar o que um contrato bem estabelecido
pode fazer por nós [mulheres], devo primeiro examinar as condições e conflitos
históricos que podem nos permitir pôr um fim às nossas obrigações sem nosso
consentimento, uma vez que não desfrutamos de reciprocidade, a condição
necessária para nossa liberdade, parafraseando Rousseau.

O conjunto de relações entre os sexos, em si um mapa muito preciso do


contorno geral da sociedade, contém e molda o contrato social, como ele existe,
porque é claro que ele existe, mesmo que não seja o que Rousseau sonhou.
Há, portanto, razões históricas - tanto filosóficas - para se interessar pelo que
Rousseau quis dizer, que dizem respeito às estruturas dos grupos sexuais e à
sua situação específica em todas as relações sociais de produção e comércio
individual.

A noção de contrato social foi precedida pelas reflexões de Hobbes e


Locke, filósofos ingleses do século XVII. Com a desintegração das teocracias
como as únicas formas possíveis de estado, com o questionamento de Deus
como provedor de toda autoridade, os filósofos falaram da formação da
sociedade em termos de pacto social, convenção. E fazendo isso, eles se
referiram a um tipo de pacto primeiro que teria a função de vincular as pessoas
umas às outras. Mas, em sua concepção, nenhuma forma de sociedade pode
escapar desse princípio fundador de que "o direito é a força". Esse era
realmente o ponto de vista de Aristóteles quando, na Política, ele descreve
como o Estado deveria ser constituído. Para ele, estabelecer uma sociedade
não exigia o acordo de seus membros, nem seu bem. Foi necessário um golpe
de força, uma imposição sobre os que não pensam - em geral o mais forte. Em
seus termos: "A combinação entre governantes e governados é essencial, a
razão de sua união ser sua segurança mútua. Porque quem pode, por sua
inteligência, prover as coisas necessárias é, por natureza, um governante e um
senhor; enquanto aquele cuja a força física só permite que você as execute é
por natureza um escravo, um dos governados. Portanto, existe um interesse
comum que une o senhor e o escravo”.

Isso é o que Rousseau chamaria de "agregação" e não de um


"associação". Rousseau é o primeiro filósofo que não considera necessário
para a boa marcha de uma sociedade que esta se apoie sobre o direito do mais
forte. Nada é mais agradável do que seu sarcasmo sobre o direito dos mais
fortes, que ele descreve como uma contradição nos termos: "O mais forte
nunca é forte o suficiente para sempre ser o Senhor se ele não transformar sua
força em direito e obediência em dever [...] Portanto, o direito do mais forte; o
direito tomado ironicamente na aparência e realmente estabelecido em
princípio [...] Ceder à força é um ato de necessidade, não de vontade, é no
máximo um ato de prudência. Em que sentido pode ser um dever? [...] Na
medida em que é a força que faz o direito, o efeito muda com a causa. Agora,
qual é o direito que perece quando a força cessa? Se alguém deve obedecer à
força, não há necessidade de obedecer pelo dever, e se não é mais forçado a
obedecer, não é mais obrigado. Vê-se que essa palavra de direito não
acrescenta nada à força; isso não significa nada”.

Para retornar ao grupo "mulheres" e sua situação histórica, vale mais


refletir sobre o que afeta sua existência sem o consentimento delas.
Parafraseando Rousseau novamente. Eu não sou um príncipe, não sou um
legislador, mas um membro ativo da sociedade. Considero meu dever
examinar a série de regras, obrigações e limitações que esta sociedade me
impôs. E examinar se as regras, limitações e obrigações me garantem uma
liberdade que eu não encontraria na natureza. Ou bem, se esse não for o caso,
dizer com Rousseau que a sociedade nos enganou nos seguintes termos:
"Faço com você uma convenção que vai às suas custas e para meu benefício,
que cumprirei enquanto quiser e que você cumpra enquanto me agradar".

Mas, gostemos ou não, vivemos na sociedade aqui e agora. Segundo


Rousseau, o vínculo social é uma soma de convenções fundamentais que,
embora nunca enunciadas, estão envolvidas no fato de viver em sociedade. E
todos conhecemos essas regras: a palavra heterossexualidade as resume.
Todo mundo os conhece e os aplica como se por mágica. Todos concordam
em dizer que há várias coisas que devem ser feitas. Todos, cientistas e o
público em geral. Ser homem, ser mulher, casar, nesse caso ter filhos, criá-los -
especialmente mulheres. Essas regras e convenções tornam a vida possível da
mesma forma que você precisa respirar para viver. De fato, as convenções
sociais e a linguagem fazem aparecer com uma linha pontilhada o corpo do
contrato social designando assim a heterossexualidade. Para mim, os dois
termos de contrato social e heterossexualidade são sobrepostos, são duas
noções que coincidem. E viver em sociedade é viver em heterossexualidade.
Quando levanto o termo heterossexualidade, encontro-me diante de um objeto
inexistente, um fetiche, uma forma ideológica amorfa que não pode ser
apreendida em sua realidade, exceto em seus efeitos, e cuja existência reside
no espírito das pessoas de um modo que afeta sua vida completamente, a
maneira como agem, a maneira como se movem, a maneira de pensar.
Portanto, eu tenho que lidar com um objeto que é a uma vez real e imaginário.

