Você está na página 1de 33

SISTEMAS A VAPOR 10

PACOTE DE ATIVIDADE DE
APRENDIZADO

DESEMPENHO DE UM SISTEMA A VAPOR

1
PACOTE DE ATIVIDADE DE APRENDIZADO 10

DESEMPENHO DE UM SISTEMA A VAPOR

INTRODUÇÃO

Os sistemas a vapor devem sempre estar em condições de apresentar desempenho


máximo. Isto não garante somente a segurança e a repetitividade, mas também um
custo maios baixo. Ser capaz de medir o desempenho e solucionar problemas de
um sistema a vapor é uma das operações mais importantes. Neste módulo, você
aprenderá sobre os fundamentos das habilidades de medição de desempenho,
eficiência e solução de problemas.

MATERIAL NECESSÁRIO

2
ÍNDICE

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO DE DESEMPENHO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . 4


OBJETIVO 1 Definir eficiência termodinâmica
OBJETIVO 2 Explicar como calcular o desempenho teórico de um sistema a vapor
OBJETIVO 3 Explicar como medir o desempenho teórico de um sistema a vapor
PRÁTICA 1 Medir o desempenho de um sistema a vapor
OBJETIVO 4 Descrever sete recomendações para melhorar o desempenho de um
sistema a vapor

CAPÍTULO 2 EFEITOS DO AR. . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .19


OBJETIVO 5 Apresentar a Lei de Dalton da pressão parcial e explicar o seu efeito
em um sistema a vapor
OBJETIVO 6 Descrever o efeito do ar sobre a pressão de um sistema a vapor
OBJETIVO 7 Descrever como calcular o efeito do ar sobre o desempenho de um
sistema a vapor
PRÁTICA 2 Calcular o efeito do ar sobre o desempenho de um sistema a vapor
OBJETIVO 8 Explicar como eliminar o ar de um sistema a vapor

CAPÍTULO 3 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS. . . . . .. . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . 28


OBJETIVO 9 Descrever o efeito do entupimento por água no desempenho de um
sistema a vapor
OBJETIVO 10 Descrever o efeito do travamento do vapor e como evitar isto
OBJETIVO 11 Descrever o efeito do levante de condensado e da pressão de
retorno
OBJETIVO 12 Descrever o efeito dos vazamentos
OBJETIVO 13 Descrever como solucionar problemas em um sistema a vapor
PRÁTICA 3 Solucionar problemas em um sistema a vapor

3
CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

OBJETIVO 1 DEFINIR EFICIÊNCIA TERMODINÂMICA

A termodinâmica é a ciência do calor e de outras formas de energia. As leis da


termodinâmica forma desenvolvidas no século XIX e foram criadas a partir do
desenvolvimento dos motores a vapor e como ele transforma o calor em trabalho
mecânico. Os sistemas a vapor utilizados em geração de potência e transferência de
calor estão entre os tipos mais comuns de sistemas termodinâmicos.
A eficiência térmica ou termodinâmica de um sistema a vapor é a razão entre a
saída de energia e a entrada de energia do vapor. A entrada de energia é a energia
calorífica inserida na caldeira para aquecer entradas de energia nas bombas, mas
esta energia é pequena comparada com a entrada da caldeira. No próximo objetivo,
você aprenderá como calcular a entrada de trabalho no sistema pela bomba
baseado nas propriedades da água que escoa através dela.
Um sistema a vapor que fosse eficiente em 100% converteria todo o calor de
entrada em trabalho útil sem absolutamente qualquer perda. Isto é, entretanto,
teoricamente impossível por várias razões. Na realidade, existem perdas
fundamentais existentes mesmo nas condições mais ideias. A eficiência
termodinâmica para a geração de eletricidade em uma planta moderna alimentada
por combustível fóssil é de aproximadamente 40%. Nas plantas nucleares, a
eficiência termodinâmica é de aproximadamente 34%. Mais tarde neste módulo você
irá calcular a eficiência de um sistema a vapor.

4
OBJETIVO 2 EXPLICAR COMO CALCULAR O DESEMPENHO TEÓRICO DE UM
SISTEMA DE VAPOR

A maioria dos sistemas a vapor funciona em ciclo. Isto significa que a água sub-
resfriada é bombeada para dentro da caldeira, é vaporizada para virar vapor,
executa trabalho útil em um processo, e é condensada para novamente retornar ao
estado de água líquida. A mesma água então repete o ciclo por várias vezes
consecutivas. Este tipo de sistema é chamado de ciclo de potência do vapor ou ciclo
de Rankine. A figura 1 mostra um ciclo de Rankine típico.

Figura 1. Ciclo de Rankine típico

5
A equação para calcular a eficiência térmica de um ciclo Rankine simples é a
seguinte:

EQUAÇÃO: EFICIÊNCIA TERMODINÂMICA


ŋ = (h3 – h4) + (h1 - h2)
----------------------------------------
h3 – h2
Onde, ŋ = eficiência termodinâmica
h1 = entalpia da água no estado 1, Btu/lb
h2 = entalpia da água no estado 2, Btu/lb
h3 = entalpia da água no estado 3, Btu/lb
h4 = entalpia da água no estado 4, Btu/lb

A equação da eficiência termodinâmica é muito útil. Ela permite que se reduza o


número de cálculos necessários para encontrar a eficiência de em um sistema
inteiro. Um sistema a vapor típico deve incluir um purgador, caldeira, turbina,
bombas, condensador, gerador, torre de resfriamento, e componentes de
alimentação de água para uma planta de geração acionada por vapor. Cada um
destes componentes possui uma eficiência associada a ele. Entretanto, não é
necessário calcular a eficiência de cada um destes componentes para encontrar a
eficiência global do sistema.

