Você está na página 1de 24

1

2
ÍNDICE
Reconstituição de BOTOX 100 U..............................................................4
Reconstituição de BOTOX 200 U..............................................................5
Doses sugeridas de BOTOX nas Distonias em adultos................................6
Anatomia - Estrutura Cervical e Face......................................................7
Dose sugerida de BOTOX® na Espasticidade Focal em crianças.................8
Anatomia - Membros Superiores - Vista Posterior..................................10
Anatomia - Membros Superiores - Vista Anterior...................................11
Anatomia - Membros Inferiores - Vista Posterior..................................12
Anatomia - Membros Inferiores - Vista Anterior...................................13
Doses sugeridas de BOTOX na Espasticidade Focal em adultos...............14
Dosagem de BOTOX® para Migrânea Crônica.........................................17
Hiperidrose axilar..............................................................................18
Hiperidrose palmar............................................................................19
Anexos..........................................................................................20
Portaria SAS/ MS nº 376, de 10 de novembro de 2009 - 2.02.01.03.14-4
Bloqueio com toxina botulínica tipo A para tratamento de distonias
focais, espasmo hemifacial e espasticidade......................................20
CIDs (Classificação Internacional de Doenças)...................................21
Tabela TUSS - Procedimentos ..........................................................22

3
Reconstituição de BOTOX 100 U
Diluir BOTOX (toxina botulínica A) em solução salina estéril
sem conservantes (NaCl 0,9%).1

Reconstituição em 1 mL

0,1 mL= 10U

Reconstituição em 2 mL

0,1 mL= 5U

Reconstituição em 4 mL

0,1 mL= 2,5U

4
Reconstituição de BOTOX 200 U
Diluir BOTOX (toxina botulínica A) em solução salina estéril
sem conservantes (NaCl 0,9%).1

Reconstituição em 2 mL

0,1 mL= 10U

Reconstituição em 4 mL

0,1 mL= 5U

Reconstituição em 8 mL

0,1 mL= 2,5U

5
Doses sugeridas de BOTOX® nas Distonias em adultos2 DOSE INICIAL VARIAÇÃO
MÚSCULOS POSSIVELMENTE NÚMERO APROXIMADO
PADRÃO CLÍNICO DE BOTOX INICIAL/
ENVOLVIDOS DE PONTOS APLICAÇÃO
UNIDADES
DOSE INICIAL UNIDADES
VARIAÇÃO
MÚSCULOS POSSIVELMENTE NÚMERO APROXIMADO
PADRÃO CLÍNICO DE BOTOX / INICIAL/
®

ENVOLVIDOS DE PONTOS APLICAÇÃO


UNIDADES UNIDADES

Elevador da escápula 50 25 – 100 1–3


DISTONIA
CERVICAL (DC) Longuíssimo da cabeça 75 50 – 150 1–4
Complexo de escalenos 35 15 – 50 1–3
Semiespinal da cabeça 75 50 – 150 1–4
Esplênio da cabeça 75 50 – 150 2–4
Esplênio do pescoço 30 20 – 60 2
Esternocleidomastoideo (SCM)* 50 15 – 75 1–2
Trapézio 75 50 – 100 3

BLEFAROESPASMO Corrugador 5 3,0 – 7,75/ponto 1 – 2/lado


Frontal 10 2,5 – 7,5/ponto 2/lado
Fibras pré-tarsais do 5 1,0 – 2,5/ponto 2 – 3/lado
orbicular do olho
Prócero 2,5 – 5 2,5 – 7,0/ponto 1/lado
Risório (em alguns pacientes
com envolvimento da porção 2,5 1,0 – 5,0 1
inferior da face)

ESPASMO Depressor do ângulo da boca 2,0 2,5 – 6,0 1


HEMIFACIAL** Levantador do lábio superior 2,0 1,75 – 5,0 1
Orbicular da boca 2,0 1,75 – 7,5 1
Platisma 10,0 5,0 – 20,0 4/lado
Zigomático maior 2,0 1,75 – 12,5 1–3

