Você está na página 1de 15
soe continy edagdgi Ca prs mn a BICa do professe + Ptatica um fazer colabotatiyg Or Universis tio: Lucymara Carpim Jtrodugao ‘A formagao docente é um processo continuo e ee ine que re da investigativa sistemdtica e dialdgica, pois os desafi quer uma caminha- a a ; < 10S post: mento sociais, politicos econémicos exigem um novo i 108 pelos moyi- s° . ar i lagdgicas dos professores do Ensino Superior. Cece A universidade no atual contexto requer atender nio ape Li Nas a realidade da globalizasao da economia, mas principalmente as mudancas q lue ocorrem constanremente nO mundo do trabalho, que demanda por docent . a res com incias profissionais que levem em conta os aspectos cognitivos, fisi , fisicos competél alunos. Nesse sentido, a pratica pedagégica do professor eemocionais de seus essita pautar-se na construgso de acGes educativas que favo- m aprendizado que atenda aos pilares da competéncia, que as habilidades e as atitudes. universitério nect so os conhecimentos, sideragdes de Masetto (2012, p. 19), “saber exercer a pro- Segundo con: .o humano, social, politico € m vistas a promover 0 desenvolviment econdmico do pais € uma habilidade importante”. te do século XXI investir em. nceitos fissio co! Sendo assim, entende-se que cabe ao docen | i | sua formacao continuada, para assim promover a conexdo entre 0s CO! apresentados em sala de aula ¢ a sua pratica pedagogica de forma dialégica de maneira colaboratiy, x \ Essencial ¢ mediar a construgao de saberes nos ambientes Prof, sf se transformem em significativos ¢ aplicados | cial, educacional ¢ politico. rofessores universitérig, " A apropriagéo de novos saberes pelos vl apresentada Pela TO, » Considerar que a dindmica educacional ‘ai jade, conduz a0 desenye, Me da ciéncia, denominada Teoria da Comp to educacional continuo, de tem como conducig , bi Ce a religacao de Cony jzagens PO alvidos no », a aprendizage”! os desenv 10 ty, ae ie ie rhone vos individuos on (2012, p. 25): “[..) a mentos entre a ue cotic mntam Almeida € vo eee _ emi 1e a A ly, scale, conforme spo we ade do mundo e da vid jidade, exida Destaca-se que a Teoria da Compl e ento qui mento complexo, um pensam melhor compreender a canes priticas educativas dese, » 0 docente a wh orn ee er NOVOA, 1992): O ritmo répido de transformagées sociais, econdmicas, Politica, rite visando, assim, considera, culturais das sociedades contempordneas traduz-se no quadiy ‘ 5 ree escolar pela complexidade crescente das fungdes atribuidas Pn prosore pla exigéncia cada vez mais sentida de abrir a ex), +o mundo ea modernidade. O professor & convidado a: dar vi escola para que esta se transfo formar os alunos de modo que sabem para produ no seio da comunidade ¢ ultrapassando event rme num centro cultural aber, ue estes sejam capazes de utilizar o rem ¢ transformarem 0 meio; Participar na vida coletiva; ctiar, quebrando rotinas uais Constrangimentos, ovadora e que pro- de novos significados “mental para a Consolidacao de ecimentos que POSSAM Ser aPicados na peasy a! : i . co al dos discentes. ade Social, cjon ¢ Conforte aponta Imbernén (2010, P11), « la condiga ae dep fessores passa PO ondigio de que StS Va asy © continy, je docente 0 que supo€ a assuncao do fato a ‘Umindo y, tada, ir FEM suje} fi mo mer uy fo 0bje°08 dela, co 0s instrumentos maledveig °° 42 f » S © mani, jos dos OUrTOS - Manip sdentidade contribui para que o pssaidet : Ue 0 professor Proporcione laborativo para que compreendam a importan 308 alunos um - , . ciae a : meio de um olhar integrador ¢ Sistémico, para Mecessidade » Pata assim constr; tri Corpo ¢ a mente bc ‘ultural ¢ ed ca. lal formacg abalho cok dearuarem Poa 4 : te conhecimentos que considerem o » OU seja, poet pedagégico inovador e holistico |Aformagio pedagégica do professor universitétio necesita ser de snteando em consideri0 a importncia de uma pica eal dora, reflexiva, com vistas a preparar seus alunos para construir saberes que jam significativos, comprometidos social e politicamente com 0 mundo educacional ¢ do trabalho. O professor precisa deixar de ver 0 saber como