6
OBJETIVO 3 EXPLICAR COMO MEDIR O DESEMPENHO TEÓRICO DE UM
SISTEMA DE VAPOR

O desempenho de um sistema a vapor não pode ser medido com um “medidor de


eficiência”. A eficiência deve ser calculada utilizando-se as equações já
apresentadas. Para usar estas equações, é necessário determinar as entalpias
específicas nos pontos específicos. Como acontece com a eficiência, a entalpia por
si só não pode ser medida diretamente utilizando-se um “medidor de entalpia”, mas
deve ser determinada através de dados que nós podemos medir fisicamente. Para o
vapor, as quantidades mais facilmente medidas são a pressão e a temperatura.
Como um exemplo, considere o sistema a vapor mostrado na figura 2. Neste
exemplo, a água entra na bomba no estado 1. A bomba eleva a pressão da água,
que entra na caldeira no estado 2. A água é evaporada e superaquecida dentro da
caldeira e si no estado 3. O vapor passa através de uma turbina e realiza trabalho,
saindo como uma mistura com título no estado 4. A mistura com título é então
condensada de volta para água líquida e sai como água saturada.

Figura 2. Sistema a vapor típico

7
Os passos a seguir podem ser utilizados pra calcular o eficiência deste sistema a
vapor:

PASSO 1. Medir a pressão e a temperatura nos pontos 1, 2, 3 e 4


PASSO 2. Determinar h1 usando as tabelas do vapor
PASSO 3. Determinar h2 usando as tabelas do vapor
PASSO 4. Determinar h3 usando as tabelas do vapor
PASSO 5. Determinar h4 usando as tabelas do vapor
PASSO 6. Calcular ç

PASSO 1. Medir a pressão e a temperatura nos pontos 1, 2, 3 e 4

Os dados de pressão e temperatura são fáceis de serem medidos com o emprego


de medidores apropriados. Estes medidores devem, é claro, estar corretamente
localizados no sistema a vapor. Lembre-se de que os medidores de pressão indicam
valores de pressão manométrica. A pressão atmosférica local deve ser adicionada
para se obter a pressão absoluta. A figura 3 mostra um exemplo de pressões e
temperaturas medidas juntamente com o estado do vapor ou água.

ESTADO PRESSÃO TEMPERATURA ESTADO FÍSCO


(psia) (°F)
1 Atmosférica 212 Líquido saturado
2 150 212 Líquido sub-
resfriado
3 150 450 Vapor
superaquecido
4 20 389.88 Mistura com título
(x=0,6)

Figura 3. Dados medidos

PASSO 2. Determinar h1 usando as tabelas do vapor


No estado 1, o vapor foi condensado até líquido saturado na pressão atmosférica. As
tabelas de vapor saturado irão fornecer o valor de entalpia h1. A amostra de tabela
de vapor mostrada na figura 4 mostra h1 como sendo de 180,15 Btu/lb

PRESS TEM VOLUME ENERGIA ENTALPIA ESPECÍFICA


ÃO P. (°f) ESPECÍFICO INTERNA (Btu/lb)
(psia) (ft³/lb) ESPECÍFICA
(Btu/lb)
Vf Vg Uf Ug Hf Hfg Hg
14.696 212 0.016715 26.80 26.80 1077.6 180.15 970.4 1150.5

Figura 4. Propriedades do vapor saturado a 14,7 psia

8
PASSO 3. Determinar h2 usando as tabelas do vapor

O estado em h2 é de água líquida sub-resfriada. Os dados de entalpia para água


sub-resfriada algumas vezes são difíceis de encontrar. É usualmente aceitável
utilizar o vapor de entalpia pra água líquida saturada na mesma pressão. Neste
sistema, a pressão da água sub-resfriada deve ser a mesma pressão da caldeira.
Nosso exemplo mostra uma pressão da caldeira de 150 psia no estado 2.=,
conseqüentemente h2 = 330,75 Btu/lb. A figura 5 mostra valores típicos de uma
tabela de vapor e água nessas condições.

PRESS TEM VOLUME ENERGIA INTERNA ENTALPIA ESPECÍFICA


ÃO P. ESPECÍFIC ESPECÍFICA (Btu/lb)
(psia) (°f) O (Btu/lb)
(ft³/lb)
Vf Vg Uf Ug Hf Hfg Hg
150 358. 0.01 01/03/ 330.24 1111.2 330.75 863.4 1194.1
43 809 39

Figura 5. Propriedades do vapor saturado a 150 psia

PASSO 4. Determinar h3 usando as tabelas de vapor

O vapor no estado 3 está numa pressão de 150 psia e a uma temperatura de 450 °F.
A temperatura de saturação nesta pressão na figura 6 é de somente 358,43 °F,
então o vapor aqui deve estar superaquecido. Uma tabela de vapor superaquecido
fornece um valor de h3= 1247,4 Btu/lb, como mostrado na figura 6.