Quando tento observar a linha pontilhada que descreve o corpo do


contrato social, essa linha se move, se move; Às vezes mostra algo de visível,
às vezes desaparece completamente. Parece fita Moebius. Agora eu vejo isso
e agora vejo algo inteiramente distinto. Mas essa fita de Moebius é atrofiada
porque apenas um dos efeitos ópticos aparece com precisão e regularidade: a
heterossexualidade; a homossexualidade não aparece mais que de forma
fantasmática, esporádica, debilmente e às vezes não aparece em absoluto.

Neste ponto do meu raciocínio, a heterossexualidade cobre completamente a


noção de contrato social. Mas o que é heterossexualidade? Como uma palavra,
ela não existia antes que a homossexualidade fosse falada no início do século
XX e, na Alemanha, no final do século XIX. Não existiu mais do que sua
contrapartida. A heterossexualidade caía tanto por seu próprio peso que nem
sequer tinha um nome. Era a norma social. É o contrato social. É um regime
político. Os juristas não a chamariam de instituição ou, em outras palavras, a
heterossexualidade como instituição não tem existência legal. Antropólogos,
etnólogos, sociólogos o percebem talvez como uma instituição, mas uma
instituição da qual não se fala, da qual não está escrita. Porque existe um
pressuposto, um estar-já-aí, do social antes do social; a existência de dois (por
que dois?) grupos artificialmente distintos, homens e mulheres. Os "homens"
entram na ordem social como seres já socializados, as "mulheres"
permanecem como seres naturais.

É assim que Lévi-Strauss atua com suas famosas teorias,


principalmente o intercâmbio de mulheres. Ele acha que eles estão sendo
vistos com sistemas invariantes. Lévi-Strauss e todos os cientistas que não
vêem o problema que eu coloco, é claro que eles não usariam o termo de
contrato social. É de fato muito mais simples se manter no status quo. Ou seja,
em um regime político que não pode mudar. É assim que encontramos na
literatura antropológica com hordas de pais, mães, irmãs, irmãos, avós, avós,
sogras, sogros, cunhados, cunhadas, noras, genro, filho, filha, tia, tio, bisavó,
bisavô, sobrinho, sobrinho tio, avô, tia-avó e isso não representa tudo, muito
menos. É concebível que nada resta se você não pertencer a este exército? E
esses relacionamentos são estudados como se estivessem lá para durar.
Aristóteles era muito mais cínico quando afirmou na Política que as coisas
devem ser (assim) para constituir um Estado: "O primeiro princípio é que
aqueles que são ineficazes sem o outro devem se encontrar em pares. Por
exemplo, a união masculina fêmea". Note-se que o segundo exemplo de
"aqueles que devem se encontrar em pares" acaba por corresponder ao
governante / governado. Talvez seja desde então que homem / mulher, ou seja,
o relacionamento heterossexual tenha servido de parâmetro para todos os
relacionamentos hierárquicos. Aqui está claro que estamos diante de um
regime político pensado, planejado e calculado.

Volto agora a Lévi-Strauss porque não vou deixar sua ideia da troca de
mulheres, que já lhe rendeu a atenção de eminentes teóricas feministas. E não
é por acaso, porque sua teoria revela muito claramente toda a intriga, toda a
conspiração de pais, irmãos, maridos contra metade da humanidade. Para os
senhores modernos, os escravos masculinos, porque permanecem, não têm
utilidade tão permanente quanto as mulheres. As mulheres estão sempre à
mão; são, se eu acredito em Lévi-Strauss, o que faz a vida valer a pena.
Aristóteles disse, de maneira semelhante, que elas estão lá para tornar a vida
uma "vida boa".

Quando Lévi-Strauss descreveu o processo de troca de mulheres e


como ele funciona, ele esboçou para nós o amplo contrato social, mas
realmente um contrato social no qual as mulheres são excluídas, um contrato
social entre homens.2 Porque toda vez que há uma troca, há entre os homens
a confirmação de um contrato de apropriação de todas as mulheres. Lévi-
Strauss responde a acusações de antifeminismo - como Freud no passado -
com sua própria teoria. E embora ele admita que as mulheres não podem ser
totalmente confundidas com os sinais da linguagem (porque elas "falam")
àquelas que as comparam em termos de troca, com a total aprovação de
Jakobson, por que ele se preocuparia com o efeito chocante que sua teoria
pode causar? sobre as mulheres, quando Aristóteles não deveria cuidar do
efeito de sua teoria sobre os escravos na definição da necessidade de
escravidão no Estado? Porque, afinal, um espírito científico não pode sentir
timidez ou gravidez quando confrontado com a dura realidade. E aqui é
realmente uma realidade muito grosseira.

2
“ Verdadeira certidão de nascimento da vida social, a proibição do incesto funda a
obrigação da troca das mulheres e expressa "a passagem do fato natural da
consanguinidade para o fato cultural da aliança"”(DESCOLA, 2011, p.1)
Adrienne Rich declarou que "a heterossexualidade é obrigatória para as
mulheres" e deu um grande passo no entendimento do tipo de contrato social
que estamos enfrentando atualmente. Nicole-Claude Mathieu, em Quand céder
n'est pas consent, um ensaio notável sobre consciência dominada, mostrou
que, mesmo em silêncio, você não pode ler um consentimento. Ele retorna a
Rousseau em numerosas observações que fez sobre ceder: é pela força, mas
não pela vontade. Em Rousseau, o entendimento de que o contrato social está
sempre presente, sempre a ser feito enquanto os contratados não estão
satisfeitos, é estimulante.

Você também pode gostar