Você está na página 1de 6

Mudar a personalidade: é possível?

Como mudar o jeito de ser? Muitas pessoas são insatisfeitas com os


seus traços de personalidade por que são muito tímidas ou muito calmas ou
ainda muito nervosas. Há quem se preocupa demais, se acham infantis ou
possuem qualquer outra característica que lhe incomoda. Existem poucas
coisas na vida que podemos controlar e modificar, e a nossa personalidade é
uma delas.

O que é personalidade?
Esse é um dos vários conceitos presentes em Psicologia que são fáceis
de identificar e difíceis de descrever.
De modo geral personalidade é um conjunto de características que
exercem uma espécie de força interna capaz de determinar a forma como
um sujeito se comporta.
Ela é recorrente e consistente de maneira que se você compreende a
personalidade de alguém é possível prever como esse sujeito irá reagir
diante de determinada situação.
Hoje em dia acredita-se que 40% da personalidade são de origem
genética enquanto os 60% restante são moldados pelo ambiente em que se
vive.

É necessário salientar que mesmo os traços inatos da personalidade


podem ser modificados pela experiência de vida do indivíduo.
É possível mudar a personalidade?
Muitos teóricos postulam que ela está totalmente formada já na
adolescência e a partir de então ela se torna inalterável, nessa hipótese,
seria possível alterar apenas alguns traços, mas a personalidade com um
todo permaneceria a mesma.
Entretanto, psicólogos importantes como Erik Erikson afirmam que a
personalidade está em constante formação até o fim da vida.
Carl Rogers e Alfred Adler, importantes teóricos da
Psicologia, acreditavam que existe na natureza humana uma tendência ao
aperfeiçoamento, ou seja, tendemos a nos tornar pessoas melhores a cada
dia.
Você realmente quer mudar sua personalidade?
Talvez o que você deseja de verdade seja uma coisa muito mais
simples e não necessita de uma mudança muito drástica, como por exemplo
ser menos tímidos, mais calmo ou ser respeitado. Nesse caso talvez esses
artigos poderão lhe ajudar mais:
1. Como vencer a timidez
2. Aprenda a se impor
3. Vença a raiva
4. Como ser respeitado
8 passos para mudar o jeito de ser
Passo 1. Saiba por que você quer mudar
A motivação é o combustível que irá te impulsionar ruma a sua jornada
de autotransformação. Se a sua motivação não for suficientemente forte
você não terá condições para concluir esse processo.
Não adianta apenas desejar se tornar uma pessoa diferente, você
precisa estar motivado a se transformar. Pense sobre os motivos que te
fazem querer mudar e veja se eles são fortes o suficiente para realizar essa
metamorfose.
Seu jeito de ser te prejudica? Te impede de realizar coisas que gostaria
de fazer? Liste as causas que te fazem ter esse desejo escreva em um papel
e releia sempre que possível.
Passo 2. Considere se o seu problema é realmente esse
Você já considerou que o seu desejo de mudar se deve na verdade a
uma autocrítica muita negativa? Sim! Talvez você seja alguém agradável e
cheio de qualidades, entretanto não consegue enxergar isso por estar
exigindo muito de si mesmo.
Uma baixa autoestima é outro fator que faz as pessoas enxergarem
problemas de personalidade onde eles não existem.
Passo 3. Auto-observação ou faça análise
Se deseja tornar-se uma pessoa diferente primeiramente é preciso
saber quem você é agora. Isso só é possível através de uma autoanálise
bastante rigorosa. Observe cada comportamento seu e busque entender:
 O que te leva agir assim.
 O que te faz pensar da forma que pensa?
 Será que as suas conclusões estão certas?
 O quanto sua infância e experiências de vida influenciam nas suas atitudes?
Seja crítico e realista ao responder essas perguntas, pois temos uma
inclinação a nos enxergarmos de uma maneira fantasiosa, realçamos as
nossas qualidades e escondemos os nossos defeitos.
Autoconhecimento: Aprenda a se conhecer melhor
Não minta para si mesmo
Ao nos conhecermos melhor, acabamos por encarar aspectos tão
negativos do nosso ego, que fazemos questão de escondê-los de nós
mesmos. Covardia, Arrogância, Inveja, Preconceito e estupidez eis aí alguns
dos muitos defeitos que carregamos conosco e nunca temos coragem de
admitir.
Acabamos por nos tornar aquilo que mais tememos. Um preguiçoso que
não admite que o seja, não fará nada para mudar essa realidade e ficará
para sempre sendo preguiçoso.