PRESSÃO = 150 psia


TEMP. (°F) v(ft³/lb) u(Btu/lb) h(Btu/lb)
Saturação 3 0139 1111 2 1194 1
400 3 2208 1130 1 1219 1
450 3 4555 1151 5 1247 4
500 3 6799 1172 0 1274 3

Figura 6. Propriedades do vapor superaquecido a 150 psi

9
PASSO 5. Determinar h4 usando as tabelas do vapor
No estado 4, uma mistura de vapor mais água a 20 psia e título ou qualidade de 0,6
sai da turbina a vapor. O valor da entalpia h4 é encontrado utilizando a equação de
propriedades do vapor com qualidade junto com as entalpias no estado saturado,
mostradas na figura 7. A equação para entalpia de uma mistura com qualidade é a
seguinte:
EQUAÇÃO: ENTALPIA DE UMA MISTURA COM
QUALIDADE
h4 = hf + x(hg - hf)

Substitua os valores de entalpia na equação como mostrado.


h4 = 196,27 + 0,6(1156,3 – 196,27)
O cálculo da equação para h4 resulta em um valor de 772,3 Btu/lb.

PRESS TEM VOLUME ENERGIA ENTALPIA ESPECÍFICA


ÃO P. ESPECÍFIC INTERNA (Btu/lb)
(psia) (°f) O ESPECÍFICA
(ft³/lb) (Btu/lb)
Vf Vg Uf Ug Hf Hfg Hg
20 227. 0.01 20087 330.2 1111.2 196.27 960.1 1156.3
96 6834 4
Figura 7. Propriedades do vapor saturado a 20 psia
PASSO 6. Calcular Ç

Utilizando-se a equação da eficiência térmica, calcula-se a eficiência do sistema

EQUAÇÃO: EFICIÊNCIA TERMODINÂMICA


ŋ = (h3 – h4) + (h1 - h2)
----------------------------------------
h3 – h2

Encaixando-se os valores encontrados na equação


ŋ = (1247.4 – 772.3) + (180.15 – 330.75)
----------------------------------------
1247.4 – 330.75
Resolvendo a equação, chega-se a uma eficiência de 0,354, ou 35,4 %.
Isto significa que somente 35,4% da energia inserida no sistema a vapor foi utilizada,
sendo transferida pelo vapor na forma de trabalho útil.

10
PRÁTICA 1 MEDIR O DESEMPENHO DE UM SISTEMA A VAPOR

Descrição do procedimento
Nesta atividade prática, você ganhará
experiência no cálculo de eficiência de um
sistema a vapor

1. Execute os passos a seguir para calcular a eficiência de um sistema a vapor.


A- Leia a situação a seguir:

Situação: Considere o sistema a vapor mostrado na figura 8. Neste sistema, a água


entra na bomba do estado 1. A bomba aumenta a pressão da água e esta entra na
caldeira no estado 2. A água é evaporada e superaquecida dentro da caldeira e sai
no estado 3. O vapor passa através de uma turbina e realiza o trabalho, saindo
como uma mistura com título no estado 4. A mistura com título é então condensada
de volta para água líquida e si como água saturada no estado 1. As pressões,
temperaturas, estados, e informações de título das misturas são listados na figura 8.

Figura 8. Sistema a vapor

11
B- Prepare uma tabela similar à mostrada na figura 9, listando todas as
informações da situação apresentada.

ESTADO PRESSÃO TEMPERATURA ESTADO FÍSCO


(psia) (°F)
1
2
3
4
Figura 9. Dados medidos

Você deve ter determinado os dados mostrados completa apresentada na figura 10.

ESTADO PRESSÃO TEMPERATURA ESTADO FÍSCO


(psia) (°F)
1 14 7 212 Líquido saturado
2 150 212 Líquido sub-
resfriado
3 150 500 Vapor
superaquecido
4 20 389 88 Mistura com título
(x=0,6)
Figura 10. Tabela completa

C- Determine h1 usando as tabelas do vapor. No estado 1, o vapor foi


condensado até líquido saturado na pressão atmosférica. Use a tabela de vapor
mostrada na figura 11 para obter o vapor de entalpia em h1.

h1 = ___________Btu/lb

PRESS TEM VOLUME ENERGIA ENTALPIA ESPECÍFICA


ÃO P. ESPECÍFICO INTERNA (Btu/lb)
(psia) (°f) (ft³/lb) ESPECÍFICA
(Btu/lb)
Vf Vg Uf Ug Hf Hfg Hg
14 696 212 0.016715 26.80 26.80 1077.6 180.15 970.4 1150.5

Figura 11. Propriedades do vapor saturado a 14,7 psia

12
D- Determine h2 usando as tabelas do vapor. O estado em h2 é de água
líquida sub-resfriada. Como você se lembra, os dados de entalpia para água sub-
resfriada algumas vezes são difíceis de encontrar. É usualmente aceitável utilizar o
valor de entalpia para água líquida saturada na mesma pressão. Neste sistema, a
pressão da água sub-resfriada deve ser a mesma pressão da caldeira. Neste
sistema, a pressão da caldeira de 200 psia no estado 2. Use a tabela de vapor
mostrada na figura 12 para determinar o valor da entalpia no estado 2.

h2 = _________________Btu/lb
Você deve ter determinado h2 como sendo 355,6 Btu/lb.