linear e fragmentado, pois, conforme aponta Imbernén (2010, p. 15): [uu] a educagao e a formacéo docente devem romper essa forma de pensar que leva a analisar o progresso e a educagio de uma forma linear, sem permitir integrar outras formas de ensinar, de aprender, de se organizar, de ver outras identidades sociais ¢ ma- nifestag6es culturais. Esse cendrio aponta as novas caracteristicas impostas pelo atual sistema politico e econdmico, que requer pessoas com novo perfil profissional para atender aos desafios do mundo educacional e também do trabalho. Sendo assim, os docentes necessitam desenvolver novas caracteristicas na Sua pritica pedagégica, possibilitando aos alunos acompanharem a evolugao tecnica e tecnolégica que demandam por conhecimentos que permitam um dbarholistico, que favoreca o desenvolvimento da capacidade humana de in- 75 jm, entendemos «uy. i i 5 teragir, investigar, colaborar, relacionar ¢ refletits sa ehrens (2006, y, oe i do que consi@e “inlt , perfil educacional vem a0 encontro do que CPS ineerdisciplinay, sup, a 1 imentalizaca O°. A visto holistica busca @ PetsPe mpartimentalizagio 4, 40, a divisi» abordage! 6, do a fragmentagio, # 4 vajucati¥® name ae ea hots, nhecimento. O process nder a fazer, aprender oo i : . Neste conte, implica aprender ee aprende 1 este conten i aprendes nsideracao 0 pro viver, aprender a loa evar em CO! ie aca a es miltiplas aprender e propostas n© ra gt faa Oniany, superagio das dualida’ © Tso, corpo-a ima, objetivo-supi. centre azo“ entre outros: de recomenda 0 desenvolvimento de um olha, " © a fragmentagao das disciplinas p,,, idos em forma de rede. Os Profey af a conhece! -cartesiand, vo € sujeito-objet» A Teoria da Complexida mn agio pedagégica do educador q4° supe) i i Je 0s contel ue a pritica docente interligu a sors resin articular o pensar € 0 fazer, Proporcl QUE © Process, “Iaies se conertie deforma inovadora ¢ global. abe ao profesor orientar seus alunos para que pesquisem continuamen, te, adotando atividades educativas que problematizem quest6es que levem os discentes a refletir € resolver situagées reais, articulando conhecimentos, habilidades ¢ valores, contribuindo nao somente com o seu crescimento edy. cacional, mas, em especial, para o desempenho social, politico e cultural, Nas Palavras de Behrens ¢ Carpim (2013, p. 111), “Os educadores precisam estar atentos 4 realidade inovadora; para tanto, necessitam rever suas identidades Profissionais docentes, nao sé as relacionadas aos aspectos didaticos e pedaos, fissionais d das didati Pedag, Bicos, mas também aos técnicos ¢ tecnolégicos O docente necessita buscar s ressuy b Postos de uma acio bus “4 Constante de novas a. da desea Forma, 0 6dU=aUOF GUE desenyoh 9 é Nwolve un _ Sy" ‘ coer educativa atende ao que destaca Imbernén é ™ Novo o| ‘Bes ci ra “aprender num ambiente de colaboracao, Ae P. 62), : we lun? vagh0 social: compartilhar problemas, acca tislogo P a tig le incu ativa ¢ de comunicagio”, 8 © exitos. Criag 5 Ioy, le para um a dinamica imposta Xty 4 . psiderando 2 a Ps A Pelo Novo paradigma d, oct tg omiyos comporcamentos profisionais, educacionat, po ciedade que ia, ndo do trabalho, © professor necessita investi on no” © tia, eo. om “ ir em sua fy aes me pate Uda, uma VEE QUE € fundamental a interasdo entre og 7 cont conceitos © a mina peangssice segundo apontam Behrens e Carpim (2013, p, 197) ep, pr Esse cendrio requer que os educadores que prepars fissionais coloquem em constante revisio a we : I e885 pro. Par especial nos processos de educagio continuada Formato, em es. suas ads curriculares a teoria ¢ a pritica de for tulad cant S59 um ensino que adote contextos cientificos ¢ ey em vista os atuais desafios do mundo produtivo al tendo ne F oor prone ta no campo do trabalho. a ena m1 de raciocinio légico, auténomo, critico e reflexivo, para adotar uma pritica profissional polivalente e inovadora esse sentido, o professor precisa conectar-se com seus alunos, atendendo sus risncesidades relativas aos aspectos de aprender a aprender, além de preparé-los para atender aos desafios propostos pelas inovagées