Não se justifique
O motivo que leva os psicólogos e psiquiatras não gostarem de fornecer
diagnósticos para os seus pacientes é que as pessoas costumam se utilizar
dos seus psicodiagnósticos para justificarem as suas más ações.
Assim alguém acredita que pode ser grosseiro por possuir um
diagnóstico de bipolar, do mesmo modo alguém diagnosticado com
depressão usa isso como desculpa para não tomar nenhuma atitude na vida.
Por mais que você tenha uma história triste ou uma vivência sofrida,
isso não justifica que você continue agindo como age. Sua vida te tornou o
que é hoje, porém você é responsável por quem será amanhã.
Passo 4. Analise os seus pensamentos
O que vem a sua mente quando age da maneira que não gostaria? Que
pensamentos têm e o que eles dizem? As conclusões desses pensamentos
são verdadeiras? Será que eles estão certos?
Os nossos pensamentos são frutos da nossa experiência de vida e da
forma como percebemos o mundo. O que ocorre frequentemente é que
esses pensamentos são equivocados ou baseados em falsas premissas.
Um psicólogo pode te ajudar a compreender onde estão esses erros e
formular estratégias para corrigi-los. Por esse motivo, se possível busque
pela ajuda de um profissional de psicologia.
 Entenda como funciona os seus pensamentos
 Como controlar os seus pensamentos
Passo 5. Mude suas atitudes
Quando você muda a sua forma de pensar os seus comportamentos
mudam! Essa é uma verdade incontestável, o intrigante é que o inverso
também acontece.
Quando você passa a agir de uma determinada forma seus
pensamentos começam a convergir para com suas atitudes. No momento
em que uma pessoa tímida tenta ser mais extrovertida pode parecer falso e
desajeitado por um tempo, porém se ela insistir nisso aos poucos vai
pegando o jeito e ela passa a ser espontaneamente extrovertida.

Repense as suas atitudes


Quando você se pegar agindo da forma que não gostaria, pare e
repense se essa é realmente a melhor atitude. Seja sincero e não invente
justificativas para o que você faz.
Você vai notar algo intrigante enquanto estiver observando suas
atitudes. É como se dividir em dois: o que age e o que observa a ação.
Se esse exercício lhe parecer difícil, experimente relembrar como foi
seu dia. Faça isso antes de dormir, quando já estiver deitado na sua cama.
Siga os mesmos passos lembrando o que fez, como se sentiu e o que
pensou, considere se existiam outras possibilidades de ação e se sua escolha
foi realmente a melhor.

Passo 6. Mude de companhia


É natural que busquemos fazer amizades com pessoas que se
assemelhem conosco de alguma forma. Assim sendo: tímidos tem amigos
tímidos, imaturos tem amigos imaturos, nervosinhos tem
amigos nervosinhos e assim por diante.

Esses relacionamentos só reforçam aquilo que você quer mudar, por


isso faça amizade com pessoas que tem o jeito e a personalidade que você
quer ter.
Passo 7. Não valorize e nem subestime seus defeitos
Se você valoriza demais as suas limitações jamais irá se livrar delas,
pois elas sempre pareceram mais fortes que você.
Por outro lado, se você as subestima faz com que elas pareçam sem
importância ou pouco prejudiciais e não se preocupará em vencê-las. Por
isso a auto-observação é tão importante ela te ajuda e se enxergar de forma
realista.

Passo 8. Substitua os maus hábitos por bons


É mais fácil mudar um traço de personalidade censurável substituindo
ele por um adequado. O ideal a adotar o inverso do seu defeito: se você é
bagunceiro aprenda a ser organizado, se falta ou chega atrasado aos
compromissos aprenda a ser pontual e responsável.
Lembre-se que tudo tem o seu tempo e uma mudança verdadeira não
ocorre do dia para à noite. Se sempre agiu de uma forma vai demorar até
as pessoas perceberem que você realmente mudou. Por isso não espere que
coisas se transformem tão rápido. Não force nada, lembre-se que mudanças
bruscas costumam ser transitórias.