PRESS TEM VOLUME ENERGIA ENTALPIA ESPECÍFICA


ÃO P. (°f) ESPECÍFICO INTERNA (Btu/lb)
(psia) (ft³/lb) ESPECÍFICA
(Btu/lb)
Vf Vg Uf Ug Hf Hfg Hg
200 381.86 0.018387 2 289 354.9 759.6 355.6 843.7 1199.3

Figura 12. Propriedades do vapor saturado a 200 psia

E- Determine h3 usando as tabelas do vapor. O vapor no estado 3 está numa


pressão de 200 psia e a uma temperatura de 500°F. Use a tabela de vapor
superaquecido mostrada na figura 13 para determinar a entalpia de h3.

H3 = ___________________ Btu/lb

Você deve ter determinado h3 como sendo 1269,0 Btu/lb.

PRESSÃO = 150 psia


TEMP. (°F) v(ft³/lb) u(Btu/lb) h(Btu/lb)
381.8 (Saturação) 2 2873 1114.6 1198.3
450 2 5480 1146.4 1240.6
500 2 7247 1168.0 1269.0
550 2 8939 1188.7 1296.2

Figura 13. Propriedades do vapor superaquecido a 200 psi

13
F- Determine h4 usando as tabelas do vapor. No estado 4, uma mistura de
vapor mais água a 20 psia e título ou qualidade de 0,6 sai da turbina a vapor.
Encontre o valor de entalpia h4 utilizando a equação de propriedades do vapor com
qualidade junto com as entalpias no estado saturado, mostradas na figura 14. A
equação para a entalpia de uma mistura com qualidade deve se parecer como
segue:

h4 = 196,27 + 0,3(1156,4 – 196,27)

h4 = _____________________ Btu/lb

Você deve ter calculado a entalpia de h4 como sendo de 772,3 Btu/lb.

PRESS TEM VOLUME ENERGIA ENTALPIA ESPECÍFICA


ÃO P. (°f) ESPECÍFICO INTERNA (Btu/lb)
(psia) (ft³/lb) ESPECÍFICA
(Btu/lb)
Vf Vg Uf Ug Hf Hfg Hg
20 227.96 0.016834 20087 330.24 1111.2 196.27 960.1 1156.3

Figura 14. Propriedades do vapor saturado a 20 psia


G- Calcule Ç utilizando a equação da eficiência térmica para calcular a
eficiência do sistema. Sua equação deve parecer como mostrada.

Ŋ = (1269 – 772.3) + (180.2 – 355.6)


----------------------------------------
1269 – 355.6

Resolvendo a equação, chega-se a um eficiência de 0,351, ou 35,1%.


Isto significa que somente 35,1% da energia inserida no sistema a vapor foi utilizada,
sendo transferida pelo vapor na forma de trabalho útil.

14
OBJETIVO 4 DESCREVER SETE RECOMENDAÇÕES PARA MELHORAR O
DESEMPENHO DE UM SISTEMA A VAPOR

O vapor custa dinheiro. Independente de como o vapor industrial é produzido, existe


um custo associado com a energia que é utilizada para gerá-lo. O vapor pode ser
perdido em vazamentos, condensação prematura e outros fatores. O vapor perdido
não pode ser usado no processo e então alguma energia adicional deve ser
consumida para substituí-lo. Um vazamento simples de vapor pode representar um
gasto de vários milhares de dólares por ano. As recomendações a seguir devem ser
seguidas para se maximizar a eficiência e minimizar os custos.

1. Remova o ar do sistema
O ar no sistema a vapor causa problemas. Você aprenderá mais sobre o efeito do ar
em um sistema a vapor mais tarde neste módulo. A remoção rápida do ar do sistema
aumenta muito a eficiência deste sistema. Os respiros de ar como mostrado na
figura 15 são vitais para a remoção do ar dos sistemas a vapor.

Figura 15. Respiro principal de ar

15
2. Instale corretamente as tubulações da caldeira
Quando se projeta o posicionamento da tubulação, é importante manter o número de
joelhos e mudanças de direção no mínimo. Isto é especialmente verdadeiro para
sistemas a vapor de grande vazão. Toda vez que o vapore sofre um mudança de
direção, alguma energia é perdida e a condensação pode começar quando o vapor é
saturado. Não é sempre possível direcionar com eficiência a tubulação de vapor por
causa dos equipamentos já existentes. Entretanto, um leiaute limpo possui seus
benefícios, como mostrado na figura 16.

Figura 16. Tubulação de vapor

3. Dimensione a caldeira corretamente


O propósito da caldeira é produzir vapor suficiente para alimentar todos os
equipamentos de processo do sistema com energia calorífica suficiente para que
executem suas funções. Uma caldeira subdimensionada não produzirá vapor
suficiente para todos os componentes de um sistema.

4. Certifique-se de que os purgadores de vapor estão funcionando


apropriadamente
O trabalho do purgador de vapor é conduzir o ar e o condensado para o tubo de
retorno, impedindo a passagem de vapor. Um purgador de vapor trancando na
posição aberta deixará passar vapor para as linhas de retorno. Um purgador de
vapor trancado na posição fechada não permitirá que o ar ou o condensado sejam
retirados do sistema.