tecnoldgicas sociais, O docente nesse cendrio pode ser um pesquisador, mediando o pro- eso de ensino e aprendizagem de maneira colaborativa, promovendo novas descobertas, facilirando a interagao entre contextos tedricos € priticos, con- forme aponta Formosinho (2009, p. 51): “[...] hoje em dia nao se concebe um. professor que nao seja um facilitador do que se aprende”. Sendo assim, o docente necessita adotar uma postura que: além de inves- tigativa, comprometa-se com a construcao social, colocando em pratica uma aio pedagdgica que favoreca o didlogo entre professor ¢ alunos de maneira reflexiva e consciente de seu compromisso de democratizar 0 ensino, confor- meas palavras de Behrens (1996, p. 185): O aluno passa a ser visto como um ser humano interessado em aprender, sujeito da educa¢io, entendido como alguém capaz 77 it sobre Si PEOPFIo ge, vencia e de refletit § obte de ter consciéncia e ‘ busca a construcag 4 °° m uf como um a Cina pedegiics cat Pen see pes éfandamental © PrOfeSs0r ado, Por conta do acima enree que oportunizem 20 aluno sprang acao docente praticas pedagosi rando os saberes teéricos em atividad i forma one ou ae os demais alunos, fundamentai, me ticas, consolidando par consolidagio de saberes es podem participar das Atividada, A No trabalho colabomsn See Esse comportamento demay a eo fletindo sobre suas 366 wa sua agdo docente, segundo comenta a professor atitudes inov: de (2011, p. 123): ; ja pasa a ser exigida sob o aspeca dy yg t Apri pele Sin pedagégico demanda por umsing | co®S oa ee da participagao de todos, onde 4 oop, ma Ce >) \ ay — a leva a novas descobertas ¢ a novas atitudes vide ’ | i j j romovendo a vontade de aprender e a vontade de ensina, f . modo legitimo para todos 0s envolvidos no processo educa, Os discentes necessitam ser estimulados para construir novos saberes de forma participativa e colaborativa, pois assim a intera¢do com 0 outro promo. ve situagdes de reflexio e de resolucao de problemas, fundamental para quea aprendizagem seja significativa. Nesse sentido, os contetidos trabalhados durante as apresentagoes tedricas Passam a ter sentido, uma vez. que o professor na pratica educativa inovadore ¢ colaborativa disponibiliza informac6es Para que estas sejam estimuladoras Para a construgo de conhecimentos aplicaveis & realidad fissional, politica social dos alunos, Aideia é a aprendizagem dialégica, saberes em con; a yunto. O docente nesse Contexto passa a ter 0 papel de medi > orient i i tando e estimulando a inves ranscendendo o ducioni ror ba ass giegep Va apen, *ducionismo da escola conservadora de ensino que prepare aS para a Teproducao ¢ Memori: Zacao de contetidos, le educacional, pro- onde alunos e Professores construam 78 sens (2006, p. 22): [1] @ aprendizagem preci sociocrtica. Com es8a nova can, tende a tornar-se um local vae individual. Acredita.. em geral, seja o movimen segundo Behi $8 focar uma form G30 Tizacio, oy reley; 8 Educa, se levante Para apron” pei jue . rendi, or tod. 2 Principal Fangae se let © Proposicag day, oda lucacio, le mudanca de Patadign, emo UMA Pessoa globe © espitito, bém precisa ser visto ¢ corpo, mente, emogées avealidade educativa deste novo século re ma diversidade de métodos educativos w ae atividades que favorecam novas desc lan iocinio, ‘ober » simu. i nstrufdos e reconstrufdec a omovam a socializacg d s conhecimentos CO! nstruidos de forma individual e co}, iGo lo: © coletiva, Hoje ¢ fundamental que © ensino propicie a tealagae a, siderem OS alunos como capazes de refletir sobre ‘on : a critica, € que compreendam os conhecimentos « a critica, a conforme recomenda Behrens (2005, p. 62); vidas, Com visio sistémica, ue ; WET UMA acao docente ba »estimulands 9 sages Pada atividades que © que aprendem de for. ‘mo dinamicos para suas os docentes precisam instigar seus alunos para a recuperagao de valores perdidos na sciedade moderns, buscando a justiga plena ¢ ampla a todas as camadas soci, provocando a formagio de valores imprescindives como apr, a harmonia, a solidatiedade, a igualdade e, principalmente, x honestidade. Orienta-se pata