* A dose deve ser reduzida em ~50% se ambos os SCM forem injetados


** não é uma forma de distonia; as informações de dosagem são fornecidas como uma cortesia aos injetores

Recomendações de dose nas Distonias2


Dose máxima por sessão: 300 U, exceto em situações especiais
Volume máximo por ponto: 0,5mL a 0,6mL,
exceto em situações especiais
Intervalo de no mínimo 3 meses , exceto em situações especiais

6
Anatomia

7
Dose sugerida de BOTOX®
na Espasticidade Focal em crianças3

DOSE INICIAL NÚMERO APROXIMADO


MÚSCULOS POSSIVELMENTE
PADRÃO CLÍNICO DE BOTOX /
®

ENVOLVIDOS DE PONTOS APLICAÇÃO


UNIDADES

MEMBROS SUPERIORES
OMBRO Complexo de peitorais 2 2–3
Aduzido/ Grande dorsal 2 2
Rotação Interna
Redondo maior 2 1–2
Subescapular 1–2 1–2

COTOVELO Braquiorradial 1–2 1


Fletido Bíceps 2 2–4
Braquial 2 1–2

ANTEBRAÇO Pronador quadrado 0,5 – 1 1


Pronado Pronador redondo 1–2 1

PULSO Flexor radial do carpo 1–2 1


Fletido Flexor ulnar do carpo 1–2 1

POLEGAR Flexor longo do polegar 0,5 – 1 1


Empalmado Adutor do polegar 0,5 – 1 1
Flexor curto do polegar /oponente 0,5 – 1 1

PUNHO Flexor profundo dos dedos 1–2 1–2


Fechado Flexor superficial dos dedos 1–2 1–2

MÚSCULOS
INTRÍNSECOS Lumbricais/interósseos 0,5 – 1 1
DA MÃO
Flexão

MEMBROS INFERIORES
QUADRIL Ilíaco 1–2 1
Fletido Psoas
Reto femoral 3–5 2–3
JOELHO Isquiotibiais mediais 3–8 3–4
Fletido Gastrocnêmio (com flexor 3–6 2–4
do joelho)
Isquiotibiais laterais 2–6 1–2
COXAS Adutor longo/curto/magno 3–6 1–3
Aduzidas
JOELHO
Rígido (Estendido) Mecanismo quadríceps 3–6 2–4

PÉ Gastrocnêmio medial/lateral 3–6 1–4


Equinovaro Sóleo 2–3 1–2
Tibial posterior 1–2 1
Tibial anterior 1–3 1
Flexor longo/curto dos dedos 1–2 1
Flexor longo do hálux 1–2 1

* AHÁLUX
dose deve ser reduzida em ~50% se ambos os SCM forem injetados
** Hiperextensão Extensor
não é uma forma de distonia; as longo
informações dedo hálux são fornecidas como uma
dosagem 1 –cortesia
2 aos injetores 1

* Para crianças com peso acima de 60 kg, deve-se substituir pelas recomendações de dosagem para adultos

8
RECOMENDAÇÕES DE DOSES EM CRIANÇAS3

Dose corporal máxima total por procedimento = até 16 U/kg ou 400 U

Dose máxima por músculo grande por procedimento = 6 U/kg

Dose máxima por músculo pequeno por procedimento = 1 a 2 U/kg

Dose máxima por ponto de aplicação = 50 U

Volume máximo por ponto = 1,0 mL, exceto em situações especiais


Diluição: 1 a 5 mL por frasco. Soluções mais diluídas podem ser mais eficazes
em músculos maiores
Reaplicação > 3 meses
As doses sugeridas nesta tabela representam atualizações feitas às recomendações originais de dosagem.
Estas se baseiam no consenso de opinião do Grupo de Estudo da Espasticidade.

MODIFICADORES DE DOSE4

SITUAÇÃO CLÍNICA DOSE POR MÚSCULO

Uma diminuição na Um aumento na


dose pode dose pode
ser indicada se: ser indicada se:
Peso do paciente Baixo Alto
Duração provável da terapia Crônica Aguda
Massa muscular Muito pequena Muito grande
Número de músculos a serem Muitos Poucos
injetados simultaneamente
Escore de Ashworth Baixo Muito alto

Preocupação de que o tratamento possa Alta Baixa


resultar em relaxamento excessivo
Relaxamento Resposta
Resultados de terapia anterior excessivo inadequada
Antes de prescrever qualquer agente farmacológico, leia as informações para prescrição, indicações, contraindicações,
advertências, precauções e eventos adversos.