16
5. Isole os tubos
A tubulação de vapor deve ser bem isolada de forma que o vapor seco possa chegar
aos componentes que utilizam a energia do vapor, como mostrado na figura 17. A
falta de isolamento ou um isolamento inadequado permitirá que o calor escape do
vapor antes de chegar aos componentes responsáveis pelo processo.

Figura 17. Insulation

6. Incline os tubos corretamente


A posição dos tubos sempre irá se alterar com o tempo devido à expansão térmica,
desgaste nos suportes dos tubos, e também por causa do envelhecimento natural
das construções e estruturas após vários anos. Isto pode remover a inclinação
apropriada que foi inserida no sistema de tubulação de vapor durante a instalação.
Os suportes de tubos e tubos devem poder ser ajustados de forma que o
condensado possa escoar apropriadamente para fora da tubulação, indo para o
sistema de coleta de condensado, como mostrado na figura 18.

Figura 18. Inclinação do tubo

7. Desentupa as linhas de retorno de condensado


Certifique-se de que o condensado escoa livremente através do sistema de
recuperação de condensado. Se as linhas de retorno de condensado ficam
entupidas, o condensado pode retornar para as linhas principais de vapor. Isto pode
levar ao bloqueio dos respiros de vapor, impedindo que o ar escape do sistema.

17
CAPÍTULO 1 REVISÃO

1. A eficiência termodinâmica mostra quão bem o calor


inserido em um sistema é convertido em________________.

2. O calor é inserido em um sistema a vapor através da


____________________.

3. Um sistema de vapor típico utilizado para geração de


potência é chamado de ciclo___________________.

4. Uma maneira de melhorar o desempenho de um


sistema a vapor é certificar-se de que os tubos estão bem
envoltos por_____________________.

5. O vapor que é perdido deverá consumir


mais______________________ para que possa ser reposto.

18
CAPÍTULO 2 EFEITOS DO AR

OBJETIVO 5 APRESENTAR A LEI DE DALTON DA PRESSÃO PARCIAL E


EXPLICAR SEU EFEITO EM UM SISTEMA DE VAPOR

Alguns gases, como o ar, são de fato misturas de outros gases puros (na maior parte
nitrogênio e oxigênio para este caso). A pressão parcial é pressão que o gás puro
contribui para a pressão total da mistura de gás. Trata-se também da pressão do gás
puro se este fosse o único gás ocupando o volume total ocupado pela mistura. Isto
foi estudado primeiramente por John Dalton, que foi capaz de estabelecer que a
pressão total de uma mistura de gás era Ada pela soma da pressão parcial dos
gases individuais.

EQUAÇÃO: LEI DE DALTON PARA AS PRESSÕES


PARCIAIS
Ptotal = P1 + P2 + P3 + … Pn
Onde:
Ptotal = Pressão total da mistura de gás que seria
medida por um medidor de pressão, psi.
P1, P2, P3 = Pressões parciais dos gases 1, 2, 3, etc,
psi.

19
O princípio da Lei de Dalton é mostrado utilizando-se o ar na figura 19.

Figura 19. Lei de Dalton

20
OBJETIVO 6 DESCREVER O EGEIRO DO AR SOBRE A PRESSÃO DE UM
SISTEMA A VAPOR
A pressão do sistema a vapor será a mesma estando o ar presente no sistema ou
não. Isto ocorre porque a água irá ferver na pressão escolhida se houver ar ou vapor
no espaço sobre o líquido. De acordo com a Lei de Dalton, se houver ar presente no
sistema a vapor, a pressão total será composta pela pressão parcial do vapor e a
pressão parcial do ar, como mostrado na figura 20.

Figura 20. Ar presente no sistema a vapor

O efeito do ar dentro do sistema é que o vapor agora foi deslocado pelo ar. Isto
significa que haverá menos vapor em certo volume vaporizado que se fosse
somente vapor puro, sem o ar. O efeito que isto possui no desempenho é discutido
no próximo objetivo.

21
OBJETIVO 7 DESCREVER COMO CALCULAR EFEITO DO AR SOBRE O
DESEMPENHO DE UM SISTEMA DE VAPOR
Você aprendeu em um módulo anterior que a água é uma escolha ideal para um
fluido de trabalho. As razões para isto são porque a água possui uma extraordinária
capacidade calorífica, existe em abundância e é relativamente inofensiva para o
ambiente. Por causa da sua alta capacidade calorífica, a água na forma de vapor é
capaz de carregar grandes quantidades de energia por libra. O ar, por outro lado,
não possui uma grande capacidade calorífica quando comparado com o vapor. O ar
não é capaz de armazenar tanta energia quanto a água. Por exemplo, a entalpia do
ar a 212°F é de 160,7 Btu/lb. O vapor saturado na mesma temperatura possui um
valor de entalpia de 1150,5 Btu/lb, o que é aproximadamente dez vezes a
quantidade de calor. Está claro assim que o ar não é tão efetivo quanto o vapor no
armazenamento de energia.
Quando há ar presente no sistema a vapor, ele diminui a quantidade de energia qye
pode ser transportada. A entalpia total (ou calor) contida em uma mistura de gás
pode ser calculada pela equação a seguir:

EQUAÇÃO: ENTALPIA DE UMA MISTURA DE GÁS


hmix = h1W1 + h2W2 + h3W3
Onde:
hmix = entalpia da mistura de gás nas condições especificadas
Btu/lb
h1,2,3 = entalpia dos gases individuais da mistura nas
condições especificadas, Btu/lb
W1,2,3 = frações de peso dos gases individuais na mistura

A fração de peso é a relação entre o peso de um gás puro em uma mistura com
relação ao peso total da mistura. A fração de peso é sempre um número entre 0 e 1
(como 0,437) e todas as frações de peso em uma mistura de gás devem resultar em
1 quando somadas. A fração de peso é calculada pela equação a seguir.

