Você está na página 1de 5

DIA​: ​19/11/2019 

LOCAL​: Auditório Profº SALA DE AULA 


NO HORÁRIO DA AULA DA DISCIPLINA DE ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA 
 
CASO 1 
 
APRESENTAÇÃO 
 
No dia 02 de abril, na cidade de Patos, o jovem Manoel da Silva ingeriu 
álcool  durante  horas.  De  acordo  com  a  informações  repassadas  ele  bebeu 
com  amigos  do  meio-dia  às  16h.  De  acordo  com  o  inquérito,  os  amigos 
deixaram  Manoel  da  Silva  no  automóvel  e  retornaram  para  o bar. Por volta 
das 17h, o grupo voltou para o local onde deveria estar o carro do estudante, 
mas ele já tinha saído. 
Naquele  dia  em  excesso  de  velocidade,  Manoel  da  Silva  avançou  o 
semáforo  após  o  equipamento  ter  ficado  no  vermelho,  ocasionando  uma 
colisão  com  outro  veículo,  onde  estavam  duas  pessoas,  Jorge  Amaral  dos 
Santos  e  sua  esposa  Catarina  Amaral  que  morreram  na  hora.  Em  uma 
velocidade  que  é  quase  o  dobro  do  limite  imposto  para  a  via.  Perícias 
técnicas apontam que o Fusion estava a 100 quilômetros por hora, quando o 
máximo permitido é de 40 quilômetros por hora.  
A  colisão  entre  os  dois  veículos  ocorreu  às 17h30 no cruzamento entre a 
Pedro Firmino e a Rua Solon de Lucena. Segundo a Polícia Civil, o motorista fez 
um teste de alcoolemia, que acusou a ingestão de álcool três vezes acima do que 
é considerado crime de trânsito. 
ORIENTAÇÕES PARA O GRUPO: 
A  Banca  do  ​Ministério  Público  acusará  Manoel  da  Silva  do  crime  de 
homicídio por dolo eventual 
A  Banca  da  ​Defesa  defenderá  Manoel  da  Silva  alegando  ser  homicídio  por 
culpa consciente.  
A Banca da ​Magistratura​ fará ​duas​ sentenças:  
-  ​uma  c​ondenatória  por  homicídio  doloso​:   julga  procedente  a  pretensão 
punitiva apresentada pelo Ministério público;  
-  ​uma  c​ondenatória  por  homicídio  culposo​: quando  acolhe  a  tese  de 
defesa 
-  As  Bancas  devem  dedicar  uma  parte  do  seu  discurso  para  o  conceito 
de crime doloso eventual e crime culposo (culpa consciente) 
 
 
 
DIA​: ​22/11/2019 
LOCAL​: Auditório Profº Paulo Bonavides 
NO HORÁRIO DA AULA DA DISCIPLINA DE ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA 
 
CASO 2 
APRESENTAÇÃO: 
 
Eduarda  era  casada  com  Flávio  há  10 anos. Sempre muito ciumento, 
Flávio  controlava  a  vida  da  mulher à linha dura. No dia 15.01.2019 o casal 
passeava  pelo  Coreto  quando  o  seu  vizinho,  Marcos,  aproximou-se  de 
Eduarda  para  lhe  agradecer  um  favor.  Cego  de  ciúmes,  Flavio  explodiu  no 
meio  da  rua,  causando um vexame. Testemunhas apontam que ele rebocou 
a esposa pelo braço, muito severamente, deixando o local. 
Ao  chegar  em  casa,  vizinhos  relatam  que  a  briga  continuou,  até  que 
foram  ouvidos  tiros.  Assustados,  chamaram  a  polícia.  Chegando ao local, a 
polícia  encontrou  Flávio,  no  chão,  com  um  tiro  no  peito,  e  Eduarda,  muito 
descontrolada, com um revólver calibre 38 na mão. A arma não tinha licença 
e era mantida por Flávio, na casa, desde que se casaram. 
Levada  imediatamente  para  delegacia,  Eduarda  confessou  que  atirou 
no marido, mas apenas porque tinha medo de ser agredida.  
  
ORIENTAÇÕES PARA O GRUPO: 
A Banca do ​Ministério Público​ acusará Eduarda do ​crime de homicídio​. 
A  Banca  da ​Defesa​ defenderá  Eduarda  do ​crime  de  homicídio, 
utilizando-se da excludente de ilicitude Legítima defesa 
A Banca da ​Magistratura​ fará ​duas​ sentenças:  
-  uma  condenatória​: quando  julga  procedente,  total  ou  parcialmente,  a 
pretensão punitiva  
-uma​ ​absolutória​: quando não acolhe o pedido da condenação. 
As  Bancas  devem  dedicar  uma  parte  do  seu  discurso  para  abordar  a 
excludente de ilicitude: Legitima Defesa 
DIA​: ​25/11/2019 
LOCAL​: Auditório Profº Paulo Bonavides 
NO HORÁRIO DA AULA DA DISCIPLINA DE DIREITO PENAL  
 