PONTOS-CHAVE3

A BTX-A raramente causa complicações ou efeitos adversos significativos nos pacientes pediátricos

As crianças podem se beneficiar com o uso de ansiolíticos e/ou anestésicos tópicos antes da aplicação

A avaliação significativa do resultado do tratamento depende da definição minuciosa antecipada dos


objetivos

Os efeitos da BTX-A são observados dentro de alguns dias e duram, em média, de 3 a 4 meses

9
Anatomia

10
11
Anatomia

12
13
Doses sugeridas de BOTOX®
na Espasticidade Focal em adultos4
DOSE INICIAL DOSE DE NÚMERO
MÚSCULOS POSSIVELMENTE
PADRÃO CLÍNICO MÉDIA/ BOTOX DE PONTOS
®

ENVOLVIDOS
UNIDADES UNIDADE/VISITA DE APLICAÇÃO

MEMBROS SUPERIORES
OMBRO Complexo de peitorais 100 50 – 200 2–4
Aduzido/ Latíssimo do dorso 100 50 – 200 2–4
Rotação Interna Redondo maior 50 25 – 100 1–2
Subescapular 75 50 – 100 1–2

COTOVELO Braquiorradial 60 25 – 100 1–3


Fletido Bíceps 90 70 – 200 2–4
Braquial 50 40 – 100 1–2

ANTEBRAÇO Pronador quadrado 25 10 – 50 1


Pronado Pronador redondo 40 – 50 25 – 75 1–2

PULSO Flexor radial do carpo 50 25 – 100 1–2


Fletido Flexor ulnar do carpo 40 20 – 100 1–2

POLEGAR Flexor longo do polegar 25 10 – 50 1


Empalmado Adutor do polegar 15 5 – 30 1
Flexor curto do polegar /oponente 10 5 – 30 1

PUNHO Flexor profundo dos dedos 25 20 – 50 1


Fechado (por fascículo)
Flexor superficial dos dedos 25 20 – 50 1
(por fascículo)

MÚSCULOS
INTRÍNSECOS Lumbricais/interósseos
10 5 – 15 1
DA MÃO (por lumbrical)
Flexão

MEMBROS INFERIORES
QUADRIL Iliopsoas† 100 50 – 200 2
Fletido Psoas 100 50 – 200 2
Reto femoral 100 75 – 200 2–4

JOELHO Isquiotibiais mediais 100 50 – 200 2–3


Fletido Gastrocnêmio 125 50 – 150 2–4
(com flexor do joelho)
Isquiotibiais laterais 100 75 – 200 2–3

COXAS Adutor longo/curto/magno 75 – 300 4-6/perna


200/perna
Aduzidas

JOELHO Quadríceps/ vasto lateral,


100 50 – 300 6
Rígido (Estendido) intermédio e medial

PÉ Gastrocnêmio medial/lateral 100 50 – 250 2–4


Equinovaro Sóleo 100 50 – 200 2–4
Tibial posterior* 85 50 – 150 1–3
Tibial anterior 50 50 – 150 1–3
Flexor longo dos dedos* 75 50 – 100 1–3
Flexor curto dos dedos 25 20 – 40 1
Flexor longo do hálux* 50 25 – 75 1–2

HÁLUX Extensor longo do hálux 50 20 – 100 1–2


Hiperextensão
* Para localização do psoas, recomenda-se fluoroscopia/ ultrassom

14
DOSE INICIAL DOSE DE NÚMERO
MÚSCULOS POSSIVELMENTE
PADRÃO CLÍNICO MÉDIA/ BOTOX DE PONTOS
®

ENVOLVIDOS
UNIDADES UNIDADE/VISITA DE APLICAÇÃO

CABEÇA Esternocleidomastoideo (SCM)†† 40 25 – 75** 1–3


E PESCOÇO Complexo de escalenos 30 15 – 50 1–3
Esplênio da cabeça 50 30 – 150 1–3
Semi-espinal da cabeça 60 50 – 150 1–3
Longuíssimo da cabeça 60 50 – 150 1–3
Trapézio 50 50 – 150 1–3
Levantador da escápula 50 25 – 100 1–3