EQUAÇÃO: FRAÇÃO DE PESO DE UM GÁS EM UMA


MISTURA
W= Wgàs
_______
Wmix
Onde:
W = fração de peso do gás puro, adimensional
Wgás = peso do g´s puro na amostra, lb
Wmix = peso de toda a mistura, lb

22
Por exemplo, um mistura de gás em estudo possui um pedo total de 10 libras. Desta
mistura, 3 libras são de oxigênio e 7 libras são de nitrogênio. A fração de peso de
oxigênio deve ser calculada como segue:

W = Wgás = 3 = 0,3
_____ __
Wmix = 10

De forma similar, a fração de peso do nitrogênio deve resultar em 0,7. Para verificar
nosso cálculos, nós podemos adicionar as frações de peso para garantir que elas
resultam em um, como segue:

0,3 + 0,7 = 1,0

PRÁTICA 2 CALCULAR O EFEITO DO AR SOBRE O DESEMPENHO DE UM


SISTEMA DE VAPOR

Descrição do procedimento
Nesta atividade prática, você ganhará experiência na
determinação de como a presença do ar adversamente
afeta o desempenho do sistema a vapor.

1. Execute os passos a seguir para determinar a entalpia da mistura de gás.


A- Leia a situação a seguir:

Situação: Um tambor de 63 ft³ contém uma mistura de vapor saturado e nitrogênio.


A mistura está sob uma pressão de 100 psi. A massa total da mistura de gás é de 12
libras com 6 libras sendo vapor e 6 libras sendo nitrogênio. A entalpia do vapor puro
nestas condições é de 1187,2 Btu/lb e a entalpia do nitrogênio puro é de 289 Btu/lb.

B- Preencha os dados requeridos nos espaços fornecidos para a situação que


você acabou de ler:

Peso total da mistura de gás: Wmix = _________________________lb


Peso do vapor: Wsteam = _________________________lb
Peso do nitrogênio: Wnitrogênio = _________________________lb
Entalpia do vapor: hvapor = _________________________Btu/lb
Entalpia do nitrogênio hnitrogênio = _________________________Btu/lb

Você deve ter determinado que o peso total é de 12 libras, o peso do vapor é de 6
libras, o peso do nitrogênio é de 6 libras, a entalpia do vapor é de 1187,2 Btu/lb e a
entalpia do nitrogênio é de 289 Btu/lb.

23
C- Calcule a fração de peso de vapor e identifique-a como W1 usando a
equação da fração de peso como mostrado.
Você deve ter determinado que a fração de peso do vapor como sendo de 0,5.
D- Calcule a fração de peso de nitrogênio e identifique-a como W2 de forma
similar. Você deve ter determinado que a fração de peso de nitrogênio como sendo
de 0,5.
E- Calcule a entalpia da mistura usando a equação da entalpia de mistura de
gás, como mostrado.
hmix = (1187,2 Btu/lb) (0,5) + (289 Btu/lb) (0,5)
Você deve ter determinado que a entalpia da mistura como sendo de 738,1 Btu/lb.
F- Reserve um momento para fazer considerações sobre o seu resultado.
Você deve notar que a entalpia de mistura é substancialmente mais baixa que a
entalpia do vapor puro. A temperatura e a pressão são as mesmas que existiriam
para um tambor de vapor cheio de vapor puro. Entretanto, a quantidade de energia é
muito menor.

2. Execute os passos a seguir para determinar a entalpia de uma mistura de gás.


A- Leia a situação a seguir.

Situação: Um tambor de 63 ft³ contém uma mistura de vapor e ar. A mistura está
sob uma pressão de 100 psi. A massa total da mistura de gás é de 15,2 libras com
12,16 libras sendo vapor e 3,04 libras sendo ar. A entalpia do vapor puro nestas
condições é de 1187,2 Btu/lb e a entalpia do ar puro é de 188,7 Btu/lb;
B- Preencha os dados requeridos nos espaços fornecidos para a situação que
você acabou de ler:

Peso total da mistura de gás: Wmix = ______________________lb


Peso do vapor: Wsteam = ______________________lb
Peso do ar: War = ______________________lb
Entalpia do vapor hvapor = ______________________Btu/lb
Entalpia do ar har = ______________________Btu/lb

Você deve ter determinado que o peso total é de 15,2 libras, o peso do vapor é de
12,16 libras, o peso do ar é de 3,04 libras, a entalpia do vapor é de 1187,2 Btu/lb, e a
entalpia do ar é de 188,7 Btu/lb.