CASO 3 
 
APRESENTAÇÃO: 
Um  eletricista,  Antônio  Luz  e Souza, foi flagrado ao furtar a carne em um 
mercado  na  cidade  de  Patos  na  Paraíba,  Antônio  que  recebe  R$  80  do  Programa 
Bolsa  Família,  diz  que  confundiu  as  datas  do  benefício  e,  ao  fazer  compras, 
descobriu  que  o  valor  que  tinha  disponível  era  insuficiente.  Sendo  assim,  ele 
escondeu a carne na bolsa. 
A  ação  foi  flagrada  pelas  câmeras  de  segurança  do  estabelecimento  e, 
mesmo  tentando  explicar  que  cometeu  a  ação  para  alimentar  o  filho,  as  desculpas 
não  foram  aceitas  e  o  dono  do  comércio  acionou  a  Polícia  Militar.  Antônio  Luz  foi 
preso em flagrante delito. 
Ao  saber  que  ficaria  preso,  o  homem  chegou  a  passar mal na delegacia e 
disse  que  estava  há  dois  dias  sem  comer.  Ele  relatou  que  estava  desempregado  há 
três  meses  e  que ele e o filho se alimentavam apenas de pão, banana e bolachas. No 
entanto, deixou a criança consumir os últimos alimentos que eles tinham em casa. 
“Tinha  três  meses  que  eu  não  tinha  gás,  então  a  nossa  comida  aqui  era 
tudo  coisa  rápida,  pois  não  dava  para  cozinhar  tudo  lá  fora  [no  fogão  à  lenha]. 
Então,  eu  comprava  sanduíches  baratinhos,  de  R$  0,60,  ou comprava duas ou três 
linguiças  e  colocava  dentro  do  pão.  Aí  a  gente  estava  vivendo  assim”,  relatou  o 
acusado. Antônio Luz diz que a todo o momento se preocupou com o filho. 
ORIENTAÇÕES PARA O GRUPO: 
A Banca do ​Ministério Público​ acusará Antônio Luz do crime de furto. 
A  Banca  da  ​Defesa  defenderá  Antônio  Luz  do  crime  de  furto,  utilizando-se  da 
excludente de ilicitude: estado de necessidade 
A Banca da ​Magistratura​ fará d​ uas​ sentenças:  
-  ​uma  c​ondenatória​: quando  julga  procedente,  total  ou  parcialmente,  a  pretensão 
punitiva;  
- ​uma​ ​absolutória​: quando não acolhe o pedido da condenação.  
As  Bancas  devem  dedicar  uma  parte  do  seu  discurso  para  abordar a excludente de 
ilicitude: estado de necessidade. 
DIA​: ​29/11/2019 
LOCAL​: Auditório Profº Paulo Bonavides 
NO HORÁRIO DA AULA DA DISCIPLINA DE ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA 
 
 
CASO 4 
 
APRESENTAÇÃO: 
Uma ​criança - Clara Vírginia ​- de aproximadamente um ano e meio 
de  idade,  morreu ​afogada​ na ​piscina​ de  casa,  em ​Rio  Verde​.  O  acidente 
aconteceu na manhã do dia 20/06/2019​. 
Segundo  o ​Corpo  de  Bombeiros​ da  cidade,  o  atendimento  foi  feito 
pelo ​Samu​,  pois  quando  eles  chegaram  ao  local,  a  menina  já  estava 
na ​ambulância​.  A  criança  ainda  teria  sido  encaminhada  ao  Hospital 
Municipal Universitário, mas não resistiu. 
Segundo  o  Diário  de  Rio  Verde  a  menina  estaria  em  casa,  com  a 
mãe.  Ela  teria  ficado  sozinha  na  sala  da  residência  quando  a  mulher  saiu 
para  buscar  algumas  roupas.  Nesse  ínterim,  a  criança  teria  saído  para  a 
área externa e caído na piscina. 
ORIENTAÇÕES PARA O GRUPO: 
A  Banca  do  Ministério  Público  acusará  a  MÃE  da  criança  pelo ​crime  de 
homicídio 
A  Banca  da  Defesa ​defenderá​ ​a  MÃE  da  garota  da  imputação  do  referido 
crime 
 A Banca da Magistratura fará duas sentenças: 
-  uma  condenatória: quando  julga  procedente,  total  ou  parcialmente,  a 
pretensão punitiva; 
- uma absolutória: quando não acolhe o pedido da condenação. 
-  As  Bancas  devem  dedicar  uma  parte  do  seu  discurso  para  abordar  os 
aspectos relacionados aos crimes omissivos próprios e impróprios. 
  
 
 

DATA LOCAL DEFESA MINISTÉRIO PÚBLICO MAGISTRATURA

19/11/2019 SALA DE AULA


GRUPO A GRUPO B GRUPO C

22/11/2019
AUDITÓRIO PROF.  GRUPO B GRUPO A GRUPO C
PAULO 
BONAVIDES
25/11/2019
AUDITÓRIO PROF. 
PAULO  GRUPO B GRUPO C GRUPO A
BONAVIDES
(AULA DA PROF. 
NEUMALYNA)
29/11/2019
AUDITÓRIO PROF.  GRUPO C GRUPO A GRUPO B
PAULO 
BONAVIDES

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS - UNIFIP

CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO

DISCIPLINAS: ​DIREITO PENAL E LÓGICA E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

CRONOGRAMA

JÚRI SIMULADO