Masseter 40/lado 20 – 60/lado 2/lado

Temporal 20/lado 20 – 40/lado 1 – 2/lado

†† A dose deve ser reduzida em 50% se ambos os músculos SCM forem injetados.
** A fraqueza do pescoço pode ser um risco resultante da aplicação nos extensores do pescoço na ponta superior da variação de dose

RECOMENDAÇÕES DE DOSE PARA ADULTOS4

Dose corporal máxima total Volume máximo por ponto =


por visita = Reaplicação > 3 meses,
0,5 a 1,0 mL, exceto exceto em situações
400 a 600 Unidades, exceto em situações especiais
em situações especiais especiais

As doses sugeridas nesta tabela representam atualizações feitas às recomendações originais de


dosagem. Estas se baseiam no consenso de opinião do Grupo de Estudo da Espasticidade.

PONTOS-CHAVE4

A avaliação significativa do resultado do tratamento depende da definição minuciosa


antecipada dos objetivos

Os pacientes podem se beneficiar com o uso de ansiolíticos e/ou anestésicos tópicos


antes da aplicação
A maioria dos pacientes começa a sentir um efeito terapêutico dentro de 24 a 72 horas
após a aplicação e o efeito máximo ocorre em aproximadamente 1 a 4 semanas

Terapias concomitantes podem aumentar a probabilidade de atingir os objetivos


do tratamento

Recomenda-se uma reavaliação em 3 a 6 semanas para avaliar a resposta do paciente

A decisão de fazer uma reaplicação não é uma conclusão óbvia e deve ser revista
após cada sessão de terapia

15
Doses sugeridas de BOTOX®
na Espasticidade Focal em adultos4
MODIFICADORES DE DOSE4

SITUAÇÃO CLÍNICA DOSE POR MÚSCULO

Uma diminuição na Um aumento na


dose pode dose pode
ser indicada se: ser indicada se:
Peso do paciente Baixo Alto
Duração provável da terapia Crônica Aguda
Massa muscular Muito pequena Muito grande
Número de músculos a serem Muitos Poucos
injetados simultaneamente
Escore de Ashworth Baixo Muito alto

Preocupação de que o tratamento possa Alta Baixa


resultar em relaxamento excessivo
Relaxamento Resposta
Resultados de terapia anterior excessivo inadequada
Antes de prescrever qualquer agente farmacológico, leia as informações para prescrição, indicações, contraindicações,
advertências, precauções e eventos adversos.

16
Dosagem de BOTOX® para Migrânea Crônica
PROTOCOLO PREEMPT1

31 PONTOS
7 GRUPOS MUSCULARES
DOSES FIXAS (5U/ponto)
DOSE MÍNINA 155 U
ADICIONAL 40 U

17
Dosagem de BOTOX® para Migrânea Crônica
PROTOCOLO PREEMPT1
Número de pontos Unidades Adicionais,
Ordem Músculo Número de Unidades
(5U/ponto) se necessário (5U/ponto)

A Corrugador 2 pontos (A1, A2) 10U -

B Prócero 1 ponto (B1) 5U -

4 pontos (C1,C2,C3,C4)
C Frontal [2 pontos de cada lado] 20U -

8 pontos (D1,D2,D3,D4,
D5,D6,D7,D8) 10U
D Temporal 40U
[4 pontos de cada lado] [1 ponto de cada lado]

6 pontos (E1,E2,E3,E4,E5,E6) 10U


E Occipital 30U
[3 pontos de cada lado] [1 ponto de cada lado]
4 pontos
Cervical (F1,F2,F3,F4) -
F 20U
paraespinal [2 pontos de cada lado]

6 pontos
20U
G Trapézio (G1,G2,G3,G4,G5,G6) 30U
[3 pontos de cada lado] [2 pontos de cada lado]