uma prdtica educativa que oportunize aos alunos uma rienta- : i 10s da ra- i e colaborativa, transpondo os fundament aprendizagem cooperativa i a a . n- ionalidade técnica, da memorizagao e da fragmentagio dos saberes. O esr sa cimentos comprometidos com a necesséria lo em um mundo em constante partilhamento. cial é a producao de novos conhe ‘ transformagao social, percebendo ¢ atuan movimento, em processo continuo de ac4o € de com 40 docente Dateoria & prdtica: um novo ofhar para a formacao A juzir seu. maneira de cond! O profe adotar uma nova mane! ostura professor, a0 ‘dade, adota uma P' tivo, atendendo a Teoria da Compl n processo educa de superacio a prstica © modelo emergen,, be cori 7 volver Um amplo olha; (200) sen uno dese eens (2005, p. 64), 8" 9 sn ro “sonic macs ie 8 aso forme ™ um todo, © professor que joe cd *p pens 1 hom? i jea renovada.€ COmpatiy a re sin pace | To io pad uma visio sistemica. Os doc” joo go doen uma visio holistica, deverig al f a0 opr oe buscar 2 grandeza que se encoy, ina e com a mi mat cada aun & aisciplina de Planejamento Educaciony gria em ao docente em uma Faculdy, ul ma prati se de cusiba oP m adorar uma Prética Pedagog de particular na cid oe ito de favoreeet gos futuros Aocentes a construc, va, com 0 intul 2 i a colaborativa» : ticiveis na ut agio educativa. de saberessignificativos €4P searam oportunizar ui avd dora pla POPES oy NE 08 ang esenvoiesiem durante 0 processo de ensino € apren zagem investigacdes, Se reflexdes ¢ planejamentos pedagdgicos de forma colaborativa ¢ interativa, yj. educa sando contribuir com a construgio de saberes que oportunizassem uma pri. asua ‘caeducativa furura dialdgica € inovadora. a sist ‘As aulas foram desenvolvidas considerando os momentos de reflexao so. moct b 1G Se oan . ; E05 fundamenos tedricos e a aplicacio pratica de forma mediada e colabo. criti rativa, pois, conforme destaca Masetto (2012, p. 56-57): A interagao professor-alt i juno, tant ivi o grupo, destaca-se como fu fn ee sare i indameni : ‘li ‘aga eic nates gi No processo de aprendi- bili pele naatitude de mediagao pedagdgi Professor, na conduta de parceria 1gogica por parte der ae de aprendizagem entre al € corresponsabilidade pelo tra le wma veloc luno . ee 1 relasio entre adultos assumid, € professor e na aceitagio ba Teor: ida bie = de Complexidade ou Por professor e aluno. . com 6 taeig. ; emergente. " cole elo, invest » 0 aluno . : letivamente, estigar, constry; Necessita ser estimu- de day, Pmetdend TUIE Seus prépri ig 05 fendmenos Prios saberes e tam ec Significa i, € Co) = . Bnificativa, pois, se MO estes so aplicados undo Moraes e Masiti t 39), °3 medida que a aprendizagem si yolvidos, claborados © diferenciados oo" 0 Os em decorate © decorréncig a ONCeitos, eT . le sucess; si pensar pers ~ Pratica pedagdgica ate 4 vas 7 lexidade requer iyi ndendo . eotia da Compl ar requer que as atividades prom 88 orientacdes ¢, de um individuo apenas recept ‘Promovam a tr a Ptor de ori, ‘ansformacig 0, goalun ° . ntags icular os conhe: es pat sere pase? arti + conhecimentos construides de , “A Um Profissio. nor mo de wa visto mas abrangent, colton Wo cane wert ° : 7 > an : pane holatica pois Das Palavras de Perrenoud (2001, p, roy Pa i > p. 19): ” professor profissional é, antes de tud, pD: profess udo, articulacéo do processo ensino-aprendizary Profisional da mminada situago, um profissional da interes oe ons oer ada si interagio das signifcage partlhadas; dessa forma, torna-se fundamentl eae ne Ibadas; des ‘ ue 6 domine néo s6 0s conhecimentos expecificos dene denne como também conhecer teorias que explicam a a nal hee . bem como as tendéncias pedagégicas atualizadas. rt Sendo assim, a pratica docente necessita acompanhar as novas demand: . . a educativas € profissionais, preparando pessoas de forma integral, repensando oye agio pedagégica de maneiraaviabilizar um ensino comprometdo, onde tematizagao dos conhecimentos ultrapasse a padronizagao e favorega a de- a sist levando 0 educador a pensar sua atividade de forma mocrat critica, reflexiva e inovadora. didlogo do professor com seus