24
C- Calcule a fração de peso de vapor e identifique-a como W1 usando a
equação da fração de peso como mostrado.
Você deve ter determinado que a fração de peso do vapor como sendo de 0,8.
D- Calcule a fração de peso de ar e identifique-a como W2 de forma similar.
Você deve ter determinado que a fração de peso do ar como sendo de 0,2.
E- Calcule a entalpia da mistura usando a equação da entalpia de uma
mistura de gás, como mostrado.

Hmix = (1182,2 Btu/lb) (0,8) + (188,7 Btu/lb) (0,2)

Você deve ter determinado que a entalpia da mistura como sendo de 987,5 Btu/lb.
F- Reserve um momento para fazer considerações sobre o seu resultado.
Você deve notar que a entalpia de mistura também é substancialmente mais baixa
que a entalpia do vapor puro. A temperatura e a pressão são as mesmas que
existiriam para um tambor de vapor cheio de vapor puro. Entretanto, mesmo uma
pequena quantidade de ar dentro do sistema irá diminuir a quantidade de energia.

OBJETIVO 8 EXPLICAR COMO ELIMINAR O AR DE UM SISTEMA DE VAPOR

O ar usualmente está sempre presente em um sistema a vapor durante sua partida.


Pós uma manutenção ou em uma instalação nova, o ar ocupa completamente a
caldeira e a tubulação. Após o desligamento, o ar é usualmente admitido dentro do
sistema para impedir que haja formação de vácuo. Como o ar não pode ser mantido
fora do sistema, é necessário purgá-lo o mais rápido possível durante a partida do
sistema. Como você aprendeu nos módulos anteriores, existem três formas
principais para eliminar o ar. Você revisá-los de forma breve.

l Ar purgado durante a partida da caldeira


l Purgadores de ar
l Respiros de ar

25
Ar purgado durante a partida da caldeira

Este método purga o ar da caldeira somente durante a partida. Durante a partida,


um válvula de escape é aberta quando começa a formação de vapor. Na medida em
que a água começa a evaporar, o vapor literalmente força o ar para fora através do
escape, como mostrado na figura 21. Quando o operador estiver satisfeito pelo ar ter
sido retirado, a válvula de escape é fechada e a caldeira continua a ser pressurizada
até a pressão de funcionamento.

Figura 21. Escape da caldeira

Purgadores de vapor

A função principal do purgador de vapor é remover o condensado. Os purgadores de


vapor também purgam o ar e outros gases não condensáveis durante a partida.
Você aprendeu sobre o funcionamento dos purgadores de vapor em um módulo
anterior.

Respiros de ar

Os respiros de ar são especificamente projetados para eliminar o ar do sistema a


vapor durante a partida. Você aprendeu sobre o funcionamento dos respirados de ar
em um módulo anterior.

26
CAPÍTULO 2 REVISÃO

1. A pressão___________________ é a pressão que


o gás puro contribui em uma mistura.

2. O peso ________________________ é a relação


do peso do gás puro comparado com o peso da mistura
inteira.

3. De acordo com a lei de Dalton, a soma de todas as


pressões parciais em um mistura resulta na
pressão___________________.

4. O ar possui uma __________________ muito mais


baixa do que a do vapor nas mesmas condições.

5. O vapor misturado com o ar é capaz de


conduzir______________________ energia do que o vapor
sozinho.

27
CAPÍTULO 3 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

OBJETIVO 9 DESCREVER O EFEITO DO ENTUPIMENTO POR ÁGUA NO


DESEMPENHO DE UM SISTEMA DE VAPOR

O entupimento pela água consiste na formação de condensado nos componentes do


sistema a vapor que impede que o componente funcione ou que o vapor passe
através da tubulação de vapor. Por exemplo, o condensado que chega a um
regulador de pressão fará com que o regulador falhe caso este não seja removido
imediatamente. O entupimento por água em um sistema a vapor orá reduzir
enormemente o causar uma falha completa de desempenho do sistema a vapor.

28
OBJETIVO 10 DESCREVER O EFEITO DO TRAVAMENTO DO VAPOR E COMO
EVITAR ISTO

O travamento do vapor ocorre quando um purgador de vapor é incapaz abrir e deixar


o condensado ser drenado livremente. Este é usualmente um problema associado
com purgadores de reservatório invertido. A causa desta condição é a pressão
excessiva no sistema a vapor. Esta pressão força o reservatório para a posição
fechada como mostrado na figura 22.

Figura 22. Travamento do vapor

Quando esta condição esta presente, os itens a seguir podem ser os responsáveis:

l Pressão errada utilizada para especificar o purgador


l A pressão do sistema aumentou sem que se modificasse o purgador
l Válvula de redução de pressão com falha
l Alto vácuo na linha de retorno de condensado

29
OBJETIVO 11 DESCREVER O EFEITO DO LEVANTE DE CONDENSADO E
DA PRESSÃO DE RETORNO

O levante de condensado consiste em uma parte do sistema de recuperação que


deve superar a gravidade para onde escoar. O levante de condensado deve ser
evitado sempre que possível no projeto de sistemas a vapor. As partes verticais da
tubulação nas quais o condensado deve escoar para cima são consideradas como
levantes de condensado.
Para evitar os efeito do levante de condensado, bombas devem ser utilizadas para
manter o condensado escoando pra fora dos componentes do sistema a vapor e pra
dentro do tanque de recuperação de condensado.

