Você está na página 1de 23

Aula 05

Arquitetura medieval
O GÓTICO
Profª. Lila Donato

Aula 05
1. INTRODUÇÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO Profª. Lila Donato

O RESSURGIMENTO URBANO
Aula 05
1. INTRODUÇÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO Profª. Lila Donato

O RESSURGIMENTO URBANO

O vigoroso ressurgimento da vida urbana, desde os


começos do século XI, prosseguia a um ritmo acelerado
e a importância das cidades não se fez sentir apenas no
campo económico ou político, mas também noutras
esferas: os bispos e o clero urbano ganham influência; as
escolas catedrais e as universidades ocuparam o
lugar dos mosteiros como centros do saber,
enquanto os esforços artísticos da época
culminavam nas grandes catedrais.
H.W.Janson, História da Arte

Aula 05
2. COMO SURGIU O GÓTICO? Profª. Lila Donato

O SURGIMENTO DO ESTILO GÓTICO

1 O burguês é um homem
orgulhoso de si próprio e da sua
cidade, não se poupando a
esforços para a embelezar e
engrandecer. Assim, contribui
com quantias avultadas para as
grandes construções urbanas:
muralhas, portas monumentais,
palácios, catedrais…
A burguesia estava empenhada
em demonstrar o seu poder
financeiro, rivalizando com as
elites das cidades vizinhas.
Aula 05
2. COMO SURGIU O GÓTICO? Profª. Lila Donato

O SURGIMENTO DO ESTILO GÓTICO

2 Esta vontade de promover as


cidades coincidiu com o
surgimento de um novo estilo
artístico, o gótico.
Este surgiu pela primeira vez
na abadia de Saint-Denis,
perto de Paris, quando o
abade Suger mandou efetuar
obras de remodelação e
ampliação do templo (1137).

Abadia de Saint-Denis - desenho

Aula 05
2. COMO SURGIU O GÓTICO? Profª. Lila Donato

O SURGIMENTO DO ESTILO GÓTICO

3 Uma combinação engenhosa


de elementos arquitectônicos
permitiu então elevar as
construções góticas a alturas
até então nunca erguidas.
As torres dos palácios
comunais e, sobretudo, das
igrejas podiam assim ser
vistas de muito longe,
anunciando a importância do
burgo e das suas gentes.

Abadia de Saint-Denis - interior


Aula 05
3. GÓTICO: o estilo Profª. Lila Donato

DEFINIÇÃO

GÓTICO
Estilo artístico que dominou a
Europa entre os séculos XII e XV.
Evoluiu da arquitetura românica.
Iniciou no norte da França, entre
os anos 1050 e 1100, e, embora
se tenha desenvolvido em várias
vertentes artísticas (pintura,
escultura, vitral, ourivesaria, etc.),
permaneceu essencialmente ligado
à arquitetura.
Detalhe do afresco Les Démons Chassés d’Arezzo. Giotto.
Anterior a 1300. Assise, Igreja Superior de Saint-Françóis.

Aula 05
3. GÓTICO: o estilo Profª. Lila Donato

DEFINIÇÃO
GÓTICO
Originalmente se chamava "Obra
Francesa" (Opus Francigenum).

O termo “gótico” só apareceu na


época do Renascimento.
A denominação era como um
insulto estilístico, pois os
renascentistas consideravam a arte
gótica uma arte bárbara,
tipicamente medieval. A palavra
gótico é em referência aos godos,
povo bárbaro-germano.
Ilustração de um rei-guerreiro Godo.
Aula 05
3. GÓTICO: o estilo Profª. Lila Donato

DEFINIÇÃO

GÓTICO
Por vezes recebe também o
nome ogival, em referência
aos arcos cruzados das
abóbadas.

Arcos ogivais de Notre Dame.

Aula 05
4. DE ONDE VEM O GÓTICO? Profª. Lila Donato

ANTECEDENTES ROMÂNICO → GÓTICO


O estilo gótico foi precedido na
Europa pelo estilo românico. Este
definia-se pela horizontalidade e
pela obscuridade dos interiores,
fazendo utilização sistemática do
arco de volta perfeita e da abóbada.
de berço.

Oratório Germigny-des-Prés. Oratório Germigny-des-Prés.


Vista externa da basílica. Vista do altar a partir da nave central
Aula 05
4. DE ONDE VEM O GÓTICO? Profª. Lila Donato

ANTECEDENTES

Mal os artistas românicos tinham conseguido construir com


êxito as abóbodas de suas igrejas e disposto as estátuas de
uma nova maneira, quando uma idéia revolucionária fez
as igrejas normandas e românicas parecerem
desgraciosas, pesadas e obsoletas.
Foi o surgimento do estilo gótico...
Do ponto de vista construtivo, é indubitável que o gótico
continua, aprofunda e conclui a investigação românica,
uma vez que o conjunto românico passa a ser leve e
esguio, um esqueleto construtivo.

Aula 05
4. DE ONDE VEM O GÓTICO? Profª. Lila Donato

ANTECEDENTES ROMÂNICO → GÓTICO


Algumas construções românicas já
apresentavam vários elementos que
se aproximam do estilo gótico.
Fala-se de um estilo pré-gótico ?
Christ Church Cathedral,
Dublin, Irlanda. Exterior.