pares ¢ discentes lo aluno para novas descobertas, possi- atégias de aprender a apren- namico, inovador € tizacao dos saberes, Portanto, promover 0 levando a promogao da autonomia d bilitando a reflexdo e a argumentacao como est der séo fundamentais para um trabalho pedagdgico di transformador. As atividades necessitam ser desenvolvidas por mei cendo que as experiénci ciais, culturais € poli io de praticas coleti- vas de discussées € interag6es, favore as dos futuros docentes reflitam nos contextos educacionais, $0 fticos € nd: nsolidem em novas descobertas. ue os conceitos apresen- O conftonto dos saberes é imprescindivel pata ql : ara Se consolidar ta ‘ dos e conectem com as realidades de vida dos discentes, P: Bl Ty nsformagao de sabere, fa nn refi are em praticas significativas, contribuindo p: conforme a1 eon, : : res, influenciem na formagio dos profissionais profess! ragdes de Rehem (2009, p. 79): ‘Nesse processo formativo, ue ide. o papel do professor € 0 de Catalin, fos os diferentes elementos que.” ional. Dele € esperada uma py, Ja interacdo, experimen, eee eed € promover a interagao de t = proliss fluenciam na formaga0 ES pe fe a + apren . diagao capaz de faze se certo € €FF0, COMPTOVAGio, fy, vivéncia, testagem, Pe ciao: criticidade, acdo e Teflexiig, 50, intercambio, 0 ‘sti — vocacio, intecimbios CT sprendizagem asistida na dirgse fo Cabe ao professor P' lizagem ensinada. va, endo apenas uma aprendizag da autonomia, JO universits licadas para os alunos do curso de eae a ividades aplica : ‘oletivo € a reflex; pil - de ie objetivaram estimular 0 trabalho ce ‘do em formacao doce! da as recomenda. i i turos professores aten para que a pritica pedagégica a fucuros p! Ges da Teoria da Complexidade. : / -_ Iver um novo olhar para a aco docente, incluir 0 compartilha- lesenvo! ento das descobertas, colocar a favor do grupo seus saberes, promovendo m 7 d uma ligacao de respeito miituo, é essencial para desenvolver uma construcao de saberes de forma cooperativa e colaborativa. A dinamica posta pelas novas tecnologias da comunicagao e da informa- §@0 aponta para a necessidade do professor no atual contexto educacional colocar a disposicao dos alunos ferramentas que esto aprendendo, Isso significa J4 nao mais atendem as expectativas que facilitem a compreensao do que praticas educativas de mem dos alunos, Devido a facilidade de acesso As informacoes, ‘orizacao Variar a forma ed ar u ¢ fora dela, as atividade, a, as ten Processo de avaliaggy Olicitag fazer pode fornar-se y . Osa torna-se suportavel a na m ANG ser compense 0 esquem Padroni, P tay PROVISaK, Prever @ aiysiae nt sificar, mudar, ada, Parse cons aluno, quando n Muamene \eCessdtig, te Sio muitos os desafios que o docente eNcontra no ambi : jai fn iene edu E para que sua pratica seja inovadora ¢ dinamica ele ecessita acional, tinuamente, 0 que requer pesquisa e jn, og con! ica Pat se rie "SStB3G0 constants, ain como etodologias de ensinar € de contribyi een ei s de ens UI Com seus discentes Para a aprendizagem seja significativa, ca Oessencial da aco educativa é que os docentes entendam os noves de ¢ repensem sua pratica pedagégica, uma ver que atividades dinimicas safios ; um educador pesquisador que desenvolva uma Jaborativas requerem ay a ve conta a diversidade cull ne un 2 i - visio de m s alunos, contribuindo para que a educacio transforme vidas ial de seu: D ‘ ioe e social de horizontes de um fazer fragmentado, para priticas profisio jiando os ho: i it um novo mun- ampliand ionais compartilhadas, de maneira a construit i cacio! nais e edu significados sejam compreendidos e postos a favor de um saber lo, onde ficad j iP! fa do, 8) democrdtico e cidadao. ; : Jo € que Consideragées finais eu tons sgjes invades s de ensino que pro tarem praticas pedag Adotar novos método: ‘ ado' levem aos futuros docentes fessores € as escolas. eee a ee de formagao contin le ati jdades SSO , no proce: , Para tanto, P oe aplicada sencial que a teoria poss a favorecam um caminhar nee ¢ fragmentados do conhecii veda 0 i m individual e colaborativa pof as expectativas, desejos, ey,