Dose total 155U 40U

Hiperidrose axilar:
A área hiperidrótica a ser injetada deve ser definida utilizando técnicas
padrão de coloração, como por exemplo, o Teste de Minor (teste do
iodo-amido).1
A dose inicial recomendada é de 50U por área hiperidrótica de cada axila,
injetadas em plano intradérmico com 2,5 a 5U por injeção, distribuídas
em múltiplos pontos (10 a 15) e distando 1-2 cm entre si.1
Cada dose é injetada aproximadamente a 2 mm de profundidade
com a agulha angulada a 45° em relação à superfície da pele, com o
bisel voltado para cima, a fim de minimizar perdas e assegurar
que a aplicação seja intradérmica.1
Estas doses e pontos são sugeridos para a diluição de 100U em 4 mL1
A melhora clínica geralmente ocorre dentro da primeira semana após
a injeção.1
A duração média da resposta é de 6-8 meses quando realizados trata-
mentos repetidos > 4 tratamentos.1

18
Hiperidrose palmar:
A área hiperidrótica a ser injetada deve ser definida utilizando técnicas
padrão de coloração, como por exemplo, o Teste de Minor (teste do
iodo-amido).1
Aplicar creme anestésico tópico ou realizar anestesia local através de
bloqueio dos nervos ulnar e mediano. A área a ser injetada deve ser
definida utilizando técnicas padrão de coloração, como por exemplo, o
teste de iodo-amido de Minor.1
Diluição sugerida de 2U/0,05 mL por ponto em plano intradérmico.1
A aplicação deve ser distribuída uniformemente por toda a área
hiperidrótica distando 1-2 cm entre si com agulha calibre 30.1
As doses variam entre aproximadamente 50 a 150 Unidades por
palma. A dose total por palma pode ser modificada com base no
tamanho da mão e ou resultados de aplicações anteriores.1

ANEXOS
Portaria SAS/ MS nº 376, de 10 de novembro de 2009.
2.02.01.03.14-4 BLOQUEIO COM TOXINA BOTULÍNICA TIPO A PARA
TRATAMENTO DE DISTONIAS FOCAIS, ESPASMO HEMIFACIAL E ESPASTICIDADE
1. Cobertura obrigatória para o tratamento das distonias focais e
segmentares quando preenchido pelo menos um dos critérios do
Grupo I e nenhum dos critérios do Grupo II:5
Grupo I
a. blefaroespasmo; c. espasmo hemifacial; e. distonia oromandibular;
b. distonia laríngea; d. distonia cervical; f. câimbra do escrivão.
Grupo II
a. gravidez ou amamentação;
b. hipersensibilidade à toxina botulínica ou a um de seus componentes;
c. doença neuromuscular associada (por exemplo: doenças do neurô-
nio motor, miastenia gravis);
d. uso concomitante de potencializadores do bloqueio neuromuscular
(por exemplo: aminoglicosídeos);
e. presença provável de anticorpos contra a toxina botulínica, efinida
por perda de resposta terapêutica, após um determinado número de
aplicações, em paciente com melhora inicial;
f. perda definitiva de amplitude articular por anquilose ou retração tendínea.

19
2. Cobertura obrigatória para portadores de espasticidade que apre-
sentarem comprometimento funcional, ou dor ou risco de estabeleci-
mento de deformidades osteomusculares, desde que esteja garantida
a segurança do paciente (pelos seus familiares ou cuidadores no segui-
mento do tratamento, monitorização dos efeitos adversos e adesão às
medidas instituídas) quando preenchido pelo menos um dos critérios
do Grupo I e nenhum dos critérios do Grupo II:5,6

Grupo I
a. Paraplegia espástica tropical (CID G04.1);
b. Paralisia cerebral espástica (CID G80.0 );
c. Diplegia espástica (CID G80.1);
d. Hemiplegia infantil (CID G80.2);
e. Hemiplegia espástica (CID G81.1);
f. Paraplegia espástica (CID G82.1);
g. Tetraplegia espástica (CID G82.4);
h. Sequelas de hemorragia subaracnóidea (CID I69.0);
i. Sequelas de hemorragia intracerebral (CID I69.1);
j. Sequelas de outras hemorragias intracranianas não traumáticas (CID I69.2);
k. Sequelas de infarto cerebral (CID I69.3); 13
l. Sequelas de acidente vascular cerebral não especifcado como hemorrágico
ou isquêmico (CID I69.4);
m. Sequelas de outras doenças cerebrovasculares
e das não especificadas (CID I69.8);
n. Sequelas de traumatismo intracraniano (CID T90.5); e
o. Sequelas de outros traumatismos especificados da cabeça (CID T90.8).