Christ Church Cathedral, Dublin,


Irlanda. Interior.
Aula 05
5. GÓTICO: objetivos Profª. Lila Donato

OBJETIVOS DA ARQUITETURA GÓTICA

louvar a Deus louvar os homens

Deus é luz os pobres que os ricos que


participavam na financiavam a
construção construção

as catedrais são as
as catedrais eram motivo de orgulo para
moradas de Deus
os habitantes das cidades

a expansão das cidades dá-se em torno da


catedral

Aula 05
6. GÓTICO: características Profª. Lila Donato

GENERALIDADES
Sobre todas as cidades e todos
os burgos cercados de novos
muros, o arranha-céu de
Deus dominava a paisagem.
Tinha sido feito mais alto do
que se podia,
extraordinariamente alto.
Era uma desproporção no
conjunto; mas não, era um
ato de otimismo, um gesto de
altivez, uma prova de
mestria.
(Le Corbusier, 1937 apud BENEVOLO )

The Parish Church of St Mary, Redcliffe,


Bristol, England.
Aula 05
6. GÓTICO: características Profª. Lila Donato

GENERALIDADES

Com o gótico, a arquitetura ocidental atingiu um dos pontos


culminantes da arquitetura pura.

As abóbadas cada vez mais elevadas e maiores, não se


apoiavam mais em muros e paredes compactas e sim sobre
pilastras ou feixes de colunas. Uma série de suportes que
eram constituídos por arcobotantes e contrafortes possuíam
a função de equilibrar de modo externo o peso excessivo
das abóbadas. Desta forma, imensas paredes espessas
foram excluídas dos edifícios de gênero gótico e foram
substituídas por vitrais e rosáceas que iluminam o ambiente
interno.

Aula 05
6. GÓTICO: características Profª. Lila Donato

GENERALIDADES
A arte gótica teve na catedral a sua
melhor expressão.
Uma vez que elas deveriam ser
vistas de muito longe, as catedrais
góticas caracterizam-se pela
verticalidade e majestade.

Catedral de Notre Dame, Paris, França.


Mede 145 metros de altura.
Aula 05
6. GÓTICO: características Profª. Lila Donato

ORIGINALIDADE

inovações nova mudanças na


técnicas estética estrutura formal

Aula 05
6. GÓTICO: características Profª. Lila Donato

CARACTERÍSTICAS GERAIS
O que imediatamente distingue as
catedrais góticas é a sua elevação e
verticalidade.

O exterior é imponente e profusa-


mente decorado.
O interior é amplo, elevado e
luminoso, de formas arquitectónicas
graciosas e leves, quase sem peso,
quando as compararmos com a
solidez maciça dos interiores
românicos.

Basílica da Assunção da Virgem Maria, Cracóvia,


Polónia.
Aula 05
6. GÓTICO: características Profª. Lila Donato

CARACTERÍSTICAS GERAIS

Grandes janelas,
adornadas de magníficos
vitrais, dão ao interior
uma luminosidade coada,
que simultaneamente
deslumbra e convida à
meditação.

“Deus é luz” e essa


vivência espiritual é
deliberadamente realçada
pelo estilo gótico.
Aula 05
Profª. Lila Donato
6. GÓTICO: características
ELEMENTOS ESTRUTURAIS
Aula 05
Profª. Lila Donato
A - nave central
B - nave lateral
C - pilar
D- arco quebrado ou
arco ogival
6. GÓTICO: características

E - abóbada de ogivas
ELEMENTOS ESTRUTURAIS

F - fecho da abóbada
G - contra forte
H – arcobotante
I - vitral
Aula 05
Profª. Lila Donato
6. GÓTICO: características
ELEMENTOS ESTRUTURAIS
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS
Salisbury - Planta em formato de cruz latina
- Arcos de ogiva, gótico ou quebrado
- Abóbodas em cruzaria
• o cruzamento de arcos diagonais de
Amiens suporte - as ogivas - permite
descarregar o peso não sobre as
paredes, como acontecia no estilo
românico, mas sobre os pilares,
possibilitando a construção de paredes
Chartres mais finas e pre-enchidas por vitrais,
sem afetar a segurança do edifício.

Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS
ARCO OGIVAL
Substitu o arco de volta
perfeita, semicircular,
utilizado na arte românica.

O arco quebrado ou ogival


pode ser “estirado” em
altura, independentemente
da largura da sua base, o que
confere aos portais e às
arcaturas interiores um
aspecto de verticalidade e
elevação.
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS
ABÓBADAS EM CRUZETA
Deriva da abóbada de aresta e identifica-
se facilmente pelos arcos diagonais de
suporte – as ogivas.
Ao contrário das abóbadas de berço do
estilo românico (que descarregam o seu
peso de forma contínua sobre as
paredes), as abóbadas góticas são
articuladas, isto é, compostas por seções
independentes (tramos).

Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS
ABÓBADAS EM CRUZETA
os arcos de cada tramo desempenham o papel de uma armação,
suportando o peso da abóbada e descarregando-o nos pilares. É esta
concentração do peso em pontos
específicos que permite fragilizar as
paredes, introduzindo-lhes grandes
aberturas preenchidas por vitrais.
- Iluminação (filtrada e colorida)
7. As questões formais e estruturais do estilo • vitrais
• rosáceas
ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS

- Suportes Exteriores
7. As questões formais e estruturais do estilo

• arcobotante
• contraforte
- Verticalidade
ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS

Esquema estrutural de uma


Catedral gótica.
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS
ARCOBOTANTES
São reforços no exterior aos pontos de
pressão. São compostos de duas partes:
• uma massa sólida, o contraforte (estribo)
• um ou mais arcos
que, a partir do
estribo, se apoiam
nas paredes da nave
central.
Para dar mais força e
estabilidade ao estribo,
este é, muitas vezes,
encimado por um
pináculo.

Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ELEMENTOS ARQUITETÔNICOS
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA FORMAL da fase inicial à fase madura

Trancepto quase tão largo quanto o corpo


principal, pouco ou nada saliente.

Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA FORMAL Acomplexa


abside se tornou muito mais
e maior, ocupando
da fase inicial à fase madura cerca de 1/3 da área da igreja.
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA FORMAL da fase inicial à fase madura

1 Os pilares das arcadas interiores


aumentam em número e são
colocados mais próximos uns
dos outros.

2 Eles se tornam mais finos e


altos, o que, em associação com
o aumento da altura dos tetos,
intensifica a verticalidade.

Nave central da Catedral de Colonha. Observe-


se a verticalidade acentuada.

Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA FORMAL da fase inicial à fase madura

1 (que no amadurecimento desaparece) e janelas clerestóricas.


Ordenação das paredes laterais: arcadas, trifório, galeria

2 Nado clerestório,
fase madura ocorre também o alongamento das arcadas e
reforçando as linhas verticais.
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA FORMAL da fase inicial à fase madura

1 Asverticalmente,
janelas, alongadas
ocupavam toda
a largura das paredes.

2 Asimponentes,
rosáceas tornam-se
permitindo uma
iluminação melhor.

Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA FORMAL da fase inicial à fase madura


PORTAIS
1 Talhados num corpo saliente
da fachada, que avançava até à
espessura da base dos
contrafortes.

2 Asse mais
arquivoltas ogivais tornam-
esguias. Quando
inseridas nos gabletes, as
arquivoltas ficam mais
acentuadas.
Gabletes: empenas decorativas de
forma triangular, que servem de
moldura e remate.
Aula 05
7. As questões formais e estruturais do estilo Profª. Lila Donato

ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA
FORMAL da fase inicial à fase madura

Verticalidade realçada pelas torres


sineiras (campanários), que se
elevam terminando em telhados
cônicos ou em flechas rendilhadas,
e que se prolongam ainda mais
com elementos como o pináculo e
as agulhas.

Aula 05
8. DECORAÇÃO EXTERNA Profª. Lila Donato

Riquíssima decoração externa, com estátuas e altos relevos:

1 2
Arquivoltas
Tímpano

3
Colunelos
Aula 05
8. DECORAÇÃO EXTERNA Profª. Lila Donato

Riquíssima decoração externa, com estátuas e altos relevos:

4 5

Contrafortes
Mainel

6
Gárgulas

Aula 05
8. DECORAÇÃO EXTERNA Profª. Lila Donato

Riquíssima decoração externa, com estátuas e altos relevos:

7 8
Arcobotante

Pináculo
Aula 05
9. INSERÇÃO NO ENTORNO Profª. Lila Donato

Os contrafortes afastados
das paredes prolongam a

Notre Dame, Paris


volumetria das catedrais
para o espaço circundante.

Contráriamente, no alto das


torres e telhados pináculos
e flechas dirigem o olhar
para o céu.

Chartres

Aula 05
10. AS 4 FASES DO GÓTICO Profª. Lila Donato
Aula 05
10. AS ESCOLAS GÓTICAS Profª. Lila Donato

FRANÇA INGLATERRA
Foi o modelo a partir do Prevalência das catedrais
qual se desenvolveu o monásticas, de corpo
estilo. Foi seguido em vários alongado, aberturas
países – Gótico menores, cabeceiras
Internacional quadradas e tranceptos
duplos.
Catedral de Amiens, França

Catedral de Westminster,
Londres

Aula 05
10. AS ESCOLAS GÓTICAS Profª. Lila Donato

ALEMANHA ESPANHA
Igrejas salão, pois têm o espaço Teve um estilo muito
interno unificado. É denominano particular devido ao uso de
estilo Hallenkirchen. elementos decorativos de
Seguem o modelo francês, mas influência árabe – estilo
suas torres são muito mais altas. plateresco.
Catedral de Regensburg,

Catedral de Barcelona,
Alemanha.

Espanha
Aula 05
10. AS ESCOLAS GÓTICAS Profª. Lila Donato

ITÁLIA
Surge tardiamente. Mantém Catedral de Florença, Itália.
poucas aberturas nas paredes,
e executa pintura mural em vez
do uso dos vitrais. É chamado
gótico flamejante.