OBJETIVO 12 DESCREVER O EFEITO DOS VAZAMENTOS

Quando há vapor vazando do sistema a vapor, isto acarreta em várias


consequências.

· Perda de vapor para o processo


· Energia adicional consumida
· Desempenho afetado

Perda de vapor para o processo

Se o vapor produzido pela caldeira é perdido através de vazamentos, o processo irá


sofrer. Isto ocorre porque a caldeira é capaz de produzir uma dada quantidade de
vapor por hora. Se o sistema possui vazamentos, o processo estará perdendo tudo
oque estiver vazando.

Energia adicional consumida

Um sistema com vazamento irá requerer mais energia para atender o mesmo
processo. Se a caldeira é capaz de ser energizada com mais calor, um pequeno
vazamento pode ser suportado. Entretanto, mesmo que o processo esteja sendo
executado, mais quantidade de energia está sendo consumida. Isto significa que
mais dinheiro está sendo gasto para a realização do processo.

Desempenho afetado

Se há vazamento de vapor, no sistema a eficiência do sistema irá diminuir. Se a


caldeira é incapaz de produzir vapor adicional, o processo irá sofrer devido a energia
perdida.

30
OBJETIVO 13 DESCREVER COMO SOLUCIONAR PROBLEMAS EM UM
SISTEMA A VAPOR

Quando o desempenho de um sistema de vapor está abaixo do nível usual, isto é


normalmente uma indicação de que algo está errado.
Habilidades efetivas de solução de problemas são necessárias para encontrarem-se
rapidamente os problemas e corrigi-los. Algumas considerações sobre a solução de
problemas estão relacionadas aos tópicos a seguir:

· Problemas na caldeira
· Problemas na manipulação do condensado
· Purgadores de vapor com falha
· Problemas com transferência de calor

Problemas na caldeira

Você aprendeu sobre as caldeiras em um módulo anterior. As caldeiras a fogo


devem possuir água, combustível e ar adequados sendo fornecidos para que
funcionem apropriadamente. A solução de problemas na caldeiras devem ser
executadas muito cuidadosamente por pessoal experiente.

Problemas na manipulação do condensado

A maioria dos problemas em sistemas a vapor resulta de problemas na tubulação de


condensado. As conexões dos tubos sempre ficam trancadas por sujeira e
depósitos. Quando isto ocorre, o condensado é incapaz de ser drenado das linhas
de vapor e do processo do vapor. Isto resultará em água entupindo o sistema.

Purgadores de vapor com falha

Um purgador de vapor que falha ao abrir não permitirá que o condensado seja
retirado do sistema a vapor. Se o purgador fica trancado aberto, o vapor vivo poderá
passar livremente, causando perda de vapor no sistema.

Problemas de transferência de calor

O lado do processo no sistema a vapor também pode possuir problemas. O maior


problema é quando os trocadores de calor ficam impregnados. Esta impregnação
ocorre quando a sujeira e os depósitos ficam presos nos tubos do trocador de calor.
Quando isto acontece, os tubos ficam isolados e a transferência de calor não pode
ocorrer de forma eficiente. O resultado disso é que o processo perde desempenho.

31
PRÁTICA 3 SOLUCIONAR PROBLEMAS EM UM SISTEMA
A VAPOR

DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO

Nesta atividade prática, você receberá algumas situações de


funcionamento. Você irá tentar determinar a causa dos
problemas propostos.

1 Execute os passos a seguir para solucionar problemas de um sistema a vapor.

A – Leia a situação a seguir:

Situação: Um sistema a vapor está sendo usado para aquecimento de tanques de


lavação. É observado que os tanques demoram mais do que antes para se
aquecerem. Não existem vazamentos aparentes e o sistema de condensado está
funcionamento apropriadamente. A caldeira está em boas condições de
funcionamento, mas a quantidade de vapor produzida também caiu.

B – Levando em consideração a situação apresentada, oque você acha que causou


o problema?

Problema no sistema a vapor: __________________________________

Você deve ter determinado que o problema mais provável seja trocadores de calor
impregnados. Isto causa um tempo de aquecimento maior e uma demanda menor
de vapor, já que o vapor não é capaz de transferir seu calor de forma efetiva.

n 2 Execute os passos a seguir para solucionar problemas em um sistema a


vapor.

A – Leia a situação a seguir:

Situação: Um sistema a vapor está sendo usado para aquecimento de tanques de


lavação. É observado que o sistema sofre com entupimentos severos por causa da
água. Em uma inspeção, parece que muito pouco condensado está vindo da
tubulação de condensado.

B – Levando em consideração a situação apresentada, o que você acha que causou


o problema?

Problema no sistema a vapor: ___________________________________

Você deve ter determinado que o problema mais provável seja um purgador de
vapor com falha e sempre fechado.

32
CAPÍTULO 3 REVISÃO

1- A condição conhecida como


___________________________ ocorre quando o
condensado é permitido retornar para dentro das linhas de
vapor.

2 – A pressão excessiva em um purgador de vapor pode


causar __________, quando o purgador é forçado a desligar.

3 – Quando o condensado deve ser transportado para um


nível mais alto, é necessário um ____________________

4 - Vazamentos de vapor causam


________________________________

5 - Os depósitos nos tubos de trocadores de calor causam


_______________, quando a transferência de calor não é
efetiva.

33