Grupo II
a. hipersensibilidade a um ou mais componentes da for mulação
das apresentações de TBA;
b. perda definitiva da mobilidade articular por contratura fixa ou
anquilose com EAM grau 4 (Escala de Ashworth Modifcada);
c. doenças da junção neuromuscular (miastenia gravis, síndrome de
Eaton-Lambert);
d. desenvolvimento de anticorpos contra TBA;
e. infecção no local de aplicação;
f. gravidez ou amamentação;
g. uso concomitante de potencializadores do bloqueio neuromuscular
(por exemplo, aminoglicosídios ou espectiomicina);
h. impossibilidade de seguimento do acompanhamento médico
e de manutenção dos cuidados de reabilitação propostos.
20
CIDs (Classificação Internacional de Doenças)6

1. Paraplegia espástica tropical (CID G04.1);


2. Paralisia cerebral espástica (CID G80.0 );
3. Diplegia espástica (CID G80.1);
4. Hemiplegia infantil (CID G80.2);
5. Hemiplegia espástica (CID G81.1);
6. Paraplegia espástica (CID G82.1);
7. Tetraplegia espástica (CID G82.4);
8. Sequelas de hemorragia subaracnoidea (CID I69.0);
9. Sequelas de hemorragia intracerebral (CID I69.1);
10. Sequelas de outras hemorragias intracranianas não
traumáticas (CID I69.2);
11. Sequelas de infarto cerebral (CID I69.3); Entre outras.
12. Distonia (CID G24)
13. Enxaqueca (CID G43)
14. Hiperidrose (CID R61)

TABELA TUSS - PROCEDIMENTOS7

CÓDIGO TUSS GRUPOS TUSS SUBGRUPOS PROCEDIMENTO

Bloqueio fenólico, alcoólico ou com


PROCEDIMENTOS toxina botulínica (de pontos
CLÍNICOS REABILITAÇÕES -
20103140 SESSÕES motores) - por membro ou
AMBULATORIAIS segmento corporal

Injeção intralaríngea de
30206103 CABEÇA E PESCOÇO LARINGE toxina botulínica

Injeção de toxina
30311055 OLHOS MÚSCULOS botulínica -
monocular

21
Referências Bibliográficas: 1. Bula do medicamento BOTOX®. 2. We Move table. Suggested Adult BOTOX
starting doses. Revised August 2005, edition 2.0. [acesso em 2015 out 07]. Disponível em: <http://www.neuroda-
ta.co.uk/Muscle_Sites__ Botox_Guide_Sheet_from_mdvu_.pdf>. 3. We Move table. Suggested Pediatric BOTOX
starting doses.Revised August 2005, edition 2.0. Disponível em: http://www.mdvu.org e http://www.actafisiatrica.
org.br/detalhe_artigo.asp?id=55#. 4. Brashear A, Mayer NH. Spasticity and other forms of muscle overactivity
in the upper motor neuron syndrome. etiology, evaluation, management, and the role of Botulinum
Toxin. We Move table. Suggested Adult BOTOX starting doses. Revised June 2008, version 3. p.247-251.
5. Portaria SAS/ MS nº 376, de 10 de novembro de 2009.[acesso e,m 2015 out 09]. Disponível em: http://bvsms.
saude.gov.br/bvs/saudelegis/ sas/2009/prt0376_10_11_2009.html. 6. Classificação Internacional de Doenças.[aces-
so em 2015 out 09]. Disponível em: http://www.cid10.com.br/. 7. TABELA TUSS – PROCEDIMENTOS. [acesso em 2015 nov 16].
Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/stories/Legislacao/in/anexo_in34_dides.pdf

