Você está na página 1de 2

A revanche dos ressentidos

Depois da eleição de Bolsonaro, os demônios interiores saíram para passear

Eliane Brum

6 NOV 2018 - 21:00 BRST

Eleitores comemoram vitória de Bolsonaro

Eleitores comemoram vitória de Bolsonaro F. Maia EFE

MAIS INFORMAÇÕES

A revanche dos ressentidos

“O ódio deitou no meu divã”

A revanche dos ressentidos

Bolsonaro quer entregar a Amazônia

A revanche dos ressentidos

A violência em Roraima é contra a imagem no espelho

Eu acompanhava uma amiga no aeroporto, em São Paulo. Os elevadores que levavam do


estacionamento aos terminais demoraram. Quando finalmente entramos, estava lotado. Um
homem com um bebê no colo, possivelmente seu neto, gritou: “Quando Bolsonaro assumir, isso
aqui vai andar rápido!”. E acrescentou: “Pá! Pá! Pá!”. Abri a boca para perguntar: “Você está
atirando no seu neto?”. E então percebi que não poderia fazer isso sem me arriscar a sofrer
violência. O homem e a família que o rodeava realmente pareciam acreditar que Bolsonaro dará
“um jeito em tudo”, dos “comunistas” que supõem existirem aos milhões, à velocidade dos
elevadores.

A eleição de Jair Bolsonaro, o populista de extrema direita que será o próximo presidente do
Brasil, liberou algo no país. Um ressentimento contido há muito – por muitos. Todo o tipo de
recalque emergiu dos esgotos do inconsciente e hoje desfila euforicamente pelas ruas, escolas,
universidades, repartições públicas, almoços de família.
Gays são ameaçados de espancamento se andarem de mãos dadas, ou simplesmente por existir,
mulheres com roupa vermelha são xingadas por motoristas que passam, negros são avisados
que devem voltar para a senzala, mulheres amamentando são induzidas a esconder os seios em
nome da “decência”. Aquele amigo de infância de quem se guardava uma boa lembrança escreve
no Facebook que chegou a sua vez de contar o quanto o odiava em segredo e que pretende
exterminá-lo junto com a sua família de “comunistas”. Um conhecido que passou a vida adulta
acreditando merecer mais sucesso e reconhecimento do que tem, agora espalha sua barriga no
sofá da sala e vocifera seu ódio contra quase todos. Outro, que se sempre se sentiu ofendido
pela inteligência alheia, sente-se autorizado a exibir sua ignorância como se fosse qualidade.

Mensagens no Facebook anunciam que vão caçar todos os que votaram contra Bolsonaro e jogá-
los na fronteira. Aqueles que se opuseram ao autoritarismo são tratados por essa multidão
enraivecida como se fossem estrangeiros – e o país tivesse deixado de pertencer também a eles.
Como nos princípios do regime totalitário do cada vez mais atual 1984, clássico de George
Orwell: “Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força”.

A atmosfera tóxica do Brasil atual pode ser resumida por um trecho da carta que chegou ao
Centro Acadêmico da Geografia, na Universidade Federal do Pará, em Altamira: “Bem vindos ao
fascismo! Agora é a nossa vez, agora é o nosso momento, vocês vão ter que engolir porque
vamos passar por cima de cada um de vocês, cada gay, cada sapatão, preto e preta. Vamos
exterminar cada um de vocês. (...) Vão morrer um por um, cada preto e preta que acham que
podem sair da senzala”. A carta anônima termina com: “Viva Bolsonaro! Viva a ditadura! Viva o
Fascismo! Viva o Carlos Alberto Brilhante Ustra!”.

Como as palavras se esvaziaram de sentido no Brasil, “comunismo” e “comunista” virou o nome


para tudo e todos que se odeia, seja pela orientação sexual, pela cor da pele ou pela atuação
política. O termo não tem mais nenhuma relação com seu conceito, mas foi apropriado como o
pecado da parcela da população que denunciou o autoritarismo criminoso de Bolsonaro, um
apologista da tortura e dos torturadores. E assim o Brasil inaugura um outro tipo de Guerra Fria.

O pacto civilizatório, aquele que permitia a convivência, já vinha sendo rompido nos últimos
anos no país. Agora foi rasgado por completo. Este é o primeiro sinal.