INDICAÇÕES: BOTOX® (toxina botulínica A) é indicado para tratamento de estrabismo e blefaroespas-


mo associado com distonia, incluindo blefaroespasmo essencial benigno ou distúrbios do VII par craniano em
pacientes com idade acima de 12 anos; distonia cervical; espasmo hemifacial; espasticidade muscular; linhas
faciais hipercinéticas; hiperidrose focal, palmar e axilar; incontinência urinária causada por hiperatividade neuro-
gênica do músculo detrusor da bexiga e bexiga hiperativa com sintomas de incontinência, urgência e aumento
da frequência urinária em pacientes adultos que obtiveram resposta inadequada ou intolerantes à anticolinérgi-
cos; profilaxia em adultos de migrânea crônica. REAÇÕES ADVERSAS: Conforme esperado para qualquer
procedimento injetável, dor no local de aplicação, inflamação, parestesia, hipoestesia, sensibilidade anormal à
compressão, edema, eritema, infecção localizada, hemorragia e/ou ardor foram associados com a injeção. Es-
trabismo: Muito Comuns: ptose palpebral, distúrbios do movimento ocular. Blefaroespasmo/Espasmo hemifacial:
Comuns: ceratite superficial puntiforme, lagoftalmos, olho seco, irritação ocular, fotofobia, equimoses e aumen-
to de lacrimejamento. Distonia Cervical: Muito Comuns: disfagia, fraqueza muscular. Espasticidade: Comuns:
equimose, dor na extremidade, fraqueza muscular, hipertonia, febre e síndrome gripal. Bexiga Hiperativa Neu-
rogênica e Bexiga Hiperativa Idiopática: Muito Comuns: infecção do trato urinário. Migrânea Crônica: Comuns:
dor na nuca, cefaleia, migrânea, ptose palpebral, rigidez musculoesquelética, fraqueza muscular, mialgia, dor
musculoesquelética, paresia facial, prurido, espasmo muscular, tensão muscular, erupção cutânea. ADVER-
TÊNCIAS E PRECAUÇÕES: A eficácia e segurança de BOTOX® dependem do armazenamento adequado
do produto, seleção correta da dose e técnicas apropriadas de reconstituição e administração. Os médicos que
fizerem uso de BOTOX® em seus pacientes devem entender profundamente de anatomia neuromuscular topo-
gráfica e funcional das regiões a serem tratadas, bem como estar a par de quaisquer alterações anatômicas que
tenham ocorrido com o paciente devido a procedimentos cirúrgicos anteriores. Devem conhecer também técni-
cas-padrão de eletromiografia ou de eletroestimulação. POSOLOGIA: As doses recomendadas para BOTOX®
não são apropriadas para uso com outras preparações/ marcas comerciais de toxina botulínica. O método de
administração depende das características individuais do paciente, da indicação, da localização e da extensão do
comprometimento dos grupos musculares envolvidos. MODO DE USAR: DEVE SER APLICADO SOMEN-
TE POR MÉDICO PREVIAMENTE TREINADO PARA USO CORRETO DO PRODUTO. BOTOX® deve
ser administrado dentro de 3 dias (72 horas) após a reconstituição. Para informações completas para prescrição,
consultar a bula do produto ou a Allergan Produtos Farmacêuticos Ltda. VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDI-
CA. Reg. ANVISA/MS - 1.0147.0045.

CONTRAINDICAÇÕES: Este medicamento é contraindicado em pessoas com antecedentes hipersensibili-


dade a qualquer dos ingredientes contido na formulação e na presença de infecção no local da aplicação. Este
medicamento é contraindicado para menores de 2 anos. INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: O efeito da
toxina botulínica pode ser potencializado por antibióticos aminoglicosídicos ou quaisquer outras drogas que inter-
firam com a transmissão neuromuscular.

MATERIAL PROTEGIDO POR DIREITO AUTORAL E DESTINADO


EXCLUSIVAMENTE AO PROFISSIONAL DA SAÚDE

22
23
BR/0382/2015- Dez/2015
24

Você também pode gostar